12 de setembro de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: De olho no FGTS. Ministério do Trabalho reforça fiscalização em empresas. E mais de 1 milhão de trabalhadores não tiveram o benefício depositado. E vamos dar todas as dicas para você acompanhar se a empresa que você trabalha deposita o FGTS todos os meses. Vida nova para mais 200 imigrantes venezuelanos, que deixaram Roraima com destino ao Rio Grande do Sul. E mais de 140 atletas receberam um incentivo para se prepararem para os Jogos Paralímpicos de 2020. É o Bolsa Pódio.

audio/mpeg VOZ120918.mp3 — 45041 KB




Transcrição

Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 12 de setembro de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia. De olho do FGTS.

 

Gabriela: Ministério do Trabalho reforça fiscalização em empresas.

 

Nasi: E mais de 1 milhão de trabalhadores não tiveram o benefício depositado. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: Só no primeiro semestre de 2018 foram realizadas ações em mais de 20 mil estabelecimentos e foram emitidas mais de 9 mil notificações de dívidas.

 

Gabriela: E vamos dar todas as dívidas para você acompanhar se a empresa que você trabalha deposita o FGTS todos os meses.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Vida nova para mais 200 imigrantes venezuelanos que deixaram Roraima com destino ao Rio Grande do Sul. João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: Os imigrantes interiorizados hoje se somam aos cerca de 1,5 mil imigrantes que desde abril já foram transferidos de Roraima para outros estados do país.

 

Nasi: E mais de 140 atletas receberam um incentivo para se prepararem para os Jogos Paralímpicos de 2020, é o Bolsa Pódio.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação, da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br .

 

Gabriela: Todo o trabalhador com carteira assinada tem direito ao FGTS.

 

Nasi: Ele tem que ser depositado pela empresa todos os meses e serve como uma proteção ao trabalhador demitido sem justa causa.

 

Gabriela: Mas tem muito trabalhador que descobre, depois de demitido, que não tem nenhum valor do FGTS.

 

Nasi: Por isso o Ministério do Trabalho promove fiscalizações para verificar se os depósitos estão sendo feitos de forma correta.

 

Repórter Gabriela Noronha: O jornalista Rinaldo Costa trabalhava há mais de um ano em uma empresa quando foi demitido. E como se não bastasse perder o emprego, o jornalista teve outra surpresa, o valor do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço não havia sido depositado. Ele conta que precisou entrar na justiça para reaver o dinheiro.

 

Jornalista - Rinaldo Costa: Eu não tinha, assim, o costume de acompanhar a minha conta do FGTS, aquela conta que você tem na Caixa Econômica. Eu tive que entrar na justiça trabalhista para poder reaver esse dinheiro do FGTS. Eu tive que pagar R$ 3 mil para o advogado, que convenhamos, não é um dinheiro pouco, né?

 

Repórter Gabriela Noronha: O FGTS é garantido por lei a todos os trabalhadores com Carteira assinada, incluindo os empregados domésticos. Todo dia 7 o empregador deve depositar o equivalente a 8% do salário de trabalhadores rurais ou urbanos, 2% para os jovens aprendizes ou 11,5% para os empregados domésticos. Jéssyca Barcelos Meireles, advogada trabalhista, explica que o não recolhimento do FGTS pode resultar em uma série de consequências para a empresa.

 

Advogada trabalhista - Jéssyca Barcelos Meireles: Além da multa prevista pelo próprio Ministério na hora da notificação, ele tem que pagar o FGTS com correção, uma multa de taxa referencial, e, caso haja judicialização dessa demanda, ele vai ter que pagar encargos trabalhistas, multas processuais, juros, correções, além de ser inserido na dívida ativa esse valor também.

 

Repórter Gabriela Noronha: Para evitar casos como o de Rinaldo, o Ministério do Trabalho promove ações de fiscalização durante todo o ano. Só no primeiro semestre de 2018 foram realizadas ações em mais de 20 mil estabelecimentos de todos os estados brasileiros e foram emitidas mais de 9 mil notificações de dívidas. De acordo com Jefferson Toledo, chefe da Divisão de Fiscalização do FGTS, o empregador tem obrigação de comunicar mensalmente aos trabalhadores os valores recolhidos e repassar todas as informações sobre as contas vinculadas da Caixa Econômica Federal. Mas o trabalhador também pode monitorar os depósitos por conta própria e evitar surpresas na hora de acessar o benefício.

 

Chefe da Divisão de Fiscalização do FGTS - Jefferson Toledo: A Caixa, que é a agente operador do FGTS, ela disponibiliza várias formas de acompanhamento dos valores de depósito na conta vinculada do FGTS para o trabalhador. O trabalhador pode cadastrar para receber mensagem via SMS, pode baixar o aplicativo da Caixa e verificar esses valores, pode cadastrar seu endereço para receber via carta. E também pode fazer esse acompanhamento diretamente nas agências da Caixa, ele pode ir munido de sua documentação, Carteira de Trabalho, PIS e pedir o extrato dos valores do FGTS.

 

Repórter Gabriela Noronha: O cadastro para receber o saldo por SMS pode ser feito no site: www.caixa.gov.br . Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E só no primeiro semestre deste ano ações de fiscais em mais de 20 mil empresas encontraram irregularidades no valor de mais de R$ 2 bilhões.

 

Nasi: Um milhão e cem mil trabalhadores foram beneficiados.

 

Gabriela: Mais de 200 imigrantes venezuelanos deixaram Roraima hoje para outro estado, no chamado processo de interiorização.

 

Nasi: O destino foi Canoas, no Rio Grande do Sul.

 

Gabriela: A viagem faz parte da sexta etapa do processo de ajuda humanitária aos imigrantes, que deixaram a crise política e econômica na Venezuela em busca de melhores condições de vida aqui no Brasil.

 

Repórter João Pedro Neto: Duzentos e um venezuelanos começaram hoje o processo de interiorização no Brasil. Eles foram transferidos de Boa Vista, capital de Roraima, para o Rio Grande do Sul num avião da Força Aérea Brasileira, e seguiram para abrigos no município de Canoas. Um deles é o Samuel Hernandes, que conta que a família passava por dificuldades na Venezuela. Ele diz que chega ao Rio Grande do Sul com muita vontade de trabalhar para conquistar um futuro melhor.

 

Entrevistado - Samuel Hernandes: É uma alegria muito grande. Temos muitos planos de trabalho e ter um novo futuro.

 

Repórter João Pedro Neto: A partir da agora os imigrantes vão receber apoio para serem inseridos na sociedade local, é o que explica a subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil da Presidência da República, Natália Marcassa.

 

Subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil da Presidência da República - Natália Marcassa: Toda a rede de assistência social do município, bem como a rede de saúde, está mobilizada. Então, eles vão começar a participar de cursos para inserção no mercado de trabalho, o Ministério do Trabalho e Emprego também vai começar o cadastro deles para empregabilidade.

 

Repórter João Pedro Neto: Os imigrantes interiorizados hoje se somam aos cerca de 1,5 mil imigrantes que, desde de abril, já foram transferidos de Roraima para outros estados do país, com: Amazonas, Mato Grosso, Pernambuco, Paraíba, Rio de Janeiro e São Paulo. A interiorização é voluntária e os imigrantes que aceitam participar são vacinados, fazem exames de saúde e estão com a situação regularizada no Brasil. A subchefe da Casa Civil, Natália Marcassa, destaca que o processo de interiorização é contínuo e tem o objetivo de apoiar os venezuelanos que entram no Brasil e estão em situação de extrema vulnerabilidade.

 

Subchefe da Casa Civil da Presidência da República - Natália Marcassa: Hoje, no estado de Roraima, a gente tem uma quantidade de mais ou menos 7 mil vulneráveis, são 5 mil abrigados e ainda uma quantidade de pessoas que não estão abrigadas. Então, o primeiro perfil é que eles estejam abrigados, sejam vulneráveis e queiram. Então, aqui é muito importante a voluntariedade do imigrante.

 

Repórter João Pedro Neto: No caso de Canoas, no Rio Grande do Sul, o Ministério do Desenvolvimento Social e autorizou o repasse de cerca de R$ 1 milhão para estruturação da rede de assistência social para acolhimento dos imigrantes. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Nasi: E as Forças Armadas, que estão reforçando a segurança de brasileiros e venezuelanos na fronteira de Roraima desde o final do mês passado, vão continuar no estado até o dia 30 de outubro.

 

Gabriela: O governo prorrogou o prazo do chamado Decreto de Garantia da Lei e da Ordem.

 

Nasi: Com a medida, os militares continuam a atuar no policiamento de áreas de Roraima, como rodovias e faixa de fronteira.

 

Gabriela: Um termo recente que está tirando o sono de muitos brasileiros. Você sabe é o superendividamento?

 

Nasi: É quando o consumidor não consegue pagar todas as dívidas e precisa criar outras para quitar as anteriores e isso vai virando uma bola de neve.

 

Gabriela: Mas, representantes de Procons de todos o país estão sendo treinados para orientar os consumidores nessa situação.

 

Nasi: Representantes de bancos também participam da capacitação e podem ajudar na redução dos juros e das taxas para que os consumidores consigam pagar as dívidas.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Ter dívidas quase todo mundo tem, o cartão de crédito que vai vencer no mês que vem, o financiamento da casa, do carro, as prestações do crediário, mas nem todo mundo consegue quitar os compromisso que faz com o dinheiro que recebe. De acordo com a Secretaria Nacional do Consumidor, pelo menos 66 milhões de brasileiros estão com o nome incluído nos serviços de proteção ao crédito, o que a gente chama de nome sujo. A secretária nacional de Defesa do Consumidor, Ana Lúcia Vasconcelos, explica quais são as principais causas de endividamento.

 

Secretária nacional de Defesa do Consumidor - Ana Lúcia Vasconcelos: É o desemprego, falecimento em família, doença de cônjuge, de filhos, mães, e temos também o comprador compulsivo e aquela pessoa que é só desorganizada mesmo, que não consegue controlar a sua vida financeira.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: Ricardo Farias, jornalista de Brasília, sabe bem o que é esta realidade, depois de perder o emprego viu os carnês vencendo quem condições de pagar.

 

Jornalista - Ricardo Farias: Tenho conta de cartão de crédito de parcelamento em lojas de departamento, conta de IPVA de carro, refinanciamento de imóvel e fui tentando pagar, mas não estava dando, era muita coisa, muita coisa, até que chegou um ponto que ficou insustentável.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: E quando essas contas se acumulam e viram aquela bola de neve que ultrapassa o valor da renda mensal, como aconteceu com o Ricardo, que a gente acabou de ouvir, o nome que se dá é o superendividamento, um problema que precisa ser prevenido e tratado. A Defensoria Pública do Rio de Janeiro já faz esse serviço e tem obtido bons resultados, como detalha a defensora pública, Patrícia Cardoso Maciel Tavares.

 

Defensora pública - Patrícia Cardoso Maciel: Tavares A gente consegue 61% de sucesso nas conciliações dos superendividados. O atendimento consiste em educação financeira, renegociação das dívidas, ajuizamento de ações na justiça, aconselhamento. Cada pessoa que nós atendemos a gente faz um atendimento personalizado, artesanal e longo.

 

Repórter Luciana Collares de Holanda: A experiência da Defensoria Pública carioca inspirou o Ministério da Justiça, que realiza aqui em Brasília a curso de capacitação para enfrentar o superendividamento. A ideia é multiplicar a prática nos estados e municípios e ajudar o país a superar esse problema, que vem crescendo a cada ano. Entre os participantes estão representantes de 91 Procons de todo o país de 20 bancos, da Federação Brasileira de Bancos, a Febraban, e do Banco Central. Porque, segundo a Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor, é fundamental envolver os dois lados, fornecedor e consumidor, nessa tentativa de superar o endividamento. O perfil dos superendividados é formado, em sua maioria, por servidores públicos, mulheres, aposentados e que fazem parte das classes A, B e C. Reportagem, Luciana Collares de Holanda.

 

Gabriela: Chances de mais medalhas para o Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio em 2020.

 

Nasi: É que mais de 140 atletas vão receber ajuda financeira do Bolsa Pódio para que possam se preparar melhor para a competição.

 

Gabriela: Os detalhes ainda nesta edição.

 

Nasi: O Brasil tem hoje cerca de 730 mil presos e mais de 650 mil deles precisam de assistência jurídica gratuita.

 

Gabriela: A Defensoria Pública faz esse trabalho. Desde 2017, percorre o país e ajuda os detentos com progressão da pena e a conseguirem a liberdade.

 

Nasi: Agora, esse mutirão vai olhar de perto os processos de todo os presos de Macapá, no Norte do país.

 

Repórter Cleide Lopes: Para amenizar a superlotação e conhecer de perto a situação de cada detento, 37 defensores públicos voluntários, de 16 estados e da União, participam da força-tarefa para analisar os processos dos 3 mil detentos de Macapá, capital do Amapá. O coordenador do grupo da Defensoria Pública da União no Amapá, Pedro Matias, que explica que é importante que o preso não fique desassistido dentro do sistema penitenciário.

 

Defensor Público da União - Pedro Matias: É muito comum eles preferirem pessoas que já tenham um tempo para progredir de regime, às vezes, de um semiaberto para um aberto e que estão no regime fechado, pessoas que já cumpriram sua pena, e, às vezes, estão ainda presos. Então, nosso trabalho vai nesse estilo, a gente verifica essa situação e faz o pedido para o Poder Judiciário, para o Ministério Público para dar o parecer dele, pedindo a liberdade dessas pessoas.

 

Repórter Cleide Lopes: Essa é a décima terceira força-tarefa para dar atendimento aos presos realizada no Brasil. De 2017 para cá, mais de 22 mil processos foram revistos em todo o país. Além de ajudar a reduzir a superlotação dos presídios do país, essa força-tarefa ajuda também a conhecer individualmente cada detento, dessa maneira do governo vai poder desenvolver políticas públicas para inserir os detentos gradativamente no mercado de trabalho. Inserção que é obrigação da toda a sociedade, como explica o coordenador do Departamento Penitenciário Nacional, Tácio Muzzi.

 

Coordenador do Departamento Penitenciário Nacional - Tácio Muzzi: Ele já tem um mecanismo específico em que se cria um percentual, a depender do número de empregados, em que os outros que contratam serviço com o poder público devem empregar essa mão de obra de preso ou de egresso. Agora, também trazer e conscientizar a sociedade civil, o meio empresarial que eles também têm que participar dessa iniciativa, sem, né, tentando despir um pouco do estigma e reinserir essa pessoa que faltou, né, à sociedade aí, e merece todo o amparo social.

 

Repórter Cleide Lopes: Além do Amapá, a ação já foi realizada em Minas Gerais, Maranhão, Paraná, Amazonas, Roraima, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Pernambuco, Rondônia e Ceará. Os atendimentos em Macapá vão até o dia 21 de setembro. Reportagem, Cleide Lopes.

 

"Defesa do Brasil! Defesa do Brasil! Defesa do Brasil!".

 

Gabriela: Diminuição no roubo de veículos e de cargas.

 

Nasi: Alguns resultados da intervenção federal da segurança pública do Rio de Janeiro, que vai completar sete meses.

 

Gabriela: As ações da intervenção têm buscado fortalecer as Polícias Civil e Militar e o enfrentamento ao crime organizado.

 

Repórter Marina Melo: O Governo Federal decidiu, em fevereiro desde ano, decretar uma intervenção federal na área da segurança pública do Rio de Janeiro. Desde, então, o general Walter Braga Netto, que assumiu o cargo de interventor federal, vem desenvolvendo uma série de ações, voltadas, principalmente, para o fortalecimento das forças de segurança, como as Polícias Militar e Civil e a Guarda Municipal, assim, diversos índices de violência, como o roubo de cargas, já registraram queda. O interventor federal explica que também está em ação no estado uma operação da garantia da lei e da ordem, por isso, algumas das ações contam com apoio de militares das Forças Armadas.

 

Interventor federal - Walter Braga Netto: Durante a garantia da lei e da ordem as forças de segurança, elas ficam sob o controle operacional, isso significa que eu tenho que coordenar com as forças de segurança, eu não comando as forças de segurança. No momento em que foi colocada a intervenção, eu passei a ter um comando operacional sobre as forças de segurança. Então, eu comando. Isso facilita a execução e o planejamento das ações.

 

Repórter Marina Melo: Nomeado secretário de segurança do Rio, o general Richard Nunes comenta a importância na queda do índices de roubos de veículos.

 

Secretário de segurança do Rio - Richard Nunes: O maior impacto da intervenção foi ter sustado aquele avanço descomunal da criminalidade, que estava atingindo índices recordes a cada mês. Então, isso foi uma primeira vitória. Depois nós nos dedicamos a fazer operações integradas calcadas na metodologia, que é elaborada pelo ISP, da macha criminal, e o roubo de veículos no mês passado fechou em 3,5 mil. Com isso, se arrasta toda uma série de crimes, porque o veículo roubado é um instrumento para a prática de crimes continuados.

 

Repórter Marina Melo: A intervenção federal, decretada pela Presidência da República na área da segurança pública do Rio de Janeiro, está prevista para durar até o dia 31 de dezembro de 2018. Reportagem, Marina Melo.

 

Repórter João Pedro Neto: Dez cidades de quatro estados vão receber recursos para modernizar os bancos de alimentos.

 

Gabriela: Esses locais aproveitam alimentos que estão em boas condições de consumo, mas que não servem para venda e que iriam para o lixo.

 

Nasi: Os bancos recebem frutas e verduras, selecionam e distribuem para instituições que atendem famílias de baixa renda.

 

Repórter Roberto Rodrigues: As propostas foram escolhidas por meio de seleção pública, promovida pelo Ministério do Desenvolvimento Social. Em São Paulo os contemplados são: Santo André, Araraquara e Birigui, que juntos vão contar com R$ 997 mil. Para a Prefeitura de Curitiba, no Paraná, o repasse será de R$ 500 mil. Já os municípios mineiros de Belo Horizonte, Contagem, Ipatinga, Governador Valadares e Ribeirão das Neves vão ter R$ 2,092 milhões para investir nos Bancos de Alimentos. No Espírito Santo será destinado à prefeitura de Cachoeira do Itapemirim, com R$ 297 mil. O montante previsto no edital pode ser usado em obras e contratação de serviços de engenharia, além de aquisição de câmaras frigoríficas, caminhões, e equipamentos para o beneficiamento dos alimentos. A direta da Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Patrícia Gentil, explica como as prefeituras devem proceder para formular o contrato.

 

Direta da Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Patrícia Gentil: Nós temos uma mesa técnica já programada para acontecer no dia 19 de setembro, e a ideia é que todos esses municípios encaminhem representantes para Brasília. E nessa mesa técnica a gente vai orientar todo o processo de formulação. A nossa expectativa é que até o final do ano todos os municípios já estejam com seus contratos de repasse assinados e já deem início ao processo de licitação para os seus projetos ou de obra, ou de aquisição de equipamentos, ou da aquisição dos veículos, de acordo com cada proposta de município.

 

Repórter Roberto Rodrigues: O Brasil conta com 218 bancos de alimentos entre públicos e privados, eles atuam reduzindo o desperdício de alimentos no país, coletando doações e produtos de supermercado e de indústrias alimentícias, beneficiando e destinando os alimentos para as entidades socioassistenciais que acompanham famílias de baixa renda. Reportagem, Roberto Rodrigues.

 

Gabriela: O Ministério do Esporte divulgou hoje uma nova lista de atletas paralímpicos que vão receber o auxílio do Bolsa Pódio.

 

Nasi: É uma ajuda financeira que varia entre R$ 5 mil e R$ 15 mil mensais para que os atletas que têm chances de medalha nos próximos Jogos Paralímpicos possam se preparar melhor.

 

Gabriela: A lista contempla atletas de 18 modalidades, como canoagem, triátlon, halterofilismo, hipismo e judô.

 

Nasi: E, pela primeira vez, o recurso é destinado também a representantes do badminton e do taekwondo adaptados, esportes que foram incluídos no programa dos Jogos Paralímpicos para Tóquio 2020.

 

Repórter Graziela Mendonça: O curitibano Vitor Tavares é atleta paralímpico de badminton há dois anos. Ele conta que começou a se interessar pelo esporte ainda na escola.

 

Atleta - Vitor Tavares: Comecei no badminton através de professores na escola, né, que me chamaram para participar. Daí, com isso, fui me interessando e pegando gosto pelo esporte.

 

Repórter Graziela Mendonça: Hoje, Vitor já é o nono melhor do mundo na sua categoria, a SS6, para atletas de baixa estatura. Ele está se preparando para competir nas Paralimpíadas de Tóquio, em 2020. Agora, Vitor vai contar com um incentivo a mais para buscar a medalha no Japão, o Bolsa Pódio. Ele foi um dos 143 paratletas selecionados pelo Ministério do Esporte para receber o benefício.

 

Atleta - Vitor Tavares: Foi bem importante porque com essa quantia que a gente vai conseguir eu vou usar para minha preparação, né, usar para treinos, começar a fazer outros tipos de treino, não só na quadrada, mas, fora, academia, treinos físicos e pagar melhor os profissionais que me ajudam sempre.

 

Repórter Graziela Mendonça: A nova lista de atletas que vão receber o Bolsa Pódio, divulgada nesta quarta-feira, inclui 18 modalidades. Pela primeira vez, foram contemplados os atletas de badminton e taekwondo, já que esses esportes foram incluídos no programa dos Jogos Paralímpicos para Tóquio 2020. O coordenador-geral do programa Bolsa Atleta, Mosiah Rodrigues, explica que o objetivo é incentivar os esportistas de ponta.

 

Coordenador-geral do programa Bolsa Atleta - Mosiah Rodrigues: Hoje nós contemplados, então, 143 atletas que cumpriram os critérios para essa categoria de bolsa, né, categoria pódio, que é a mais alta que existe no programa, que é uma categoria que o atleta elegível, ele está entre os 20 melhores do mundo, ou seja, aquele atleta que está muito próximo de uma final olímpica, de uma final mundial, enfim, de medalhas, né? Então, são os atletas mais conhecido, eu diria assim, até do grande público.

 

Repórter Graziela Mendonça: A lista dos 143 contemplados pelo Bolsa Pódio e os valores que vão receber está no Diário Oficial da União desta quarta-feira. Reportagem, Graziela Mendonça.

 

Gabriela: Doze milhões de crianças e jovens que recebem o Bolsa Família cumpriram a frequência escolar mínima exigida nos meses de junho e julho.

 

Nasi: Isso significa que quase 95% das crianças e adolescentes acompanhados pelo programa atingiram a frequência exigida, o melhor resultado do país.

 

Gabriela: Manter crianças e jovens na escola é um dos compromissos assumidos pelas famílias que recebem o Bolsa Família.

 

Nasi: E moradores do estado de Goiás que recebem o Bolsa Família têm a oportunidade de se qualificar profissionalmente.

 

Gabriela: É que estão abertas as inscrições para mais de cem cursos em áreas como construção civil, agricultura, pecuária e segurança do trabalho.

 

Nasi: Todos os cursos são de graça, oferecidos pelo Plano Progredir.

 

Gabriela: As inscrições são pela internet, na página do Ministério do Desenvolvimento Social, em mds.gov.br/progredir.

 

Luciano: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU, e, em seguida, as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite e até amanhã.

 

"A Voz do Brasil, Governo Federal".