25 DE SETEMBRO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Presidente Michel Temer abre Assembleia Geral da ONU. E defende maior integração, união e diálogo entre os países. Temer destaca que o Brasil amplia seus acordos comerciais e aumenta áreas de preservação. E também afirma que país abre as portas para imigrantes e refugiados. Vamos detalhar para você todas ações do governo citadas por Temer no discurso da ONU. E ainda tem entrevista exclusiva do presidente à Voz do Brasil em Nova York. Prazo para saque das cotas do PIS/Pasep de quem tem menos de 60 anos está chegando ao fim. E para atender os cotistas do PIS, agências da Caixa vão abrir mais cedo na quinta e sexta-feira.

audio/mpeg 25-09-18-VOZ DO BRASIL - vale este.mp3 — 46924 KB




Transcrição

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 25 de setembro de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia. Presidente Michel Temer abre a Assembleia Geral da ONU.

 

Gabriela: E defende maior integração, união e diálogo entre os países.

 

Presidente Michel Temer: Os membros dessa Assembleia Geral sabem que têm e terão sobre no Brasil um firme aliado da cooperação entre as ações, um país que, diante do isolacionismo, propõe mais abertura e integração, que, diante da intolerância, propõe mais diálogo e solidariedade.

 

Luciano: Temer destaca que o Brasil amplia seus acordos comerciais e aumenta áreas da preservação.

 

Gabriela: E também afirma que país abre as portas para imigrantes e refugiados.

 

Presidente Michel Temer: Nós temos orgulho de nossa tradição de acolhimento. Nós somos um povo forjado da diversidade. Há um pedaço do mundo em cada brasileiro.

 

Luciano: Vamos detalhar para você todas as ações do governo citadas por Temer no discurso da ONU.

 

Gabriela: E ainda tem entrevista exclusiva do presidente à Voz do Brasil em Nova Iorque. Paola de Orte.

 

Repórter Paola de Orte: Eu conversei com o presidente sobre as repercussões do seu discurso na ONU e sobre a reforma da previdência. Ele disse também que já planeja uma transição para o próximo governo.

 

Luciano: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Prazo para o saque das cotas do PIS/Pasep de quem tem menos de 60 anos está chegando ao fim.

 

Luciano: E para atender os cotistas do PIS, agências da Caixas vão abrir mais cedo na quinta e sexta-feira. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Mais de 4,5 milhões de pessoas com menos de 60 anos ainda não sacaram o dinheiro.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

"Brasil na Assembleia Geral da ONU".

 

Gabriela: O Presidente Michel Temer discursou hoje na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

 

Luciano: Temer defendeu a atuação conjunta dos países para enfrentar os temas que preocupam povos de todo o mundo, como a intolerância.

 

Gabriela: O presidente lembrou a tradição brasileira de solidariedade a populações vítimas de guerras ou crises econômicas e políticas.

 

Luciano: Como é tradição há mais de 70 anos, o presidente brasileiro foi o primeiro a discursar na Assembleia da ONU.

 

Repórter Paola de Orte: Mais integração econômica, diálogo e solidariedade, foi assim que o presidente Michel Temer iniciou o discurso de abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

 

Presidente Michel Temer: Isolacionismo, intolerância, unilateralismo. A cada de uma dessas tendências, temos que responder com que os nossos povos têm de melhor. Pois a primeira dessas tendências, isolacionismo, o Brasil responde com mais abertura, com mais integração. O Brasil sabe que nosso desenvolvimento comum depende de mais fluxos internacionais de comércio e investimentos, depende de mais contato com novas ideias, com novas tecnologias. É na abertura ao outro, e, não na introspeção e no isolamento que construiremos uma prosperidade efetivamente compartilhada.

 

Repórter Paola de Orte: O livre comércio foi defendido pelo presidente Michel Temer. Ele citou as negociações entre Mercosul e União Europeia e Coreia do Sul. Já sobre o desafio de acabar com a intolerância, Temer defendeu o compromisso com a Declaração dos Direitos Humanos, que completa 70 anos, e o Pacto Global Sobre Imigração, que será assinado em dezembro. Segundo ele, mais de 250 milhões de imigrantes no mundo precisam de proteção. Temer lembrou ainda que o Brasil tem recebido todos que chegam ao país, como os venezuelanos.

 

Presidente Michel Temer: Nós temos orgulho de nossa tradição de acolhimento. Nós somos um povo forjado na diversidade, há um pedaço do mundo em cada brasileiro. Fiéis a essa tradição, instituímos, no ano passado, uma nova lei de imigração, ampliamos direitos e desburocratizamos exigências para ingresso e permanência no Brasil.

 

Repórter Paola de Orte: Para Temer, a solidariedade é o caminho para a paz, e essa tem sido a posição brasileira diante das crises no Oriente Médio. No caso da Síria, que vive uma guerra desde 2011, o governo brasileiro doou medicamentos e vacinas. No discurso, Temer ressaltou a importância de fortalecer as Nações Unidas com reformas do Conselho de Segurança.

 

Presidente Michel Temer: Precisamos torná-la cada vez mais legítima e eficaz, daí porque precisamos de reformas importantes, entre elas, a no Conselho de Segurança, que como está reflete o mundo que já não existe mais. Precisamos, enfim, revigorar os valores da diplomacia e do multilateralismo.

 

Repórter Paola de Orte: O presidente disse que a assinatura do tratado sobre a proibição de armas nucleares foi um fato histórico. Ele lembrou que foi o primeiro chefe de Estado a assinar o texto. Temer também falou sobre primeira a reunião ministerial do Cone Sul sobre segurança nas fronteiras realizada em Brasília, e afirmou que desde então tem se intensificado à cooperação com os vizinhos no combate ao crime. Já sobre meio ambiente, ele deixou claro o compromisso brasileiro.

 

Presidente Michel Temer: Mais de 40% da matriz energética brasileira é limpa e renovável, aliás, é uma das mais sustentáveis do mundo, tem sido também intensos nossos esforços de redução do desmatamento. Hoje temos na Amazônia brasileira taxa de desmatamento 75% mais baixa do que em 2004. Criamos e ampliamos no Brasil, nestes dois anos, unidades de conservação ambiental que atualmente correspondem a mais de quatro vezes, por exemplo, ao território da Noruega. A causa dos oceanos também nos é cara por ocasião do Fórum Mundial da Água, que sediamos em Brasília e instituímos nos mares brasileiros áreas de preservação da dimensão dos territórios da Alemanha e da França somados.

 

Repórter Paola de Orte: Temer encerrou lembrando que esta é a última vez que ele representa o Brasil no Debate Geral nas Nações Unidas como presidente.

 

Presidente Michel Temer: Agora é ir adiante. O próximo governo e o próximo Congresso Nacional encontrarão bases consistentes sobre as quais poderão seguir construindo um Brasil mais próspero e mais justo, um país que, diante do isolacionismo propõe mais abertura e integração, que, diante da intolerância, propõe mais diálogo e solidariedade, que, diante do unilateralismo, propõe mais diplomacia e multilateralismo.

 

Repórter Paola de Orte: A Assembleia Geral das Nações Unidas reúne todos os anos, em setembro, os líderes de 193 países. Seguindo a tradição de mais de 70 anos, o Brasil foi o primeiro a falar na plenária. De Nova Iorque, nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Gabriela: E logo depósito do discurso, o Presidente Michel Temer concedeu uma entrevista exclusiva à nossa correspondente nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Luciano: De Nova Iorque a Paola fala com a gente agora, ao vivo, sobre a conversa com o presidente.

 

Gabriela: Boa noite, Paola. O começo da agenda do presidente Temer aí em Nova Iorque foi participar de uma reunião com empresários americanos ontem. O que ele disse para você sobre esse encontro?

 

Repórter Paola de Orte (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Luciano. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. O presidente disse que sentiu que os empresários estão interessados em investir no Brasil, mas, segundo ele, estavam preocupados com possíveis mudanças na economia com a troca de governo. Ele também afirmou que assegurou aos investidores que as reformas provavelmente serão mantidas.

 

Luciano: E sobre reformas, Paola, o presidente falou sobre a reforma da Previdência?

 

Repórter Paola de Orte (ao vivo): Falou, sim, Luciano. Ele desse que pretende voltar a discutir a aprovação da reforma da Previdência com o Congresso. Vamos ouvir.

 

Presidente Michel Temer: É um projeto que está pronto. Esta reforma que está formatada lá para ser votada, ela acaba eliminando os chamados privilégios, garante àqueles que são pobres, garante aos aposentados, não tira direito de ninguém, mas faz com que aqueles que ganham mais do que aquele teto do INSS, né, que é R$ 5.645, vai ter que aumentar a contribuição previdenciária para aposentar-se pelos vencimentos que ele está ganhando agora. A reforma está pronta para ser votada, portanto, se houver tempo, eu quero votá-la nos meses final de outubro, novembro, dezembro. Agora, claro, a partir de outubro, né, estará eleito um novo presidente, embora, eu queira fazê-la, é importante que o governo se articule com o novo presidente.

 

Gabriela: E, Paola, o Brasil vai ter a partir de janeiro próximo um novo presidente. O presidente Temer já planeja a transição para o próximo governo?

 

Repórter Paola de Orte (ao vivo): Sim. O presidente disse que uma comissão para cuidar essa transição já foi traçada do Palácio do Planalto. Segundo ele, o governo está preparado para uma transição tranquila.

 

Presidente Michel Temer: Vou desenhar uma comissão para fazer essa transição. O segundo ponto é que está altura já há, por exemplo, cadernos do governo mostrando o que foi feito durante o governo e o que poderá ser feito até o final de 2018. Isto estado por estado, mas agora estou pedindo também que cada ministério também formate um relatório de tudo o que foi naquela área, porque eu quero entregar tudo isso a quem for eleito para que ele possa dar sequência ou possa prosseguir no governo, conhecendo tudo o que acontece no nosso país.

 

Repórter Paola de Orte (ao vivo): O presidente Michel Temer falou ainda sobre o discurso que fez hoje na abertura da Assembleia Geral da ONU. Segundo ele, a escolha dos temas tem relação com o fato de eles serem assuntos que afetam toda a humanidade. Depois de discursar na Assembleia nas Nações Unidas, o presidente Michel Temer se reuniu com o secretário-geral da ONU, Antônio Guterres, e com o presidente da Colômbia, Iván Duque, e com os chefes de Estado do Mercosul. No início da tarde ele retornou ao Brasil. Gabriela.

 

Luciano: Obrigada, Paola de Orte, pelas informações, ao vivo, de Nova Iorque, nos Estados Unidos, aqui na Voz do Brasil.

 

Gabriela: E como a gente já ouviu, as imigrações são um dos temas que estão sendo discutidos nesta Assembleia Geral da ONU.

 

Luciano: Nos últimos anos, o número de pessoas que se deslocam do país de origem para outras regiões aumentou e o Brasil está recebendo venezuelanos, que deixaram o país vizinho por causa da crise econômica.

 

Gabriela: Uma das etapas desse processo de acolhimento por parte do governo é a interiorização, que leva imigrantes da Roraima para outras regiões, onde podem ter melhores condições de trabalho e renda.

 

Luciano: Hoje, a repórter Márcia Fernandes voou junto com os imigrantes que deixaram Boa Vista em direção a Porto Alegre e conta para a gente agora, ao vivo, como foi essa viagem. Boa noite Márcia.

 

