04 de dezembro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: Mais famílias recebem a chave da casa própria: programa Avançar finaliza obras paradas e entrega moradias em todo o país. Segundo o presidente Michel Temer, 25 mil casas serão entregues até dezembro. AGU continua negociações para fechar acordo sobre perdas da poupança em planos econômicos. Ministros sobrevoam cidades de Minas Gerais que sofrem com as fortes chuvas. Amazonas, Amapá e parte do Pará recebem certificado de zona livre de aftosa com vacinação.

audio/mpeg VOZ041217.mp3 — 46762 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Segunda-feira, 4 de dezembro de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Mais famílias recebem a chave da casa própria

 

Nasi: É o Programa Avançar, que finaliza obras paradas e entrega moradias em todo o país.

 

Gabriela: E segundo o Presidente Michel Temer, 25 mil casas serão entregues até dezembro.

 

Presidente Michel Temer: Nós pegamos as obras inacabadas e tocamos para frente, como vamos tocar para frente neste ano mais 7 mil obras que vamos entregar até o final de 2018.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: AGU continua negociações para fechar acordo sobre perdas da Poupança em planos econômicos. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: A ideia é colocar um ponto final em quase 1 milhão de processos que tramitam na justiça por quase 30 anos. Daqui a pouco eu volto com mais informações.

 

Nasi: E ministros sobrevoam cidades de Minas Gerais que sofrem com as fortes chuvas.

 

Gabriela: Amazonas, Amapá e parte do Pará recebem certificado de zona livre de aftosa com vacinação.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E, para assistir a gente, ao vivo, internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Nasi: Novecentas famílias das cidades de Limeira e Americana, no interior de São Paulo, receberam as chaves da casa própria no último final de semana.

 

Gabriela: As moradias são do Minha Casa, Minha Vida, entregues com a retomada de obras pelo Programa Agora É Avançar, que deve finalizar mais de 7 mil obras em todo o país.

 

Nasi: A entrega foi feita pelo Presidente Michel Temer, que também anunciou a entrega de outras 25 mil moradias até o final do dezembro.

 

Repórter Caroline Blauth: Os dias na casa do pai já estão contados.

 

Manicure - Michele Cristina Borges: Tchau, pai.

 

Entrevistado: Tchau, filha.

 

Manicure - Michele Cristina Borges: Muito obrigada por tudo.

 

Entrevistado: Boa sorte para você.

 

Repórter Caroline Blauth: Móveis, caixas e sacolas. Michele Cristina Borges e o filho Eduardo já estão com tudo pronto, o destino?

 

Manicure - Michele Cristina Borges: Vida Nova.

 

Repórter Caroline Blauth: A manicure de 33 anos agora terá a casa própria, ela acaba de receber um dos 896 apartamentos do Residencial Vida Nova, entregues pelo Governo Federal por meio do programa Minha Casa, Minha Vida, em Americana, a 120 quilômetros de São Paulo.

 

Manicure - Michele Cristina Borges: Esse programa vem nos ajudar a gente conseguir obter nosso próprio lar, né? Tá certo que não é de graça, nós vamos pagar e também o valor não é absurdo assim, ainda cabe do bolso de todo mundo.

 

Repórter Caroline Blauth: O novo apartamento tem dois quartos, sala, cozinha, área de serviço e banheiro, tudo revestido em cerâmica. E o Dudu ainda vai poder aproveitar o parque infantil e a quadra de esportes. O condomínio é todo pavimentado e conta com iluminação, drenagem e rede de esgoto. E toda essa estrutura em Americana também está a 30 quilômetros, em Limeira. No Residencial Rubi são 900 casas, onde vão morar mais de 3.600 pessoas. E quem em filho ainda terá um benefício a mais, uma creche que deve atender 400 crianças. Os mais de 7 mil moradores das duas cidades paulistas receberam as chaves das mãos do Presidente Michel Temer, que ressaltou o quanto foi feito no seu governo.

 

Presidente Michel Temer: Neste nosso Programa Avançar nós pegamos as obras inacabadas, presididas por Moreira Franco, nós pegamos as obras inacabadas e tocamos para frente. Como vamos tocar para frente neste ano, não é, Moreira? Mais 7 mil obras inacabadas que vamos entregar até o final de 2018.

 

Repórter Caroline Blauth: E depois da casa arrumada, o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Moreira Franco, garante que a meta do governo é não parar mais.

 

Secretaria Geral da Presidência da República - Moreira Franco: São obras grandes, obras médias e obras pequenas que ajudam, que estarão presentes melhorando a vida da população.

 

Repórter Caroline Blauth: Por isso, o presidente Caixa Econômica, Gilberto Occhi, anunciou que mais gente terá a felicidade de passar o Natal em um novo lar.

 

Presidente Caixa Econômica - Gilberto Occhi: Tem 25 mil unidades ainda para entregar só esse mês de dezembro, e nós esperamos que possamos entregá-las ainda antes do Natal.

 

Repórter Caroline Blauth: Para o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, todas essas entregas refletem o sinal concreto da ação social do governo.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: É um governo que não só coloca o país para funcionar, como esta obra do hoje, mas, principalmente começa a colocar todos os brasileiros com oportunidade de ter seu emprego e progredir, crescer mais.

 

Repórter Caroline Blauth: Além no Minha Casa, Minha Vida, o Programa Avançar tem, só no estado no Estado de São Paulo, 722 projetos com previsão de investimento de mais de R$ 16 bilhões até o fim do ano que vem. Entre as principais obras estão o Rodoanel Norte, a urbanização do entorno das represas Guarapiranga e Billings, o Corredor de Ônibus Leste-Oeste de São Bernardo, e a dragagem do Porto de Santos. De Americana, São Paulo, Caroline Blauth.

 

Gabriela: O novo texto da reforma da Previdência propõe uma idade mínima para se aposentar, 65 anos para os homens e 62 para as mulheres.

 

Nasi: Também estabelece uma contribuição de, no mínimo, 15 anos ao INSS. Além disso, para quem recebe o BPC e para os trabalhadores rurais, nada muda. O objetivo do governo é acabar com privilégios.

 

Gabriela: E para aprovar essa proposta, as negociações com o Congresso Nacional continuaram no final de semana.

 

Nasi: Ontem, o Presidente Michel Temer se reuniu com parlamentares e líderes de partidos aliados.

 

Gabriela: E hoje, depois das reuniões, o ministro da Fazenda se mostrou mais otimista com a possibilidade de votar a reforma ainda este ano.

 

Repórter Natália Melo: O Brasil vive um ciclo de crescimento sustentável. A declaração foi dada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em evento com economistas no Rio de Janeiro. Meirelles comentou o resultado do Produto Interno Bruto, o PIB, no terceiro trimestre deste ano. O ministro também defendeu reformas estruturais, como a da Previdência, para que a o país continue a crescer. Segundo Meirelles, o governo está comprometido com a aprovação da medida e a expectativa é de votação ainda este ano.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Houve um comprometimento muito grande de todos os partidos da base, das lideranças, com a reforma, porque todos entenderam a necessidade de se fazer.

 

Repórter Natália Melo: No fim de semana, o Presidente Michel Temer também voltou a defender a reforma da Previdência. Segundo ele, as mudanças nas regras vão garantir nos próximos dez anos, uma economia de mais ou menos, R$ 480 bilhões.

 

Presidente Michel Temer: A sociedade começa a compreender a importância da previdência, especialmente que ela não causa prejuízo aos mais carentes. Você sabe que nós tiramos os trabalhadores rurais, tiramos o Benefício de Prestação Continuada, os idosos e deficientes, e outros tantos, né? Então, ela só quebra os privilégios.

 

Repórter Natália Melo: Segundo o ministro Henrique Meirelles, o governo também continua trabalhando na criação de uma agenda para aumentar a produtividade do país. De acordo com o ministro, a queda da inflação, a retomada de empregos e os juros mais baixos são alguns dos resultados da política econômica adotada pelo governo. Reportagem, Natália Melo.

 

Nasi: A Advocacia-Geral da União está reunida, mais uma vez, com representantes de bancos e poupadores para fechar o acordo sobre as perdas causadas pelos planos econômicos das décadas de 1980 e 90.

 

Gabriela: O repórter Pablo Mundim está na Advocacia-Geral da União e traz, ao vivo, as últimas informações. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. A reunião aqui na Advocacia-Geral da União ainda não terminou. A Associação De Poupadores, o Instituto de Defesa do Consumidor e a Federação Brasileira dos Bancos estão aqui para tentar colocar um ponto final em quase 1 milhão de processos individuais e coletivos que tramitam na justiça em quase 30 anos. A reclamação é pelas perdas monetárias e com o fisco na caderneta de poupança nos planos econômicos Bresser, Verão, Collor 1 e 2, nas décadas de 1980 e 90. A Advocacia-Geral da União, que está mediando a negociação, informou que para fechar o acordo faltam ser definidos alguns pontos como, por exemplo, quais serão as taxas fixas que serão usadas pelos bancos para ressarcir essas perdas e quais os limites dos valores para os pagamentos à vista e a prazo. Outro ponto que ainda não foi definido é sobre os beneficiários. AGU tem defendido que devem receber as perdas econômicas apenas os correntistas que têm ação na justiça. Ao todo, foram mais de 40 reuniões para tentar chegar a um acordo. Caso ele seja fechado, ainda precisa ser aprovado pelo Supremo Tribunal Federal. Durante a cerimônia do programa Minha Casa, Minha Vida, realizada no sábado, em Limeira, São Paulo, o Presidente Michel Temer disse que este acordo pode injetar R$ 12 bilhões.

 

Presidente Michel Temer: Veja a história dos planos econômicos antes que houve mais 1,5 milhão ações no Judiciário, 1,2 milhão ações no Judiciário, que nós estamos solucionando. É muito possível que na semana que vem o Supremo acabe por homologar uma petição que a União Federal vai dar entrada. E, homologado, nós eliminamos mais de 1 milhão de processos que estão em andamento, e, além disso, injetamos praticamente R$ 12 bilhões na economia.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): A expectativa do governo é de que seja possível apresentar o acordo para aprovação do STF ainda este ano. Ao vivo, Pablo Mundim.

 

Nasi: As chuvas que passaram por Minas Gerais nos últimos dias deixaram estragos em cidades da região metropolitana da capital e também no leste do estado.

 

Gabriela: Ao todo, setes municípios decretaram situação da emergência.

 

Nasi: Segundo a Defesa Civil do Estado, duas pessoas morreram por causa dos temporais e três seguem desaparecidas.

 

Gabriela: Dois ministros sobrevoaram cidades alagadas hoje. A repórter Bruna Saniele tem as informações sobre o apoio do governo.

 

Repórter Bruna Saniele: O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, e o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, estiveram em Minas Gerais, hoje, para discutir a situação dos municípios do estado atingidos pelas chuvas e a liberação de recursos federais para auxiliar na reconstrução das cidades. Após se reunirem com autoridades em Belo Horizonte, os ministros seguiram para Ribeirão das Neves, na região metropolitana da capital, onde visitaram uma escola e uma unidade de saúde danificadas pelos temporais. Segundo informações da Defesa Civil de Minas Gerais, sete cidades, Caeté, Pedro Leopoldo e Ribeirão das Neves, no entorno de Belo Horizonte, além de Rio Casca, Abre Campo e municípios vizinhos, no leste de Minas, estão em situação emergência por causa das chuvas. O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, explicou que governo está aguardando reconhecimento nacional da situação de emergência para viabilizar recursos para a reconstrução. Ribeirão das Neves, que já está com essa situação reconhecida, será a primeira a receber o dinheiro.

 

Ministro da Integração Nacional - Helder Barbalho: A partir de amanhã Ribeirão das Neves já estará a sua situação reconhecida, o município é o que está mais adiantado nestas informações. E, na sequência, nós estaremos recebendo várias demandas financeiras, primeiro para restabelecer a normalidade destes municípios, e, em seguida, viabilizar recursos para a reconstrução e trazer, claro, a todas essas cidades a plena normalidade para a população local.

 

Repórter Bruna Saniele: E segundo informação da Defesa Civil de Minas Gerais, devido à atuação de uma zona de convergência do atlântico sul, nos próximos dias ainda haverá muitas áreas de instabilidade e ocorrência de chuvas em praticamente todo o estado. Reportagem, Bruna Saniele.

 

Nasi: E se chove muito em algumas regiões do país, em outras a seca castiga os brasileiros.

 

Gabriela: Nos últimos 14 anos, secas e estiagens levaram mais de 2.700 municípios a decretarem situação de emergência ou estado de calamidade pública.

 

Nasi: Os dados são do relatório divulgado hoje pela ANA, a Agência Nacional de Águas.

 

Repórter Mara Kenupp: Janeiro de 2017, os recursos hídricos no Distrito Federal entram em situação crítica e começa o racionamento em sistema de rodízio. Três milhões de moradores convivem há dez meses com a seca parcial das torneiras. Os simples afazeres de casa precisam ser planejados. E foi isso que mudou a rotina do bombeiro militar Josemar de Souza, ele improvisou um laboratório no quarto e criou um aparelho que reutiliza a água que enxágua as roupas, tudo para economizar.

 

Bombeiro militar - Josemar de Souza: Fui chamado a atenção várias vezes pela minha esposa pela bagunça, né? Minha filha também às vezes ficava um pouco desconfortável, mas, enfim, eu já tenho esse equipamento instalado em quatro residências e tem funcionado muito bem.

 

Repórter Mara Kenupp: Em todo o país, de 2013 a 2016, 48 milhões de brasileiros foram afetados por secas. Os dados são do relatório da ANA, Agência Nacional de Águas, e mostra que nos últimos 14 anos as secas e estiagens levaram mais de 2.700 municípios a decretarem situação de emergência ou estado de calamidade pública, sendo a maioria as cidades do Nordeste. Para outros, o problema é contrário, quase metade dos municípios brasileiros já declararam emergência por conta de cheias, 55% deles no Sudoeste ou no Sul, como explica o especialista em recursos hídricos da ANA, Alexandre Teixeira.

 

Especialista em recursos hídricos da ANA - Alexandre Teixeira: A realidade do semiárido, com a realidade do Centro-Oeste, a realidade da região Norte, as regiões, metropolitanas do Sul do país são totalmente diferentes. Então, buscar soluções regionalizadas é uma questão apontada também no relatório a partir de uma reflexão sobre política nacional de recursos hídricos.

 

Repórter Mara Kenupp: A publicação da ANA também informa que secas e cheias representaram 84% dos quase 39 mil desastres naturais de 1991 a 2012, afetando 127 milhões de brasileiros. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Gabriela: 19h15 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: E tem pequenas empresas brasileiras abrindo portas em outros países.

 

Gabriela: Daqui a pouco vamos falar do apoio do governo a startups que estão sendo apresentadas ao mercado francês.

 

Nasi: Amazonas, Amapá e uma parte do Pará receberam o certificado de zona livre de aftosa com vacinação do Ministério da Agricultura.

 

Gabriela: De acordo do ministro Blairo Maggi, a medida abre as portas para que a região esporte carne para diversas partes do mundo, trazendo renda para os produtores.

 

Nasi: A expectativa é que a Organização Mundial de Saúde Animal faça o reconhecimento internacional da condição sanitária dessas regiões em maio do ano que vem.

 

Gabriela: Pessoas com deficiência auditiva devem ter tradução de Libras nas telefonias móvel e fixa.

 

Nasi: E como isso deve ser feito? É o que a gente vai saber agora no nosso quadro Pra Você, Cidadão.

 

"Pra Você, Cidadão".

 

Repórter Daniel Costa: Pessoas surdas e com deficiências auditivas vão ter acesso aos serviços de intérpretes da Língua Brasileira de Sinais, conhecida como Libras, pelas empresas de telefonia móvel e fixa. Ao acessar os portais das empresas, os usuários podem realizar videochamadas por computador, tablet ou smartphone. A novidade tem previsão no Regulamento Geral de Acessibilidade da Agência Nacional de Telecomunicação, Anatel. A medida entrou em vigor no dia 1º de dezembro deste ano. Os usuários também podem recorrer a um número de telefone 142. Neste número os usuários são atendidos por uma central de intermediação de comunicação, os atendentes auxiliam a comunicação por meio de voz ou mensagens de texto. Esses serviços estão disponíveis 24 horas e não geram custos adicionais. Todos os canais de atendimento das empresas também devem ser apresentados de modo acessível. Daniel Costa para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: Você sabia que 27% dos brasileiros têm entre 15 e 29 anos?

 

Nasi: Pois é, os desafios e o trabalho do governo para atender os mais 51 milhões de jovens no país foram tema de uma entrevista do secretário nacional de Juventude, Assis Filho, para o programa 'Por Dentro do Governo', transmitido pela Rede Nacional de Rádio e a TV NBR.

 

Repórter Raíssa Lopes: Entre as ações do governo para os brasileiros entre 15 e 29 anos, o secretário nacional de Juventude, Assis Filho, citou o Brasil Mais Jovem, programa que reúne mais de 90 medidas de 13 ministérios. Entre elas está a Identidade Jovem. Para o secretário, esta ação, que completa um ano esta semana, amplia o acesso dessa parte da população ao transporte e à cultura.

 

Secretário nacional de Juventude - Assis Filho: Através do programa ID Jovem nós temos a garantia de acesso à meia-entrada para jovens de baixa renda do Brasil e também a transportes interestaduais gratuitos e com desconto. Em um ano já são quase meio milhão de jovens atendidos diretamente pela Identidade Jovem. É uma política pública nova e inovadora que se estende por todo país através da Caravana do ID Jovem. Toda a equipe da Secretaria Nacional de Juventude participa desses lançamentos com estados e municípios no objetivo de disseminar esse programa, chegar ao conhecimento do jovem, que é o público alvo, para que ele tenha acesso a essa importante política social do governo.

 

Repórter Raíssa Lopes: Durante o programa, Assis Filho falou que a secretaria vai divulgar no dia 11 de dezembro o Índice de Vulnerabilidade Jovem. O documento vai reunir dados de 304 municípios brasileiros e trazer números sobre a violência que atinge jovens negros e a vulnerabilidade das mulheres jovens. Outra novidade vai ser o lançamento do Plano Nacional de Desenvolvimento de Startups para a Juventude. A ideia é inserir os jovens no mercado de trabalho por meio dessas empresas de tecnologia. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: Quatorze startups brasileiras estão em Paris, a capital francesa.

 

Nasi: Os novos empresários receberam treinamento e viajaram com apoio do governo para fechar negócios internacionais.

 

Gabriela: É o Programa StartOut Brasil, que vai internacionalizar empresas brasileiras.

 

Repórter Alessandra Bastos: Levar startups brasileiras para fechar negócios em outros países. Esse é o objetivo do StartOut Brasil, programa dos Ministérios das Relações Exteriores e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. A ideia é fortalecer essas empresas para competir no mercado internacional, como explica Igor Nazareth, diretor de inovação e propriedade intelectual do MDIC.

Diretor de inovação e propriedade intelectual do MDIC - Igor Nazareth: O programa StartOut, ele tem como um dos principais objetivos mudar o 'mindset' das nossas startups. Hoje, as startups brasileiras, elas pensam muito no mercado local, no mercado... conquistar o mercado regional para depois expandir para o mercado nacional, e elas não olham para fora.

 

Repórter Alessandra Bastos: Fernanda Kekimoto é dona de uma startup que fabrica produtos para aplicação em tecidos como repelentes. Já são mais de 200 pontos de venda no Brasil e muitos planos de expandir o mercado. A empresa de Fernanda já faz parte das 14 startups brasileiras que estão nesta semana na França, para conhecer o mercado, e, quem sabe, fechar parcerias.

 

Dona de startup - Fernanda Kekimoto: Com certeza nós vamos sair daqui com muito mais bagagem de informação, com muito mais tecnologia e conhecimento para poder exportar, com pessoas do governo que possam nos apoiar e nos estruturar para poder fazer mais negócios no Brasil e fora do Brasil.

 

Repórter Alessandra Bastos: E mais do que inserir as empresas no mercado internacional, o programa prepara esses pequenos empresários com um treinamento e apoio à comercialização. Eles viajam de graça, com tudo pago pelo governo brasileiro, e já com uma rede de contatos e encontros agendados. Para Luiz Carlos de Carvalho, coordenador de atração de investimento estrangeiros da Apex-Brasil, essas ações podem mudar o perfil no empreendedor dessas startups.

 

Coordenador de atração de investimento estrangeiros da Apex-Brasil - Luiz Carlos de Carvalho: A ideia é que a gente possa preparar essas empresas para terem planos de negócios robustos, sustentáveis, que possam ser apresentadas a grandes investidores para que, assim, elas possam ser investidas, crescerem, ampliarem seus mercados e dessa forma gerar mais empregos e mais renda.

 

Repórter Alessandra Bastos: O StartOut Brasil vai levar, por ano, 60 empresas para conhecer mercados estrangeiros. Ano que vem vão ser realizadas missões em Berlim, Miami e Lisboa. Para participar, a startup precisa ter equipe fluente em inglês e faturar ou ter recebido investimento, de preferência, superior a R$ 500 mil. Com reportagem de Beatriz Albuquerque, locução, Alessandra Bastos.

 

Nasi: O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho, o Caged, sofreu mudanças com a entrada na nova legislação trabalhista.

 

Gabriela: O Caged é o termômetro do mercado de trabalho formal no país.

 

Nasi: Por isso, a partir de agora, o empregador terá que informar também sobre o trabalho intermitente, parcial, teletrabalho, desligamento por acordo. A reportagem Beatriz Albuquerque explica.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Com a mudança, o empregador terá de fornecer mais informações sobre os funcionários. Essa medida tem o objetivo de adequar o cadastro à nova lei trabalhista, garantindo ao trabalhador mais proteção em questões como jornada parcial e intermitente e desligamento por acordo, é o que explica Mário Magalhães, coordenador de estatísticas do Ministério do Trabalho.

 

Coordenador de estatísticas do Ministério do Trabalho - Mário Magalhães: O Caged é o instrumento, por excelência, que o governo utiliza para planejar e acompanhar a fiscalização das empresas, né? E, nesse sentido, informar ao Caged a empresa também se resguarda de estar fazendo contratações que, posteriormente, podem ser questionadas pela fiscalização.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Mário Magalhães alerta sobre a importância de as empresas fazerem um preenchimento correto das informações para não receberem nenhuma sanção.

 

Coordenador de estatísticas do Ministério do Trabalho - Mário Magalhães: O Caged tem duas multas ou por omissão ou por preenchimento incorreto, né? Neste caso existirá sanção pelo preenchimento incorreto do Caged.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: O Caged é a principal fonte de informação do mercado de trabalho e é utilizado pelo governo para acompanhar e fiscalizar os processos de admissão e dispensa de trabalhadores regidos pela CLT. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Gabriela: E o aplicativo Sine Fácil vem aproximando quem procura um emprego das vagas oferecidas nas Agências do Trabalhador.

 

Nasi: Desde o seu lançamento, há seis meses, foram mais de 4 mil contratados por meio da plataforma. São Paulo se destacou pelo maior número de colocações.

 

Gabriela: Nos seis meses de funcionamento, o Sine Fácil encaminhou mais de 200 mil trabalhadores às vagas ofertadas.

 

Nasi: E para ter acesso ao aplicativo é fácil, a plataforma está disponível nos sistemas Android e IOS, de graça, nas lojas virtuais do seu smartphone ou tablet.

 

Gabriela: E o Programa Mais Médicos reabre inscrições para profissionais brasileiros.

 

Nasi: As inscrições são para os médicos formados em instituições de educação superior brasileiras ou com diploma revalidado no país.

 

Gabriela: A chamada vai atender vagas abertas em mais de 500 municípios de todo o Brasil e estarão abertas até amanhã.

 

Nasi: Os profissionais vão poder escolher até quatro cidades de preferência e concorrer às vagas. A partir da segunda semana de janeiro estará prevista a apresentação dos profissionais nos municípios.

 

Gabriela: Mais informações, basta acessar na internet: maismédicos.gov.br.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".