20 de abril de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Criados mais de 56 mil empregos com carteira assinada em março. E nos 3 primeiros meses do ano, já foram gerados mais de 200 mil postos de trabalho. No Dia do Diplomata, presidente Michel Temer participa de formatura de novos profissionais que vão defender os interesses do país lá fora. Ministro da Segurança Pública anuncia: governo vai publicar medida provisória para liberação de mais recursos para combate à violência.

audio/mpeg VOZ020418.mp3 — 46960 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 20 de abril de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Criados mais de 56 mil empregos com carteira assinada em março.

 

Nasi: E nos três primeiros meses do ano já foram gerados mais de 200 mil postos de trabalho. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Foi o melhor mês de março dos últimos cinco anos e o terceiro mês consecutivo com saldo positivo de geração de postos de trabalho.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Nasi: Hoje é dia do diplomata.

 

Gabriela: E presidente Michel Temer participa de formatura de novos profissionais, que vão defender os interesses do país lá fora.

 

Presidente Michel Temer: São os diplomatas desses países que transmitem as melhores impressões, as melhores e verdadeiras impressões sobre o nosso país.

 

Nasi: Ministro da Segurança Pública anuncia.

 

Gabriela: Governo vai publicar medida provisória para liberação de mais recursos para o combate à violência.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: Ou seja, recursos crescentes e previsíveis para a segurança pública, como jamais houve na história daquilo que nós chamamos de a área da segurança pública no Brasil.

 

Nasi: Hoje na apresentação, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: O país teve o melhor mês de março dos últimos cinco anos na geração de empregos com carteira assinada.

 

Gabriela: Foram mais de 56 mil novas vagas no mercado formal.

 

Nasi: Em janeiro e fevereiro, os números também foram positivos. Ao todo, já são mais de 200 postos de trabalho criados neste início de ano.

 

Repórter Pablo Mundim: Depois de um ano desempregada, Sílvia Letícia Duarte dos Santos, de 34 anos, finalmente conseguiu voltar ao mercado de trabalho formal. Ela foi contratada como vendedora em uma floricultura, em Brasília. Com a carteira assinada, Sílvia já começa a fazer planos.

 

Vendedora - Sílvia Letícia Duarte dos Santos: Os meus planos são voltar a estudar, fazer a minha faculdade, para poder eu voltar a ter a minha casa, porque por enquanto eu estou morando de favor. Então, assim, com a carteira assinada, eu tendo meu salário fixo, é mais fácil para eu pagar um curso, para eu me aprimorar, para eu poder conquistar outras coisas.

 

Repórter Pablo Mundim: Assim como a Sílvia, mais de 56 mil brasileiros conseguiram emprego com a carteira assinada no mês passado. Foi o melhor mês de março dos últimos cinco anos e o terceiro mês consecutivo com saldo positivo de geração de postos de trabalho. É o que revelam os dados do Caged, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho nessa sexta-feira. Seis dois oito principais setores econômicos tiveram saldo positivo. O principal deles foi o de serviços, com mais de 57 mil novos postos de trabalho, seguido pela indústria de transformação e pela construção civil. O coordenador geral de Cadastros e Estudos do Ministério do Trabalho, Salvador Abrantes Neto, explica que a modernização das leis trabalhistas ajudou a conquistar esse bom desempenho.

 

Coordenador geral de Cadastros e Estudos - Salvador Abrantes Neto: A modernização trabalhista, como o próprio nome já diz, ela veio para evoluir e com isso tem mostrado o acréscimo no número de vagas de trabalho criado no Brasil nesses últimos três meses. Os três meses desse ano são saldos positivos em relação aos outros anos.

 

Repórter Pablo Mundim: Em redes sociais, o presidente da República, Michel Temer, disse que, nos últimos três meses do ano, foram criadas mais de 200 mil vagas. Segundo ele, o país está mais forte e os empregos voltaram, fruto da política econômica e social adotada pelo governo. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Nasi: E só uma correção: Em janeiro e fevereiro, foram criados mais de 200 mil postos de trabalho.

 

Gabriela: Ainda segundo os dados do Caged, três das cinco regiões brasileiras apresentaram saldos positivos no emprego.

 

Nasi: O melhor desempenho foi no Sudeste, seguido pelo Sul e Centro-Oeste.

 

Gabriela: E tem gente conseguindo emprego com a ajuda do Progredir.

 

Nasi: Pois é, Gabriela. São pessoas que recebem o Bolsa Família ou que estão no Cadastro Único do Governo Federal.

 

Gabriela: Esses trabalhadores recebem incentivo para qualificação profissional, para uma vaga no mercado ou para abrir o seu próprio negócio.

 

Repórter André Luís Gomes: O Gilberto Cordeiro Marçal, de 28 anos, estava desempregado e vinha passando um sufoco para pagar as contas. Agora, comemora o primeiro salário. Ele conseguiu um emprego na empresa Via Varejo, parceira do Plano Progredir. Morador de Parelheiros, na zona sul de São Paulo, ele utilizou a ferramenta disponibilizada pelo Progredir para auxiliar na formatação do currículo. A empresa gostou do Gilberto e o contratou. O auxiliar de estoque comemora a contratação e já planeja o futuro. Gilberto sabe que o sucesso passa pelos estudos e pelo trabalho.

 

Auxiliar de estoque - Gilberto Cordeiro Marçal: Que realmente acontece, o pessoal desvia o caminho, principalmente o jovem, né? Acaba conhecendo as drogas, aí não consegue evoluir.

 

Repórter André Luís Gomes: De acordo com o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, a intenção do Governo é fazer com que cada vez mais as famílias de baixa renda conquistem autonomia por meio do trabalho e que possam ter mais qualidade de vida.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: É uma forma de promover a emancipação das pessoas, diminuir a dependência delas em um programa exclusivamente de transferência de renda e, sobretudo, de promover mais dignidade para cada cidadão, para cada família.

 

Repórter André Luís Gomes: Mas as ações do Plano Progredir não param por aí. O programa também dá acesso a vários cursos de capacitação profissional oferecidos por parceiros da iniciativa, como destaca o secretário de Inclusão Social e Produtiva do Ministério, Vinícius Botelho.

 

Secretário de Inclusão Social e Produtiva - Vinícius Botelho: A gente já tem hoje mais de cem entidades cadastradas na rede de parceiros do Desenvolvimento Social, muitas associações, que representam milhares de empresas. E com toda essa parceria, com toda essa rede que nós estamos construindo, o objetivo é justamente disponibilizar vagas para todo o público.

 

Repórter André Luís Gomes: Além da capacitação profissional e intermediação de oportunidades de trabalho, o Plano Progredir incentiva o empreendedorismo e dá acesso a microcrédito para as pessoas de baixa renda poderem investir em um negócio próprio. Reportagem, André Luís Gomes.

 

Nasi: Eles negociam, defendem os interesses do Brasil e mostram ao mundo tudo que o nosso país tem de positivo.

 

Gabriela: São os nossos diplomatas.

 

Nasi: É, e hoje, no dia deles, mais 30 profissionais ingressaram na carreira.

 

Gabriela: O presidente Michel Temer participou da formatura. Deu as boas vindas e defendeu o ofício, que exige dedicação permanente e sacrifícios pessoais.

 

Repórter Luana Karen: A vontade de tornar o Brasil um país melhor para todos moveu a carioca Elaine Gomes, de 36 anos, em busca da carreira diplomática. Ela é formada em Farmácia e entrou no Rio Branco por meio da política de cotas.

 

Diplomata - Elaine Gomes: Uma das minhas motivações também é tornar o corpo diplomático mais diverso, mais com a cara do Brasil.

 

Repórter Luana Karen: A turma de formandos deste ano conta com 30 diplomatas. Formando e orador da turma, o paraibano Meinardo Cabral explica porque optou pela carreira.

 

Diplomata - Meinardo Cabral: Para mim é, sobretudo, o interesse pela mudança, mudar sempre de tema, mudar de lugar. O desafio é enorme.

 

Repórter Luana Karen: Escolhida paraninfa da turma, a embaixadora Tereza Maria Machado Quintela, a primeira mulher a ocupar o posto mais alto da carreira, ressaltou a necessidade de se abrir mais espaço para a mulher na diplomacia.

 

Embaixadora - Tereza Maria Machado Quintela: Louvo a iniciativa de prestarem homenagem às mulheres, que, desafiando discriminações e preconceitos, têm emprestado seu talento, sua coragem e sua força de trabalho à vida pública e à diplomacia do nosso país.

 

Repórter Luana Karen: O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, destacou que os novos diplomatas vão ajudar a difundir os valores do Brasil e anunciou que está em elaboração uma lei para garantir mais transparência ao serviço exterior.

 

Ministro das Relações Exteriores - Aloysio Nunes Ferreira: Uma carreira onde a pessoa que ingressa sabe quais são os passos que deve ultrapassar para ter a progressão na sua carreira. Que haja igualdade de oportunidades a todos.

 

Repórter Luana Karen: O Brasil tem mais de 1,5 mil diplomatas atuando no país e em 200 representações diplomáticas no mundo. O Instituto Rio Branco, criado em 1945, é a escola que forma os diplomatas brasileiros. O nome é uma homenagem ao Barão do Rio Branco, José Maria da Silva Paranhos Junior, considerado o patrono da diplomacia brasileira, como explica José Estanislau, diretor do Instituto Rio Branco.

Diretor do Instituto Rio Branco - José Estanislau: O Brasil tem dez vizinhos e não há problemas com nenhum deles, justamente porque as fronteiras foram negociadas de modo profissional pelo Barão do Rio Branco. E é por esta razão que ele é o patrono.

 

Repórter Luana Karen: O Presidente Michel Temer destacou a qualidade dos diplomatas brasileiros, reconhecida mundo afora.

 

Presidente Michel Temer: É impressionante a imagem positiva que as demais nações têm do nosso país. Mas esta boa imagem do país é feita precisamente pela diplomacia brasileira. São os diplomatas desses países que transmitem as melhores impressões, as melhores e verdadeiras impressões, sobre o nosso país.

 

Repórter Luana Karen: Além da formatura, este dia do diplomata foi marcado pela entrega de medalhas da Ordem de Rio Branco, que reconhece a atuação de brasileiros e estrangeiros nas mais diversas áreas. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: A segurança pública vai receber mais dinheiro.

 

Gabriela: O Governo deve publicar nos próximos dias uma medida provisória liberando novos recursos para estados e municípios.

 

Nasi: Segundo o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a área vai passar a ter recursos fixos e crescentes.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: Nós vamos ter recursos novos e nós vamos ter também, daí para a frente, recursos carimbados, que trarão a previsibilidade orçamentária crescente, ou seja, recursos crescentes e previsíveis para a segurança pública, como jamais houve na história daquilo que nós chamamos de a área da segurança pública no Brasil.

 

Gabriela: Raul Jungmann também explicou que os governos estaduais e as prefeituras vão ter de cumprir metas.

 

Nasi: O ministro disse que eles devem se comprometer a monitorar a gestão do dinheiro e informar como estão atuando para alcançar as metas do Governo Federal de combate à violência.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: Vai depender muito do contrato de gestão, mas eu acredito que algumas coisas como: redução de índice de mortalidade, você tem que negociar. Ao mesmo tempo, melhoria na formação dos policiais. Terceiro lugar, você ter dados e informações que hoje a gente não tem. Instituir, por exemplo, corregedorias independentes, e outras coisas mais que você vai negociar caso a caso, a depender do que o Estado precisa ou a contrapartida que nós queremos.

 

Gabriela: Você tem depressão ou conhece alguém que está passando por um momento difícil?

 

Nasi: Ter alguém para conversar ou se orientar pode ser uma saída, até para evitar um problema maior.

 

Gabriela: E o CVV pode ajudar. Daqui a pouco, vamos falar desse serviço, que, em parceria com o Ministério da Saúde, está atendendo à população em 23 estados de graça.

 

"As rádios de todo o país já podem transmitir a Voz do Brasil em horário flexível. As emissoras de radiodifusão são obrigadas a retransmitir diariamente entre às 7h da noite e às 10h da noite, exceto aos sábados, domingos e feriados. A duração continua a mesma, 60 minutos, de forma ininterrupta. As emissoras devem informar aos ouvintes, às 7h da noite, o horário em que vão transmitir o programa. A Rede Nacional de Rádio mantém a transmissão às 7h da noite, pelo satélite e ao vivo, pela internet, no site redenacionalderadio.com.br".

 

Nasi: O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, está nos Estados Unidos, onde se reúne com presidentes de bancos centrais dos países do G20, ou seja, das maiores economias do mundo.

 

Gabriela: Segundo ele, o mundo começa a enxergar o crescimento do Brasil.

 

Repórter Paola de Orte: Ilan Goldfajn comentou os números apresentados pelo Fundo Monetário Internacional nesta terça-feira, de crescimento de 2,3% para o Brasil neste ano e 2,5% no ano que vem. Para o presidente do Banco Central, isso mostra um otimismo maior do FMI com o Brasil em comparação com outros países.

 

Presidente do Banco Central - Ilan Goldfajn: O Brasil foi um dos países que mais o fundo, mudou de forma mais intensa o crescimento. O aumento em relação à projeção foi de 0,8%. Claro que eles estavam com uma projeção um pouco abaixo, mas foi relevante, que nós fomos o país que mais aumentou a projeção do FMI.

 

Repórter Paola de Orte: O presidente do Banco Central afirmou que o Brasil passa por um crescimento gradual na economia e que o mais importante é que a recessão já passou. Para ele, a política monetária contribuiu com esse cenário. De Washington, nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Nasi: O crescimento da economia, mais pessoas trabalhando, somado à queda no preço das passagens, estão fazendo os brasileiros voltarem a viajar de avião.

 

Gabriela: Depois de dois anos de queda, foi registrado aumento no número de passageiros, seja em voos domésticos ou internacionais.

 

Repórter Márcia Fernandes: O jornalista Lucas Senna já viajou cinco vezes de avião neste ano. Na maioria das vezes o deslocamento ocorreu por causa do trabalho, mas ele conta que sempre que tem uma folga, não desperdiça a oportunidade de passear. Para o jornalista, o meio de transporte é melhor, pela rapidez, pelo conforto e também pelo preço, que costuma ser menor quando a compra é feita com antecedência.

 

Jornalista - Lucas Senna: Sempre que tem alguma folguinha ali na sexta ou no sábado, ou na sexta ou na segunda, a gente acaba vendo algumas passagens mais baratas, fora de temporada. Se você for colocar na ponta do lápis o que você gasta na estrada, mais passagem, tudo mais, de avião sai mais barato, mais rápido, mais prático e você consegue aproveitar melhor o destino que escolheu.

 

Repórter Márcia Fernandes: Assim como o Lucas, um número maior de brasileiros viajou de avião nos três primeiros meses deste ano. Foram quase 24 milhões de pessoas em voos domésticos, aumento de 3,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo os dados da Associação Brasileira de Empresas Aéreas, este é o melhor resultado desde 2015, quando o setor enfrentou uma forte crise. Para a diretora do Departamento de Planejamento e Gestão Aeroportuária da Secretaria Nacional de Aviação Civil, Fabiana Todesco, além da queda do valor médio do preço da passagem, outros fatores influenciaram no resultado, como a retomada do crescimento do país e a melhora do poder aquisitivo do brasileiro.

 

Diretora do Departamento de Planejamento e Gestão Aeroportuária da Secretaria Nacional de Aviação Civil - Fabiana Todesco: Pelos dados apresentados na Anac, que acompanha a tarifa média da passagem aérea doméstica, estamos agora num dos patamares mais baixos de valores em todo histórico. E isso contribui para uma maior demanda de passageiros nos aeroportos do Brasil. E nós acreditamos que, se não for em 2018, já em 2019 nós retomaremos aos patamares de 2015, onde nós tivemos o maior número de processamento de passageiros nos aeroportos do Brasil.

 

Repórter Márcia Fernandes: Os números são positivos também em relação aos voos internacionais. Segundo Fabiana Todesco, seis milhões de passageiros viajaram para fora do país nos três primeiros meses deste ano, aumento de 14% em relação ao mesmo período do ano passado. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Nasi: Um fenômeno complexo que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades e orientação sexual.

 

Gabriela: Estamos falando do suicídio e principalmente de como ajudar na prevenção.

 

Nasi: E uma parceria entre o Ministério da Saúde e o Centro de Valorização da Vida, o CVV, está levando atendimento de graça a quem mais precisa.

 

"CVV, boa tarde?".

 

Repórter Raquel Mariano: Empatia, acolhimento, respeito, tudo isso em uma conversa que pode salvar vidas. Assim é o trabalho do CVV, o Centro de Valorização da Vida. Por telefone, chat, e-mail ou até pessoalmente, 2,4 mil voluntários oferecem apoio emocional para prevenção do suicídio. A voluntária Leila dedica pelo menos quatro horas por semana ao atendimento às pessoas.

 

Voluntária - Leila: O que a pessoa está buscando ali naquele momento é conversar, é ter alguém com quem ela falar de uma forma livre, de uma forma aberta, sem que a pessoa esteja julgando ela naquele momento, de uma forma sigilosa. Então o CVV atua assim como se fosse um pronto-socorro.

 

Repórter Raquel Mariano: Agora, quem precisa do serviço pode ligar de graça de 23 estados no novo número, o 188. Um convênio, feito com o Ministério da Saúde, em 2017, garantiu um repasse de R$ 500 mil ao CVV. E um acordo com a Anatel foi o que possibilitou o serviço de ligações gratuitas, como explica o coordenador de divulgação do CVV, Carlos Correia.

 

Coordenador de divulgação do CVV - Carlos Correia: Era uma coisa que a gente procurava há muito tempo, a gente sabia que havia uma necessidade muito grande. Atualmente, já praticamente nós vamos triplicar o número de ligações com o 188.

 

Repórter Raquel Mariano: Os estados da Bahia, Maranhão, Pará e Paraná passarão a contar com as ligações gratuitas no dia 30 de junho. Nesses quatro estados, o antigo número do CVV, o 141, continua funcionando. No ano passado, o CVV recebeu 2 milhões de chamadas. Com o novo serviço, o centro espera aumentar o número para 3 milhões de ligações. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gabriela: Operações dentro e fora do país geram reconhecimento das Forças Armadas Brasileiras.

 

Nasi: Tanto que as nossas tropas foram escolhidas para participar de um treinamento envolvendo 50 países, o Exercício Viking.

 

Gabriela: Quem conta pra gente como funciona é a repórter Luana Karen.

 

Repórter Luana Karen: Estamos em Bogaland, um país perdido no Planeta Terra, que vive há mais de 60 anos conflitos de toda natureza, como étnicos, religiosos e econômicos. A situação se agravou nos últimos tempos e forças internacionais foram chamadas para ajudar. Bogaland é fictícia, mas os conflitos simulados acontecem de verdade. Para saber o que fazer quando a crise passa do imaginário para o real, militares e civis de 50 países participam do Exercício Viking. Pela primeira vez, o Brasil sedia um dos seis pontos de realização da atividade, que é organizada pelas Forças Armadas da Suécia. O General José Eduardo, diretor do Exercício Viking no Brasil, destaca que o convite para a participação do Brasil veio depois da atuação das Forças Armadas na missão de paz no Haiti.

 

Diretor do Exercício Viking no Brasil - General José Eduardo: Nós tivemos ali uma participação de mais de dez anos, com um êxito reconhecido pela comunidade dos países da ONU.

 

Repórter Luana Karen: São 300 participantes no Brasil, de um total de 2,5 mil no exercício, trabalhando para devolver a normalidade a Bogaland. A missão do Brasil no país fictício é comandar a operação de paz, ou seja, levar ajuda humanitária e fazer com que Bogaland tenha condições de se reerguer. Para a tarefa, conta com a colaboração de militares de outros 14 países, que também participam do Exercício em Brasília. Um deles é o Tenente-Coronel Toledo, que está há 20 anos nas Forças Armadas da Guatemala, e diz que, além de aproveitar a experiência brasileira, o Exercício Viking é uma ótima oportunidade para estreitar relações.

 

Participante do Exercício Viking - Tenente-Coronel Toledo: Como oficial o Exército de Guatemala, vim a um exercício aqui a Brasil, intercâmbio de experiências.

 

Repórter Luana Karen: O Exercício Viking, considerada a maior atividade do tipo no mundo, vai até o dia 26 de abril. Além do Brasil, as operações acontecem na Bulgária, Finlândia, Irlanda, Sérvia e Suécia. Reportagem, Luana Karen.

 

"Fórum Mundial da Água - Compartilhando Ideias e Soluções".

 

Nasi: O Fórum Mundial da Água, realizado em Brasília, no final de março, discutiu a preservação desse recurso e inovou, abrindo espaço para a participação da sociedade.

 

Gabriela: Até porque a ideia era que a discussão não ficasse apenas em fóruns acadêmicos. A água é uma preocupação de todos.

 

Nasi: Hoje, quase um mês depois, a Voz do Brasil foi conhecer uma das 3,6 mil escolas que visitaram o Fórum.

 

Gabriela: Fomos ver de perto como a consciência sobre a necessidade de preservar o meio ambiente e os recursos hídricos foi reforçada com a participação no evento.

 

Repórter Cleide Lopes: A água doce é elemento indispensável para a manutenção da vida na Terra. Tendo em vista a importância da água e a possibilidade da sua escassez, o reflorestamento e conservação das nascentes tem se tornado uma das maiores preocupações de especialistas e autoridades no assunto. Para recuperar e preservar as nascentes, é preciso incentivar e praticar o reflorestamento, lição que a turma do segundo ano do ensino médio da Escola Pública Júlia Kubitschek, em Brasília, aprende além da sala de aula. Desde 2016, a escola desenvolve um projeto de reflorestamento da mata às margens do Córrego Guará, que fica a 400 metros da escola. De lá para cá, foram cultivadas cerca de 2 mil mudas de plantas nativas do Cerrado. A professora de biologia Rosane Marques, responsável pelo projeto, diz que a ação é importante para alunos e para a comunidade.

 

Professora de biologia - Rosane Marques: Eles entendem hoje que o meio ambiente não está apartado deles e sim eles estão inseridos no meio ambiente, fazem parte do meio ambiente, estão responsáveis, de certa forma, também, por toda essa dinâmica que acontece.

 

Repórter Cleide Lopes: A escola foi uma das 3,6 mil que participaram do 8º Fórum Mundial da Água, realizado em Brasília em março. Camila Moura é uma das 60 mil estudantes que aprenderam que preservar esse bem é responsabilidade de todos.

 

Estudante - Camila Moura: Ele me trouxe uma questão de consciência sobre a necessidade que a gente tem que ter de preservar a natureza que está ao nosso redor, pelo fato de nós precisarmos dela para sobreviver.

 

Repórter Cleide Lopes: Para a Agência Nacional da Água, ANA, um dos maiores legados do Fórum foi a participação efetiva e a conscientização e o engajamento de jovens como Camila na preservação da água e do meio ambiente. Para o diretor da ANA, Ricardo Andrade, o maior desafio agora é manter e ampliar a discussão sobre a preservação da água e do meio ambiente.

 

Diretor da ANA - Ricardo Andrade: O Fórum surpreendeu porque engajou a sociedade. E nós, da Agência Nacional de Águas, temos agora um grande desafio de fazer com que este tema não deixe de estar na agenda positiva de todos que têm interesse nele.

 

Repórter Cleide Lopes: Para manter viva a chama dessa consciência da preservação ambiental entre os alunos da escola de Camila, o vice-diretor, Wesley Chaves, já tem novos projetos.

 

Vice-diretor de escola - Wesley Chaves: Nós vamos desenvolver algumas ações, como a produção de uma horta medicinal, teremos também a implementação de algumas fossas orgânicas.

 

Repórter Cleide Lopes: A próxima edição do Fórum Mundial da Água será daqui a três anos, no Senegal. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: Cento e quarenta e dois servidores públicos foram expulsos do Governo Federal por práticas ilícitas nos primeiros três meses deste ano.

 

Gabriela: O número é recorde, se comparado ao mesmo período desde o início da série histórica, em 2003.

 

Nasi: A corrupção é o principal motivo das expulsões, com 63% do total.

 

Gabriela: Nos últimos 15 anos, o Governo Federal já expulsou quase 7 mil servidores públicos.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite e um bom fim de semana.

 

Nasi: Boa noite para você e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso".