28 de Setembro de 2018 - Poder Executivo

Destaques da Voz do Brasil: Mais de 46 milhões de brasileiros trabalham com carteira assinada. E mais de 220 mil novas vagas foram criadas no ano passado. Novo leilão de áreas do pré-sal arrecada quase R$ 7 bilhões de reais aos cofres públicos. Áreas exploradas vão gerar mais empregos e renda. Operação prende quadrilha que fraudava processos na Receita Federal. Recado aos pais: milhões de crianças e adolescentes ainda precisam se vacinar contra o HPV. E quem é doador de medula óssea tem isenção na taxa de inscrição em concursos públicos.

audio/mpeg 28-09-18-VOZ DO BRASIL.mp3 — 46939 KB




Transcrição

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 28 de setembro de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia. Mais de 46 milhões de brasileiros trabalham com carteira assinada.

 

Gabriela: E mais de 220 mil novas vagas foram criadas no ano passado. Graziela Mendonça.

 

Repórter Graziela Mendonça: A expectativa é que a criação de vagas seja ainda melhor em 2018. Eu volto daqui a pouco, ao vivo, com mais informações.

 

Luciano: E você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Gabriela: Novo leilão de áreas do Pré-sal arrecada quase R$ 7 bilhões aos cofres públicos.

 

Luciano: Áreas exploradas vão gerar mais empregos e renda. Nei Pereira.

 

Repórter Nei Pereira: As empresas vencedoras do leilão desta sexta-feira devem investir R$ 1 bilhão na produção de petróleo.

 

Gabriela: Operação prende quadrilha que fraudava processos na Receita Federal. João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: A fraude envolveu cerca de 3 mil contribuintes e o desfalque nos cofres públicos é estimado em R$ 5 bilhões.

 

Luciano: Recado aos pais: Milhões de crianças e adolescentes ainda precisam se vacinar contra o HPV.

 

Gabriela: E quem é doador de medula óssea tem isenção na taxa de inscrição em concursos públicos.

 

Luciano: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Gabriela: E pra assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Luciano: Mais 220 mil novas vagas no ano de 2017. Ao todo, já são mais de 46 milhões de brasileiros com carteira assinada.

 

Gabriela: Os dados são da Relação Anual de Informações Sociais, a Rais, e foram divulgados hoje, pelo Ministério do Trabalho. A repórter Graziela Mendonça está, ao vivo, aqui no estúdio com mais informações. Boa noite, Graziela.

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Luciano. Boa noite, ouvintes da Voz do Brasil. É isso mesmo. O país alcançou 46 milhões de empregos com carteira assinada em 2017, segundo a Rais, que é a base de dados mais completa do emprego formal no Brasil. Esse documento tem as informações sobre todas as empresas do país e serve para elaboração de políticas públicas de emprego e para o pagamento de benefícios, como auxílio-doença, licença-maternidade, abono-salarial, entre outros benefícios. Em relação a 2016, foram criados 220 mil novos empregos. E a Rais mostrou também que o brasileiro está ganhando melhor. A remuneração média aumentou cerca de 2% e para as mulheres o crescimento foi maior, de 2,6%. O coordenador-geral de Cadastro, Identificação Profissional e Estudos do Ministério do Trabalho, Felipe Patel, declarou que a desigualdade salarial entre homens e mulheres está menor. Vamos ouvi-lo.

 

Coordenador-geral de Cadastro, Identificação Profissional e Estudos - Felipe Patel: A gente acredita que é a própria valorização que a sociedade tem dado para os trabalhos desempenhados pelas mulheres, a conscientização da importância da remuneração igual. Esse crescimento é importante. Ainda existe uma defasagem do salário das mulheres em relação ao dos homens, mas o importante é que essa diferença está diminuindo.

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): E o Tocantins foi o estado que teve maior aumento de empregos em relação ao número de habitantes, com 17 mil novas vagas. Em todo o país, as áreas com melhor criação de empregos foram agronegócios, serviços e administração pública. E a expectativa do Ministério do Trabalho é que a criação de novos postos de trabalho seja ainda maior esse ano. O coordenador-geral de Cadastro do Ministério do Trabalho contou mais para a gente.

 

Coordenador-geral de Cadastro, Identificação Profissional e Estudos - Felipe Patel: O resultado Caged para 2018, até agosto, foram mais de 500 mil vagas de saldo de emprego geradas, não é? Então, a tendência, com a retomada que a gente teve nos últimos dois meses, desse crescimento da geração de vagas, é continuar com números bem positivos até o fim do ano e, com certeza, vamos ter um saldo bom no final de 2018, melhor do que foi 2017.

 

Repórter Graziela Mendonça (ao vivo): E uma última informação: O emprego formal cresceu também para as pessoas com deficiência. Foram 22 mil novas vagas em 2017. Luciano, Gabriela.

 

Luciano: Obrigado, Graziela, pela sua participação ao vivo aqui na Voz do Brasil.

 

Gabriela: E a taxa de desemprego caiu entre os meses de junho e agosto.

 

Luciano: Segundo dados divulgados hoje, pelo IBGE, o Brasil tem 12,7 milhões de desempregados, o que representa uma queda de 0,6% do que o registrado no trimestre anterior.

 

Gabriela: A pesquisa mostrou ainda o aumento dos trabalhadores sem carteira assinada e também que cresceu a quantidade de pessoas que trabalham por conta própria.

 

Luciano: Foi realizado hoje mais um leilão de petróleo em áreas do Pré-sal.

 

Gabriela: As maiores empresas do mundo participaram da disputa e arremataram todos os blocos ofertados.

 

Luciano: O Governo Federal arrecadou mais de R$ 6,8 bilhões só no momento da assinatura dos contratos.

 

Gabriela: Além do reforço nos cofres públicos, a expectativa é que mais de 500 mil empregos sejam gerados com as operações nas áreas leiloadas.

 

Repórter Nei Pereira: Comemoração a cada anúncio dos vencedores dos blocos de exploração de petróleo do Pré-sal, no leilão realizado nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro. Doze empresas, a maioria estrangeiras, concorreram aos quatro blocos ofertados pela Agência Nacional de Petróleo, a ANP, e todos foram vendidos. A Petrobras ficou com o Bloco Sudoeste de Tartaruga Verde, localizado na Bacia de Campos. Os outros, que ficam na Bacia de Santos, foram adquiridos por três consórcios, formados pelas maiores petroleiras do mundo. Para o diretor-geral da ANP, Décio Oddone, a diversidade de empresas participando da exploração do Pré-sal traz mais segurança para o setor.

 

Diretor-geral da ANP - Décio Oddone: Com isso, a gente garante que os projetos vão continuar, o financiamento vai vir de diferentes fontes. Se necessita de muito recurso para investir no Pré-sal. Então, essa diversificação também é outro resultado extraordinário que a gente obteve.

 

Repórter Nei Pereira: Na hora de assinar o contrato com o Governo Federal, as empresas vencedoras do leilão precisam pagar para explorar a área. É o chamado bônus de assinatura. Só nesta quinta rodada de licitações do regime de partilha de produção, esse valor chega a mais de R$ 6,8 bilhões. Além disso, as companhias vão repassar à União parte do lucro de produção. Esse foi o critério que definiu os vencedores do leilão. No caso do Bloco de Saturno, esse percentual chega a 70%. Para o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, a concorrência na área de petróleo e gás garante preços mais justos aos consumidores.

 

Ministro de Minas e Energia - Moreira Franco: E é fundamental que precise ser oferecido a preço que seja justo, preço razoável, preço barato. E a experiência nos tem mostrado que isso só ocorre quando há concorrência.

 

Repórter Nei Pereira: O setor está otimista com a retomada da indústria petroleira, impulsionada pela recuperação do preço do barril de petróleo no mercado internacional e pelos leilões no Brasil. Segundo o presidente do IBP, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, José Firmo, o país deve dobrar a produção nos próximos anos.

 

Presidente do IBP - José Firmo: Para você ter uma ideia, o desenvolvimento das campanhas exploratórias nesses leilões que foram efetuados nos últimos anos vai ajudar o Brasil a dobrar a sua produção diária de petróleo, que hoje está em 3,2 milhões, e tem potencial de chegar a 6,5 milhões de barris por dia. O que isso significa? Significa muito mais emprego, muito mais renda, muito mais arrecadação.

 

Repórter Nei Pereira: As empresas vencedoras do leilão desta sexta-feira devem investir R$ 1 bilhão na produção de petróleo. Só neste ano, o Governo Federal arrecadou mais de R$ 18 bilhões em leilões do Pré-sal, o melhor resultado de todos os tempos. Do Rio de Janeiro, Nei Pereira.

 

Luciano: Uma operação da Receita com a Polícia Federal e o Ministério Público prendeu uma quadrilha que fraudava processos na Receita Federal.

 

Gabriela: O grupo oferecia a devedores da Receita a possibilidade de pagar valores menores por dívidas de impostos.

 

Luciano: As vítimas pagavam aos fraudadores, mas esse dinheiro não era usado para saldar os débitos, que continuam existindo.

 

Gabriela: Segundo a Receita Federal, o prejuízo é de R$ 5 bilhões.

 

Repórter João Pedro Neto: Foram presos empresários, advogados, contadores e economistas, além do mentor do esquema. O grupo oferecia a devedores da Receita Federal a quitação ou redução das dívidas, com o uso de informações falsas nas declarações da Receita Federal. E ainda forjavam uma comprovação de quitação para convencer os contribuintes do sucesso da operação. O grupo atuava principalmente no interior de São Paulo. A fraude envolveu cerca de 3 mil contribuintes e o desfalque nos cofres públicos é estimado em R$ 5 bilhões, um prejuízo para toda a sociedade brasileira, como afirma o coordenador de Cobrança da Receita, Marcos Flores.

 

Coordenador de Cobrança- Marcos Flores: Dívida pública é prejuízo de toda a sociedade, gera prejuízo tanto para quem caiu no golpe quanto para a Receita Federal, para o Ministério da Fazenda, para toda a sociedade. Então, aqueles recursos que viriam para a sociedade com o pagamento foram para o bolso da quadrilha, viraram automóveis, cavalo de raça, esmeralda, deixou de pagar por hospital, por escola.

 

Repórter João Pedro Neto: A Receita estima que, com outros grupos que operam de forma semelhante o prejuízo pode chegar a R$ 8 bilhões e envolver mais de 100 mil contribuintes. Segundo o órgão, os contribuintes que compraram esses créditos falsos têm a possibilidade de regularizar a situação espontaneamente, fazendo a retificação nas declarações tributárias. É o que explica o coordenador-geral de Fiscalização da Receita, Flávio Vilela.

 

Coordenador-geral de Fiscalização - Flávio Vilela: Para todas as empresas, está sendo dada a oportunidade de autorregularização. Então, o contribuinte pode regularizar a sua situação. Importante citar que um percentual muito pequeno de empresas está envolvido nessas fraudes, seja participando, seja como vítima. Daquelas que nós identificamos, do Simples, e bloquemos, dois terços corrigiram as suas declarações.

 

Repórter João Pedro Neto: Quem não fizer a autorregularização estará sujeito ao pagamento do valor devido, além de multa, que pode chegar a 225%, e pode responder criminalmente na Justiça. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Luciano: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Gabriela: Além de poder ajudar uma vida, quem é doador de medula óssea tem mais um incentivo.

 

Luciano: A partir deste ano, tem isenção na taxa de inscrição em concursos públicos.

 

Gabriela: Quando o assunto é geração de energia limpa, o Brasil é destaque no mundo.

 

Luciano: Aproximadamente 88% da nossa matriz energética é de fontes renováveis, como água, vento e sol.

 

Gabriela: E tem ainda o biodiesel, que é uma mistura adicionada ao diesel, produzida a partir de grãos e também gordura animal.

 

Luciano: Muitos produtores de soja, por exemplo, já usam parte da produção para fabricar biodiesel.

 

Gabriela: Um mercado aquecido, que ainda deve crescer mais no Brasil.

 

Repórter Iuri Guerreiro: Do campo para o tanque dos veículos. Os caminhões responsáveis pelo transporte e abastecimento no Brasil usam biodiesel. Esse combustível renovável é fabricado com excedente de grãos, como a soja, e também com sobras da indústria da carne. O biodiesel substitui parte do diesel tradicional, que é derivado do petróleo, como explica a pesquisadora da Embrapa Agroenergia, em Brasília, Itania Soares.

 

Pesquisadora - Itania Soares: O biodiesel é um combustível renovável, obtido de fonte renovável, gordura animal ou óleos vegetais, e tem uma reação química com o álcool e um catalizador, e a gente obtém um combustível bastante semelhante ao diesel de petróleo. Por isso, ele é utilizado na mistura com o diesel.

 

Repórter Iuri Guerreiro: Em uma usina em Anápolis, Goiás, mais de 3 mil toneladas de soja são processadas todos os dias. Cerca de 20% se transforma tanto em óleo de cozinha quanto em um óleo que dará origem ao biodiesel. É a tecnologia agregando valor a este importante produto brasileiro, como conta o gerente da usina, Osmar Albertini.

 

Gerente de usina - Osmar Albertini: Com o advento do biodiesel, conseguiu dar uma outra saída para o óleo. É uma escala de produção muito maior e, com isso, agregando valor. Se nós verificarmos nos últimos 10, 15 anos, anualmente a produção de grãos no Brasil vem batendo recordes.

 

Repórter Iuri Guerreiro: E com o desenvolvimento do biodiesel, o Brasil tem usado cada vez mais os grãos, que antes eram exportados, para fabricar combustível e outros produtos químicos, o que fortalece a indústria e aumenta o valor do que é cultivado no campo. E neste mercado aquecido, empregos estão sendo criados, como é o caso do supervisor de manutenção Clóvis Mendonça.

 

Supervisor de Manutenção - Clóvis Mendonça: O biodiesel, ele é a bola da vez hoje, não é? No transporte, a questão de logística, a viabilidade. E, com isso, vem empregabilidade, entre outras coisas aí, que é tudo benefício para a população, o país de uma maneira geral aí. Eu acho que há seis anos atrás, sete anos atrás, teria acho que, sei lá, 400 e poucos, 500 funcionários. Hoje, a gente já está numa média de 750 funcionários diretos, não é?

 

Repórter Iuri Guerreiro: Desde março de 2018, a mistura do biodiesel no diesel subiu de 8% para 10%. Com o chamado diesel B10, a expectativa é que a demanda pelo combustível cresça em 1 bilhão de litros neste ano. E existe uma tendência de aumento na mistura, como diz a pesquisadora da Embrapa Agroenergia, Itania Soares.

 

Pesquisadora - Itania Soares: Isso é bastante importante e significativo para o país, que hoje é o segundo maior produtor mundial, perdendo apenas para os Estados Unidos. Para se ter uma ideia, no ano de 2017, o país consumiu 54,5 bilhões de litros de diesel, sendo que, desse volume, 23% é importado.

 

Repórter Iuri Guerreiro: Com o desenvolvimento de novas fontes de energia, o Brasil consolida seu pioneirismo na geração elétrica limpa e sustentável, como explica o secretário de Energia do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner.

 

Secretário de Energia - Ildo Grüdtner: A diversificação de fontes é estratégica. Nós não devemos ficar dependentes de uma única fonte. Quanto maior o número de fontes, melhor. Vai haver inclusive uma competição entre essas fontes e quem vai sair ganhando são os consumidores.

 

Repórter Iuri Guerreiro: O biodiesel também é feito a partir de plantas como babaçu, mamona e girassol. Isso permite a sua produção em praticamente todo o país. Essa diversificação de fontes de energia e o desenvolvimento tecnológico garantem destaque ao Brasil no setor de combustíveis renováveis. Reportagem, Iuri Guerreiro.

 

Luciano: Mais da metade de meninas com idades entre 9 e 14 anos e cerca de 90% dos meninos que têm entre 11 e 14 anos ainda não tomaram as doses necessárias da vacina contra o HPV.

 

Gabriela: A vacina protege de vários tipos de cânceres, além de infecções de pele e em órgãos genitais, e está disponível nas unidades de saúde em todo o país.

 

Luciano: A meta do Ministério da Saúde é imunizar mais de 20 milhões de adolescentes.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Emanuele Palácios tem 11 anos. Aos 10, ela e mais duas amiguinhas tomaram juntas as duas doses da vacina contra o HPV. Foi rápido, de graça e quase não doeu, e agora ela está protegida do vírus que pode provocar uma série de doenças.

 

Entrevistada - Emanuele Palácios: Prevenir a gente de ficar com câncer no útero, câncer no ânus e verrugas genitais.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: Existem mais de 150 tipos de HPV. A transmissão, ao contrário do que muita gente pensa, não é só por relação sexual. O contato com a pele ou mucosa infectadas e a transmissão de mãe para filho durante o parto são outros meios. E um alerta: O vírus sobrevive até sete dias em superfícies, como vasos sanitários. Então, todo cuidado é pouco, como explica a médica infectologista Joana D'Arc Gonçalves.

 

Médica infectologista - Joana D'Arc Gonçalves: Quando você se infecta, pode ser assintomático, pode passar despercebido, pode produzir sinais, sintomas, que aí no caso pode ser as verrugas, ou simplesmente ele ficar latente no organismo. Se for do tipo que a gente chama oncogênico, que são os que causam câncer, aí o sintoma, ele é silencioso, e vai progredir para um câncer.

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: A prevenção ainda é o melhor remédio. Nós, mulheres, devemos estar com os exames preventivos em dia. Já os homens precisam se cuidar para evitar que sejam contaminados e que transmitam a doença. O uso da camisinha é fundamental, mas a ideia é pensar nisso o quanto antes. Por isso, a vacina contra o HPV foi incorporada no calendário da rede pública, para meninas com idade entre 9 e 14 anos e nos meninos que tenham entre 11 e 14 anos. Seis milhões de meninas procuraram as unidades de saúde para tomar a primeira dose da vacina, o que representa 63% do total, e 4 milhões delas tomaram a segunda dose, completando o esquema de vacinação. Já entre os meninos, os números são menores. Apenas 2,6 milhões tomaram a primeira dose da vacina, 35% do total. A coordenadora do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Carla Domingues, comenta que os números estão abaixo do esperado.

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunização - Carla Domingues: Nós, até esse momento, nós vacinamos 40% das meninas e apenas 12% dos meninos. Portanto, ainda há uma grande quantidade de adolescentes, não é?

 

Repórter Luciana Colares de Holanda: A vacina contra o HPV está disponível nas unidades públicas de saúde. É preciso levar documento de identificação, cartão de vacinas e um acompanhante, já que são menores de idade. Reportagem, Luciana Colares de Holanda.

 

Gabriela: Esta semana foi comemorado o Dia Nacional de Incentivo à Doação de Órgãos.

 

Luciano: Você ouviu aqui na Voz do Brasil que o Ministério da Saúde lançou uma campanha para aumentar o número de doadores.

 

Gabriela: E quem doa ou pensa em doar medula óssea tem um incentivo para isso.

 

Luciano: A partir deste ano, o doador fica isento de pagar a taxa de inscrição em concursos públicos.

 

Gabriela: Mais de quatro milhões de voluntários cadastrados vão se beneficiar com a medida.

 

Repórter Luana Karen: Larissa de Paula Souza mal tinha completado nove anos de idade quando teve de lidar com a leucemia, um tipo de câncer que afeta os tecidos responsáveis pela formação das células do sangue. A estudante passou por tratamento e ficou bem, mas depois de alguns anos o câncer voltou e Larissa foi então encaminhada para o transplante de medula óssea. Começava uma nova batalha, a busca por um doador compatível. Em julho deste ano, já com 18 anos de idade, veio a boa notícia: Havia um doador apto no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea, o Redome. Transplante feito, Larrisa está bem e já até recebeu alta médica.

 

Entrevistada - Larissa de Paula Souza: Você espera muito tempo pelo doador, e você sabe que é muito difícil a compatibilidade, e sair das quimioterapias e poder saber que vai ter uma cura é algo muito bom, não é? Pode dizer que é um recomeço.

 

Repórter Luana Karen: Criado há 25 anos, o Redome reúne as informações de doadores em todo o país. São quase 4,7 milhões pessoas cadastradas. A partir do momento em que se cadastra como doador, o voluntário fica com os dados ativos até completar 60 anos de idade. Por isso, Daniele Oliveira, coordenadora técnica do Redome, explica que é importante manter as informações sempre atualizadas.

 

Coordenadora técnica do Redome - Daniele Oliveira: O registro cresceu bastante. O que a gente está discutindo agora é que esses novos doadores sejam doadores que tenham consciência da sua responsabilidade, mantenham seus dados atualizados.

 

Repórter Luana Karen: Pode ser um doador de medula óssea quem tem entre 18 e 55 anos de idade e está em boas condições de saúde. Para incentivar o ato, desde maio uma lei isenta doadores de medula óssea do pagamento de taxa de inscrição em concursos públicos federais. A jornalista Ana Lúcia Ferreira, que se cadastrou como doadora de medula óssea há seis, anos ficou surpresa quando soube da novidade.

 

Jornalista - Ana Lúcia Ferreira: Vamos aproveitar o benefício. A gente junta o útil ao agradável. E acho que tudo que vier em benefício da pessoa que está ali praticando esse ato é bom, não é?

 

Repórter Luana Karen: O cadastro para se tornar doador de medula óssea é feito nos hemocentros. Basta levar um documento de identidade com foto. Uma pequena amostra do sangue é retirada para passar por um exame de compatibilidade genética. A chance de achar alguém compatível é de um a cada 100 mil. E quando dá certo, o procedimento costuma ser simples. É o que afirma o coordenador do serviço de transplante de medula óssea, do Instituto de Cardiologia do Distrito Federal, Gustavo Bettarello.

 

Coordenador do Serviço de Transplante de Medula Óssea - Gustavo Bettarello: A gente faz uma coleta ambulatorial, como se fosse uma coleta de sangue, sem anestesia, sem dor.

 

Repórter Luana Karen: Por ano, em média, 1,5 mil pacientes buscam uma chance no Redome. Cerca de 380 acham um doador compatível no cadastro. O Redome também está integrado a bancos de dados internacionais. Só no ano passado, 90 brasileiros doaram medula óssea para estrangeiros. Já aqui no Brasil, cerca de 30% das doações vieram de pessoas de outros países. Reportagem, Luana Karen.

 

Luciano: O Sistema Único de Segurança Pública terminou esta semana a terceira operação conjunta de combate ao crime.

 

Gabriela: Na Operação Midas, mais de 13 mil policiais apreenderam armas e drogas em 25 estados e no Distrito Federal.

 

Luciano: Mais de 3,6 mil pessoas foram presas e 400 adolescentes apreendidos. Quase 200 veículos roubados foram recuperados.

 

Gabriela: E outras operações estão previstas ainda este ano.

 

Repórter Pablo Mundim: O Sistema Único de Segurança Pública, instituído em junho deste ano, realizou até agora três operações de combate ao crime. Outras três operações estão previstas para este ano, como explicou o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: Em dez estados, nós vamos estar operando uma operação voltada para o combate ao tráfico de drogas. Já temos uma outra operação prevista, que ou dar-se-á entre o primeiro e o segundo turno, ou pelo menos na primeira semana de novembro, e temos um retorno também da operação Luz na Infância.

 

Repórter Pablo Mundim: Na Operação Midas, foram realizadas prisões contra crimes de roubo e latrocínio, que é o roubo seguido de morte, em 25 estados e no Distrito Federal. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Luciano: Em outubro, os brasileiros precisam continuar atentos ao consumo de energia.

 

Gabriela: É que a bandeira tarifária continua vermelha no patamar 2, o mais alto do sistema.

 

Luciano: Isso significa um custo adicional de R$ 5 a cada 100 quilowatt-hora de energia consumidos.

 

Gabriela: Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica, um dos motivos é o nível dos reservatórios, que ainda está baixo, por causa da falta de chuvas.

 

Luciano: As bandeiras tarifárias significam mais transparência ao consumidor, indicando se a energia está custando mais ou menos por conta das condições de geração no país.

 

Gabriela: Quase 3 mil presos do estado do Amapá receberam o direito de cumprir a pena em prisão domiciliar ou de passar do regime fechado para o semiaberto.

 

Luciano: Alguns também adquiriram o direito de reduzir o tempo de pena por trabalho ou estudo.

 

Gabriela: As medidas foram adotadas num mutirão realizado pelo programa Defensoria Sem Fronteiras.

 

Luciano: O programa é realizado pelo Departamento Penitenciário Nacional, órgão do Ministério da Segurança Pública, em parceria com governos estaduais, Defensorias Públicas, Tribunais de Justiça e o Ministério Público.

 

Gabriela: O Defensoria Sem Fronteiras tem o objetivo de garantir o acesso à Justiça por meio da análise dos processos de cada um dos detentos.

 

Luciano: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e bom fim de semana.

 

Luciano: Boa noite para você e até segunda.

 

"A Voz do Brasil, Governo Federal".