29 DE AGOSTO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Presidente Michel Temer está a caminho da China e quer ampliar parcerias comerciais e trazer novos investimentos ao Brasil. Caixa já depositou lucro do FGTS em contas de quase 90 milhões de trabalhadores. Número de fumantes passivos em ambiente familiar cai 42%. Ampliado projeto que libera aedes aegipyt modificado para combater dengue, zika e chikungunya.

audio/mpeg 29-08-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 23415 KB




Transcrição

A Voz do Brasil - 29/08/2017

 

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19 horas.

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.


Nasi: Boa noite pra você que está aí nos ouvindo em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 29 de agosto de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Presidente Michel Temer está a caminho da China.

 

Nasi: E quer ampliar parcerias comerciais e trazer novos investimentos ao Brasil.

 

Presidente Michel Temer: Além de exportar mais, podermos trazer mais capital chinês e, com isso, acelerar a criação de empregos e melhorar a renda do trabalhador brasileiro.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Caixa já depositou lucro do FGTS em contas de quase 90 milhões de trabalhadores. Natália Koslik.

 

Repórter Natália Koslik: É a primeira vez que o governo está repartindo esse dinheiro com o trabalhador.

 

Gabriela: Número de fumantes passivos em ambiente familiar cai 42%.

 

Nasi: E tem mosquitinho do bem no ar.

 

Gabriela: Ampliado projeto que libera Aedes aegypti modificado para combater Dengue, Zika e Chikungunya.

 

Nasi: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: O presidente Michel Temer está a caminho da China, onde vai se encontrar com o presidente chinês Xi Jinping, lideranças empresariais e também participar da cúpula dos BRICS, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

 

Gabriela: E antes de viajar, o presidente gravou uma mensagem aos brasileiros. Temer falou dos objetivos desses encontros: Consolidar o comércio com a China e também ampliá-lo.

 

Presidente Michel Temer: A China poderá ser uma das grandes investidoras nos nossos projetos de concessões que anunciei na semana passada. Eles poderão fazer a diferença em investimentos nas áreas de energia, portos, aeroportos, na área do agronegócio e nas finanças. Além de exportar mais, podermos trazer mais capital chinês e, com isso, acelerar a criação de empregos e melhorar a renda do trabalhador brasileiro.

 

Nasi: O presidente também falou sobre o Brasil. Segundo ele, a geração de empregos já é uma realidade no país, junto com a retomada da confiança dos brasileiros.

 

Gabriela: Para Temer, isso é resultado das reformas propostas pelo governo e que têm apoio do Congresso.

 

Presidente Michel Temer: O Brasil é grande, maior do que seus problemas e suas aflições. O brasileiro é trabalhador e generoso. Se estão desconfiados da política, é porque já sofreram muito e já amargaram grandes decepções. Mas, no fim, sempre torcem para dar certo. Vai dar certo. Não vamos deixar que agenda negativa venha abater o nosso ânimo. Tenho certeza de que nesta viagem representarei as melhores energias brasileiras, com perseverança e muito trabalho.

 

Nasi: Pela primeira vez, o governo está repartindo o lucro do FGTS com o trabalhador.

 

Gabriela: Hoje, a Caixa Econômica Federal finalizou o depósito desse dinheiro a quase 90 milhões de pessoas.

 

Nasi: Os recursos que foram distribuídos chegam a R$ 7,2 bilhões. Isso é metade do lucro do fundo referente ao ano passado.

 

Repórter Natália Koslik: Quase 90 milhões de trabalhadores já receberam metade do lucro obtido com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, o FGTS. A medida está prevista na mesma lei que liberou os saques das contas inativas neste ano, como explica a vice-presidente de Fundos de Governo da Caixa, Deusdina Pereira.

 

Vice-presidente de Fundos de Governo da Caixa - Deusdina Pereira: O FGTS está revertendo aos trabalhadores 50% dos resultados do FGTS no ano de 2016, e foram distribuídos R$ 7,2 bilhões a 88 milhões de trabalhadores.

 

Repórter Natália Koslik: Quem sacou o dinheiro das contas inativas também tem direito a receber os lucros, já que o valor calculado é referente ao dia 31 de dezembro do ano passado. A rentabilidade das 245 milhões de contas alcançadas pela medida aumentou quase 2%, uma conquista importante para os trabalhadores, de acordo com a vice-presidente de Fundos de Governo da Caixa, Deusdina Pereira.

 

Vice-presidente de Fundos de Governo da Caixa - Deusdina Pereira: A rentabilidade do FGTS superou os 7,14% ao ano. A remuneração normal, que até o ano passado vinha acontecendo, seria de 5,1% ao ano. Então, pela primeira vez na história do FGTS, foi possível proporcionar ao trabalhador uma remuneração mais adequada e mais justa.

 

Repórter Natália Koslik: O saque só pode ser feito nas condições normais previstas em lei, como demissão sem justa causa, aposentadoria e término de contrato por prazo determinado. Para consultar o valor creditado, o trabalhador pode acessar o aplicativo ou entrar no site da Caixa, no endereço caixa.gov.br. Reportagem, Natália Koslik.

 

Gabriela: Quando chega o fim do ano, a preocupação com a Dengue, Chikungunya e Zika aumentam.

 

Nasi: As altas temperaturas, somadas às chuvas e à umidade, formam ambiente propício para que o Aedes aegypti se desenvolva.

 

Gabriela: Mas uma ideia simples pode ajudar a acabar com essas doenças em médio e longo prazo. Quem explica é a repórter Raquel Mariano.

 

Repórter Raquel Mariano: Uma bactéria que está presente em diversos insetos da natureza é a Wolbachia, e é com esse micro-organismo de nome estranho que o pesquisador Luciano Moreira, da Fiocruz, trouxe pro Brasil um novo projeto pra reduzir ou combater a transmissão dos vírus da Dengue, Zika e Chikungunya. Pesquisadores da Austrália viram que quando essa bactéria é inserida no Aedes aegypti, o mosquito fica incapaz de transmitir o vírus. Agora, a ideia é substituir os Aedes aegypti que estão na natureza pelos que têm a bactéria. E no Brasil o projeto piloto já começou em alguns bairros de Niterói e na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. E os resultados já foram percebidos pelos moradores. O líder comunitário e integrante da associação de ciclistas da Ilha do Governador, Luan Ferreira, diz que a incidência das doenças já diminuiu.

 

Líder comunitário - Luan Ferreira: Eu fui visitar Tubiacanga, que foi o projeto piloto, foi a primeira região da ilha que recebeu os mosquitos, em pequena escala, e os moradores estão superfelizes. Ninguém tem Dengue, Zika e Chikungunya há dois anos lá, né? Não há relatos dessas doenças nessa região.

 

Repórter Raquel Mariano: E a partir desta terça-feira, a Fiocruz vai pôr em prática o projeto em toda a cidade do Rio de Janeiro, começando pela Ilha do Governador, passando pela região central da cidade e terminando na região sul. A expectativa é que, até o fim de 2018, 2,5 milhões de pessoas já sejam beneficiadas pelo projeto. Luciano Moreira lembra que esse trabalho pode acabar com as epidemias a longo prazo.

 

Líder comunitário - Luan Ferreira: Resultados de laboratório mostram que o bloqueio da transmissão do vírus é cerca de 60% até 100%. Tem trabalhos matemáticos mostrando que, mesmo que for só 60%, podemos eliminar a transmissão de Dengue por cerca de 30 anos.

 

Repórter Raquel Mariano: E mesmo com a evolução de pesquisas, a prevenção contra a Dengue, Zika e Chikungunya não pode parar. As recomendações, como não acumular água parada e o uso de repelente devem ser seguidas durante todo o ano. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Nasi: O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, o ICMBio, completa nesta semana dez anos.

 

Gabriela: É ele que cuida de parques, florestas e áreas de proteção ambiental da União. No total, são 324 unidades de conservação.

 

Nasi: E pra conhecer um pouco mais deste trabalho, a jornalista Alessandra Bastos conversou com o presidente do instituto, Ricardo Soavinski.

 

Gabriela: E ele adiantou que os dados preliminares mostram queda de 40% nos índices de desmatamento nas áreas sob responsabilidade do instituto.

 

Jornalista Alessandra Bastos: O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, o ICMBio, completa nesta semana dez anos cuidando do patrimônio ambiental e do desenvolvimento socioambiental. E pra falar um pouco desses anos de trabalho, a gente conversa com o presidente do Instituto Chico Mendes, Ricardo Soavinski. Boa noite, presidente.

 

Presidente do ICMBio - Ricardo Soavinski: Boa noite, Alessandra e todos os ouvintes da Voz do Brasil.

 

Jornalista Alessandra Bastos: São 324 unidades de conservação. Como é que elas vêm ajudando no combate ao desmatamento, à caça ilegal?

 

Presidente do ICMBio - Ricardo Soavinski: Os dados indicam uma diminuição de em torno de 40%. Em breve, a gente vai estar aferindo ainda, com os dados do INPE e outros dados de satélite, pra ter certeza. Mas os dados preliminares indicam uma acentuada queda do desmatamento, não só fora das unidades, como foi anunciado há poucos dias pelo Ministro Sarney Filho, mas dentro das unidades ainda mais acentuada ainda. E isso é muito bom.

 

Jornalista Alessandra Bastos: Presidente, uma nova estratégia do Instituto Chico Mendes é justamente a concessão de parques, né? Hoje o instituto administra 72 parques nacionais. Como é que isso vai funcionar e, sobretudo, o que a população ganha com essa nova forma de administrar os parques?

 

Presidente do ICMBio - Ricardo Soavinski: Por meio das concessões, empresas especializadas vão dar esse suporte para os visitantes. Então tem desde a concessão que cobra bilheteria, faz o transporte interno, organiza os centros de visitantes, como concessão pra passeios de helicóptero, concessão para passeios de barco até as cataratas, de lanchonete, restaurante... Então, assim, aqueles serviços básicos e fundamentais que precisa ter quando o visitante procura uma unidade dessa.

 

Jornalista Alessandra Bastos: Pra terminar, Ricardo, estamos aí na época da seca em muitos lugares do país. Aqui em Brasília já não chove há quase 100 dias, né? E pouca gente sabe, mas, enquanto o Corpo de Bombeiros treina os brigadistas da cidade, são vocês, é o Instituto Chico Mendes, quem treina os brigadistas que combatem o fogo nas florestas, né? Como é que é esse treinamento? Como é que isso ocorre?

 

Presidente do ICMBio - Ricardo Soavinski: Olha, esse é um trabalho incrível, o ICMBio todo ano contrata em torno de 1.500 brigadistas e, esse ano, tem uma notícia boa: Nós estamos, pra este período do ano, com um quarto de queimadas, comparado aos anos anteriores. Então é uma boa notícia que a gente dá.

 

Jornalista Alessandra Bastos: Ricardo Soavinski, presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, muito obrigada pela sua participação aqui na Voz do Brasil e parabéns por esses dez anos de trabalho.

 

Presidente do ICMBio - Ricardo Soavinski: Nós é que agradecemos a atenção de todos e nos ajudem a conservar a natureza do nosso país. Muito obrigado.

 

Gabriela: 19h11 em Brasília.

 

Nasi: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Gabriela: Novo sistema de monitoramento na Amazônia vai prever enchentes com mais antecedência.

 

Nasi: E vamos fazer um balanço da ajuda do Governo a municípios em situação de emergência por causa da seca e da chuva.

 

Gabriela: Mais de 1,5 milhão de brasileiros que não concluíram o ensino fundamental ou médio estão dispostos a colocar os estudos em dia.

 

Nasi: Pra isso, eles se inscreveram no Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos, o Encceja.

 

Gabriela: É a partir desse exame que eles podem ter acesso ao tão sonhado diploma.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Caio Vinícius está com quase 20 anos. Ele abandonou a escola aos 18 anos. Faltavam seis meses para concluir o ensino médio quando desistiu de estudar. Hoje, ele se diz arrependido e garante que terminar os estudos e conseguir um emprego são as suas prioridades.

 

Estudante - Caio Vinícius: Com isso eu vou conseguir um emprego e conseguir pagar uma faculdade.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: E o Encceja, o Exame Nacional para Certificação de Jovens e Adultos, é a oportunidade que pessoas como Caio precisavam para concluir os estudos. A prova é de graça e quem for aprovado recebe o certificado de conclusão do segmento que escolheu. Fundamental para quem tem no mínimo 15 anos e o ensino médio pra quem tem no mínimo 18 anos. O total de inscritos para este ano foi de mais de 1,5 milhão de pessoas. Para o ministro da Educação, Mendonça Filho, as inscrições desse ano superaram as expectativas do governo. Mendonça Filho afirma ainda que o Encceja é mais que uma prova que garante a conclusão dos estudos, ela é uma ferramenta de inclusão social.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Inclusão social e oportunidade, do ponto de vista de futuro, pra esses jovens ou adultos que buscam a certificação de conclusão do ensino fundamental ou do ensino médio.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: O exame vai acontecer no Brasil em 564 municípios e em 14 cidades no exterior. Para saber o calendário das provas e ter acesso ao conteúdo testado no exame, basta acessar o site do Inep, em www.inep.gov.br. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Nasi: E só lembrando que a prova do Encceja está marcada para o dia 22 de outubro.

 

Gabriela: O número de fumantes vem caindo no Brasil a cada ano.

 

Nasi: Com isso, o número de fumantes passivos, as pessoas que respiram a fumaça que sai dos cigarros de quem fuma, também caiu.

 

Gabriela: Com menos gente fumando nas casas, a exposição dos familiares aos riscos do tabagismo estão cada vez menores.

 

Nasi: É o que revelou hoje o Ministério da Saúde, no Dia Nacional de Combate ao Fumo.

 

Repórter Pablo Mundin: Parar de fumar não é fácil. Quem já passou por isso conta a dificuldade que é.

 

Entrevistado: Ah, os primeiros seis meses é difícil, né? O vício sempre puxa a gente. Mas fazendo uma forcinha a gente para.

 

Entrevistada: Tem um ano e seis meses que eu parei de fumar, porque eu sei que é uma coisa prejudicial e aí eu comecei com umas dores nas costas, comecei a gripe constante, né? Então eu falei: Bom, está na hora.

 

Repórter Pablo Mundin: As primeiras campanhas de combate ao fumo foram lançadas na década de 90. O brasileiro passou a conhecer as doenças provocadas pelo cigarro. O médico pneumologista Celso Antônio Rodrigues da Silva, coordenador do Programa de Controle de Tabagismo, pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal, fala sobre os problemas causados pelo cigarro.

 

Médico - Celso Antônio Rodrigues da Silva: A doença mais importante causada pelo cigarro é o infarto agudo do miocárdio, é o acidente vascular cerebral, que é o derrame cerebral, depois nós temos os problemas respiratórios: enfisema de pulmão, que é a bronquite crônica, a bronquiectasia. Depois nós temos os cânceres. O câncer mais importante é o câncer de pulmão, depois vem o câncer de boca, câncer de traqueia, câncer de esôfago... Enfim, não tem um órgão que esteja livre de contrair um câncer em pessoas que fumam.

 

Repórter Pablo Mundin: No Dia Nacional de Combate ao Fumo, lembrado nessa terça-feira, o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional do Câncer, o Inca, divulgaram dados sobre o combate ao fumo no país. Nos últimos dez anos, o número de fumantes no Brasil caiu 35%. Passou de quase 16% em 2006 para 10% em 2016. Já o número de fumantes passivos nas residências caiu 42,5% em oito anos. O Brasil é um dos oito países do mundo reconhecidos pela Organização Mundial da Saúde por atingir metas de combate e prevenção ao fumo. O país gasta por ano R$ 60 bilhões em despesas médicas causadas pelo uso do cigarro. Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, as políticas do governo podem reduzir esses valores.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Quanto mais ações concretas nós fizermos pra redução do consumo do cigarro, mais nós economizaremos de gasto em saúde.

 

Repórter Pablo Mundin: O SUS, Sistema Único de Saúde, oferece tratamento gratuito para quem decide enfrentar o vício. Além de assistência psicológica, os pacientes recebem medicamentos que ajudam a parar de fumar. O Ministério da Saúde destinou em 2016 cerca de R$ 24 milhões para compra de adesivos e gomas de mascar, investiu R$ 2,5 milhões em campanhas publicitárias. Só no ano passado, mais de 900 mil pessoas foram atendidas. Reportagem, Pablo Mundin.

 

"Defesa do Brasil, Defesa do Brasil, Defesa do Brasil"

 

Gabriela: Quem vive na região amazônica sabe: É preciso conviver com praticamente todos os fenômenos da natureza.

 

Nasi: É a seca, excesso de chuvas, enchentes, inundações... Cada evento depende da época do ano.

 

Gabriela: E pra ajudar a população, especialmente as comunidades ribeirinhas, a Defesa Civil local vai contar com a tecnologia dos satélites que monitoram nossa floresta.

 

Nasi: O novo sistema do Ministério da Defesa será capaz de reunir informações e apontar os riscos de enchentes por exemplo com bastante antecedência.

 

Repórter Marina Melo: Um sistema online que permite ver em tempo real quando e onde vai chover, qual a quantidade de chuva que vai cair e até que ruas poderão ser inundadas. Esse é o SIPAMhidro, sistema integrado de monitoramento e alerta hidrometeorológico da Amazônia, lançado nesta terça-feira, pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann. Desenvolvido por analistas do CENSIPAM, que é o centro gestor e operacional do sistema de proteção da Amazônia, do Ministério da Defesa, a ferramenta vai disponibilizar na internet informações de monitoramento e previsão dos níveis dos principais rios que compõem a bacia amazônica, conforme explica o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Esse sistema tem a condição de antecipar e talvez evitar essa tragédia que aconteceu recentemente, com aquele barco, que morreram dezenas de pessoas. Ele antecipa seca, tempestade, ele antecipa exatamente as condições de navegabilidade e ele também permite uma coisa fantástica: Que você saiba, qualquer tipo de enchente que afeta algumas das cidades, onde ela vai acontecer, o que é que vai ser alagado, inclusive com até duas horas de antecedência.

 

Repórter Marina Melo: O novo sistema será de grande utilidade para as defesa civis de todo o país, que são quem monitoram e alertam a população para fenômenos da natureza que terão impacto em suas vidas. O ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, explica como a ferramenta ajudará no trabalho da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil.

 

Ministro da Integração Nacional - Hélder Barbalho: Com esta ferramenta, ora produzida pelo Ministério da Defesa, nós estamos complementando o portfólio de informações que permitirá, cada vez mais, o aprimoramento e, através da informação e da integração da mesma, que nós consigamos a partir daí ter a eficiência plena na gestão desses eventos climáticos.

 

Repórter Marina Melo: Para acompanhar as informações do novo sistema integrado de monitoramento e alerta da Amazônia, basta acessar o site www.sipam.gov.br. Reportagem, Marina Melo.

 

Gabriela: E mais de 1.300 municípios brasileiros estão com situação de emergência reconhecida pelo governo.

 

Nasi: A grande maioria, mais de 900, por causa da seca e da estiagem.

 

Gabriela: Levar a água a essas cidades é uma prioridade do governo, que investe em grandes obras, como a transposição do Rio São Francisco e a construção de cisternas.

 

Nasi: Mas, em alguns municípios, a situação é tão grave que é preciso uma atuação mais rápida.

 

Gabriela: E nesses casos, a água é levada por caminhões-pipa, uma grande operação feita em parceria entre o Ministério da Integração Nacional e o Exército.

 

Repórter Gabriela Noronha: Enchentes, seca, fenômenos que afetam milhões de brasileiros. Hoje, cerca de 1.380 municípios estão em situação de emergência reconhecida pelo Governo Federal. Mais de 900 sofrem com a estiagem nas regiões norte, nordeste e norte de Minas Gerais. Nos casos mais urgentes, o abastecimento de água é garantido por caminhões-pipa, como explica o ministro da Integração, Hélder Barbalho.

 

Ministro da Integração Nacional - Hélder Barbalho: Nós estamos viabilizando operações-pipa para a chegada de carros-pipa abastecendo mais de três mil localidades. São cerca de sete mil carros-pipa contratados pelo Exército Brasileiro, a partir de um convênio com o Ministério da Integração Nacional. Em paralelo a isto, obras de adutoras de engate rápido, como também obras estruturantes para que possamos olhar o hoje, mas projetar uma solução definitiva para o futuro próximo.

 

Repórter Gabriela Noronha: Entre janeiro e agosto de 2017, a Operação Carro-Pipa levou água para mais de três milhões de pessoas, em 861 municípios. O trabalho é feito com apoio de militares. O coordenador da operação, General Fioravante, ressalta a importância da atuação do Exército nesta ação.

 

Coordenador da Operação Carro-Pipa - General Fioravante: É a satisfação da gente ver o sertanejo nordestino, que há 20 anos atrás percorria quilômetros pra conseguir um balde de água barrenta, disputada com animais e tudo mais, né? E hoje, o sertanejo, ele não percorre mais de 500 metros. Nós temos a cisterna coletiva e a água que é colocada lá atende essa população. E é uma água de qualidade.

 

Repórter Gabriela Noronha: A população de Luís Gomes, no sertão do Rio Grande do Norte, convive com a falta d'água desde 2011. O pequeno município de 10 mil habitantes foi o primeiro a entrar em colapso no Brasil. O abastecimento é garantido pelos carros-pipas. Este ano, a prefeita de Luís Gomes, Mariana Fernandes, conta que com a ajuda do Exército a cidade perfurou 20 poços artesianos e seis já estão jorrando água. A água que chega é motivo de celebração pela parceria com o Governo Federal e o Exército, garante a prefeita Mariana Fernandes.

 

Prefeita de Luís Gomes - Mariana Fernandes: Tem uma credibilidade muito grande pra nossa população, o respeito da nossa população e o agradecimento também de todos nós, pelo grande trabalho que o Exército presta no nosso município, através da Operação Carro-Pipa e também da equipe de engenharia que desenvolve essas funções de poder perfurar poços no nosso município, de instalar e entregar esses poços prontos para serem utilizados também pela nossa comunidade.

 

Repórter Gabriela Noronha: Só neste ano, o Ministério da Integração Nacional já investiu R$ 800 milhões na Operação Carro-Pipa Federal. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: 19h23 em Brasília.

 

Nasi: Representantes do Governo Brasileiro se reuniram hoje em Brasília com a diretoria da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE.

 

Gabriela: Eles discutiram o ingresso permanente do Brasil na organização, que hoje é formada por mais de 30 países e trabalha para melhorar as práticas dos governos com foco em um desenvolvimento inclusivo e na troca de informações.

 

Nasi: O Brasil é considerado um parceiro estratégico e já participa de alguns comitês. De acordo com Marcelo Pacheco dos Guaranys, subchefe de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais da Casa Civil, fazer parte da instituição vai trazer novas oportunidades para o país.

 

Subchefe de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais - Marcelo Pacheco dos Guaranys: Os benefícios de um processo desse é justamente a gente aproveitar pra fazer as nossas reformas olhando as melhores práticas que o mundo já fez. E a partir do momento que somos membros, nós estamos discutindo as melhores políticas públicas com os países que têm trabalhado pra um melhor desenvolvimento. O ganho pro país é grande nesse sentido, fazer com que nós melhoremos nosso desenvolvimento e o bem-estar pra população.

 

Gabriela: Foram prorrogadas até o dia 4 de setembro as inscrições para o Prêmio Professores do Brasil.

 

Nasi: A premiação do Ministério da Educação busca reconhecer e divulgar o trabalho de professores de escolas públicas de todo o país, que desenvolvem boas práticas de ensino na sala de aula.

 

Gabriela: Os vencedores recebem prêmio em dinheiro e viagens internacionais.

 

Nasi: Para se inscrever, basta acessar o endereço na internet: premioprofessoresdobrasil.mec.gov.br.

 

Gabriela: A partir da segunda quinzena de setembro, a Companhia Nacional de Abastecimento, Conab, vai destinar mais de 11 mil toneladas de milho dos estoques públicos.

 

Nasi: Os estoques podem ser comprados, por meio do programa de Vendas em Balcão, a pequenos criadores de aves, suínos e caprinos, pra ração animal. Eles podem comprar o milho a preços mais baixos que os de mercado.

 

Gabriela: Mas atenção: A venda está liberada para os produtores dos estados do Ceará, Piauí, Roraima, Espírito Santo, Goiás e Acre.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite pra você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso."