25 DE AGOSTO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Empresa fabricante de veículos no Brasil anuncia investimentos bilionários em três estados. E presidente Michel Temer comemora geração de empregos e confiança dos empresários. Mais de 600 obras inacabadas foram retomadas pelo governo. Começa segunda fase do pente fino em benefícios do INSS. 22 mil pessoas estão sendo convocadas.

audio/mpeg 25-08-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23402 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 25 de agosto de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Empresa fabricante de veículos no Brasil anuncia investimentos bilionários em três estados.

 

Nasi: E Presidente Michel Temer comemora a geração de empregos e confiança dos empresários.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Creches, postos de saúde e centros esportivos, mais de 600 obras inacabadas foram retomadas pelo governo. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Obras que impactam a qualidade de vida da população e estavam abandonadas foram retomadas em todo o Brasil com investimento de R$1 bilhão e R$400 milhões.

 

Gabriela: Começa a segunda fase do pente-fino em benefícios do INSS Vinte e duas mil pessoas estão sendo convocadas. André Luiz Gomes.

 

Repórter André Luiz Gomes: Estão sendo chamados para perícias médicas beneficiários com menos de 60 anos e que não passavam por perícia há mais de dois anos.

 

Nasi: E você sabe se tem direito ao saque do PIS/Pasep?

 

Gabriela: Nós preparamos uma reportagem que explica direitinho quem vai poder retirar o dinheiro a partir de outubro.

 

Nasi: Hoje na apresentação: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Nasi: Mais investimentos no país, a General Motors vai investir R$4,5 bilhões em três unidades da empresa no Brasil.

 

Gabriela: O anúncio foi feito hoje pelo presidente da GM Mercosul durante encontro com Presidente Michel Temer.

 

Nasi: E o presidente Temer recebeu a notícia com satisfação e disse que a medida vai ajudar a combater o desemprego.

 

Repórter José Luiz Filho: O investimento bilionário vai ser distribuído nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O presidente da GM Mercosul, Carlos Zarlenga, disse que o Brasil é um mercado muito importante para a empresa de automóveis e durante o encontro com Michel Temer detalhou o uso do dinheiro.

 

Presidente da GM Mercosul - Carlos Zarlenga: Então, hoje estamos anunciando R$4,5 bilhões que vão ser investidos em Rio Grande do Sul, como a gente já anunciou, que seria R$1,4 bilhões. Vamos investir também no Estado de São Paulo, em nossa fábrica em São Caetano, outros R$1,2 bilhões e nossa planta de Joinville, R$1, 9 bilhões mais.

 

Repórter José Luiz Filho: O Presidente Michel Temer reagiu ao anúncio com entusiasmo e disse que os investimentos em fábricas de três estados são importantes para a geração de empregos no país.

 

Presidente da República - Michel Temer: Muito bom. Eu recebo com muita satisfação essa informação. Isso também gera empregos, né? Evidentemente que esses investimentos todos acabam gerando empregos. E o que mais precisamos é combater o desemprego.

 

Repórter José Luiz Filho: O presidente Temer também lembrou que investimentos desse porte são um sinal desconfiança do Brasil.

 

Presidente da República - Michel Temer: Isto tem também uma significação, que é acreditar no país, né? Acreditar no que o país está fazendo.

 

Repórter José Luiz Filho: O investimento faz parte do plano geral da empresa de aplicar R$13 bilhões de nas operações brasileiras entre 2014 e 2020. O dinheiro será gasto na modernização das fábricas, novas tecnologias e no desenvolvimento de produtos. Carlos Zarlenga também elogiou a aprovação da reforma trabalhista e defendeu a continuidade de reformas necessárias para melhorar a competitividade brasileira, em especial, a tributária. Reportagem José Luiz Filho.

 

Gabriela: E o Presidente Michel Temer falou hoje como as 57 concessões anunciadas nesta semana pelo governo vão ajudar o Brasil a crescer a criar novos empregos.

 

Nasi: Em vídeo divulgado em sua rede social o presidente afirma que a medida vai atender o estado e a população.

 

Gabriela: Segundo Michel Temer, a prioridade é gerar empregos e garantir recursos para investimentos em áreas prioritárias.

 

Presidente da República - Michel Temer: Com essa medida, convenhamos, corajosa, o nosso grande objetivo não é cobrir o déficit fiscal, mas criar empregos, gerar renda e oferecer um serviço de melhor qualidade à população. São rodovias, portos, aeroportos, e linhas de transmissão que serão concedidos em iniciativa privada. O que é que isso significa? Significa que eles vão funcionar melhor para você e o estado vai receber bilhões de reais para investir naquilo que realmente importa: saúde, segurança, infraestrutura e educação.

 

Nasi: O presidente também comentou a criação está semana de uma linha de crédito do BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

 

Gabriela: Vinte bilhões de reais vão ser liberados para financiar micro e pequenas empresas.

 

Nasi: Segundo, Michel Temer, com essa ação o banco deixa de privilegiar o grande empresário e passa a atender também os pequenos negócios, impulsionando a economia e gerando mais empregos.

 

Gabriela: Uma obra pública que começa e não termina é prejuízo para todo mundo.

 

Nasi: Por isso o Governo Federal investiu quase R$1,5 bilhão para concluir obras que estavam paradas em todo o país.

 

Gabriela: São creches, postos de saúde e centros esportivos que agora saem do papel para atender a população que mais precisa.

 

Repórter Gabriela Noronha: Obras que impactam a qualidade de vida da população foram retomadas em todo o Brasil com o investimento de R$1 bilhão e R$400 milhões. O Governo Federal recomeçou 475 obras e concluiu quase 200. São 673 empreendimentos restabelecidos, mais de 42% daqueles que estavam abandonados até junho de 2016. A construção de uma creche na cidade de Valparaíso, em Goiás, por exemplo, estava parada há mais de seis meses por problemas na prestação de contas. Agora está recebendo o telhado para a cobertura. Na cidade, cinco creches Pró-Infância tiveram as obras retomadas. Para o prefeito Pabio Corrêa Lopes, o apoio do Governo Federal é indispensável.

 

Prefeito - Pabio Corrêa Lopes: Sem o apoio do Governo Federal seria inviável a construção dessas cinco unidades, né? O município, ele entra com uma contrapartida, que é o mínimo, e esse recurso, ele é todo custeado pelo Governo Federal. Sem o Governo Federal, como eu falei no início, a gente não teria condições de estar executando essas unidades.

 

Repórter Gabriela Noronha: O investimento estimado nas obras em Valparaíso é de R$7 milhões. Segundo a secretária municipal de Educação, Rudilene Alves de Farias, as novas creches vão garantir a abertura de mais de 1.300 vagas para crianças de até cinco anos.

 

Secretária municipal de Educação - Rudilene Alves de Farias: Temos uma demanda muito grande de mães que não têm onde deixar as crianças para poder trabalhar. Mas essas creches, elas vêm somar conosco dentro da nossa administração para atender essa demanda de crianças fora.

 

Repórter Gabriela Noronha: O brasiliense Alessandro tem dois filhos pequenos, mora perto de onde a nova creche vai funcionar e não vê a hora de a obra ficar pronta.

 

Brasiliense - Alessandro: A demanda de Valparaíso aqui para escola infantil, ela é enorme, inclusive, na escola do meu filho, que é infantil também, tem uma fila gigantesca lá de mães querendo colocar seus filhos, né? A abertura dessa escola aqui vai ser ótima para o Valparaíso, vai atender todas essas mães aí.

 

Repórter Gabriela Noronha: A maior parte das obras retomadas estão de infraestrutura turística, unidades básicas da saúde e centros esportivos. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Nasi: No mês de setembro a bandeira tarifária de energia vai sair da vermelha e voltar para a amarela.

 

Gabriela: Isso significa que a cobrança extra nas contas de luz cairá de R$3,00 para R$2,00 para cada cem quilowatt/hora de energia consumidos.

 

Nasi: A decisão foi anunciada hoje pela Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, uma vez que houve melhora das condições hidrológicas nas regiões Sul e Sudeste.

 

Gabriela: Mais de 22 mil cartas de convocação dos aposentados por invalidez foram enviadas nessa semana pelo INSS.

 

Nasi: As convocações são continuidade do pente-fino realizado pelo Governo Federal para revisar os benefícios de quem está há mais de dois anos sem perícia médica.

 

Gabriela: A previsão é de que as primeiras revisões de aposentaria por invalidez comecem em setembro.

 

Repórter André Luiz Gomes: Estão sendo chamados para perícias médicas beneficiários com menos de 60 anos e que não passavam por perícia há mais de 2 dois anos. Ficam de fora aqueles segurados com 55 anos ou mais e que tenham recebido, pelo menos, 15 anos de benefício. Depois de receber a carta de convocação o beneficiário deverá entrar em contato para agendar a perícia em até cinco dias corridos, exceto aos domingos, exclusivamente pelo telefone 135. Com a medida, o governo quer garantir que o pagamento dos benefícios seja feito para quem realmente precisa, como destaca o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.

 

Secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: A revisão dos benefícios é importante, por quê? Porque melhora a governança do sistema, melhora a gestão dos recursos públicos envolvidos, e, sobretudo, preserva a economia, a poupança dos trabalhadores e dos empregadores que formam esse fundo. Cada pessoa será usuária desse benefício que tenha mais de dois anos de duração, se ela é chamada por carta pelo INSS, terá cinco dias após o recebimento da carta entrar em contato com o número 135 para agendar sua nova perícia para que ele seja visto por um médico e seja avaliada a sua condição.

 

Repórter André Luiz Gomes: Quem não entrar em contato com o INSS em até cinco dias após o recebimento da carta terá o benefício suspenso. Depois de 60 dias sem a manifestação, o benefício será cessado. No total, o Governo Federal irá chamar mais de 1 milhão de segurados da aposentadoria por invalidez. Outros 530 mil beneficiários do auxílio-doença também estão passando pela revisão. A estimativa do Governo Federal é economizar mais de R$10 bilhões por ano. Até o início de agosto, foram realizadas mais de 210 mil perícias. Oitenta por cento dos benefícios analisados foram cancelados. Reportagem, André Luiz Gomes.

 

Nasi: A partir da hoje mais de 29 milhões de aposentados e pensionistas de todo o país começam a receber a antecipação da primeira parcela do 13.

 

Gabriela: O depósito será realizado junto à folha de pagamento mensal do INSS e segue até o dia 8 de setembro.

 

Nasi: A parcela corresponde à metade do 13 e de acordo com a Secretaria da Previdência, representa uma injeção extra na economia de quase 20 bilhões de reais nos meses de agosto e setembro.

 

Gabriela: Não haverá desconto de imposto de renda nesta primeira parcela. 19h11 em Brasília.

 

Nasi: E daqui pouco vamos voltar a falar do Pronaf.

 

Gabriela: Dessa vez vamos mostrar como mulheres, jovens, índios e quilombolas também têm acesso diferenciado ao crédito.

 

Nasi: E está acontecendo neste momento aqui em Brasília uma entrevista coletiva sobre o decreto publicado nesta semana que extinguiu a reserva nacional de cobre associados entre os estados do Amapá e do Pará.

 

Gabriela: A ministro de Minas e Energia Fernando Coelho Filho é quem está falando sobre o assunto.

 

Nasi: E quem acompanha é o repórter Paulo La Salvia, que traz as informações ao vivo. Boa noite, Paulo.

 

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Boa noite, Nasi, Gabriela, ouvintes da Voz do Brasil. O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, explicou que a reserva é formada por mais de 60% de áreas de proteção ambiental federais e estaduais, além de reservas indígenas, e que a exploração mineral futura na reserva vai respeitar rigorosamente a legislação ambiental do país. O ministro afirmou que o decreto que extinguiu a reserva nacional do cobre e associados não têm poder para se sobrepor à atuação legislação ambiental, além da Constituição, que proíbe a extração de minérios em terras indígenas a não ser que haja uma permissão do Congresso Nacional. O ministro diz também que o governo tem registros de 28 pistas de pousos clandestinas para aeronaves, além de cerca de mil pessoas fazendo garimpo ilegal na reserva. Ao vivo, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: Se foi servidor público ou trabalhou com Carteira assinada antes de 1988 fique atento, você pode direito a sacar o saldo de PIS/Pasep.

 

Nasi: Esta semana o governo diminuiu a idade mínima para idosos fazerem o saque. Com a medida 8 milhões de pessoas vão ser beneficiadas.

