27/04/17 - A Voz do Brasil

Aprovada na câmara reforma trabalhista enviada pelo governo. Presidente Michel Temer diz que projeto moderniza a legislação e coloca o Brasil na rota do crescimento econômico! E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje: Vamos fazer um balanço do Abril Verde - a campanha de prevenção de acidentes de trabalho. A partir de agora, pais vão poder escolher entre registrar o local de sua residência ou de nascimento na certidão da criança. Vamos conversar ao vivo com o ministro da saúde! Prefeituras vão poder aumentar número de médicos contratando, de forma direta, profissionais cubanos. E uma fila única para cirurgias pelo SUS vai ser criada pelo Ministério da Saúde.

audio/mpeg 27-04-17 - VOZ DO BRASIL.mp3 — 46820 KB




Transcrição

Airton: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentador Airton Medeiros: Boa noite.

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Airton: 27 de abril de 2017.

 

Gláucia: E vamos ao destaque desta quinta-feira. Aprovada da Câmara a reforma trabalhista enviada pelo governo.

 

Airton: Presidente Michel Temer diz que projeto moderniza legislação e coloca o Brasil na rota do crescimento econômico.

 

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil do hoje.

 

Airton: Vamos fazer um balanço do Abril Verde, a campanha de prevenção de acidentes de trabalho. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Segundo o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, foram realizadas ações de fiscalização e conscientização.

 

Gláucia: A partir de agora pais vão poder escolher entre registrar o local de residência... de sua residência ou de nascimento da certidão da criança. Vamos conversar ao vivo com o ministro da Saúde.

 

Airton: E uma fila única para cirurgias do SUS vai ser criada pelo governo. Taíssa Dias.

 

Repórter Taíssa Dias: O governo vai determinar um prazo para que os estados organizem uma fila única, é a partir dessa fila que vai ser planejada a distribuição do dinheiro.

 

Gláucia: Hoje na apresentação da Voz do Brasil: Glaucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Airton: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Gláucia: A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quinta-feira a proposta de reforma das leis trabalhistas.

 

Airton: É, o projeto enviado pelo Governo Federal prevê mais força a acordos de trabalho entre empregados e empresas e regulamenta parcelamento de férias e banco de horas.

 

Repórter Paulo La Salvia: À vontade, mas trabalhando. Esta é a rotina de Marden Alves há cinco anos. Analisa processos no escritório montado em casa, é o chamado trabalho remoto, também conhecido como home office, e representa uma economia no orçamento do mês.

 

Entrevistado - Marden Alves: Uma economia muito grande em investimento, é gasolina, refeição e outro lado, você não tem mais o estresse do trânsito.

 

Repórter Paulo La Salvia: Já Wellington Costa é brigadista há sete anos, a jornada não segue o padrão do trabalho diário, são 12 horas na ativa para 36 horas de folga, dia a dia que traz vantagens.

 

Brigadista - Wellington Costa: Essas 12 horas com 36 de intervalo tem como você trabalhar, estudar. As 12 horas é pesado? Sim, mas tem o descanso e você pode ocupar a sua cabeça com outras coisas, sim.

 

Repórter Paulo La Salvia: São casos que existem na prática a partir de acordos entre patrões e empregados, mas, muitas vezes, quando uma das partes se sente prejudicada, entra na justiça para buscar seus direitos, isso porque não existe na lei previsão para estes arranjos, realidade que muda com a reforma trabalhista. Esses são alguns pontos do projeto aprovado nessa quarta-feira na Câmara. Para o especialista em direito constitucional, Wesley Machado, a reforma moderniza a legislação trabalhista, que é de 1943.

 

Especialista em direito constitucional - Wesley Machado: Nós temos uma legislação da década de 40, a nossa CLT, que em razão do tempo e da modernização das relações trabalhistas, do surgimento de novos fatos e de novas formas de prestação de serviço, precisavam passar por uma adequação de seu texto.

 

Repórter Paulo La Salvia: As mudanças na legislação preservam os direitos trabalhistas, segundo o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

 

Ministro do Trabalho - Ronaldo Nogueira: A proposta encaminhada ontem não coloca em risco os direitos do trabalhador que estão especificados no artigo sétimo da Constituição. Quem está dizendo que o trabalhador vai perder direitos tem que dizer qual direito que o trabalhador vai perder. A proposta, ela traz segurança jurídica, que é fundamental para que o empregador não fique com medo de contratar.

 

Repórter Paulo La Salvia: O porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola, também comentou a aprovação do projeto na Câmara e disse que a atualização das leis trabalhistas vai ter impacto na economia.

 

Porta-voz da Presidência da República - Alexandre Parola: Trata-se de mais um importante avanço para superar a mais profunda crise econômica de nossa história. O resultado obtido é uma expressão da opinião amplamente majoritária que formou na sociedade brasileira em torno da necessidade de adequar as relações trabalhistas, as realidades do presente e de preparar o nosso mercado de trabalho para as exigências do futuro.

 

Repórter Paulo La Salvia: Agora o projeto que moderniza a legislação trabalhista no país segue para o Senado. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gláucia: São registrados todos os anos no Brasil uma média de 700 mil acidentes e doenças de trabalho.

 

Airton: A consequência são 15 mil incapacitações permanentes e 2.800 mortes.

 

Gláucia: É por isso que o Ministério do Trabalho realiza neste mês o Abril Verde, uma campanha nacional de prevenção de acidentes do trabalho.

 

Airton: A ideia é alertar os trabalhadores sobre os danos causados pelos acidentes e ainda reforçar a fiscalização das empresas que precisam atender todos os requisitos de segurança e saúde do empregado.

 

Repórter Gabriela Noronha: Para o caminhoneiro cada quilômetro é uma história diferente, eles passam boa parte da vida na estrada e com saudades de casa. Pessoas como o Carlos Roberto Groningen, caminhoneiro há seis e natural do interior de São Paulo, ele conta que já chegou a passar 20 dias do mês transportando cargas pelo país. Apesar do amor pela profissão, Carlos reconhece que a jornada de motorista ainda é um desafio e o cansaço é o maior inimigo.

 

Caminhoneiro - Carlos Roberto Groningen: Todo motorista já sofreu com isso. Eu, o máximo que eu já rodei foi 50 horas sem parar. Graças a Deus nunca tive acidentes em rodovias, mas conheço muitos amigos meus que já perderam a vida, perderam o caminhão.

 

Repórter Gabriela Noronha: E são justamente essas jornadas excessivas com privação do sono, fadiga e estresse, que levam o setor de transportes terrestres a ocupar o primeiro lugar em quantidade de mortes e a segunda posição em incapacitações permanente para o trabalho. Para tentar reverter esse quadrado, a campanha Abril Verde do Ministério do Trabalho deste ano focou nestes profissionais. No Brasil, no período de 2010 a 2014 foram mais de 710 mil acidentes e doenças do trabalho que resultaram em 15 incapacitações permanentes e 2.800 mortes em todas as categorias profissionais. Segundo o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, foram realizadas ações de fiscalização e conscientização.

 

Ministro do trabalho - Ronaldo Nogueira: A Secretaria de Inspeção do Trabalho realizou no decorrer do mês, principalmente ações de fiscalização para identificar casos de jornada exaustiva de trabalho, situações em que o trabalhador era colocado em risco iminente a acidentes, e essas ações, elas produziram efeitos importantíssimos.

 

Repórter Gabriela Noronha: A Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho aconteceu durante total o mês de abril. No encerramento, nessa quinta-feira, foram homenageadas as pessoas que morreram em 2016 enquanto trabalhavam. O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, destacou que os acidentes de trabalho também trazem prejuízo econômico para o país.

 

Procurador-geral do Trabalho - Ronaldo Fleury: São R$25 bilhões que foram gastos pela Previdência apenas com acidentes nos últimos quatro anos, com pagamento de auxílios-doença.

 

Repórter Natália Coslique: A campanha foi instituída em 1971 e ocorre sempre no mês de abril devido ao Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, que é lembrado neste dia 28. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gláucia: O Presidente Michel Temer assinou uma medida provisória que garante aos pais registrar seus filhos na cidade onde moram.

 

Airton: É, eles vão poder escolher entre registrar o local de sua residência ou local de nascimento da criança na certidão de nascimento. Quem vai dar mais detalhes dessa decisão é o ministro da Saúde, Ricardo Barros, que fala conosco na Voz do Brasil, ao vivo hoje. Boa noite, ministro.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Boa noite. Boa noite, Glaucia. Boa noite, Airton. O presidente Temer, com muita sensibilidade, muito carinho com os brasileiros vai permitir que milhares de municípios brasileiros que não têm uma maternidade possam ter filhos da terra, possam ter cidadãos naturais daquela cidade e dá as pais dessas crianças a liberdade de escolher se registram essas crianças na cidade onde nasceu ou na cidade onde moram, garantindo a naturalidade da tradição familiar.

 

Airton: Ministro, eu gostaria que o senhor explicasse um pouquinho melhor para gente. Muitas crianças, a gente sabe, nascem fora da cidade de onde são, né? Não tem maternidade na cidade. Então, como é que fica direitinho a partir da agora isso?

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: A lei até ontem era obrigatório registrar na cidade onde nasceu. Então, lá na cidade que tem a maternidade todas as crianças daqueles municípios no entorno eram registradas como nascidas na cidade polo onde tem a maternidade. Agora, a mãe pode optar se registra nascido na cidade onde nasceu mesmo, na maternidade, ou se pode registrar na cidade onde ela mora, onde a família mora há muitos anos, tem tradição. Isso vai fazer com que centenas de municípios que não têm uma maternidade passe a ter cidadãos naturais desses municípios, coisa que não acontecia há muitos anos. É uma medida que tem grande repercussão social pelo lado emocional, estimativo das pessoas e vai ajudar também nossa equipe a controlar melhor a epidemiologia, saber onde as crianças vivem e isso facilitará o trabalho de acompanhamento dessas crianças.

 

Gláucia: Ministro, e isso vale a partir da quando?

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: A partir de hoje. Publicou a medida provisória, está valendo. Os cartórios já podem receber e registrar as crianças nas cidades onde os pais residem.

 

Airton: Tá certo. Nós conversamos ao vivo aqui na Voz do Brasil com o ministro da Saúde, Ricardo Barros. Ministro, boa noite para o senhor e obrigado pela sua participação.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Boa noite.

 

Gláucia: As prefeituras do Brasil vão ter uma nova oportunidade de contratar ou ampliar o número de vagas para profissionais do programa Mais Médico.

 

Airton: Isso vai ter possível por causa de uma resolução aprovada hoje. A medida serve tanto para as cidades que já fazem parte do programa e também para quem ainda não participa.

 

Gláucia: E tem outra novidade. O Ministério da Saúde quer criar uma fila única para cirurgias eletivas no SUS. Quem dá todos os detalhes dessas decisões é a repórter Taíssa Dias.

 

Repórter Taíssa Dias: Os municípios poderão contratar médicos cubanos por convênio diretamente com a Organização Pan-Americana da Saúde, a Opas, de forma semelhante à que acontece no Mais Médicos, mas sem a interferência do Governo Federal. Nesse caso os profissionais serão pagos com recursos do próprio município. A permissão foi uma das decisões tomadas na reunião da Comissão Intergestores Tripartite, formada por representantes da união, dos estados e dos municípios. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, explicou que cada município irá definir como fará a contratação.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Na gestão interior, prefeitos, 1.500 prefeitos brasileiros não aderiram ao programa Mais Médicos, portanto, não têm nenhum profissional na sua saúde. Agora, os novos gestores querem ter médicos do Mais Médicos, mas o nosso orçamento já está votado, em andamento, e eu tenho como fazer essa alteração. Então, nós estamos criando um mecanismo para que esses municípios possam acessar diretamente a Opas e fazer o convênio trazendo os médicos e também aqueles que já têm um determinado número de médicos, possam ampliar.

 

Repórter Taíssa Dias: A Comissão também discutiu o repasse de recursos para a realização de cirurgias eletivas, aquelas que são marcadas com antecedência, R$360 milhões estão disponíveis no orçamento do Ministério da Saúde para esses procedimentos. O governo vai determinar um prazo para que os estados organizem uma fila única. Segundo o ministro Ricardo Barros, é a partir de dessa fila que vai ser planejada a distribuição do dinheiro.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Hoje o estado tem uma fila, a prefeitura tem uma fila, cada hospital tem a sua fila, isso não é possível dentro do sistema. Nós estamos propondo 40 dias para que os estados, municípios se organizem em uma fila única e apresentem a fila para que nós possamos então definir um critério de distribuição dos recursos disponíveis para o mutirão.

 

Repórter Taíssa Dias: Também na reunião da Comissão, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde, a Opas, o certificado de país livre da rubéola é do sarampo, isso significa que nos últimos quatro anos não houve transmissão dessas doenças no território nacional e que os casos que vieram de fora do país foram controlados. Reportagem, Taíssa Dias.

 

Gláucia: 19h14 em Brasília.

 

Airton: Duplicação da BR-101.

 

Gláucia: Daqui a pouco vamos falar de mais um trecho dessa rodovia que foi duplicada em Pernambuco.

 

Airton: E vamos responder um ouvinte que quer saber quando essa obra vai chegar em Alagoas. Fique ligado com a gente.

 

"Momento social".

 

Gláucia: O Momento Social de hoje vai responder a dúvida de Adriele Lopes, que mora em Ubatuba, São Paulo.

 

Airton: Ela é o marido estão desempregados e é o benefício de Bolsa Família que sustenta a casa.

 

Gláucia: A Adriele tem uma filha de quatro anos e quer saber qual o valor pago por criança no programa. Quem responde é o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra.

 

Entrevistada - Adriele Lopes: Oi, ministro, meu nome é Adriele. Eu moro em Ubatuba. A minha pergunta é: quanto que cada criança ganha no programa Bolsa Família?

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Adriele, o Bolsa Família é um programa da complementação de renda. Quanto menor é a renda dela, maior pode ser o recurso que ela recebe o Bolsa Família, desde que ela esteja na faixa de ganho que necessita do Bolsa Família. Então, depende de quanto ela ganha menos e depende do número de crianças que tem na família e do número de jovens. As crianças de zero aos 15 anos de idade, ganham R$39,00 por mês, desde que limitado ao número de cinco crianças por família. E jovens de 16 e 17 anos, ganham R$46,00 por mês, limitados a dois por família. Esses são os acréscimos que o Bolsa Família paga além da complementação da renda.

 

Gláucia: E você também tem alguma pergunta sobre ações e programas do governo para mandar para gente?

 

Airton: Pode ser por e-mail no endereço: voz@ebc.com.br. E também tem o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

 

Gláucia: Pois é, a sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil sempre na quinta-feira. Participe com a gente.

 

Airton: Prefeitos e gestores municipais de todo o país estão reunidos aqui em Brasília.

 

Gláucia: E o Governo Federal aproveita para apresentar a eles programas importantes que podem levados ou aperfeiçoados em cada cidade.

 

Airton: O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, por exemplo, foi levar os programas sociais como o Bolsa Família e o Criança Feliz.

 

Repórter André Luiz Gomes: Dar orientações para que prefeitos e gestores públicos possam oferecer os programas sociais do Governo Federal aos cidadãos de seus municípios, esse foi o objetivo da participação do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário no Quarto Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento realizado em Brasília. O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, apresentou o programa Criança Feliz. Técnicos capacitados irão até a casa das famílias para orientar os pais sobre a melhor forma de estimular o desenvolvimento dos filhos. Segundo o ministro, o programa vai promover o desenvolvimento infantil integral, formando adultos mais preparados para vencer a pobreza.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Nós entendemos que o futuro dessa família, o futuro da sociedade depende muito das crianças que estão nascendo agora, com os cuidados, elas vão ter.

 

Repórter André Luiz Gomes: Para o secretário executivo do Ministério, Alberto Beltrame, gestores municípios bem informados utilizam melhor os recursos federais, o que garante o bom resultado das ações.

 

Secretário executivo do Ministério - Alberto Beltrame: Para avançar nos programas sociais, seja no Bolsa Família, seja no BPC, mas principalmente nos novos programas que estão sendo encaminhados, criando mecanismos para que esses programas avancem, e, sobretudo, alcancem seus objetivos finais.

 

Repórter André Luiz Gomes: Até agora 2.547 municípios já aderiram ao Criança Feliz. Serão acompanhadas pelo programa as crianças beneficiárias do Bolsa Família até os três anos de idade e aquelas que recebem o Benefício de Prestação Continuada, o BPC, até os seis anos. Reportagem, André Luiz Gomes.

 

"Você na Voz do Brasil".

 

Gláucia: E hoje no quadro Você na Voz vamos responder a dúvida de um ouvinte lá na Alagoas sobre a duplicação da BR-101, a principal via de ligação do Nordeste brasileiro.

 

Airton: É, e quem pergunta é o André Luiz, no município de São Miguel do Campos.

 

Entrevistado - André Luiz: Eu tenho uma dúvida referente à duplicação da BR-101, que vai passar no município de Teotônio Vilela, Alagoas, a Rio Largo e passa aqui no município de São Miguel dos Campos. Eu gostaria de saber se essa duplicação vai acontecer mesmo ou é apenas comentários que a gente escuta.

 

Gláucia: Quem responde é a jornalista Natália Coslique.

 

Repórter Natália Coslique: André, você pode ficar tranquilo porque as coisas já estão caminhando por aí. Em fevereiro desse ano foi retomado o contrato na BR-101, exatamente no trecho a que se você referiu, que liga a sua cidade com a de Rio Largo e da Teotônio Vilela. De acordo com a assessoria do Ministério, o projeto está a fase preparatória e vai ser iniciado até junho desse ano, e as obras seguem a todo vapor. Hoje o ministro dos Transportes Portos e Aviação Civil, Maurício Quintela, entregou mais um trecho da rodovia em Pernambuco, entre os municípios de Xexéu e Palmares.

 

Ministro dos Transportes Portos e Aviação Civil - Maurício Quintela: É uma satisfação imensa estar aqui em Xexéu, no estado de Pernambuco para liberar o tráfego em mais de dez quilômetros aqui da duplicação da BR-101 do estado, nesse que é o último lote da duplicação no estado de Pernambuco. Num futuro bem próximo nós teremos capitais nordestinas, todas elas interligadas por uma rodovia federal duplicada, né? Uma qualidade muito grande, que vai fornecer mais segurança, né? Vai melhorar o escoamento da nossa produção, vai baratear o custo Brasil, gerar emprego, gerar renda e desenvolvimento para todo o Nordeste brasileiro e para o país.

 

Repórter Natália Coslique: Neste ano vai garantido um orçamento de R$270 milhões para as obras na BR-101. É com vocês aí no estúdio.

 

Airton: Tá certo. Obrigado, Natália. E você que tem dúvidas sobre algum programa do Governo Federal, mande a sua pergunta aqui para a Voz do Brasil.

 

Gláucia: Basta gravar uma mensagem e mandar para o nosso e-mail: voz@ebc.com.br, ou no WhatsApp: (61) 99862- 7345. Eu vou repetir: (61) 99862- 7345.

 

Airton: A nossa produção vai procurar a resposta para você.

 

Gláucia: 19h21 em Brasília.

 

Airton: Canjica, cuscuz, polenta, bolo, pamonha, o que essas comidas têm em comum? Bem, tudo, tudo é feito a partir do milho.

 

Gláucia: É, o grão faz muito sucesso na nossa culinária, mas tem uma importância ainda maior.

 

Airton: No Brasil, mais de 80% do milho produzido é utilizado na alimentação de animais, principalmente de frangos e suínos

 

Gláucia: Por isso o governo tem uma política de armazenar o produto para depois vender a preços mais baixos a pequenos produtores de animais.

 

Airton: Foi isso que a gente vai conferir lá na cidade de Monteiro, na Paraíba. Atingidos pela seca, os produtores contam com a ajuda da Conab, a Companhia Nacional de Abastecimento para comprar milho para os animais.

 

"Não sertão não chove mais".

 

Repórter João Pedro Neto: O sertanejo nordestino convive com a seca continuamente. O clima é semiárido, mas nos últimos anos a estiagem tem castigado ainda mais a região. E se da terra fica difícil tirar alguma coisa, uma saída do campo muitas vezes é a criação de animais. Foi essa a solução encontrada pela produtora Clemilda Inácio da Silva, do município de Monteiro, no certo paraibano, o foco são as aves caipiras, mas ela também cria outros animais.

 

Produtora - Clemilda Inácio da Silva: Aqui na região, quem tem a sorte de ter um poço, que tenha boa vazão, que tenha uma água da qualidade, pode fazer a produção de hortaliças. Mas, em sua maioria, por exemplo, na minha comunidade mesmo, não dá, não dá poço artesiano, o subsolo não é favorável para isso. Então, a gente depende realmente da criação de pequenos animais, de animais de pequeno porte.

 

Repórter João Pedro Neto: E um produto que não se desenvolve bem no clima da região é fundamental para a produção dos criadores, o milho, que é comercializado no Programa de Venda a Balcão da Conab, a Companhia Nacional de Abastecimento. O grão é ofertado a preços abaixo dos praticados do planejo a pequenos produtores e agroindústrias de pequeno porte. Ele é tributado, misturado a outros insumos e vira ração para os animais. Segundo a Clemilda Inácio, a venda da Conab é essencial para ela e para os criadores da região.

 

Produtora - Clemilda Inácio da Silva: No mínimo representar aí 60% ou mais de consumo dos nossos animais. Então, nesse momento de estiagem o milho da Conab, ele, na verdade, é o que salva muito a produção. Você consegue produzir com um custo bom.

 

Repórter João Pedro Neto: Os estoques públicos de milho da Conab existem em todo o Brasil, a unidade em Monteiro atende 17 municípios do Cariri paraibano. O produto vendido é exclusivo para uso na ração animal e não pode ser revendido nem repassado pelos criadores. Atualmente há 670 toneladas no armazém de Monteiro, o suficiente para abastecer os produtores da região por até dois meses, como explica o gerente da Conab na cidade, Givanildo Batista de Lira.

 

Gerente da Conab na cidade - Givanildo Batista de Lira: O governo, ele garante um preço mais acessível, porque o preço do comércio aqui atualmente está entre R$80,00, R$70,00 a saca de milho. E a Conab está com um preço bom, vendendo hoje a R$48,00 a saca de milho de 60 quilos.

 

Repórter João Pedro Neto: Recentemente o Presidente Michel Temer anunciou a liberação de mais 250 mil toneladas de milho dos estoques públicos para pequenos criadores e agroindústrias de pequeno porte de todo o país. Desse total, cerca de 200 mil toneladas vão beneficiar criadores de Nordeste afetados pela seca. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gláucia: E atenção pequenos criadores aí do Norte e do Nordeste, na semana que vem, dia 3 de maio, a Conab vai realizar mais um leilão de quase 60 mil toneladas de milho em grãos dos estoques públicos.

 

Airton: O produto será ofertado a pequenos criadores e agricultores por meio do Programa de Vendas em Balcão pelo preço de R$33,00 por saca de 60 quilos.

 

Gláucia: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Airton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite para você.

 

Gláucia: Boa noite e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".