17 de abril de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Regularização de terras em áreas rurais cresce mais de 1000 %. Aumento que é resultado de decreto assinado pelo presidente Michel Temer, no ano passado, e que vem facilitando a emissão de títulos pelo país. FMI e Banco Mundial aumentam previsão de crescimento da economia brasileira. Brasil vai recorrer à Organização Mundial do Comércio por restrição a importação de frango pela União Europeia. Começou o pagamento do Bolsa Família. E vamos falar do aumento de ações do governo para acolher venezuelanos em Roraima.

audio/mpeg VOZ170418.mp3 — 46877 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 17 de abril de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Regularização de terras em áreas rurais cresce pais de mil por cento. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: Em 2017 o Governo Federal emitiu mais de 120 mil títulos. Em 2016, apenas 9,8 mil haviam sido emitidos.

 

Nasi: Aumento que é resultado de decreto assinado pelo Presidente Michel Temer no ano passado e que vem facilitando a emissão de títulos pelo país.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: FMI e Banco Mundial aumentam previsão de crescimento da economia brasileira. Paola de Orte.

 

Repórter Paola de Orte: Entre as razões para melhora nas previsões estão o aumento do investimento e do consumo no país.

 

Gabriela: Brasil vai recorrer à Organização Mundial do Comércio por restrição à importação de franco pela União Europeia.

 

Nasi: Começou hoje o pagamento do Bolsa Família. Diego Queijo.

 

Repórter Diego Queijo: Em abril, mais uma vez a fila foi zerada e 268.392 novas famílias foram incluídas no programa.

 

Gabriela: E vamos falar do aumento de ações do governo para acolher venezuelanos em Roraima. João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: Novos abrigos foram abertos e mais imigrantes vão ser deslocados para outros estados.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: Plantar e produzir numa terra que é sua.

 

Gabriela: Isso significa acesso a crédito e a assistência técnica para aumentar a produção, gerar mais e renda e garantir que a família pertença na terra.

 

Nasi: Uma realidade que vem crescendo no Brasil. É que a regularização de terras em áreas rurais aumentou mais de mil por cento entre 2016 e 2017.

 

Gabriela: Um decreto assinado pelo Presidente Michel Temer, no ano passado, vem facilitando essa regularização, além de ampliar investimentos em infraestrutura nos assentamentos.

 

Repórter Márcia Fernandes: Desde 1992, Manoel de Faria vive em um assentamento em Unaí, em Minas Gerais. Ele já tinha um contrato de concessão de uso da terra, mas só no ano passado conseguiu o título definitivo. Ele conta que agora está feliz, pois sabe que a terra é realmente dele e que vai aproveitar a chance para produzir.

 

Entrevistado - Manoel de Faria: Posso plantar, hoje eu posso fazer um paiol, hoje eu posso fazer um barracão para mim tirar meu leite.

 

Repórter Márcia Fernandes: Desde que o Programa Nacional de Regularização Fundiária entrou em vigor, em julho do ano passado, aumentou o número de assentados que ganharam títulos provisórios ou definitivos, assim como o seu Manoel. Em 2017 o Governo Federal emitiu mais de 120 mil títulos, em 2016 apenas 9,8 mil haviam sido emitidos, 26 mil destes títulos são definitivos e facilitam o acesso dos assentados a créditos bancários e a programas do governo voltados para a agricultura familiar, como explica o diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamentos do Incra, Ewerton Giovanni dos Santos.

 

Diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamentos do Incra - Ewerton Giovanni dos Santos: Tem também os créditos de custeio do Pronaf da ordem de R$27 mil por unidade familiar e também direitos a acesso à comercialização da produção. Ele pode vender para os programas institucionais, né, como o Pnae o PAA, que é grande programa, um importante programa de comercialização da produção. Então, com esse documento em mãos, ele pode tirar o seu cartão de produtor rural, ele pode ter isenção e redução de impostos.

 

Repórter Márcia Fernandes: O balanço do Governo Federal aponta que o número de contratos de concessão de uso da terra também aumentou, subiu de 8 mil, em 2016, para 97 mil, em 2017. Com esse contrato a assentado se compromete a residir no lote e explorá-lo economicamente antes de receber a titulação definitiva, além disso, foram mais de R$ 230 milhões em orçamento para obras de infraestrutura nos assentamentos. Para o diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamentos de Incra, esses números apontam o trabalho do governo em busca de melhorar a situação fundiária do país.

 

Diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamentos do Incra - Ewerton Giovanni dos Santos: O governo tem a meta de emitir mais de 20 mil títulos definitivos em 2018 e cerca de mais de 100 mil títulos provisórios também em 2018.

 

Repórter Márcia Fernandes: Até o fim do ano, o Governo Federal deve liberar R$ 85 milhões em créditos para os beneficiários da regularização rural. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Gabriela: E hoje, duas instituições financeiras mundiais melhoraram suas previsões de crescimento da economia brasileira.

 

Gabriela: Com base na retomada da economia que vem acontecendo no Brasil, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, o FMI, projetam o aumento maior no nosso Produto Interno Bruto.

 

Nasi: O PIB é a soma de todos os bens de serviços produzidos pelo país durante um período.

 

Gabriela: Quem traz os detalhes é a nossa correspondente nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Repórter Paola de Orte: O FMI divulgou, nesta terça-feira, que sua projeção de crescimento da economia brasileira para este ano é de 2,3%, 0,4% a mais do que a previsão que havia sido feita em janeiro. Já a previsão para o ano que vem é de 2,5%, também maior do que a de 2,1% que havia sido anunciada no início do ano. Os dados fazem de um relatório sobre a economia mundial divulgado hoje, que afirma que entre as razões para a melhora nas previsões estão no aumento do investimento e do consumo no país. O Fundo Monetário Internacional também destaca que as taxas de inflação brasileiras estão em níveis historicamente baixos, o que permite juros menores e mais estímulos à economia. O Banco Mundial também lançou um relatório nessa terça-feira em que traz uma previsão qual ao do FMI para o ano que vem e ainda mais otimista para este ano, um crescimento de 2,4%. O economista-chefe do Banco para América Latina e o Caribe, Carlos Vegh, destacou a reforma fiscal e a reforma trabalhista na retomada do crescimento brasileiro. De Washington, nos Estados Unidos, para a Voz do Brasil, Paola de Orte.

 

Nasi: Quem recebe o Bolsa Família já pode começar a sacar o dinheiro, o pagamento começou hoje.

 

Gabriela: E neste mês, com a fila zerada, mais de 260 mil famílias vão receber o benefício pela primeira vez.

 

Repórter Diego Queijo: Em abril o Governo Federal repassará mais de R$ 2,4 bilhões, são mais de 13,7 milhões famílias que vão receber o complemento de renda em todo o país. Gente como a dona de casa Dégila da Silva, que mora com os quatro filhos em Marechal Floriano, no Espírito Santo. Ela conta que o dinheiro é um reforço, e tanto, para manter a casa e a alimentação das crianças em dia, principalmente, depois da chegada do caçula, Lucas Emanuel, de 11 meses.

 

Dona de casa - Dégila da Silva: Já ajudou muito porque quando eu estava grávida dele, a parte do enxoval para comprar, fui comprar alimento também para eles, essas coisas assim.

 

Repórter Diego Queijo: Em Brasília, mais uma vez a fila foi zerada e 268.392 novas famílias foram incluídas no programa. Isso significa que todas as pessoas inscritas no Cadastro Único e que se encaixam nas regras do Bolsa Família passaram a receber os recursos do programa. Como conta o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Isso, graças à melhoria da governança do programa e da focalização no Bolsa Família, colocando as pessoas que realmente necessitam como prioridade e retirando aquelas que não fazem jus ao benefício.

 

Repórter Diego Queijo: Para saber o dia em que poderá sacar o benefício é só conferir o Número de Identificação Social, o NIS, que está impresso no cartão do programa. Os que terminam com final um, podem sacar do primeiro dia de pagamento, os com final dois, no segundo, e assim por diante. Os recursos ficam disponíveis para saque por um período de três meses. Para saber a data de pagamento, basta acessar a página oficial do Ministério do Desenvolvimento Social no endereço: facebook.com/ministeriododesenvolvimentosocial. Reportagem, Diego Queijo.

 

Nasi: O governo continua atuando para acolher os venezuelanos que têm atravessado a fronteira vindo ao Brasil, fugindo da crise social e política no país vizinho.

 

Gabriela: Além de continuar com o deslocamento desses imigrantes para outros estados, novos profissionais vão ser contratados para os novos abrigos que vão ser montados em Roraima.

 

Repórter João Pedro Neto: Cinco abrigos já foram montados e estão funcionando em Boa Vista, capital de Roraima, e um na cidade da Pacaraima, fronteira com a Venezuela, para acolher os migrantes que chegam do país vizinho. Outras cinco estruturas como essas vão ser montadas nas duas cidades até o final de maio. Cada espaço tem capacidade para acolher, em média, 500 pessoas, com oferta de alimentos, higiene e cuidados de saúde. O comandante da Força-Tarefa Logística Humanitária do Governo Federal em Roraima, general Eduardo Pazuello, estima que entre 4 mil e 7 mil venezuelanos estejam desassistidos no estado, número que pode flutuar, segundo ele afirmou em entrevista inclusiva à Voz do Brasil, quando também falou sobre o trabalho nos abrigos.

 

Comandante da Força-Tarefa Logística Humanitária - Eduardo Pazuello: Cada abrigo, em média, 500 imigrantes, e eles têm toda as acomodações, alimentação, a parte de saúde necessária ali no apoio diário, e eles estão sendo... estão se preparando para que possam ser interiorizados para outras capitais do país. Então, essa vacinação, esse tratamento médico e o próprio cuidado de higiene, ele é uma necessidade básica para que o pessoal possa ser interiorizado numa segunda etapa.

 

Repórter João Pedro Neto: Mais de 200 venezuelanos já foram interiorizados e encaminhados para cidades de São Paulo e Cuiabá. O Ministério do Desenvolvimento Social negocia a transferência de imigrantes do país vizinho, que queiram se fixar no Brasil, para outras cidades como Brasília, Porto Alegre e Campinas. A expectativa é que até mil venezuelanos possam ser interiorizados em maio. O ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, explica que a pasta também deve contratar profissionais especializados para atuar junto aos venezuelanos nos abrigos.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Para cuidar das pessoas que estão abrigadas lá nós estamos imaginando uma necessidade de 31 equipes que serão compostas por profissionais da assistência social, psicólogos, antropólogos, enfim, pessoas que estão habilitadas adequadamente para lidar com as questões humanitárias que são defnidas pelos migrantes e conseguir adequadamente mitigar o sofrimento dessas pessoas.

 

Repórter João Pedro Neto: Quando todos os 11 abrigos estiverem funcionando, haverá capacidade para acolher cerca de 5,5 mil migrantes em Roraima. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Nasi: Atenção contribuintes, faltam menos de 15 dias para o fim do prazo da declaração do imposto de renda.

 

Gabriela: E mais da metade dos contribuintes ainda não entregou o documento.

 

Nasi: Daqui a pouquinho, todos os detalhes para você não deixar a entrega para última hora.

 

"As rádios de todo o país já podem transmitir a Voz do Brasil em horário flexível. As emissoras de radiodifusão são obrigadas a retransmitir diariamente entre às 7h da noite e às 10h da noite, exceto aos sábados, domingos e feriados. A duração continua a mesma, 60 minutos, de forma ininterrupta. As emissoras devem informar aos ouvintes, às 7h da noite, o horário em que vão transmitir o programa. A Rede Nacional de Rádio mantém a transmissão às 7h da noite, pelo satélite e ao vivo, pela internet, no site redenacionalderadio.com.br".

 

Gabriela: O Brasil vai recorrer à Organização Mundial do Comércio contra restrições de importação do frango brasileiro pela União Europeia.

 

Nasi: Para o ministro da Agricultura Blairo Maggi, o embargo não se dá por questões sanitárias, mas comerciais.

 

Repórter Luana Karen: A Organização Mundial do Comércio pode ser o caminho escolhido pelo governo brasileiro, caso a União Europeia impeça que os países do bloco comprem carne de frango de empresas brasileiras. Ainda esta semana, o grupo de países europeus deve divulgar uma lista de empresas brasileiras que serão descredenciadas. Para o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, caso confirmada, a medida se caracterizaria como embargo comercial e não como embargo sanitário.

 

Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Blairo Maggi: Aparentemente não é uma questão de saúde pública, é uma questão de proteção comercial, uma guerra comercial. Porque se você tem um tipo de salmonela que paga 1.024 euros para entrar na comunidade europeia, e a partir daí ela pode ser consumida, não me parece que estamos discutindo questões de sanidade, e, sim, questões de volumes de carga e proteção de mercado interno deles.

 

Repórter Luana Karen: No último ano a Polícia Federal deflagrou operações para investigar empresas acusadas de vender carne adulterada e de fraudar resultados laboratoriais que davam respaldo à certificação de estabelecimentos. Em resposta, o governo brasileiro reforçou a fiscalização e os mecanismos de controle. Entre as medidas adotadas está a centralização no Governo Federal da fiscalização dos frigoríficos. A ideia é eliminar possíveis interferências políticas em processos técnicos locais. Além dessas medidas, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, tem viajado para os principais mercados internacionais.

 

Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Blairo Maggi: Estamos na fase final de abertura de venda de carnes bovina para Indonésia, estamos com o mercado também finalizando essa... semana que vem, carnes suínas para Coreia do Sul e também a tão esperada missão chinesa para aumentar o número de plantas que podem exportar suínos, bovinos e aves para a China, foi marcada ontem, para o começo de maio. Estamos aí na reta final da reabertura da Rússia também.

 

Repórter Luana Karen: Segundo o ministro Blairo Maggi, confirmado o descredenciamento das empresas brasileiras, a retomada das vendas à União Europeia vai depender do bloco europeu e de novas missões ao Brasil. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: E tanta preocupação com esse mercado vem num momento em que o agronegócio impulsiona as nossas vendas para outros países.

 

Nasi: É, Gabriela, as exportações de frutas, por exemplo, dispararam. Vendemos mais de 120 mil toneladas nos primeiros dois meses do ano.

 

Gabriela: O Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do mundo e quer ainda abrir mais esses mercados.

 

Repórter Cleide Lopes: As exportações de frutas secas e processadas tiveram alta de 14,4% no primeiro bimestre deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. E o país está de olho nesse mercado de processados. Quando se transforma ingredientes brutos em outros alimentos, como explica o diretor de Promoção Comercial Internacional do Agronegócio, do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Edvaldo da Silva Junior.

 

Diretor de Promoção Comercial Internacional do Agronegócio - Edvaldo da Silva Junior: Como as frutas, né, são perecíveis, então, tem certas frutas que são colhidas que têm que ser imediatamente ou encaminhadas para consumo, ou, então, e aí entra a industrialização, serem processadas para serem transformadas em sucos ou em outros produtos a agregação de valor.

 

Repórter Cleide Lopes: Há dois meses o Ministério da Agricultura lançou o Plano Nacional do Desenvolvimento da Fruticultura. Uma das metas do plano é justamente o estímulo a alimentos processados como, por exemplo, o abacaxi em caldas ou poupa de frutas para suco. O Grupo Petruz Fruity, de Castanha, no Pará, é um exemplo de processamento, a empresa produz por ano 15 milhões de quilos de poupas de frutas da Amazônia, como o açaí, a graviola a acerola, e exporta para Estados Unidos, Austrália e Europa. O diretor mercadológico da Petruz Fruity, Rafael Ferreira, diz que além de contribuir com a balança comercial brasileira, a empresa gera emprego para mais de 1,5 mil famílias de agricultores familiares da floresta amazônica.

 

Diretor mercadológico da Petruz Fruity - Rafael Ferreira: Hoje nós temos em média de 450 pessoas trabalhando conosco, porém, no período da safra esse número chega a quase 700 pessoas de empregos direto.

 

Repórter Cleide Lopes: A meta do Plano Nacional de Desenvolvimento da Fruticultura até 2028 é chegar a US$ 60 bilhões no mercado global de alimentos. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: O consumidor pode encontrar uma boa surpresa na hora comprar batata e tomate nesse mês.

 

Gabriela: É que os preços desses produtos ficaram mais baratos nas principais Ceasas do país, o que pode refletir no preço nos supermercados.

 

Nasi: É o que mostra pesquisa divulgada hoje pela Conab, que inclui os preços de diversas variedades de produtos e a comercialização nas centrais de abastecimento de oito estados brasileiros.

 

Gabriela: A gerente de modernização do mercado hortigranjeiro da Conab, Erick Farias, explica o motivo.

 

Gerente de modernização do mercado hortigranjeiro da Conab - Erick Farias: A batata vem com boa oferta, principalmente da produção do Paraná, que ofertou durante todo esse primeiro trimestre, e agora de Minas Gerais. Já o tomate, as altas temperaturas aceleraram a maturação do produto, então, obrigam o produtor a colher o tomate e disponibilizar no mercado.

 

Nasi: No caso das frutas, está na hora de fugir das tradicionais, entre as mais comercializadas como banana, laranja, maçã, mamão e melancia, a tendência é de elevação de preços.

 

Gabriela: Faltam menos de 15 dias para terminar o prazo de entrega da declaração do imposto de renda.

 

Nasi: Contribuintes que receberam mais de R$ 28 mil durante todo o ano passado têm até 30 de abril para enviar a declaração à Receita Federal.

 

Gabriela: E a recomendação é não deixar para a última hora.

 

Repórter Raíssa Lopes: O analista de sistemas, Anderson Neiva, sempre entrega a declaração do imposto de renda no início do prazo, mas neste ano ainda não teve tempo para juntar dos documentos necessários para preencher a declaração. Ele também tem algumas dúvidas sobre o preenchimento.

 

Analista de sistemas - Anderson Neiva: Primeiro eu estou reunindo toda a documentação por causa que nós compramos um apartamento no ano passado e eu vou procurar um contador para saber como que eu tenho que declarar esse apartamento na minha declaração de imposto de renda.

 

Repórter Raíssa Lopes: Assim como Anderson, mais de 16 milhões de pessoas ainda não entregaram a declaração do imposto de renda de 2017, ou seja, mais da metade dos contribuintes que devem declarar. O prazo vai até 30 de abril. O supervisor nacional do imposto de renda da Receita Federal, Joaquim Adir, explica porque é importante preencher e entregar o documento o quanto antes.

 

Supervisor nacional do imposto de renda - Joaquim Adir: A multa é pesada e ele pode ter as dificuldades, exemplo, a Receita está preparada para receber todas essas declarações, no entanto, ele pode ter problema no seu equipamento, ou até mesmo no seu provedor de internet.

 

Repórter Raíssa Lopes: Quem for preencher a declaração do imposto de renda deve ficar atento. Neste ano o documento traz algumas novidades, como a obrigatoriedade de informar o CPF de dependentes com oito anos ou mais. Há também novos campos para informações relacionadas a alguns tipos de bens, como endereço, data de compra de imóveis e o número do Renavam de veículos. A professora de contabilidade Clésia Pereira, da Universidade de Brasília, dá dicas para não errar na hora de completar a declaração.

 

Professora de contabilidade - Clésia Pereira: Organize toda a documentação, leia com bastante atenção, preencha, verifique se tem alguma divergência, se tem algum erro, e aí somente depois que você faz a transmissão.

 

Repórter Raíssa Lopes: A expectativa é que quase 29 milhões de contribuintes entreguem a declaração de imposto de renda neste ano. A multa mínima para quem não entregar o documento é de R$ 165 e pode chegar a 20% sobre o imposto devido. A declaração deve ser feita na internet pelo endereço: www.receitafazenda.gov.br. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

"Defesa do Brasil! Defesa do Brasil! Defesa do Brasil!".

 

Nasi: Conhecido mundialmente como um país pacífico e conciliador, o Brasil ampliou seu prestígio junto à comunidade internacional por causa de suas participações em missões de paz da ONU.

 

Gabriela: E graças ao reconhecimento das tropas do Brasil em missões, como a do Haiti, um general do Exército brasileiro foi escolhido para comandar a missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo. A repórter Marina Melo tem os detalhes.

 

Repórter Marina Melo: Desde o início de sua carreira no Exército, o general de divisão, Elias Rodrigues Martins Filho, sempre teve grande interesse pelo trabalho realizado pelas Nações Unidas no sentido de estabelecer a paz em regiões conflagradas espalhadas pelo mundo. Em 1995 o general Elias atuou junto ao Estado Maior da Missão de Paz da ONU na Angola, além de ter sido oficial de planejamento no Departamento de Operações de Paz da ONU, onde se envolveu em ações voltadas para o Sudão do Sul, Etiópia, Saara Ocidental, além da mais recente missão de paz do Haiti. Agora, o general Elias foi o escolhido entre militares indicados por 16 países para assumir o cargo de comandante da Monusco, Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo. Na missão, o general Elias comandará um efetivo de aproximadamente 17 mil militares vindos dos mais diversos países. De acordo com ele, a maior dificuldade da missão é lidar com grupos rivais que disputam territórios para a exploração mineral das riquezas da região.

 

General de divisão - Elias Rodrigues Martins Filho: A situação no Congo, ela se torna mais complexa pela enormidade de facções, de grupos armados ilegais que atuam do país. Hoje há estudos que apontam que há mais de 200 grupos armados no país disputando porções de terra, disputando minas, disputando riquezas que o país dispõe.

 

Repórter Marina Melo: Para a general Elias, o fato de um brasileiro ter sido escolhido para chefiar uma missão de paz da ONU é uma demonstração do reconhecimento internacional do trabalho das Forças Armadas do Brasil.

 

General de divisão - Elias Rodrigues Martins Filho: Isso significa prestígio para o Brasil, reconhecimento da qualidade do militar brasileiro, estou falando da qualidade técnica, mas não apenas ela, a qualidade de entender como nós estamos inseridos no ambiente político que nos envolve. Significa o reconhecimento do 'modus operandi' do soldado brasileiro, que trata a população local como uma população carente que merece ajuda e não como uma população que merece ser hostilizada.

 

Repórter Marina Melo: O general explica que um de seus principais objetivos como comandante da missão é assegurar que o Congo consiga realizar suas eleições presidenciais previstas para dezembro deste ano. Atualmente o general Elias ocupa o cargo de subchefe de organismos internacionais da chefia de assuntos estratégicos do Ministério da Defesa. Reportagem, Marina Melo.

 

Nasi: A segurança das fronteiras e o combate a crimes como contrabando e tráfico de drogas e armas foram debatidos hoje por representantes de sete ministérios.

 

Gabriela: A ideia é avaliar o andamento do Programa de Proteção Integrada de Fronteiras, criado dois anos atrás para promover uma atuação coordenada entre todos os órgãos de segurança pública.

 

Nasi: Segundo o ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes, também foi discutido quais acordos devem firmados com os países vizinhos ao Brasil para fortalecer a segurança nas fronteiras.

 

Ministro de Relações Exteriores - Aloysio Nunes: Cada vez mais há consciência no Brasil, uma boa parte dos crimes violentos são crimes que decorrem desse tipo de atividade, tráfico de drogas, tráfico de armas, contrabando, tráfico de pessoas, e são crimes que não acontecem apenas no Brasil, são crimes que passam de uma fronteira para outra. Então, é preciso nos coordenarmos mais internamente os nossos órgãos de segurança, de controle com o dos países vizinhos.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".