27 DE SETEMBRO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Brasil registra recordes no número de transplantes e Ministério da Saúde lança nova campanha para incentivar mais doações. Governo vai arrecadar R$14 bilhões com leilões de hidrelétricas, petróleo e gás, realizados hoje. Para o presidente Michel Temer sinal de confiança dos empresários e mais geração de empregos. Provas do Enem vão contar com mais um reforço na segurança.

audio/mpeg 27-09-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 22578 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 27 de setembro de 2017, Dia Nacional do Doador de Órgãos.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia: Brasil registra recordes no número de transplantes.

 

Gabriela: E Ministério da Saúde lança nova campanha para incentivar mais doações. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Apesar do recorde, o número de famílias que recusam doar os órgãos ainda é alto, cerca de 43%.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje...

 

Gabriela: R$ 14 bilhões. É o que vai arrecadado com leilões de hidrelétricas, petróleo e gás realizados hoje.

 

Nasi: Para o presidente Michel Temer, sinal de confiança dos empresários e mais geração de empregos.

 

Presidente da República - Michel Temer: Que o nosso objetivo central é precisamente combater o desemprego. E para combater o desemprego é preciso incentivar a indústria, é preciso incentivar a produção, que é o que nós estamos fazendo no nosso governo.

 

Gabriela: E sobre o incentivo a esses empregos vamos conversar, ao vivo, com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

 

Nasi: Provas do Enem vão contar com mais um reforço na segurança. José Luiz Filho.

 

Repórter José Luiz Filho: Os fiscais nas salas do exame vão usar detectores de sinais de rádio, evitando a ação de quadrilhas especializadas em passar respostas para os candidatos durante o exame.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

Nasi: É, e para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Empregos com carteira assinada em crescimento.

 

Nasi: Modernização das leis trabalhistas.

 

Gabriela: E uma série de ações para gerar novos empregos e facilitar a vida do trabalhador.

 

Nasi: Para falar sobre isso, nós recebemos, aqui no estúdio da Voz do Brasil, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. Boa noite, ministro.

 

Ministro do Trabalho e Emprego - Ronaldo Nogueira: Boa noite, Nasi. Boa noite, Gabriela. Boa noite, Brasil.

 

Nasi: Ministro, vamos começar falando do que mais interessa ao trabalhador que está nos ouvindo agora. O Brasil vem gerando empregos há cinco meses seguidos, mas sabemos que nos últimos anos muita gente ficou desempregada. O que dizer para essas pessoas e qual a expectativa para os próximos meses?

 

Ministro do Trabalho e Emprego - Ronaldo Nogueira: De junho de 2014 a junho de 2016, o Brasil perdeu quase 3 milhões de postos de trabalho. A recuperação do emprego iniciou-se a partir das medidas tomadas pelo Governo Federal, pela liderança do presidente Michel Temer. Em 2017, nós já estamos no sexto mês consecutivo de geração de empregos, tendo um estoque de 164 mil postos positivos já em 2017.

 

Gabriela: E, ministro, de que forma a modernização trabalhista, que foi aprovada no Congresso, pode ajudar nessa retomada do emprego?

 

Ministro do Trabalho e Emprego - Ronaldo Nogueira: A modernização trabalhista, ela foi fundamentada em três eixos. O primeiro eixo é consolidar direitos. Os direitos do trabalhador que estão especificados no art. 7º da Constituição estão assegurados. O segundo eixo é a segurança jurídica. E o terceiro eixo é a geração de emprego. A confiança do empregador e a ausência do medo de contratar possibilitou esse ambiente da retomada do emprego. A expectativa é de que esse crescimento de emprego continue. Alguns setores que estavam com jornada reduzida, no início de setembro já começaram a operar em três turnos. Isso é um sinal de confiança e a retomada do emprego.

 

Nasi: É para que esse trabalhador tenha emprego, ele precisa da carteira de trabalho.

 

Gabriela: É, ministro, e a gente vem acompanhando aqui uma série de ações para facilitar a retirada do documento pelo país. Inclusive, essa semana, uma boa notícia veio lá do Ceará. Vamos ouvir.

 

Repórter Natália Koslyk: Luciana Silva Oliveira, de 23 anos, é estudante de direito em Fortaleza. Ela conseguiu uma oportunidade de estágio, mas precisava levar a carteira de trabalho já no dia seguinte e não tinha. Foi quando ficou surpresa com a velocidade do agendamento do serviço e do atendimento.

 

Estudante - Luciana Silva Oliveira: Eu estou precisando entregar isso amanhã no caso, né, para a minha unidade de estágio, e aí eu consegui agendar hoje mesmo e hoje mesmo eu estou sendo atendida. Foi superfácil porque realmente é entregue a carteira com meia hora de prazo, né?

 

Repórter Natália Koslyk: E, agora, vai ser assim. Na cidade de Fortaleza, no Ceará, os trabalhadores que precisarem emitir a carteira de trabalho ou habilitar o seguro desemprego não vão mais precisar esperar pelo atendimento. A cidade conseguiu zerar as filas. E o tempo de espera, que antes era de 30 dias, praticamente não existe mais. O segredo da velocidade no atendimento, segundo o superintendente Regional do Trabalho no Ceará, Fábio Zech, foi descentralizar o serviço.

 

Superintendente Regional do Trabalho no Ceará - Fábio Zech: Nós concentrávamos tudo na sede da superintendência e conseguimos descentralizar para dois shoppings. De modo que agora, hoje, o trabalhador tem condições de fazer um agendamento para a emissão de carteira de trabalho no mesmo dia, ser atendido no mesmo dia e receber a carteira de trabalho em 30 minutos.

 

Repórter Natália Koslyk: Agora, a meta é levar esse agendamento de prazo zero para o interior do estado, alcançando todas as cidades do Ceará, para que todos os trabalhadores sejam atendidos com cidadania. Reportagem, Natália Koslyk.

 

Nasi: E continuamos, ao vivo, aqui, com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, na Voz do Brasil. Ministro, esse exemplo aí de Fortaleza serve para todo o país, não é mesmo? E é importante agilizar a retirada da carteira de trabalho?

 

Ministro do Trabalho e Emprego - Ronaldo Nogueira: A política nacional de atendimento no âmbito do Ministério do Trabalho padronizou métodos de eficiência para atendimento ao trabalhador. Todos os serviços que o trabalhador busca nas nossas agências Sine, tanto no encaminhamento do seguro desemprego como a busca da homologação, a intermediação para o emprego e também o pedido da sua carteira do trabalho, nós procuramos dar melhor eficiência para que o trabalhador possa ser atendido com uma eficácia maior. Nós haveremos de, a partir de dezembro, a partir de novembro agora de 2017, fazer com que nós não tenhamos fila em nenhuma agência de atendimento ao trabalhador. Através da implementação do portal Emprega Brasil e o aplicativo Sine Fácil, o trabalhador poderá, através desses sistemas, todos os serviços que são efetuados de forma presencial para atender o trabalhador nas nossas agências, o trabalhador poderá, através do aplicativo, em qualquer lugar que o trabalhador esteja, ele terá acesso a esse serviço, desde o requerimento do seu seguro desemprego, informações a respeito do seu abono salarial, informações a respeito de todo o histórico dos seus contratos de trabalho, assim como a própria homologação. O Sine Fácil já encaminhou para entrevista mais de 80 mil trabalhadores. Então, são medidas efetivas de atendimento direto ao trabalhador.

 

Gabriela: Ministro, a gente não pode deixar de destacar aqui essa semana que vários estados promovem ações pelo Dia 'D' da Inclusão com a Pessoa com Deficiência.

 

Nasi: Isso porque a Lei de Cotas completa 26 anos. De acordo com ela, todo empresa com mais de cem empregados deve destinar uma porcentagem de vagas a profissionais com algum tipo de deficiência. A gente acompanhou o 'Circuito D' no Rio de Janeiro. Vamos ouvir.

 

Repórter Carolina Rocha: No salão da Catedral Metropolitana, no Rio de Janeiro, dezenas de representantes de empresas estavam a postos para conhecer futuros profissionais interessados em trabalhar em suas equipes. A iniciativa é do Ministério do Trabalho e Emprego e marca os 26 anos da lei que estabelece cotas para empresas que possuem mais de cem funcionários. O superintendente Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, Helton Yomura, fala porque é tão importante uma lei como essa.

 

Superintendente Regional do Trabalho do Rio de Janeiro - Helton Yomura: Essa também é uma iniciativa do Estado Brasileiro de trazer essas pessoas integradas para dentro da nossa sociedade, sem exclusão nenhuma.

 

Repórter Carolina Rocha: Durante a feira encontramos Marcos Paulo Almeida. Por causa de um traumatismo craniano, aos 19 anos, perdeu os movimentos de todo o lado esquerdo do corpo. Ele garante que isso nunca foi limitação para atuar na área de fiscalização de obras.

 

Deficiente Físico - Marcos Paulo Almeida: A pessoa deficiente física tem a sua maneira de executar a mesma função que você da maneira peculiar que ela tem.

 

Repórter Carolina Rocha: Assistente de recursos humanos de uma empresa do ramo de moda, Vivian Rodrigues vai selecionar candidatos. Ela conta que muitas pessoas com deficiência não se candidatam a vagas de emprego por medo de sofrerem discriminação.

 

Assistente de Recursos Humanos - Vivian Rodrigues: Porque eles conseguem fazer até muito mais do que eu e os funcionários já de casa. Eles são bem disciplinados, eles são aplicados, eles são pessoas até muito mais comprometidas, porque eles precisam muito desse serviço.

 

Repórter Carolina Rocha: Eventos como o 'Circuito D' acontecem em todo o país. Saiba mais em www.trabalho.gov.br. Reportagem, Carolina Rocha.

 

Gabriela: E a gente continua ao vivo, aqui, com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, no estúdio da Voz do Brasil. Ministro, dá para fazer uma avaliação dessa ação que a gente acabou de ouvir aí na reportagem?

 

Ministro do Trabalho e Emprego - Ronaldo Nogueira: O Ministério do Trabalho vem aprimorando as suas ações e, principalmente, no que diz respeito ao cumprimento da Lei das Cotas para dar um atendimento especial a esse público. No próximo dia 29 nós estaremos realizando ações simultâneas em todo o Brasil. Eu estarei presente no estado do Rio Grande do Sul, na cidade de Porto Alegre, no dia 29, assim como deverá ocorrer em todas as unidades da Federação. Os nossos superintendentes regionais estarão presentes, assim como a participação de todos os servidores do Ministério do Trabalho. A conscientização, tanto do empregador como da própria sociedade a respeito da importância dessa legislação, é fundamental. É uma das orientações que o presidente Michel Temer tem dado para o Ministério do Trabalho, é para que nós possamos tornar mais efetivas essas ações que têm um objetivo social. E essa é mais uma ação importantíssima aí para esse público, que é um público tão especial.

 

Nasi: E a gente agradece a participação do ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, aqui no estúdio da Voz do Brasil. Obrigado, ministro.

 

Ministro do Trabalho e Emprego - Ronaldo Nogueira: Obrigado. É um privilégio participar do programa.

 

Gabriela: Quatro usinas hidroelétricas em Minas Gerais passam a ser administradas por empresas privadas.

 

Nasi: O leilão foi realizado hoje. Com a concessão, o governo deve receber mais de R$ 12 bilhões.

 

Gabriela: O valor ultrapassou as expectativas, o que, para o governo, é sinal de confiança dos empresários na economia do país.

 

Repórter Luana Karen: O Governo Federal arrecadou R$ 12,130 bilhões com o leilão de quatro usinas hidroelétricas operadas pela Companhia Energética de Minas Gerais, a Cemig.

 

"Batidas de martelo".

 

"Aplausos".

 

Repórter Luana Karen: O valor foi quase 10% maior do que o esperado. Todas as usinas leiloadas estavam com as concessões vencidas. O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, ressaltou o investimento de grandes empresas no Brasil.

 

Ministro de Minas e Energia - Fernando Coelho Filho: Pelos números por si só, pelo ágio, uma empresa que chega agora com investimento de maior porte no país, e outras duas que já estão antigas conhecedoras do setor elétrico brasileiro, que redobram e aumentam também a sua aposta, mostrando que o caminho trilhado nessa área de infraestrutura do governo tem sido aprovado por aqueles que investem e vão continuar a investir no país.

 

Repórter Luana Karen: Nas redes sociais, o presidente Michel Temer afirmou que o Brasil resgatou definitivamente a confiança do mundo. Por quase R$ 7,2 bilhões, os chineses ficaram com a usina de São Simão. Os franceses venceram a disputa pelas usinas de Jaguara e de Miranda. Já os italianos arremataram a usina de Volta Grande. As usinas vão ficar nas mãos da iniciativa privada pelos próximos 30 anos. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: Hoje também foi dia de leilão no setor de petróleo e gás.

 

Gabriela: Foram oferecidos cerca de 280 lotes para exploração da iniciativa privada.

 

Nasi: De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, a arrecadação do leilão foi recorde.

 

Repórter Natália Mello: R$ 3,840 bilhões. Este foi o valor arrecadado no leilão realizado pela ANP, a Agência Nacional de Petróleo, nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro. Dezessete empresas, sete delas estrangeiras, arremataram 37 blocos para a exploração de petróleo e gás natural. O ministro Moreira Franco defendeu as concessões no setor.

 

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência - Moreira Franco: É importante para o Brasil porque nós temos condições de, respeitando toda a nossa tradição de sustentabilidade, de respeito ao meio ambiente, de buscar as melhores alternativas para explorar as nossas riquezas, mobilizarmos esse potencial econômico para contribuir. Que nós possamos garantir o que é o grande sonho de cada cidadão brasileiro: uma sociedade em que seja viva na democracia, mas, sobretudo, que garanta emprego e renda para os seus filhos.

 

Repórter Natália Mello: A Bacia de Campos, no Rio de Janeiro, foi a que mais arrecadou. A Petrobras levou seis dos dez blocos ofertados na Bacia. Para o diretor da ANP, Décio Odoni, o resultado mostra que as empresas começam a retomar a confiança no setor.

 

Diretor da ANP - Décio Odoni: Esse leilão representa o início da retomada dos investimentos no setor. Vamos sair com esse leilão e com os próximos leilões da pior crise que nós já vivemos no setor de petróleo e gás no Brasil para a maior transformação já vista na indústria desde que a indústria do petróleo é relevante no Brasil, nos anos 50.

 

Repórter Natália Mello: O presidente Michel Temer avaliou o resultado como positivo. Segundo ele, a arrecadação dos leilões ajuda a diminuir o déficit público e estimula a criação de empregos.

 

Presidente da República - Michel Temer: Quando você tem um déficit muito grande, isto repercute negativamente para a população. No instante que você vai apoiando muitos bilhões para a economia nacional, você está reduzindo o chamado déficit financeiro. Por isso que novas rodadas de licitações também estão confirmadas. E isso traz, não só muitos investimentos nacionais, como investimentos estrangeiros. O que é que acontece com esses investimentos? É a aberta do emprego.

 

Repórter Natália Mello: A expectativa é que ao longo da duração dos contratos os leilões gerem US$ 80 bilhões de investimentos e produção de 2 milhões de barris de petróleo por dia. Reportagem, Natália Mello.

 

Gabriela: 19h15, em Brasília.

 

Nasi: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Gabriela: Hoje é o Dia Nacional do Doador de Órgãos e o Brasil comemora recordes em transplantes.

 

Nasi: E vamos falar das novidades da segurança na aplicação das provas do Enem em novembro.

 

Gabriela: Mais 9 milhões de brasileiros já estão na era da TV digital.

 

Nasi: O sinal analógico de TV foi desligado hoje nas cidades de Salvador e Fortaleza, e em outros 19 municípios da Bahia.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: O sistema digital permite à população receber uma programação com melhor qualidade de imagem e som, além da possibilidade de assistir TV no celular e assistir a vários programas em um só canal, como lembra o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: O consumidor já está percebendo que vai melhorar a qualidade da comunicação, da telefonia móvel, sem falar nas famílias, em especial aquelas mais humildes, que passaram a contar com uma imagem que elas não tinham, né, para assistir o seu jogo de futebol, a sua novela.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Até agora, o sinal analógico já foi desligado em Brasília e nove cidades do entorno do Distrito Federal, em São Paulo e em 38 cidades do estado, Goiânia e em mais 29 municípios de Goiás, e em Recife e outras 13 cidades de Pernambuco. As próximas cidades do cronograma são Vitória e Rio de Janeiro. Para o ministro Gilberto Kassab, o processo de desligamento analógico tem sido um sucesso e tem superado as expectativas.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: O Brasil está de parabéns. E esperamos em breve aí, em poucos meses, estar chegando perto da implantação total desse programa.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Quem recebe o Bolsa Família pode retirar de graça o kit digital com conversor, antena e controle remoto. Basta agendar um pedido pelo site do Seja Digital ou pelo número 147 e retirar nos pontos de entrega. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Gabriela: Hoje é dia de Cosme e Damião. E você sabia que é atribuído a esses dois médicos o primeiro transplante de órgãos da história?

 

Nasi: É. E é por isso que hoje se comemora também o Dia de Doação de Órgãos. E os números no Brasil são animadores. Registramos recorde de transplantes.

 

Gabriela: Por outro lado, 41 mil brasileiros ainda esperam por um órgão. Por isso, o Ministério da Saúde lançou uma campanha para reduzir o número de famílias que recusam a doação.

 

Repórter Gabriela Noronha: Há um ano, a solidariedade de uma família deu uma nova vida ao brasiliense Lucas Cardoso. Com ceratocone, doença que afeta a visão, não conseguia mais sequer andar sozinho. O tão esperado transplante de córnea trouxe de volta a visão, e Lucas, com 22 anos, pôde comemorar.

 

Transplantado - Lucas Cardoso: Andar sozinho, andar de bicicleta, estudar. Eu andava bem pouco, eu regulava isso. Hoje em dia eu ando bem mais, eu consigo dividir agora a minha vida de trabalho e a faculdade.

 

Repórter Gabriela Noronha: Só no primeiro semestre, quase 8 mil transplantes de córnea foram feitos no país, 7% a mais que no ano passado. E não foi só o transplante de córnea que aumentou. O Brasil bateu recordes de transplantes este ano: foram mais de 12 mil de janeiro a junho. O investimento público dobrou desde 2008, passando de R$ 450 milhões para R$ 960 milhões. O foco este ano vão ser os transplantes de pâncreas e rins, com recursos de R$ 10 milhões, como diz o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Esse dinheiro do transplante de rim e de pâncreas, que não recebiam um incentivo de 60% que outros transplantes recebiam, e também investindo na assistência às famílias que possam, eventualmente, confirmar uma doação.

 

Repórter Gabriela Noronha: Apesar do recorde, o número de famílias que recusam doar os órgãos ainda é alto, cerca de 43%. Por isso, nesta quarta-feira, o Ministério da Saúde lançou a Campanha de Conscientização e Incentivo à Doação. Joseph Cesare, nefrologista, destaca a importância do doador conversar com a família.

 

Nefrologista - Joseph Cesare: Uma coisa muito difícil, a nossa cultura que fala muito pouco sobre morte. E a doação de órgãos, ela exige a morte. Então, toda vez que a gente consegue trazer essa discussão, esse debate, conversar sobre isso, falar sobre o tema dentro da família, aumenta a possibilidade de a gente expor a vontade em ser doador de órgão. Eu sou um doador de órgãos e toda a minha família sabe disso. Então, é isso que vai modificar com que a gente aumente as nossas doações.

 

Repórter Gabriela Noronha: Outra grande barreira para a doação de órgãos no Brasil é a distância entre o doador e o doente. Por isso, desde o ano passado, a Força Aérea Brasileira mantém uma aeronave 24 horas à disposição. Com a medida, o número de transporte de órgãos pela FAB aumentou de 5 para 342. Para o primeiro-tenente aviador, Leandro Janduci Carreira, a missão é gratificante.

 

Primeiro-Tenente Aviador - Leandro Janduci Carreira: Ela é muito gratificante pelo fato de existir a possibilidade da gente poder estar contribuindo para salvar uma vida, que é o bem mais precioso que qualquer pessoa pode ter.

 

Repórter Gabriela Noronha: O Brasil possui o maior sistema público de transplantes no mundo: cerca de 95% dos procedimentos são financiados pelo Sistema Único de Saúde, o SUS. Ainda assim, 41 mil brasileiros esperam na fila por um transplante. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Nasi: Quem faz o Enem, muitas vezes, não tem ideia do trabalho que é para que tudo dê certo e todos os candidatos tenham as mesmas condições quando estiverem com o caderno de questões em mãos.

 

Gabriela: A grande preocupação é com fraudes. E para este ano, a segurança do Enem vai contar com novidades: são os detectores de pontos eletrônicos.

 

Nasi: E hoje, 38 dias antes do primeiro dia do Enem, começou o transporte e a distribuição das provas.

 

Repórter José Luiz Filho: Uma operação militar. Assim dá para definir todo o trabalho de segurança e logística de guarda, transporte, distribuição e aplicação das provas do Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio. A distribuição dos 13,5 milhões de cadernos do exame começou nesta quarta-feira, em São Paulo. Da capital paulista, as provas foram enviadas aos pontos de armazenagem no interior do país. Depois de uma consulta pública, o Enem passou por mudanças. Neste ano, as provas vão ser realizadas em dois domingos, dias 5 e 12 de novembro, e não mais em dois dias do mesmo fim de semana. De acordo com o ministro da Educação, Mendonça Filho, este era um pedido antigo e vai trazer mais conforto e comodidade aos candidatos.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Do ponto de vista econômico e financeiro teria a recomendação histórica de que ela não pudesse ser aplicada desta maneira. Do ponto de vista até de segurança, eu creio que há sempre dúvidas com relação a um espaçamento maior ou não na aplicação do Enem. Mas quando se pensa no conforto dos jovens, daqueles que se submetem ao Enem, que é um exame exaustivo, evidentemente o ganho é extraordinário.

 

Repórter José Luiz Filho: Entre as mudanças, a que mais chamou a atenção foi o reforço na segurança para evitar fraudes durante as provas. Além de detectores de metais, os fiscais nas salas do exame vão usar detectores de sinais de rádio. O aparelho identifica transmissões feitas para pontos eletrônicos, evitando a ação de quadrilhas especializadas em passar respostas para os candidatos durante o exame. É o que explica o ministro Mendonça Filho.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Se a gente tem hoje um equipamento que pode detectar o uso desse tipo de equipamento, a gente vai inibir, e, evidentemente, combater esse tipo de tentativa de fraude.

 

Repórter José Luiz Filho: No Enem deste ano as provas também vão ser personalizadas, com nome e número de inscrição do participante. Segundo Maria Inês Fini, presidente do Inep, responsável pelo Enem, mesmo com todas as mudanças, o conteúdo aplicado nas provas não foi alterado.

 

Presidente do Inep - Maria Inês Fini: A estrutura da prova continua sendo a mesma, inclusive os critérios de correção da redação são os mesmos. Não houve mudança. A cartilha de correção da redação vai ser disponibilizada até o final da semana no site. E isso orienta bastante os alunos, que devem ficar tranquilizados que não houve mudança.

 

Repórter José Luiz Filho: O cartão de confirmação do candidato vai ser divulgado no dia 20 de outubro e poderá ser acessado pela página do exame pela internet, em enem.inep.gov.br. Reportagem, José Luiz Filho.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com o Minuto do TCU e, em seguida, as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".