 

Gabriela: Além disso, mais dinheiro vai circular movimentando ainda mais a economia do país.

 

Repórter Nei Pereira: Por 31 anos Fátima Bevilacqua foi servidora pública em Brasília. Quando se aposentou, em 2008, ela recebeu em torno de R$1.700,00 do Pasep. Segundo ela, o dinheiro é uma ajuda para quem está se aposentando.

 

Servidora pública aposentada - Fátima Bevilacqua: Quem está endividado paga umas quantias que precisar. Quem não tiver precisando para usar imediato, coloca na Poupança, senão faz uma viagem, né, aproveita para isso.

 

Repórter Nei Pereira: A contribuição das empresas e dos serviços públicos para o PIS/Pasep deixou de existir em 1988. Apesar de muitas pessoas terem sacado o dinheiro quase 8 milhões de brasileiros ainda não retiraram o valor. A previsão do governo é que os saques somem R$16 bilhões. Se somados aos mais de R$44 bilhões das contas inativas do FGTS, serão cerca de R$60 bilhões injetados na economia brasileira. Para Carlos Eduardo de Freitas, do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal, esses valores são importantes para o crescimento do país.

 

Entrevistado - Carlos Eduardo de Freitas: A liberação deste recurso para famílias permite que elas acelerem o seu processo de redução de endividamento e comecem a aumentar mais, comecem a investir e consumir mais. Então, de fato, que é importante.

 

Repórter Nei Pereira: O calendário de pagamento do PIS/Pasep começa em outubro e vai até março do ano que vem. Em vídeo publicado nesta sexta-feira nas redes sociais o Presidente Michel Temer falou sobre a liberação do PIS/Pasep.

 

Presidente da República - Michel Temer: Os trabalhadores sacarão as suas contas do PIS/Pasep mais cedo. Reduzimos a idade mínima para esse saque. Era de 70 anos para homens e mulheres, agora será de 65 anos para os homens e 62 anos para as mulheres. Essa medida vai garantir que 8 milhões de brasileiros da melhor idade acessem esse dinheiro nos próximos meses. Isso vai representar também uma injeção de R$16 bilhões na economia do país. É um alívio no bolso dos aposentados, assim como foi a liberação das contas inativas do Fundo de Garantia, que tanto ajudou os nossos trabalhadores.

 

Repórter Nei Pereira: Para saber se tem saldo no PIS/Pasep, os trabalhadores da iniciativa privada devem procurar a Caixa Econômica Federal e os servidores e empregados públicos o Banco do Brasil. Reportagem, Nei Pereira.

 

Nasi: Você ouviu ontem aqui na Voz do Brasil que o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, o Pronaf, investiu R$200 bilhões nos últimos 22 anos.

 

Gabriela: Hoje você vai conhecer alguns produtores que tiveram acesso ao crédito de acordo do perfil de investimento.

 

Nasi: É apostando na diversidade da agricultura familiar que o Pronaf está ajudando o país a crescer.

 

Repórter Nathália Koslyk: Com a ajuda de uma linha de crédito do Pronaf, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, específica para a mulheres, Noilde Maria de Jesus tornou-se dona do próprio negócio. Depois de trabalhar dez anos como diarista, o programa foi o meio que ela encontrou de obter recursos para começar sua proteção de morangos num assentamento em Brazlândia, no Distrito Federal.

 

Entrevistada - Noilde Maria de Jesus: Não tinha nem como eu começar sem acessar o Pronaf. Depois que eu acessei o Pronaf, que só melhorou, né? Que aumentei a produção. De cinco mil eu já cheguei a plantar até 40 mil pés de morango.

 

Repórter Nathália Koslyk: O Pronaf finança projetos individuais ou coletivos com as taxas de juros mais baixas praticadas do mercado. São diversas linhas de crédito para atender diferentes tipos de perfil e de projetos, como custeio da safra, atividade agroindustrial, investimento em máquinas e equipamentos. No caso de Abílio Sobrinho, que mora numa comunidade quilombola no município de Palmas de Monte Alto, na Bahia, o programa é o que garante a sua permanência no campo.

 

Entrevistado - Abílio Sobrinho: Se não fosse esses investimentos, se não fosse esse custeio do Pronaf, investimentos nessa linha com os juros mais, eu acho que a maioria das famílias não teria condição de estar sobrevivendo aqui no meio rural.

 

Repórter Nathália Koslyk: Em mais de duas décadas o Pronaf já levou R$200 bilhões para os agricultores famílias de todo o país. Mas ainda tem muito o que ser feito, como adianta o subsecretário de Agricultura Familiar, Everton Augusto Ferreira.

 

Subsecretário de Agricultura Familiar - Everton Augusto Ferreira: Olhar maciçamente o programa, fazer uma rede de emissões de rede de emissões de dados, uma rede de assistência técnica que funcione para que o agricultor que tenha a sua vontade de investimento acesse. Então, nós temos nesse momento um trabalho quase de formiguinha, né? Um trabalho de cada dia fazer as informações fluírem para que o agricultor tenha acesso e que cresça, né? Que aumente a demanda do crédito que possa operar e usar todo o recurso disponível.

 

Repórter Nathália Koslyk: Para a atual safra, que começou um julho, foram disponibilizados R$30 bilhões para o financiamento da agricultura familiar pelos próximos doze meses. Reportagem, Nathália Koslyk.

 

Gabriela: E o Pronaf também ajudou a combater a pobreza no campo.

 

Nasi: Um relatório das Nações Unidas mostra que o Brasil conseguiu reduzir essa condição entre os anos de 1990 e 2015.

 

Gabriela: É que com o Pronaf pequenos produtores de todo o país têm acesso a crédito mais barato e ainda recebem assistência para melhorar a produção.

 

Nasi: Isso significa mais renda e mais qualidade de vida para quem depende da terra.

 

Repórter Paulo La Salvia: O relatório de desenvolvimento rural do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrário apurou as mudanças em 60 países, deste universo, 32 apresentaram aumento da produtividade agrícola e redução da pobreza rural. Na América Latina, 16 países estão nesse grupo, incluindo o Brasil, de acordo do Rui Benfica, economista chefe da Divisão de Pesquisa e Avaliação de Impacto do Fundo Internacional.

 

Economista chefe da Divisão de Pesquisa e Avaliação de Impacto do Fundo Internacional - Rui Benfica: A partir dos anos 90 esta parte teve redução da pobreza extremamente rápida comparando com a meta original.

 

Repórter Paulo La Salvia: O Fundo Internacional de Desenvolvimento Rural finança uma iniciativa da comunidade de Carnaíba, zona rural do município de Bela Vista, no Piauí. No local, 15 famílias que produzem ovelhas se associaram e receberam quase R$130 mil em investimentos para dinamizar a produção. O investimento, segundo o presidente da associação, Giovani Dionísio Coelho, está apresentando resultados.

 

Presidente da associação - Giovani Dionísio Coelho: Com esse projeto a gente a gente conseguiu melhorar o nosso rebanho, a nossa criação. A gente conseguiu adequar o manejo. E melhoramento genético mesmo, de raça, melhorando para um ganho maior na promoção com a gente for vender o animal.

 

Repórter Paulo La Salvia: O relatório revela que o Brasil só apresentou um aumento da produtividade agrícola e redução da pobreza no campo a partir da criação de um conjunto de políticas públicas, como explica Hur Ben Corrêa da Silva, coordenador geral de Assuntos da Agricultura Familiar e Cooperação Internacional da Casa Civil.

 

Coordenador geral de Assuntos da Agricultura Familiar e Cooperação Internacional da Casa Civil - Hur Ben Corrêa da Silva: Como, por exemplo, o Pronaf, que é uma política de sucesso porque o Pronaf leva recurso para a produção, fazendo com que a produção local, cresça, fazendo com que a economia local cresça e a economia regional cresça.

 

Repórter Paulo La Salvia: Segundo, relatório de desenvolvimento rural, o desafio agora é dar continuidade ao processo de aumento da produção com redução da pobreza do campo associado às mudanças climáticas. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: 19h20 em Brasília.

 

Nasi: Para melhorar o atendimento prestado pelas operadoras de planos de saúde aos usuários a ANS, Agência Nacional de Saúde Suplementar, vai ter um novo sistema de fiscalização.

 

Gabriela: E para criar este novo sistema a agência, que regula o setor, quer contar com a opinião de quem usa os planos.

 

Nasi: E como você pode participar, a repórter Natália Melo explica.

 

Repórter Natália Melo: Mais de 47 milhões de brasileiros são usuários de planos de saúde. Mais nem todos estão satisfeitos com as operadoras. O advogado Jorge Neves cita algumas reclamações que costuma ouvir dos seus clientes.

 

Advogado - Jorge Neves: Principalmente a negativa para internação, a negativa para fazer determinados exames, aquelas coisas que são mais comuns, né?

 

Repórter Natália Melo: Para melhorar alguns dos serviços oferecidos aos usuários pelas operadoras, a Agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS, vai ter um novo sistema de fiscalização. E para o novo sistema a agência quer ouvir a opinião dos usuários dos planos. O diretor adjunto de fiscalização da ANS, Rodrigo Aguiar, afirma que a ideia é que a agência tenha uma fiscalização mais eficiente. Para isso, ele acredita que a participação da sociedade é essencial.

 

Diretor adjunto de fiscalização da ANS - Rodrigo Aguiar: Sem dúvida nenhuma, todas as contribuições serão analisadas e serão consideradas podendo ser incorporadas ou não ao texto da norma.

 

Repórter Natália Melo: Uma das mudanças previstas no novo sistema é a alteração do valor da multa para as operadoras de acordo com a infração. Hoje, a penalidade para quem recusa atendimento previsto em lei ou contrato, por exemplo, é de R$80 mil. Com as novas regras, esse valor pode variar entre R$20 mil e R$160 mil. O promotor de justiça Sidnei Rosa, comenta os riscos que uma negativa de atendimento pode causar ao usuário.

 

Promotor de justiça - Sidnei Rosa: Às vezes a falta de um procedimento que nem é tão caro pode gerar um risco de morte, então isso deve gerar uma sanção mais pesada do que um determinado procedimento, que apesar de mais caro, não gera tanto perigo. Então, esse tipo de cobertura, essa proporcionalidade deveria ser verificada.

 

Repórter Natália Melo: É a primeira vez que a ANS abre uma consulta pública sobre fiscalização. Quem depende dos planos de saúde aprovou a iniciativa.

 

Entrevistado: Eu acho importante, pelo menos é um canal que a gente tem aí para ficar atualizado, informação, e ter o retorno disso, né?

 

Entrevistada: Eu acho ótimo que você tem um órgão que você possa recorrer. Isso é ótimo.

 

Repórter Natália Melo: A consulta pública está disponível no endereço: www.ans.gov.br até o dia 15 de setembro. Reportagem Natália Melo.

 

Gabriela: As digitais de mais de 64 milhões de motoristas no país vão ser compartilhadas da Justiça Eleitoral.

 

Nasi: O Ministério das Cidades assinou acordo para fornecer dados do banco de dados do Denatran ao Tribunal Superior Eleitoral, que vai comparar as informações e garantir maior segurança na identificação biométrica dos brasileiros.

 

Gabriela: Segundo o ministro das Cidades, Bruno Araújo, este modelo de segurança serve para melhorar a própria democracia, uma vez que, com a acesso aos dados, o TSE passa a ter outra fonte de informação para evitar fraudes.

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Isso vai fazer com que essa grande base de dados do Tribunal Superior Eleitoral possa ser checada por outra importante base de dados confiáveis do Executivo, confiável do Executivo, que é o cadastro condutores de veículos. Isso vai aprimorar a segurança do cadastro do Tribunal Superior Eleitoral, que, em última análise, vai aprimorar a segurança da própria democracia.

 

Nasi: Moradores do município gaúcho de Caixas do Sul, que viviam em áreas de risco, receberam hoje as chaves da casa própria.

 

Gabriela: Mais de 400 moradias foram entregues pelo programa Minha Casa Minha Vida, beneficiando mais de 1.600 pessoas.

 

Nasi: O ministro das Cidades, Bruno Araújo, esteve na serra gaúcha para fazer a entrega e destacou a qualidade do empreendimento.

 

Gabriela: De acordo com o ministro, essa é uma das unidades mais bem construídas da história do programa.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma Boa noite e bom fim de semana.

 

Nasi: Boa noite para você e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso".