30/03/2017 - A Voz do Brasil

Ministério da Saúde destinará R$ 130 milhões para centros de reabilitação de crianças com microcefalia e pesquisas sobre doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Embrapa inaugura laboratório de segurança da carne. Governo federal anuncia contingenciamento de R$ 42 bilhões no orçamento.

audio/mpeg 30 03 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 23855 KB




Transcrição


"Atenção radialistas de todo o Brasil, é hora de noticiar os fatos que ajudam a construir um novo país. Direito dos estúdios da Empresa Brasil de Comunicação, em Brasília, vem aí a Voz do Brasil".

 

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Airton: Olá. Boa noite.

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Airton: Hoje é quinta-feira, 30 de março de 2017.

 

Gláucia: E vamos ao destaque do dia: governo libera R$130 milhões para tratamento de crianças com microcefalia.

 

Airton: Dinheiro vai ser investido em centros de reabilitação, equipes que atuam na estimulação das crianças e pesquisas sobre o Zika vírus.

 

Gláucia: E tem mais notícias na Voz do Brasil de hoje.

 

Airton: Rio de Janeiro recebe mais 200 mil doses de vacina contra a febre amarela. Repórter Mara Kenupp.

 

Repórter Mara Kenupp: A recomendação do Ministério da Saúde para o estado do Rio de Janeiro é de que sejam vacinadas as pessoas que moram próximas à divisa com o leste de Minas Gerais e não há necessidade de corrida aos postos de saúde.

 

Gláucia: Na apresentação do Voz do Brasil de hoje, Glaucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Airton: É, e para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Gláucia: Novos investimentos para o combate ao Zika vírus.

 

Airton: São mais de R$130 milhões para o tratamento e pesquisa sobre a doença, que leva ao desenvolvimento de microcefalia em bebês.

 

Repórter Gabriela Noronha: Para intensificar o controle do mosquito Aedes aegypti o Ministério da Saúde vai ampliar os investimentos em 2017. Mais de R$10 milhões serão aplicados em novas pesquisas e na criação de um banco nacional de amostras biológicas relacionadas à Dengue, à Zika e à Chikungunya. Além disso, o governo já investiu mais de R$114 milhões em 52 novos centros de reabilitação de crianças com microcefalia. No país, 187 centros estão em funcionamento. Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, outros R$11 milhões foram gastos na capacitação de 51 equipes de apoio à saúde da família, com a atuação e estimulação precoce.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Fizemos a qualificação do pessoal e temos cursos lá que estão permanentemente abertos para os profissionais que queiram se capacitar.

 

Repórter Gabriela Noronha: O Brasil tem 2.542 casos de confirmados de crianças com microcefalia. De acordo do ministro Ricardo Barros, 80% delas já estão sendo atendidas em centros de reabilitação.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Há um esforço nosso de ampla abertura e estamos buscando que as mães participem, né, desses serviços que já estão ofertados à toda população.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os casos de Dengue, Chikungunya e Zika registraram queda nos três primeiros meses de 2017 em comparação ao mesmo período do ano passado. De acordo com o boletim do Ministério da Saúde, as notificações de Dengue tiveram redução de 90%, Chikungunya 74% e Zika 97%. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gláucia: O estado do Rio de Janeiro vai receber mais 200 mil doses de vacina contra a febre amarela.

 

Airton: A cidade do Rio não tem nenhum caso da doença, mas em função de uma campanha, aumentou o número de pessoas querendo se vacinar.

 

Gláucia: Já o estado de Rio de Janeiro tem três casos confirmados de febre amarela.

 

Airton: A recomendação de vacina é para quem mora próximo à divisa com Minas Gerais.

 

Repórter Mara Kenupp: Com três casos da doença confirmados, o noroeste do estado é considerado área com recomendação temporária da vacina. A cidade do Rio não tem casos da doença, mas está em campanha da alerta sobre a febre amarela, o que aumentou o número de pessoas querendo se vacinar. E, por isso, a cidade vai receber as vacinas. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, explica que o trabalho é de prevenção.

 

Prefeito do Rio - Marcelo Crivella: Vamos fazer esse cinturão na cidade do Rio de Janeiro. Agora, quero aqui dar uma boa notícia, não há um caso, nenhum caso registrado na cidade do Rio.

 

Repórter Mara Kenupp: A recomendação do Ministério da Saúde para o estado do Rio de Janeiro é de que sejam vacinadas as pessoas que moram próximas à divisa com o leste de Minas Gerais e não há necessidade de corrida aos postos de saúde. O ministro Ricardo Barros lembra que a doença está sob controle em todo o país.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Todas as áreas onde houve episodiasses confirmadas, nós fazemos um bloqueio, passamos a vacinar toda a região em torno desses pontos. Então, é importante deixar claro que esse controle das episodiasses está sendo feito, as áreas de recomendação todas têm vacinas disponíveis e áreas não recomendadas a vacina é disponibilizada é aquela da rotina que nós distribuímos permanentemente.

 

Repórter Mara Kenupp: O Ministério da Saúde estuda a possibilidade de a partir do ano que vem vacinar crianças em todo o país. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Gláucia: O Brasil deu mais um passo para reformar... reforçar a qualidade da carne brasileira.

 

Airton: A Embrapa inaugurou em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, o mais moderno laboratório de segurança da carne na América Latina.

 

Repórter Natália Coslique: Um complexo de laboratórios com cerca de mil metros quadrados, estruturas de alto nível de biossegurança para pesquisa e desenvolvimento, e espaço necessitado para experimentação animal. No laboratório serão desenvolvidas novas tecnologias, que segundo o chefe-geral da Embrapa, Cleber Soares, vão garantir a segurança da cadeia produtiva da carne brasileira.

 

Chefe-geral da Embrapa - Cleber Soares: Serão desenvolvidas pesquisas, novos sistemas de diagnósticos para doenças de bovinos, de aves e suínos, desenvolvimento de nova vacinas, manipulação de patógenos de risco biológico, e tem importância para reforçar e referendar a qualidade da carne brasileira e a segurança da carne produzida no Brasil.

 

Repórter Natália Coslique: E o ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, destacou a importância do laboratório.

 

Ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento - Blairo Maggi: Poderá ajudar o Ministério a desembargar muito brevemente as granjas que estão com problema. Conhecer isso aqui foi muito bom porque me dá uma noção diferente, porque só os laboratórios que o Ministério tem talvez eles não deem conta, e, ao final, se tiver necessidade, a gente vai socorrer por aqui.

 

Repórter Natália Coslique: Um investimento para a construção do Biopec vai de R$10 milhões. A previsão é de que a partir de abril o laboratório esteja em funcionamento. A estrutura vai poder ser usada pelo setor público, privado e instituições de ensino que busquem avançar em pesquisas sobre bovinos, aves, suínos e outras cadeias produtivas da carne. Repórter, Natália Coslique.

 

Gláucia: Ensino em tempo integral e formação técnica profissional dos estudantes. A reforma do Ensino Médio já virou lei.

 

Airton: E para financiar essas mudanças o ministro da Educação, Mendonça Filho, está nos Estados Unidos.

 

Gláucia: É, ele se reuniu com representantes do Banco Mundial, que já são parceiros do país em vários projetos.

 

Airton: Segundo o Ministério da Educação, um projeto deve ser apresentado ao banco até o final desde ano.

 

Gláucia: Mendonça Filho aproveita a viagem para a troca de experiências e parcerias. Hoje o encontro foi a ministra de Educação do Estados Unidos, Betsy DeVos.

 

Repórter Paola de Orte: A reunião foi para conseguir junto ao banco, recursos que vão ser usados na formação de professores. O Banco Mundial já apoia 16 projetos educacionais em 11 estados e três cidades do Brasil. O banco atende 187 países e é a maior fonte de financiamento ao desenvolvimento no mundo, com orçamento de US$60 bilhões. Por ano são investidos em média US$3 bilhões em novos financiamentos no Brasil em diferentes áreas como gestão, infraestrutura, cidades e educação, saúde e meio ambiente. Na quarta-feira o ministro da Educação, Mendonça Filho, também participou de encontro com representantes de um conselho que representa instituições de ensino superior dos Estados Unidos. Um dos temas tratados foi a troca de experiências entre os dois países, por meio do Ciências Sem Fronteiras e outros programas de intercâmbio. De Washington, nos Estados Unidos, para a Voz do Brasil, Paola de Orte.

 

Airton: E 10 mil estudantes do Ensino Médio de colégios públicos vão ter a oportunidade de se qualificar e concorrer a uma vaga na área de turismo.

 

Gláucia: É, pela primeira vez no país vão ser oferecidos cursos gratuitos na área por meio do Mediotec, modalidade do Pronatec, o programa nacional de acesso ao ensino técnico e emprego.

 

Airton: Ao todo vão ser sete cursos sobre recreação, eventos, serviços de alimentação e bebidas para jovens de 18 estados. A previsão é que as aulas comecem em agosto.

 

Gláucia: Para o ministro do Turismo, Marx Beltrão, os recursos vão melhorar o atendimento prestado a turistas e contribuir para a geração de empregos.

 

Ministro do Turismo - Marx Beltrão: Essa capacitação contribui para superar um os principais obstáculos ao desenvolvimento do mercado de viagens no Brasil, que é a falta de pessoal qualificado no turismo, e ganha também a economia nacional com um esforço a mais pela geração de emprego e renda por meio do turismo.

 

Gláucia: 19h10 em Brasília.

 

Airton: Os investimentos em coleta e tratamento adequado do esgoto tem levado mais qualidade de vida para os moradores do semiárido.

 

Gláucia: Daqui a pouco a gente mostra como casos de diarreia, hepatite e leptospirose estão diminuindo na região.

 

"Momento Social".

 

Airton: Famílias em situação de pobreza e extrema pobreza têm ajuda do governo para se alimentar e ter acesso à educação e saúde.

 

Gláucia: A ajuda vem com o Bolsa Família... a ajuda que vem com o Bolsa Família é essa. São quase 14 milhões de famílias atendida pelo programa.

 

Airton: E o auxílio do governo é diferente para cada família. Este é o assunto do Momento Social de hoje.

 

Gláucia: A Silvia Lima, de Manaus, Amazonas, recebe o benefício. Mãe de três filhos, a manicure quer saber porque cada família recebe um valor diferente.

 

Airton: O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, é quem explica.

 

Manicure - Silvia Lima: Olá, ministro, meu nome é Silvia, eu sou de Manaus e gostaria de saber por que as famílias recebem o Bolsa Família em valores diferentes.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Olha, Silvia, o Bolsa Família é uma complementação de renda para que as pessoas não caiam na extrema pobreza. Então, ele foi estabelecido conforme a renda que a família tem, mesmo que pequena, ela é complementada com o recurso do Bolsa Família em vários níveis, por exemplo, nós temos um benefício básico que é de R$85,00 per capita. Ao média hoje por família no Brasil é R$182,00, por quê? Porque tem outros benefícios também variáveis que cada família pode receber. Criança e adolescentes de zero a 15 anos é R$39,00 pago a crianças e adolescentes dessas famílias. Benefício variável à gestante R$39,00. Benefício variável a nutris R$39,00, pago às famílias que tenham crianças entre zero e seis meses para reforçar a alimentação do bebê, mesmo nos casos em que o bebê não more com a mãe, benefício de superação da extrema pobreza, esse valor é diferenciado para cada família. São valores que vão se complementando, por isso que tem famílias que podem ganhar até R$800,00, R$900,00 do Bolsa Família e tem famílias que ganham menos do que R$182,00. Mas é justamente para ajudar aquelas que mais precisam.

 

Gláucia: E você, também tem alguma pergunta sobre ação ações e programas sociais do governo? Manda para a gente.

 

Airton: Pode ser por e-mail no endereço: voz@ebc.com.br ou se você preferir no nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

 

Gláucia: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil sempre na quinta-feira. Participe.

 

Airton: A comissão da Câmara dos Deputados que analisa a proposta da reforma da Previdência encerrou hoje a fase de audiências públicas sobre o tema.

 

Gláucia: Os deputados ouviram o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

 

Airton: É, o ministro mostrou estatísticas sobre as despesas com a Previdência e reafirmou a necessidade das alterações propostas pelo governo como a idade mínima de 65 anos para aposentadoria.

 

Repórter João Pedro Neto: O ministro da Fazenda reafirmou que a medida vai ajudar a garantir o equilíbrio das contas públicas no futuro. Segundo Henrique Meirelles, o crescimento das despesas com a Previdência é insustentável e é preciso estabilizar os gastos com o sistema para aumentar os investimentos em saúde, educação e na área social.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Em 2016 a necessidade de financiamento da Seguridade Social aumentou R$92 bilhões, alcançando R$258,7 bilhões. Portanto, para que possamos continuar, de fato, investimento em saúde, educação, nós precisamos estabilizar despesas da Previdência.

 

Repórter João Pedro Neto: O ministro da Fazenda afirmou que o déficit do regime geral de previdência foi o cerca de R$150 bilhões só em 2016. Meireles disse que se nada for feito, os gastos vão aumentar de forma insustentável, ocupando a maior parte do orçamento da União. O ministro destacou que a reforma busca aproximar o sistema brasileiro das práticas adotadas pelo mundo e disse que a medida não vai prejudicar os trabalhadores de menor renda.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Os trabalhadores brasileiros se beneficiarão da reforma da Previdência na medida em que a reforma assegura o equilíbrio das contas públicas no futuro, assegura o bom andamento do financiamento da dívida pública, em resumo, evita que a dívida pública saía de controle no Brasil e que nós possamos volto às situações dramáticas que o país já viveu no passado, por exemplo, na década de 80.

 

Repórter João Pedro Neto: O relatório sobre a reforma deve ser apresentado na próxima semana. O texto deve ser discutido e votado pelos parlamentares da comissão até a primeira quinzena de abril, antes de seguir para o Plenário da Câmara. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gláucia: E o rombo da Previdência Social foi responsável por mais da mediante do déficit de R$26 bilhões e R$300 milhões nas contas do governo em fevereiro deste ano.

 

Airton: Isso quer dizer que as despesas foram maiores que a arrecadação de impostos e contribuições, isso sem contar os gastos com os juros da dívida pública.

 

Gláucia: Os dados foram divulgados hoje pela Secretaria do Tesouro Nacional.

 

Airton: E a equipe econômica anunciou uma série de medidas para reduzir o saldo negativo das contas públicas, que já ultrapassa a R$58 bilhões esse ano.

 

Gláucia: A ideia é diminuir os gastos com bloqueio de mais de R$42 bilhões no orçamento, além de outras iniciativas para aumentar a arrecadação.

 

Repórter Paulo La Salvia: O governo não vai aumentar impostos para cumprir a meta fiscal desse ano, que é de um saldo negativo de R$139 bilhões, é o que afirma o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Decidiu-se não fazer simplesmente aumento de impostos ou tributo, porque julgamos como temos avaliado outras vezes que isso seria prejudicial à retomada do crescimento econômico.

 

Repórter Paulo La Salvia: Mas, para as contas fecharem vai ser feito um contingenciamento, uma espécie de bloqueio de R$42 bilhões e R$100 milhões no orçamento deste ano. Os cortes vão recair sobre diferentes órgãos do governo, emendas parlamentares e investimentos como o PAC, o Programa de Aceleração do Crescimento. Saúde, educação e o Bolsa Família vão ser preservados, já na parte de arrecadação está previsto uma receita extra de pouco mais de R$16 bilhões. Os recursos irão de quatro hidrelétricas que o governo recebeu de volta e vai leiloar, do imposto sobre operações financeiras que passará a ser cobrado de cooperativas de crédito e da inclusão de 50 setores na contribuição obrigatória de 20% para a Previdência Social. Só quatro setores permanecem com a desoneração da folha de pagamento: transportes rodoviários de passageiros, metrô e trem, construção civil e comunicação. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicou o motivo.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Preserva setores importantes de geração de emprego e claramente todos aqui compreendem a necessidade de recuperarmos a atividade econômica, e, para isso, é necessário recuperarmos a arrecadação.

 

Repórter Paulo La Salvia: O governo ainda espera arrecadar R$8 bilhões e R$700 milhões com depósitos judiciais que não foram sacados há mais de dois anos. Mas, como depende da justiça, ainda não entrou agora no orçamento. Caso as decisões sejam favoráveis, no decorrer do ano, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, adiantou que esses recursos vão entrar no orçamento permitindo que o contingenciamento seja menor. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Airton: E o Banco Central projeta uma inflação menor para este ano. A previsão é que o índice fique em 4%, ou seja, abaixo do centro da meta do governo que é de 4,5%.

 

Gláucia: O relatório do Banco Central, divulgado hoje estima que o Produto Interno Bruto, que é a soma do todas as riquezas produzidas pelo país, cresça 0,5% neste ano. 19h19 em Brasília.

 

Airton: Coletar e tratar o esgoto é fundamental para a saúde da população.

 

Gláucia: A falta de tratamento adequado da água pode causar doenças como diarreia, hepatite e a leptospirose.

 

Airton: Os municípios do semiárido brasileiro vêm contando ao longo dos anos com investimentos que têm melhorado as condições sanitárias para os moradores daquela região.

 

Gláucia: Um trabalho que vem sendo feito pela Codevasf, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba e que já reduziu em mais de 60% os casos de doenças transmitidas pela água.

 

Repórter Natália Coslique: O município pernambucano de Petrolina tem 96 quilômetros de extensão banhados pelo Rio São Francisco. A cidade recebeu neste ano um sistema de tratamento de esgoto doméstico. O projeto é uma parceria da Codevasf, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba, com o Governo do Estado e vai beneficiar 210 mil pessoas. Jorge Bombonatti é uma delas. O engenheiro agrônomo trabalha com orgânicos em Petrolina e conta que está se sentindo muito mais seguro com essa medida.

 

Engenheiro agrônomo - Jorge Bombonatti: Eu acabei de perder uma amiga esses tempos atrás agora por problema de contaminação por bactérias. E aí, você não sabe se de repente é um vegetal mal lavado, uma carne mal frita. Então, quando você tem uma água que você consegue lavar bem, diminui esse risco de contaminação por bactérias.

 

Repórter Natália Coslique: Desde 2007 a Codevasf já investiu mais de R$1 bilhão e R$300 milhões na implantação de sistemas de esgoto em municípios da bacia do Rio São Francisco. O tratamento adequado reduziu em mais de 60% as doenças transmitidas pela água. Isso representa uma economia de mais de R$80 milhões em saúde pública. A presidente da Codevasf, Kênia Marcelino, fala dos benefícios dessa ação.

 

Presidente da Codevasf - Kênia Marcelino: Os sistemas de esgotamento sanitário, eles promovem um recolhimento desse esgoto, que, em alguns casos, ele corre a céu aberto provocando inúmeras doenças na população, principalmente na população jovem, infantil e também na população idosa. Então, essas ações de tratamento de esgoto, elas melhoram a qualidade da vida dessa população.

 

Repórter Natália Coslique: E também melhorou a frequência em sala de aula. De acordo da presidente, Kênia Marcelino.

 

Presidente da Codevasf - Kênia Marcelino: Você melhorando a qualidade de vida da população, você melhorando a qualidade de vida da família, ela acaba sendo estimulada a procurar alternativas melhores também para a sua sobrevivência. Então, isso acaba estimulando essa ida para a escola.

 

Repórter Natália Coslique: Além de tratar a água, a Codevasf continua levando o recurso para quem não tem. Desde 2002 já permitiu o acesso à água a quase 2 milhões de pessoas do semiárido brasileiro. Foram instaladas mais de 185 mil cisternas e mais de 1.700 postos emergenciais. Reportagem, Natália Coslique.

 

Airton: Inteligência e também força física, disciplina e dedicação.

 

Gláucia: São vários os talentos que jovens que escolhem as Forças Armadas como profissão devem ter.

 

Airton: Uns trabalham na área da saúde, outros na área administrativa.

 

Gláucia: A carreira militar é cheia de oportunidades. Vamos conhecê-las.

 

Repórter Natália Melo: Disciplina, amor à pátria, dedicação exclusiva. Para muitos jovens, a vocação para as Forças Armadas fala alto desde cedo. No Rio de Janeiro, futuros sargentos que prestaram concurso para o Exército fazem agora cursos de especialização na escola de ensino militar. O aluno Eric Luiz Barcellos se qualifica na área da intendência, que é a parte administrativa do Exército. Ele explica o trabalho e fala das expectativas na carreira.

 

Aluno - Eric Luiz Barcellos: Trabalhar com setor de aquisições, licitação e contratos, que é a parte que faz as compras dos materiais. Me habilitar num idioma e fazer uma faculdade futuramente. Sempre foi o meu sonho, sempre sonhei em ser... fazer parte do Exército.

 

Repórter Natália Melo: São várias as áreas de atuação para quem pretende seguir carreira nas Forças Armadas. O instrutor da Escola de Sargentos e logística Tenente Leal, alerta para as exigências na profissão.

 

Instrutor da Escola de Sargentos e Logística - Tenente Leal: O jovem tem que ter em mente que a carreira militar abrange diversas peculiaridades, como conviver com o risco, estar disponível 24 horas por dia, tem que ter um bom preparo físico.

 

Repórter Natália Melo: Para mulheres que querem fazer carreira não há distinção na forma de ingresso. A aluna Joice Gomes fez curso Técnico de Enfermagem e está no Exército na área da saúde.

 

Aluna - Joice Gomes: Quando eu vi militares passando na rua correndo, em corrida em forma, camuflado mesmo, né, ver uma pessoa fardada, me chamava muito atenção. Eu falava: "Um dia eu quero vestir aquela farda". E eu estou usando muito bom, assim, está superando todas as minhas expectativas.

 

Repórter Natália Melo: O soldado Vinícius Ferreira ingressou nas Forças Armadas pelo alistamento militar e quis continuar. Ele se encantou pela topografia, ciência que estuda as condições do terreno.

 

Soldado - Vinícius Ferreira: Queremos montar uma estrada, olhamos os relevos delas, vemos onde estão os buracos e deixamos ela alinhada e certa para a gente poder começar os projetos futuramente. A expectativa agora através da prova passar sargento, ingressar nessa carreira mesmo de topografia, que eu achei bastante interessante.

 

Repórter Natália Melo: Este mês a Força Aérea Brasileira lançou o edital do concurso público para o Curso Preparatório de Cadetes do Ar de 2018, são 180 vagas. Para participar o candidato precisa ter Ensino Fundamental completo, mais de 14 anos e menos de 19 anos completos até 31 de dezembro de 2018. Reportagem, Natália Melo.

 

"Pátria amada, Brasil!".

 

Gláucia: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Airton: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gláucia: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Airton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional e tenha uma boa noite.

 

Gláucia: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".