Repórter Márcia Fernandes (ao vivo): Boa noite, Luciano. Boa noite, Gabriela. Boa noite a todos que nos acompanham agora pela Voz do Brasil. Olha, desde o comecinho da manhã eu acompanhei esse processo de interiorização de venezuelanos. Esse grupo cruzou o céu do país. Eles saíram de um abrigo em Boa Vista, em Roraima, e foram trazidos aqui, para o Sul do Brasil. No total, 230 venezuelanos foram transferidos, 90 foram para Curitiba, no Paraná, os outros 140 desembarcaram aqui em Porto Alegre, mas apenas 70 ficaram na capital gaúcha, os outros 70 foram levados de ônibus para abrigos da cidade de Canoas, Cachoeirinha e também Esteio. E, olha, o clima no avião era de ansiedade, de muita expectativa. Muitos aplaudiram quando o avião decolou e também quando pousou, todos contaram que decidiram se mudar para o Sul do país porque querem tentar uma vida nova. Eu falei de professores, policiais, corretores de imóveis, são pessoas que trabalhavam na Venezuela, mas que com a crise tiveram que deixar o país, e todos contaram que querem começar aqui uma vida nova, trabalhar, contribuir com o Brasil, educar seus filhos aqui. O ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, acompanhou essa etapa da interiorização, ele esteve num abrigo em Roraima, veio no avião da Força Aérea Brasileira e também conheceu o abrigo aqui em Porto Alegre. Ele destaca que o Rio Grande do Sul é um estado que tradicionalmente recebe imigrantes e que é um cadinho de cultura. Vamos ouvi-lo.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Todos nós, em algum momento de nossas vidas, tivemos, no passado, algum imigrante em nossas famílias. Então, nós entendemos perfeitamente esse momento porque possam os irmãos da Venezuela, porque no Rio Grande do Sul nós também tivemos esse processo ao longo do tempo. E o Rio Grande do Sul é um cadinho de culturas, é uma mista que faz desse estado um estado extremamente acolhedor e absolutamente solidário com pessoas que vêm de fora.

 

Repórter Márcia Fernandes (ao vivo): Olha, o Brasil é quinto destino mais procurado dos venezuelanos, neste ano 37 mil pediram refúgio aqui. O Governo Federal decidiu reforçar o processo de interiorização neste mês de setembro, com esse transporte de hoje são mais de 2,2 mil o número de venezuelanos que foram levados para o interior do Brasil. Ao vivo, de Porto Alegre, Márcia Fernandes.

 

Gabriela: Segunda-feira é o último dia para quem tem menos de 60 anos sacar a cota do PIS/Pasep.

 

Luciano: E para atender os milhões de cotistas do PIS que ainda não fizeram o saque, agências da Caixa vão abrir mais cedo na quinta e sexta-feira.

 

Gabriela: Os detalhes daqui a pouco.

 

"Trânsito. Atenção, Motorista".

 

Luciano: Cento e cinquenta ações para garantir um trânsito mais seguro nos próximos anos.

 

Gabriela: Esse é o objetivo do Pnatrans, o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito.

 

Luciano: A meta é reduzir pela metade as mortes no trânsito na próxima década.

 

Repórter João Pedro Neto: O acidente foi há mais de dez anos, mas, ainda hoje, olhar para as fotos e lembrar do que passou é difícil para o militar reformado José Ribeiro, morador de Brasília. Em 2006, o ônibus em que ele estava se chocou com uma carreta, perto de Montes Claros, Minas Gerais, 18 pessoas morreram na hora. Seu José Ribeiro ficou gravemente ferido e até hoje tem sequelas.

 

Militar reformado - José Ribeiro: Ah, eu tive perda de oito dentes, a parte inferior quase toda, e tive um traumatismo craniano, e tive também uma lesão no ouvido esquerdo.

 

Repórter João Pedro Neto: E para reduzir a ocorrência de casos assim, o governo apresentou no Dia Nacional do Trânsito as ações do Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito. O Pnatrans traz metas de redução de mortes ano a ano para cada estado e para o Distrito Federal, são iniciativas em diversas áreas como educação, engenharia e mobilidade nas cidades, aumento da segurança dos veículos e mais fiscalização nas vias e estradas do país. Para o ministro as Cidades, Alexandre Baldy, o Brasil tem condições de alcançar as metas estabelecidas.

 

Ministro as Cidades - Alexandre Baldy: Então, nós precisamos, é claro, conscientizar o brasileiro que cada um é uma parte fundamental no trânsito.

 

Repórter João Pedro Neto: As Nações Unidas definiram o período de 2011 a 2020 como a década de ação pela segurança do trânsito, e governos do todo o mundo se comprometeram a adotar novas medidas para prevenir os acidentes viários. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gabriela: E como falamos na reportagem anterior, todos têm um papel a seguir para garantir um trânsito seguro.

 

Luciano: Esse é o objetivo da Semana Nacional do Trânsito, que termina hoje.

 

Gabriela: E para provar isso, a repórter Cleide Lopes foi às ruas para ver se ciclistas, motociclistas, motoristas e pedestres sabem da sua responsabilidade para um trânsito melhor.

 

Repórter Cleide Lopes: Os acidentes de trânsito no Brasil matam 45 mil pessoas todo ano. Mas você sabe quem são os responsáveis por esse trânsito? Eu fui as ruas e descobri. Na Esplanada dos Ministérios, aqui em Brasília, encontrei o Benedito Rodrigues, atravessando direitinho na faixa. O pedestre garante que faz a sua parte para um trânsito mais seguro.

 

Entrevistado - Benedito Rodrigues: O pedestre é atravessar da faixa sempre, né? Atravessar no meio dos carros é muito perigoso.

 

Repórter Cleide Lopes: O motoboy Frederick Lopes sabe que a responsabilidade de quem está em duas rodas é grande, por isso procura pilotar com responsabilidade e com cuidado.

 

Motoboy - Frederick: Fica mais fácil é fazer a sinalização corretamente, ficar atento aos carros e tentar prever mais ou menos o que eles vão fazer para mim tentar já me adiantar.

 

Repórter Cleide Lopes: O Adriel Torquato é motorista de ônibus há mais de 18 anos e se preocupa em obedecer a sinalização e a velocidade, já que trabalha transportando vidas.

 

Motorista de ônibus - Adriel Torquato: Como eu carrego alunos e professores, faço minha parte e estou aí, antes, dirigir pelo os outros, né? Faço a minha parte.

 

Repórter Cleide Lopes: Para chegar à Universidade de Brasília, todos os dias, o ciclista e estudante Kevin Macedo faz a metade do percurso de ônibus e a outra metade de bicicleta, ele segue direitinho às normas para chegar bem ao seu destino.

 

Estudante - Kevin Macedo: Aqui em Brasília o pessoal, eles têm muito costume de parar na faixa, por certo, é bem raro, em outros lugares acho que ajuda até bastante. Se cada pessoa colabora com o trânsito, acho que dificilmente a gente tem problema.

 

Repórter Cleide Lopes: O taxista Frank de Oliveira trabalha em Brasília há cerca de quatro anos, ele garante que sabe do seu papel do volante, e, por isso, segue à risca as leis para fazer a sua parte e evitar acidentes.

 

Taxista - Frank de Oliveira: Eu me sinto responsável, sempre eu tento seguir às normas de trânsito, né, respeitando a legislação. E a gente, como taxista, no caso de um motorista profissional, aí é dever mesmo de respeitar.

 

Repórter Cleide Lopes: No trânsito, as responsabilidades são complementares, para tudo dar certo é preciso que cada um faça a sua parte. A possibilidade de reduzir os acidentes, os atropelamentos e as mortes está em nossas mãos. Vamos, a partir de agora, seguir os conselhos dos entrevistados e fazer a diferença nas ruas da cidade e nas rodovias do país. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Luciano: E, você ouvinte, o que você faz para contribuir para um trânsito melhor? Nós queremos saber.

 

Gabriela: Entra no Twitter da Voz do Brasil e conta para a gente. O endereço é: twitter.com/avozdobrasil.

 

Luciano: Termina nesta sexta-feira, o prazo para que cotistas do PIS e Pasep com menos de 60 anos possam sacar o benefício.

 

Gabriela: São mais de R$ 6 bilhões nos bancos a espera dos beneficiários para os saques.

 

Luciano: E para facilitar, as agências bancárias da Caixa vão abrir mais cedo na quinta e sexta-feira.

 

Repórter Pablo Mundim: A quatro dias do prazo final mais de 4,5 milhões de pessoas com menos de 60 anos com direito a receber o pagamento das cotas do PIS/Pasep ainda não sacaram o dinheiro. São mais de R$ 6 bilhões disponíveis para saque até a próxima sexta-feira. Tem direito a receber o benefício a pessoa que trabalhou com carteira assinada e contribuiu com o fundo do PIS/Pasep entre 1971 a 1988. Segundo o diretor de assuntos financeiros do Ministério do Planejamento, Sérgio Calderini, o prazo para saque é apenas para o público com menos de 60 anos.

 

Ministério do Planejamento - Sérgio Calderini: Para esse público específico, com idade abaixo de 60 anos, a data limite é agora, 28 de setembro. Entretanto, para as pessoas que se enquadram naquelas regras já tradicionais de saque do PIS/Pasep não há prazo, aí após 28 de setembro, aquelas pessoas que tiveram idade acima de 60 anos, aposentados, ou então naqueles casos de doenças específicas, elas vão poder continuar sacando.

 

Repórter Pablo Mundim: O diretor do Ministério do Planejamento alertou aos beneficiários que não deixem para sacar no último dia, devido ao fluxo de pessoas e saques nas agências. Ele também informou que as agências da Caixa vão abrir duas horas mais cedo nos dias 27 e 28 de setembro para facilitar no atendimento.

 

Ministério do Planejamento - Sérgio Calderini: Tanto Caixa como Banco do Brasil possuem procedimentos operacionais já elaborados para a esse atendimento na última semana. A Caixa Econômica, que possui até o maior volume de atendimento, inclusive, vai colocar suas agências com horário de atendimento estendido com mais duas horas durante os últimos dias.

 

Repórter Pablo Mundim: Para saber se tem direito ou consultar o saldo o fundo, o cotista ou herdeiro deve acessar os sites da Caixa, no caso do PIS, no caixa.gov.br/cotaspis, e do Banco do Brasil no caso do Pasep, no bb.com.br/pasep. É preciso ter o número do CPF em ambos os sites. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Gabriela: O presidente da República em exercício, Dias Toffoli, assinou hoje uma Medida Provisória que estende por mais seis meses o prazo para servidores públicos federais aderirem ao regime de previdência complementar da Funpresp.

 

Luciano: Até agora, mais de 12 mil servidores já escolheram entrar nesse regime.

 

Repórter Cleide Lopes: A partir da agora, os servidores públicos federais têm até o dia 29 de março no ano que vem para fazer a opção de adesão à previdência complementar, gerida pela Fundação de Previdência Complementar do Serviço Público Federal, Funpresp. Um dos principais benefícios está na contrapartida da União, para cada um R$ 1 pago pelo servidor, a União contribui com mais R$ 1. O presidente em exercício, Dias Toffoli, lembra que a adesão é voluntária.

 

Presidente em exercício - Dias Toffoli: A participação na Funpresp é uma decisão pessoal, uma opção, como feito dito, de cada um. É claro que não deixa de gerar, cumulativamente, efeitos benéficos para o país. O servidor que nela ingressa passa a ter seus benefícios no regime geral limitados ao teto, como todos os trabalhadores da sociedade brasileira. Para assegurar uma aposentadoria superior ao teto terão que fazer a sua própria capitalização.

 

Repórter Cleide Lopes: O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, acredita que a medida é benéfica para a economia do país.

 

Ministro do Planejamento - Esteves Colnago: No longo prazo, o regime de previdência complementar vai ajudar o Brasil a equilibrar suas finanças, pois levará à redução das despesas primárias da União, vai ajudar a construção de um modelo de previdência sustentável, e, ao mesmo tempo, com capacidade de garantir o pagamento dos benefícios aos servidores.

 

Repórter Cleide Lopes: Com a mudança do regime dos servidores, o Governo Federal espera economizar mais de R$ 60 milhões até 2020. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Gabriela: O Ministério da Integração Nacional reconheceu a situação de emergência de quatro municípios de três estados.

 

Luciano: A cidade de Vila Pavão, no Espírito Santo, teve a situação de emergência decretada por conta de um surto de malária.

 

Gabriela: Já nas cidades de Ibicuitinga, no Ceará, e Mamonas, em Minas Gerais, o motivo foi a seca.

 

Luciano: Com o reconhecimento, as prefeituras podem solicitar recursos do governo para ações de socorro, assistência e recuperação das áreas prejudicadas pelos desastres naturais.

 

Gabriela: E estão abertas as inscrições para vagas remanescentes do Fies, o Fundo de Financiamento Estudantil.

 

Luciano: Para participar da seleção os candidatos precisam ter realizado alguma das edições do Enem desde 2010.

 

Gabriela: As inscrições vão até 9 de novembro pelo site sisfiespotal.mec.gov.br.

 

Luciano: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as Notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite. Até amanhã.

 

"A voz de Brasil, Governo Federal".