29 DE MARÇO DE 2019 - PODER EXECUTIVO

Destaques da Voz do Brasil: Presidente Jair Bolsonaro embarca amanhã para Israel. E em encontro com primeiro-ministro israelense, assina parcerias em várias áreas. Governo envia ajuda humanitária a Moçambique. Remédios, equipamentos e profissionais vão ajudar no resgate às vítimas de ciclone no país africano. Comida mais saudável na mesa, e sem prejudicar o meio ambiente. Agricultores estão usando cada vez mais os chamados biodefensivos nas lavouras.

audio/mpeg 29.03.19.mp3 — 46832 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 29 de março de 2019.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Presidente Jair Bolsonaro embarca amanhã para Israel.

 

Gabriela: E em encontro com o primeiro-ministro israelense assina parcerias em várias áreas. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Vão ser assinados acordos de cooperação de saúde, educação, ciência e defesa. Daqui a pouco eu volto com mais informações.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Governo envia ajuda humanitária a Moçambique.

 

Nasi: Remédios, equipamentos e profissionais vão ajudar no resgate às vítimas de ciclone no país africano.

 

Gabriela: Comida mais saudável na mesa e sem prejudicar o meio ambiente.

 

Nasi: Agricultores estão usando cada vez mais os chamados biodefensivos nas lavouras. Cleide Lopes.

 

Repórter Cleide Lopes: No último ano, a produção de produtos biológicos para o controle de pragas e doenças agrícolas cresceu mais de 70%.

 

Gabriela: Hoje na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br .

 

Gabriela: O presidente Jair Bolsonaro embarca amanhã para Israel.

 

Nasi: Sobre este assunto, o porta?voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, falou agora há pouco.

 

Gabriela: E o repórter Pablo Mundim acompanhou e tem mais informações. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela, Nasi, e, principalmente, a você, ouvinte da Voz do Brasil. O porta?voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, detalhou a viagem oficial do presidente Jair Bolsonaro a Israel. O presidente segue para o país amanhã para estreitar ainda mais as parcerias com empresários e com o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Nesses quase três meses de governo, o país já atuou em conjunto com o Brasil em momentos importantes, como o desastre de Brumadinho, e o presidente Jair Bolsonaro vai, inclusive, premiar esses profissionais que vieram para o Brasil. Vamos ouvir os detalhes com o porta?voz.

 

Porta?voz da Presidência da República ? Otávio Rêgo Barros: As visitas à unidade de contraterrorismo da polícia israelense e a brigada de busca e salvamento do comando da frente interna de Israel. Os militares dessa brigada de salvamento são aqueles que participaram das buscas a eventuais sobreviventes na tragédia de Brumadinho e eles são agraciados com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, que é a mais alta condecoração brasileira atribuída a cidadãos estrangeiros.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): A repórter Márcia Fernandes já está em Israel e fez uma reportagem falando mais sobre essa visita. Vamos ouvir.

 

Repórter Márcia Fernandes: Um relacionamento antigo, que nasceu quando Israel ainda não havia sido criada. Em 1947, o então chanceler brasileiro, Oswaldo Aranha, presidiu a Assembleia-Geral das Nações Unidas, uma Sessão que tomou uma decisão histórica, a partilha da Palestina, o que levou à criação do Estado de Israel. O Brasil foi um dos primeiros países a reconhecer essa condição de Estado independente em 1949, e essa proximidade histórica tem se montado ainda mais forte, é o que explica Cleomar de Souza, professor de relações internacionais.

 

Professor de relações internacionais - Cleomar de Souza: No caso de Israel, há uma proximidade muito forte no que diz respeito a concepções políticas do presidente Bolsonaro e do Netanyahu. Não por acaso, eles têm essa percepção um tanto quanto mais conservadora acerca dos valores, no espectro político e ideológico, e, especificamente, no que concerne a Israel, que é um país mesmo sendo muito pequeno, mas com uma população muito educada, com muito robustecimento de empreendedorismo e uma capacidade muito grande de inovar.

 

 

Repórter Márcia Fernandes: O presidente Jair Bolsonaro ainda não havia tomado posse quando recebeu a visita do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no Rio de Janeiro. Na época, o primeiro-ministro falou de parcerias na área de segurança, agropecuária, recursos hídricos e geração de empregos. E o presidente brasileiro Jair Bolsonaro disse que a intenção era que os países trabalhassem como irmãos.

 

Presidente - Jair Bolsonaro: Aprofundamos as nossas intenções. Mais do que parcerias, sermos irmãos no futuro na economia, em tecnologia, em tudo que aquilo que possa trazer benefício para os dois países.

 

Repórter Márcia Fernandes: O primeiro-ministro israelense esteve na posse do presidente Bolsonaro e, dias depois, quando o Brasil assistiu à tragédia de Brumadinho, Israel ofereceu ajuda. Cento e trinta dois militares do país foram a Minas Gerais auxiliar na busca pelas mais de 300 pessoas desaparecidas. Médicos, engenheiros e especialistas em salvamento israelenses se juntaram aos brasileiros na procura por vítimas. Na mala, radares que ajudavam na localização de celulares a 4 metros abaixo da terra. Os israelenses estiveram no resgate de 35 corpos. Na época, o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, coronel Estevo, comentou a atuação dos israelenses.

 

Comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais - Coronel Estevo: Os militares de Israel vieram com uma série de equipamentos, nós fizemos duas frentes de trabalho, entramos com muitas máquinas e os equipamentos deles de procura. Então, nós pegamos aí uma diretriz, uma sugestão final por parte deles como contribuição.

 

Repórter Márcia Fernandes: Quando esteve o Brasil, o primeiro ministro-israelense convidou o presidente Jair Bolsonaro a visitar Israel. O presidente aceitou o convite, a previsão é que ele chegue no país no próximo domingo. Aqui estão previstos vários compromissos e a assinatura de acordos de cooperação em várias áreas, uma delas é educação. Ontem, pelas redes sociais, o presidente disse que a ideia é que os estudantes brasileiros possam ir a Israel para se aperfeiçoarem.

 

Presidente ? Jair Bolsonaro: Fazer convênios para intercâmbio com Israel para mandar a nossa garotada para lá também para as mais variadas áreas, na questão de agricultura, irrigação aí no nosso semiárido, no Nordeste, ver também a garotada aí que para aprender aqui algo sobre a piscicultura no deserto. Também fazemos intercâmbio [ininteligível] de ciência, tecnologia e inovação.

 

Repórter Márcia Fernandes: Além da assinatura de acordos, Jair Bolsonaro deve conhecer o trabalho de combate ao terrorismo da polícia israelense, participar de reuniões com empresários dos dois países e da condecoração dos militares israelenses que atuaram em Brumadinho. De Jerusalém, em Israel, Márcia Fernandes.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): O porta?voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, também afirmou nessa sexta?feira que a equipe econômica do governo, inclusive o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai participar de uma série de agendas no Congresso Nacional com objetivo de esclarecer os pontos da proposta que cria a nova previdência que tramita na Câmara dos Deputados. Segundo Otávio Rêgo Barros, o presidente defende a proposta como garantia para o equilíbrio fiscal e das futuras gerações. Otávio Rêgo Barros também destacou as ações do governo realizadas nessa semana, entre elas, a assinatura de medida provisória que restringe a compra de passagem aérea por parte do Poder Executivo, o que vai economizar R$ 35 milhões aos cofres públicos. Também falou sobre as medidas da Petrobras quanto ao preço do óleo diesel, com prazo entre 15 e 30 dias para alteração e revisão permanente dos preços dos fretes. E o porta?voz falou ainda sobre a ajuda humanitária brasileira a Moçambique. Agora à noite, dois aviões da Força Aérea Brasileira vão para o país africano. O repórter Marcelo Castilho está ao vivo no Rio de Janeiro e tem mais informações. Boa noite, Marcelo. Que tipo de ajuda esses aviões estão levando?

 

Repórter Marcelo Castilho (ao vivo): Boa noite, Pablo, Nasi, Gabriela e ouvintes da Voz do Brasil. Eu acompanhei a saída agora há pouco, às 6h da tarde, a partida dos aviões Hércules do aeroporto da base aérea do Galeão, aqui no Rio de Janeiro, para Belo Horizonte, onde, por volta das 9h da noite os aviões vão seguir para Moçambique. Como o porta?voz Otávio Rêgo Barros falou mais cedo, os dois aviões vão levar medicamentos, insumos e profissionais para ajudar no resgate às vítimas do ciclone tropical Idai, que ocorreu no dia 14 de março. O ciclone, até o momento, deixou mais de 700 mortos, em Moçambique, no Zimbábue e também no Malawi. Ao todo, 860 quilos de material fornecidos pelo Ministério da Saúde estão sendo levados em kits, e esses kits contêm medicamentos diversos, como antibióticos, remédios para febre, soro para hidratação, além de materiais de primeiros-socorros, como ataduras, gases, luvas, que vão ser suficientes para atender até 3 mil pessoas por um período de três meses.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Marcelo, além dessa ajuda material, tem também profissionais ajudando nesse resgate às vítimas, né?

 

Repórter Marcelo Castilho (ao vivo): Exatamente, Pablo, isso mesmo. Vinte agentes da Força Nacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública, especialistas em busca e salvamento, são bombeiros, e outros 20 profissionais do Corpo de Bombeiros do Estado de Minas Gerais que atuaram no resgate às vítimas da barragem em Brumadinho vão levar equipamentos e até veículos para ajudar nas buscas. E, lembrando que essa é a primeira vez que a Força Nacional vai atuar fora do país. Em Moçambique, a ajuda humanitária brasileira vai se concentrar na cidade de Beira, a segunda maior do país e a mais destruída, com o maior número de vítimas também. E é sempre bom lembrar que o Brasil já havia anunciado a doação de € 100 mil, cerca de R$ 430 mil, para apoiar o governo de Moçambique nos trabalhos de resgate e reconstrução emergenciais após toda a passagem desse ciclone.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Obrigado, Marcelo Castilho, pelas informações, ao vivo, para a Voz do Brasil. Bom trabalho.

 

Repórter Marcelo Castilho (ao vivo): Obrigado, Pablo.

 

Nasi: Obrigado, Pablo Mundim e Marcelo Castilho, pelas informações, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Gabriela: O número de agricultores que usam defensivos naturais para combater pragas e doenças nas lavouras está aumentando no Brasil.

 

Nasi: Daqui a pouco, a gente traz detalhes do impacto na saúde da população e no meio ambiente.

 

"Minuto do Caminhoneiro".

 

Nasi: Um canal de comunicação direta com quem roda pelas estradas e tem papel importante para o desenvolvimento do país.

 

Gabriela: Essa é a ideia do Minuto do Caminhoneiro, que estreou semana passada aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: Hoje vamos falar um pouco mais sobre as novidades anunciadas esta semana pela Petrobras para dar mais estabilidade nos preços do diesel para quem está em viagem.

 

Gabriela: Uma é o reajuste no preço do combustível de 15 em 15 dias e não diariamente.

 

Nasi: Outra é um cartão para você, que está na estrada, compre diesel a preço fixo nos postos com a bandeira BR.

 

Gabriela: O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, explica que essas medidas já são resultado do maior diálogo entre o governo e os caminhoneiros.

 

Ministro da Infraestrutura - Tarcísio Gomes de Freitas: Olá, meus amigos caminhoneiros, quero convidá?los para participar do nosso fórum de discussão, do Fórum do Caminhoneiro. Retomamos esse fórum na semana passada, o fórum vai ser um local de debate, de construção de soluções e já tivemos, depois dessa primeira reunião, medidas concretas sendo tomadas. O presidente Bolsonaro anunciou no dia de ontem a questão do combustível, da previsibilidade dos aumentos, da periodicidade maior para o aumento do combustível, além disso, a introdução do Cartão Petrobras, que vai garantir o preço do combustível, quando um frete estiver sendo realizado, uma viagem estiver sendo realizada. E não para por aí, vamos dizer intensificar a fiscalização do cumprimento da lei do preço mínimo do frete, construir postos de parada, principalmente nas rodovias concessionadas junto aos serviços de atendimento ao usuário, vamos trabalhar para melhorar as condições das estradas, aplicar recursos para terminar pavimentações, para fazer manutenção das vias. Um importante objetivo nosso esse ano vai ser terminar 163-Pará. Estamos também trabalhando para estruturar cooperativas e em abril nós vamos fazer o primeiro ensaio do documento de transporte eletrônico, vamos fazer um piloto no estado do Espírito Santo. Então, o Ministério da Infraestrutura vai trabalhar intensamente, seguindo a determinação do presidente, para melhorar a condição de vida do caminhoneiro na estrada e é isso o que nós vamos fazer.

 

Nasi: E você que está na estrada pode participar do Minuto do Caminhoneiro.

 

Gabriela: Basta entrar em contato com a gente pelo Whatsapp.

 

Nasi: Seus questionamentos vão ser respondidos toda sexta?feira.

 

Gabriela: E agora é hora de anotar o número, é o (61) 99965 2358. Eu vou repetir: (61) 99965 2358.

 

Nasi: Cada vez mais agricultores estão usando produtos naturais para combater pragas e doenças nas lavouras.

 

Gabriela: Os chamados biodefensivos são feitos à base de micro?organismos ou mesmo insetos, que não agridem o meio ambiente e não prejudicam a saúde do consumidor.

 

Nasi: No ano passado, a produção dos defensivos naturais cresceu mais de 70% no Brasil.

 

Repórter Cleide Lopes: Numa propriedade rural a cerca de 70 quilômetros de Brasília são cultivados 32 tipos de hortaliças, como tomate, alface, berinjela e couve-flor. Tudo o que se produz na área de 60 hectares é orgânico, os produtores usam biofertilizantes, feito à base de vegetais que também é produzido na fazenda, como explica o técnico agrícola Claudio Duda.

 

Técnico agrícola - Claudio Duda: Os nossos biofertilizantes têm a função de fio(F) de proteção da planta, da folha, né? Então, ou seja, forma uma camada que dificulta um pouco o ataque de pragas e doenças, mas o principal mesmo objetivo do bio é garantir um equilíbrio nutricional das plantas. Uma planta bem nutrida, bem equilibrada, dificilmente, vai ter ataques de doenças e de pragas.

 

Repórter Cleide Lopes: O controle biológico funciona a partir de organismos vivos já encontrados na natureza, como fungos e bactérias. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa, desenvolve os biodefensivos e a pesquisadora Rose Monnerat destaca que é cada vez maior a procura por essas soluções.

 

Pesquisadora - Rose Monnerat: O mercado está em franca expansão, a população está muito mais consciente, está muito mais preocupada em encontrar alternativas para controlar as pragas que afetam a agricultura. Então, o agricultor descobriu os agentes de controle biológico. Hoje, já se usa em praticamente todas as culturas e em praticamente todas as situações.

 

Repórter Cleide Lopes: O Brasil é líder no mercado de biodefensivos, no último ano, a produção de produtos biológicos para o controle de pragas e doenças agrícolas cresceu mais de 70% e movimentou quase R$ 470 milhões no país. Fernando Urban, que é especialista e diretor executivo de um laboratório que desenvolve biodefensivos, explica que os produtos são a tecnologia do futuro para o controle de pragas agrícolas.

 

Especialista e diretor executivo do Laboratório Farroupilha Lallemand - Fernando Urban: Hoje, nós não temos soluções para todos os problemas encontrados na agricultura, mas eu acredito que com o avanço da pesquisa e continuando no ritmo que está daqui alguns anos nós vamos conseguir reduzir substancialmente o nível de resíduos tóxicos nos alimentos que chegam à mesa da sociedade como um todo, utilizando as ferramentas biológicas.

 

Repórter Cleide Lopes: O Ministério da Agricultura incentiva a produção e o uso dos biodefensivos. Para o governo, é importante que os agricultores tenham à disposição várias opções para o combate de pragas, como explica o coordenador de Bioquímicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Carlos Venâncio.

 

Coordenador de Bioquímicos do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento - Carlos Venâncio: É, ele vem para ser mais uma ferramenta à disposição do agricultor e uma ferramenta fundamental para a prevenção de ocorrências de insetos resistentes, para até uso eventualmente em agriculturas orgânicas e outro tipo de agricultura. Então é mais uma opção. O ministério incentiva, existe uma série de flexibilidades concedidas a produtos biológicos, justamente para se estimular o uso desse produto em detrimento de produtos químicos.

 

Repórter Cleide Lopes: Inácio Urban é produtor em Patos de Gerais, Minas Gerais, e produz milho, soja, algodão, trigo, café, entre outras culturas, com biodefensivos. Ele conta que se preocupa em reduzir o uso do agrotóxico para produzir alimentos mais saudáveis e ainda para contribuir com o meio ambiente.

 

Produtor - Inácio Urban: Nós, como somos pais, temos filhos e prezamos para o futuro das próximas gerações, isso é um orgulho e uma satisfação muito grande nós podermos produzir alimentos sabendo que nós não estamos agredindo o meio ambiente, estamos produzindo alimentos muito mais saudáveis.

 

Repórter Cleide Lopes: Segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico, atualmente, 39% dos produtores brasileiros utilizam produtos biológicos para o controle de pragas e doenças nas lavouras. Reportagem: Cleide Lopes.

 

Gabriela: Cento e quarenta e uma pessoas foram presas na quarta fase da Operação Luz na Infância.

 

Nasi: O balanço final foi divulgado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

 

Gabriela: A operação começou ontem e teve foco o combate à pedofilia e exploração sexual de crianças e adolescentes.

 

Nasi: Prioridades do governo, como a nova previdência e o conjunto de leis de combate ao crime organizado, foram citadas hoje pelo vice-presidente Hamilton Mourão durante encontro em Manaus, no Amazonas.

 

Gabriela: Mourão falou a representantes da indústria da Amazônia e afirmou que a região é prioridade para o governo.

 

Repórter Gabriela Noronha: O vice-presidente Hamilton Mourão falou nesta sexta-feira sobre a importância das reformas consideradas prioritárias pelo governo para o futuro do país, como a nova previdência. O vice-presidente defendeu ainda a aprovação do Projeto de Lei Anticrime. Hamilton Mourão falou sobre a importância estratégica da Região Amazônica. De acordo com o Mourão, um dos objetivos da visita a Manaus é discutir soluções para problemas relacionados à energia, logística e melhoria das condições sociais da população que reside na Amazônia.

 

Vice-presidente - Hamilton Mourão: A Amazônia, ela é uma área prioritária no pensamento do nosso governo. Nós temos uma série de problemas que temos que buscar as soluções, problemas ligados à energia, problemas ligados à logística, problemas ligados à melhoria das condições sociais da população que reside aqui na área da Amazônia, e, em particular, aqui no nosso estado do Amazonas.

 

Repórter Gabriela Noronha: No evento, o vice-presidente recebeu a Medalha Grandes Amazônidas, a premiação é uma homenagem para pessoas, empresas e instituições que trabalham com ações voltadas ao fortalecimento regional e melhorias para os povos da Amazônia Continental. De Manaus, no Amazonas, Gabriela Noronha.

 

Nasi: Começa na segunda-feira o prazo para pedir a isenção da taxa de inscrição do Enem deste ano.

 

Gabriela: Tem direito à gratuidade quem cursa ou cursou o Ensino Médio em escola pública ou como bolsista integral na rede privada.

 

Nasi: Também pode pedir a isenção membros de famílias de baixa renda que estejam inscritos no Cadastro Único para programas sociais do governo.

 

Gabriela: A solicitação deve ser feita pela internet no endereço: enem.inep.gov.br.

 

Nasi: A Força Nacional vai permanecer nos canteiros de obras da usina hidrelétrica Belo Monte, no Pará, por mais um ano.

 

Gabriela: A decisão sobre a prorrogação foi publicada no Diário Oficial, atendendo pedido do Ministério de Minas e Energia.

 

Nasi: Os agentes federais estão lá desde 2013, ajudando na mediação de conflitos locais e na garantia do funcionamento das atividades da hidrelétrica.

 

Gabriela: Ontem, nós começamos a contar aqui na Voz do Brasil sobre a viagem de volta da nossa equipe de reportagem da Antártica, a bordo do navio da Marinha carinhosamente conhecido como Tio Max.

 

Nasi: Eles estiveram lá neste mês numa viagem que durou dez dias para conhecer a nova estação do Brasil no continente gelado.

 

Gabriela: Agora, a repórter Luana Karen termina de contar para a gente os últimos detalhes do retorno.

 

Repórter Luana Karen: Um dos grandes desafios do nosso roteiro saindo da Antártica é atravessar o Estreito de Drake, que tem cerca de mil quilômetros e liga os Oceanos Atlântico e Pacífico. O local tem um dos mares mais revoltos do planeta, onde as ondas podem a chegar 12 metros de altura. Nos seis meses em que acompanhou a missão, a primeira tenente médica, Ana Carolina, fala dos atendimentos mais comuns.

 

Primeira tenente médica - Ana Carolina: A gente encontra aí casos de mareio, de enjoo, principalmente quem não está acostumado. E no dia a dia, dor de cabeça, dor de coluna, mas em casos de extrema gravidade, que seria, de repente, uma parada cardiorrespiratória, uma crise convulsiva, a gente tem como medicar, a gente tem como agir.

 

Repórter Luana Karen: Do lado de fora, o ambiente é naturalmente perigoso, cair no mar antártico pode ser fatal. É possível resistir por apenas 90 segundos nas águas geladas, por isso, quatro mergulhadores ficam de prontidão 24 horas por dia para resgatar alguém, que, porventura, caia na água. O capitão de corveta mergulhador Ferreira Junior explica que eles também são responsáveis pelo apoio logístico por meio de botes.

 

Capitão de corveta mergulhador - Ferreira Junior: O mergulho aqui na Antártica a gente utiliza para prestar apoio logístico à Estação Antártica Comandante Ferraz, apoio a projetos de pesquisas, seja ela lançar ou recolher acampamentos.

 

Repórter Luana Karen: O Tio Max conta com cinco laboratórios e equipamentos para apoiar cientistas durante as pesquisas antárticas no inóspito continente gelado, como detalha o comandante Felipe, chefe de operações.

 

Comandante chefe de operações - Felipe: A gente recebe pesquisas voltadas para o campo da geologia, da oceanografia, da parte biológica, da parte meteorológica. Então, o navio tem diversos equipamentos, diversos sensores que podem estar aí somando com os sensores o próprio pesquisador traz.

 

Repórter Luana Karen: Passar alguns dias em um navio da Marinha é também oportunidade para aprender palavras que só fazem sentido para os marinheiros. Quando digo que eu estava na onça para resolver a faina, mas peguei um bizu e já me safei, estou dizendo que estava com dificuldade para resolver uma tarefa, mas consegui uma dica com alguém e já resolvi o problema. E conviver meses fora de casa pode não ser fácil, para isso a tripulação conta com um capitão-tenente capelão naval, Ventura, que é padre e realiza missas e cultos duas vezes por semana.

 

Capitão-tenente capelão naval - Ventura: Essa é a oportunidade que o capelão tem de animar aquele militar na sua missão. Então, a gente dá esse amparo para ajudar o militar a viver, tanto na sua espiritualidade, se ele tem alguma fé, ou também no lado psicológico.

 

Repórter Luana Karen: Sobrevivemos à travessia do Drake e ao balanço do navio e voltamos para casa com um gostinho de missão cumprida. Reportagem: Luana Karen.

 

Nasi: A Eletrobras registrou um lucro líquido de mais de R$ 13,3 bilhões em 2018.

 

Gabriela: É o maior lucro da empresa de energia dos últimos 20 anos, segundo divulgou a própria companhia em nota.

 

Nasi: O resultado reverte um prejuízo que a empresa acumulou, em 2017, de mais de R$ 1,7 bilhão.

 

Gabriela: Um dos motivos para o resultado foi a venda de distribuidoras de energia.

 

Nasi: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite e um bom fim de semana.

 

Nasi: Boa noite para você e até segunda.

 

 

"Governo federal. Pátria amada, Brasil".