09 de novembro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: R$ 130 bilhões. Dinheiro que vai ser investido para retomar mais de 7 mil obras pelo país! Recuperação e duplicação de rodovias, construção de novas creches, aumento no número de UPAS e unidades básicas para desafogar os hospitais. E todas as obras tem data pra terminar: dezembro de 2018! Você vai saber todos os detalhes do programa Avançar em entrevista exclusiva com o Presidente da República Michel Temer!

audio/mpeg VOZ091117.mp3 — 46666 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 9 de novembro de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: R$ 130 bilhões.

 

Nasi: Dinheiro que vai ser investido para retomar mais de 7 mil obras paradas pelo país.

 

Gabriela: Recuperação e duplicação de rodovias.

 

Nasi: Construção de novas creches.

 

Gabriela: Aumento no número de UPAs e unidas básicas para desafogar os hospitais.

 

Nasi: E todas as obras têm data para terminar, dezembro de 2018.

 

Gabriela: Este é o Programa Avançar, lançado hoje pelo Governo Federal. E quem vai dar todos os detalhes é o Presidente da República, Michel Temer, que conversa, ao vivo, com a gente.

 

Nasi: Hoje na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum. A Voz do Brasil do Poder Executivo completou um ano no ar com um novo formato.

 

Gabriela: É por aqui que você, ouvinte, fica sabendo de todas as ações do Governo Federal e como o dinheiro que você paga impostos está sendo investido.

 

Nasi: É. E se tem mais transparência, tem também serviços. O nosso foco é sempre falar do passo a passo para que os brasileiros tenham acesso a programas em todas as áreas.

 

Gabriela: E também estamos mais próximos do cidadão. O ouvinte participa com a gente enviando sua pergunta por nossas redes sociais.

 

Nasi: É. E é assim mais dinâmica, com mais serviços e orientações dos seus direitos que estamos no ar.

 

Gabriela: E hoje, de forma especial, saímos do estúdio da Empresa Brasil de Comunicação para transmitir a Voz do Brasil do Poder Executivo direto do Palácio do Planalto, em Brasília.

 

Nasi: É, estamos ao vivo para uma entrevista exclusiva com o Presidente da República, Michel Temer. Boa noite, Presidente. Obrigado por nos receber aqui.

 

Muito boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. E boa noite a você, ouvinte da Voz do Brasil. É muito bom, aliás, é ótimo conversar com vocês e poder falar para todo o país das ações que temos feito para fazer o Brasil avançar.

 

Gabriela: Então, vamos começar, Presidente, falando do programa que o senhor lançou agora há pouco aqui no Palácio do Planalto. Vão ser mais de R$ 130 bilhões, um volume grande de recursos em várias áreas. O senhor pode detalhar para a gente que obras serão essas?

 

Presidente Michel Temer: Olha, Gabriela, nós fizemos um verdadeiro raio x de inúmeras obras que estavam paradas no Brasil. E como você acabou de dizer, Nasi, são mais de R$ 130 bilhões que nós vamos investir para a retomada de obras em todas as regiões do país. Ao todo, são 3 mil municípios atendidos, vamos ampliar aeroportos, incluindo os pequenos termais, vamos recuperar mais de 50 mil quilômetros de estrada e ainda duplicar mais de 500 quilômetros de rodovias e também estamos prevendo finalizar várias obras em ferrovias, hidrovias, portos, para escoar melhor nossa produção, reduzindo custos para os nossos agricultores e empresários. Isso é importante, Gabriela e Nasi, para não ter inflação dos alimentos brasileiros e para tornar os produtos mais competitivos lá fora.

 

Nasi: Presidente, e também tem obras nas áreas de educação e saúde, não é mesmo?

 

Presidente Michel Temer: É verdade. Nós vamos construir mais 400 creches por todo o Brasil. A gente sabe que essa é uma ação fundamental para as famílias. Porque o país precisa ter um onde... os pais... os pais precisam ter onde deixar seus filhos para poder trabalhar, especialmente aquelas famílias mais pobres, não é? Onde a mãe tem um emprego e precisa trabalhar tranquila, sabendo que o filho estará muito bem cuidado. E também, Nasi e Gabriela, nós vamos construir mais de 2 mil quadras esportivas para atender cerca de um milhão de crianças. Elas vão praticar esportes, ao invés de estarem a rua. E, além disso, vamos investir também na construção das novas UPAs, as chamadas Unidades de Pronto Atendimento, e mais, notem bem, mais de 2 mil unidades básicas de saúde que atenderão 15 milhões de brasileiros e ajudar a desafogar os hospitais.

 

Gabriela: Presidente, a gente acompanhou o lançamento desse programa e vimos que também vai ter obra para melhorar a mobilidade urbana da população com mais corredores exclusivos de ônibus, metrôs, BRTs, trens.

 

Nasi: É, presidente, e agora vai ter prazo para entregar tudo isso? Como é que o cidadão, que está nos ouvindo agora, pode acompanhar o que vai ter a cidade dele e se está tudo caminhando dentro do previsto?

 

Presidente Michel Temer: Essa é uma novidade muito importante, viu, Gabriela e Nasi. Aliás, a pergunta é muito oportuna, porque nós cuidamos disso. O que é que nós fizemos? Primeiro, nós temos a meta de entregar essas 7 mil obras até o final de 2018. E, olhe só, cada pessoa vai poder saber aí na sua cidade se uma obra... como é que tem uma obra do Programa Avançar. E não é só isso, ele vai poder ser um fiscal e cobrar os resultados. Nós fizemos uma página na internet e desenvolvemos um aplicativo onde estão disponíveis, em tempo real, as obras e o andamento delas. Eu vou dar o endereço, tá bom? Dá uma paradinha e anote aí. O endereço é: www.avancar.gov.br.

 

Gabriela: E para você que ligou o rádio agora, nós estamos ao vivo aqui no Palácio do Planalto, em entrevista exclusiva com o Presidente da República, Michel Temer.

 

Nasi: É, Presidente, vamos continuar falando aí do Programa Avançar, lançado hoje, que vai retomar 7 mil obras paradas em todo o país. É possível prever o número de empregos que são vão ser gerados?

 

Presidente Michel Temer: Bem, essa, Nasi, é a nossa prioridade. Eu não me canso de dizer isso. E, olhe, com esse programa nós vamos encher os canteiros de obras de muitos e muitos trabalhadores.

 

Gabriela: E, Presidente, quando se fala em emprego, quem nos ouve fica atento para saber o que esperar do futuro.

 

Nasi: É, até porque agora muitos brasileiros começaram a voltar para o mercado de trabalho, resultado das políticas econômicas e também as medidas para aquecer as vendas do comércio.

 

Gabriela: É, e uma delas foi o saque de contas inativas do FGTS, um benefício para milhões de pessoas e ajudou quem precisava comprar ou pagar uma dívida e quem precisava vender.

 

Nasi: Presidente, então, a gente vai ouvir agora a história de brasileiros que representam milhares de pessoas beneficiadas por essa medida. Depois a gente volta para comentar, ok?

 

Presidente Michel Temer: Ok. Vamos lá.

 

Repórter Carolina Rocha: A carioca Ieda Souza passou por uma grande mudança na vida profissional três anos atrás. Deixou de investir na carreira de médica para se tornar doceira. Ela conta que muita gente achou isso uma loucura.

 

Entrevistada - Ieda Souza: Além de eu deixar de investir na carreira médica eu queria investir numa coisa que eu não sabia que ter, que eu não tinha experiência nenhuma, numa situação que ninguém investiu em nada. Então, até estruturar isso eu acabei fazendo dívidas.

 

Repórter Carolina Rocha: A oportunidade de zerar as dívidas veio no início deste ano, quando o governo autorizou o saque das contas inativas do FGTS. Com os recursos que tinha, Ieda pagou os débitos e ainda investiu na empresa de doces.

 

Entrevistada - Ieda Souza: Consegui fazer um site profissional, consegui fazer fotos profissionais. Hoje ela já é uma empresa de mais pessoas.

 

Repórter Carolina Rocha: O saque de contas inativas do FGTS beneficiou cerca de 26 milhões de pessoas. Muitas usaram recurso para pagar dívidas, comprar ou investir, assim, acabaram ajudando a economia do Brasil a se recuperar. Foram mais de R$ 44 bilhões nas mãos dos brasileiros. Jeferson Silva fazia estágio como vendedor em uma loja de produtos agropecuários, em Coromandel, no interior de Minas Gerais. Jeferson conta que acompanhou o aumento das vendas com a liberação do FGTS.

 

Entrevistado - Jeferson Silva: O movimento aumentou muito o mercado, aí eu tive a oportunidade de começar a trabalhar.

 

Repórter Carolina Rocha: Quando o período do Programa Jovem Aprendiz acabou, Jeferson foi contratado com carteira assinada na mesma loja e já realizou um sonho com os primeiros salários.

 

Entrevistado - Jeferson Silva: Um computador. Quando eu comecei a trabalhar eu juntei os quatro primeiros meses do salário meu e comprei direto, à vista.

 

Repórter Carolina Rocha: Segundo dados do Ministério do Trabalho, 34 mil vagas com carteira assinada foram criadas no mês de setembro. Em todo ano já foram gerados mais de 200 mil novos empregos. Reportagem, Carolina Rocha.

 

Gabriela: Então, Presidente, esse é um exemplo de uma medida simples, mas que tem um impacto gigantesco na economia, não é mesmo?

 

Presidente Michel Temer: É, realmente, Gabriela, foi importante você lembrar que esta foi uma medida muito simples. Porque, na verdade, bastava devolver o dinheiro aos seus verdadeiros donos. Era um dinheirão que estava parado. E você veja que o saque do Fundo de Garantia inativo foi positivo para os trabalhadores e trabalhadoras, que puderam pagar suas dívidas, como foi o caso da Ieda, que nós acabamos de ouvir há pouco. E tudo isso estimulou a retomada do crescimento e de emprego. Aliás, não foi sem razão que aumentaram as vendas no varejo. Foram mais de R$ 44 bilhões sacados e que movimentaram a economia. E até devo dizer que nós também antecipamos o direito a saque de outro benefício, o PIS/Pasep. A idade mínima para os saques passa a ser de 62 anos para as mulheres e 65 anos para os homens. E eu digo que essa uma antecipação, porque antes só poderiam sacar quando se atingisse a idade de 70 anos, tanto para homens, como para mulheres. E nós estimamos que essa liberação vai ultrapassar R$ 15 bilhões. Portanto, mais, muito mais pessoas realizarão talvez uma pequena reforma, farão aquela compra adiada, terão reforço no seu orçamento. Se somarmos essas duas medidas, nós vamos chegar a quase R$ 60 bilhões injetados na economia, um valor, convenhamos, substancial, que ajuda o Brasil a trilhar o caminho do desenvolvimento.

 

Nasi: Presidente, a gente pode até dizer que com mais pessoas com dinheiro no bolso, consumindo, isso faz até o dono de uma loja contratar mais para atender os clientes.

 

Gabriela: É, e tem muita gente nos ouvindo em busca dessas vagas no mercado de trabalho. O que dizer para esses trabalhadores?

 

Presidente Michel Temer: Bem, você sabe que todas as medidas que tomamos, especialmente essa agora no Programa Avançar, tem esse objetivo. Nós passamos inúmeros meses com um desemprego muito alto. Agora, de seis meses para cá, nós só temos geração de empregos no país, cada vez mais vagas. E trabalhamos em todos os lados para facilitar, né, a vida do trabalhador. Nós criamos um aplicativo, Nasi e Gabriela, o Sine Fácil, onde ele consegue acessar as vagas de empregos disponíveis em todo o país e se candidatar a elas. Até agora mais de 150 mil pessoas foram encaminhadas para a entrevista de trabalho. Além disso, registro mais uma coisa, vamos lançar em breve a Carteira de Trabalho Digital. Então, se neste ano geramos até agora 200 ou mais de 200 mil empregos com carteira assinada, certamente vamos revertendo a situação. Segundo o IBGE, já são mais de 1 milhão de brasileiros que conseguiram uma ocupação só nos últimos três meses. E tem mais, nossa expectativa só aumenta quando vemos que daqui para frente a economia vai continuar crescendo e ainda vamos colher os frutos da nova lei trabalhista que conseguimos aprovar no Congresso Nacional.

 

Nasi: E foi bom o senhor falar nisso, Presidente, porque abre a oportunidade para participação aqui dos nossos ouvintes.

 

Gabriela: É isso mesmo. O Ivanildo de Souza, lá de Sergipe, mandou uma pergunta sobre a nova lei trabalhista. Vamos ouvir.

 

Entrevistado - Ivanildo de Souza: Boa noite, Presidente. Meu nome é Ivanildo Souza de Jesus. Moro na cidade de Japaratuba, Sergipe. Sou pedreiro e gostaria de saber sobre a reforma trabalhista que entra em vigor agora em novembro. O que eu ganho e deixo de ganhar? Essa é a minha dúvida sobre o Fundo de Garantia, sobre PIS, sobre todos os direitos. Então, eu quero saber quais direitos eu vou ter daqui por diante.

 

Presidente Michel Temer: Olha, em primeiro lugar, Ivanildo, um grande abraço a você e muito grato pela boa pergunta que você fez. E quero também aproveitar, você que é aí de Sergipe, né? Cumprimentar também todo o povo de Sergipe. E quero falar a você, Ivanildo, e aos nossos ouvintes na Voz do Brasil, que a nova... a nova lei, que começa a valer agora, no próximo sábado, não retirou nenhum direito do trabalhador. Você continua tendo direito a férias, décimo terceiro, Fundo de Garantia, tudo isso continua. Veja a importância dessa lei. Os tempos mudaram, nós todos sabemos disso, e era preciso se adaptar, e isso significa acelerar a retomada dos empregos e dar direitos a quem trabalha na informalidade, ou seja, não tem carteira assinada. A partir de agora, para você ter uma ideia, o jovem que usa seu computador para trabalhar em casa, terá direitos garantidos. A mãe, que só pode trabalhar meio expediente e precisa completar a renda familiar, pode exercer seu trabalho por meio período, e todos com Carteira assinada. E é bom lembrar que fizemos tudo isso com diálogo, ouvindo trabalhadores e empresários. Agora, vou aproveitar a oportunidade, Ivanildo, para falar a você e a todos os profissionais, que em breve nós vamos lançar um aplicativo, é o chamado OPS, Oportunidades de Serviço, basta que você seja um microempreendedor individual, tenha uma pequena empresa, né, recolha sua contribuição como autônomo, e você vai poder cadastrar, ou melhor, oferecer seu serviço lá. Aí funciona assim, uma pessoa que tiver interesse em contratar um pintor, por exemplo, um pedreiro, é só entrar lá, escolher a cidade, e vai aparecer a lista de profissionais. Um benefício, Ivanildo, para você e todos os autônomos do país.

 

Nasi: Presidente, já que o senhor está falando aí de pequenos negócios, a gente tem uma pergunta de outra ouvinte. Agora sobre o apoio aos empreendedores.

 

Gabriela: É, nós vamos ouvir a dúvida do Diogo de Souza, que mora em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

 

Entrevistado - Diogo de Souza: Boa noite, Presidente Temer. Meu nome é Diogo, eu o seu gaúcho de Porto Alegre e trabalho numa ONG de apoio a empreendedores, que se chama Endeavour. Num estudo chamado Estatísticas de Empreendedorismo, da Endeavour, em parceria com o IBGE, descobriu-se que menos de 1% das empresas no Brasil são empresas de alto crescimento e elas são responsáveis pela geração da metade dos novos postos de trabalho. Dado o impacto dessas empresas, Sr. Presidente, eu gostaria de saber que políticas públicas o Brasil e o Governo Federal têm para incentivar o crescimento dessas empresas, e, por consequência, a geração de novos empregos e mais renda? Boa noite.

 

Presidente Michel Temer: Olha, em primeiro lugar, um grande abraço a você e obrigado pela pergunta. Porque você me dá oportunidade de falar que o nosso governo vem prestigiando os nossos empreendedores com aquilo, Diogo, que eles mais precisam, é crédito para investir. E eu digo isso porque a nossa política de geração de empregos abrange todos os lados, em especial, o empreendedor, são pessoas que aliaram o que fazem de melhor com a possibilidade de ganhar dinheiro. O brasileiro é criativo, tem boas ideias, oferece serviços que alguém, num dado momento, sempre precisa. E isso é bom. E por que é bom? Um pequeno negócio começa aqui, e, quando a gente menos percebe, está crescendo, empregando mais um. Por isso, no início de outubro, anunciei um volume de R$ 9 bilhões para que esses pequenos empresários, né, possam pegar um crédito facilitado, e, naturalmente, crescer. Até porque, como você mesmo está dizendo, Diogo, disse, acabou de dizer, estamos incentivando um setor que emprega mais da metade dos trabalhadores com carteira assinada. E não vamos ficar por aí, não. O governo trabalha para reduzir barreiras, desburocratizar processos e facilitar a vida de quem tem um negócio.

 

Gabriela: São 19h17 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: Hoje a Voz do Brasil conversa com exclusividade com o Presidente Michel Temer.

 

Gabriela: Estamos ao vivo do Palácio do Planalto, onde o Presidente responde dúvidas dos ouvintes, anuncia novidades e faz um balanço das ações do governo.

 

Nasi: Presidente, vamos falar um pouquinho sobre a área social? Grande parte dos nossos ouvintes querem saber sobre isso.

 

Presidente Michel Temer: Olhe, Nasi, eu até agradeço a você. Eu agradeço porque eu sobre digo, e eu vou repetir nesse momento, que o social é uma prioridade do meu governo. Tudo o que já falamos aqui, as ações para retomar o crescimento, gerar emprego, têm impacto direto em quem mais precisa, para os mais... especialmente para os mais pobres, tanto que, logo que assumi, determinei um aumento de 12,5% no valor do Bolsa Família. E mais, estamos trabalhando para que o benefício chegue a quem realmente precisa. Inclusive, isso é um dado importante, já zeramos a fila de espera do Bolsa Família este ano. Agora, quem pede num mês já começa a receber no outro. Além disso, você sabe que nós aperfeiçoamos esse programa. Criamos, por exemplo, o Criança Feliz para ajudar no desenvolvimento dos bebês, do nascimento até os três anos de idade. É um programa que está começando muito bem, mais de 2.600 municípios aderiram e mais de 100 mil famílias são visitadas por semana. A gente sabe que uma criança bem cuidada na primeira infância significa um futuro promissor para o nosso país.

 

Gabriela: E por falar em Bolsa Família, Presidente, uma ouvinte que recebe o benefício também tem uma dúvida. Vamos ouvir.

 

Entrevistada - Leia: Olá, Presidente, me chamo Léia. Moro no Céu Azul, Valparaíso, Goiás. Eu gostaria de saber se eu, que recebo o Bolsa Família, tenho a oportunidade de conseguir um emprego e mudar de vida?

 

Presidente da República - Michel Temer (ao vivo): Muito bem, Léia. Muito boa noite. Um abraço a você e boa noite aos moradores de Goiás. Olha, você deve estar falando do programa chamado Progredir. Recentemente nós anunciamos uma forma de incentivar a renda de famílias como a sua, que recebe o Bolsa Família. Nós queremos que os pais possam ter acesso a cursos profissionalizantes para entrar no mercado de trabalho ou até abrir o próprio negócio, se for o caso. Então, Léia, você que está nos ouvindo agora e recebe o Bolsa Família, já tivemos inscrições abertas para cursos pelo Pronatec. Além disso, estamos incentivando as prefeituras a desenvolverem ações para a inclusão dessas famílias no mercado de trabalho, seja com cursos, seja ajudando a ampliar vagas de trabalho na cidade. Enfim, com cursos e melhor capacitação isso pode significar uma oportunidade de emprego para dar uma vida melhor para os seus filhos. Agora, é bom lembrar que não queremos tirar você do programa, porque mesmo empregada, você vai poder continuar no Bolsa Família por dois anos. A nossa ideia, o nosso desejo é que você possa sair da pobreza e melhorar na vida, crescendo no emprego.

 

Nasi: Presidente, a gente não pode deixar de falar no programa Minha Casa Minha Vida e da regularização fundiária. Como é que estão essas duas ações?

 

Presidente Michel Temer: Estão caminhando, Nasi, e caminhando muito bem. Nada está separado. O Minha Casa Minha Vida nós acabamos de anunciar, aliás, a contratação para construirmos 54 mil moradias, todas para a faixa um do programa, que a faixa um é quem recebe até R$ 1,8 mil. Com essas, Nasi, já são 92 mil contratações e vamos chegar à meta de 100 mil até o final do ano. É importante dizer também que continuamos a entrega das casas. Então, só neste ano, para você ter uma ideia, já entregamos quase 300 mil moradias. E sobre a regularização fundiária, nenhum governo garantiu tanta posse da terra a quem não tinha nem posses, nem propriedade. Para você ter uma ideia, até setembro desse ano já entregamos 114,7 mil títulos para famílias que há muitos anos esperavam por isso. Nos 13 anos anteriores ao meu governo a média era pouco mais de 30 mil entregas de títulos por ano. Nosso objetivo é terminar o governo fazendo muito mais do que foi feito nos 13 anos anteriores.

 

Nasi: Bom, continuamos, ao vivo, aqui com transmissão da Voz do Brasil direto do Palácio do Planalto. E você acompanha entrevista exclusiva com o Presidente da República, Michel Temer.

 

Gabriela: E, Presidente, infelizmente nosso tempo está acabando, mas ainda dá tempo de falar sobre o futuro. O que é que nós podemos esperar para o próximo ano? Especialmente com relação ao bolso. Os brasileiros vão respirar mais aliviados no ano que vem?

 

Presidente Michel Temer: Olha, Gabriela, eu tenho dito que fizemos muito em pouco mais de um ano e meio. Nós tínhamos o desafio de devolver o Brasil ao rumo da responsabilidade, do crescimento e do desenvolvimento. E, para isso, você sabe, nós precisávamos retomar a confiança de todos para investir, gerar empregos e consumir. Nós também precisávamos, Gabriela, criar as condições políticas, e aí entra a principal característica do meu governo, que é o diálogo entre o Executivo e o Legislativo. E veja que coisa fantástica, o Brasil saiu da pior recessão da história, e os números comprovam isso. A economia cresce com o chamado Produto Interno Bruto positivo, né? Os juros estão caindo, a inflação está em seus menores índices, ou seja, começamos a crescer de novo. E o que isso significa? Isso melhora a vida do brasileiro, a confiança cresce, gera empregos. É o que eu tenho falado ultimamente, o Brasil voltou e agora é hora de olhar para frente e dar mais eficiência ao dinheiro que você paga impostos. Por isso, Gabriela, a gente precisa fazer, por exemplo, a reforma da Previdência. Nós queremos uma reforma que garanta direitos a quem mais precisa, quem ganha até dois salários mínimos, e combata privilégios de quem mais de R$ 20 mil, R$ 30 mil. Portanto, quem ganha até dois salários mínimos não vai ter prejuízo nenhum. É por isso que precisamos e estamos buscando o empenho de todos, Congresso Nacional, sociedade para fazer uma reforma justa, que promova o desenvolvimento do Brasil nos próximos anos.

 

Nasi: Presidente, agora o nosso tempo acabou, mas a gente já agradece aqui a oportunidade dessa entrevista. Mas o senhor pode aí se dirigir e se despedir aos brasileiros que estão nos ouvindo nesse momento.

 

Presidente da República - Michel Temer (ao vivo): Olha, eu agradeço muitíssimo a oportunidade da entrevista pela Voz do Brasil, que é um programa, é bom você que está nos ouvindo saber, 70 ou mais milhões de brasileiros ouvem a Voz do Brasil. Você imagina quantas pessoas, Nasi e Gabriela, nos ouviram. O que eu quero transmitir ao povo brasileiro é uma mensagem de otimismo, porque o governo está fazendo muito, o brasileiro é naturalmente otimista, o brasileiro é naturalmente pacífico, ele se irmana com as pessoas. Então, vamos acabar com essa coisa de brasileiro contra brasileiro. Nós vamos fazer brasileiro com brasileiro. A solidariedade entre os brasileiros é uma coisa importante. A amizade, né? A fraternidade entre os brasileiros, isto é que gera otimismo. O governo é otimista. A mensagem que eu lhe transmito é de grande otimismo na sua família e em todo o país.

 

Nasi: Então, é isso. A Voz do Brasil do Governo Federal fica por aqui.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e em seguida o Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".