27 DE DEZEMBRO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Reforço na segurança também nas alturas. Posse do presidente eleito Jair Bolsonaro tem esquema especial de controle do tráfego aéreo. E gabinete de transição do futuro governo lança plano de ação para os primeiros 100 dias. Mais Médicos: profissionais formados no exterior devem ficar atentos ao novo calendário do programa. Quem recebe o Bolsa Família já pode consultar o calendário de pagamentos do ano que vem.

audio/mpeg 27.12.18.mp3 — 46869 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 27 de dezembro de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Reforço na segurança também nas alturas.

 

Gabriela: Posse do presidente eleito Jair Bolsonaro tem esquema especial de controle do tráfego aéreo. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: O esquema de segurança vai contar com mísseis antiaéreos e aeronaves de ataque. Eu volto daqui a pouco com mais informações.

 

Nasi: E Gabinete de Transição do futuro governo lança plano de ação para os primeiros cem dias. Natália Koslyk.

 

Repórter Natália Koslyk: Nos primeiros dez dias, ministros vão estabelecer políticas prioritárias de cada pasta e vão eleger uma delas para que seja implementada nos primeiros cem dias de governo. Daqui a pouco eu volto com mais detalhes.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Mais Médicos. Profissionais formados no exterior devem ficar atentos ao novo calendário do programa. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: É que o Ministério da Saúde prorrogou o prazo para eles escolherem a cidade onde querem atuar.

 

Gabriela: Quem recebe o Bolsa Família já pode consultar o calendário de pagamentos do ano que vem.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil de hoje, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: Dia 1º de janeiro, toma posse o presidente eleito Jair Bolsonaro.

 

Gabriela: E milhares de pessoas, de várias partes do Brasil, são esperadas na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, para acompanhar a cerimônia que dá início ao novo governo.

 

Nasi: Para isso, um esquema especial do espaço aéreo foi montado, para garantir a segurança do local.

 

Gabriela: O repórter Pablo Mundim esteve hoje na Força Aérea Brasileira para conhecer esse esquema de segurança. E é sobre isso que nós vamos, agora, conversar com ele ao vivo aqui no estúdio.

 

Nasi: Boa noite, Pablo. Primeiro, conta para a gente qual é a expectativa para a posse.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Nasi, Gabriela, e principalmente a você, ouvinte da Voz do Brasil. A cinco dias da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro, a expectativa é reunir até 500 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios aqui em Brasília. E para garantir a segurança no evento, além do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República e da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, as Forças Armadas também vão atuar no dia da posse. Hoje, o presidente Michel Temer assinou um decreto em que autoriza um esquema de segurança no espaço aéreo da capital federal.

 

Gabriela: E, Pablo, hoje você visitou a Força Aérea Brasileira, para conhecer esse esquema de segurança que está sendo montado. Como que ele vai funcionar?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): É isso mesmo, Gabriela. O esquema de segurança montado pela Aeronáutica divide o espaço aéreo em três áreas. Na primeira delas, que compreende um raio com mais de 7 quilômetros a partir da Praça dos Três Poderes, na região central de Brasília, o sobrevoo será proibido. As únicas exceções serão o helicóptero que vai fazer as imagens da transmissão oficial do evento e um drone da Força Aérea. Esse perímetro estará, inclusive, na mira de mísseis antiaéreos. Já na área seguinte, com raio de 46 quilômetros, que abrange o Aeroporto de Brasília, o sobrevoo só será possível com autorização da FAB. Nesta área, estão previstos os voos comerciais e as aeronaves dos chefes de Estado e autoridades que vêm a Brasília para assistir à posse. E, por fim, uma área com um raio de quase 130 quilômetros, onde não será necessário requerer autorização, mas é preciso apresentar plano de voo.

 

Nasi: Agora, Pablo, como que a Aeronáutica vai fiscalizar o cumprimento dessas regras?

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Nasi, todas essas áreas serão fiscalizadas a partir de uma sala de controle, no Comando de Operações Aeroespaciais, com informações em tempo real. O major-brigadeiro do ar, Ricardo Cesar Mangrich, explicou como será o procedimento caso uma aeronave desobedeça às instruções.

 

Major-brigadeiro do ar - Ricardo Cesar Mangrich: A área externa, a maior, nós vamos exigir que todas as aeronaves preencham plano de voo. Na hora que ela aparecer aqui na nossa tela de radar, nós saibamos exatamente quem é essa aeronave. Caso uma aeronave adentre a área sem ter um plano de voo, ela vai ser interceptada por um caça da Força Aérea. E a área mais próxima da Esplanada, que, se alguma aeronave tentar passar por todas as áreas, não for interceptada por um caça da Força Aérea e conseguir adentrar, ela vai ser engajada com armamento de solo, que são os nossos mísseis, vai ser detida, para não prosseguir no seu voo.

 

Gabriela: Aliás, esse procedimento não é novidade no Brasil, né, Pablo? Já foi aplicado anteriormente.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Exatamente. Esse esquema de segurança para gerenciar o fluxo de tráfego aéreo já foi adotado pela Força Aérea Brasileira em outros eventos, como a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável Rio +20, realizada em 2012, a Copa das Confederações, em 2013, a Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. E assim como aconteceu nos outros eventos, durante o esquema de segurança, nenhum voo comercial será afetado. É o que garante o tenente-coronel Anderson Jean Oliveira Silva, chefe da Divisão de Operações.

 

Chefe da Divisão de Operações - Anderson Jean Oliveira Silva: A malha aérea vai ser mantida conforme já a regularidade dela. É lógico que as equipes estarão sendo reforçadas, para que todo esse fluxo possa acontecer de forma natural. Logicamente, atentando às medidas de segurança que estão sendo aplicadas também para o evento.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Além dos mísseis teleguiados, mais de 20 aeronaves de guerra estarão em posição, caso haja alguma ameaça. Nasi, Gabriela.

 

Nasi: Obrigado, Pablo Mundim, pela participação ao vivo aqui na Voz do Brasil. Voltamos daqui a pouquinho com mais informações sobre a transição de governo.

 

Gabriela: O Ministério da Saúde divulgou um novo calendário para o Programa Mais Médicos.

 

Nasi: Os profissionais de saúde formados fora do país vão ter mais tempo para escolher o município onde querem atuar.

 

Repórter Graziela Mendonça: Os médicos formados no exterior que se inscreveram no Programa Mais Médicos devem ficar atentos para as novas datas. É que o Ministério da Saúde prorrogou o prazo para eles escolherem a cidade onde querem atuar. A opção deve ser feita nos dias 23 e 24 de janeiro do ano que vem, e não em dezembro, como estava previsto no cronograma inicial. E nos dias 30 e 31 de janeiro, vai ser a vez dos médicos estrangeiros selecionarem o local de trabalho, entre as vagas que restarem. Desde que Cuba decidiu deixar o Programa Mais Médicos, o governo brasileiro já fez dois editais para preencher as vagas e garantir o atendimento à população. Das cerca de 8.500 vagas iniciais, restam 842, em quase 300 municípios e em 26 distritos indígenas. Lembrando que os médicos brasileiros que já escolheram os municípios nessa segunda chamada devem comparecer para trabalhar entre 7 e 10 de janeiro. Se desistirem da vaga, eles precisam informar à gestão do município e o sistema será atualizado com as vagas disponíveis. Graziela Mendonça para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: Em apenas uma semana, 950 municípios já se cadastraram no Programa Escola do Adolescente.

 

Nasi: A próxima etapa é de adesão das escolas.

 

Gabriela: Lançado em novembro deste ano, o programa pretende melhorar a aprendizagem e combater o abandono dos estudantes nos anos finais do Ensino Fundamental.

 

Nasi: Isso ocorre por meio de uma plataforma digital, que vai oferecer instrumentos de apoio aos educadores para tornar as aulas mais atrativas.

 

Gabriela: A secretária de Educação Básica do Ministério da Educação, Kátia Smole, destaca o diferencial do programa.

 

Secretária de Educação Básica - Kátia Smole: Talvez nos últimos 15 anos, a gente não tenha tido um programa tão completo e tão necessário. E por isso nós estamos muito felizes com essas 950 adesões, nesse período, é adesão de município, então não é escola. Portanto, é mais importante ainda, significa que nós vamos ter muitas escolas, muitos gestores, muitos professores sendo atendidos por esse programa inovador.

 

Nasi: O programa vai atender 13 mil escolas públicas prioritárias, beneficiando cerca de 1,5 milhão de adolescentes matriculados entre o sexto e o nono ano.

 

Gabriela: O Escola do Adolescente contou com investimento de mais de R$ 350 milhões.

 

Nasi: O calendário de pagamentos do Bolsa Família do ano que vem já está disponível para consulta.

 

Gabriela: Você vai ouvir ainda nesta edição como ter acesso às datas para poder sacar o benefício.

 

"Primeiro de janeiro de 2019, dia de celebrar o Brasil, dia de celebrar a nossa democracia, dia da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro. A NBR e a Rede Nacional de Rádio vão mostrar todos os detalhes da cerimônia ao vivo, a partir das 10h da manhã. Não perca. Acompanhe tudo no canal de TV da NBR, no satélite da Voz do Brasil, nos perfis da NBR no Youtube, Twitter e Facebook. E você ainda pode participar da transmissão, mandando mensagens para o nosso WhatsApp. O número é (61) 99867-8787. Cerimônia de posse do presidente eleito Jair Bolsonaro. Dia 1º de janeiro, a partir das 10h da manhã".

 

Nasi: O Gabinete de Transição do futuro governo de Jair Bolsonaro lançou hoje um plano de ação, com metas para os primeiros cem dias.

 

Gabriela: Entre elas, a que estabelece políticas prioritárias de cada ministério, para serem implementadas neste período.

 

Nasi: E a gente está ao vivo aqui no estúdio da Voz do Brasil para saber mais detalhes deste plano, com a repórter Natália Koslyk. Boa noite, Natália.

 

Repórter Natália Koslyk (ao vivo): Boa noite, Nasi, Gabriela e ouvintes da Voz do Brasil. Durante a reunião, cada ministro apresentou no mínimo duas propostas para reduzir a burocracia e também gerar economia aos cofres públicos. A informação foi dada pelo futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Ele também falou sobre a agenda definida para o governo para os primeiros cem dias.

 

Futuro chefe da Casa Civil - Onyx Lorenzoni: Nós teremos uma série de ações, que vão ser noticiadas logo depois da posse, e nós vamos ter controles a cada dez, 30, 45, 60 e 90 dias, de tal forma que todos aqueles compromissos que o governo vai assumir, eles serão entregues à sociedade brasileira, nas mais variadas formas, desde mecanismos de simplificação, desburocratização, programas de governo específicos, ações específicas, que serão, ao longo das próximas semanas, noticiadas.

 

Repórter Natália Koslyk (ao vivo): Ainda de acordo com o futuro chefe da Casa Civil, as propostas dos ministros serão analisadas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro e, em seguida, apresentadas à sociedade. Segundo Onyx Lorenzoni, a aplicação das medidas vai ser definida com cada pasta no primeiro mês de governo.

 

Futuro chefe da Casa Civil - Onyx Lorenzoni: As medidas que nós estamos identificando são aquelas que o governo vai apresentar à sociedade para construir um conjunto, no mínimo, de 22 propostas, que são as entregas que nós queremos fazer nos primeiros cem dias, tanto que tem uma data aí que é o balanço dos primeiros cem dias, onde nós queremos mostrar todas as realizações que o governo fez e mostrar que a gente realmente veio para fazer a diferença.

 

Repórter Natália Koslyk (ao vivo): E hoje, pela manhã, os futuros ministros do governo Bolsonaro participaram de uma aula sobre governança, na Escola Nacional de Administração Pública, vinculada ao governo federal. Também estão sendo capacitados os secretários executivos das 22 pastas ministeriais. Gabriela, Nasi.

 

Gabriela: Obrigada, Natália Koslyk, pela participação ao vivo aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: Capacitar jovens, para que tenham mais oportunidades no mercado de trabalho.

 

Gabriela: Essa é a ideia do Programa Pró-Cidadão, de Morrinhos, em Goiás.

 

Nasi: O programa usa como base as metas do Plano Progredir, como a qualificação profissional para garantir mais renda.

 

Gabriela: O Pró-Cidadão é tema da nossa terceira reportagem da série com iniciativas que receberam o Prêmio Progredir.

 

Repórter André Luiz Gomes: A dedicação e responsabilidade dos adolescentes, além do envolvimento da iniciativa privada, são alguns dos ingredientes que fazem o Programa Pró-Cidadão ter sucesso no município de Morrinhos, em Goiás. Gabriel Dias Cunha, de 19 anos, é um dos milhares de jovens que passaram pelo programa. Ele já estagiou em três empresas do município e, na última, foi efetivado, aos 18 anos.

 

Entrevistado - Gabriel Dias Cunha: O Programa Pró-Cidadão, para mim, foi a iniciação para eu virar um jovem mais cabeça. Hoje o que eu sou, dou graças ao Pró-Cidadão. Se eu tenho uma casa, uma moto para andar, dedico(F) tudo ao Pró-Cidadão.

 

Repórter André Luiz Gomes: De acordo com a secretária municipal de Desenvolvimento Social, Terezinha Rosário do Amaral, o programa atua em um momento crítico, quando as drogas e a criminalidade podem atrapalhar o desenvolvimento dos jovens.

 

Secretária municipal de Desenvolvimento Social - Terezinha Rosário do Amaral: Eu vejo que é um momento, assim, que a estrutura maior que nós temos com o ser humano, no qual ele vai buscar o seu firmamento, do que ele vai ser como profissional. São jovens que realmente entram e que a gente vê [ininteligível] escolaridade, a questão da convivência de família, da empregabilidade, que é o importante da pessoa, não só o financeiro, mas ela buscar o caminho que ela vai trilhar para frente.

 

Repórter André Luiz Gomes: Terezinha destaca que a iniciativa é um sucesso, porque também conta com a parceria de empresas do município, que compraram a ideia. Para o secretário de Inclusão Social e Produtiva, do Ministério do Desenvolvimento Social, Vinícius Botelho, programas como esses aproveitam uma janela de oportunidades e adequam a formação dos jovens à demanda do mercado.

 

Secretário de Inclusão Social - Vinícius Botelho: A importância de fazer isso desde jovem vem do potencial que as pessoas têm de explorar as próprias habilidades, de explorar o próprio potencial, por meio da qualificação, justamente para poderem se encaixar no mercado de trabalho. E muitas vezes a qualificação profissional oferece algumas pontes que podem ajudar o jovem nesse processo.

 

Repórter André Luiz Gomes: O Programa Pró-Cidadão foi um dos vencedores do Prêmio Progredir no início deste ano. Reportagem: André Luiz Gomes.

 

Nasi: Quem recebe o Bolsa Família já pode consultar o calendário de pagamentos do programa para o ano que vem.

 

Gabriela: A ideia é evitar problemas aos beneficiários, como ir ao banco em um dia que o saque ainda não esteja disponível.

 

Nasi: Só em dezembro deste ano, o Ministério do Desenvolvimento Social repassou mais de R$ 2,6 bilhões para mais de 14,1 milhões de famílias de baixa renda em todo o país.

 

Repórter Carolina Graziadei: Para saber a data correta de sacar o dinheiro, a família deve observar o último dígito do Número de Identificação Social, o NIS, impresso no cartão. Depois de identificá-lo, será necessário observar a data que indica o dia em que a família pode fazer o saque. Dessa forma, os beneficiários que possuem um cartão com final 1 podem sacar no primeiro dia do pagamento. Já aqueles com final 2, podem resgatar o recurso no segundo dia e assim por diante. O benefício do Bolsa Família é pago nos últimos 10 dias úteis de cada mês, de forma escalonada. Em janeiro, por exemplo, os benefícios serão pagos dos dias 18 a 31. Os recursos ficam disponíveis para saque durante 90 dias. De acordo com a diretora do Departamento de Benefícios do Ministério do Desenvolvimento Social, Caroline Paranayba, o calendário possibilita um maior planejamento para os beneficiários do programa.

 

Diretora do Departamento de Benefícios - Caroline Paranayba: É importante conhecer o calendário, para ele não chegar no dia incorreto para tentar sacar e ter feito todo um gasto para ir até o ponto de pagamento do benefício e não conseguir sacar.

 

Repórter Carolina Graziadei: O Bolsa Família é voltado para as famílias inseridas no Cadastro Único para programas sociais do governo federal, com renda mensal por pessoa de até R$ 89, além daquelas com renda familiar mensal de até R$ 178 por pessoa e que tenham integrantes gestantes, crianças ou adolescentes. As informações já estão disponíveis no aplicativo do Bolsa Família, nas lotéricas e nas agências da Caixa Econômica Federal. Reportagem: Carolina Graziadei.

 

Gabriela: Criação de peixes para venda e consumo próprio.

 

Nasi: Um negócio que virou fonte de renda para 6 mil famílias do Médio São Francisco, na Bahia.

 

Gabriela: E os produtores ainda recebem toda a orientação para manter o processo de produção de peixes.

 

Repórter Luana Karen: Às margens do Rio São Francisco, no município de Serra do Ramalho, interior da Bahia, a criação de peixes tem melhorado a condição financeira de toda uma comunidade. São 68 famílias que, há três anos, têm uma parceria com a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba, a Codevasf. Eles recebem os alevinos, os peixes que acabaram de deixar a condição de larva, da Codevasf. Criam em tanques-rede ou escavados, engordam os animais e vendem para comerciantes da região. A representante da Associação dos Moradores do Jenipapo e Batata, Ieda Francisca dos Santos, conta que a iniciativa complementa a renda do produtor rural.

 

Representante da Associação dos Moradores do Jenipapo e Batata - Ieda Francisca dos Santos: Nós fazemos a venda direta, a gente produz esse peixe, eles vão na comunidade, já compram direto do produtor e levam para as feiras livres, levam para os supermercados, ciclo que beneficia todo mundo, acaba beneficiando todo mundo e melhorando, sim, essa renda aí, com a complementação dessa renda do produtor rural.

 

Repórter Luana Karen: Só em dezembro, a Codevasf doou cerca de 270 mil alevinos de tilápia, tambaqui e tambacu para associações comunitárias, piscicultores e prefeituras de 12 municípios do Médio São Francisco, no oeste da Bahia. Foram atendidas cerca de 900 famílias, de 70 comunidades da região. A engenheira de pesca Isabel Denis, analista em Desenvolvimento Regional da Codevasf, explica que, além de doar os peixes, a companhia ensina aos produtores as técnicas para criar os animais.

 

Engenheira de Pesca - Isabel Denis: Damos toda a orientação do que eles têm que proceder, entregamos o alevino, o peixe pequenininho, para que possam... E ensinamos como que ele tem que fazer para ele cultivar esse peixe. E depois [ininteligível] ele já pode consumir e assim ele vai ter fonte de alimento e de renda para o resto da vida.

 

Repórter Luana Karen: Desde 2014, quando iniciou o projeto, a Codevasf já entregou cerca de 1,5 milhão de alevinos, atendendo a quase 400 comunidades e 6 mil famílias do Médio São Francisco Baiano. Para receber a doação de peixes, os moradores precisam estar ligados a uma associação, que fará o contato com a própria Codevasf ou com a prefeitura. Reportagem: Luana Karen.

 

Nasi: Nos últimos cinco anos, o Brasil investiu R$ 40 milhões em pesquisas científicas na Antártica.

 

Gabriela: Só este ano, o continente gelado recebeu 250 profissionais brasileiros de diversas áreas.

 

Nasi: Mas o que um lugar isolado e frio pode ter de tão importante para ser estudado?

 

Gabriela: É o que você vai descobrir hoje na nossa segunda reportagem especial sobre a presença do Brasil na Antártica.

 

Repórter João Pedro Neto: A Antártica é um território fértil para a ciência, e o Brasil envia pesquisadores para a região desde a década de 80. Atualmente, cerca de 250 pessoas vão por ano desenvolver os estudos por lá. O pesquisador Stephan Dons(F) faz parte de um grupo que coleta e analisa briófitas, como musgos, e explica que esses organismos sobrevivem a condições extremas e podem conter substâncias importantes.

 

Pesquisador - Stephan Dons(F): Está pesquisando potencial antimicrobiano de moléculas produzidas por musgos. Tem uma outra linha de pesquisa também que é com o potencial anticâncer das moléculas também desses organismos.

 

Repórter João Pedro Neto: Mas as pesquisas brasileiras na Antártica são nas mais diversas áreas. A psicóloga Paola Barros Delben, pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina, avalia aspectos comportamentais das pessoas ligados a um ambiente isolado, confinado e extremo.

 

Psicóloga - Paola Barros Delben: Eles são expostos a inúmeros riscos, e a gente separa esses riscos em grupos específicos, como, por exemplo, características mais depressivas ou traços da personalidade, os fatores sociais, que seriam as habilidades interpessoais, e conflitos, coesão grupal.

 

Repórter João Pedro Neto: Os estudos são realizados principalmente durante o verão antártico, de outubro a março, quando o tempo ajuda. E o clima também é objeto de estudo. Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais exploram relações atmosféricas e fenômenos antárticos, e também coletam e processam dados ligados ao aquecimento global, como explica o meteorologista e pesquisador do Inpe, Marcelo Santini.

 

Meteorologista e pesquisador do Inpe - Marcelo Santini: Nós estamos enfrentando um cenário de mudanças climáticas, onde a ação do homem, através da queima de combustíveis fósseis, principalmente, está causando um aquecimento, que é discutido e reconhecido por todo o planeta. Entender como que está sendo dissolvido nessa área do planeta é muitíssimo importante.

 

Repórter João Pedro Neto: Hoje, são 19 projetos de pesquisa desenvolvidos no continente, no âmbito do Programa Antártico Brasileiro. Estudos que recebem apoio e financiamento, destaca o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Álvaro Prata.

 

Secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - Álvaro Prata: Estamos falando de pesquisas em antropologia, na área biológica, na área glacial, estudando as questões do gelo, na interação entre a atmosfera e a superfície.

 

Repórter João Pedro Neto: Maiores produtoras de oxigênio do planeta, as algas marinhas também estão presentes na Antártica. E um projeto que estuda esses organismos há alguns anos e hoje reúne mais de 20 instituições de pesquisa vem fazendo descobertas com grande potencial. O coordenador do Projeto Macroalgas Antárticas e professor da Universidade de São Paulo, Pio Colepicolo, diz que os estudos apontam para possíveis aplicações em várias áreas.

 

Coordenador do Projeto Macroalgas Antárticas e professor da Universidade de São Paulo - Pio Colepicolo: Posso citar, por exemplo, busca de substâncias que tenham atividade anticâncer, substâncias químicas que tenham atividade contra bactérias, antibiótico e assim por diante. Então, essas substâncias químicas, se eventualmente a gente encontrar uma substância química com alguma dessas atividades, elas vão ser bastante importantes para diferentes indústrias, indústria alimentícia, indústria farmacêutica, indústria de cosmético.

 

Repórter João Pedro Neto: As algas são coletadas à beira mar e em costões rochosos, no frio e em meio ao gelo e à água. Depois, o material é analisado ainda na Antártica e levado para mais estudos no Brasil. Reportagem: João Pedro Neto.

 

Nasi: Amanhã é o último dia para os trabalhadores sacarem o abono salarial do ano base 2016.

 

Gabriela: O abono é pago aos trabalhadores inscritos no PIS ou Pasep há pelo menos cinco anos.

 

Nasi: Também é necessário ter trabalhado por pelo menos 30 dias em 2016 com carteira assinada e com remuneração mensal média de até dois salários mínimos.

 

Gabriela: Trabalhadores da iniciativa privada devem procurar a Caixa Econômica.

 

Nasi: Já os trabalhadores do setor público inscritos no Pasep recebem pelo Banco do Brasil.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".