03 de maio de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: O agronegócio que aposta no Brasil. Presidente Michel Temer visita feira do setor que já registra recorde em financiamentos por bancos públicos. Dinheiro para compra de insumos como máquinas, adubos e sementes. Campanha alerta para maior respeito entre motoristas, ciclistas e pedestres. Nossa equipe está em Roraima, onde governo prepara deslocamento de mais imigrantes venezuelanos para 2 estados. Vamos falar do aumento no número de denúncias de violação de direitos humanos. Maioria dos casos ainda são de abusos e maus-tratos contra crianças e adolescentes.

audio/mpeg VOZ030518.mp3 — 46909 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 3 de maio de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: O agronegócio que aposta no Brasil.

 

Nasi: Presidente Michel Temer visita feira do setor, que já registra recorde em financiamentos por bancos públicos.

 

Presidente Michel Temer: Dinheiro para comprar insumos, máquinas, adubos e sementes.

 

Presidente Michel Temer: Eu tenho dito: "Olha, invistam no Brasil. Quem investir no Brasil vai ganhar".

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Campanha alerta para maior respeito entre motoristas, ciclistas e pedestres. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Maio Amarelo tem como meta diminuir em 50% o número de vítimas no trânsito até 2020.

 

Nasi: Nossa equipe está em Roraima, onde o governo prepara deslocamento de mais imigrantes venezuelanos para dois estados.

 

Gabriela: Vamos falar do aumento do número de denúncias de violação de direitos humanos.

 

Nasi: Maioria dos casos ainda são de abusos e maus-tratos contra crianças e adolescentes.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

"Trânsito - Atenção, Motorista".

 

Gabriela: Atenção nas ruas, estradas, nos pedestres, nos ciclistas.

 

Nasi: Este é o alerta da campanha Maio Amarelo, que tem como meta reduzir os acidentes de trânsito em até 50%.

 

Gabriela: No Brasil os números ainda são altos, mas aos poucos o país avança no caminho de um trânsito mais seguro.

 

Repórter Márcia Fernandes: O motorista Wanderson Silva passou o dia nas ruas de Brasília. Ele diz que presencia infrações de trânsito a todo momento.

 

Motorista - Wanderson Silva: Eu acabei de ver um cara ali com a latinha de cerveja na mão. A mulher tentando passar na faixa ali e ele não deixou.

 

Repórter Márcia Fernandes: Maria das Graças, técnica de enfermagem, também reclama da atitude de muitos motoristas.

 

Técnica de Enfermagem - Maria das Graças: Dirigir descontroladamente, usar celular, eu vejo demais.

 

Repórter Márcia Fernandes: E foi para conscientizar os motoristas que as Nações Unidas criaram a campanha Maio Amarelo. Estão previstas ações educativas e fiscalizações em todo o Brasil. Para o técnico de informática Rodrigo Silva, que usa o carro como meio de transporte, a campanha é necessária para reduzir os acidentes de trânsito.

 

Técnico de Informática - Rodrigo Silva: Vai prevenir um monte de acidente e conscientizar a população, né?

 

Repórter Márcia Fernandes: Segundo a Organização Mundial da Saúde, 1,250 milhão de pessoas morrem todos os anos no mundo em acidentes rodoviários. E, de acordo com a ONU, o Brasil é o quinto mais violento no trânsito, com mais de 35 mil mortes por ano. O diretor-geral do Detran no Distrito Federal, Silvain Fonseca, destaca a participação de todos para diminuir esses índices.

 

Diretor-Geral do Detran DFl - Silvain Fonseca: Que as pessoas façam a reflexão, que pensem na preservação da vida, que se coloquem no lugar do seu próximo.

 

Repórter Márcia Fernandes: Para o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, a imprudência ainda é a principal causa de acidentes.

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: Nós temos que, primeiro, educar e tornar cada vez mais conhecido dos usuários a realidade do nosso país. Como eu disse e repito, como se estivesse caindo um avião todos os dias, que quase cem brasileiros perdem as suas vidas.

 

Repórter Márcia Fernandes: Mas, apesar dos altos índices, o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Renato Antonio Borges Dias, destaca que o país tem melhorado ano a ano as estatísticas.

 

Diretor-Geral da Polícia Rodoviária Federal - Renato Antonio Borges Dias: No ano passado no nosso balanço nós reduzimos 7,5% o número de acidentes, a 2,5% o número de mortes. E nesse ano, já com a Operação Carnaval, a Operação Semana Santa, fechamos a Operação 1º de Maio, nós tivemos uma redução de 23%.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Maio Amarelo tem como meta diminuir em 50% o número de vítimas no trânsito até 2020. O Brasil, que aderiu ao programa em 2011, já conseguiu uma redução de 25%. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Nasi: Responsável por mais de 20% de todas as riquezas produzidas pelo Brasil, o agronegócio tem papel fundamental na economia do país.

 

Gabriela: E, assim como na indústria, o agricultor só investe para aumentar a produção quando sabe que vai ter retorno.

 

Nasi: Na maior feira de tecnologia agrícola da América Latina, realizada no interior de São Paulo, o aumento na venda de tratores, colheitadeiras e outras máquinas agrícolas é mais uma amostra da confiança na economia.

 

Gabriela: Foi o que afirmou o presidente Michel Temer, que esteve hoje, na feira.

 

Repórter Luana Karen: José Donizete de Souza produz milho, café e leite em Santa Rita de Cássia, no sul de Minas Gerais. Em busca de um tanque para irrigação e de uma roçadeira, rodou 200 quilômetros até Ribeirão Preto. É na cidade do interior de São Paulo que ocorre a Agrishow, a maior feira de tecnologia agrícola da América Latina e uma das três maiores do mundo. José espera sair daqui com um bom negócio.

 

Produtor Rural - José Donizete de Souza: Uai, igual eu estou chegando aqui agora, é a primeira vez, mas pelo que eu já ouvi falar é, né? Então, nós vai correr atrás para ver se é mesmo. É isso que a gente está tentando fazer, melhora a produção também, aproveita mais.

 

Repórter Luana Karen: Os 400 mil metros quadrados da Agrishow reúnem 800 expositores brasileiros e estrangeiros com as novidades do setor, tudo que é necessário para fazer do campo um grande negócio. É o que afirma Francisco Maturro, presidente da Agrishow.

 

Presidente da Agrishow - Francisco Maturro: Tudo isso é produzido na cidade e vai para o campo. O campo produz alimentos que vem para a cidade. O Brasil é um só e nesse momento que nós vivemos uma economia estável, equilibrada, com juros baixos, o Brasil precisa buscar esse equilíbrio e nós estamos nesse caminho.

 

Repórter Luana Karen: Ano passado foram fechados na feira R$ 2,2 bilhões em negócios. Para este ano os organizadores esperam um aumento de até 8% no valor dos negócios fechados. Essa também é a expectativa do gerente de marketing de uma multinacional produtora de máquinas agrícolas, Cristiano Conte.

 

Gerente de Marketing - Cristiano Conte: A feira está andando muito bem, né? A parte de negociações estão acontecendo de forma adequada como a gente imaginava, já encaminhando para um crescimento aí dentro de 5% a 10% em comercialização, em volume.

 

Repórter Luana Karen: E o governo apoia esse setor com vários linhas de crédito, operadas principalmente pelo BNDES e Banco do Brasil. Segundo o Ministério da Agricultura, médios e grandes produtores rurais contrataram mais de R$ 100 bilhões em financiamentos de julho de 2017 a março deste ano. O presidente Michel Temer visitou a feira, conversou com produtores, conferiu de perto alguns stands e subiu em um trator em exposição. Temer destacou que os negócios fechados na feira são mais um indicativo da confiança do produtor na economia.

 

Presidente Michel Temer: O que eu verifico é uma confiança extraordinária no nosso país. Não fosse a confiança, o sujeito não ia comprar a sua máquina, quer dizer, custa R$ 1 milhão, não é? O sujeito não vai comprar. Vai comprar para que, para perder dinheiro? Daí vem e compra porque tem certeza que o investimento vai dar certo. Aliás, o presidente Caffarelli, do Banco do Brasil, acabou de me telefonar, falei com ele, ele me disse: "Olha, nós já fechamos mais de R$ 1 bilhão de financiamentos". Isso nos anima muito, especialmente a nós todos, governantes, mas especialmente a todos os brasileiros. De modo que ao participar assim, muito rapidamente deste encontro eu digo a vocês que eu, mais uma vez, saio daqui com aquela sensação da grandiosidade do nosso país.

 

Repórter Luana Karen: Ano passado o país teve safra recorte de grãos, com quase 240 milhões de toneladas. Para este ano a expectativa da Conab é que a safra chegue a 226 milhões de toneladas. De Ribeirão Preto, em São Paulo, Luana Karen.

 

Nasi: E, ainda no interior de São Paulo, o presidente Temer foi até Barretos para inaugurar um hospital.

 

Gabriela: A instituição vai ser administrada pela mesmo fundação que cuida do Hospital de Amor, antigo Hospital do Câncer de Barretos, referência no tratamento da doença no país.

 

Repórter Raíssa Lopes: Tímida e de poucas palavras, Araíse é uma adolescente de 13 anos que gosta de videogame, sair com os amigos e de jogar futebol. E foi justamente uma bolada na barriga durante uma partida que fez com que descobrisse algo errado com a saúde.

 

Paciente do Hospital - Araíse: Como eu sou goleira, eles chutaram e acertou bem aonde estava o tumor. Aí que eu percebi.

 

Repórter Raíssa Lopes: Entre o diagnóstico de Araíse e a chegada ao Hospital do Câncer de Barretos, no interior de São Paulo, foram menos de três semanas. A menina operou e logo vai para casa em Botelhos, Minas Gerais, mas deve continuar ainda indo ao hospital para se tratar. Com 56 anos de história, o hospital é referência no tratamento da doença. Com atendimento 100% gratuito, é administrado pela Fundação Pio XII. Funciona com dinheiro repassado pelo governo e doações. Pessoas de todo o país procuram a instituição em busca de tratamento. E para ficar mais perto dos pacientes, foram abertas unidades do hospital em outros estados. Com a expansão, a instituição deixou de se chamar Hospital do Câncer de Barretos e virou Hospital de Amor. Segundo o presidente da instituição, Henrique Prata, levar o hospital para outros lugares também leva cidadania.

 

Presidente do Hospital do Amor - Henrique Prata: Nós estamos descentralizando o nosso serviço pelo fator de humanização. Não é justo uma pessoa passar a vida inteira pegando 3 mil, 4 mil, 5 mil quilômetros de distância para vir se tratar com dignidade tão longe.

 

Repórter Raíssa Lopes: O presidente Michel Temer esteve em Barretos, onde inaugurou o Hospital Notredame, entidade privada que também será gerida pela Fundação Pio XII. O centro de diagnóstico por imagem do hospital ganhou o nome do presidente. Vão ser oferecidos tratamentos com a mesma qualidade do Hospital de Amor, com preços mais acessíveis dos que o de mercado. Temer ressaltou o trabalho social realizado pelo hospital, levando a mesma qualidade de atendimento realizada em Barretos para as unidades dos outros estados.

 

Presidente Michel Temer: Eu verifico quantos e quantos pacientes vinham dos outros estados. E vindo dos outros estados, o que é que fez o Henrique? O Henrique disse: "Olha, eu vou instalar unidades em outros estados", como eu estive lá em Rondônia, quando ele inaugurou um belíssimo centro hospitalar. Então, e agora ele naturalmente estende os seus braços sociais e de saúde por todos, quase todos os estados brasileiros.

 

Repórter Raíssa Lopes: Michel Temer também visitou em Barretos a Santa Casa de Misericórdia e o Ircad, instituto que oferece tratamento em cirurgias minimamente invasivas. Com essa tecnologia é possível oferecer o que existe de melhor e mais moderno aos pacientes. De Barretos, em São Paulo, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: As denúncias contra violações dos direitos humanos aumentaram 8% em 2017, em comparação com o ano anterior.

 

Gabriela: A maior parte das denúncias são de abusos e maus-tratos contra crianças, adolescentes e idosos.

 

Nasi: Os dados divulgados, hoje, pelo Ministério dos Direitos Humanos mostram ainda que os brasileiros estão procurando novos canais para denunciar esses crimes.

 

Coordenadora do Centro 18 de Maio - Giulliana Cores: A denúncia, ela desencadeia algum ponto de proteção. Então, a denúncia é preciosíssima.

 

Repórter Raquel Mariano: Quem manda este recado que acabamos de ouvir é Giulliana Cores, coordenadora do Centro 18 de Maio. O centro é referência no atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual no Distrito Federal. Só neste local, no ano passado, foram atendidas 245 famílias com crianças vítimas desse crime. Já em todo o Brasil, 84 mil queixas relacionadas a crianças e adolescentes foram feitas em 2017. A violação contra pessoas idosas ficou em segundo lugar, com 33 mil relatos. É o que mostra o balanço das denúncias de violações de direitos humanos, divulgado nesta quinta-feira. A ouvidora nacional de Direitos Humanos, Érica Queiroz, chama a atenção para os números apresentados.

 

Ouvidora Nacional de Direitos Humanos - Érica Queiroz: Notamos um aumento na quantidade de denúncias em relação a violações de direitos humanos de criança e adolescente que representaram violência sexual, 29% em relação ao ano de 2016. É um aumento expressivo. Também notamos que a maior parte das denúncias relacionadas à pessoa idosa ocorreu no ambiente familiar e eram praticadas pelos filhos, 52%, ou pelos netos, 8%.

 

Repórter Raquel Mariano: No total em 2017, 143 mil denúncias foram recebidas, 8% a mais que em 2016. No ano passado, novos canais de denúncia aumentaram a procura, como explica a ouvidora.

 

Ouvidora Nacional de Direitos Humanos - Érica Queiroz: Esse ano houve um incremento de quase 1.000% no canal da internet e de quase 600% no canal do aplicativo.

 

Repórter Raquel Mariano: O ministro de Direitos Humanos, Gustavo Rocha, diz que denunciar é fundamental para garantia dos direitos.

 

Ministro de Direitos Humanos - Gustavo Rocha: A pessoa tem que se sentir acolhida e a resposta tem que ser imediata, independente da vítima ou independente da denúncia.

 

Repórter Raquel Mariano: Quem presenciar um caso de violação de direitos humanos e quiser fazer a denúncia pode procurar a página na internet humanizaredesredes.gov.br ou pode usar o aplicativo Proteja Brasil ou pode ligar para o Disque 100. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gabriela: Você vai ouvir ainda hoje.

 

Nasi: A equipe da Voz do Brasil está em Roraima.

 

Gabriela: E acompanha o início de mais um processo de deslocamento de imigrantes venezuelanos.

 

Nasi: Em outros estados eles têm a experiência de um emprego e a oportunidade de começar uma nova vida.

 

"Momento Social".

 

Gabriela: O aumento do Bolsa Família é o assunto de hoje do nosso quadro.

 

Nasi: Quem pergunta é a Ruth de Araújo, de Minas Gerais. O ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, responde.

 

Participante da Voz do Brasil - Ruth de Araújo: Olá, ministro. O meu nome é Ruth, eu moro em Minas, no município de Chalé. Eu gostaria de saber do senhor se o reajuste da Bolsa Família vai ser esse mês ou só em julho.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Ruth, o reajuste do Bolsa Família, concedido recentemente pelo presidente Temer, passa a vigorar a partir da folha de julho de 2018. Na média dos benefícios esse percentual representa 5,67% a mais no benefício médio das famílias beneficiárias do Bolsa Família. O fato é que esse reajuste recompõe as perdas inflacionárias, recompõe e reconstrói o poder de compra de alimentos, especialmente do benefício básico. Nos governos anteriores esse benefício tinha uma queda, estava em valores negativos no seu poder de compra de alimentos. Nesse governo nós vamos chegar a quase 20% de crescimento do poder de compra de alimentos com benefício básico do Bolsa Família. Isso é um grande avanço, é um fortalecimento do Bolsa Família. Mas, sobretudo, esses R$ 684 milhões que serão colocados a mais na folha do Bolsa até o final do ano vão ajudar a rodar a economia em cada município, em cada local, aquecendo os pequenos negócios, o pequeno comércio, e gerando um círculo virtuoso de desenvolvimento social.

 

Gabriela: E se você também tem alguma pergunta sobre programas sociais manda para a gente.

 

Nasi: Pode ser por e-mail no endereço voz@ebc.com.br e tem também o nosso Facebook: facebook.com/Bolsa Família.

 

Gabriela: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil sempre na quinta-feira. Participe!

 

Nasi: O Governo Federal está começando a transferir mais um grupo de venezuelanos que estão em Roraima para outros estados do Brasil.

 

Gabriela: Desta vez os destinos são Manaus e São Paulo. A repórter Gabriela Noronha está em Boa Vista, capital de Roraima, acompanhando os preparativos, e fala com a gente ao vivo. Boa noite, Gabriela.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. Boa noite, ouvintes da Voz do Brasil. Nós chegamos hoje pela manhã aqui a Boa Vista, Roraima, para acompanhar a segunda fase de interiorização de imigrantes vindos da Venezuela. Nessa sexta-feira, cerca de 230 venezuelanos partiram logo cedo em um avião da Força Aérea Brasileira com destino a abrigos em Manaus e São Paulo. Eu conversei, agora há pouco, com a Rosa Betina, uma mulher de 41 anos, que vai para Manaus com o marido e três filhos. Ela chegou no Brasil há quatro meses, e como tantos outros venezuelanos, veio fugindo da crise do país. Rosa me contou que está muito animada com a viagem e espera encontrar um futuro [fala no áudio].

 

Imigrante Venezuelana - Rosa Betina: Eu espero um futuro para a minha filha, para trabalhar, que me ajudem a trabalhar, a conseguir um trabalho.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): Há cerca de 3 mil venezuelanos em abrigos de Boa Vista e Pacaraima, na fronteira com a Venezuela. Segundo Viviane Esse, da Casa Civil, da Presidência da República, os [falha no áudio] imigrantes receberam informações sobre mercado de trabalho [falha no áudio] das cidades de destino para poder decidir se queriam ou não a transferência. Todos aceitaram de forma voluntária o processo de interiorização. A ideia é que eles tenham acesso a oportunidades de trabalho em outras localidades do Brasil. São cidadãos que estão em situação de vulnerabilidade, que solicitaram refúgio ou têm residência temporária no Brasil. Viviane Esse explica como é a preparação dos que decidem aderir ao processo.

 

Assessora da Casa Civil - Viviane Esse: Decidido que eles vão participar do processo de interiorização, aí eles passam por um processo de regularização migratória. Os que ainda não têm, a gente faz uma força-tarefa para auxiliar a regularização migratória junto à Polícia Federal, a obtenção do CPF na Receita Federal e Carteira de Trabalho. Também eles passam por uma avaliação médica. No embarque tem um médico e um enfermeiro que acompanha, principalmente nesse voo que tem bastante crianças, e também a questão de vacinação: febre amarela nos estados onde há necessidade, tríplice viral e tríplice bacteriana.

 

Repórter Gabriela Noronha (ao vivo): A primeira fase da interiorização foi realizada em 5 e 6 de abril, quando 256 venezuelanos foram para São Paulo e Cuiabá, no Mato Grosso. Ao vivo, de Boa Vista, em Roraima, Gabriela Noronha.

 

Nasi: Deputados e senadores aprovaram, na noite de ontem, um projeto elaborado pelo Governo Federal para realocar mais de R$ 1 bilhão do orçamento para o Fundo de Garantia à Exportação.

 

Gabriela: O dinheiro vai ser usado para cobrir um calote dado por Venezuela e Moçambique em empréstimos tomados junto a bancos públicos. O repórter Nei Pereira explica.

 

Repórter Nei Pereira: Agora o Governo Federal está autorizado a realocar R$ 1,160 bilhão do orçamento para o Fundo de Garantia à Exportação. Para comprar produtos brasileiros, empresas da Venezuela e de Moçambique usaram o fundo, que funciona como uma espécie de fiador junto a bancos estatais e privados. Como os dois países não pagaram as dívidas feitas por obras e serviços contratados, o fundo precisou ser acionado. Para o governo brasileiro foi preciso fazer o pagamento para que o Brasil não perdesse credibilidade internacional. O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que a aprovação do projeto foi importante para manter o ritmo das exportações.

 

Ministro da Secretaria de Governo - Carlos Marun: Neste momento o principal era honrarmos o compromisso estabelecido pelo nosso Fundo Garantidor. Vai permitir que as exportações brasileiras sigam no ritmo acelerado como o que hoje está acontecendo e que o Brasil mantenha a credibilidade nacional e internacional.

 

Repórter Nei Pereira: A proposta aprovada pelo Congresso Nacional não cria novas despesas para o governo, mas, sim, realoca recursos já previstos no orçamento. O projeto segue agora para sanção do presidente Michel Temer. O Brasil tem até terça-feira para pagar as parcelas atrasadas de Venezuela e Moçambique. Se não fizer isso será considerado inadimplente. Reportagem, Nei Pereira.

 

Nasi: Brasil e Suíça assinaram hoje uma convenção para ampliar a cooperação na área fiscal. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Na prática, a convenção vai estabelecer as responsabilidades e deveres de cada parte, restringir a chamada dupla tributação, ou seja, o pagamento de impostos nos dois países, e, ainda, garantir maior segurança aos negócios, como explica o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid.

 

Secretário da Receita Federal - Jorge Rachid: Olha, ficou estabelecido que, por exemplo, a alíquota aplicável de uma relação entre serviços é X por cento. Os dois países concordaram com essa alíquota, não é? Então, isso na nossa perspectiva é um acordo que vai gerar mais estabilidade e vai ter mais investimento, vai ter mais segurança em relação a isso.

 

Repórter Pablo Mundim: Atualmente, a Suíça é o sexto país no ranking de maiores investidores no Brasil. Para o embaixador suíço Andrea Semadeni, a falta de um acordo era uma reclamação das empresas suíças instaladas no Brasil.

 

Embaixador - Andrea Semadeni: Elas são muitas. Têm umas 370 hoje, das maiores, e são também as pequenas, são também pessoas que têm hotéis, que tem empresas mais familiares.

 

Repórter Pablo Mundim: Para entrar em vigor, a convenção precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Gabriela: Um incentivo a professores que se destacam por inovações na forma de ensinar.

 

Nasi: Este é o Prêmio Professores do Brasil, que está com as inscrições abertas até o dia 28 de maio.

 

Gabriela: O objetivo é divulgar e reconhecer o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria do ensino nas salas de aula.

 

Repórter Cleide Lopes: Quem não se lembra da primeira professora e da importância dela nos primeiros passos na escola? O Prêmio Professores do Brasil, criado há 13 anos pelo Ministério da Educação, tem exatamente o intuito de reconhecer nacionalmente a importância desses disseminadores de conhecimento, como explica o coordenador-geral de Apoio a Certames e Programas Especiais do Ministério, Joselino Goulart Júnior.

 

Coordenador-Geral de Apoio a Certames e Programas Especiais do Ministério da Educação - Joselino Goulart Júnior: É reconhecer o trabalho que é feito nas salas de aula, as experiências que os professores têm no seu dia a dia e estimular que eles divulguem seu trabalho com o intuito de estimular outros professores a realizar trabalhos parecidos em realidades próximas.

 

Repórter Cleide Lopes: O professor de biologia Leonardo Ratame e sua turma ganharam o prêmio no ano passado com o 'Projeto Agrourbano - Plantando Água', desenvolvido numa escola pública de Riacho Fundo, a 35 quilômetros de Brasília. O projeto, segundo o professor Leonardo, tem um impacto direto na comunidade.

 

Professor - Leonardo Ratame: Vários relatos de vários vezes alunos que usam, assim, várias tecnologias que eles viram aqui na escola, falam sobre como estão economizando a água em suas casas. A conscientização em relação ao desperdício da água. Isso mudou bastante.

 

Repórter Cleide Lopes: Para a aluna Natália Alcione Cabral o que se apreende na escola é multiplicado na comunidade e levado por toda a vida.

 

Aluna - Natália Alcione Cabral: Desde sempre para mim foi muito importante toda essa questão de proteger a natureza. Com esses projetos eu pude ter uma visão do que eu posso fazer.

 

Repórter Cleide Lopes: As inscrições para a 11ª edição do Prêmio Professores do Brasil já estão abertas. E podem participar professores de educação básica da rede pública de todo o país. A premiação será em agosto. E os interessados podem se inscrever até o dia 28 de maio pela internet, na página www.professoresdobrasil.mec.gov.br. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".