12 de setembro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: Em reunião com empresários e trabalhadores para discutir propostas para a recuperação do país, presidente Michel Temer cita fatores que demostram a força da economia brasileira. Brasileiros vão às compras e fazem vendas no comércio crescerem em julho, na comparação com 2016. Para dar mais atenção às crianças com microcefalia, governo vai investir mais 27 milhões de reais.

audio/mpeg VOZ 120917.mp3 — 46613 KB




Transcrição


A Voz do Brasil - 12/09/2017

 

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19 horas.

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.


Luciano: Boa noite pra você que nos acompanha aí em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 12 de setembro de 2017.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia. Saldo positivo na geração de empregos, aumento na produção industrial, redução da inflação, queda de juros e safra agrícola histórica.

 

Gabriela: Em reunião com empresários e trabalhadores para discutir propostas pra recuperação do país, presidente Michel Temer cita fatores que demonstram a força da economia brasileira.

 

Presidente Michel Temer: E mais do que a pujança da economia, o otimismo, a confiança, a segurança, a tranquilidade para saber que o Brasil está crescendo.

 

Luciano: E você também vai ouvir hoje na Voz do Brasil.

 

Gabriela: Brasileiros vão às compras e fazem vendas no comércio crescerem em julho na comparação com 2016. Natália Melo.

 

Repórter Natália Melo: O setor de tecidos, vestuário e calçados liderou o ranking entre os avanços, com crescimento de mais de 15%.

 

Luciano: Para dar maior atenção às crianças com microcefalia, governo vai investir mais R$ 27 milhões.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Luciano: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Discutir propostas para fazer crescer a economia e gerar mais empregos. Esse foi o objetivo de uma reunião realizada hoje entre o presidente Michel Temer, ministros de estado e representantes da iniciativa privada e de trabalhadores.

 

Luciano: O governo ouviu as propostas e o presidente Temer apresentou números que demonstram que a economia do país já está em recuperação, como redução da inflação, queda de juros, saldo positivo na geração de empregos e aumento da produção industrial.

 

Gabriela: Para Temer, as medidas do governo para esta retomada do crescimento só foram possíveis com o diálogo com o Congresso e a sociedade, uma das marcas da sua gestão.

 

Repórter João Pedro Neto: Foi uma reunião de trabalho com representantes dos trabalhadores e de empresários da indústria, comércio, serviços e do agronegócio, que apresentaram ao presidente Michel Temer uma agenda para ajudar a acelerar a retomada da economia brasileira e a geração de emprego e de renda no país. É o que disse Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

 

Presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - Paulo Skaf: O que nos une hoje aqui, todos nós, é a pauta de diminuirmos e eliminarmos esse desemprego, diminuirmos esses 13 milhões ou quase 13 milhões de desempregados.

 

Repórter João Pedro Neto: Entre as propostas, a retomada de obras públicas paralisadas. São mais de oito mil em todo o país, segundo estudo da Confederação Nacional de Municípios. Além da revisão de regras do seguro-desemprego, com aumento no número de parcelas, como resumiu o presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros, a CSB, Antônio Neto.

 

Presidente da CSB - Antônio Neto: Por isso, estamos pedindo a conclusão das obras públicas, linhas de crédito para o microempreendedor, revisão das regras do seguro-desemprego, incentivo e cumprimento das regras de conteúdo local, na cadeia de gás e petróleo, entre outras coisas.

 

Repórter João Pedro Neto: Os representantes de empresários e dos trabalhadores sugerem ainda a criação de um programa para a renovação da frota de veículos e de máquinas pra indústria. E uma proposta intermediária para o refinanciamento de impostos atrasados. O presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção, Fernando Pimentel, defendeu ainda a adoção de medidas de desburocratização, pra facilitar a relação de pessoas e empresas com órgãos públicos.

 

Presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção - Fernando Pimentel: Eu diria o seguinte: Pra cada norma nova que for criada, é obrigação reduzir, tirar outras duas já existentes.

 

Repórter João Pedro Neto: Depois de ouvir as propostas, o governo garantiu que todas vão ser analisadas, mas que já vem trabalhando em cima de boa parte das medidas apresentadas. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o Brasil está na direção certa e que o governo trabalha pra que, nos próximos anos, a economia cresça num ritmo mais forte.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: A ideia é que, de fato, o país passe a crescer a taxas mais elevadas do que seria a tendência hoje. Foi mencionado aqui que o Brasil é um país que merece, deve crescer a taxas ao redor de 4% ao ano. Nós estamos caminhando nessa direção.

 

Repórter João Pedro Neto: Ao encerrar a reunião, o presidente Michel Temer citou números para demonstrar a recuperação da economia e afirmou que o diálogo é fundamental para a democracia.

 

Presidente Michel Temer: Nós temos tido, graças a Deus, penso eu, um sucesso no governo, em função de um diálogo inaugural que nós fizemos com o Congresso Nacional. Nós retomamos um diálogo muito oportuno, muito presente, muito forte, muito significativo, muito enaltecedor para a democracia, entre Executivo e o Legislativo. E, com isto, conseguimos produzir tudo isso que os senhores ouviram. E o diálogo com a sociedade.

 

Repórter João Pedro Neto: Ao final da reunião, o presidente Michel Temer ofereceu aos participantes um almoço no Palácio da Alvorada. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Luciano: E a queda na inflação e nos juros, citadas pelo presidente Michel Temer, fez os brasileiros irem mais às compras em julho deste ano do que no mesmo período do ano passado.

 

Gabriela: Roupas, móveis e eletrodomésticos foram os destaques da pesquisa de comércio do IBGE divulgada nesta terça-feira.

 

Repórter Natália Melo: Marinalva Martins trabalha há nove anos como gerente em uma loja de calçados, no Rio de Janeiro. Ela conta que, embora 2016 tenha sido um ano difícil para o comércio, o aumento das vendas nos últimos meses surpreendeu.

 

Gerente - Marinalva Martins: Esse ano teve uma melhora, assim, bem dizer de 70%. Eu acho que esse FGTS aí ajudou o comércio, não foi só pra área de calçados, não.

 

Repórter Natália Melo: Já a dona de casa Lusimar Pinto tem aproveitado as ofertas nos últimos meses para investir no guarda-roupas.

 

Dona de casa - Lusimar Pinto: Calça, roupa, sapato. Melhorou, sim, o preço. Eu tenho comprado até mais.

 

Repórter Natália Melo: O comércio mais aquecido em 2017 foi destaque da pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE. O levantamento mostrou em julho um aumento pelo quarto mês consecutivo nas vendas do varejo em relação ao mesmo período do ano anterior. O setor tecidos, vestuário e calçados liderou o ranking entre os avanços, com crescimento de mais de 15%. Móveis e eletrodomésticos e artigos de uso pessoal e doméstico também registraram alta. Isabela Nunes, gerente da Pesquisa Mensal do Comércio, do IBGE, fala sobre a recuperação no setor, que avançou mais de 3% na comparação com julho do ano passado.

 

Gerente da Pesquisa Mensal do Comércio - Isabela Nunes: Todas as atividades mostram uma recuperação no mês de julho, exceto combustível, que ainda mostra resultados negativos. Na evolução do varejo acumulado em 12 meses, se observa uma redução de ritmo de queda de todas as atividades que compõem o varejo.

 

Repórter Natália Melo: A pesquisa também comparou os resultados entre julho e junho de 2017, quando as vendas do varejo ficaram estáveis, depois de três altas seguidas. Para o economista Fábio Bentes, da Confederação Nacional do Comércio, fatores como a queda na inflação e nos juros continuam sendo as principais alavancas para o aumento nas vendas.

 

Economista - Fábio Bentes: Quando a gente observa no dado de julho, é uma ajuda ainda na inflação. Em curtíssimo prazo, preço faz toda a diferença.

 

Repórter Natália Melo: Já o comércio varejista ampliado, que inclui materiais de construção, veículos e peças, avançou 0,2% em relação a junho deste ano e 5,7% em comparação a julho de 2016. Reportagem, Natália Melo.

 

"Defesa do Brasil, Defesa do Brasil, Defesa do Brasil"

 

Luciano: Você sabia que a função das Forças Armadas de proteger o Brasil por terra, água e ar também passa pela proteção do meio ambiente?

 

Gabriela: É isso mesmo, Luciano. Muitas regiões, com grandes riquezas naturais, estão dentro de áreas militares, e justamente por isso estão preservadas dos riscos do desmatamento e da poluição.

 

Luciano: Uma importante área da Marinha, localizada no litoral de São Paulo, foi transformada em reserva e será aberta ao turismo nos próximos dias. Vamos conhecer mais sobre a atuação da Marinha nesta área, na reportagem de Marina Melo.

 

Repórter Marina Melo: Há 40 quilômetros do município de São Sebastião, no litoral norte do Estado de São Paulo, está localizado o arquipélago de Alcatrazes, composto por cinco ilhas que comportam riquezas naturais extremamente importantes. Diante de sua relevância ambiental para o planeta, no ano passado o local, que pertencia à Marinha, foi transformado no Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, como forma de conciliar a segurança nacional e a conservação do ecossistema, que, em breve, será aberto à visitação. O comandante da Marinha Almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, explica como tem sido o trabalho da Força Naval naquela região.

 

Comandante da Marinha - Almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira: A presença da Marinha no arquipélago garantiu a preservação da flora e da fauna locais. A Marinha implementou e ampliou as medidas de controle de acesso ao local, agiu como fator de dissuasão de sua utilização indevida e garantiu a intocabilidade do ecossistema. A Marinha também apoiou o trabalho de pesquisa científica em Alcatrazes, realizando dezenas de expedições com pesquisadores de diversos segmentos da comunidade científica ambiental.

 

Repórter Marina Melo: O comandante da Marinha destaca a importância das ações das Forças Armadas voltadas à preservação do meio ambiente.

 

Comandante da Marinha - Almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira: A Marinha tem uma grande preocupação em manter o meio ambiente onde ela está instalada. Se você vai na Ilha do Governador, você vai ver que a área mais conservada da Ilha do Governador é exatamente a área dos fuzileiros navais. Se você vai a Angra dos Reis, você vai ver que a área mais conservada de Angra dos Reis é onde está o Colégio Naval. Se você vai em Alcatrazes, você vai ver que foi mais preservada do que o meio ambiente em redor, porque a Marinha estava lá tomando cuidado. Então, nós temos essa preocupação muito grande de preservar o meio ambiente.

 

Repórter Marina Melo: Nesta quarta-feira, os ministros da Defesa, Raul Jungman, e do Meio Ambiente, Sarney Filho, participam de cerimônia para anunciar que o local será aberto à visitação. Reportagem, Marina Melo.

 

Gabriela: Empresas que administram rodovias federais vão ter mais tempo pra fazer melhorias, como duplicação de pistas.

 

Luciano: O governo decidiu estender o prazo porque as concessionárias enfrentam dificuldades para conseguir financiamento pras obras.

 

Gabriela: Segundo o Ministério dos Transportes, a medida vai garantir a manutenção dos investimentos nas estradas.

 

Repórter Carolina Rocha: As rodovias licitadas em 2013 e 2014 vão poder ampliar de 5 para até 14 anos o prazo para duplicação das pistas. Serão beneficiadas principalmente as concessões da terceira etapa do Programa de Investimento e Logística, que inclui, por exemplo, a BR - 116, no trecho da Rio - Bahia, e a BR - 101, que atravessa o Estado do Espírito Santo, de norte a sul. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Concessão de Rodovias, César Borges, a medida provisória vai evitar que haja cancelamento de contratos e que obras sejam paralisadas por completo.

 

Presidente da Associação Brasileira de Concessão de rodovias - César Borges: Os investimentos previstos são mais de R$ 20 bilhões, e que poderão continuar sendo realizados. Só que ele vai ser agora um pouco mais alongado, né? O importante é manter esses investimentos e não atrasarem, e ter prejuízo e retrocesso no programa de concessão.

 

Repórter Carolina Rocha: A ampliação do prazo para conclusão das obras das rodovias licitadas vai permitir um prazo maior para o financiamento dos investimentos e será acompanhada de contrapartida, que poderá ser a redução do tempo de concessão ou a diminuição do valor do pedágio. A ANTT, a Agência Nacional de Transportes Terrestres, vai analisar cada contrato para fazer a readequação. O ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, explicou por quê o governo decidiu alterar as regras das concessões.

 

Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil - Maurício Quintella: Pela crise que se instalou no Brasil, pela frustração do crescimento do país, pela recessão e, em consequência disso tudo, essas concessões hoje são inexequíveis. A alternativa seria ou a devolução das concessões ou um processo de caducidade, o que seria péssimo para os usuários, porque os investimentos não aconteceriam, pelo menos nos próximos três ou quatro anos, nós teríamos rodovias sem manutenção, sem investimento. Então, nós buscamos uma saída negociada.

 

Repórter Carolina Rocha: A medida provisória com as novas regras deve ser publicada até esta sexta-feira. Reportagem, Carolina Rocha.

 

Luciano: 19h13 em Brasília.

 

Gabriela: E você vai ouvir ainda nesta edição: O Brasil vai colher supersafra de grãos.

 

Luciano: E com este resultado vai se tornar o maior exportador de milho do mundo.

 

Gabriela: A rede de atendimento às crianças com microcefalia vai ganhar um reforço. Foi anunciado hoje um investimento de R$ 27 milhões para a área.

 

Luciano: O dinheiro vai servir para a compra de kits de materiais de fisioterapia nos centros de atendimento e também para outras ações de acompanhamento das crianças.

 

Entrevistada - Judaiane da Silva Freitas: Idealizamos uma criança feliz, normal, e aí quando vem o baque, uma criança com microcefalia.

 

Repórter Natália Koslik: Essa foi a surpresa de Judaiane da Silva Freitas, de 28 anos, que descobriu na hora do parto que a sua pequena Aila era portadora de microcefalia, doença associada ao Zika. Todo o tratamento está sendo feito pelo SUS, porque ela e a filha vivem apenas com um salário mínimo do benefício que recebem do governo. Judaiane explica que é um tratamento complexo e a procura pelos serviços é grande.

 

Entrevistada - Judaiane da Silva Freitas: Eu só consegui no momento a terapia ocupacional, que é o que ela faz no [ininteligível], e fono. A fisio ainda não consegui, porque lá está muito cheio.

 

Repórter Natália Koslik: Para ajudar as famílias que vivem nessa situação, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, anunciou nesta terça-feira em Recife um novo investimento. São R$ 27 milhões para ações de cuidado às crianças com síndromes associadas ao Zika. O ministro explica que esse dinheiro vai ser utilizado para ampliar os serviços de atenção básica e monitorar os casos em investigação no país.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Então, nós estamos autorizando kits de fisioterapia para cinco mil equipes do Núcleo de Assistência à Família, e também estamos autorizando uma reanálise da situação de cada uma das crianças, um check-up que os municípios e estados têm que fazer e nos mandar informação de como essas crianças evoluíram, como elas estão hoje.

 

Repórter Natália Koslik: Entre 2015 e 2017, foram registradas mais de 14.500 ocorrências da doença. Mais de 880 pessoas morreram. De acordo com o boletim do mês passado, 20% dos casos foram confirmados e pouco mais de 20% ainda estão em investigação. Reportagem, Natália Koslik.

 

Gabriela: E pra falar mais sobre esse assunto de hoje, a gente conversa ao vivo com o ministro da Saúde, Ricardo Barros. Boa noite, ministro.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Boa noite, boa noite a todos, prazer falar com todo o Brasil.

 

Gabriela: Ministro, como a gente ouviu agora, os casos de microcefalia estão diminuindo no país. Qual o foco do Ministério da Saúde nesse momento em relação aos casos da doença?

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Bem, nós estamos em Recife porque aqui é que foi o início dos casos mais volumosos de microcefalia, e aqui nós estamos, como em todos os estados do nordeste, fazendo um seminário, tratando das medidas a serem avançadas. A questão agora é que o Brasil é que, de fato, promove a informação sobre essa síndrome. Não tem outro país do mundo com o volume de crianças com microcefalia que nós temos. Então, é um fato novo, estamos avaliando a evolução dessas crianças, dia a dia, e liberamos recursos pra que seja feito um novo check-up, uma nova checagem do estado dessas crianças, de como elas foram afetadas na sua questão visual, auditiva, na questão do desenvolvimento neurológico, pra que nós possamos criar estatística sobre essa síndrome, que, lamentavelmente, nos abalou aqui há dois anos.

 

Luciano: E existe um risco de o país voltar a ter um aumento no número de casos de microcefalia, ministro?

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Olha, nós temos que combater o Aedes aegypti, que é tarefa de todos os brasileiros. Este ano, comemoramos a queda de 94% na Zika, de 96% na Dengue, de 54% na Chikungunya, mas, se a população não estiver alerta, volta a infestação. Então, todos lutando pra combater os focos do Aedes aegypti, porque ele é transmissor da Zika.

 

Gabriela: E nós conversamos ao vivo com o ministro da Saúde Ricardo Barros. Ministro, muito obrigada pela sua entrevista para a Voz do Brasil.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Um abraço.

 

Luciano: Boa noite, ministro. A vacinação contra o HPV para mulheres e homens de 15 a 26 anos foi prorrogada.

 

Gabriela: O Ministério da Saúde recomendou que todos os municípios que ainda tenham vacinas disponíveis apliquem as doses até março do ano que vem.

 

Repórter Raquel Mariano: Os municípios que ainda possuem estoque da vacina contra o HPV vão oferecer as doses para homens e mulheres com idade entre 15 e 26 anos, até março de 2018. Pra essa faixa etária, a vacina deve ser aplicada em três doses, com intervalo de dois meses após a primeira aplicação e seis meses após a segunda. E o Ministério da Saúde garante todas as doses pra quem se vacinar até este período. Mas atenção: Pra quem não tiver tomado a vacina, assim que zerar os estoques ou depois de março, a rotina de vacinação volta ao normal e as doses serão liberadas apenas para o público alvo, ou seja, meninos de 11 a 13 anos e meninas de 9 a 14 anos. O papiloma vírus humano, o HPV, é um dos responsáveis pelo aparecimento de câncer em homens e mulheres. A melhor prevenção é a vacina. Desde 2014, ano que incluiu a vacina HPV no calendário, até junho deste ano, foram aplicadas 18 milhões de doses na população feminina de todo o país. Raquel Mariano para a Voz do Brasil.

 

Luciano: A Força Aérea Brasileira resgatou agora há noite os brasileiros que ainda estavam na Ilha de Saint Martin, uma das mais atingidas pelo Furacão Irma, que passou pelo Caribe no fim de semana passado.

 

Gabriela: O avião deve pousar em Brasília por volta de 1h da manhã.

 

Luciano: Em entrevista à Voz do Brasil, o embaixador responsável pela assistência aos brasileiros no exterior, Henrique Sardinha, conta que cerca de 15 brasileiros necessitavam de ajuda para sair da ilha e que todos neste momento já estão em segurança.

 

Embaixador - Henrique Sardinha: O grupo acabou se reduzindo, algumas pessoas conseguiram sair por meios próprios, não tivemos maior dificuldade. Os que ficaram, os que realmente necessitavam do nosso apoio, estão reunidos nesse momento.

 

Gabriela: Com o resgate dos brasileiros de Saint Martin, o embaixador explica que as ações brasileiras vão estar focadas na Ilha de Tortola, onde o aeroporto ainda não voltou a funcionar.

 

Embaixador - Henrique Sardinha: Continuamos a manter contato com o governo do Reino Unido, com relação aos brasileiros que estão em Tortola, que é uma ilha das Ilhas Virgens Britânicas, e nas Ilhas Turcas e Caicos, onde também há um grupo de brasileiros. Nesse segundo caso, o aeroporto já está operando para voos comerciais, portanto entendemos que a dificuldade está superada. O primeiro caso, de Tortola, sim, é que é preciso que tenhamos esse apoio da parte das autoridades britânicas, uma vez que o aeroporto ainda está sem condições de operação.

 

Luciano: O serviço de assistência do Ministério das Relações Exteriores continua de plantão 24 horas por dia para prestar informações ou ajuda a brasileiros e familiares.

 

Gabriela: 19h20 em Brasília.

 

Luciano: A agricultura brasileira continua batendo recordes. A supersafra de grãos deve atingir mais de 238 milhões de toneladas, um crescimento de mais de 27% em relação à safra passada.

 

Gabriela: A estimativa é da Conab, a Companhia Nacional de Abastecimento, que prevê que o Brasil deve se tornar o maior exportador de milho do mundo.

 

Repórter Diogo Rezende: A colheita para a safra de grãos 2016/2017 deve ter um aumento de 27% em relação à safra 2015/2016. Os dados são da 12ª estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab, divulgados nesta terça-feira. A área plantada também aumentou em 4,4% e ultrapassou os 60 milhões de hectares. Segundo o superintendente de Informações do Agronegócio da Conab, Haroldo de Oliveira Neto, o crédito rural e o clima ajudaram nesse crescimento.

 

Superintendente de Informações do Agronegócio da Conab - Haroldo de Oliveira Neto: Nós tivemos um clima excepcional. Eu digo que o clima foi o grande amigo do produtor. Segundo, nós podemos comentar que o crédito rural, ele estava a pronto e à hora para o produtor ser utilizado.

 

Repórter Diogo Rezende: A Conab espera uma colheita de mais de 238 milhões de toneladas de grãos. Entre eles, a soja e o milho chamam a atenção. Só para a soja, que é o grão mais produzido no país, a expectativa é chegar a 114 milhões de toneladas. Já a colheita do milho deve passar de 30 milhões para 67 milhões de toneladas. Para o diretor de política agrícola da Conab, Silvio Farnese, o Brasil deve alcançar o posto de primeiro exportador de milho do mundo.

 

Diretor de política agrícola da Conab - Silvio Farnese: A soja de novo 117 milhões de toneladas, número maravilhoso, vamos exportar seguramente mais de 60 milhões, garantindo uma balança comercial favorável. E relembro também que o milho, nós estamos falando em exportação superior a 30 milhões de toneladas, tivemos um recorde. O Brasil ainda é o segundo maior exportador de milho e breve, no caminho que nós estamos seguindo, nós seremos o primeiro exportador de milho.

 

Repórter Diogo Rezende: Além do nível tecnológico que tem permitido o crescimento das safras, o diretor ressalta que os produtores estão cada vez mais preocupados com o meio ambiente.

 

Diretor de política agrícola da Conab - Silvio Farnese: Mostra o nível de produtividade crescente na agricultura brasileira. Isso é em função de alguns fatores, que nós podemos elencar, como o padrão tecnológico que a agricultura brasileira hoje está desenvolvendo, o conhecimento que o produtor tem hoje das suas atividades e a preocupação que ele tem, cada vez mais, com o meio ambiente, fazendo com que tenha uma agricultura muito produtiva, com respeito máximo ao meio ambiente.

 

Repórter Diogo Rezende: O feijão também teve forte alta na produção e a quantidade estimada para produção neste ano ultrapassa três milhões de toneladas. Reportagem, Diogo Rezende.

 

Luciano: O IBGE também divulgou sua estimativa de safra. O Brasil deve colher 240 milhões de toneladas, com alta de 30% em relação ao ano passado. O IBGE também espera recordes na produção de soja e do milho.

 

Gabriela: Os números divulgados pela Conab e pelo IBGE apresentam metodologias e tempos de safra diferentes.

 

Luciano: Pra você entender melhor, a estimativa do IBGE é feita com base na produção de janeiro a dezembro, enquanto a Conab pesquisa o ano safra, que vai de abril a março do ano seguinte.

 

Gabriela: A liberação dos recursos do PIS/Pasep para 7,8 milhões de idosos vai ser feita de forma automática, sem necessidade de solicitação e nem apresentação de documentos.

 

Luciano: Com a medida, a Caixa Econômica Federal vai verificar os cadastros e fazer a liberação.

 

Gabriela: O governo reduziu no mês passado a idade mínima do saque do PIS/Pasep para 62 anos no caso de mulheres e 65 anos para homens.

 

Luciano: Quem trabalhou com carteira assinada até 4 de outubro de 1988 tem direito ao saque dos recursos.

 

Gabriela: A expectativa é de que sejam injetados quase R$ 16 bilhões na economia. Os recursos vão ser liberados a partir de outubro.

 

Luciano: No mês da juventude, comemorado em agosto, o número de Identidades Jovens geradas bateu recorde.

 

Gabriela: Foram emitidos mais de 47 mil documentos, o maior número mensal desde o lançamento do programa, no final do ano passado.

 

Luciano: O documento possibilita que jovens com idade entre 15 e 29 anos tenham acesso a meia entrada em eventos artísticos, culturais e esportivos, além de descontos em viagens interestaduais.

 

Gabriela: E no final desta semana a caravana do ID Jovem segue para Mossoró, no Rio Grande do Norte.

 

Luciano: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite pra você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso."