08 de agosto de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Escola do Trabalhador oferece cursos de graça na internet. E em 7 meses de funcionamento já recebeu mais de 400 mil inscrições. Nós vamos dar todos os detalhes para que você também se qualifique. Comércio espera aumento nas vendas para o Dia dos Pais. E a internet é um dos meios preferidos para a compra dos presentes. Queda no preço dos alimentos faz inflação de julho desacelerar, segundo IBGE. E novas regras vão fazer com que a indústria comece a produzir eletrodomésticos ainda mais eficientes.

audio/mpeg VOZ080818.mp3 — 45023 KB




Transcrição


Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 8 de agosto de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Escola do Trabalhador oferece cursos de graça na internet.

 

Luciano: E em sete meses de funcionamento já recebeu mais de 400 mil inscrições.

 

Gabriela: Nós vamos dar todos os detalhes para você também se qualifique.

 

Luciano: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Comércio espera aumento nas vendas para o Dia dos Pais.

 

Luciano: E a internet é um dos meios preferidos para a compra dos presentes. Nei Pereira.

 

Repórter Nei Pereira: E quem está pensando em comprar pela internet deve reforçar a atenção com a segurança dos sites e ficar atentos com os direitos do consumidor.

 

Gabriela: Queda no preço dos alimentos faz inflação de julho desacelerar, segundo o IBGE.

 

Luciano: E novas regras não fazer com que a indústria comece a produzir eletrodomésticos ainda mais eficientes. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: A partir de junho do ano que vem, aparelho de ar-condicionado, refrigeradores e congeladores deverão apresentar novos índices de eficiência energética.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação do Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Uma maneira de obter qualificação profissional de graça e sem sair de casa.

 

Luciano: Com vídeos e até jogos, linguagem e navegação simples e acessível.

 

Gabriela: Tudo isso está disponível na Escola do Trabalhador do Ministério do Trabalho, que agora tem mais duas opções de cursos.

 

Luciano: Além disso, recebe por dia uma média de 1,7 mil inscrições.

 

Gabriela: E, para você que deseja se capacitar, a repórter Bruna Saniele está aqui no estúdio da Voz e vai explicar para a gente como funciona essa plataforma. Boa noite, Bruna.

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Luciano, e ouvintes da Voz do Brasil.

 

Gabriela: Bruna, conta para a gente, a Escola do Trabalhador é uma coisa nova?

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): Olha, Gabi, a escola tem sete meses de funcionamento, ela é uma plataforma de ensino à distância do Ministério do Trabalho, que está disponível gratuitamente na internet desde novembro do ano passado. Desde que começou a operar, a escola já recebeu mais de 417 mil inscrições. São cerca de 1,7 milhão inscrições por dia, de pessoas que estão procurando se qualificar para o mercado de trabalho.

 

Luciano: Bruna, e atualmente quantos cursos estão disponíveis e quais as novidades dessa escola?

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): Então, Luciano, hoje são 23 cursos que são oferecidos, sendo que dois começaram nessa semana, são os cursos de Excel intermediário e o de identidade visual e gestão de negócio. Os cursos são gratuitos para pessoas com qualquer escolaridade e não contam com nenhum pré-requisito. Eu conversei agora há pouco com Higino Brito Vieira, que é diretor de Políticas de Empregabilidade do Ministério do Trabalho, e ele me falou que até o meio de 2019, que é quando o convênio entre o Ministério e a Universidade de Brasília termina, a expectativa é que cerca de 6 milhões de pessoas façam um curso nessa plataforma. O diretor falou também que a Escola do Trabalhador deve mais do que dobrar o número de cursos até o fim do ano. Vamos conferir.

 

Diretor de Políticas de Empregabilidade - Higino Brito Vieira: Ressaltar para os ouvintes que a plataforma está no ar, é uma ferramenta nova e que a demanda tem sido surpreendente. Isso demonstra, sem sombra de dúvidas, a vontade e o anseio da população em se qualificar. A qualificação profissional aí, aplicada de maneira democrática, de maneira abrangente em todo o território nacional para que todo e qualquer cidadão possa melhorar o seu currículo possa desenvolver novos conhecimentos e novas habilidades. Os cursos, nesse primeiro momento, têm duração de 40 horas. Temos hoje na plataforma disponibilizados 23 cursos que até o final deste ano, até o final de 2018, nós tenhamos 50 cursos disponíveis na internet.

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): Então, gente, desculpa, uma correção, foram 1,7 mil inscrições por dia.

 

Gabriela: E, Bruna, os ouvintes da Voz relataram alguma dificuldade com a impressão do certificado. Esse problema vai ser resolvido?

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): Boa pergunta, Gabriela. Vai sim. Eu perguntei isso ao coordenador do Ministério e informou que a plataforma, por ser nova, ela ainda está passando ajustes. Então, quem está com alguma dificuldade pode ficar tranquilo que até essa sexta esse problema técnico vai ser resolvido e a emissão do certificado vai poder ser feita na própria plataforma.

 

Luciano: Então, vamos dar o serviço aos nossos ouvintes, Bruna. Quem quiser fazer um curso de graça faz o quê?

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): Olha, é bem simples, é só fazer a inscrição, acessando na internet o endereço: escolatrabalho.gov.br. Luciano e Gabriela.

 

Gabriela: O Dia dos Pais está chegando e o comércio prevê que as vendas vão aumentar.

 

Luciano: E muita gente deve trocar a agitação dos centros comerciais pelas facilidades da internet.

 

Gabriela: Nas lojas ou pelo computador, os órgãos de defesa do consumidor alertam.

 

Luciano: É preciso estar atento para evitar problemas na hora de comprar o presente.

 

Repórter Nei Pereira: Dia dos Pais chegando e o comércio está preparado para não deixar ninguém sem uma lembrancinha. A data é a quarta mais importante para as vendas e serve de termômetro para o desempenho do setor no segundo semestre. A Câmara Nacional dos Dirigentes Lojistas estima que a comemoração deve movimentar quase R$ 14 bilhões neste ano. Segundo o presidente da Câmara de Lojistas do Distrito Federal, José Carlos Magalhães Pinto, o desempenho deve ser melhor do que o registrado em 2017.

 

Presidente da Câmara de Lojistas - José Carlos Magalhães Pinto: No ano passado nós tivemos uma média de 57% da população ativa realmente comprando e esse ano nós esperamos 61% da população comprando. Isso é uma cadeia, vai movimentar a indústria, o transporte. Tem uma série de coisas que se movimentam através do varejo.

 

Repórter Nei Pereira: De acordo com o levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes e Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito, feito em todas as capitais do país, cerca de 93 milhões de brasileiros devem ir às compras para o Dia dos Pais. O gasto médio por pessoa será de quase R$ 150. Muitos vão deixar a compra para a última hora. É o caso da estudante Lilian Rodrigues, moradora de Brasília.

 

Estudante - Lilian Rodrigues: Estou pensando em comprar acho que perfume, em loja de perfumaria. Ainda não comprei, mas estou avaliando aí o preço. Eu pesquiso antes.

 

Repórter Nei Pereira: Entre os itens preferidos dos consumidores para presentear os pais então roupas, perfumes, calçados e produtos eletrônicos e de informática. Os shoppings continuam líderes de vendas em todas as datas comemorativas, mas neste Dia dos Pais estão quase empatados com as lojas online. E quem está pensando em comprar pela internet, deve reforçar a atenção com a segurança dos sites para evitar fraudes e ficar atento com os direitos do consumidor, é o que recomenda Ana Carolina Karam, diretora do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor da Secretaria Nacional do Consumidor.

 

Diretora do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor - Ana Carolina Karam: Quando a compra é feita pela internet existe o direito de arrependimento. A partir do momento que o consumidor recebe o produto, ele tem um prazo de sete dias para devolvê-lo sem nenhuma justificativa e sem nenhuma cobrança. O consumidor tem que estar sempre atento a preços muito baixos, né, que estão muito fora do mercado, em especial, na internet, porque pode ser uma fraude e acabar lesando o consumidor que está achando, que tomando uma vantagem aí em decorrência desse preço. A gente aconselha muito que o consumidor fique muito atento, busque informações sobre aquele site, veja se tem aquele cadeadinho de segurança que está no topo da página do site, busque informações junto aos órgãos de defesa do consumidor, como os Procons, que soltam listas de sites fraudulentos. E se ele identificar qualquer irregularidade, que denuncie aquele site.

 

Repórter Nei Pereira: Quem tiver algum problema com a compra do Dia dos Pais, pode procurar o Procon nos estados ou fazer uma reclamação da plataforma consumidor.gov.br, um serviço da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gabriela: A inflação medida pelo IBGE ficou em 0,33% no mês de julho.

 

Luciano: Isso significa que na comparação com o mês anterior, o índice desacelerou.

 

Gabriela: Os itens que contribuíram para esta queda foram o vestuário, educação, alimentação e bebidas, que tiveram deflação no período, ou seja, registraram queda nos preços.

 

Luciano: Por outro lado, os gastos com transportes e habitação, que incluem despesas como água e energia elétrica, tiveram alta.

 

Gabriela: O gerente da pesquisa do IBGE, Fernando Gonçalves, detalhou preços dos principais produtos que formam o índice.

 

Gerente da pesquisa do IBGE - Fernando Gonçalves: Batata, cebola, tomate, tiveram queda de mais de 30% em alguns casos. Outro item importante também no consumo das famílias no grupo dos transportes que afetou bastante o índice no mês passado, que foi a gasolina e o etanol, os combustíveis, nesse mês vieram com deflação, ajudando a conter essa alta. Mas, por outro lado, a energia elétrica veio mais uma vez com alta, no mês passado ela subiu quase 8%, esse mês veio com mais de 5% de alta.

 

Luciano: O maior índice foi registrado na região metropolitana de São Paulo, e, o menor, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

 

Gabriela: Considerando os sete primeiros meses do ano, a inflação ficou em 2,94%.

 

Luciano: E nos últimos 12 meses 4,48%, ainda dentro do centro da meta do Banco Central, que é de 4,5%.

 

Gabriela: Aparelhos domésticos e comerciais, como geladeira e ar-condicionado, vão se tornar mais eficientes.

 

Luciano: É que foram aprovadas novas regras para que a indústria comece a produzir equipamentos que gastem menos energia elétrica.

 

Gabriela: Isso significa conta de luz mais barata, necessidade de menor produção de energia no país e também preservação do meio ambiente.

 

Repórter Pablo Mundim: A partir de junho do ano que vem, aparelho de ar-condicionado, refrigeradores e congeladores de uso doméstico e comercial deverão apresentar novos índices de eficiência energética. De acordo com as novas regras estabelecidas pelo Ministério de Minas e Energia, os equipamentos menos eficientes serão retirados do mercado. A previsão é que mais de 35% dos atuais modelos de condicionadores de ar comercializados no país não sejam mais vendidos. No caso de refrigeradores, 16% dos atuais modelos serão retirados, e para os congeladores o percentual será de 33%. O objetivo é reduzir o consumo e também um impacto no meio ambiente, como explica o diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Carlos Alexandre Príncipe Pires.

 

Diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético - Carlos Alexandre Príncipe Pires: E nós podemos chegar a um número que diz respeito acerca de 2.350 gigawatts/hora/ano, isso é equivalente a como se nós construíssemos é uma usina de pouco mais de 500 megawatts. Para o país essa energia é suficiente para abastecer algo em torno de 700 mil residências durante um ano. E que nós temos a expectativa que em 12 anos sejam economizados pouco mais de R$ 450 milhões em investimentos.

 

Repórter Pablo Mundim: Muitas companhias elétricas no Brasil têm adotado os programas que ajudam a economizar energia. Nos estados do Ceará e Goiás, por exemplo, famílias mais pobres recebem novas geladeiras com o selo de eficiência em troca da antiga. Além de ganhar um eletrodoméstico o cliente economiza no bolso, como conta Odailton Arruda, responsável de Eficiência Energética da Enel Brasil.

 

Responsável de Eficiência Energética da Enel Brasil - Odailton Arruda: Em média uma família que antes usava uma geladeira num estado muito precário, e, hoje, que recebe uma geladeira nova, inclusive, com uma tecnologia mais avançada, com uma eficiência mais pronta no motor, que é o principal gasto, é em torno de 30% de economia por unidade consumidora.

 

Repórter Pablo Mundim: Economia que chegou na casa da costureira Josete da Silva Caldas, da cidade de Senador Canedo, interior de Goiás. A conta de luz ficou R$ 30 mais barato após a dona Josete aposentar a velha geladeira.

 

Costureira - Josete da Silva Caldas: A outra geladeira era muito antiga, sabe? Mais de 20 anos. E aí, quando eu troquei eu vi a diferença.

 

Repórter Pablo Mundim: Com a economia, a dona Josete pretende encher a nova geladeira.

 

Costureira - Josete da Silva Caldas: Lógico, dá para nós comprar carne. Uma carninha é bom, né? Um bifinho.

 

Repórter Pablo Mundim: Os novos índices de eficiência passam a valer para os aparelhos de ar-condicionado, refrigeradores e congeladores a partir da 30 de junho de 2019, para fabricação e importação dos produtos. Já para a comercialização por fabricantes e importadores, o prazo será a partir de 31 de dezembro do ano que vem, e 30 de julho de 2020 para a comercialização por atacadistas e varejistas. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Luciano: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Gabriela: Proteção para a mamãe e para o bebê.

 

Luciano: Vamos falar de vacinação para gestantes em mais uma reportagem especial.

 

Gabriela: E vamos falar da entrega de carros que vão entender mais de 600 mil índios que precisam de médicos fora das aldeias.

 

Luciano: Os pedidos de entrada no Brasil aumentaram 42% entre os meses de fevereiro e julho.

 

Gabriela: O aumento ocorreu depois da implantação do visto eletrônico para a Austrália, Canadá, Estados Unidos e Japão.

 

Luciano: Isso significa que turistas desses países acessaram o pedido de visto brasileiro na internet e obtiveram o documento em apenas cinco dias.

 

Gabriela: Dos 122 mil vistos concedidos, mais de 95 mil foram por meio eletrônico.

 

Luciano: Para o ministro do Turismo, Vinícius Lummertz, a intenção é facilitar cada vez mais a vinda de turistas estrangeiros para o país.

 

Ministro do Turismo - Vinícius Lummertz: Nós temos feito um esforço de diminuir as barreiras e facilitar a vinda de turistas estrangeiros para o Brasil. Temos um crescimento da concessão dos vistos pelo modelo eletrônico, que é um modelo barato, rápido, ágil, mas nós queremos dar passos adiante, avançar nessa facilitação, porque a tecnologia, ela facilita o turismo. Nós temos que facilitar o fluxo de pessoas, e se nós fizermos isso, nós teremos resultados econômicos importantes.

 

Gabriela: De acordo com o Ministério do Turismo, o gasto desses novos turistas no Brasil é estimado em US$ 41 milhões.

 

"Saúde. Pra Você Viver Bem".

 

Luciano: Proteção para mãe e para o bebê.

 

Gabriela: A vacinação também é muito importante na gravidez. Quando a gestante é vacinada ela transfere os anticorpos para o filho, que fica mais resistente a doenças.

 

Luciano: A imunização da gravidez pode evitar, por exemplo, a coqueluche, que é a quinta maior causa de morte em crianças.

 

Gabriela: Esse é o assunto de uma nova reportagem da série sobre vacinação que estamos apresentando nesta aqui a voz do Brasil.

 

Entrevistada - Maíra Lacerda: Você está ansiosa para a sua irmãzinha nascer, né?

 

Entrevistada - Maria Júlia Lacerda: Sim. Sonhei muito.

 

Entrevistada - Maíra Lacerda: Você sonhou muito, né?

 

Entrevistada - Maria Júlia Lacerda: É.

 

Repórter Cleide Lopes: A Maria Júlia Lacerda, de cinco anos, não vê a hora de receber o presente que pediu para o papai do céu, uma irmãzinha, a Maria Clara. A ansiedade é tanta que a menina foi parar no pediatra com o coraçãozinho disparado. E na casa de Maíra Lacerda, mãe de Maria Júlia e à espera de Maria Clara, está tudo sendo preparado para a chegada do bebê. Mas o principal cuidado para a chegada de Maria Clara começa ainda quando ela está dentro da barriga da mamãe. Maíra Lacerda, que faz acompanhamento da gravidez, conta que tomou todas as vacinas previstas no calendário das gestantes.

 

Entrevistada - Maíra Lacerda: Na primeira consulta com o meu obstetra ele já falou das vacinas, fez os exames de sangue porque tem algumas que você tem que ver se você está imunizado, né? Então, eu já estava imunizada hepatite B, mas tomei a outra que ele pediu que eu tomasse. E está tudo atualizado, tudo certinho.

 

Repórter Cleide Lopes: Durante a gravidez a mulher deve tomar três vacinas, contra hepatite B, gripe e a tríplice bacteriana celular do tipo adulto, que previne difteria, o tétano e a coqueluche, todas tão oferecidas de graça nos postos de saúde. As orientações sobre as doses e quando tomar são passadas durante o pré-natal. O obstetra Luís Otávio Manes Pereira fala dos riscos que a mãe e bebê estão expostos quando a gestante não toma as vacinas.

 

Obstetra - Luís Otávio Manes Pereira: Assim que o neném nasce, no período neonatal, ele herda da mãe a parte dos anticorpos que foram produzidos ao longo na vida da mãe, que é o que faz a defesa desse neném. As doenças, elas cursam, geralmente as mais comuns são as bactérias, né, através do tétano, a própria hepatite e a difteria e coqueluche, né? Então, essas doenças, elas podem trazer algumas mal formações ao neném, podem trazer doenças congênitas, o neném pode nascer com cegueira, com problema auditivo e até levar à morte desse neném nos casos mais extremos.

 

Repórter Cleide Lopes: Também com o médico, a futura mamãe tem que se informar sobre as vacinas que são proibidas durante a gestação, é o que explica a obstetra.

 

Obstetra - Luís Otávio Manes Pereira: Não é recomendado o uso da vacina do HPV, da dengue e da varicela, tá? As outras vacinas, por exemplo, a da febre amarela, vai depender muito do risco e benefício que a gente tem no uso dela.

 

Repórter Cleide Lopes: Apesar das campanhas para que a gestantes se vacinem, no caso da gripe, a adesão foi menor do que a esperada este ano, como explica a coordenadora substituta do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Ana Gorete.

 

Coordenadora substituta do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde - Ana Gorete: Na última campanha de Influenza nós conseguimos alcançar a cobertura dos 95%, com exceção de dois grupos importantíssimos, que são as crianças menores de cinco anos e as gestantes, mostrando que é muito importante, a população tem que ficar alerta.

 

Repórter Cleide Lopes: Desse modo o alerta é: vá até um posto de saúde e veja se está em dia com as vacinas. Isso significa proteção para a mãe e para o bebê. Foi o que fez a administradora Isabel Vasconcelos, que está no sexto mês de gravidez.

 

Administradora - Isabel Vasconcelos: Com certeza é importante para minha saúde, para a saúde do bebê, né?

 

Repórter Cleide Lopes: A recepcionista Bruna Gontijo conta que na gestação do Victor tomou todos os cuidados, e o resultado disso é um hoje um bebê com cinco meses, pesando mais de oito quilos, sadio e muito feliz.

 

Recepcionista - Bruna Gontijo: Se a gente deixa falta uma vacina para mim ia afetar ele, né, querendo ou não. E eu, com tudo certinho, contribuiu bastante porque ele é muito saudável, forte, nunca teve nada, nunca gripou. Eu acho muito importante sempre manter as minhas e as deles em dia.

 

Repórter Cleide Lopes: Amanhã falaremos aqui, na Voz do Brasil, sobre a vacina contra o vírus HPV, que causa diversos tipos de câncer, quem deve tomar e os benefício que ela traz. Não percam. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Luciano: Buscar atendimento de saúde e dar qualidade de vida à população indígena.

 

Gabriela: Para isso o Ministério da Saúde entregou hoje 50 carros a distritos de saúde indígenas do todo o país.

 

Luciano: Ao todo, eles vão atender mais de 600 mil índios que vão ter mais conforto na hora de buscar tratamento médico fora das aldeias.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os 50 veículos vão servir para transportar pacientes entre as aldeias e as casas de apoio à saúde indígena. O Ministério da Saúde investiu R$ 8 milhões na compra dos automóveis. Segundo o secretário especial de Saúde Indígena, Marco Antônio Toccolini, a expectativa é que mais de 600 mil indígenas sejam beneficiados com as novas vans.

 

Secretário especial de Saúde Indígena - Marco Antônio Toccolini: Essas vans, elas trazem conforto, trazem agilidade, transportam mais pessoas, porque tem 16 vagas dentro da van e está gerando economia também, porque alguns veículos que estão sendo substituídos, como eu falei, estavam já inservíveis, davam manutenção muito mais alta, muito mais cara.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os novos veículos vão facilitar o transporte a 47 casas de saúde de 28 distritos sanitários especiais indígenas. Antônio Fernando da Silva é coordenador do Distrito Sanitário Especial de Pernambuco, onde são atendidos mais de 48 mil indígenas. Para o coordenador, as novas vans vão diminuir o tempo de espera para atendimento.

 

Coordenador do Distrito Sanitário Especial - Antônio Fernando da Silva: Hoje os indígenas, às vezes eles questionam muito o tempo de espera, né? Então, com mais um veículo isso vai facilitar e agilizar os atendimentos, exames e consultas.

 

Repórter Gabriela Noronha: Herivelto Fernandes Apurinã veio do Distrito Sanitário Especial Indígena do Médio Rio Purus, no Amazonas, para buscar o novo veículo. Segundo ele, um transporte mais eficiente vai salvar muitas vidas.

 

Entrevistado - Herivelto Fernandes Apurinã: Nós deslocamos pacientes com média e alta complexidade para outro estado, que é para Rondônia, que tem cerca de 400 quilômetros. Uma vez que muitas vezes a gente tem que deslocar em torno de oito, nove pacientes, com a possibilidade de a gente estar adquirindo essas vans, a gente vai ter uma facilidade maior. Ter isso como fosse nosso, né? Ter aquele cuidado para que a gente possa ter uma duração longa, né, porque nós precisamos, nós temos a necessidade desse patrimônio.

 

Repórter Gabriela Noronha: Está é a segunda entrega do veículos do Governo Federal a Distritos Sanitários Especiais Indígenas. Em março desde ano, o Ministério da Saúde entregou 34 caminhonetes para auxiliar no acompanhamento das obras de saneamento e no monitoramento do sistema de abastecimento nas aldeias. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: A vacinação contra a febre aftosa alcançou quase 100% do rebanho brasileiro.

 

Luciano: Um balanço parcial da primeira etapa da campanha deste ano, realizada em maio, em 20 estados e no Distrito Federal, apontou que foram vacinados 97% do rebanho esperado.

 

Gabriela: A imunização alcançou mais de 195 milhões de bovinos e búfalos, segundo o Ministério da Agricultura.

 

Luciano: A segunda etapa da vacinação contra a aftosa está marcada para o mês de novembro. Todos os produtores do país devem vacinar bovinos e búfalos, com exceção do estado de Santa Catarina, que é livre da febre aftosa sem vacinação.

 

Gabriela: Lembrando que o Brasil foi reconhecido neste ano pela Organização Mundial de Saúde Animal livre da febre aftosa com vacinação.

 

Luciano: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU, e, em seguida, as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite e até amanhã.

 

"A Voz do Brasil, Governo Federal".