08 DE SETEMBRO DE 2017

Destaques da Voz do Brasil: Presidente Michel Temer faz balanço da semana e destaca bons resultados da economia. Brasil tem 37 milhões de estudantes entre a creche e o Ensino Médio. Fraudes e golpes contra aposentados e pensionistas da Previdência Social tem aumentado. E A Voz do Brasil traz dicas para não ser vítima e como denunciar esses crimes.

audio/mpeg VOZ 080917.mp3 — 23332 KB




Transcrição


Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 8 de setembro de 2017.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia. Taxa de inflação sob controle, redução dos juros.

 

Gabriela: Aumento nas exportações.

 

Luciano: Presidente Michel Temer faz balanço da semana e destaca bons resultados da economia.

 

Presidente da República - Michel Temer: A retomada do crescimento também se revela na produção de veículos no Brasil, que subiu 45% em agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado, recorde na produção de grãos. Dados otimistas apontam uma recuperação do emprego.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil do hoje.

 

Luciano: Brasil tem 37 milhões de estudados entre a creche e o Ensino Médio. Dados preliminares do Censo Escolar foram divulgados hoje pelo Ministério da Educação. Eduardo Biagini.

 

Repórter Eduardo Biagini: As informações servem como base para o repasse de recursos e a execução de programas como a distribuição de livros, o transporte escolar e a instalação de bibliotecas.

 

Gabriela: Fraudes e golpes contra aposentados e pensionistas da Previdência Social tem aumentado e a Voz do Brasil traz dicas para você não ser vítima e como denunciar esses crimes.

 

Luciano: Hoje na apresentação: Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Luciano: De volta ao Brasil depois de uma viagem oficial à China, o Presidente Michel Temer comemorou as recentes notícias sobre a economia brasileira.

 

Gabriela: Em vídeo divulgado hoje na internet, o presidente Temer afirma que as notícias confirmam a retomada da economia.

 

Presidente da República - Michel Temer: A inflação sob controle, 2,46% ao ano, a menor taxa desde 1999. O índice da Bolsa de Valores subiu tanto que encostou na máxima histórica, mais de 72 mil pontos. Continuamos com a redução dos juros, a chamada taxa Selic, caiu de 14,25% quando assumimos ao governo para 8,25% ao ano. E o Congresso aprovou a nova taxa do BNDES de longo prazo e a nova meta fiscal para 2017. A retomada do crescimento também se revela na produção de veículos no Brasil, que subiu 45% em agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado. Aumento das exportações, recorde na produção de grãos, crescimento do PIB, dólar estável, diminuição do risco Brasil. Dados otimistas apontam uma recuperação do emprego.

 

Luciano: O presidente Temer ainda disse que todos esses fatores positivos são resultados do compromisso do governo com as reformas que estão em curso, com resgate da economia e com a criação de novas frentes de trabalho.

 

Gabriela: No fim da mensagem, Temer convocou os brasileiros para trabalhar para transformar o Brasil.

 

Presidente da República - Michel Temer: Vamos fazer isso com equilíbrio, com energia, com determinação. Serenidade combina com maturidade. É tudo o que o momento pede, é tudo o que o Brasil precisa. Mãos à obra, Brasil.

 

Luciano: E todos os dados citados pelo Presidente Michel Temer, que mostram que a economia do país está voltando a crescer tiveram influência de medidas do governo.

 

Gabriela: O controle nos gastos públicos e a aprovação da reforma trabalhista foram fundamentais para esta retomada da confiança.

 

Luciano: E para que o país continue a produzir e gerar mais empregos, mais reformas são fundamentais e o governo está empenhado que elas sejam aprovadas. A principal delas, a reforma da Previdência.

 

Repórter José Luiz Filho: A melhora do cenário econômico faz que o Brasil esteja pronto para seguir a agenda de reformas iniciada no ano passado. A afirmação é do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que publicou nesta sexta-feira em uma rede social que as reformas já aprovadas fizeram o país sair da recessão. Segundo, Meireles, medidas como o teto dos gastos públicos, a reforma trabalhista e a lei de responsabilidade das estatais, além de controlar a inflação, ajudam na retomada da confiança, com queda de juros do longo prazo e previsão de crescimento maior nos próximos anos. Segundo o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, as reformas, principalmente a da Previdência são fundamentais para que o país avance.

 

Ministro-chefe da Secretaria de Governo - Antônio Imbassahy: Nós estamos, assim, muito firmes com a nossa determinação de avançar as reformas que possam permitir o país avançar. Notadamente a previdenciária, a gente sabe que isso é uma coisa complexa, difícil, né? Todos perceberem isso, mas a vontade do governo e a gente percebe também que parte do Congresso começa a já a se movimentar com essa perspectiva.

 

Repórter José Luiz Filho: De acordo do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o Brasil vai começar 2018 com a economia crescendo em torno de 3% com a possibilidade de crescer mais em 2019. Reportagem, José Luiz Filho.

 

Gabriela: E nesta semana o Comitê de Política Monetária do Banco Central baixou mais uma vez a taxa básica de juros. A Selic foi de 9,5% para 8,25% ao ano.

 

Luciano: É o oitavo corte seguido, levando a taxa Selic ao menor nível desde de julho de 2013, há mais de quatro anos.

 

Gabriela: E você sabe os efeitos desta medida no cotidiano dos brasileiros? É o que a gente traz agora para você na reportagem de João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: O dinheiro custando menos. Com a definição nessa semana sobre a queda na taxa básica de juros na economia, a taxa Selic, o valor pago para contratar um empréstimo ou um financiamento, por exemplo, tende a ser mais barato. Uma boa notícia para muitos brasileiros.

 

Entrevistado: Eu acho que é vantagem para a população de mudo geral, principalmente quem está precisando de algum dinheiro emprestado, né?

 

Entrevistado: Se os juros estiverem baixando para fazer o financiamento, aí fica bom, né?

 

Entrevistado: O juro menor você consegue adquirir bens financiados, né? Sem comer boa parte do seu salário.

 

Repórter João Pedro Neto: E segundo o economista José Luiz economista José Luiz Pagnussat, esse é apenas um dos efeitos esperados com a medida.

 

Economista - José Luiz Pagnussat: Reduzindo a taxa Selic você tem um efeito sobre as demais taxas de juros. Todos esses financiamentos acabam tendo uma redução nas suas taxas, e, em consequência, o consumidor, de um lado, então vai ter a possibilidade de comprar os juros menores e o empresário de produzir.

 

Repórter João Pedro Neto: Um ano atrás a taxa básica de juros no país estava em 14,25%, depois de chegar ao nível mais alto em uma década. O índice começou a cair em outubro do ano passado até atingir a marca de 8,25% no começo desse mês. A Selic é uma ferramenta importante para o combate à inflação, que está embaixo de 2,5% no acumulado dos últimos 12 meses e tem impacto direto sobre o poder de compra da população. A alta dos preços sob controle, com políticas fiscais responsáveis, para o economista José Luiz Pagnussat, abriram espaço para a redução dos juros.

 

Economista - José Luiz Pagnussat: No momento em que a inflação está lá embaixo, como acontece agora, menos de 2% no acumulado de 12 meses, há um espaço grande para reduzir fortemente a taxa de juros e destravar a economia, e, com isso, proporcionar uma oportunidade de aceleração do crescimento econômico do país.

 

Repórter João Pedro Neto: Instituições financeiras já têm refletido a decisão do Comitê de Política Monetária. O Banco do Brasil anunciou esta semana a redução das taxas de juros em operações de crédito imobiliário entre 0,25% e 0,5% dependendo da modalidade. Impulsos a mais para uma economia que segue se recuperando. Além da geração de empregos, já são dois trimestres consecutivos de aumento da atividade econômica do país. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Luciano: O Brasil registrou esse ano 37 milhões de matrículas escolares entre a creche e o Ensino Médio, incluindo a educação de jovens e adultos.

 

Gabriela: Os dados foram divulgados hoje pelo Ministério da Educação e servem como base para a repasse de recursos aos estados e municípios, para distribuição de livros e o transporte dos estudantes.

 

Repórter Eduardo Biagini: A maior parte das matrículas escolares em 2017 foi nos anos iniciais do Ensino Fundamental, que recebeu 12 milhões de estudantes. Os dados, ainda não definitivos são do Censo Escolar de 2017 e também mostram que houve mais de 2 milhões de matrículas em creches e quase 4 milhões na pré-escola. O Censo Escolar é feito todo ano e as informações servem como base para o repasse de recursos e a execução de programas e políticas públicas na área da educação, como a distribuição de livros, o transporte escolar e a instalação de bibliotecas. Os dados consideram escolas em áreas urbanas e rurais com ensino em tempo parcial e integral. Eduardo Biagini para a Voz do Brasil.

 

Luciano: 19h09.

 

Gabriela: Fraudes e golpes contra aposentados e pensionistas da Previdência Social tem aumentado.

 

Luciano: E daqui a pouco a gente traz dicas para você não ser vítima e como denunciar esses crimes.

 

"Viva A Sua Independência".

 

Gabriela: Nesta quinta-feira, dia em que os brasileiros comemoraram os 195 anos da independência do país, teve festa em várias cidades.

 

Luciano: Em Brasília, o Presidente Michel Temer acompanhou o desfile cívico-militar que levou mais de 20 mil pessoas à Esplanada do Ministérios.

 

Repórter Luana Karen: Uma hora antes do início do desfile da Independência o professor Augusto Domingos chegou à Esplanada com a mulher e a filhas. Para facilitar a compreensão das menores, explicou que era aniversário do Brasil.

 

Professor - Augusto Domingos: Falei do grito do Ipiranga, do Dom Pedro I.

 

Repórter Luana Karen: Às 9h em ponto o Presidente Michel Temer chegou à Tribuna acompanhado da primeira dama Marcela Temer e do filho Michelzinho. O Hino Nacional Brasileiro foi cantado por criança e jovens do Programa Segundo Tempo.

 

"Ouviram do Ipiranga as margens plácidas...".

 

Repórter Luana Karen: Já o Hino da Independência ganhou vida na voz do meninos e meninas do Colégio Militar de Brasília.

 

"Os grilhões que nos forjava...".

 

Repórter Luana Karen: Em seguida, o início do desfile foi autorizado pelo presidente Temer.

 

"Solicito permissão à Vossa Excelência para dar início ao desfile cívico-militar do dia 7 de setembro".

 

Presidente da República - Michel Temer: Permissão concedida.

 

Repórter Luana Karen: Alunos de escolas públicas do Distrito Federal trouxeram também a alegria das músicas populares brasileiras para o desfile. Um dos momentos mais aguardados foi o desfile da pirâmide humana do Batalhão de Polícia do Exército de Brasília. A equipe, que já quebrou o recorde mundial com número de pessoas em cima de uma única motocicleta, hoje desfila com 30 homens, festa que ficou completa com mais uma apresentação de tirar o fôlego da Esquadrilha da Fumaça. O servidor público Elielson da Silva estava na arquibancada e gostou do que viu.

 

Servidor público - Elielson da Silva: Muito bonito. Tudo muito bem organizado, estrutura muito bem montada.

 

Repórter Luana Karen: Foram cerca de duas horas de desfile acompanhado da arquibancada por 20 mil pessoas, segundo a Polícia Militar do Distrito Federal. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: E, no Rio de Janeiro, em feriado de sol, muita gente deixou a praia para mais tarde e foi prestigiar a parada de 7 de setembro.

 

Repórter Natália Melo: Bandeiras, roupas, acessórios. No dia 7 de setembro o Rio de Janeiro ficou todo verde e amarelo. O desfile pelos 195 anos da independência do Brasil percorreu quilômetros na Avenida Presidente Vargas. A estudante Ana Paula Nascimento foi uma das responsáveis pelo pelotão da bandeira da escola onde estuda.

 

Estudante - Ana Paula Nascimento: Acordei bem cedinho para estar aqui no esquema, já está tudo certinho. Já é segunda vez que eu desfilo aqui.

 

Repórter Natália Melo: Quem esteve no evento pôde cantar o Hino da Independência junto com os militares e acompanhar o desfile das Forças Armadas, dos ex-combatentes de guerra, estudantes e atletas. O porta-voz do Comando Militar do Leste, o coronel Roberto Itamar, fala da tradição carioca em celebrar a data.

 

Porta-voz do Comando Militar do Leste - Coronel Roberto Itamar: O desfile do Rio de Janeiro é um dos mais importantes do país e talvez o mais tradicional. O Brasil comemora 195 anos de existência como país independente. É o momento de nós cultuarmos os valores, a nossa história, e, à luz do momento presente, pensarmos o futuro deste país que queremos deixar para os nossos filhos e netos.

 

Repórter Natália Melo: E para reforçar o sentimento cívico dos brasileiros, a medalhista olímpica e sargento do Exército, Poliana Okimoto, conduziu a pira com o chamado fogo simbólico. Para a atleta, que tantas vezes representou o Brasil lá fora, essa é mais uma forma de fortalecer o amor pela pátria.

 

Medalhista olímpica e sargento do Exército - Poliana Okimoto: Sempre tive muito orgulho de carregar a nossa bandeira. Uma honra muito grande.

 

Repórter Natália Melo: Além da Poliana, teve muito brasileiro orgulhoso prestigiando o país. O pequeno Davi, de quatro anos, nem dormiu de tanta ansiedade pelo desfile e foi um dos primeiros a chegar. Inspirado pela profissão do pai, ele foi todo caracterizado e nem ficou difícil de adivinhar o que ele quer ser quando crescer.

 

Entrevistado - Davi: Soldado.

 

Repórter Natália Melo: Cerca de 10 mil pessoas entre civis, militares e estudantes participaram do desfile. Reportagem, Natália Melo.

 

Luciano: E o desfile em São Paulo foi no Sambódromo do Anhembi, tradicional palco do carnaval paulistano.

 

Repórter José Luiz Filho: Em São Paulo o desfile cívico-militar contou com 8 mil participantes, entre alunos de escolas públicas municipais e estaduais e militares do Exército, Força Aérea e Marinha, além de integrantes das forças auxiliares. Na primeira parte da parada, a apresentação foi de estudantes e integrantes de várias entidades e associações civis. O dia de sol e temperatura amena ajudou e cerca de 30 mil pessoas lotaram as arquibancadas do Anhembi para acompanhar o desfile, gente de todas as idades e famílias inteiras, como a de Raimundo Silva, que todos os anos vem com a mulher Adriana e as filhas Samira e Yasmim, prestigiar o desfile da independência.

 

Entrevistado - Raimundo Silva: Minhas filhas, principalmente, elas sempre adoram esses desfiles, né?

 

Repórter José Luiz Filho: Tropas as Forças Armadas, levantaram o público. A analista contábil, Fabiane Rodrigues, e o enteado Caio Lopes, de dez anos, assistiram ao desfile, ao vivo, pela vez e ela achou bem melhor do que ver pela TV.

 

Analista contábil - Fabiane Rodrigues: Muito melhor. Acho que é muito mais emocionante estar aqui.

 

Repórter José Luiz Filho: Já Caio, que mora no anterior, se impressionou com o tamanho e a quantidade de participantes da parada.

 

Entrevistado - Caio Lopes: Eu pensei que era igual da minha cidade, só que não, é muito maior, muito mais legal.

 

Repórter José Luiz Filho: Motociclistas e militares da cavalaria encerraram o desfile sob aplausos do público. Reportagem, José Luiz Filho.

 

Gabriela: E também teve comemoração fora do Brasil. Quem conta para a gente como foi é a nossa correspondente em Washington, nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Repórter Paola de Orte: Os Estados Unidos tem a maior comunidade brasileira no exterior, são 1 milhão e 400 mil pessoas. No estado de Maryland, por exemplo, eles se reúnem a mais de 20 anos para lembrar a data da independência. O responsável pela festa é o pastor Davi de Barroso.

 

Pastor - Davi de Barroso: Eles têm muita falta dos familiares e de algo que está relacionado com o Brasil. E aí nós decidimos tirar um dia, pelo menos, por ano desse período aí da comemoração do dia da pátria, né? E ter uma festa com eles.

 

Repórter Paola de Orte: Arnaldo Junior mudou para os Estados Unidos para estudar inglês há pouco mais de um ano. Agora, uma das maiores preocupações dele é fazer com que os filhos não esqueçam o português. A festa do 7 de setembro da comunidade, é uma das maneiras que ele encontrou.

 

Entrevistado - Arnaldo Junior: Eu creio que, como pais, a gente acaba se preocupando mais ainda com as crianças, porque nós, com dois filhos pequenos, eles acabam absorvendo muito mais a cultura americana do que a brasileira que nós possamos.

 

Repórter Paola de Orte: Mas o 7 de setembro não precisa ser lembrado só pelos brasileiros, a data também é uma oportunidade para fazer os Estados Unidos conhecerem melhor a cultura do nosso país. É por isso que na semana da independência da Embaixada do Brasil está promovendo uma série de eventos para aproximar os dois países, como explica o embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Sérgio Amaral.

 

Embaixador do Brasil nos Estados Unidos - Sérgio Amaral: Nós vamos marcar a presença do Brasil com um intercâmbio muito grande entre Brasil e Estados Unidos.

 

Repórter Paola de Orte: Brasil e Estados Unidos já eram próximos desde o nascimento da nossa nação. Em 1824 o país foi o primeiro a reconhecer a independência brasileira. De Washington, nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Gabriela: 19h17 em Brasília.

 

Luciano: Aposentados e pensionistas estão recebendo cartas ou telefonemas de pessoas que se apresentam como funcionários do INSS.

 

Gabriela: Essas pessoas prometem o pagamento de valores atrasados que eles teriam a receber.

 

Luciano: O INSS alerta que se trata de um golpe.

 

Repórter Pablo Mundim: Levantamento da Previdência Social aponta que os golpes e fraudes contra pensionistas do INSS vêm crescendo no Brasil. De acordo da ouvidoria da Previdência Social, em 2016 foram registradas quase 950 denúncias. Este ano o número já passa de 700. Segundo o presidente da Associação Nacional dos Aposentados, Mário Pegoraro, os criminosos costumam usar o telefone e a correspondência como principais meios para praticar o golpe.

 

Presidente da Associação Nacional dos Aposentados - Mário Pegoraro: O mais comum que existe é via carta, e essas cartas chegam diretamente no endereço da pessoa. Mas existe também por telefone.

 

Repórter Pablo Mundim: Normalmente os criminosos ligam para os aposentados e se passam por funcionários públicos. Mas, atenção, a Previdência Social nunca liga para a casa de ninguém e também não solicita dados pessoais dos segurados por e-mail ou telefone, nem exige cobrança para prestar atendimento ou realizar serviços. É o que explica o secretário da Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano.

 

Secretário da Previdência do Ministério da Fazenda - Marcelo Caetano: Se o aposentado, pensionista receber uma ligação dessa, saiba que é golpe. Nunca, nunca, nunca, seja o INSS, seja um Conselho de Previdência vai ligar para alguém solicitando que se deposite dinheiro em uma determinada conta para que a pessoa venha a receber um tanto superior àquilo: "Ah, deposita R$3 mil, R$4 mil na minha conta que aí eu te pago R$20 mil, R$30 mil". Isso é um criminoso que está do outro lado tentando tirar dinheiro dessa pessoa.

 

Repórter Pablo Mundim: Os segurados do INSS também devem ficar atentos a pessoas que se oferecem para ajudar a conseguir uma suposta revisão de benefícios referentes, por exemplo, ao período do governo Collor. Para denunciar um golpe, o cidadão deve telefonar para a central 135 e agendar uma visita a uma agência da previdência, também é necessário registrar um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Gabriela: O Brasil presta solidariedade ao México pelas vítimas do terremoto que atingiu o país.

 

Luciano: E também ao Caribe e aos Estados Unidos pela passagem do furacão Irma.

 

Gabriela: O país decidiu ajudar a Haiti na passagem do furacão e prolongar a estada de quase mil soldados. A missão de paz brasileira no Haiti havia terminado oito dias atrás.

 

Repórter Raquel Mariano: Na internet, o Presidente Michel Temer manifestou solidariedade ao povo mexicano pelas vítimas do terremoto que atingiu o país, um dos mais fortes da história do continente americano, e também aos países caribenhos afetados pelo furacão Irma. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, até o momento não há registro de brasileiros entre as vítimas, mas embaixadas e consulados brasileiros na região permanecem em alerta para atender a qualquer emergência de cidadãos brasileiros. Em sua mensagem Michel Temer enfatiza que determinou ao Itamaraty que todo apoio os brasileiros nas regiões atingidas seja prestado. Além da situação mexicana, o Itamaraty acompanha também o resultado da passagem do furacão Irma pelo Caribe e Estados Unidos. E, apesar de a missão de paz brasileira no Haiti ter terminado há oito dias, o Brasil decidiu estender a estada do país para ajudar durante a passagem do furacão pelo Norte do Haiti. De acordo com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, quase mil homens foram deslocados.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Praticamente todos que lá se encontravam, 980, um batalhão, deve permanecer lá até que a gente consiga atender humanitariamente a população do Haiti. Nós já deslocamos, inclusive, tropas para o Norte para poder exatamente ajudar a população, como a gente fez no terremoto em 2010, como a gente fez no furacão Matthew em 2016.

 

Repórter Raquel Mariano: O Núcleo de Assistência a Brasileiros do Itamaraty pode ser acionado pelo e-mail: dac@itamaraty.gov.br e pelos telefones (61) 2030-8803 até às 20h. E após esse horário no número (61) 98197-2284. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Luciano: O maior evento de literatura do Brasil, a Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, vai até domingo.

 

Gabriela: E quem for até lá pode saber como o governo trabalha para levar livros que fazem do dia a dia de milhões de estudantes da educação básica.

 

Luciano: Isso é feito pelo Programa Nacional do Livro Didático, que comemora 80 anos. No estande do FNDE leitores e autores são convidados pessoais.

 

Repórter Natália Melo: Em um dos estandes de Bienal do Livro, do Rio de Janeiro, estudantes de todas as idades prestam atenção. A palestra é sobre a arte de escrever um livro. Quem dá as dicas é Ilan Brenman, autor de mais de 70 obras infantis.

 

Autor - Ilan Brenman: A criança, quando ela conhece o autor, primeiro ela fica muito fascinada. Ela acha que o autor ou é muito velhinho ou já morreu. Então, ver um autor que conversa que elas e vai contando como que um livro nasce, aproxima a criança não só do autor, como o livro. Então, esse momento de contato é um momento fundamental para a gente formar leitores.

 

Repórter Natália Melo: Pedro Henrique, de dez anos, conta porque gostou da palestra do Ilan.

 

Entrevistado - Pedro Henrique: Porque a gente consegue entender o que o autor quer dizer nos livros dele.

 

Repórter Natália Melo: O encontro, que chamou a atenção do Pedro Henrique e de outros estudantes é apenas umas das atrações que o FNDE, o Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação, preparou para os participantes do maior evento literário do Brasil. Além de conhecer novas obras, quem visitar o estande vai poder saber mais sobre os programas do fundo, como o Caminho da Escola, que garante transporte de qualidade diário para estudantes de áreas rurais, e o Programa Nacional do Livro e material didático, que distribui obras de graça para a rede pública de ensino. Este ano o FNDE celebra 80 anos de políticas públicas como essas. A chefe da divisão de apoio aos programas do fundo, Camila de Oliveira, comemora os resultados de oito décadas de democratização da leitura e da cultura.

 

Chefe da divisão de apoio aos programas do fundo - Camila de Oliveira: Uma criança que recebe esse livro, ele está apta a viver no mundo. E o mais legal é que tem algumas crianças que não teriam acesso a esse material se não fosse um programa como esse.

 

Repórter Natália Melo: Para o escritor Ilan Brenman, saber que o Programa Nacional do Livro torna suas obras mais acessíveis para pequenos leitores de todo o país, não tem preço.

 

Escritor - Ilan Brenman: Eu tenho experiências, assim, pessoais de chegar no anterior da Bahia, achando crianças da comunidade lá perto, uma cidade perto, conversando que elas eu me identifiquei, eu falei: "Eu sou tal pessoa". "Meu, você não é". Eu falei: "Sou. Sou eu mesmo". "Mas a gente conhece os seus livros". Eu falei: "Como assim?". "Não, porque a escola recebe os livros".

Repórter Natália Melo: A Bienal no Livro vai até o dia 10 de setembro no Riocentro, no Rio de Janeiro. A expectativa é que 700 mil pessoas passem pelo evento. Reportagem, Natália Melo.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Luciano: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Luciano: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e bom fim de semana.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso".