11 de setembro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: Mais facilidade para quem precisa fazer consultas, exames e internações para cirurgias em outras cidades. Governo vai entregar ambulâncias para serem usadas no transporte destes pacientes. Prioridade é atender cidades menores. Bom momento da economia faz especialistas do mercado subirem expectativas de crescimento do país, além de redução da inflação e dos juros. Avião da Força Aérea Brasileira vai resgatar brasileiros que estão isolados em ilhas do Caribe depois da passagem do Furacão Irma.

audio/mpeg VOZ 110917.mp3 — 23303 KB




Transcrição


Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Segunda-feira, 11 de setembro de 2017.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia: mais facilidade para quem precisa fazer consultas, exames e internações para cirurgias em outras cidades.

 

Gabriela: Governo vai entregar ambulâncias para serem usadas no transporte desses pacientes. A prioridade é atender cidades menores. José Luiz Filho.

 

Repórter José Luiz Filho: O plano do Ministério da Saúde é comprar 6.500 veículos que serão destinados a mais de 5.500 municípios de todo o país.

 

Luciano: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Bom momento da economia faz especialistas do mercado subirem expectativas de crescimento do país, além de redução da inflação e dos juros.

 

Luciano: Avião da Força Aérea Brasileira vai resgatar brasileiros que estão em isolados em ilhas do Caribe depois da passagem do furacão Irma.

 

Gabriela: Hoje na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Brasileiros de todas as regiões vão poder contar com serviços de mais 6.500 ambulâncias.

 

Luciano: Esses veículos vão ser usados para transportar pacientes a serviços de referência em outras cidades.

 

Gabriela: Assim vai ficar mais fácil o acesso a consultas, exames e internação para cirurgias.

 

Repórter José Luiz Filho: Oferecer à população um atendimento mais eficiente e de melhor qualidade, é o que pretende o Ministério da Saúde com a liberação de R$520 milhões para a compra de ambulância brancas, aquelas usadas para o transporte de pacientes entre municípios e hospitais de referência para tratamento médico especializado. Segundo o governo, o investimento é possível graças à economia alcançada com a redução de 20% dos valores de contratos e convênios. O plano do Ministério da Saúde é comprar 6.500 veículos que serão destinados a mais de 5.500 municípios de todo a país. A prefeitura de Osasco, cidade com 700 mil habitantes na Grande São Paulo, gasta mensalmente R$125 mil com aluguel de dez ambulâncias brancas. Para José Carlos Vido secretário de Saúde do município, a compra e distribuição das ambulâncias pelo Ministério da Saúde é importante para a renovação da frota, economia de recursos e ampliação do serviço à população.

 

Secretário de Saúde do município - José Carlos Vido: Necessário, absolutamente necessário numa cidade do tamanho de Osasco. É um serviço fundamental que é absolutamente necessário para a nossa população.

 

Repórter José Luiz Filho: Até o mês passado, normalmente, a aquisição desse tipo de ambulância era feita com recursos de emendas parlamentares. A Portaria publicada pelo Ministério da Saúde regulamenta a compra centralizada, com recursos da própria pasta, uma forma de reduzir a burocracia e facilitar o acesso dos municípios ao programa. Reportagem, José Luiz Filho.

 

Luciano: Os economistas do mercado financeiro subiram mais uma vez as expectativas de melhoras da economia brasileira para este ano e para o próximo.

 

Gabriela: Analistas ouvidos pelo Banco Central na semana passada projetam mais crescimento para o Produto Interno Bruto, que é a soma dos bens e serviços produzidos pelo país, e menos inflação.

 

Luciano: As previsões foram coletadas pelo Banco Central e divulgadas hoje por meio de um relatório de mercado, conhecidos como Boletim Focus.

 

Repórter João Pedro Neto: Os analistas do mercado financeiro aumentaram a estimativa de crescimento da economia brasileira para este ano de 0,5% para 0,6%. Também foi revisada para a cima expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto, o PIB, para o ano que vem, passando de 2% para 2,1%. O boletim, que reúne as projeções do mercado financeiro, indica ainda expectativa menor de inflação para 2017, de 3,14%, ante os 3,38% estimados na semana retrasada, o que segue abaixo do centro da meta estabelecida para esse ano. Também foi reduzida a estimativa para a taxa básica de juros da economia, a Selic, de 7,25% para 7% ao ano, no fim de 2017. Atualmente a taxa está em 8,25%. O Boletim Focus reúne a análise dos economistas de mercado e é divulgado toda semana pelo Banco Central. João Pedro Neto para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: A Força Aérea Brasileira vai enviar um avião ao Caribe para retirar brasileiros que estão na ilha de St. Martin.

 

Luciano: A ilha foi uma das mais atingidas pelo furacão Irma, que passou pelo Caribe no fim de semana passado e chegou neste domingo aos Estados Unidos.

 

Gabriela: A nossa correspondente na capital norte-americana de Washington, Paola de Orte, traz mais informações.

 

Repórter Paola de Orte: Os brasileiros isolados no Caribe por causa da passagem do furacão Irma devem ser resgatados a partir desta terça-feira por um avião da FAB, que vai sair de Nova Iorque, aqui nos Estados Unidos. Segundo o Itamaraty, que monto eu núcleo de atendimento emergencial na área consular em Brasília deste o início da crise, as ilhas de St. Martin, Tortola e Turks & Caicos estão em situação de colapso total ou parcial da infraestrutura de transportes, comunicação e abastecimento. Nessas ilhas há 60 brasileiros. Nesta segunda-feira o Presidente Michel Temer informou em redes sociais que colocou Consulados e Embaixadas do Brasil em estado de alerta para prestar o apoio necessário aos brasileiros afetados no Caribe e nos Estados Unidos. Aqui nos Estados Unidos o furacão Irma atingiu a Flórida na madrugada do domingo. Dos quase 1,5 milhão de brasileiros que moram aqui no país, 250 mil vivem em áreas atingidas pelo furacão, que ao deixar o estado perdeu força e foi rebaixado à categoria de tempestade tropical. De Washington, nos Estados Unidos, Paola de Orte para a Voz do Brasil.

 

Luciano: Está na fase final a implantação da Base Nacional Comum Curricular, que vai orientar o ensino em todas as escolas brasileiras de educação básica.

 

Gabriela: E terminou hoje a etapa das audiências regionais para ouvir as últimas sugestões da sociedade em regulação ao texto final do documento.

 

Luciano: A repórter Beatriz Amiden tem mais detalhes sobre os próximos passos até a base entre em vigor.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A Base Nacional Comum Curricular é um ganho para os alunos, professores e para a educação. Essa é opinião de Eveline Espanha, diretora de uma escola em Brasília. Lá estudam quase 800 alunos de cinco a 11 anos. Para ela, a implementação de documento que norteia os currículos escolar vai trazer mais qualidade ao ensino.

 

Diretora de uma escola em Brasília - Eveline Espanha: Hoje acaba que a gente não tem um parâmetro até para estabelecer avaliações, né? Para você cumprir metas anuais mesmo. Então, a ideia é que a gente discuta o que é que é necessário para cada série.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Pela primeira vez o país terá um documento que define as linhas gerais do que os alunos devem aprender a cada ano. A ideia do governo é reduzir as desigualdades na educação e melhorar o ensino no Brasil. Rossieli Soares, secretário de educação básica do Ministério da Educação, explica com em base nesse documento cada estado e município vai poder construir o seu cronograma escolar de acordo com a realidade que vivem.

 

Secretário de educação básica do Ministério da Educação - Rossieli Soares: É um documento de extrema relevância para que a gente possa dizer o que é comum de Norte a Sul, e vai impactar em absolutamente toda a rede. O que as redes vão construir a partir da agora são os currículos, que é a forma de como forma fazer. Se a base é onde a gente quer chegar, a forma de fazer quem vai ditar são os currículos feito por cada município, por cada estado.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A discussão para montar a base nacional começou em 2014. Em abril deste ano o texto para do documento para a educação infantil e para o Ensino Fundamental foi entregue para o Conselho Nacional de Educação. A versão final deve ser apresentada até o final deste ano pelo Ministério da Educação. E a partir daí os estados vão ter dois anos para implementar as mudanças em sala de aula, é o que explica o secretário Rossieli Soares, do Ministério da Educação.

 

Secretário de educação básica do Ministério da Educação - Rossieli Soares: Nós estamos concluindo essa etapa de discussão, mais uma etapa importante das audiências públicas, o recebimento de documentos das instituições, das pessoas que desejam impactar também se encerra. Após esta etapa para o Ministério da Educação homologar aquilo que for aprovado pelo CNE e a gente tem expectativa de que isso ocorra ainda neste ano.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Depois de aprovado, o documento passa a ser referência obrigatória na elaboração dos currículos de mais de 150 mil escolas brasileiras, públicas e privadas. As discussões também vão ser usadas para compor a base nacional curricular do Ensino Médio, que deve ser entregue nos próximos meses já adaptada as diretrizes do novo Ensino Médio. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Gabriela: 19h09 em Brasília.

 

Luciano: Doar medula óssea, um gesto simples que pode ajudar a salvar vidas.

 

Gabriela: Daqui a pouco vamos explicar o que fazer para se tornar um doador.

 

Luciano: Você sabe como armazenar remédios? Quando vai à farmácia pede auxílio para quem? O balconista ou o farmacêutico?

 

Gabriela: Pois é, Luciano, para tirar essas e outras dúvidas em relação ao uso de medicamentos a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, possui um serviço de atendimento à população, assunto do Pra Você Cidadão de hoje.

 

"Pra Você Cidadão".

 

Repórter Daniel Costa: Para que o uso de medicamentos traga resultados positivos, o paciente deve ter alguns cuidados. Na hora de comprar, procure estabelecimentos que tenham um farmacêutico à disposição, esse é o profissional responsável por selecionar fornecedores e produtos além de dar orientações sobre o uso aos pacientes. Nunca utilize medicamentos que estejam fora do prazo de validade, o risco de reações diversas e até complicações é bem alto. Também é preciso ter cuidado ao armazenar e transportar o produto, nada de deixá-lo debaixo do sol ou em local muito úmido. Leia sobre a bula, é nela que você vai encontrar respostas como quem não deve usar o medicamento e quais riscos ele traz, entre outras coisas. E se você tiver outras dúvidas ou precisar de ajuda, entre em contato com a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. É preciso informar o nome do produto, a marca e o nome do fabricante, data de fabricação e validade, entre outros dados, por isso, tenha a embalagem em mãos. O atendimento é feito pelo telefone: 0800-642-9782 ou pelo site: portal.anvisa.gov.br. Daniel Costa para a Voz do Brasil.

 

Luciano: Obras de melhorias no trânsito e espaços novos para a realização de eventos esportivos, esses são alguns dos legados do Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

 

Gabriela: E o que ficou para a população após os Jogos é a tema de uma publicação lançada hoje no Rio de Janeiro. O livro reúne textos de 145 autores e está disponível na internet.

 

Repórter Natália Melo: Juarez Pereira mora em Curicica, na zona oeste do Rio de Janeiro, até pouco tempo atrás chegar no centro da cidade não era fácil:

 

Entrevistado - Juarez Pereira: Eu passava muito tempo no ônibus. Agora é mais rápido, depois que teve agora o BRT, agora é tudo mais rápido.

 

Repórter Natália Melo: Outra facilidade foi a inauguração da Linha 4 do metrô, que liga Ipanema, na zona sul, até a Barra da Tijuca, na zona oeste. Os moradores da Barra, que antes só podiam contar com ônibus ou carro para sair do bairro, hoje se deslocam mais aliviados.

 

Entrevistada: O trânsito que ficava antes até chegar à Barra era complicado. Agora é bem rápido.

 

Entrevistada: Facilitou muito mesmo. Foi excelente, você vai para a cidade, vai para a Tijuca num tempo muito pequeno.

 

Repórter Natália Melo: Essas e outras obras no Rio de Janeiro são fruto do projeto de mobilidade urbana para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e os impactos de grandes eventos esportivos como este no Brasil e no mundo ganharam destaque no livro recém lançado nesta segunda-feira no Parque Olímpico, palco das principais competições durante os Jogos. Na publicação, especialistas de diversas áreas lançam seus olhares sobre a experiência com os megaeventos e lições aprendidas ao longo do percurso, como explica uma das organizadoras da obra, Bianca Pena.

 

Umas das organizadoras da obra - Bianca Pena: Nosso grande desafio foi condensar numa obra os mais diferentes tipos de legados, né? Os tangíveis e os intangíveis e descobrindo de forma cada um de nós, na nossa especialidade específica, a gente poderia contribuir para o legado.

 

Repórter Natália Melo: O presidente da Autoridade de Governança do Legado Olímpico, Paulo Márcio, comemora o uso frequente do Parque Olímpico no Rio, que já começou a receber eventos esportivos menos de um ano após os jogos. Segundo ele, o local está com a agenda lotada de competições até o fim do ano.

 

Presidente da Autoridade de Governança do Legado Olímpico - Paulo Márcio: Eu já tenho para o ano que vem também vários pedidos de campeonatos internacionais para acontecerem aqui. Um deles, que a gente tem conversado muito com a Confederação Brasileira de Voleibol é trazer para cá o Grand Prix de Vôlei, né? E a Liga Mundial para cá já para a nossa arena um. Campeonato de MMA, Campeonato Panamericano de Futebol de Salão e outros tantos eventos de natureza internacional que nós pretendemos trazer já para cá.

 

Repórter Natália Melo: O secretário nacional de Alto Rendimento do Governo Federal e campeão olímpico, Rogério Sampaio, reconheceu a evolução do esporte do Brasil.

 

Secretário nacional de Alto Rendimento do Governo Federal e campeão olímpico - Rogério Sampaio: Hoje quando eu olho a estrutura do esporte de competição brasileiro, eu vejo o avanço que houve, né? E todo esse avanço, ele é consequência da organização de grandes eventos.

 

Repórter Natália Melo: O livro sobre os impactos dos megaeventos, reúne 145 autores de mais de 70 universidades. O projeto é 100% digital, disponível apenas na internet no endereço: mataruna.org. Reportagem, Natália Melo.

 

Luciano: Oferecer uma alimentação saudável, reforço escolar e atividades esportivas para crianças e jovens carentes, além de gerar renda para agricultores familiares, tudo em um único programa.

 

Gabriela: É isso o que faz o Forças no Esporte, coordenado pelo Ministério da Defesa e que mantém a garotada longe das ruas, oferecendo atividades esportivas e reforço escolar no turno contrário ao da escola.

 

Luciano: E o programa, que também conta com a parceria do Ministério do Desenvolvimento Social e do Esporte, já está descobrindo talentos para o esporte. É o caso de dois irmãos de Brasília que estão perto de realizar o sonho de serem jogadores de futebol. Vamos ouvir a história deles.

 

Repórter Pâmela Santos: Os irmãos Werbeth Gomes da Silva, de 14 anos e o Hudson da Silva Rodrigues, de 17, passavam as tardes nas ruas sem ter muito para fazer.

 

"No país do futebol o sol nasce para todos mas só brilha para poucos. E brilhou pela janela...".

 

Repórter Pâmela Santos: O futebol era a distração com os amigos, mas também o sonho de um dia virar profissional. Tudo mudou quando os rapazes conheceram o programa Forças no Esporte. No turno contrário ao da escola, eles participam de atividades esportivas e recebem reforço escolar no Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília. O objetivo do programa é manter a garotada longe dos perigos das ruas, mas também descobrir e lapidar talentos. Com o treinamento, os irmãos transformaram a brincadeira em uma promessa de futuro melhor para a família. As dois foram selecionados para uma peneira de um dos maiores times de futebol do Brasil, o Grêmio. Werbeth já se imagina dividindo os campos com os ídolos.

 

Entrevistado - Werbeth Gomes da Silva: A maioria dos jogadores, Neymar, Messi, Cristiano Ronaldo. Quero melhorar minha casa, minha família, nunca deixar faltar comida lá e nunca faltar abrigo para nós.

 

Repórter Pâmela Santos: O programa também garante alimentação da garotada. Só em Brasília são 1.400 jovens e crianças que recebem duas refeições por dia. Para Hudson a hora do almoço é uma das melhores do dia.

 

Entrevistado - Hudson da Silva Rodrigues: Para mim é tudo. Aqui é muito legal, aqui um muito organizado, tem o lanche também, a comida. É bom demais.

 

Repórter Pâmela Santos: Os alimentos servidos para a molecada são produzidos por agricultores familiares da região, tudo é comprado por meio do Programa de Aquisição de Alimentos. Coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social, esse programa tem o objetivo de estimular a permanência das famílias no campo, gerando renda e preço justo para os pequenos produtores. Todo mundo ganha, os alunos recebem uma alimentação saudável e os produtores, mais renda. O seu Roberto Farias do Nascimento, de 42 anos, é um dos beneficiários. No sítio em Brazlândia, no Distrito Federal, ele produz couve, hortelã e hortaliças que vão direto para a mesa dos futuros atletas.

 

Entrevistado - Roberto Farias do Nascimento: Eu acho muito ótimo, muito correto que a gente, como produtor rural, tenha a organização de prestar atenção no que a gente está produzindo, na qualidade na nossa mercadoria.

 

Repórter Pâmela Santos: É para ajudar na transformação desses jovens e fortalecer a agricultura familiar que o Ministério do Desenvolvimento Social investirá R$33 milhões nos próximos 18 meses no Forças no Esporte. O recurso será para a compra exclusiva de alimentos da agricultura familiar. Para o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Caio Rocha, o programa tem um ganho duplo.

 

Secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Caio Rocha: Ele ajuda, primeiro, fortalecer a agricultura familiar, porque a aquisição da agricultura familiar ajuda a prática de esporte, ajuda na alimentação saudável.

 

Repórter Pâmela Santos: Em todo o Brasil o programa Forças no Esporte é desenvolvido em 113 cidades com 22 mil crianças atendidas. Reportagem, Pâmela Santos.

 

"Bola na rede pra fazer o gol. Quem não sonhou em ser um jogador de futebol...".

 

Gabriela: No ano passado o SUS financiou quase 80% dos transplantes de medula óssea.

 

Luciano: Mas, para 75% dos pacientes o difícil é encontrar um doador.

 

Gabriela: Para continuar salvando vidas é preciso aumentar o banco de doadores voluntários.

 

Luciano: Doar medula não dói e não é necessário retirar nenhum órgão do doador.

 

Gabriela: Aliás, o doador nem sequer precisa ficar internado.

 

Repórter Nei Pereira: A professora Adriana Martins, moradora do Distrito Federal, espera ansiosa pelo nascimento do segundo filho, previsto para novembro. A esperança é de que o bebê possa salvar o irmão, o pequeno Pablo, que tem só um ano e nove meses e sofre de aplasia da medula óssea.

 

Professora - Adriana Martins: Essa doença, ela faz com que a medula da pessoa pare de funcionar. Então, hoje a medula dele está em estado de falência.

 

Repórter Nei Pereira: As chances de o irmão ser compatível com Pablo são de apenas 25%. Por isso, a família já busca um doador de fora.

 

Professora - Adriana Martins: E a gente pede mesmo à população, às pessoas, né, que possam se cadastrar como doadores de medula óssea, porque é uma doação que a gente faz em vida e que salva muitas pessoas que hoje precisam de um transplante.

 

Repórter Nei Pereira: O Brasil tem hoje quase 4,5 milhões de doadores no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea, o Redome. Pela diversidade do povo brasileiro, a taxa de compatibilidade é baixa, chega em média a 1 para cada 100 mil pessoas, por isso é importante ter um número maior de doadores cadastrados. Para ser doador de medula é preciso ter de 18 a 55 anos de idade, estar com saúde e fazer um cadastro em qualquer hemocentro do país, como explica a responsável pelo hemocentro de Brasília - Flávia Piazera.

 

Responsável pelo Hemocentro de Brasília - Flávia Piazera: Esse doador, ele é acondicionado a uma sala, onde vai ser coletado uma pequena amostra do sangue. Esse resultado é incluído no Banco Nacional de Doadores. Lembrando que esse banco, ele também pertence a uma rede internacional. Então, doadores cadastrados no Brasil podem também ser doadores fora do Brasil.

 

Repórter Nei Pereira: O transplante pode beneficiar o tratamento de cerca de 80 doenças. Segundo o médico responsável pelo transplante de medula do Instituto Cardiológico do Distrito Federal, Gustavo Bettarello, a doação é um procedimento simples.

 

Médico responsável pelo transplante de medula do Instituto Cardiológico do Distrito Federal - Gustavo Bettarello: No transplante de medula óssea você vai transplantar um tecido líquido, diferentemente de um transplante de coração, de fígado, que você tira um órgão. Não acontece absolutamente nada com o doador, inclusive, 90% de todos os transplantes de medula, de todas as doações são feitas ambulatoriamente, o doador nem internado fica.

 

Repórter Nei Pereira: Após se cadastrar o doador precisa manter atualizado os dados para eventual localização quando é encontrado um paciente compatível. A atualização pode ser feita em um hemocentro ou pela internet, no endereço: redome.inca.gov.br. Reportagem, Nei Pereira.

 

Luciano: 19h21 em Brasília.

 

Gabriela: Gestores, coordenadores e conselheiros municipais e estaduais de assistência social já podem preencher enviar os questionários do Censo do Suas, o Sistema Único de Assistência Social.

 

Luciano: O censo ajuda a melhorar os serviços à população.

 

Repórter Diego Queijo: Realizado anualmente o levantamento tem o objetivo de monitorar as unidades, atividades, serviços prestados e o perfil dos trabalhadores da assistência social em todo o país. De acordo com o coordenador geral da Vigilância Socioassistencial do Ministério do Desenvolvimento Social, Marcos Antunes, o censo é uma importante ferramenta para identificar problemas e melhorar os serviços prestados à população.

 

Coordenador geral da Vigilância Socioassistencial do Ministério do Desenvolvimento Social - Marcos Antunes: Essas informações servem para o planejamento em gestão e servem também para a gestão no sentido de tomada de decisões estratégicas. Como é que a gente vai atender o nosso usuário, onde que é necessário maior ou menor esforço, determinado tipo de equipamento, por aí vai.

 

Repórter Diego Queijo: A novidade na edição deste ano é o formulário para o fornecimento de informações sobre o Família Acolhedora, serviço que estimula o acolhimento em ambiente familiar de crianças afastadas dos pais por medidas protetivas. O envio das informações do Censo Suas obedece um cronograma com prazos diferentes para cada programa, unidade, ou serviço da assistência social. A programação completa pode ser consultada no site do Ministério do Desenvolvimento Social: www.mds.gov.br. O prazo final para o preenchimento do Censo Suas 2017 é dia 1 de dezembro. Reportagem, Diego Queijo.

 

Gabriela: O ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, vistoriou hoje o andamento das obras da primeira etapa do eixo norte do projeto de integração do Rio São Francisco, que passa por Pernambuco e Ceará.

 

Luciano: O ministro acompanhou a abertura do reservatório Tucutu, para que as águas avancem pelos canais. A expectativa, segundo, Hélder Barbalho, é antecipar os prazos para até janeiro entender a população do Ceará.

 

Ministro da Integração Nacional - Hélder Barbalho: A nossa meta de missão é antecipar os prazos para chegar até o reservatório Jati até o final de janeiro fazendo a funcionalidade para o estado do Ceará. Já também em todo este trecho atendendo ao estado de Pernambuco e seguindo o caminho no rumo da Paraíba e Rio Grande do Norte.

 

Gabriela: A Força Nacional de Segurança Pública vai atuar por mais quatro meses na terra indígena Apyterewa, localizada em São Felix do Xingu, no Pará.

 

Luciano: Desde janeiro do ano passado, na região, a Força Nacional faz a retirada de ocupantes não indígenas do território, tradicional do povo parakanã.

 

Gabriela: Estão abertas as inscrições para cursos de qualificação no setor de turismo.

 

Luciano: Os cursos são realizados pela internet pela plataforma Brasil Braços Abertos.

 

Gabriela: As inscrições vão até 30 de setembro e o prazo para finalizar o curso vai até o final deste ano.

 

Luciano: Para se inscrever basta acessar o endereço na internet: brasilbracosabertos.turismo.gov.br.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Luciano: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Luciano: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Gabriela: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".