13 de setembro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: Em reunião com base aliada do Congresso, presidente Michel Temer pede apoio para aprovar reformas e afirma que medidas do governo contam com compreensão dos brasileiros. Mais de 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos devem ser lavadas aos postos de saúde para se protegerem de doenças. Agricultores familiares vão poder comprar tratores e outras máquinas com maior desconto.

audio/mpeg VOZ 130917.mp3 — 44717 KB




Transcrição


A VOZ DO BRASIL - 13/09/2017

 

 

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h00.

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje.

 

Gabriela: Olá, boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 13 de setembro de 2017.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia: reformas da Previdência e Tributária são fundamentais para o Brasil continuar na rota de crescimento econômico.

 

Gabriela: Em reunião com base aliada do Congresso, presidente Michel Temer pede apoio para aprovar reformas e afirma que medidas de governo contam com compreensão dos brasileiros.

 

Presidente Michel Temer: A corrente popular não é em nosso desfavor, penso eu que é em nosso favor. Ou se não é a nosso favor, ela compreende o que está acontecendo.

 

Luciano: E você também vai ouvir hoje, na Voz do Brasil.

 

Gabriela: Está na hora de colocar a carteira de vacinação em dia. Crianças e adolescentes devem ser levados aos postos de saúde para se protegerem de doenças. Nei Pereira.

 

Repórter Nei Pereira: A campanha vai até o dia 22 de setembro em 36 mil postos de saúde de todo o país. E, neste ano, a campanha será levada também até às escolas.

 

Luciano: Agricultores familiares vão poder comprar tratores e outras máquinas com maior desconto.

 

Gabriela: Benefício para quem produz e também para quem consome os alimentos.

 

Luciano: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Luciano: Queda na inflação, redução dos juros, produção industrial crescendo e agronegócio batendo recordes. Esse é o cenário que demonstra a recuperação da economia, de acordo com o presidente Michel Temer.

 

Gabriela: E, para melhorar ainda mais, o presidente Temer e a equipe do governo se reuniram hoje cedo com líderes da base aliada na Câmara dos Deputados.

 

Luciano: O presidente pediu apoio dos parlamentares para aprovar as reformas que estão em debate no Congresso.

 

Repórter João Pedro Neto: No encontro, o presidente Michel Temer apresentou dados da recuperação da economia brasileira, como a queda dos juros e da inflação, o aumento da produção industrial e da criação de empregos, e destacou o papel dos parlamentares para essa retomada.

 

Presidente Michel Temer: E o fantástico é o índice da Bolsa de Valores. Vocês sabem que no dia de ontem ou antes de ontem, ontem eu acho, atingiu 75 mil pontos, não é, que é o maior patamar desde que se inaugurou o índice, que é em 1968. E tudo isso se passa em 17 meses, sendo que quatro meses foram de interinato, nós éramos interinos nos primeiros quatro meses, e fruto do quê? De uma conjugação entre o Executivo e o Congresso Nacional, e agora com a compreensão da sociedade.

 

Repórter João Pedro Neto: O presidente Michel Temer disse, ainda, que vai intensificar as conversas com os parlamentares ao reafirmar que o diálogo é marca de sua gestão e afirmou que há condições de se levar adiante reformas estruturantes para o país, como a da Previdência e a simplificação tributária.

 

Presidente Michel Temer: Esta reunião, este café é um preparatório para uma outra reunião que logo mais adiante paremos fazer, pensando nas reformas ainda por vir, por exemplo, a simplificação tributária, que está sendo examinada, não é? Vocês sabem que este é um nó górdio complicadíssimo, nós temos que resolver esse assunto, como de igual maneira a reforma previdenciária. Nós vamos tratar dela, nós vamos adiante.

 

Repórter João Pedro Neto: Depois do encontro, o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, disse que o governo pediu empenho aos deputados para que a economia continue avançando.

 

Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil - Maurício Quintella: O governo pediu apoio, não é, ao Congresso Nacional para dar sequência às reformas. Mostrou os benefícios que as reformas que já foram feitas trouxe para o país, não é, e a necessidade que nós temos de tocar, não é, a reforma tributária, a simplificação do nosso sistema tributário, não é, e também a reforma da Previdência.

 

Repórter João Pedro Neto: Participaram da reunião quase 20 ministros do governo, além de líderes e parlamentares de mais de uma dezena de partidos da base aliada na Câmara dos Deputados. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gabriela: Postos de saúde no Brasil inteiro vão participar do mutirão para atualizar a carteirinha de vacinação de meninos e meninas de até 15 anos de idade.

 

Luciano: E o próximo sábado, dia 16, é o dia de vacinação, Dia 'D' de Vacinação para mais de 47 milhões de crianças e adolescentes.

 

>> "Todo mundo unido na vacinação".

 

Repórter Nei Pereira: O autônomo Fábio Andrade levou os filhos até um posto de saúde de Brasília para verificar se as crianças estavam com a vacinação atualizada. Davi, de 10 anos, estava em dia. Já Isabel, de cinco, precisou tomar uma dose atrasada.

 

Autônomo - Fábio Andrade: Eu vim atualizar as cadernetas deles e acabei aqui descobrindo que ela precisava de uma de quatro anos. Resolveu rapidinho, não tem fila. Prevenção também, né, para não ter nada no futuro, essas coisas.

 

Repórter Nei Pereira: Para que todo mundo fique com a imunização em dia, o Ministério da Saúde está convocando mais de 47 milhões de crianças e adolescentes para atualizar o calendário de vacinação. Mais da metade desse público não recebeu todas as doses necessárias. A campanha vai até o dia 22 de setembro em 36 mil postos de saúde de todo o país. E neste ano a campanha será levada também até às escolas, como detalha o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Nós adotaremos um dia para a vacinação nas escolas também. Isso vai ser um grande avanço para esse nosso compromisso de ampliar a cobertura vacinal.

 

Repórter Nei Pereira: Para as crianças menores de 10 anos são oferecidos 13 tipos de vacina. Já para os adolescentes menores de 15 anos são oito tipos. Na campanha do ano passado, 760 mil crianças menores de um ano não tomaram a BCG, que previne a tuberculose, e 1,1 milhão não receberam a dose contra a febre amarela. A coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Carla Domingues, ressalta a necessidade de os pais levarem os filhos até uma unidade de saúde.

 

Coordenadora-Geral do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde - Carla Domingues: A importância de que todo mundo compareça ao serviço de saúde, porque o profissional de saúde é que vai ter a capacidade de avaliar se a caderneta de vacina está completa, porque cada vacina tem duas, três doses, ainda se tem os reforços.

 

Repórter Nei Pereira: O Dia 'D' da campanha de vacinação será no próximo sábado. O Ministério da Saúde enviou mais de 14 milhões de doses extras para a campanha, que se somam a outras 143 milhões distribuídas neste ano para a vacinação de rotina. Reportagem, Nei Pereira.

 

>> "Fica mais protegido".

 

Gabriela: Pousou em Brasília nesta madrugada o avião da Força Aérea Brasileira que resgatou os brasileiros que ainda estavam na Ilha de San Martín, uma das mais atingidas pelo furacão Irma, no Caribe.

 

Luciano: Histórias dos momentos de terror.

 

Gabriela: E sorrisos de emoção e alívio na chegada.

 

>> "Barulho de aeronave".

 

Repórter Uarbi Calil: A Aeronave Embraer 190 chegou a Brasília na madrugada desta quarta-feira trazendo 14 pessoas: oito brasileiros e seis estrangeiros. Patrícia Albuquerque aguardava do lado de fora da base aérea de Brasília a chegada do esposo e não escondia a ansiedade. Ela mora na ilha e havia viajado de férias para o Brasil dias antes.

 

Brasileira Moradora na Ilha de San Martín - Patrícia Albuquerque: Eu perdi tudo, tudo que eu construí durante uma vida, e quero agradecer o Itamaraty que conseguiu botar ele nesse voo. Apesar de ele ser americano, mas isso daí é a diplomacia.

 

Repórter Uarbi Calil: Luciana de Lima é instrutora de mergulho em San Martín, mora no Caribe há 16 anos, e agradece ao Brasil o apoio aos brasileiros que vivem na ilha caribenha.

 

Brasileira Instrutora de Mergulho na Ilha de San Martín - Luciana de Lima: É inacreditável pode contar com o meu país, de saber que você não está desamparado, de saber que alguém pensou em você, que você num momento de desastre total, de perda total, você está tendo o apoio.

 

Repórter Uarbi Calil: O chef de cozinha Ricardo Passarelli conta que o resgate feito pela Força Aérea Brasileira foi simples.

 

Chef de Cozinha - Ricardo Passarelli: Várias pessoas, meus amigos do Brasil, minha esposa, me avisou que ia ter uma aviação da Força Aérea para pegar a gente, né? Foi quando o piloto desceu, conversou com a gente, reuniu todo mundo, pegou os passaportes, nós entramos automaticamente no avião e viemos.

 

Repórter Uarbi Calil: Tanto para Luciana quanto para Ricardo o coração ainda está naqueles que precisam de ajuda na ilha. Luciana relata a destruição e necessidade de ajuda para reconstrução da ilha.

 

Brasileira Instrutora de Mergulho na Ilha de San Martín - Luciana de Lima: Muita gente lá que ficou, o meu esposo ficou, ele está tentando reconstruir, está tentando... é... consertar. Um ajudando o outro, ajudando o vizinho a botar um telhado temporário. Um vizinho dá água, o outro vizinho dá gerador. Então, a ilha está num momento de emergência, precisa de ajuda.

 

Repórter Uarbi Calil: Apesar do susto, Ricardo conta que vai voltar para o Caribe. Ele quer ajudar na reconstrução da ilha.

 

Chef de Cozinha - Ricardo Passarelli: Daqui 20 dias eu estou de volta. Eu tenho que trabalhar e tem toda a reconstrução agora, né? A gente vai estar lá servindo as pessoas que estão trabalhando. Os quartos do hotel que não estão destruídos, eles já estão reservados para quem vai trabalhar no aeroporto, para a reconstrução do aeroporto, né? Então, a gente vai está lá.

 

Repórter Uarbi Calil: O serviço de assistência do Ministério das Relações Exteriores continua de plantão 24 horas por dia para prestar informações ou ajuda a brasileiros e familiares. Reportagem, Uarbi Calil.

 

Luciano: Existem hoje aproximadamente 20 mil micro e pequenos empreendimentos formais de brasileiros no exterior, a maior parte nos Estados Unidos.

 

Gabriela: O governo promove ações para esse público, como cursos e guias com orientações sobre processos e procedimentos.

 

Luciano: E essas iniciativas estão sendo debatidas esta semana em Brasília, em um seminário que começou hoje.

 

Repórter Mara Kenupp: O brasileiro Fernando Lopes é um empresário do setor de alimentos em Lisboa, Portugal, há 10 anos. Ele conta que quando abriu o negócio enfrentou dificuldades, não sabia como levar produtos daqui para a Europa.

 

Empresário - Fernando Lopes: A maior dificuldade que a gente tem no início é a falta de informação, a falta de conhecimento, né, das leis locais, de como... até mesmo como importar, como expor o seu produto, como mostrar o seu produto.

 

Repórter Mara Kenupp: As conquistas e os desafios do micro e pequeno empreendedor brasileiro no exterior estão sendo compartilhados em uma conferência em Brasília. O encontro é promovido pela área consular do Itamaraty. De acordo com o coordenador-geral de Representantes dos Brasileiros no Exterior, Marcos Viana, o governo quer ouvir os empresários para criar políticas públicas e fortalecer o empreendedorismo brasileiro fora do país.

 

Coordenador-Geral de Representantes dos Brasileiros no Exterior - Marcos Viana: A gente tenta viabilizar a informação, que está indiretamente relacionada à capacitação. Outra coisa é ampliar a rede de contatos.

 

Repórter Mara Kenupp: Representantes de vários setores do governo, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, bancos públicos, Receita Federal, vão mostrar aos empresários como desenvolver projetos, conseguir linhas de financiamento e fazer cursos de qualificação, como explica a diretora Consular e de Brasileiros no Exterior, Luiza Lopes da Silva.

 

Diretora Consular e de Brasileiros no Exterior - Luiza Lopes da Silva: O objetivo é ajudá-los a se capacitarem mais para ter uma melhor inserção possível, seja no mercado de trabalho, na sociedade do país onde eles escolherem viver, seja no Brasil, eventualmente se eles retornarem.

 

Repórter Mara Kenupp: Dados do Ministério das Relações Exteriores mostram que há cerca de 20 mil micro e pequenos empreendimentos formais de brasileiros no exterior. A maioria é do setor de alimentos, seguida do setor de vestuário e de serviços. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Gabriela: 19h12min, em Brasília.

 

Luciano: Maior desconto para agricultores familiares comprarem tratores e outras máquinas.

 

Gabriela: Daqui a pouco a gente vai explicar como isso vai trazer benefícios para quem produz e também para quem consome os alimentos.

 

Luciano: Você ouviu ontem aqui na Voz do Brasil que a Marinha cuida de um verdadeiro paraíso ecológico no litoral de São Paulo, o Arquipélago de Alcatrazes.

 

Gabriela: E, a partir de agora, essa área vai poder ser visitada por mergulhadores esportivos e pelos amantes da natureza.

 

Luciano: A portaria que autoriza o turismo no local foi assinada hoje. A liberação de visitas deve fortalecer o ecoturismo na região.

 

Repórter José Luiz Filho: O arquipélago no litoral de São Paulo, a 45 quilômetros da costa do município de São Sebastião, deixou de receber treinamentos militares em 2013. Há um ano foi reconhecido como refúgio de vida silvestre e, agora, será aberto ao público. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, participou da cerimonia que oficializou a autorização para a visita de turistas ao entorno do arquipélago.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Isso aqui é um patrimônio que hoje se transforma numa reserva de vida silvestre, inteiramente intacta, por um trabalho de quase 40 anos da Marinha Brasileira, que impediu que isso aqui fosse degradado, que impediu pesca predatória aqui dentro, que assegurou todos os parâmetros ambientais serem mantidos.

 

Repórter José Luiz Filho: Além da proteção da Marinha, a visitação será regulamentada pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade, o ICMBio, responsável pelos parques e unidades de conservação ambiental do país. O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, que também assinou a autorização para a visita, explica que no último ano o ICMBio realizou o plano de manejo da área.

 

Ministro do Meio Ambiente - Sarney Filho: Pela primeira vez fizemos um plano de manejo em antes de um ano, e é lógico que o plano de manejo toma todos os cuidados para que essa visitação, ela não possa de maneira alguma afetar essa rica biodiversidade preservada.

 

Repórter José Luiz Filho: Em Alcatrazes foram catalogadas 1.300 espécies de plantas, insetos e animais. O arquipélago abriga ainda uma das maiores concentrasse de ninhos de pássaros do país, mais de 250 espécies de peixes e, ainda, tartarugas verde e de pente ameaçadas de extinção, e 10 espécies de baleias e golfinhos. Empresas de turismo e profissionais autônomos interessados podem se cadastrar para prestar os serviços de visitação no refúgio. Os passeios na área devem começar até o fim do ano. Reportagem, José Luiz Filho.

 

Gabriela: Comprar máquinas para modernizar o trabalho na lavoura e, assim, reduzir os custos de produção.

 

Luciano: A partir de agora, agricultores familiares vão ter um desconto mínimo de 5% na compra de tratores e plantadeiras, por exemplo.

 

Gabriela: A novidade é do Pronaf, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar.

 

Luciano: E, com custos menores, os alimentos produzidos podem chegar mais baratos à mesa dos brasileiros.

 

Repórter Cleide Lopes: Numa propriedade rural de 15 hectares, a cerca de 50 quilômetros de Brasília, o agricultor familiar Arceu Perondi cultiva hortaliças como tomate, couve-flor, pimentão, e já está preparando a terra para um novo plantio. Arceu diz que produzir alimentos é a sua maior fascinação, mas lembra que o maior desestímulo ainda é o custo de produção. Mas, há cerca de 10 anos, o Sr. Perondi teve acesso ao primeiro financiamento do Pronaf Mais Alimentos, o que possibilitou a modernização da infraestrutura de produção e diminuiu custos.

 

Agricultor Familiar - Arceu Perondi: Eu usei para comprar máquinas novas, que até então eu só tinha um trator velho. Comprei um trator, uma carreta agrícola, uma plantadeira e um guincho.

 

Repórter Cleide Lopes: Para que agricultores familiares como o Sr. Arceu Perondi possam adquirir equipamentos, modernizar a produção e ter maior rentabilidade, o governo baixou uma portaria fixando um desconto mínimo de 5% na compra de maquinário e produtos agrícolas. Anteriormente, esse desconto era flutuante e girava em torno de 3%, como explica o coordenador do Programa Mais Alimentos do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Martinelli.

 

Coordenador do Programa Mais Alimentos do Ministério do Desenvolvimento Agrário - Guilherme Martinelli: Todos os 10 mil produtos que hoje estão no Mais Alimentos vão ser financiados com pelo menos 5% de desconto. É claro que as indústrias podem continuar oferecendo mais, né? O mercado se regula. Então, se a indústria quiser dar 10, 15, 20%, não tem problema nenhum, mas o mínimo vai ser 5%.

 

Repórter Cleide Lopes: Para Martinelli, além de ajudar o agricultor familiar, o Pronaf Mais Alimentos pode ainda gerar custos indiretos, beneficiando também os consumidores.

 

Coordenador do Programa Mais Alimentos do Ministério do Desenvolvimento Agrário - Guilherme Martinelli: A gente espera que esse barateamento dos custos também chegue à população e você possa comprar lá o seu produto orgânico, possa comprar a sua verdura, o seu legume ou qualquer outra unidade da agricultura familiar mais barato.

 

Repórter Cleide Lopes: O Mais Alimentos é uma das 17 linhas vinculadas ao Pronaf. São financiados projetos individuais de até R$ 150 mil e coletivos de até R$ 750 mil reais. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Gabriela: As regras para o Programa de Demissão Voluntária, a Licença sem Remuneração e a Jornada Reduzida de Trabalho para servidores públicos do governo foram publicadas hoje pelo Ministério do Planejamento.

 

Luciano: A ideia é reduzir gastos com pessoal e aumentar a eficiência do governo. Sobre esse assunto a gente conversa, ao vivo, com o repórter Nei Pereira. Boa noite, Nei.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Boa noite, Luciano, Gabriela e ouvintes da Voz do Brasil. Os servidores públicos federais têm até 31 de dezembro deste ano para aderir ao Programa de Desligamento Voluntário, o PDV. Os funcionários que participarem do programa vão receber 125% do salário-base por ano trabalhado, que serão pagos mensalmente e de forma proporcional ao tempo de serviço. Para a Licença sem Remuneração o prazo vai até o final do ano que vem. Nesse caso, o servidor vai receber um benefício correspondente a três vezes o seu salário e fica afastado por três anos consecutivos, prorrogáveis por igual período. Já para a Redução da Jornada de Trabalho não existe prazo definido. O servidor que quiser seguir essa opção terá a carga horária reduzida de 40 horas para 30 ou 20 horas semanais. Como incentivo vai receber o valor correspondente a meia hora a mais de trabalho. De acordo com o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, essas medidas para corte de gastos fazem parte de um conjunto mais amplo.

 

Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Dyogo Oliveira: As medidas, evidentemente, fazem parte de um conjunto muito mais amplo de medidas que nós temos tomado no sentido da melhor qualificação das despesas, redução de gasto e maior eficiência no gasto público. São medidas que começaram logo no início do governo com a redução de mais de quatro mil cargos, a adoção de modelos diferentes de gestão, de compras. Em suma, a nossa agenda fiscal, ela pressupõe uma transição do ajuste de curto prazo para uma reestruturação, uma reforma fiscal de nível estrutural, ampliando espaço para gasto de qualidade, o investimento do governo em áreas fundamentais.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Parte do mesmo pacote de redução de despesas, o ministro do Ministério do Planejamento, Dyogo Oliveira, também adiantou que o governo está finalizando o projeto de reestruturação das carreiras federais para novos concursados. A medida deve representar uma economia de R$ 70 bilhões em 10 anos. Ao vivo, Nei Pereira.

 

Luciano: 19h20min, em Brasília.

 

Gabriela: A partir de hoje, quem emprega motoristas que trabalham com transporte de cargas ou passageiros vai ter que informar ao Ministério do Trabalho o resultado dos exames toxicológicos dos funcionários.

 

Luciano: Esse é o exame que detecta a presença de drogas no organismo e tornou-se obrigatório para os motoristas desde 2015.

 

Gabriela: A declaração por parte das empresas deve ser feita no ato da admissão e da demissão do funcionário, e quem descumprir a norma pode ser multado.

 

Repórter Carolina Rocha: Há quase 30 anos transportando máquinas de construção por todo o Brasil, o caminhoneiro Romildo Souza conta que já viu muitos motoristas profissionais utilizando drogas nas estradas.

 

Caminhoneiro - Romildo Souza: Tem gente que oferece muito, inclusive eu tenho um lugar, num certo lugar, que eu não vou nem falar o nome, tem a rodovia federal e você anda para frente uns 500 metros tem um ponto de vender droga para caminhoneiro.

 

Repórter Carolina Rocha: E não é um caso isolado. Segundo uma pesquisa da CNT, a Confederação Nacional do Transporte, feita em 2015, de mais de mil caminhoneiros entrevistados, 45% receberam oferta de algum tipo de droga ou substâncias ilícitas, sendo que 12% chegaram a experimentar. No mesmo ano, o exame toxicológico, que detecta o consumo de drogas, passou a ser obrigatório para motoristas profissionais no momento da contratação e da demissão em uma empresa, na legislação que ficou conhecida como Lei dos Caminhoneiros. Agora, uma resolução torna obrigatória por parte dos empregadores a declaração de informações sobre o exame no Caged, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. O secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho, Leonardo Arantes, explica o porquê da medida.

 

Secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho - Leonardo Arantes: Para que a gente consiga fiscalizar e dar uma maior segurança para que a nossa população transite nas nossas rodovias, a gente colocou, incluiu no Caged um campo aonde esses empresários, aonde essas empresas sempre quando admitir ou demitir vão ter que colocar o número desse exame toxicológico.

 

Repórter Carolina Rocha: O exame toxicológico na contratação ou demissão deve ser pago pela empresa e é obrigatório para motoristas das categorias 'c', 'd' e 'e', que transportam cargas ou pessoas. Para Bernardo Mansur, coordenador comercial de uma empresa de transporte rodoviário de passageiros e cargas do interior de Minas Gerais, a medida vai facilitar a fiscalização de empresas que não cumprem a lei.

 

Coordenador Comercial de Empresa de Transporte Rodoviário de Passageiros e Cargas do Interior de Minas Gerais - Bernardo Mansur: É um exame que às vezes nós não faríamos se não fosse obrigatório e que acaba ajudando a evitar uma contratação de um motorista que faz uso de entorpecente.

 

Repórter Carolina Rocha: A declaração das informações deve ser feita na página do Caged na internet, no endereço caged.maisemprego.mte.gov.br. Reportagem, Carolina Rocha.

 

Luciano: Os serviços prestados às famílias cresceram 0,9% em julho, na comparação com junho deste ano. O dado foi divulgado hoje pelo IBGE.

 

Gabriela: Destaque para a alimentação fora de casa e hotéis, impulsionados pelas férias escolares e por uma maior poder de compra das famílias.

 

Luciano: No geral, depois de registrar duas altas seguidas, o serviço de serviços recuou 0,8% em julho, na comparação com o mês anterior. Na avaliação do IBGE, a queda é pontual e não representa uma retração no setor.

 

Gabriela: Começa amanhã o pagamento do abono salarial referente ao ano-base 2016 para os trabalhadores nascidos em setembro.

 

Luciano: Tem direito ao abono o trabalhador inscrito no PIS ou Pasep há pelo menos cinco anos e que trabalhou formalmente por 30 dias em 2016, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. Os valores variam de R$ 79,00 a R$ 937,00.

 

Gabriela: Para saber se tem direito ao abono salarial o trabalhador pode ir a uma agência da Caixa ou consultar a página do banco na internet.

 

Luciano: E essas foram as notícias do governo federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU e, em seguida, as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você e até amanhã.