7 de fevereiro de 2018

Destaques da Voz do Brasil: A menor taxa de juros da história. Banco Central divulgou nova taxa Selic. Polícia Rodoviária Federal vai reforçar fiscalização nas estradas no Carnaval. Ministério da Saúde atualiza número de casos da febre amarela. E reforça importância da vacinação, que é de graça e está disponível nos postos de saúde. R$ 80 milhões vão financiar filmes, séries, animações e jogos eletrônicos.

audio/mpeg VOZ070218.mp3 — 45017 KB




Transcrição


 

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: A menor taxa de juros da história.

 

Nasi: Banco Central divulgou agora há pouco a nova taxa Selic. Ao vivo, Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Copon reduz para 6,75% a nova taxa básica de juros. Eu volto daqui a pouco com mais informações.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Polícia Rodoviária Federal vai reforçar fiscalização nas estradas no Carnaval. Raíssa Lopes.

 

Repórter Raíssa Lopes: A Operação Carnaval começa à 0h de sexta-feira e termina na quarta-feira de cinzas.

 

Gabriela: Ministério da Saúde atualiza número de casos da febre amarela.

 

Nasi: E reforça a importância da vacinação, que é de graça e está disponível nos postos de saúde.

 

Gabriela: R$ 80 milhões vão financiar filmes, séries, animações e jogos eletrônicos. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: O pacote é o maior já lançado pelo Ministério da Cultura. São 11 editais que podem contemplar cerca de 250 projetos audiovisuais.

 

Nasi: Hoje, na apresentação, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: A menor taxa básica de juros da História.

 

Gabriela: Reflexo do cenário externo favorável e da melhora da atividade econômica.

 

Nasi: E quem explica para a gente os novos números e o impacto dessa medida é o repórter Pablo Mundim, que está ao vivo. Uma boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Nasi. Boa noite, Gabriela. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Terminou agora há pouco a reunião do Copon, o Comitê de Política Monetária do Banco Central. Durante a reunião, a primeira realizada este ano, foi confirmada a expectativa já anunciada pelas instituições financeiras: a redução da taxa básica de juros, a Selic. A taxa passa de 7% para 6,75%. Este é o 11º corte seguido na taxa básica, que agora é a menor da história. Segundo boletim do Banco Central, a decisão foi unânime e é diretamente ligada ao crescimento da atividade econômica. Usada nas negociações de títulos públicos e principal referência para as demais taxas de juros na economia, a Selic também é uma espécie de termômetro para a economia. Ao reduzir os juros básicos, a tendência do Copon é baratear o crédito e incentivar a produção e o consumo. E pelo Twitter, o presidente Michel Temer destacou que o Brasil acaba de receber uma ótima notícia e tem que comemorar a queda da taxa básica de juros, que caiu para o menor nível da história. Ele afirmou ainda que o Governo fez o dever de casa e criou as condições para o Banco Central cotar os juros e a medida é incentivo para investimentos e para geração de empregos. E, seguindo a decisão do Copon, o Banco do Brasil já anunciou redução nas taxas de juros das linhas de crédito para pessoas físicas e jurídicas. As novas taxas entram em vigor a partir da próxima sexta-feira, dia 9 de fevereiro. Ao vivo, Pablo Mundim.

 

"Trânsito. Atenção, motorista".

 

Gabriela: Amanhã já é quinta-feira, e quem pensa em pegar estrada no Carnaval precisa estar atento se está tudo certo com o veículo.

 

Nasi: Se os pneus estão em bom estado e calibrados, se os cintos de segurança e as luzes do farol estão funcionando corretamente.

 

Gabriela: E a Polícia Rodoviária Federal estará nas estradas a partir de sexta-feira para garantir a segurança dos motoristas e passageiros.

 

Nasi: Essa é mais uma etapa da Operação Rodovida, que começou antes do Natal e acaba no dia 18 de fevereiro.

 

Repórter Raíssa Lopes: A pedagoga Mariana Leite mora em Goiânia e viaja com frequência para Brasília para visitar familiares. Ela conta que, no Carnaval, vai dobrar os cuidados e a atenção na hora de pegar a estrada.

 

Pedagoga - Mariana Leite: Vou tomar algumas precauções, como sair de casa mais cedo para evitar pegar a estrada no período em que as pessoas já possam ter feito uso de álcool.

 

Repórter Raíssa Lopes: E para tornar as estradas mais seguras nesta época do ano, a Polícia Rodoviária Federal realiza até quarta-feira de Cinzas a Operação Carnaval. Estão envolvidos 10,2 mil homens e pouco mais de mil viaturas, todas com bafômetro. A fiscalização será intensificada em todo o país, principalmente em pontos estratégicos com maior incidência de acidentes. Segundo o porta-voz da PRF, Diego Brandão, a mistura de álcool e direção é um dos focos da operação.

 

Porta-voz da Polícia Rodoviária Federal - Diego Brandão: Além do uso de álcool, essa mistura direção e álcool, excesso de lotação de passageiros nos veículos. Então diversos outros focos, fazendo com que a gente tenha uma diminuição do número de acidentes.

 

Repórter Raíssa Lopes: Durante a Operação Carnaval do ano passado, a Polícia Rodoviária Federal realizou quase 99 mil testes por bafômetro, que resultaram em mais de 2 mil multas e 214 prisões. Segundo Diego Brandão, porta-voz da PRF, as operações são importantes para evitar condutas que aumentam a gravidade dos acidentes.

 

Porta-voz da Polícia Rodoviária Federal - Diego Brandão: Então, por isso a nossa fiscalização em cima de excesso de velocidade, de ultrapassagem indevida, de uso de álcool, que são condutas que aumentam a gravidade do acidente, quando ocasionados por esses fatores.

 

Repórter Raíssa Lopes: Quem insistir em dirigir depois de beber pode ser multado em quase R$ 3 mil, ter a carteira de motorista apreendida e até ser preso. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: E se tem estradas mais movimentadas e mais trânsito nas ruas de destinos turísticos, aumenta também o movimento nos postos de combustível.

 

Nasi: Para garantir que o consumidor abasteça o carro com um produto de qualidade e na quantidade certa, a Agência Nacional de Petróleo realizou nos últimos dias a Operação Verão.

 

Gabriela: Mais de 500 postos de venda de combustível foram fiscalizados.

 

Repórter Natália Koslyk: O comerciante Leandro da Silva, do Rio de Janeiro, já teve problemas com a qualidade do combustível que adquiriu para abastecer a moto.

 

Comerciante - Leandro da Silva: Botei uma gasolina na minha moto e ela começou a embolar, falhar, morrer, desligar. Aí tive que levar na oficina, limpar o carburador e tirar o combustível, combustível de péssima qualidade.

 

Repórter Natália Koslyk: Para evitar problemas assim, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis deu início, no dia 29 de janeiro, à Operação Verão. A ideia era verificar a qualidade do combustível vendido nos postos das cidades de três estados, que são destino de férias nessa época do ano, já que, segundo a agência, o aumento de turistas e da venda de combustíveis pode favorecer a ocorrência de fraudes. Os agentes também verificaram se a quantidade marcada na bomba era a mesma que chegava ao tanque dos veículos. O superintendente-adjunto da Fiscalização da ANP, Marcelo da Silva, diz que os resultados da operação, que terminou nesta quarta-feira, foram satisfatórios.

 

Superintendente-adjunto da Fiscalização - Marcelo da Silva: Encontramos um número de irregularidades muito baixo, abaixo da média, inclusive, histórica. Nós visitamos aí quase 550 revendas e tivemos aí cerca de 20 delas autuadas por problemas de quantidade. De qualidade então, apenas três postos foram autuados. Esses bicos, que a gente encontra a irregularidade, eles são interditados, e o posto sofre um processo administrativo. As multas vão de R$ 20 mil a R$ 5 milhões.

 

Repórter Natália Koslyk: E as fiscalizações continuam ao longo do ano. De acordo com o superintendente da ANP, Marcelo da Silva, foram realizadas no ano passado cerca de 20 mil ações e a intenção é repetir o índice este ano para coibir as tentativas de fraude no setor. Reportagem, Natália Koslyk,.

 

Nasi: A febre amarela já provocou a morte de 98 pessoas, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde.

 

Gabriela: O levantamento feito a partir de julho do ano passado, mostra ainda que foram diagnosticados mais de 300 casos da doença.

 

Nasi: E a vacinação é a forma de se prevenir. Por isso, o Ministério reforça os estoques nos postos de saúde e faz o alerta à população que mora nas áreas de risco.

 

Gabriela: A vacina é encontrada em qualquer posto de saúde e é de graça.

 

Repórter João Pedro Neto: Entre julho de 2017 e a quinta semana deste ano, foram confirmados 353 casos de febre amarela no país e 98 mortes, números menores do que os registrados no mesmo período do ano passado, quando foram 509 casos e 159 mortes confirmadas. Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, os dados mostram que a situação atual é mais controlada do que no ano passado.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Ao final da campanha de vacinação, vocês verão que o número de afetados esse ano é bem menor, em função do planejamento de tudo que foi feito e do nosso trabalho de prevenção.

 

Repórter João Pedro Neto: O Ministério da Saúde orienta que deve se vacinar contra febre amarela quem vive em áreas com recomendação de vacinação, quem vai para uma dessas regiões do Brasil, ou ainda se vai viajar para algum país que exija o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia, com dez dias de antecedência da viagem. Desde o começo de 2017, o Ministério da Saúde enviou aos estados quase 59 milhões de doses da vacina, e a estimativa é que nesse ano sejam vacinadas cerca de 24 milhões de pessoas. A dona de casa Ana Cambraia foi hoje a um posto de saúde para garantir a vacina, e diz que o cuidado nunca é demais.

 

Dona de casa - Ana Cambraia: Região Norte, no caso eu sou de lá. Então é uma região preocupante para a gente. É melhor prevenir, não custa nada.

 

Repórter João Pedro Neto: A vacinação ocorre em esquema de rotina, regularmente, em 20 estados e no Distrito Federal. Mas para evitar a expansão do vírus em áreas onde há registro de circulação mais intensa atualmente, o Ministério deu início à campanha de vacinação fracionada em 77 cidades de três estados. Começou no dia 25 de janeiro em São Paulo e no Rio de Janeiro, e começa no dia 19 deste mês na Bahia. A dose fracionada tem a mesma eficácia, e estudos mostram que protegem a pessoa por pelo menos oito anos. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gabriela: 19h10 pelo horário brasileiro de verão.

 

Nasi: R$ 80 milhões vão financiar filmes, séries, animações e jogos eletrônicos.

 

Gabriela: Daqui a pouquinho vamos falar dos novos editais do Ministério da Cultura, que tem novidades para iniciantes e maior inclusão de negros e indígenas.

 

Nasi: Acabar com privilégios e garantir as aposentadorias no futuro.

 

Gabriela: É o que o governo defende. Para isso a reforma da Previdência é fundamental.

 

Nasi: E o projeto está em discussão no Congresso. Hoje, o relator da proposta apresentou uma nova versão do texto e a expectativa é aprovar a reforma até o final do mês.

 

Repórter Nei Pereira: O novo texto, apresentado pelo relator da reforma da Previdência, Arthur Maia, inclui na proposta a pensão integral para familiares de policiais mortos em combate, e não mais um percentual do salário, como na versão anterior. Além disso, o texto formaliza três mudanças em relação à proposta, que já tinham sido apresentadas pelo Governo. As regras de aposentadoria para o trabalhador rural continuam as mesmas, assim como o Benefício de Prestação Continuada, pago a idosos que nunca contribuíram e pessoas com deficiência. A proposta também prevê que, para se aposentarem, trabalhadores da iniciativa privada contribuam ao INSS por no mínimo 15 anos, o mesmo que está em vigor atualmente. Para o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, as alterações mantêm os pilares da reforma.

 

Ministro-chefe da Secretaria de Governo - Carlos Marun: Eu vejo como um avanço, no sentido daquilo, no rumo daquilo que nós desejamos, como uma nova previdência brasileira, uma previdência que seja mais justa e que não inviabilize economicamente o país. E é um texto que ainda pode se aprimorar. Desde que não sejam feridos os pilares da reforma, que são o estabelecimento de uma idade mínima e o estabelecimento de um único sistema previdenciário para todos os brasileiros, nós ainda podemos receber sugestões de aprimoramento.

 

Repórter Nei Pereira: A previsão do Governo é de que o projeto seja apresentado no Plenário da Câmara no dia 19 de fevereiro e seja votado até 28 de fevereiro. Segundo Carlos Marun, o novo texto apresentado nesta quarta-feira dá mais segurança de que os direitos estão mantidos.

 

Ministro-chefe da Secretaria de Governo - Carlos Marun: Ainda existiam muitas dúvidas em relação ao texto, às decisões que nós já havíamos tomado. Então é muito importante que tenhamos esse texto, porque acaba a especulação. "Não, o BPC vai mudar...", não muda, está posto no texto.

 

Repórter Nei Pereira: Entre os principais pontos do projeto, a reforma da Previdência prevê uma idade mínima de aposentadoria, com uma regra de transição. A partir de 2020, o limite de idade vai subir gradualmente. A cada dois anos, a idade mínima vai avançar um ano. Essa evolução será mantida até chegar aos 65 anos para homens e 62 anos para as mulheres. Para os servidores públicos, o tempo mínimo de contribuição para pedir aposentadoria é de 25 anos. Para a proposta ser aprovada, é necessário o apoio de, no mínimo, 308 deputados, em votação em dois turnos. Depois, a proposta segue para análise do Senado. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gabriela: E o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, falou sobre a necessidade de aprovação da reforma da Previdência.

 

Nasi: Para o ministro, a reforma é fundamental para que o Governo tenha equilíbrio fiscal, elevando a confiança de empresários e investidores, o que manteria a trajetória de crescimento do país para este e os próximos anos.

 

Gabriela: Para Meirelles, a população está mais informada de que a reforma vai combater os privilégios de quem ganha muito e se aposenta cedo.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Hoje, as pessoas estão cada vez mais conscientes dessa questão das altas aposentadorias, etc., e também do fato de que os 20% de menor renda da população não conseguem se aposentar por tempo de contribuição, porque, segundo a Constituição atual, o trabalhador precisa de ter 35 anos de contribuição. Muitos trabalhadores que não conseguem completar os 35 anos com carteira assinada, porque, muitas vezes, estão trabalhando no mercado informal, e isso leva, a essa classe de renda mais baixa, se aposentar por idade. Então se aposenta, segundo os termos da Constituição atual, homens, 65 anos de idade. Isso significa que, com a reforma, com a idade mínima baixando para 55 e com o tempo de contribuição também baixando substancialmente, então isso vai permitir que, na realidade, aqueles de renda mais baixa se aposentem mais cedo. E, evidentemente, depois de 20 anos, não. Aí está tudo padronizado nos 65. Então quer dizer o seguinte: quem é beneficiado hoje são aqueles de renda elevada. Esses sim, completam os 35 anos de contribuição e se aposentam aí, com idade aí, entre 50 e 60 anos. E, portanto, isso tudo está cada vez mais sendo percebido pela população.

 

Nasi: Filmes, animações, séries e jogos eletrônicos. Se você tem projetos nestas áreas, fique atento.

 

Gabriela: É que 11 editais para produções audiovisuais foram lançados hoje pelo Ministério da Cultura. Serão investidos R$ 80 milhões nesses projetos.

 

Nasi: Isso mesmo, Gabriela. E pela primeira vez todos os editais possuem cotas para mulheres, negros e indígenas.

 

Gabriela: E mais, se você está começando agora, metade dos recursos para as produções é destinada a diretores estreantes. Quem explica é a repórter Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: O pacote é o maior já lançado pelo Ministério da Cultura. São 11 editais, que podem contemplar cerca de 250 projetos audiovisuais. São R$ 80 milhões para filmes, animações, séries e jogos eletrônicos. De forma inédita, todos os editais têm cotas, para incentivar a produção de mulheres, negros e indígenas. Segundo o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, a meta é diminuir a desigualdade nas produções.

 

Ministro da Cultura - Sérgio Sá Leitão: Buscar corrigir isso, ou pelo menos reduzir a desigualdade, no âmbito do mercado audiovisual. Penso que será uma contribuição importante para a sociedade brasileira e para o país como um todo.

 

Repórter Márcia Fernandes: Os editais foram lançados depois que uma pesquisa da Ancine, a Agência Nacional do Cinema, revelou que, dos 142 filmes lançados comercialmente em 2016, 75% foram dirigidos por homens brancos, menos de 20% foram dirigidos por mulheres brancas, apenas três filmes foram comandados por homens negros e nenhuma mulher negra dirigiu um longa naquele ano. Para a superintendente de análise de mercado da Ancine, Luana Rufino, a presença de negros, mulheres e indígenas em cargos centrais nas produções ajuda também na representatividade dos brasileiros nas telas.

 

Superintendente de análise de mercado - Luana Rufino: O fato de eles não chegarem, principalmente aos cargos principais da equipe técnica, que é direção e roteiro, acaba prejudicando toda a estrutura do audiovisual. Quando o diretor é negro, a chance do roteirista ser negro é de mais 43%.

 

Repórter Márcia Fernandes: Cibele Amaral trabalha há 25 anos com cinema, já atuou como roteirista, diretora e atriz. Com o curta "Momento trágico", ela conquistou os prêmios de melhor filme e direção no Festival de Cinema de Gramado. Cibele acredita que os editais podem diminuir o preconceito de gênero no cinema.

 

Cineasta - Cibele Amaral: Eu acho que era hora, né? Já está passando da hora de ter esses indutores, porque, realmente, a gente ser mulher dentro do audiovisual é um pouco solitário. Então, eu espero que esse edital sirva realmente também para atrair talentos.

 

Repórter Márcia Fernandes: Todos os 11 editais vão ser publicados no Diário Oficial ainda este mês, até o dia 26. Depois da publicação, é possível se inscrever na página do Ministério da Cultura, no endereço cultura.gov.br. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Nasi: E já que vai ter incentivo para iniciantes, o Ministério da Cultura oferece cursos à distância para jovens que têm interesse em saber mais sobre jogos eletrônicos.

 

Gabriela: Isso porque o setor cresce e cada vez mais movimenta a economia criativa do Brasil. Só em 2017, arrecadou R$ 1,3 bilhão.

 

Nasi: A repórter Gabriela Noronha tem os detalhes para quem quer fazer parte desse negócio lucrativo.

 

Repórter Gabriela Noronha: Brincadeira para uns, profissão para outros. Os jogos de videogame divertem adultos e crianças no mundo todo, e também geram oportunidades de emprego e renda. A cadeia de produção de games envolve uma diversidade de profissionais para fazer desde o roteiro até a trilha sonora. Alexandre Chacon é professor e desenvolvedor de jogos desde 2007, e explica que mesmo quem não conhece a fundo a linguagem dos computadores pode trabalhar com games.

 

Professor - Alexandre Chacon: A história, o roteiro do jogo, né? Escrito mesmo. Parte de áudio, então músicos podem trabalhar na área. Ela é bastante, bastante ampla.

 

Repórter Gabriela Noronha: Aos 20 anos, o estudante Artur Correia já trabalha na área, mesmo antes de se formar, e conta que a paixão por jogos é antiga.

 

Estudante - Artur Correia: Sempre gostei de jogar. Quando eu era pequeno, eu sempre fui voltado para essa área mais criativa. Brincava muito de Lego, ficava muito tempo no computador e montava computador em canto, montava o computador em outro, montava computador escondido no armário, para poder jogar.

 

Repórter Gabriela Noronha: E para quem está interessado em desenvolver jogos de videogames, como Artur, o Ministério da Cultura abriu cursos na modalidade de ensino à distância dedicados ao setor. Segundo o secretário de Economia da Cultura, Mansur Bassit, os cursos gratuitos são indicados para qualquer pessoa que queira aprender como desenvolver seu próprio game, e não exige nenhum conhecimento prévio, apenas um computador.

 

Secretário de Economia da Cultura - Mansur Bassit: Setor de games é um setor que vem crescendo muito, né? Jogos eletrônicos. A gente sabe que o Brasil é muito aberto às novidades, então o Minc, junto com o Neccut, que é o Núcleo de Economia da Cultura, e a Abragames nos unimos e estamos propondo três módulos à distância para iniciantes, ou para quem já atua no setor.

 

Repórter Gabriela Noronha: As inscrições para os cursos já estão abertas no site lumina.ufrgs.br. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: 19h21 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: Sem filas de espera, quem se inscreve no Cadastro Único consegue receber o Bolsa Família com maior rapidez.

 

Gabriela: É assim nos últimos meses, desde que o Governo vem realizando um pente fino no cadastro do programa, retirando quem não tem direito.

 

Nasi: Isso significa que o benefício começa a ser pago a quem realmente precisa.

 

Repórter André Luiz Gomes: A família da dona Maria Clotildes Biazotto, da pequena Aguaí, no interior de São Paulo, se viu apertada com a chegada das duas netas gêmeas, de 11 meses. No início de novembro, ela teve que pedir apoio no Centro de Referência da Assistência Social do município, o CRAS, para a compra do leite das crianças, e foi inscrita no Cadastro Único para os Programas Sociais do Governo Federal. No mês seguinte, ela já estava recebendo R$ 117 do programa Bolsa Família. O dinheiro está sendo utilizado para garantir o alimento das meninas e para comprar alguns materiais escolares da neta mais velha, de 12 anos. Clotildes aprovou a agilidade na concessão do benefício.

 

Entrevistada - Maria Clotildes Biazotto: Depois que deu a entrada, foi rápido, viu? Eu não esperava que ia ser rápido assim, não.

 

Repórter André Luiz Gomes: Doralice Oliveira Nunes, de 22 anos, mora em Alto Alegre dos Parecis, em Roraima, e é diarista. Ela recebe o Bolsa Família desde dezembro. Os R$ 292 recebidos garantem a alimentação dos três filhos. Atualmente, Doralice está participando de um processo seletivo de emprego e faz planos para o futuro, caso conquiste a vaga.

 

Diarista - Doralice Oliveira Nunes: Se eu conseguir esse emprego, a primeira coisa que eu vou fazer é ir lá e falar que eu não estou precisando mais do Bolsa Família, aí fica realmente para quem precisa, né?

 

Repórter André Luiz Gomes: As duas beneficiárias só puderam receber rapidamente o Bolsa Família porque o Governo Federal zerou a fila de espera para concessão dos benefícios. Isso foi possível graças ao aperfeiçoamento da gestão, como o cruzamento de dados, que ajudou a identificar pessoas que estavam recebendo o benefício indevidamente. De acordo com o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, a melhoria da gestão do Bolsa Família é uma preocupação constante do Governo Federal.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: Pessoas que nunca deveriam ter entrado no programa saíram e pessoas que realmente precisavam passaram a receber o Bolsa Família. Com isso, nós zeramos a fila pela primeira vez na história do programa.

 

Repórter André Luiz Gomes: Ao todo, o Bolsa Família beneficia mais de 13 milhões de famílias em todo o país. Reportagem, André Luiz Gomes.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com o Minuto do TCU e em seguida as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".