15 de dezembro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: Presidente Michel Temer volta a defender reforma da Previdência e garante: ela vai ser aprovada no ano que vem. Aprovada a nova Base Nacional Comum Curricular, que define os conteúdos fundamentais que estudantes devem aprender em sala de aula. Energia mais barata e geração de empregos. Governo faz leilão de linhas de transmissão em 10 estados. E a partir de janeiro consumidores podem aderir à tarifa branca na conta de luz. Com ela, consumir energia fora dos horários de pico significa economia no bolso.

audio/mpeg VOZ151217.mp3 — 46918 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que acompanha a Voz do Brasil.

 

Gabriela: Sexta-feira, 15 de dezembro de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Nasi: Presidente Michel Temer volta a defender reforma da Previdência e garante: ela vai ser aprovada no ano que vem.

 

Presidente Michel Temer: Nós vamos aprovar a Previdência no Congresso Nacional, não tenho a menor dúvida disso.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil do hoje.

 

Nasi: Aprovada a nova Base Nacional Comum Curricular, que define os conteúdos fundamentais que estudantes devem aprender em sala de aula. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: A base deverá ser implementada pelas escolas públicas e particulares até o início de 2020.

 

Gabriela: Energia mais barata e geração de empregos. Governo faz leilão de linhas de transmissão em dez estados.

 

Nasi: E a partir de janeiro, consumidores podem aderir à tarifa branca na conta de luz, com ela, consumir energia fora dos horários de pico significa economia do bolso.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Mais energia elétrica chegando para mais brasileiros.

 

Nasi: A Agência Nacional de Energia Elétrica leiloou todos os todos os 11 lotes para obras em linhas de transmissão de energia em várias regiões do país, resultado de mais uma fase do programa Agora é Avançar Parcerias.

 

Gabriela: São quase R$ 9 bilhões em investimentos que vão gerar emprego e renda.

 

Repórter Luana Karen: Mais energia para o consumidor, o leilão na Bolsa de Valores de São Paulo vai aumentar a oferta de energia e fortalecer o sistema elétrico nacional. No total, as empresas vencedoras devem investir R$ 8,7 bilhões e a expectativa é de que sejam gerados quase 18 mil empregos diretos. Lance a lance o leilão foi concorrido e atraiu 47 empresas ou consórcios. Para o secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia, Fábio Lopes Alves, o sucesso do leilão prova a confiança do investidor no país.

 

Secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia - Fábio Lopes Alves: Isso reflete, por trás desses números, uma confiança do investidor, não só no modelo regulatório, no marco regulatório do setor, principalmente nessa área de transmissão, como também no próprio país, na retomada da economia, porque são investimentos de longo prazo.

 

Repórter Luana Karen: Foram licitadas concessões para construção operação e manutenção de 22 linhas de transmissão e 14 subestações. Elas foram divididas em 11 lotes, totalizando 4.919 quilômetros de linhas de transmissão, que vão passar por dez estados: Bahia, Pernambuco, Paraíba Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí, Tocantins, Pará, Minas Gerais e Paraná. Em cada lote, o vencedor foi o que aceitou receber durante o período de concessão o menor valor pela construção e operação da linha. O deságio médio foi de 40,46%, o que significa que o consumidor vai pagar menos que o previsto para ter mais energia, é o que explica o presidente da Comissão Especial de Licitação da Agência Nacional de Energia Elétrica, Romário Batista.

 

Presidente da Comissão Especial de Licitação da Agência Nacional de Energia Elétrica - Romário Batista: Isso representa uma economia para o consumidor da ordem de R$ 15,5 bilhões, isso considerando um valor dos contratos durante o período da concessão, que é de 30 anos.

 

Repórter Luana Karen: As linhas devem começar a funcionar em até cinco anos. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: E entre as ações do Agora É Avançar está a conclusão de 1.100 obras em centenas de municípios brasileiros.

 

Gabriela: É o Avançar Cidades, que prevê investimentos de cerca de R$ 30 bilhões até o fim de 2018.

 

Nasi: O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência a República, Moreira Franco, participou de um debate hoje em São Paulo sobre o programa.

 

Repórter Ana Paula Marra: O programa Agora É Avançar tem como foco a retomada e a conclusão de obras que estão paralisadas em áreas como saúde, educação, transporte, saneamento básico e habitação. O programa tem três eixos: o Avançar, que vai destinar R$ 42 bilhões para mais de 7 mil empreendimentos; o Avançar Energia, que prevê R$ 58 bilhões em 97 projetos; e o Avançar Cidades, tema do debate realizado nessa sexta-feira com investimento de R$ 30bilhões. Segundo o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Moreira Franco, o programa vai melhorar a economia do país e a vida das pessoas.

 

Ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República - Moreira Franco: É um investimento que vai aproveitar para combater o desperdício, você vai retomar essas obras e eu acredito que isso vai gerar uma movimentação de emprego muito forte no país inteiro e vai melhorar a vida das pessoas.

 

Repórter Ana Paula Marra: Treze ministérios participam do desenvolvimento e da execução do programa Agora É Avançar. Na opinião do ministro das Cidades, Alexandre Baldy, a iniciativa traz benefícios para toda a população.

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: Promovendo investimento em habitação você consegue ali gerar inúmeros empregos e levar moradia a tão sonhadas famílias brasileiras. Promovendo investimento em mobilidade urbana é a melhoria da qualidade de vida das suas famílias em todos os seus municípios. O saneamento básico é saúde pública, cada real investimento em saneamento representa em de R$ 4 a R$ 5 em economia da saúde de todo cidadão brasileiro.

 

Repórter Ana Paula Marra: Só em habitações populares, serão 800 mil unidades contratadas para famílias com renda de até R$ 1.800 por mês e principalmente para quem ganha até R$ 4 mil mensais. O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, explica que o banco também vai atuar no financiamento de outras obras em áreas urbanas.

 

Presidente da Caixa - Gilberto Occhi: Nós temos financiamentos com recursos do FGTS para a mobilidade urbana e o saneamento urbano. A Caixa também tem feito investimentos em paralelo com estados e municípios. Então, isso vai proporcionar também que estados possam estar desenvolvimento outras ações que vão estar elencadas dentro desse grande programa, que é o Avançar.

 

Repórter Ana Paula Marra: Os investimentos totais previstos para a programa Agora É Avançar são de R$ 130 bilhões. Reportagem, Ana Paula Marra.

 

Gabriela: E o ministro Moreira Franco também falou sobre a reforma da Previdência.

 

Nasi: Segundo ele, as mudanças nas regras previdenciárias vão ajudar a construir uma sociedade mais justa e democrática.

 

Ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República - Moreira Franco: Não se chega ao século XXI numa sociedade com tantos privilégios no sistema previdenciário brasileiro. Os que ganham mais se aposentam mais cedo, os que ganham mais têm vencimentos que são reajustados a vida inteira. E, mais grave ainda, os que ganham mais são os que têm uma expectativa de vida maior. Esse sistema não é justo. Nós temos que ter regras que sejam iguais para todo mundo. A igualdade da oportunidade é um critério fundamental no mundo moderno.

 

Gabriela: Carlos Marun tomou posse hoje com o ministro da Secretaria de Governo.

 

Nasi: O Presidente Michel Temer participou da cerimônia e destacou a importância de se aprovar a reforma da Previdência.

 

Repórter Pablo Mundim: Carlos Marun chega ao Planalto para ocupar a vaga de Antônio Imbassahy na Secretaria de Governo, Pasta responsável pela articulação política entre o Executivo e o Legislativo. No discurso de posse, Marun garantiu que vai trabalhar diariamente para aprovação das reformas, em especial a reforma da Previdência, considerada o maior desafio do governo.

 

Secretário de Governo - Carlos Marun: Tornando a Previdência mais justa, mais igual e com menos privilégio estaremos viabilizando economicamente o país e permitindo que no ano de 2018 venhamos a viver um momento histórico de crescimento.

 

Repórter Pablo Mundim: O governo espera conseguir votar a proposta no dia 19 de fevereiro, logo depois do carnaval. No discurso, o Presidente Michel Temer voltou a defender a reforma da Previdência, que não vai causar prejuízo para os mais pobres e vai combater os privilégios. Para Temer, a reforma vai ser aprovada.

 

Presidente Michel Temer: E eu digo aqui em e bom som, nós vamos aprovar a Previdência no Congresso Nacional, não tenho a menor dúvida disso. Há uma campanha muito grande, há uma compreensão muito grande, daí a razão pela qual se anunciou no dia de ontem que nós transferiríamos para fevereiro. No mês de janeiro os nossos parlamentares vão para suas bases e vão verificar que não há uma oposição feroz em relação à Previdência, e, portanto, voltarão, penso eu, muito mais animados para votar a reforma da Previdência em fevereiro.

 

Repórter Pablo Mundim: Deputado de primeiro mandato pelo PMDB de Mato Grosso do Sul, Carlos Marun era vice-líder do governo na Câmara dos Deputados. Na cerimônia, Temer elogiou a atuação da Marun no Congresso e recomendou dedicação total para que a reforma de Previdência seja aprovada. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Gabriela: O Presidente Michel Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, assinaram hoje um acordo com o Rio de Janeiro, que autoriza o estado a contrair um empréstimo para pagar salários atrasados a servidores públicos.

 

Nasi: Está era a última etapa para a liberação dos recursos.

 

Repórter João Pedro Neto: O empréstimo de R$ 2,9 bilhões tem como garantia a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio, a Cedae, e é também resultado da adesão do Rio de Janeiro ao regime de recuperação fiscal, criado para permitir que estados em situação de desequilíbrio financeiro tenham condições de fazer ajustes nas contas. Com a assinatura, a expectativa é que do total do empréstimo, R$ 2 bilhões entrem no caixa do estado já a próxima semana e os outros R$ 900 milhões sejam liberados em janeiro. Segundo o governo do Rio, esse dinheiro será utilizado integralmente para o pagamento de salários atrasados de servidores ativos, inativos e pensionistas, e o repasse será feito de forma imediata para as contas dos servidores. João Pedro Neto para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: 19h11 no horário brasileiro de verão.

 

Nasi: Quer começar o ano que vem gastando menos na conta de luz?

 

Gabriela: Daqui a pouco a gente traz detalhes de como você pode aderir à chamada tarifa branca, que estimula o consumo de energia fora dos horários de pico.

 

Nasi: Depois de muita discussão, foi aprovada hoje a nova base nacional comum curricular.

 

Gabriela: O Conselho Nacional de Educação aprovou o documento que define quais conteúdos em matemática, português ou ciências, por exemplo. As escolas de todo o país devem ensinar aos estudantes em cada um dos anos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, ou seja, de 4 a 14 anos.

 

Nasi: A base curricular para o Ensino Médio e as medidas específicas sobre orientação sexual e identidade de gênero ainda vão ser discutidas e avaliadas no futuro pelo Conselho.

 

Repórter Gabriela Noronha: Uma das principais mudanças aprovadas na Base Nacional Comum Curricular é que a alfabetização das crianças deve ser concluída até o segundo ano do Ensino Fundamental, e não mais até o terceiro ano. O documento também inclui o ensino religioso no currículo das escolas. Para a secretária executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, a aprovação da nova base nacional é um avanço.

 

Secretária executiva do MEC - Maria Helena Guimarães de Castro: A base vai, certamente, contribuir para reduzir as desigualdades educacionais, melhorar a qualidade dos aprendizados e vai servir como referencial muito importante para revisão e adequação dos currículos.

 

Repórter Gabriela Noronha: A base deverá ser implementada pelas escolas públicas e particulares até o início de 2020 e será revisada a cada cinco anos, como explica o secretário de educação básica do MEC, Rossieli Soares da Silva.

 

Secretário de educação básica do MEC - Rossieli Soares da Silva: A norma está trazendo que pode ser implementada já imediatamente para os estados e municípios que desejarem e tiverem o processo, mas, obrigatoriamente, ela deve chegar na sala de aula no início do ano letivo de 2020. Isso é muito importante porque nós temos um processo de formação, temos um processo de revisão ou construção de currículos, que devem ser feitos pelas redes e pelas escolas para que a gente já inicie 2019 com força total na implementação da base.

 

Repórter Gabriela Noronha: Segundo a presidente do Conselho Nacional de Educação, Eduardo Deschamps, o objetivo da base é elevar a qualidade do ensino no país, indicando com clareza o que se espera que os estudantes aprendam na educação básica.

 

Presidente do Conselho Nacional de Educação - Eduardo Deschamps: É um documento importante para balizar aqueles aprendizados essenciais que todos os jovens e crianças do Brasil inteiro devem aprender no processo educacional e passa a ser um documento referencial importante para a construção dos currículos por parte das escolas e das redes educacionais.

 

Repórter Gabriela Noronha: O texto aprovado, agora será homologado pelo ministro da Educação, Mendonça Filho. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E o ministro da Educação, Mendonça Filho, falou com exclusividade para a Voz do Brasil sobre a Base Nacional Comum Curricular.

 

Nasi: Segundo ele, com a aprovação, o Brasil passa a ter diretrizes de ensino semelhantes às que existem para nos principais países do mundo.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: A Base Nacional Curricular coloca o Brasil no mesmo patamar das principais nações do mundo. O que define os objetivos de aprendizagem em cada etapa da educação básica, facilitando uma visão de maior e melhor qualidade para a educação do Brasil e fazendo com que as crianças pobres ou filhos de famílias de classe média tenham o mesmo acesso a um mesmo conteúdo, o mesmo padrão de aprendizagem em todas as regiões de Brasil.

 

Gabriela: Você ouviu no começo do programa que foi realizado hoje o leilão para a construção de linhas de transmissão de energia elétrica.

 

Nasi: Segundo o governo, além de gerar empregos, as novas linhas vão significar energia mais barata no futuro.

 

Gabriela: Mas, 2018 já pode começar com a conta de luz mais barata.

 

Nasi: É que o consumidor vai poder optar pela chamada tarifa branca, com ela, consumir energia fora dos horários de pico significa economia no bolso.

 

Repórter Alessandra Bastos: Secador de cabelo, chapinha, ar-condicionado, torneira elétrica e freezer. Com tantos equipamentos a conta de luz da barbearia no centro de Brasília chega a quase R$ 1 mil. O proprietário, José Heriston Cartaxo, garante que tenta economizar.

 

Proprietário - José Heriston Cartaxo: Com relação a ar-condicionado, ao funcionamento de secador, a gente orienta bastante os nossos profissionais aqui para economizar.

 

Repórter Alessandra Bastos: A partir de janeiro, consumidores com o perfil dessa barbearia vão poder reduzir a conta de luz. É a tarifa branca, que garante valores bem menores para quem consome energia elétrica fora dos horários de pico. Quem explica como vai funcionar essa tarifa é o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino.

 

Diretor-geral da Aneel - Romeu Rufino: É uma alternativa que nós estamos disponibilizando para o usuário do serviço de energia elétrica para ele, analisando seu perfil do consumo, se ele desejar, ele migrar para essa modalidade de tarifação.

 

Repórter Alessandra Bastos: Romeu Rufino esclareceu que o horário de pico será definido pelas distribuidoras, mas, de forma geral, o horário de maior valor da conta de luz deve ser cobrado entre 18h e 22h. Sendo que o período mais caro deve ser entre 19h e 21h. Fora desses horários, a tarifa de energia elétrica vai ficar mais barata. E nos feriados e finais de semana o preço também cai em qualquer horário. Para aderir à tarifa branca, o consumidor deve fazer o pedido à sua distribuidora, que terá 30 dias para trocar o medidor de energia. E caso não veja vantagem na redução da conta, pode voltar à tarifa normal um mês depois. O diretor-geral da Aneel destaca que a medida favorece os consumidores e diminui a sobrecarga nos horários mais concorridos.

 

Diretor-geral da Aneel - Romeu Rufino: Ganha, porque certamente a sua conta de energia elétrica será menor e ganha o sistema, porque o sistema, ele é projetado, ele é construído para atender o pico do sistema.

 

Repórter Alessandra Bastos: Na barbearia, o José Heriston já está contando os dias para aderir à nova tarifa.

 

Proprietário - José Heriston Cartaxo: Até para mim, para as pessoas que trabalham aqui, são todas conscientes de que quando vem a economia, todos ganham.

 

Repórter Alessandra Bastos: A tarifa vai ser disponibilizada de maneira gradual. Consumidores com a conta de luz acima de R$ 300 em média já podem aderir a partir do próximo mês. Novas ligações também já podem participar. Aqueles que gastarem entre R$ 150 e R$ 300 só podem usar a tarifa branca a partir de janeiro de 2019, e em janeiro de 2020 a tarifa vai estar disponível para toda a população. Com reportagem de Beatriz Albuquerque, locução de Alessandra Bastos.

 

Gabriela: Oferecer uma alimentação saudável, reforço escolar e atividades esportivas para crianças e jovens carentes, além de gerar renda para agricultores familiares, tudo em um único programa.

 

Nasi: É isso o que faz o Forças no Esporte, que mantém a garotada longe das ruas, dando a elas uma perspectiva de futuro melhor, vencendo a pobreza pela educação e esporte.

 

Gabriela: Em todo o Brasil, 23 mil crianças são atendidas pelo programa.

 

Nasi: E no Rio de Janeiro, Forças no Esporte faz parte de uma série de ações do governo para afastar os jovens do mundo do crime, além de revelar talentos no esporte.

 

Repórter Pâmela Santos: É fazendo muita força todos os dias que Beatriz de Silva Martins, de 14 anos, vai buscando um futuro melhor para a família. A menina, moradora da comunidade Jardim América, no Rio de Janeiro, é uma atleta de um esporte bem diferente, o levantamento de peso. O caminho no esporte começou no Centro De Referência de Assistência Social, o Cras. Lá ela ficou sabendo do programa Forças no Esporte. No Centro de Educação Física da Marinha, Beatriz recebe treinamento especializado, alimentação e reforço escolar. O resultado: o segundo lugar no Campeonato Brasileiro Sub 17 de Levantamento de Peso e o sexto nos Jogos Sul-Americanos da Juventude, disputado em Santiago, no Chile. A menina conta que o programa abriu portas para o seu futuro.

 

Atleta - Beatriz de Silva Martins: Eu não tinha essa noção aqui que eu tenho de que hoje eu tenho a oportunidade de ser uma campeã sul-americana ou, mais para frente, uma campeã mundial. E eu tenho o objetivo muito grande de tirar minha mãe daquela comunidade, a minha família, ajudar todo mundo porque eu sei que eu posso, eu consigo.

 

Repórter Pâmela Santos: O Forças no Esporte é uma das ações que foram reforçadas pelo Programa Emergencial de Ações Sociais para o Rio de Janeiro. Assim como a Beatriz, outros jovens terão a oportunidade de praticar esportes, ter aulas de informática e melhorar de vida, ficando afastados dos riscos da rua. O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, afirma que os Centros de Referência de Assistência Social e os Centros de Referência Especializados de Assistência Social e Centros POP também serão ampliados e irão receber investimentos de R$ 42 milhões. Para Osmar Terra, a integração entre as várias áreas do governo é importante para atrair as crianças e os adolescentes para fora do mundo com o crime.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Somando o aumento do atendimento do Cras, dos Creas, das escolas abertas no fim de semana, do reforço, a frequência escolar, tudo isso somado vai constituir um apoio importante às ações de desbaratamento do crime organizado que estão sendo feitos no Rio de Janeiro.

 

Repórter Pâmela Santos: A expectativa é atender 50 mil crianças e adolescentes de seis a 17 anos. Os beneficiários devem estar inseridos no Cadastro Único para programas sociais do Governo Federal, preferencialmente atendidos pelo Bolsa Família. Reportagem, Pâmela Santos.

 

Gabriela: 19h21 no horário brasileiro do verão.

 

Nasi: Cada vez mais lugares sofrem com a falta de água.

 

Gabriela: E não existe outra saída, todos precisam colaborar e mudar hábitos dentro de casa.

 

Nasi: E para discutir ações para a economia e reutilização da água, em março, o Brasil vai sediar 8º Fórum Mundial da Água.

 

Repórter Cleide Lopes: O casal Igor Alves e Iolanda Adamine moram em Brasília e têm há quatro anos uma empresa de lavagem de carro ecológica. O processo reduz de cem para cinco litros de água a lavagem de um carro. Com produtos biodegradáveis, luva, um pano e um balde o carro fica limpo e polido em pouco mais de uma hora. Igor Alves explica a vantagem lavagem ecológica.

 

Entrevistado - Igor Alves: A gente vê, vários condomínios, por exemplo, atualmente não podem mais lavar o carro utilizando água. Mas, com essa técnica aqui, com pouca água, com apenas um balde que você traz da sua própria residência, do seu próprio apartamento, você consegue lavar o carro preservando meio ambiente sem o desperdício de água.

 

Repórter Cleide Lopes: A técnica e o conhecimento adquiridos pelo casal estão sendo repassados, mais de 90 alunos já viraram empreendedores do negócio. O administrador de empresas, Ramon Cavalcante fez o curso, deixou o emprego público para se dedicar à arte de economizar água na lavagem de carros.

 

Administrador de empresas - Ramon Cavalcante: É bom para o meio ambiente, eu estou contribuindo aí para a economia de água e eu consigo lavar os veículos aonde o veículo está estacionado. É um excelente negócio.

 

Repórter Cleide Lopes: O Distrito Federal passa por uma crise hídrica e com racionamento de água, que já dura quase um ano, reduziu o uso diário de água por habitante, de 183 litros para 152. Mas ainda não é o suficiente. A Organização das Ações Unidas recomenda que o uso ideal é de 110 litros por pessoa ao dia, como explica Rodrigo Augusto Barbosa, superintendente de abastecimento de água e esgoto da Adasa.

 

Superintendente de abastecimento de água e esgoto da Adasa - Rodrigo Augusto Barbosa: É preciso ter muita atenção sobre os hábitos de consumo em casa, economia na hora do banho, na lavagem de roupa, não usar água que é potável para lavar calçadas e e pátios, carros. Esses hábitos todos precisam ser revistos. Eram hábito que eram considerados normais em tempos de abundância hídrica, mas esse período, infelizmente, acabou.

 

Repórter Cleide Lopes: A demanda por água do mundo vai aumentar em 50% até 2030, segundo dados das Nações Unidas, por isso, o Brasil precisa discutir de forma urgente a reutilização da água, como explica Jorge Werneck coordenador da comissão do processo temático do Fórum Mundial da Água.

 

Coordenador da comissão do processo temático do Fórum Mundial da Água - Jorge Werneck: A consciência em relação ao uso da água e essa necessidade do bom uso tem aumentado de forma bastante rápida e a gente percebe isso nos números e nas captações que são feitas para abastecimento da sociedade.

 

Repórter Cleide Lopes: Para discutir ações, o 8º Fórum Mundial de Água será realizado em Brasília, em março do ano que vem. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Gabriela: Para reduzir custos e incentivar investimentos, o governo zerou o imposto de importação de mais de 1.100 máquinas e equipamentos industriais que não são produzidos no país.

 

Nasi: A medida reduz custos e vai beneficiar, principalmente, a produção nacional de automóveis e de celulares, que vão gerar investimentos de cerca de R$ 2,4 bilhões.

 

Gabriela: A redução dos impostos é temporária e vai até o dia 30 de junho de 2019.

 

Nasi: Arroz, feijão, leite, tomate e banana estão entre os produtos com direito a desconto das parcelas de dezembro do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, o Pronaf.

 

Gabriela: A lista com produtos e regiões que vão receber o bônus do Programa do Garantia de Preços para a Agricultura Familiar vale até o dia 9 de janeiro de 2018.

 

Nasi: E pelo programa, se os preços dos produtos praticados pelo mercado estiverem com cotação abaixo dos valores de garantia, eles recebem um bônus para abatimento no financiamento do Pronaf.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite e um bom fim de semana.

 

Gabriela: Boa noite para você e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso".