15 de fevereiro de 2018

Destaques da Voz do Brasil: Cai número de acidentes e mortes nas rodovias federais durante o Carnaval. Presidente Michel Temer visita obras de grande centro de pesquisa, que conta com recursos do governo. Receita bate recorde histórico de autuações em 2017. E vamos falar do pagamento do Bolsa Família, que começou.

audio/mpeg VOZ150218.mp3 — 46907 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Cai número de acidentes e mortes nas rodovias federais durante o carnaval. Raíssa Lopes.

 

Repórter Raíssa Lopes: Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o número de mortes nas estradas caiu 31%.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Presidente Michel Temer visita obra de grande centro de pesquisa que conta com recursos do governo.

 

Nasi: Ministério da Saúde alerta para a baixa adesão à vacina da febre amarela. Paulo La Salvia.

 

Repórter Paulo La Salvia: Nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, cerca de 20% do público-alvo foi vacinado até agora.

 

Gabriela: Receita bate recorde histórico de autuações em 2017. Nei Pereira.

 

Repórter Nei Pereira: Do total de autuações, mais de R$ 193 bilhões são débitos de empresas, o que corresponde a 94%.

 

Nasi: E vamos falar do pagamento do Bolsa Família que começou hoje. Carolina Graziadei.

 

Repórter Carolina Graziadei: Pela oitava vez a fila do Bolsa Família foi zerada; 253.500 novas famílias foram incluídas no programa.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

"Agora É Avançar".

 

Gabriela: O governo garantiu recursos para o término de um superlaboratório que está sendo construído em Campinas, no estado de São Paulo.

 

Nasi: Com ele, o Brasil vai estar na dianteira das pesquisas mundiais na área de agricultura e medicina, por exemplo.

 

Gabriela: Hoje, o presidente Michel Temer foi conhecer de perto as obras do laboratório que fazem parte do Programa Agora É Avançar.

 

Repórter Luana Karen: Construído pelo homem ou encontrado na natureza. Visível a olho nu ou não. Tudo que existe é feito de átomos. Quando se compreende a estrutura de um átomo é possível, por exemplo, criar materiais mais resistentes, fertilizantes mais eficientes, desenvolver novos remédios ou encontrar a cura para doenças. Uma das formas encontradas pelos cientistas para enxergar a estrutura de um átomo é usando a luz síncrotron, um tipo de radiação produzida quando elétrons são acelerados a uma velocidade próxima da luz em equipamentos conhecidos como aceleradores de partículas. José Roque, diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron e do Projeto Sirius, fala da importância desses experimentos.

 

Diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron e do Projeto Sirius - José Roque: Todos os problemas que o Brasil e o mundo enfrentam hoje, problemas ligados à energia, energia alternativa, meio ambiente, poluição, saúde, a gente está vendo a questão de zika agora que está afetando o Brasil, então todas essas questões, agricultura, alimentação, tudo, passa por você entender o comportamento desses processos e dos materiais na escala dos átomos. Para isso você precisa de uma ferramenta especial, certo? Então, um equipamento como esse é como se fosse um grande microscópio que permitisse você enxergar nessa escala.

 

Repórter Luana Karen: Nos últimos 20 anos, milhares de pesquisas foram feitas usando o acelerador de partículas brasileiro, localizado em Campinas, no interior de São Paulo. Agora, o equipamento está prestes a ganhar um parceiro de peso, mais moderno e potente, o Sirius, que vai ser o segundo do tipo em todo o mundo. O único em funcionamento até agora está na Suécia. Há um ano o pesquisador Andrei Nascimento busca soluções para facilitar testes com a luz sincrotron. Como bom cientista, não vê a hora de poder trabalhar no Sirius.

 

Pesquisador - Andrei Nascimento: A gente tem bastante expectativa em começar a trabalhar no Sirius e começar a fazer esses experimentos diferentes, enfim, mais avançados.

 

Repórter Luana Karen: O presidente Michel Temer foi conhecer de perto o Projeto Sirius. O presidente participou de uma reunião no Centro Nacional de Pesquisa em Energias e Materiais, onde está localizado o laboratório, e, em seguida, foi conferir as instalações do novo acelerador de partículas brasileiro. Temer destacou o avanço tecnológico que o projeto representa.

 

Presidente Michel Temer: Acabamos de conhecer, não é, um projeto extraordinário, que é uma tecnologia avançadíssima, que é o Projeto Sirius, e isto revela as potencialidades do país. Só para dar um exemplo a vocês, a espécie de tomografias, vamos dizer assim, não é, que serão ímpares, não há... praticamente não há no mundo todo, e o Brasil está caminhando para isso.

 

Repórter Luana Karen: O Projeto Sirius faz parte do Programa Agora É Avançar, lançado pelo governo no ano passado, com o objetivo de concluir mais sete de 7 mil obras que estavam pendentes no país. Cerca de 80% das obras estão prontas. E o acelerador deve começar a funcionar ainda este ano. Os investimentos do governo vão chegar a R$ 1,8 bilhão. Durante a visita, o presidente Michel Temer liberou mais R$ 218 milhões para garantir a continuidade das obras do Sirius este ano. Reportagem, Luana Karen.

 

"Trânsito - Atenção, motorista".

 

Nasi: Legislação mais rígida, multas mais caras, aumento da fiscalização e um ótimo resultado.

 

Gabriela: O carnaval deste ano foi o menos violento dos últimos quatro anos nas estradas federais.

 

Nasi: É o que mostra o balanço da Polícia Rodoviária Federal, divulgado hoje.

 

Repórter Raíssa Lopes: O número de mortes foi 31% menor em relação ao ano passado. Neste ano aconteceram 1.495 acidentes nas estradas, contra 1.742 em 2017, ou seja, 14% a menos. A maior parte deles por falta de atenção dos motoristas. Segundo o porta-voz da PRF, Diego Brandão, a atualização da legislação de trânsito, que aumentou o valor das multas, e a fiscalização intensiva foram dois dos fatores que fizeram com que as rodovias ficassem menos violentas.

 

Porta-Voz da PRF - Diego Brandão: A inovação da legislação, quando a gente majorou os valores associados aos autos de infração, ajuda na conscientização, porque é uma penalidade maior e as pessoas acabam tendo um receio maior de cometer aquele tipo de conduta. E também da fiscalização. A gente colocou o policiamento em trechos críticos, horários críticos para diminuir a incidência de acidentes ou daqueles comportamentos que causam acidentes.

 

Repórter Raíssa Lopes: O carnaval é um dos períodos mais críticos do calendário de operações da Polícia Rodoviária Federal em razão do grande fluxo de veículos nas rodovias e da insistência de alguns motoristas em misturar álcool e direção. E por falar em bebidas e volante, foram realizados quase 55.500 testes do bafômetro, mais 1.600 pessoas foram multadas por beberem antes de dirigir e 172 foram presas pelo mesmo motivo. Apesar de os números serem menores do que os de 2017, ainda preocupam, como explica o porta-voz da PRF.

 

Porta-Voz da PRF - Diego Brandão: O excesso de velocidade, ultrapassagem indevida, falta de atenção, uso de bebida alcoólica, embriaguez ao volante, são comportamentos que se repetem e que causam acidentes. Infelizmente a gente ainda tem flagrantes aos milhares a cada feriado, a cada carnaval. Então, a consciência do motorista pode ajudar bastante na contenção na violência no trânsito.

 

Repórter Raíssa Lopes: Durante a Operação Carnaval foram emitidas mais de 66 mil multas por motivos como excesso de velocidade, falta do uso de cinto de segurança e o não uso da cadeirinha para crianças. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: E durante o carnaval, a Polícia Rodoviária Federal também apreendeu mais de 10 mil munições.

 

Nasi: Os flagrantes aconteceram nas estradas federais do Rio de Janeiro e do Paraná.

 

Gabriela: A maior apreensão ocorreu na BR-116, próximo à cidade carioca de Itatiaia, onde 7 mil munições de uso restrito das Forças Armadas foram encontradas. Seis pessoas foram presas.

 

Nasi: O trabalho de combate à sonegação de impostos da Receita Federal bateu um recorde.

 

Gabriela: O valor das autuações em 2017 foi o mais alto da história.

 

Nasi: O foco das fiscalizações foram os grandes contribuintes, e mais de 90% dos valores sonegados são de empresas.

 

Repórter Nei Pereira: As autuações da Receita Federal por sonegação, evasão e falta de recolhimento de impostos chegaram a quase R$ 205 bilhões no ano passado. O maior valor desde que a instituição foi criada, 50 anos atrás. A cifra, que inclui tributos devidos, juros e multas, representa um crescimento de 68% em créditos tributários em relação a 2016. O foco da fiscalização foram os quase 9 mil grandes contribuintes, com faturamento acima de R$ 200 milhões por ano, como explica Iágaro Jung Martins, subsecretário de Fiscalização da Receita Federal.

 

Subsecretário de Fiscalização da Receita Federal - Iágaro Jung Martins: O grande resultado de 2017 se deve à concentração da Receita nos grandes esquemas de sonegação. Os grandes contribuintes que têm maior capacidade contributiva, eles representaram 79% das autuações da Receita. Esses mesmos contribuintes, eles participam na arrecadação federal com 61%.

 

Repórter Nei Pereira: Do total de autuações, mais de R$ 193 bilhões são débitos de empresas, o que corresponde a 94%. Para este ano, entre os focos de fiscalização estão as chamadas grandes operações, como ressalta Iágaro Jung Martins.

 

Subsecretário de Fiscalização da Receita Federal - Iágaro Jung Martins: Os focos para 2018 é o combate à corrupção e a sonegação, a continuação dos esquemas nas grandes operações de fraude que a Receita participa em força-tarefa, os esquemas de planejamento tributário abusivo que são praticados pelas grandes empresas e também a sonegação na contribuição previdenciária.

 

Repórter Nei Pereira: Em 2018, a Receita estima que as autuações cheguem a quase R$ 149 bilhões. Além das grandes operações, a Receita vai intensificar a fiscalização para coibir evasão nos setores de cigarros, bebidas e combustíveis. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gabriela: O Ministério da Saúde faz um apelo à população de São Paulo e Rio de Janeiro para que procurem os postos de saúde para a imunização contra a febre amarela.

 

Nasi: A vacina fracionada está sendo oferecida há mais de 20 dias, mas, de acordo com o governo, a adesão é baixa.

 

Repórter Paulo La Salvia: O Ministério da Saúde atualizou os dados da vacinação fracionada contra a febre amarela em São Paulo e no Rio de Janeiro, que começaram a aplicar as doses em 25 de janeiro. E chegou à conclusão de que a cobertura está baixa. Cerca de 20% dos mais de 20 milhões de pessoas que devem ser vacinadas nos dois estados receberam a vacina até o momento. A partir da constatação, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, fez um apelo à população.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: A cobertura vacinal está muito baixa e nós estamos fazendo um apelo à população que compareça às unidades de saúde. A campanha está pronta, as vacinas estão entregues, as seringas. Os nossos agentes de todas as unidades de saúde, todos preparados, treinados para a vacinação. Portanto, é importante que a população compareça para que nós alcancemos a cobertura vacinal prevista de acima de 90% nessas áreas onde as vigilâncias estaduais determinaram que deve haver vacinação.

 

Repórter Paulo La Salvia: Na Bahia, que também vai aplicar as doses, a vacina fracionada começa na próxima segunda-feira. Já em São Paulo e no Rio de Janeiro, a recomendação do Ministério da Saúde é que a campanha seja estendida até que 95% do público-alvo seja imunizado. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, descartou a possibilidade de a população estar descrente da eficácia da vacina fracionada, que, segundo o ministro, é segura.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Não vejo nenhuma questão quanto a isso. Eu acho que todos os estudos provam isso. Não houve grandes questionamentos sobre essa questão da eficácia da dose fracionada, e ela é um instrumento que nós temos para vacinar 20 milhões de pessoas nessa campanha.

 

Repórter Paulo La Salvia: O Ministério da Saúde fez mais uma atualização da febre amarela no país: de 1º de julho de 2017 a 15 de fevereiro deste ano foram confirmados 407 casos da doença, com 118 mortes. Nesta sexta vai ocorrer nova atualização com os números de Minas Gerais. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: 19h13 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: O pagamento do Bolsa Família começou hoje.

 

Gabriela: E vamos falar do pente-fino que está ajudando famílias que realmente precisam a entrar no programa.

 

Nasi: A movimentação de carga no setor portuário cresceu no ano passado.

 

Gabriela: Portos públicos e terminais de uso privado movimentaram mais de um bilhão de toneladas.

 

Nasi: E, segundo a Antaq, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários, o crescimento das importações e da economia impulsionou o setor.

 

Repórter Cleide Lopes: Os portos brasileiros registraram um aumento de 8,3% nas atividades no ano passado em comparação com 2016, e movimentaram mais de um bilhão de toneladas. Os dados são da Agência Nacional de Transportes Aquaviários, a Antaq, e fazem parte do anuário estatístico do setor aquaviário divulgado nesta quinta-feira. Historicamente o setor portuário brasileiro cresce cerca de 4% ao ano, mas no último ano esse crescimento mais que dobrou. O aumento é atribuído à safra recorde de grãos e à volta do crescimento da economia brasileira, como explica o diretor-geral da Antaq, Adalberto Tokarski.

 

Diretor-Geral da Antaq - Adalberto Tokarski: Se você pegar nos últimos dez anos, vem crescendo a movimentação 4% ao ano, só que a gente está vendo esse ano 8,6%. Então, opa, você saiu de um crescimento menor e realmente deu um salto. Está muito claro que a economia toda está se movimentando mais. E não só a exportação, nós passamos a importar mais também.

 

Repórter Cleide Lopes: E as expectativas continuam boas. Com a estabilização da economia e a previsão de uma grande safra, a movimentação do setor portuário deve fechar este ano no mesmo patamar de crescimento, em torno de 8% a 9%. Reportagem, Cleide Lopes.

 

"Momento Social".

 

Gabriela: A Berenice Vianna é agricultura familiar lá em Palmas, no Tocantins.

 

Nasi: E ela quer saber como faz para participar do Programa de Fomento às Atividades Rurais do Governo Federal.

 

Gabriela: O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, responde.

 

Agricultora Familiar - Berenice Vianna da Silva: Olá, ministro. Eu sou a Berenice Vianna da Silva. Eu sou aqui de Palmas. Eu sou agricultura familiar. Eu gostaria de saber como é que faz para participar desse programa de fomento.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: Berenice, o Programa de Fomento às Atividades Rurais foi criado pelo governo para incluir produtivamente as famílias extremamente pobres do campo. Com essa ação a família recebe assistência técnica em extensão rural das Ater, Emater, especializada, porque ela está produzindo, e R$ 2,4 mil a fundo perdido, esse dinheiro é dado à família, mas ela tem o compromisso de investir na produção de acordo com a vocação do agricultor. Às vezes é para melhorar as sementes, comprar um equipamento, melhorar a genética do gado. No semiárido nordestino, onde a situação é mais dura para o agricultor, o repasse é de R$ 3 mil. A seleção das famílias é feita pelas empresas de assistência técnica que foram contratadas pelo Governo Federal para oferecerem os serviços, as Ater, e de acordo com as informações do Cadastro Único dos programas sociais do Governo Federal. Em 2017 nós atendemos 25 mil famílias. Nesse ano vamos beneficiar outras 25 mil, com um investimento de R$ 60 milhões para ajudar quem mais precisa e evitar que essas famílias saíam do campo por falta de oportunidades, que eles continuem vivendo e melhorem a sua vida no campo.

 

Nasi: E se você também tem alguma pergunta sobre programas sociais manda para a gente.

 

Gabriela: Pode ser por e-mail no endereço voz@ebc.com.br e também o nosso Facebook: facebook.com/Bolsa Família.

 

Nasi: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil, sempre na quinta-feira. Participe!

 

Gabriela: E começou hoje o pagamento do Bolsa Família.

 

Nasi: E com fila zerada pelo oitavo mês, mais de 250 mil novas famílias começam a receber o benefício.

 

Gabriela: Quase R$ 2,5 bilhões vão ser pagos neste mês.

 

Repórter Carolina Graziadei: Na casa da Reilane Duarte, o dinheiro do Bolsa Família veio em boa hora. Moradora de Anamã, município ribeirinho no Amazonas, toda a renda da família vem da pesca, mas não é o suficiente para a alimentação das filhas gêmeas de um ano de idade. Agora, com os R$ 333 que recebeu pela primeira vez em janeiro, a situação melhorou.

 

Beneficiária do Programa Bolsa Família - Reilane Duarte: Eu não ia ter como dar para ela o que comer. Se fosse comer, tinha que dar só um pouquinho para regar para a janta ou para a merenda. Também a fralda, tinha que usar fralda de pano. É isso, tem dado muito ajuda.

 

Repórter Carolina Graziadei: Para que as famílias que realmente precisam possam ter acesso ao benefício e não fiquem mais na fila de espera, o Ministério do Desenvolvimento Social vem aperfeiçoando a gestão do Bolsa Família com o pente-fino. Além disso, como o Plano Progredir, que contempla a qualificação profissional, incentivo ao empreendedorismo e acesso ao mercado de trabalho, o Governo Federal quer fazer com que os beneficiários não dependam mais da transferência de renda, como explica o ministro do Ministério do Desenvolvimento Social, Osmar Terra.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: E, com isso, melhorar a renda das famílias e fazer com que essas famílias no futuro não precisem mais estar no Bolsa Família. É procurar promover o desenvolvimento, o progresso econômico e social.

 

Repórter Carolina Graziadei: Para saber o dia em que poderá sacar o benefício é só conferir o Número de Identificação Social, o NIS, que está impresso no cartão do programa. Os que terminam com final 1 podem sacar no primeiro dia do pagamento, os que com final 2 no segundo dia e assim por diante. Os recursos ficam disponíveis para saque por um período de três meses. Reportagem, Carolina Graziadei.

 

Gabriela: E quem recebe o benefício precisa cumprir algumas exigências.

 

Gabriela: Os filhos devem frequentar direitinho as aulas e ter o cartão de vacina em dia.

 

Nasi: Na última pesquisa houve recorde no acompanhamento da frequência dos estudantes.

 

Gabriela: Doze milhões e novecentos mil foram às aulas regularmente.

 

Repórter Diego Queijo: O acompanhamento dos estudantes beneficiários do Bolsa Família nos meses de outubro e novembro de 2017 alcançou a melhor cobertura nacional desde 2006. Foi registrada a frequência de 13,5 milhões jovens e crianças entre 6 e 17 anos de idade. De acordo com a coordenadora-geral de Operacionalização das Condicionalidades do Ministério do Desenvolvimento Social, Ana Paula Guimarães, os dados demonstraram que o Bolsa Família reforça a importância da educação na vida dos beneficiários, criando condições para que as famílias tenham oportunidades de um futuro melhor.

 

Coordenadora-Geral de Operacionalização das Condicionalidades do Ministério do Desenvolvimento Social - Ana Paula Guimarães: É um direito que a família tem de acesso à educação, aonde esses integrantes da família em idade escolar passam a ter esse acesso. O acompanhamento, o objetivo é para a gente garantir que esse acesso esteja sendo feito. A importância é o acesso que essa família está fazendo à educação e fazer com que essas crianças possam frequentar a escola e ao longo do tempo interromper o ciclo de pobreza.

 

Repórter Diego Queijo: O resultado é fruto do trabalho realizado pelas redes municipais de ensino em todo o Brasil e da articulação dos Ministérios da Educação e do Desenvolvimento Social. Ainda, segundo a coordenadora-geral, Ana Paula Guimarães, o acompanhamento da quase totalidade dos alunos permite identificar situações de vulnerabilidade social vivenciadas pelas famílias e orientar a atuação do poder público na busca por soluções. Para as famílias com dificuldade em cumprir as condicionalidades pode haver efeitos no recebimento do benefício, como bloqueios e suspensões. Reportagem, Diego Queijo.

 

Nasi: O presidente Michel Temer acaba de decretar situação de vulnerabilidade social no estado de Roraima.

 

Gabriela: E nós vamos, ao vivo, para o Palácio do Planalto, onde está o repórter Pablo Mundim. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. Boa noite, ouvintes da Voz do Brasil. O porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola, disse há pouco, aqui no Palácio do Planalto, que o presidente da República, Michel Temer, reconheceu a situação de vulnerabilidade do fluxo migratório desordenado de venezuelanos que estão entrando no Brasil pelo estado de Roraima devido à crise humanitária no país vizinho. O presidente editou uma medida provisória que oferece assistência emergencial para o acolhimento dessas pessoas em situação de vulnerabilidade e criou um Comitê Federal de Assistência Emergencial. As medidas abrangem áreas como proteção social, saúde, educação, direitos humanos, alimentação e segurança pública. Com essas medidas o governo vai poder ajudar de forma mais prática o estado de Roraima, com apoio e recursos federais. Segundo a prefeitura de Boa Vista, cerca de 40 mil venezuelanos vivem em abrigos na capital, isto é 10% da população da cidade. Ao vivo, Pablo Mundim.

 

Gabriela: 19h22 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: Cidades que investem na infraestrutura para receber turistas podem receber apoio do Governo Federal.

 

Gabriela: O Ministério do Turismo avalia os destinos tradicionais dos viajantes, e os que recebem melhores notas têm acesso a recursos para investir.

 

Nasi: A ideia é atrair ainda mais visitantes.

 

Repórter Raquel Mariano: Pirenópolis, em Goiás, Jericoacoara, no Ceará, ou Tiradentes, em Minas Gerais. Que tal visitar um desses destinos turísticos famosos no Brasil? De acordo com o estudo desenvolvido pelo Ministério do Turismo, estas três cidades estão entre os 358 municípios brasileiros que investiram e mostraram melhorias em infraestrutura para o turismo. Um outro destaque da pesquisa foi Ilha Bela. Localizada no litoral paulista, a cidade possui mais de 40 praias e conseguiu registrar aumento em todos os itens avaliados: empregos no setor, hospedagem formal e estimativa de fluxo de turistas. De acordo com o prefeito da cidade, Márcio Tenório, moradores e gestores se dedicam ao turismo durante todo o ano.

 

Prefeito de Ilha Bela - Márcio Tenório: Nós estamos trabalhando a cidade no slogan de 365 dias para você voltar. Então, nós temos exemplos importantes de gastronomia, da cultura. Temos trabalhado para que Ilha Bela possa movimentar a sua economia local mantendo os empregos e atraindo um turismo de qualidade e um turismo sustentável.

 

Repórter Raquel Mariano: O estudo do Ministério do Turismo classifica os municípios em categorias de 'a' a 'e', como explica o coordenador do Ministério do Turismo, Leonardo Riul.

 

Coordenador do Ministério do Turismo - Leonardo Riul: Mais de 180 municípios, que antes estavam na categoria 'e', subiram para a categoria 'd' e vão poder pleitear recursos para eventos. No geral, mais de 350 municípios subiram de categoria, o que mostra um aquecimento do setor.

 

Repórter Raquel Mariano: As cidades que procuram apoio financeiro do Ministério do Turismo para promover algum evento que vai gerar fluxo de turistas têm até o dia 22 de fevereiro para apresentar a proposta. Mais informações no site turismo.gov.br. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gabriela: E atenção estudantes do ensino médio e superior, mestres e doutores que têm soluções inovadoras para os desafios do país.

 

Nasi: Estão abertas as inscrições para o Prêmio Jovem Cientista. O tema deste ano é: Inovações para a Conservação da Natureza e Transformação Social.

 

Gabriela: As inscrições e os trabalhos podem ser enviados até o dia 31 de julho para o endereço jovemcientista.cnpq.br.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".