06 de novembro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: Mais 54 mil moradias serão construídas em todo o país. E a prioridade do Minha Casa Minha Vida é atender famílias de baixa renda em pequenos municípios. Segurança reforçada e tranquilidade para mais de 4 milhões de candidatos que fizeram o Enem no domingo. E a redação leva estudantes a refletirem sobre inclusão. Presidente Michel Temer se reúne com lideranças do Congresso. E fala de reformas, importantes para retomada e continuidade do crescimento do país.

audio/mpeg VOZ061117.mp3 — 46912 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que está nos acompanha aí em todo o país.

 

Gabriela: Segunda-feira, 6 de novembro de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Mais 54 mil moradias serão construídas em todo o país.

 

Nasi: E a prioridade do Minha Casa Minha Vida é atender famílias de baixa renda em pequenos municípios.

 

Gabriela: O ministro das Cidades vai dar todos os detalhes em entrevista exclusiva, ao vivo.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Segurança reforçada e tranquilidade para mais de 4 milhões de candidatos que fizeram o Enem no domingo.

 

Nasi: E a redação leva estudantes a refletirem sobre inclusão, Nathália Koslyk.

 

Repórter Nathália Koslyk: Os alunos escreveram sobre os desafios para a formação educacional de surdos no Brasil.

 

Gabriela: Neste momento, o Presidente Michel Temer se reúne com lideranças no Congresso.

 

Nasi: E fala de reformas importantes para a retomada e continuidade do crescimento do país.

 

Presidente Michel Temer: Nós tivemos que vencer uma brutal recessão. E vencida a recessão, o Brasil voltou.

 

Gabriela: Hoje na apresentação na Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Mais de 54 mil famílias vão poder realizar o sonho da casa própria.

 

Nasi: É que o governo anunciou hoje a contratação para construção de novas moradias do Minha Casa Minha Vida.

 

Gabriela: Vão ser casas e apartamentos destinados a famílias de baixa renda, que ganham até R$ 1,8 mil por mês.

 

Nasi: E para falar mais sobre o Minha Casa Minha Vida, a gente recebe aqui no estúdio da Voz do Brasil o ministro das Cidades, Bruno Araújo. Boa noite, ministro.

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Boa noite, Nasi. Boa noite, Gabriela. Boa noite a todo o Brasil. É um prazer enorme estarmos aqui.

 

Nasi: Ministro, com o anúncio do hoje o governo está cumprindo a meta de casas contratadas pelo programa para este ano?

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Isso, são, com o anúncio de hoje, 54.089 unidades. Nós totalizamos 92 mil unidades na faixa do Minha Casa Minha Vida que é feita para a população que mais precisa, são aquelas 92 mil casas que recebem praticamente 95% de subsídio, praticamente dada, na sua plenitude, à população mais pobre do país. Significa, além de realizar o sonho de mais de 300 mil pessoas, homens e mulheres, brasileiros e brasileiras, poder também gerar 140 mil empregos no país.

 

Gabriela: Ministro, neste ano o governo anunciou algumas mudanças nas regras do Minha Casa Minha Vida para que cidades com menos de 50 mil habitantes pudessem ser atendidas. As políticas de habitação do governo estão chegando à população desses municípios?

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Isso que é uma grande diferença. Nós permitimos que o Minha Casa Minha Vida pudesse atender agora os municípios com menos de 50 mil habitantes. Para você ter uma ideia, Gabriela, nesse anúncio, 337 municípios são atendidos, dos quais 205 municípios têm menos de 50 mil habitantes, ou seja, nós democratizamos a chegada do Minha Casa Minha Vida nos menores municípios brasileiros, espalhando em todo território nacional. Significa que todos têm a oportunidade de sonhar com a sua casa própria.

 

Nasi: Ministro, o senhor já falou, mas o senhor poderia dar mais detalhes sobre a questão da geração de empregos na construção dessas casas?

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Claro, com o anúncio de hoje nós vamos para 92 mil unidades no Brasil inteiro, significa praticamente 140 mil empregos que vão ajudar a gerar divisas e rendas. Se pegarmos um município pequeno, como São Joaquim do Monte, lá em Pernambuco, só são cem unidades, mas são R$ 7,5 milhões de investimento. A renda inteira do município do ano deve ser em torno de R$ 8 milhões a R$ 9 milhões, a receita do município. Então, imagine toda uma receita nova gerando emprego, renda, divisas e alimentando e entregando o sonho da casa própria.

 

Gabriela: Ministro, a gente recebe muitas perguntas de ouvintes que querem saber sobre o Cartão Reforma. Vamos aproveitar que o senhor está aqui hoje para saber como é que está o programa. Hoje teve novidade não é mesmo?

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Teve, e boa. A gente viu, o cartão começou a funcionar de forma modelo em Caruaru, Pernambuco, mas hoje nós abrimos o sistema para todo o Brasil. A partir de hoje, até o próximo dia 16 de novembro, os 1.600 municípios que estão pré-selecionados pelo critério da lei vão poder agora, se habilitar para o Cartão Reforma. É o início formal do cartão, que agora vai ajudar aqueles brasileiros a reformarem o seu lar, que vivem numa residência precária, que construíram com muito sacrifício, agora vão ter a mão do Governo Federal para, numa contrapartida, em mutirão, comprar o material nas casas de construções e retribuir com a mão de obra, melhorando a qualidade do serviço, a qualidade de vida de suas casas.

 

Nasi: Bem, nós conversamos aqui com o ministro das Cidades, Bruno Araújo. Ministro, muito obrigado pela sua presença aqui do estúdio da Voz do Brasil mais uma vez.

 

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Um prazer enorme. Um abraço a todos.

 

Gabriela: O Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio, mexeu com a rotina de quase 7 milhões de estudantes neste final de semana.

 

Nasi: Enquanto os candidatos colocavam no papel meses de muito estudo, o governo reformava a segurança e cuidava de todos os detalhes para que a avaliação ocorresse com tranquilidade.

 

Gabriela: A pontuação do exame dá direito a vagas em universidades públicas, bolsas de estudo em instituições particulares e acesso ao Fies.

 

Nasi: Quem acompanhou esse primeiro dia de provas foi o repórter Paulo La Salvia.

 

Repórter Paulo La Salvia: Expectativa na chegada ao Exame Nacional do Ensino Médio, foi o que afirmou a estudante Renata Calbe.

 

Estudante - Renata Calbe: Ah, estou bem nervosa, assim, mas acho que vai dar tudo certo.

 

Repórter Paulo La Salvia: Além da redação, o primeiro domingo do Enem cobrou conhecimentos em português, literatura, artes e uma língua estrangeira, inglês ou espanhol, e em ciências humanas, que reúne questões de história, geografia, filosofia e sociologia. Douglas Ribeiro disse que segue uma estratégia para responder as perguntas, que passa pelo tema da redação.

 

Entrevistado - Douglas Ribeiro: Vou dar uma olhada no tema, fazer a prova, ver se as questões têm a ver com a redação e depois eu vou, eu faço a redação.

 

Repórter Paulo La Salvia: Estratégias à parte, a sorte foi lançada com o fechamento dos portões.

 

"Corre! Corre! Dá tempo! Dá tempo!".

 

Repórter Paulo La Salvia: Já com os portões novamente abertos, as impressões variaram em relação ao conteúdo cobrado. A corretora de seguros Thai Vanessa dos Santos, classificou a prova como tranquila.

 

Corretora de seguros - Thai Vanessa dos Santos: Tranquila, foi, assim, temas bem da atualidade mesmo e coisas que no Ensino Médio você acaba aprendendo.

 

Repórter Paulo La Salvia: Já o estudante Felipe Lopes, viu que precisa estudar mais.

 

Estudante - Felipe Lopes: As questões foram bem elaboradas, difícil entendimento pelo fato de eu estar no segundo ano do Ensino Médio.

 

Repórter Paulo La Salvia: Para a realização do exame um forte aparato de segurança foi montado para fiscalizar, acompanhar e garantir que os melhores conquistem a tão sonhada vaga em universidades públicas de todo o país. E de Brasília, o Presidente Michel Temer acompanhou de perto o monitoramento desse primeiro dia de provas.

 

Presidente Michel Temer: É um dos avanços mais extraordinários da educação brasileira, que tem uma capacidade de avaliação extraordinária. E, evidentemente, que essa capacidade de avaliação só chega ao seu final em face desse trabalho conjugado que eu acabei de verificar aqui.

 

Repórter Paulo La Salvia: No fim do exame, o Ministério da Educação atualizou os números, foram 273 candidatos desclassificados por descumprirem as regras do Enem. Já as abstenções, aqueles que não comparecerem, chegaram o 30% dos inscritos. O ministro da Educação, Mendonça Filho, classificou como bem-sucedida a aplicação do exame.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Felizmente tudo dentro do programado, tranquilidade e esquema de segurança funcionando muito bem. Uma clara percepção de satisfação com relação à divisão da aplicação do Enem em dois domingos.

 

Repórter Paulo La Salvia: E no próximo domingo, 12 de novembro, tem mais. Serão aplicadas as provas de conhecimentos em matemática e em ciência naturais. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: E a redação do Enem deste ano levou os estudantes a pensar em propostas para a formação educacional de surdos.

 

Nasi: Um tema que, na prática, exige a união de alunos, professores e gestores em torno deste importante desafio.

 

Gabriela: A prova citou um trecho da Constituição Federal, afirmando que todos têm direito à educação.

 

Nasi: E trouxe também lei de 2002, que determinou a Língua Brasileira de Sinais como segunda língua oficial do Brasil.

 

Repórter Nathália Koslyk: Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil. Este foi o tema da redação do Enem 2017, realizado no último domingo por milhares de estudantes em todo o Brasil. Uma surpresa muito bem recebida pelos candidatos com deficiência, como conta Roberto de Souza Junior, que é intérprete de Libras em Fortaleza, e trabalhou na aplicação das provas.

 

Intérprete em Libras - Roberto de Souza Junior: Eles se sentiram altamente felizes. Era notória a felicidade na cara deles, principalmente quando eles viram o tema da redação, porque aquilo ali era a vivência deles, né?

 

Repórter Nathália Koslyk: E mesmo quem não é portador de deficiência gostou do tema. Jaqueline Lemos, de Sergipe, fala sobre a importância de trazer essa reflexão para a sala de aula.

 

Entrevistada - Jaqueline Lemos: É muito importante trazer esse tema à tona para as pessoas entenderem a necessidade de estabelecer comunicação com todo mundo, né? Não só com os falantes, como com os deficientes auditivos também.

Repórter Nathália Koslyk: Na edição deste ano 4.300 candidatos foram inscritos com deficiência auditiva. Eles puderam contar com a ajuda de tradutores e pela primeira vez fazer uso de videoprova traduzida em Libras. O ministro da Educação, Mendonça Filho, sinaliza algumas políticas públicas para melhorar a inclusão dos deficientes auditivos do meio educacional.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: A gente tem o Instituto Nacional de Surdos, pouco conhecido pela grande maioria das pessoas. Segundo, a gente está ampliando parcerias da TV Escola de acesso à Língua Brasileira de Sinais, e, finalmente, também toda a direção da política pública do Ministério da Educação leva em consideração essa política de afirmação, inclusive, incluindo na base nacional comum curricular a formação adequada de profissionais.

 

Repórter Nathália Koslyk: De acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, mais de 9,5 milhões de brasileiros são surdos ou possuem alguma deficiência auditiva. Reportagem, Nathália Koslyk.

 

Gabriela: E o Governo Federal vai criar um projeto de residência para treinar e qualificar professores da educação infantil.

 

Nasi: O anúncio foi feito hoje pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, em entrevista exclusiva ao programa por Dentro do Governo, transmitido pela TV NBR.

 

Gabriela: Mendonça Filho adiantou que o projeto foi baseado nos moldes da residência médica.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Estamos criando a figura da residência pedagógica, que é, vamos dizer assim, uma novidade interessante, inspirada, inclusive, na residência médica, onde o professor terá, além do acesso ao conhecimento, à educação e à formalização de uma educação visando um bom desempenho dentro da sala de aula, ele... e do ponto de vista teórico, ele terá também aulas práticas e vivência ao lado de um professor mais experiente para que ele possa ter um melhor desempenho.

 

Nasi: O ministro também falou sobre o Financiamento Estudantil. Mendonça Filho diz que, para o ano que vem, o Fies deve oferecer 300 mil novos contratos, sendo 100 mil a juros zero para os mais pobres, com renda de até três salários mínimos.

 

"Entenda a modernização das leis trabalhistas".

 

Gabriela: Há 74 anos era decretada, no Brasil, a Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT.

 

Nasi: Os trabalhadores do país conquistaram mais direitos, como a jornada máxima de oito horas por dia.

 

Gabriela: Eram regras para um país rural, onde a maior parte da população vivia do campo, mas de lá para cá muita coisa mudou.

 

Nasi: Para atualizar as relações de trabalho e gerar empregos que o governo propôs a modernização das leis trabalhistas, que passam a valer a partir do próximo sábado.

 

Gabriela: E nesta semana a Voz do Brasil apresenta uma série de reportagens para explicar essas mudanças.

 

Repórter Luana Karen: Na década em que o mundo conheceu o poder das bombas atômicas, encerrando a Segunda Guerra Mundial, o Brasil inaugurou uma nova era nas relações de trabalho. A professora de história da Universidade de Brasília, Teresa Marques, conta como eram as relações de trabalho naquela época.

 

Professora de história da Universidade de Brasília - Teresa Marques: As pessoas trabalhavam de segunda a sábado, normalmente de 12 até 14 horas em condições insalubres, cansativas, tá? E sem terem perspectivas de ganhos e melhorias de vida.

 

"O Departamento Imprensa e Propaganda vai transmitir a Hora do Brasil neste dia 7 de setembro".

 

Repórter Luana Karen: Setenta e quatro anos separam o Brasil de hoje do país de 1943, quando Getúlio Vargas assinou a Consolidação das Leis do Trabalho. De lá para cá, a capital do país mudou, a televisão estreou no Brasil e transmitiu a chegada do homem à Lua, veio o lançamento de satélites, o computador pessoal, o celular e uma infinidade de eletrônicos que tornaram a vida mais fácil. Para o sociólogo e professor da Universidade de São Paulo, José Pastore, regras da primeira metade do século passado não fazem mais sentido no Brasil de hoje.

 

Sociólogo e professor da Universidade de São Paulo - José Pastore: O trabalho moderno é feito também em jornadas diferenciadas, algumas em tempo integral, outras em tempo parcial, outras com prazo por projetos que tem começo, meio e fim.

 

Repórter Luana Karen: Em setembro, 38,5 milhões de brasileiros tinham emprego com carteira assinada. Com a atualização das leis trabalhistas, o professor da Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo, Hélio Zylberstajn, espera que mais gente passe a contar com proteção de direitos.

 

Professor da Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo - Hélio Zylberstajn: A reforma trabalhista foi feita para que o mercado de trabalho funcione melhor, com menos custos de transação. Agora, se ela der certo, o clima dentro das empresas vai melhorar, as empresas vão poder motivar melhor os trabalhadores e nós vamos ganhar em produtividade. E mais produtividade significa crescimento e significa mais emprego. Então, lá na frente nós vamos sentir os efeitos da reforma trabalhista na área do emprego.

 

Repórter Luana Karen: A modernização das leis do trabalho também foi bem recebida por quem cuida do direito do trabalhador, como o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Ives Gandra.

 

Presidente do Tribunal Superior do Trabalho - Ives Gandra: Ao suprir a lacunas que a CLT tinha sobre temas, como danos morais, sobre novas tecnologias, o teletrabalho, sobre nova organização e novos contratos, terceirização do trabalho intermitente, com a legislação clara, facilita o julgamento e a justiça ser mais rápida.

 

Repórter Luana Karen: O próximo tema da nossa série de reportagens é um dos principais pontos da atualização das leis do trabalho, os acordos coletivos e o poder da negociação entre empregado e patrão. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: 19h16 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: E hoje foi dia de blitz no Rio de Janeiro.

 

Gabriela: Daqui a pouco vamos detalhar como foi a fiscalização de quem presta serviços de turismo na cidade maravilhosa.

 

Nasi: E a edição latino-americana de Fórum Econômico Mundial vai voltar ao Brasil.

 

Gabriela: Em março do ano que vem o evento vai ser realizado em São Paulo.

 

Nasi: O fórum reúne empresários e investidores que discutem os rumos da economia e o ambiente de investimentos.

 

Repórter José Luiz Filho: Mais que ser um anfitrião de um evento com milhares de empresários, pensadores, agentes econômicos, autoridades políticas de vários países e organismos internacionais, para o professor de finanças, Marcos Melo, sediar a edição latino-americana do Fórum Econômico Mundial pode ser, para o Brasil, uma chance de atrair investimentos.

 

Professor de finanças - Marcos Melo: Como nós estamos observando agora alguns indicadores de retomada do crescimento econômico, esse evento vem num bom momento para que realmente possa vir a atrair no futuro investimentos produtivos do Brasil.

 

Repórter José Luiz Filho: Em 2018, o Brasil vai sediar pela terceira vez o evento. O protocolo de intenções para a realização da edição latino-americana do fórum foi assinado nesta segunda-feira. O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, afirma que o evento pode tornar o Brasil um protagonista no cenário econômico internacional.

 

Ministro da Indústria Comércio Exterior e Serviço - Marcos Pereira: O Brasil é um grande país, é um líder na América Latina, é a nona economia do mundo. E aqui nós vamos discutir com membros de vários governos da América Latina, com empresários do setor produtivo, setor privado e governos o que nós queremos para o futuro dessas nações.

 

Repórter José Luiz Filho: A realização da edição latino-americana do Fórum Econômico Mundial no Brasil é também uma oportunidade de debater temas mundiais, como a quarta Revolução Industrial e outras inovações do setor produtivo, além de temas regionais, como explica Otávio de Barros, consultor de um dos maiores bancos privados do país e vice-presidente da Câmara de Comércio França-Brasil e do Conselho Empresarial Brasil-China.

 

Vice-presidente da câmara de comércio França-Brasil e do Conselho Empresarial Brasil-China - Otávio de Barros: O fórum discute os impactos dessas mudanças todas de governança pública e privada na política, na democracia, do mundo do trabalho e também discutir questões ligadas ao continente, né, necessidade de abertura da economia.

 

Repórter José Luiz Filho: A edição latino-americana do Fórum Econômico Mundial 2018, em São Paulo, será realizada entre os dias 13 e 15 de março. Reportagem, José Luiz Filho.

 

Gabriela: O Presidente Michel Temer recebe, neste momento, no Palácio do Planalto, os líderes da base aliada na Câmara dos Deputados.

 

Nasi: Para o presidente Temer, os deputados e senadores foram fundamentais para a retomada do crescimento econômico do país e a parceria deve continuar.

 

Gabriela: O repórter Pablo Mundim está no Palácio do Planalto e tem mais detalhes ao vivo. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Durante a abertura da reunião, o presidente Temer falou que o Brasil já superou a maior recessão que já viveu e que voltou a crescer. Temer citou alguns exemplos, como a queda da taxa básica de juros e da inflação, a volta da geração de empregos e a produção industrial em crescimento. O presidente também tratou dos projetos que devem ser votados nos próximos meses e garantiu que continua contando com o apoio dos parlamentares para a aprovação de reformas vitais, principalmente a da Previdência Social.

 

Presidente Michel Temer: Ela é, digamos assim, é continuação importante, fundamental, digamos, uma espécie de fecho das reformas que nós estamos fazendo. Eu quero dizer que eu continuarei me empenhando nela, vou trabalhar muito por ela. Embora, digamos, você não consiga fazer todo o conjunto que a reforma previdenciária propõe, mas, quem sabe, nós conseguimos dar o avanço, e avançamos até um certo ponto que permita a quem venha depois, mais adiante, que possa fazer mais adiante, quem sabe, uma nova revisão da Previdência Social.

 

Repórter Pablo Mundim: Temer também falou que um dos próximos temas que o governo vai se empenhar e na mudança do sistema tributário brasileiro. A reunião por aqui continua. Ao vivo, Pablo Mundim.

 

Nasi: Férias, descanso, viagens e passeios.

 

Gabriela: E nessas horas, muitas vezes, é indispensável a contratação de um guia de turismo, reserva em hotel, transporte.

 

Nasi: E para garantir a qualidade dos serviços, o Ministério do Turismo realiza uma blitz para saber se todos os profissionais estão cumprindo a lei.

 

Repórter Carolina Rocha: Um passeio de bondinho no teleférico de mais de cem anos e que leva a uma das vistas mais privilegiadas do Rio de Janeiro, é o que oferece o passeio ao Pão de Açúcar. A atração que recebe, em média, 2 mil visitantes por dia reúne também guias e agentes de turismo com ofertas de diversos passeios pela cidade. Para saber se esses profissionais estão atuando dentro da lei, uma blitz do Ministério do Turismo esteve no local na tarde desta segunda-feira. Segundo a coordenadora-geral de Cadastramento e Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos do Ministério, Tamara Galvão, o objetivo da ação é notificar as pessoas para que tenham chance de se adequar.

 

Coordenadora-geral de Cadastramento e Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos do Ministério - Tamara Galvão: Damos um prazo para que ele se regularize e, depois, a gente retorna para verificar se está tudo certo e se nós conseguimos atingir o objetivo.

 

Repórter Carolina Rocha: Entre os critérios fiscalizados está, principalmente, a formalização do guia de turismo no Cadastur, o sistema de cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor turístico. O agente Juarez Corrêa trabalha há mais de 40 anos com turismo no Rio de Janeiro. Juarez conta que muitos colegas não conhecem as regras e acredita que a fiscalização vai ajudar a conscientizar o setor.

 

Agente - Juarez Corrêa: Ninguém sabe de nada. Agora que vai ser orientado todos nós a trabalhar de outra forma. Então, agora é ótima essa fiscalização.

 

Repórter Carolina Rocha: Na cidade do Rio de Janeiro são cerca de 5 mil guias de turismo cadastrados, mas a estimativa da Secretaria de Estado de Turismo é que mais de 10 mil pessoas atuem nessa área da cidade. Para o turista Ezecson Freitas, que veio de Roraima passar uma semana no Rio de Janeiro, a fiscalização é bem-vinda.

 

Turista - Ezecson Freitas: Quanto mais presença do estado para você poder ter em quem confiar e a quem recorrer, talvez seja melhor, né?

 

Repórter Carolina Rocha: A cadastro no Cadastur é gratuito. Saiba mais em: cadastur.turismo.gov.br. Reportagem, Carolina Rocha.

 

Gabriela: Faltando menos de três semanas para a famosa Black Friday, a Secretaria Nacional do Consumidor faz um alerta.

 

Nasi: É preciso pesquisar os preços dos produtos que pretende comprar.

 

Gabriela: Quer saber por quê? A resposta está no 'Pra Você, Cidadão' de hoje.

 

"Pra Você, Cidadão".

 

Repórter Daniel Costa: No dia 24 de novembro o comércio brasileiro promove a promoção Black Friday, e a Secretaria Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça, recomenda pesquisa prévia de preços para quem pretende comprar. De acordo com a Secretaria, nos anos interiores foram constatados falsos descontos e maquiagens de valores das mercadorias. Algumas dicas, segundo a Secretaria Nacional do Consumidor, são importantes, por exemplo, toda vez que você comprar pela internet, você tem sete dias para se arrepender contados da efetiva entrega do produto, independentemente do motivo. Se após comprar o produto você constatar que o preço não valeu a pena, pode se arrepender comunicando o fornecedor, preferentemente por carta, com aviso de recebimento. Nesse caso, nenhum valor poderá ser descontado daquilo que você pagou. E nos casos de eventuais problemas, procure o Procon da sua região. Daniel Costa para a Voz do Brasil.

 

Nasi: Atenção, produtores rurais do Norte e do Nordeste.

 

Gabriela: Sabe aquele trator que você financiou com o dinheiro dos fundos constitucionais da sua região e atrasou o pagamento?

 

Nasi: Então, você pode renegociar a dívida com descontos de até 95% no saldo devedor.

 

Gabriela: O desconto vale para as operações contratadas até dezembro de 2011, e só para os produtores das duas regiões, Norte e Nordeste.

 

Nasi: Para fazer a renegociação é preciso procurar os bancos operadores até 29 de dezembro. Mais de 46 mil agricultores já regularizaram a situação.

 

Gabriela: Mil e duzentos professores vão ser contratados pelas universidades federais.

 

Nasi: Além disso, mais 700 vagas vão ser abertas para cargos técnico-administrativos.

 

Gabriela: A medida vai recompor, em parte, o quadro de servidores necessário para atender ao aumento da oferta de cursos e a criação de universidades federais ocorridos nos últimos anos.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".