02 de março de 2018

Destaques da Voz do Brasil: 300 novas ambulâncias foram entregues. E governo está renovando a frota do SAMU em todo o país. E em cerimônia de entrega das ambulâncias, presidente Michel Temer volta a falar sobre segurança. Diz que novos recursos virão porque, neste momento, essa é a grande pauta do país. Ano começa com geração de empregos com carteira assinada. E vamos falar de inclusão. Governo publica regras para que hotéis e pousadas sejam acessíveis a pessoas com deficiência.

audio/mpeg VOZ020318.mp3 — 46860 KB




Transcrição


Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 2 de março de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Trezentas novas ambulâncias foram entregues hoje.

 

Luciano: E governo está renovando a frota do Samu em todo o país. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Até o final do ano serão mais 2.160 ambulâncias, uma renovação de 65% de toda a frota brasileira.

 

Gabriela: E em cerimônia de entrega das ambulâncias, Presidente Michel Temer volta a falar sobre segurança.

 

Luciano: Diz que novos recursos virarão porque neste momento essa é grande falta do país.

 

Presidente Michel Temer: Por isso que ao lado do progresso nós vamos completar o nosso governo estabelecendo ordem, e daí nós podemos dizer ordem e progresso é o título na bandeira e do nosso governo.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz de Brasil de hoje.

 

Luciano: Ano começa de geração de empregos com carteira assinada. João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: Foram cerca de 77,8 mil vagas de trabalho com carteira assinada abertas no país em janeiro. É o melhor resultado para a mês em seis anos.

 

Gabriela: E vamos falar de inclusão.

 

Luciano: Governo publica regras para que hotéis e pousadas sejam acessíveis a pessoas com deficiência.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: O Brasil abriu mais de 77 mil vagas de trabalhos formais em janeiro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho.

 

Luciano: Pelas redes sociais, o Presidente Michel Temer destacou que esse é mais um bom sinal de que estamos no rumo certo.

 

Gabriela: E em necessita exclusiva à Voz do Brasil, o ministro do Trabalho em exercício, Helton Yomura, falou da expectativa de criação de mais vagas com o crescimento da economia e a reforma trabalhista.

 

Repórter João Pedro Neto: É o melhor resultado para o mês em seis anos. Foram cerca de 77,8 mil vagas de trabalho com carteira assinada abertas no país em janeiro, de acordo com o Caged. Destaque para a indústria da transformação, com um saldo positivo de 49,5 mil postos. Dentro desse segmento, só a indústria de calçados foi responsável por mais de 11 mil vagas. Um desses postos foi ocupado pela Vanessa Zimmer, de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul. Ela conta que tinha outro emprego ser carteira assinada, mas em janeiro foi tratada formalmente por uma empresa do setor de calçados, o que para ela faz toda a diferença.

 

Entrevistada - Vanessa Zimmer: Eu estava trabalhando sem carteira assinada numa fábrica de bolsa, aí surgiu essa oportunidade, e aí mudei de emprego. É muito importante serviço de carteira assinada, até por segurança do trabalho, né? Na outra empresa não tinha essa segurança de estabilidade financeira.

 

Repórter João Pedro Neto: O setor de serviços também teve resultado expressivo, com a abertura de mais de 46 mil vagas e a construção civil também se recuperou com a criação de cerca de 15 mil postos. O ministro em exercício do Trabalho, Helton Yomura, afirmou que os dados mostram que as medidas tomadas pelo governo para a recuperação da economia e dos empregos foram acertadas.

 

Ministro em exercício do Trabalho - Helton Yomura: Os indicadores econômicos motivam o empresariado a investir e empregar mais. Nossa perspectiva é de que isso ocorra nos outros meses de 2018, retomado, assim, parte dos empregos que foram perdidos na crise econômica. A modernização trabalhista também ajuda nessa retomada, são novas modalidades de emprego para que o empregador possa empreender com segurança jurídica.

 

Repórter João Pedro Neto: São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina foram os estados que registraram melhores resultados. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Luciano: São 300 ambulâncias para 219 municípios de 25 estados.

 

Gabriela: A doação dos veículos às prefeituras foi feita hoje, pelo Presidente Michel Temer.

 

Luciano: E até o final do ano serão mais de 2 mil nossos veículos para renovar a frota do Samu, que atende 82% da população brasileira pelo telefone 192.

 

Gabriela: A repórter Gabriela Noronha acompanhou e conta para a gente os detalhes.

 

Repórter Gabriela Noronha: Trezentas para renovar a frota do Samu em 219 municípios brasileiros foram entregues nesta sexta-feira. Elas se somam às 562 que já haviam sido repassadas no ano passado, e até o final do ano vão ser mais de 2 mil novas ambulâncias. Uma renovação de 65% de toda a frota brasileira, que, para o Presidente Michel Temer, revoluciona a saúde em todo o país.

 

Presidente Michel Temer: Foi confirmado por vários e vários que receberam as chaves que há sete anos no recebiam ambulâncias. Então, é uma revolução na saúde.

 

Repórter Gabriela Noronha: Uma das cidades que recebeu o novo veículo das mãos do Presidente Michel Temer foi Nova Granada, em São Paulo, a prefeita Tânia Yugar comemorou. Segundo ela, todas as quatro ambulâncias da cidade estão sucateadas.

 

Prefeita de Nova Granada - Tânia Yugar: Herdamos uma frota bem sucateada e a nossa Samu está hoje em dia com oito anos de vida, problema mecânico toda semana.

 

Repórter Gabriela Noronha: A renovação das ambulâncias de todo o país está sendo feita de acordo do tempo de uso dos veículos, substituindo os que têm mais de três anos de circulação. Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, chips vão ser instalados em todas as ambulâncias para facilitar o monitoramento.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Tráfico de drogas, de armas, uso de indevido de funcionários que atualizam a ambulância para transporte para qualquer outra finalidade. É algo que acontece e nós vamos evitar colocando rastreamento em todas as ambulâncias. Portanto, qualquer deslocamento não autorizado será verificado, inclusive, podemos dar acesso às policiais rodoviárias que poderão saber se a ambulância que está transitando é uma ambulância oficial, pode ser uma ambulância roubada, pode ser uma ambulância 'fake' transitando, e, se ela não tem o chip, a polícia poderá identificá-la.

 

Repórter Gabriela Noronha: Para acionar o Samu basta ligar o número 192, uma equipe de médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e motorista é destacada para prestar o atendimento. De Sorocaba, Gabriela Noronha.

 

Luciano: E o Presidente Michel Temer falou que pode destinar mais verbas para os estados e municípios comprarem equipamentos na área de segurança pública.

 

Gabriela: A medida se somaria aos R$ 42 bilhões de financiamento disponíveis para reequipar as policiais locais, anunciados ontem durante reunião com os governadores e mais R$ 1,2 bilhão para construção de presídios.

 

Luciano: Temer voltou a pedir a participação da sociedade no combate à violência, discutindo o assunto localmente e que a segurança é um assunto do momento no país.

 

Presidente Michel Temer: Além desse R$ 1,2 bilhão que nós estamos colocando, outras verbas poderão vir para equipamentos. Então, aproveito aqui para pedir os prefeitos, vereadores, a todos, façam reuniões nas suas cidades, especialmente onde houver problema de droga, que hoje lamentavelmente alcança praticamente todas... todos os municípios, façam reuniões na comunidade, chama o juiz, chama o promotor, chama o delegado, chama a comandante da PM, Polícia Militar, diz: "Olha aqui, nós vamos organizar mutirões. Vamos combater a insegurança". Usa aí o Disque Denúncia, etc., etc., que esta é, no momento, a grande pauta do país, que é a pauta com vistas a trazer segurança ao povo brasileiro.

 

Gabriela: A parceria entre todos os órgãos de segurança é essencial para o combate ao crime.

 

Luciano: A afirmação é do novo diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, que tomou posse hoje.

 

Gabriela: Agora, a Polícia Federal é subordinada ao Ministério Extraordinároa da Segurança Pública, criado essa semana pelo Presidente Michel Temer.

 

Repórter Márcia Fernandes: Na posse, Rogério Galloro disse que a Polícia Federal vai continuar forte, inclusive nos trabalhos da Operação Lava Jato, que investiga denúncias de corrupção. O novo diretor-geral ressaltou que o Ministério Extraordinário de Segurança Pública e a Polícia Federal vão trabalhar no combate ao crime organizado.

 

Diretor-geral da Polícia Federal - Rogério Galloro: Quanto ao futuro da PF, é impossível concebê-lo sem considerar a necessidade de aprofundar a integração interinstitucional contra o crime, é condição basilar de provimento e de segurança pública. O crime não é e não será mais forte que o Estado Brasileiro. O crime não vencerá.

 

Repórter Márcia Fernandes: Rogério Galloro também apontou a importância da integração entre os órgãos de segurança e disse que vai contar com a tecnologia no trabalho da Polícia Federal. Já o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, voltou a defender que a pasta da segurança tem uma previsão no orçamento. Para ele, isso é essencial para garantir que a segurança pública seja um direito para todos.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Nossa tarefa é a universalização dos direitos à segurança. Essa luta, sem qualquer sombra de dúvida, ela não irá adiante se nós não tivermos o envolvimento de toda a sociedade, toda a sociedade, para que a gente possa transformar esses direitos que permanecem, em larga medida, formais em universalização destes direitos, nós precisamos envolver, sim. Essa tem que ser uma conquista de todos.

 

Repórter Márcia Fernandes: Rogério Galloro assumiu o comando da Polícia Federal no lugar de Fernando Segovia. Antes da posse ele atuava como secretário nacional de Segurança Pública. Delegado federal há 23 anos, ele já foi o diretor executivo da Polícia Federal e coordenou as Forças durante a Copa do Mundo de 2014 e os Olimpíadas do Rio, em 2016. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Luciano: E violência também se combate com iniciativas que gerem emprego e renda para a população.

 

Gabriela: Esse é o objetivo do Programa Rio de Janeiro a Janeiro, que vai investir recursos em eventos no estado.

 

Luciano: O Ministério da Cultura, em parceria com o governo do estado e a prefeitura, selecionou projetos e criou um calendário de eventos esportivos culturais, e corporativos.

 

Gabriela: A previsão é de esses eventos injetem mais de R$ 13 bilhões na economia, gerando mais de 350 mil empregos.

 

Luciano: A ideia é contribuir com desenvolvimento econômico do estado de Rio de Janeiro, como comentou o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão.

 

Ministro da Cultura - Sérgio Sá Leitão: Achamos que é fundamental que o conjunto da sociedade brasileira passe a ver a cultura não apenas pela questão da identidade, do senso de pertencimento, da sua dimensão simbólica, mas, também, do ponto de vista econômico, a sua dimensão econômica, a sua grande capacidade de contribuição para o desenvolvimento do país na forma de geração de renda, de geração de emprego, de geração de inclusão.

 

Gabriela: 19h11 em Brasília.

 

Luciano: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Gabriela: Vamos detalhar o acordo para a compensação de perdas da Poupança com os planos econômicos.

 

Luciano: E Presidente Michel Temer assina decreto com regras para hotéis e pousadas sejam acessíveis a pessoas com deficiência.

 

Gabriela: Novas medidas para prevenção e tratamento de dependentes químicos.

 

Luciano: E o reconhecimento do trabalho realizado por comunidades terapêuticas na recuperação dessas pessoas.

 

Gabriela: As mudanças estão nova política sobre drogas. O repórter André Luiz Gomes tem os detalhes.

 

Repórter André Luiz Gomes: O Conselho Nacional de Políticas Sobre Drogas, Conad, aprovou, nesta quinta-feira, mudanças na legislação que trata sobre o enfrentamento, tratamento e prevenção ao uso de drogas. O texto provado pelo Conad prevê a implementação de medidas de prevenção e tratamento baseadas em evidências científicas, além do reconhecimento do trabalho executado pelas comunidades terapêuticas. A resolução ressalta ainda a importância do apoio a pacientes e familiares de dependente químicos. A alteração na resolução foi apresentada pelo conselheiro e ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra. Durante a reunião, o ministro afirmou que o país passa atualmente por uma grande epidemia de dependência química. Segundo Osmar Terra, a aprovação é um grande avanço no enfrentamento à violência no país.

 

Conselheiro e Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: A proposta que tinha antes era extremamente proibicionista e restritiva no sentido de proibir comunidade terapêutica, de proibir grupos de mútua ajuda, que são os que conseguem algum resultado de reinserção social. Avança em algumas propostas, manifestam uma posição de governo contrária a política de liberação de drogas, à política de não se tratar de forma adequada as pessoas. Então, eu acho que é um avanço importante no momento que a gente está se preparando para enfrentar a violência no Brasil.

 

Repórter André Luiz Gomes: Segundo o psiquiatra, Antônio Geraldo da Silva, representante do Conselho Federal de Medicina, a medida aprovada é uma oportunidade de oferecer um atendimento mais digno aos independentes químicos.

 

Psiquiatra - Antônio Geraldo da Silva: A população brasileira só agradece, porque realmente agora nós poderemos ter a certeza de que novos caminhos poderão ser trilhados nessa área.

 

Repórter André Luiz Gomes: O coordenador-geral de Saúde Mental Álcool e Outras Drogas do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro, destaca que a nova resolução é um marco relatório que ir na promover uma mudança na abordagem os pacientes.

 

Coordenador-geral de Saúde Mental Álcool e Outras Drogas - Quirino Cordeiro: Incluindo outras abordagens como, por exemplo, a promoção de abstinência que é fundamental no tratamento de uma quantidade muito grande de pacientes com dependência química, que antes não tinham as suas necessidades contempladas pela atual política de saúde mental.

 

Repórter André Luiz Gomes: O Conselho Nacional de Política Sobre Drogas é formado por 13 representantes do poder público e outros 13 da sociedade civil. O órgão é responsável por acompanhar e atualizar as políticas e programas sobre o tema. Reportagem André Luiz Gomes.

 

Luciano: Hoje a Receita Federal divulgou o calendário de pagamento das restituições do imposto de renda pessoa física deste ano.

 

Gabriela: O pagamento do primeiro lote será feito no dia 15 de junho. Pelas regras, os idosos de mais de 60 anos têm prioridade no recebimento, além de pessoas com deficiência física ou mental e portadores de doenças graves.

 

Luciano: Também tem prioridade contribuintes que tenham a maior fonte de renda como professor.

 

Gabriela: Depois deles, a restituições são pagas pela ordem de entrega. Os valores são corrigidos pela variação dos juros básicos da economia.

 

Luciano: O último lote será pago em 17 de dezembro.

 

Gabriela: Você ouviu ontem aqui no Voz do Brasil que o Supremo Tribunal Federal validou o acordo entre bancos e poupadores sobre as perdas da Poupança causadas por planos econômicos nas décadas de 1980 e 90.

 

Luciano: O acordo mediado pela Advocacia-Geral da União encerra cerca de 1 milhão de ações que estavam na justiça há décadas.

 

Gabriela: E como vai funcionar o pagamento para quem tem direito? A repórter Luana Karen explica.

 

Repórter Luana Karen: Com o aval do Supremo Tribunal Federal começa uma nova etapa. A partir de agora os bancos têm até 90 dias para criarem um meio de receber os pedidos de adesão ao acordo dos poupadores. Esse processo vai ser feito por meio de uma plataforma digital, que deve estar disponível em maio. Tem direito à indenização todos que entraram na justiça em ações coletivas e individuais. A advogada-geral da União, ministra Grace Mendonça, que mediou o acordo, fala dos próximos passos.

 

Advogada-geral da União - Grace Mendonça: Nós temos um prazo para a instalação e a disponibilização de uma plataforma digital, a partir da qual os advogados e poupadores vão poder promover as respectivas adesões. Os prazos, todos eles previstos no acordo, são prazos que serão cumpridos estritamente.

 

Repórter Luana Karen: A ideia é que pessoas mais velhas recebam antes. Quem tem direito a até R$ 5 mil receberá à vista, entre R$ 5 mil e R$ 10 mil, uma parcela à vista e duas semestrais, a partir de R$ 10 mil, uma à vista e quatro semestrais. Os valores vão ser corrigidos pelo IPCA, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Caso o titular da Poupança tenha morrido os herdeiros poderão receber o recurso. Os bancos que aderiram ao acordo foram Itaú, Bradesco, Santander, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. Outras instituições podem aderir em até 90 dias. Para o presidente da Federação Brasileira dos Bancos, Murilo Portugal, todos vão sair ganhando com o fim das disputas judiciais.

 

Federação Brasileira dos Bancos - Murilo Portugal: Traz vantagens para os poupadores, para o Judiciário, para o governo e também para os bancos. Eu acredito que para os poupadores talvez a principal vantagem seja dinheiro na mão mais rápido.

 

Repórter Luana Karen: O poupador vai ter dois anos para decidir se aceita o acordo, posição defendida pelo advogado do Instituto Brasileiro de Defesa Do Consumidor, Walter Moura.

 

Advogado do Instituto Brasileiro de Defesa Do Consumidor - Walter Moura: Converse o seu advogado se o valor é interessante, o acordo não é obrigatório, e converse também com o seu advogado quais são as vantagens de você já receber hoje, e, depois de dois anos quando a acordo terminar, quem sabe pode ser que esse direito não exista, pode ser que a solução dada pela justiça não seja totalmente favorável ao poupador.

 

Repórter Luana Karen: Para receber a indenização o poupador precisa comprovar a existência e o saldo da conta poupança. A expectativa do governo é que R$ 12 bilhões sejam injetados na economia. Reportagem, Luana Karen.

 

Luciano: O país tem cerca de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, ou seja, um em cada quatro brasileiros.

 

Gabriela: Essas pessoas tinham dificuldade na hora do se hospedar hotéis e pousadas que não eram acessíveis a todos.

 

Luciano: Mas foi publicado hoje um decreto que vai facilitar a vida dos cadeirantes, cegos, surdos e dos seus acompanhantes. A repórter Raíssa Lopes explica para a gente as mudanças.

 

Repórter Raíssa Lopes: A empresária Fernanda Fontenele tinha apenas 16 anos quando um acidente a deixou paraplégica, ela fez tratamentos aqui e nos Estados Unidos, e com o marido, também cadeirante, abriu um centro de reabilitação em São Paulo para ajudar outras pessoas na mesma situação. Juntos, viajam para todos os lugares, mas os hotéis, principalmente os brasileiros, nem sempre estão preparados para recebê-los, como conta.

 

Empresária - Fernanda Fontenele: Infelizmente no Brasil, a gente tem algumas dificuldades, principalmente com relação ao banheiro. Às vezes o quarto, ele até tem, ele é muito espaçoso, ele é largo, mas o banheiro é a maior dificuldade. Ele não tem o giro necessário para cadeira acessar, né? Da entrada do banheiro, o vaso sanatório e o chuveiro.

 

Repórter Raíssa Lopes: Com a nova regulamentação, todas as áreas comuns de hotéis e pousadas do país vão ter que estar preparados para receber pessoas com qualquer tipo de deficiência. Antes do decreto, os serviços de hospedagem deviam oferecer quartos adaptados apenas para pessoas em cadeiras de rodas. Os estabelecimentos antigos vão ter que adaptar pelo menos 10% de seus quartos. Segundo o secretário nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Marco Pellegrini, a medida beneficia também pessoas com limitações transitórias.

 

Secretário nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Marco Pellegrini: Isso tem um impacto significativo, porque estende a oferta desse serviço, não somente a pessoas em cadeiras de rodas, que era a previsão que existia antes do decreto, mas também a todas as pessoas com algum tipo de necessidade. Então, isso abrange ao surdo, ao cego e também a todas as questões transitórias, né, como uma mulher grávida, uma pessoa com uma perna quebrada, parcialmente imobilizada, qualquer situação.

 

Repórter Raíssa Lopes: Alguns hotéis não esperaram pelo decreto para se prepararem para receber as pessoas com diferentes deficiências. Henrique Severien é gerente de um estabelecimento no Distrito Federal que já foi construído pensando na acessibilidade. Para Henrique, a indústria da hospitalidade precisa conseguir atender a todos.

 

Gerente - Henrique Severien: Todas as sinalizações no hotel já constam com Braile, já construímos o hotel sem nenhum tipo de obstáculo, de forma 100% adequada. Esse foi o grande intuito, deixar esse espírito de hospitalidade, de uma certa forma, mais evidente através dessas ações.

 

Repórter Raíssa Lopes: As dependências acessíveis em hotéis e pousadas não podem estar isoladas das demais e devem estar distribuídas por todos os níveis de serviços. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: 19h21 em Brasília.

 

Luciano: O calor do verão e as chuvas do período aumentam a proliferação do mosquito Aedes e a transmissão da Dengue, Zika e Chikungunya.

 

Gabriela: Mas, na correria do dia a dia, muita gente esquece de redobrar os cuidados.

 

Luciano: Por isso a gente volta a lembrar, hoje é sexta-feira, Dia D de Mobilização Contra a Dengue.

 

Repórter Paulo La Salvia: Toda sexta-feira é Dia D de Mobilização Contra Dengue, por conta disso, em Sorocaba, no interior de São Paulo, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, fez um apelo à população.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Nós reduzimos muito significativamente, 92% do Zika, 80% da Chikungunya. Então, nós podemos, sim, fazer um trabalho, mas é responsabilidade de cada cidadão.

 

Repórter Paulo La Salvia: A Dengue é outro exemplo de queda no número de mortes. Segundo o Ministério da Saúde, no mês de janeiro não houve registro de óbitos no país, já no mesmo período do ano passado, foram 20 mortes. Mas, mesmo com as reduções o trabalho de vigilância continua. Em Brasília agentes foram as ruas para vistoriar imóveis. Tudo o que pode acumular água foi inspecionado, segundo o agente de vigilância ambiental, Evandro Souza.

 

Agente de vigilância ambiental - Evandro Souza: Normalmente a gente acha muito problema em calha com a queda malfeita, que está acumulando água, um ralo escondido ali no fundo do quintal. Então, isso a gente olha com mais detalhe, tenta ver se tem foco e procurar direitinho.

 

Repórter Paulo La Salvia: O servidor público brasiliense Silvio Carvalho, diz que vai seguir a dica de Evandro.

 

Servidor público - Silvio Carvalho: Assim, a gente tem essa preocupação, também tem o rapaz que faz a manutenção para a gente, mas vai acumulando, folha, poeira, né? Então, vai pesando, uma calha vai dando uma desviada. É bom, ele falou, para dar uma reguladinha. A gente vai providenciar isso aí.

 

Repórter Paulo La Salvia: E, de acordo com a chefe do Núcleo Regional de Vigilância Ambiental Sul, do Distrito Federal, Michele Peçanha, não adianta um morador fazer o dever de casa e outro não.

 

Chefe do Núcleo Regional de Vigilância Ambiental Sul - Michele Peçanha: Uma residência só, ela pode contaminar a rua inteira, o quarteirão inteiro. Então, não adianta eu fazer o meu vizinho não fazer.

 

Repórter Paulo La Salvia: É por isso que na quadra onde mora a gestora de projetos, Gabriela Braga, os moradores estão até utilizando a tecnologia para se proteger.

 

Gestora de projetos - Gabriela Braga: A gente tem aqui na quadra um grupo de WhatsApp, né, dos moradores, e eu acho que isso serve, inclusive, para essa conscientização. Dizer: "Olha, eles estão passando, abram as portas", né?

 

Repórter Paulo La Salvia: Neste ano, segundo o governo, 350 mil agentes comunitários de saúde e de endemias vão vistoriar imóveis em todo o país em busca de focos do Aedes aegypti. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Luciano: Com o início do ano letivo, o Ministério da Saúde promove em 40 mil escolas pública do país a Quinta Campanha Nacional de Hanseníase, Verminoses, Tracoma e Esquistossomose.

 

Gabriela: A ideia é mostrar às crianças que em casa ou na escola, sempre é hora do prevenir e tratar, até porque, quanto mais rápido o diagnóstico, melhor o tratamento.

 

Luciano: A campanha acontece em quase 3 mil municípios envolvendo mais de 8 milhões de alunos. As atividades serão realizadas até a dia 30 de junho.

 

Gabriela: Já está valendo o aumento da mistura do biodiesel ao diesel.

 

Luciano: O diesel B-10 deve ter 10% de biodiesel na composição vendida ao consumidor.

 

Gabriela: Com o B-10 a expectativa é que da demanda do biodiesel cresça 1 bilhão de litros neste ano.

 

Luciano: A iniciativa também reduz a emissão de poluentes e abre espaço para redução das importações de óleo diesel, além de agregar valor à agroindústria no biodiesel.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Luciano: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Luciano: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e bom fim de semana.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso".