18 de abril de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começa na próxima segunda-feira em todo o país. Cresce número de micro e pequenas empresas. E com elas, aumentam a geração de empregos com carteira assinada. Vamos falar ainda do exame para retirar o certificado dos ensinos fundamental e médio. Em 2 dias, Encceja recebe mais de 500 mil inscrições.

audio/mpeg VOZ180418.mp3 — 44959 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 18 de abril de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe começa na próxima segunda-feira, em todo o país. João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: Todos os postos de vacinação do país vão estar mobilizados para a Campanha Nacional Contra a Gripe. Cerca de 54 milhões de pessoas fazem parte do grupo prioritário para receber a vacina.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Cresce o número de micro e pequenas empresas.

 

Nasi: E com elas aumentam a geração de empregos com carteira assinada, Luana Karen.

 

Repórter Luana Karen: Micro e pequenas empresas foram responsáveis pela geração de mais de 90% das vagas formais de emprego em fevereiro.

 

Gabriela: Vamos falar ainda do exame para retirar o certificado dos ensinos fundamental e médio.

 

Nasi: Em dois dias o Encceja já recebeu de mais de meio milhão de inscrições.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: A campanha de vacinação contra a gripe começa na semana que vem.

 

Nasi: A partir de segunda-feira, postos de saúde de todo o país vão entender idosos, gestantes, crianças, pessoas com doenças crônicas, professores e trabalhadores da saúde que queiram se proteger contra a doença.

 

Gabriela: A meta é imunizar 54 milhões de pessoas.

 

Repórter João Pedro Neto: O rei Pelé entrou em campo para alertar sobre a importância da vacinação contra a gripe. O maior atleta do século 20 é personagem da campanha do Ministério da Saúde neste ano, e deu o recado.

Ex-jogador - Pelé: É isso aí, estão escalados maiores de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, professores, gestantes, mães no pós-parto, doentes crônicos, pessoas especiais e profissionais de saúde.

 

Nasi: A campanha de vacinação foi lançada pelo Ministério da Saúde no período que antecede o inverno, estação em que a temperatura cai em várias regiões do país e a transmissão do vírus aumenta. Todos os postos de vacinação do país vão estar mobilizados para a Campanha Nacional Contra a Gripe, que começa na segunda-feira, dia 23 de abril, e vai até 1º de junho. Cerca de 54 milhões de pessoas fazem parte do grupo prioritário para receber a vacina, e o Governo Federal vai distribuir vacinas suficientes para entender a demanda, como afirma o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

 

Ministro da Saúde - Gilberto Occhi: Vamos distribuir cerca de 60 milhões de doses de vacinas até meados do mês de maio. Então, já entregamos uma quantidade aproximada de mais de 25 milhões de doses, até a próxima sexta-feira agora, dia 20. Então, nós vamos iniciar a campanha efetivamente na segunda-feira com os postos de saúde das cidades brasileiras, com vacina suficiente para atender àquela demanda.

 

Nasi: A coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunizações, Carla Magda Domingues, explica que a vacinação também protege indiretamente quem não recebe a imunização.

 

Coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunizações - Carla Magda Domingues: Quando nós estamos vacinando 60 milhões de pessoas num curto prazo de tempo, isso faz com que se diminua a circulação do vírus da Influenza e aquele grupo que não está sendo vacinado, ele estará protegido indiretamente, é o que o que nós chamamos de imunidade de grupo ou de rebanho.

 

Repórter João Pedro Neto: O Dia D de Mobilização Nacional vai acontecer no dia 12 de maio, quando 65 mil postos de vacinação estarão abertos e 240 mil profissionais estarão envolvidos. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Nasi: Milhares de brasileiros estão deixando para trás o fantasma do desemprego.

 

Gabriela: A economia volta a crescer estimulando a abertura de pequenos negócios, que estão aquecendo o mercado de trabalho.

 

Nasi: Em fevereiro, as aquelas e microempresas foram responsáveis por 90% dos empregos formais gerados no país.

 

Repórter Luana Karen: Depois de 14 anos, Janaína Ferreira da Silva conheceu o desemprego. Foram seis meses que, para ela, representaram uma eternidade. Situação que mudou em janeiro, quando ela foi contratada como agente de registro por uma empresa de tecnologia.

 

Agente de registro - Janaína Ferreira da Silva: Eu estou muito satisfeita. Então, assim, além de ter sido a realização de conseguir um emprego, consegui algo que realmente você vai de casa feliz para fazer.

 

Repórter Luana Karen: Janaína e outros nove funcionários foram contratados este ano na empresa do Emerson Castro. Com sete anos no mercado de tecnologia, ele começou o negócio com apenas um funcionário. Hoje, Emerson emprega 78 pessoas em três unidades no Distrito Federal e em Goiás. E quer expandir mais o negócio.

 

Entrevistado - Emerson Castro: Tem que ser sempre otimista, né? Muito trabalho, né, e com um cenário externo aí na economia favorável, sem dúvida nenhuma, a tendência é crescer.

 

Repórter Luana Karen: Micro e pequenas empresas como a do Emerson estão mudando o cenário do desemprego no país. Elas foram responsáveis pela geração de mais 90% das vagas formais de emprego em fevereiro. O diretor-presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, destaca a importância dos pequenos negócios e de medidas como a que permitiu o refinanciamento da dívida dos pequenos empreendedores.

 

Diretor-presidente do Sebrae - Guilherme Afif Domingos: O caso do Refis é um caso típico de poder atender com justiça a necessidade desse pequeno empresário.

 

Repórter Luana Karen: Há no país 2,5 milhões de micro e pequenas empresas. Elas representam 65% dos estabelecimentos ativos e empregam 29% do total de trabalhadores da iniciativa privada. Salvador Abrantes Neto, coordenador-geral de Cadastro Identificação e Profissional e Estudos do Ministério do Trabalho, afirma que o setor de serviços é o que mais se destaca na geração de empregos.

 

Coordenador-geral de Cadastro Identificação e Profissional e Estudos - Salvador Abrantes Neto: O setor de serviços, ele é um grande alavancador desses dados e a gente espera que esse número exponencial, que já vem aumentando no mercado de pequenas e médias empresas, ela só tende a crescer.

 

Repórter Luana Karen: Nos últimos dez anos o número de microempresas cresceu 50,8% e o número de pequenas empresas cresceu 34,2%. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: Os venezuelanos, que vêm ao Brasil fugindo da crise social e política no país vizinho, estão em busca de uma vida melhor.

 

Nasi: E isso significa uma oportunidade de trabalho.

 

Gabriela: O governo vem cadastrando esses imigrantes e emitindo Carteiras de trabalho, 8 mil delas já foram entregues.

 

Nasi: A partir disso, eles estão encaminhados para entrevistas de emprego.

 

Repórter Raquel Mariano: Além de acolher os venezuelanos que vêm ao país, oferecendo acesso à alimentação e atendimento médico, o governo também atua para incluir os imigrantes no mercado de trabalho. Para isso, os venezuelanos estão sendo cadastrados e recebem a Carteira de Trabalho para serem encaminhados a uma entrevista de emprego, é o que explica o secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho, Igor Franco.

 

Secretário de Políticas Públicas de Emprego - Igor Franco: Nós na missão de poder estar dando subsídio de ajudar os imigrantes para que eles tenham dignidade, tenham a sua Carteira de Trabalho, estamos com nossas equipes reforçadas para poder dar esse respaldo a ele, e todos estão com o seu direito garantido de ter aí a sua Carteira de Trabalho. E também o seu cadastro, já após a emissão da Carteira, feito da nossa rede Sine e subsequente encaminhado aí para uma possibilidade, inclusive, para o mercado de trabalho.

 

Repórter Raquel Mariano: O secretário está em Boa Vista, capital de Roraima, acompanhando a emissão das Carteiras. Segundo, Igor Franco, 8 mil carteiras de trabalho já foram entregues aos venezuelanos. E nessa semana, o secretário visitou os imigrantes que foram deslocados para São Paulo em avião da Força Aérea Brasileira, para desafogar o estado de Roraima. De acordo com Igor Franco, os venezuelanos estão chegando ao Brasil possuem uma alta qualificação.

 

Secretário de Políticas Públicas de Emprego - Igor Franco: Grande parte dos imigrantes venezuelanos já têm a sua qualificação profissional. É apta a inserção no mercado de trabalho, tais como engenheiros, professores universitários, médico. Então, tem vários deles que já têm um currículo muito bom, o que facilita a inserção no mercado de trabalho.

 

Repórter Raquel Mariano: E, nos próximos dias, o Ministério do Trabalho também deve visitar os imigrantes que estão em Cuiabá. Até agora, seis abrigos foram montados no estado de Roraima para atender os venezuelanos. As estruturas oferecem alimentação e produtos para higiene. Outros cinco abrigos devem ser entregues em maio. O governo deve interiorizar mais mil venezuelanos no mês que vem para outras cidades como Brasília, Porto Alegre e Campinas. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gabriela: As pessoas estão realizando mais trabalhos não remunerados no Brasil. É o que mostrou uma pesquisa divulgada hoje pelo IBGE.

 

Nasi: São qualificados dessa forma o trabalho doméstico, a produção para consumo próprio, o cuidado de pessoas e o voluntariado.

 

Gabriela: O trabalho voluntário, por exemplo, já é feito por quase 4,5% da população, mais de 7 milhões de pessoas.

 

Repórter Raíssa Lopes: Ester tem apenas dois aninhos, mas desde o diagnóstico por hidrocefalia as idas ao hospital são frequentes. A mãe, Marilene de Souza, conta que que os voluntários que trabalham no Hospital da Criança, no Distrito Federal, tornam o tratamento da pequena mais leve.

 

Entrevistada - Marilene de Souza: Eles ajudam bastante, a gente pede orientação, eles dão. Nota dez para eles.

 

Repórter Raíssa Lopes: Cibele de Oliveira é uma dessas voluntárias. Depois de se aposentar, ela decidiu procurar uma atividade assim. A ideia era ajudar, mas conta que foi ela quem saiu ganhando.

 

Voluntária - Cibele de Oliveira: As crianças fazem muita diferença na minha vida, sabe? A gente sai mais leve, a gente sai daqui recompensado.

 

Repórter Raíssa Lopes: Outra pessoa que teve a vida mudada pelo voluntariado foi o administrador de empresas Juliano Lopes. A atividade fez tão bem a ele que hoje é diretor de gestão de pessoas de uma organização que cuida de crianças com câncer. Para ele, ser voluntário é fazer a diferença na vida de outras pessoas.

 

Administrador de empresas - Juliano Lopes: Todas as vezes que eu venho aqui, para mim é como se fosse a primeira, né? Acho que você se torna uma mais... de uma maior empatia, você consegue se colocar mais no lugar das outras pessoas.

 

Repórter Raíssa Lopes: As pessoas estão realizando mais trabalho voluntário no Brasil, é o que mostra Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE. Em 2017, 7,4 milhões brasileiros com 14 anos ou mais disseram fazer alguma atividade voluntária. A pesquisa mostrou também que está aumentando no país o número de pessoas que realizam outros tipos de trabalhos não remunerados, como afazeres domésticos, produzir para o consumo próprio e cuidar de pessoas. A coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Alessandra Brito, comenta a pesquisa.

 

Coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE - Alessandra Brito: Houve um aumento, sim, de homens realizando afazeres domésticos e cuidados, principalmente homens... filhos e cônjuges, homens de 14 a 24 anos, mas, intensidade de horas ainda tem uma diferença importante entre homens e mulheres. E essa diferença não mudou de 2016 para 2017.

 

Repórter Raíssa Lopes: De 2016 para 2017 houve um acréscimo de mais de 12 milhões de pessoas produzindo para o consumo próprio, sendo a maior parte em atividades agrícolas, como cultivo, pesca, caça e criação de animais. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Nasi: O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça notificou o Facebook a esclarecer o suposto compartilhamento irregular dos dados de seus usuários.

 

Gabriela: Segundo informações difundidas em todo o mundo, esse compartilhamento indevido teria afetado usuários brasileiros.

 

Nasi: O Facebook terá dez dias para responder a uma série de questionamentos, entre eles, o número de usuários brasileiros afetados.

 

Gabriela: A Senacon também quer saber se os dados compartilhados foram disponibilizados a outras empresas sem consentimento, e explicações sobre o que está sendo feito para contornar o problema.

 

Nasi: Caso o Facebook não responda no prazo estipulado, a Senacon poderá instaurar processo administrativo e aplicar multa que pode chegar a mais de R$ 9 milhões.

 

Gabriela: Jovens e adultos que não concluíram os estudos têm a chance de tirar o certificado dos ensinos médio e fundamental com a prova do Encceja.

 

Nasi: Ainda nesta edição vamos dar os detalhes do exame. Em dois dias mais de meio milhão de pessoas já se inscreveram.

 

Gabriela: Você sabe para onde vai o dinheiro arrecadado com multas?

 

Nasi: E quando você está dirigindo em outro estado e recebe uma infração, com quem fica o valor arrecadado?

 

Gabriela: Pois é, esse dinheiro poderia estar sendo bem empregado em ações de trânsito onde você foi multado, mas, muitas prefeituras não sabem que têm direito de receber o valor.

 

Nasi: Por isso o Denatran promoveu, hoje, um encontro em Brasília, para que os gestores saibam como solicitar esses recursos e como aplicar da melhor forma nos municípios.

 

Repórter Cleide Lopes: Imagine que você é do Distrito Federal e está viajando com seu carro no estado de São Paulo ou Fortaleza, por exemplo. Alguns dias depois chega em sua casa uma notificação de que você foi multado. Muita gente não sabe, mas o dinheiro arrecadado com essa infração de trânsito pertence ao município onde ela foi cometida e não à cidade onde a placa foi registrada. Por isso, o Denatran, o Departamento Nacional de Trânsito, realizou um encontro para ensinar aos gestores municipais como ter acesso fácil e rápido a esses recursos, é o que explica o diretor do Denatran, Maurício Alves.

 

Diretor do Denatran - Maurício Alves: Busquemos formas de ajudar os municípios a encontrar os caminhos, não só para obtenção de recursos, mas também para a realização de projetos que visem melhorar a condição de mobilidade, reduzir as mortes no nosso trânsito e efetivamente termos uma população mais educada, mais bem informada, e, acima de tudo, em cidadania e respeito ao outro no trânsito do nosso país.

 

Repórter Cleide Lopes: E por falta de conhecimento ou por não saberem como pedir esses recursos, cerca de R$ 270 milhões estão disponíveis para as prefeituras. Um dinheiro que pode fazer a diferença para muitas cidades. É o caso de Campina Grande, na Paraíba. O superintendente de trânsito da cidade, Felix Araújo Neto, descobriu, dois anos atrás, que o município tinha o direito a R$ 1 milhão. Ele conta que com o dinheiro foi montada uma fábrica de semáforos na cidade, o que reduziu pela metade os gastos com a manutenção dos sinais luminosos.

 

Superintendente de trânsito de Campina Grande - Felix Araújo Neto: Além de diminuir os acidentes e ter o fôlego de você poder investir em educação do trânsito. Fazemos a Olimpíada nas escolas com as crianças da rede pública municipal, como também ampliamos o poder de ação de sinalização nas diversas ruas da cidade de Campina Grande.

 

Repórter Cleide Lopes: Os municípios também foram chamados pelo Ministério das Cidades a fazer o dever de casa e implantar o Plano Nacional de Mobilidade. O plano prevê que os municípios tenham planejamento sobre os serviços de transportes públicos, áreas de estacionamento e acessibilidade para as pessoas com deficiência. O secretário de Mobilidade Urbana do Ministério, Inácio Bento Morais, anunciou que as prefeituras vão ter acesso a uma linha de crédito especial para aderir ao plano.

 

Secretário de Mobilidade Urbana - Inácio Bento Morais: Vai estar disponível uma ferramenta para que os municípios até 100 mil habitantes possam elaborar os seus planos através dessa ferramenta diretamente no site do Ministério das Cidades. E com relação aos municípios, a partir de 100 mil habitantes, o Programa Avançar Cidades, que se encontra aberto, vai financiar, através de recursos do FGTS, a elaboração desses planos.

 

Repórter Cleide Lopes: O prazo para que todas as prefeituras coloquem em prática o Plano Nacional de Mobilidade termina em abril do próximo ano. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Gabriela: Os municípios de Agrolândia, em Santa Catarina, e Conceição do Araguaia, no Pará, vão receber R$ 4,7 milhões para a recuperação de pontes danificadas por fortes chuvas que atingiram as cidades.

 

Nasi: A liberação do recurso foi autorizada pelo Ministério da Integração Nacional e publicada, hoje, no Diário Oficial da União.

 

Gabriela: A edição do Diário também traz o reconhecimento federal de situação de emergência de seis cidades piauienses: Barras, Batalha, Cabeceiras do Piauí, Esperantina, José de Freitas e Lagoa Alegre, atingidas por fortes chuvas.

 

Nasi: A medida permite que os municípios solicitem apoio do Governo Federal para ações de socorro e assistência à população e recuperação de áreas danificadas.

 

Gabriela: Mais de 500 mil inscritos em apenas dois dias.

 

Nasi: É o Encceja, o exame para concessão de certificado dos ensinos fundamental e médio para jovens e dos últimos que não concluíram os estudos.

 

Gabriela: As inscrições estão abertas até o dia 27 de abril e neste ano o Encceja tem novidades.

 

Repórter Gabriela Noronha: Aos 19 anos, a brasiliense Isadora Pires está feliz da vida, ela conseguiu a tão sonhada vaga no curso de letras na Universidade de Brasília, e já planeja o futuro.

 

Estudante - Isadora Pires: Eu sempre gostei de escrever e de ler. Então, quero dar aula de português.

 

Repórter Gabriela Noronha: O ingresso na universidade só foi possível porque a estudante conseguiu o diploma do ensino médio através do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens E Adultos. Isadora conta que morou no exterior e concluiu a escola na Noruega. Quando retornou ao Brasil, precisava ter um diploma reconhecido pelo Ministério da Educação para fazer o vestibular. O Encceja, segundo ela, foi a solução. E quem deseja, como Isadora, ter o certificado de conclusão do ensino médio ou fundamental deve ficar atento, as inscrições para o Encceja Nacional de 2018 estão abertas. Segundo Eunice Santos, diretora de Gestão e Planejamento do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, mais de 500 mil inscrições já foram feitas até esta quarta-feira.

 

Diretora de Gestão e Planejamento do Inep - Eunice Santos: O sistema está funcionando perfeitamente, é bastante simples fazer, e até o dia 27 estarão abertas as inscrições.

 

Repórter Gabriela Noronha: De acordo com a diretora, este ano o governo ampliou o número de locais de aplicação de prova, 592 municípios vão atender os candidatos. Além disso, uma das novidades é que será preciso justificar a ausência na prova de 2017.

 

Diretora de Gestão e Planejamento do Inep - Eunice Santos: O participante que faltar ao Encceja esse ano, para fazer novamente o exame, ele terá que comprovar o motivo da ausência. E essa comprovação tem que ser um documento oficial. O Encceja é gratuito para todos, mas nós tivemos um número muito grande de abstenção o ano passado, que passou de 50%. Então, isso é um desperdício de dinheiro público, e nós tivemos que tomar algumas medidas para evitar isso.

 

Repórter Gabriela Noronha: As inscrições podem ser feitas na página do exame na internet: enccejanacional.inep.gov.br/encceja. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Nasi: Quem já tomou remédio sem receita médica por indicação de um amigo ou familiar?

 

Gabriela: Um hábito perigoso, que pode trazer problemas no futuro.

 

Nasi: Isso porque quando uma bactéria não é morta pelo remédio, pode se tornar mais forte e resistente.

 

Gabriela: Então, o que fazer para evitar isso? Uma primeira ação foi limitar a venda de antibiótico, que agora é só com receita.

 

Nasi: Agora, o Ministério da Saúde busca novas soluções através de pesquisas. A reportagem Luana Karen explica.

 

Repórter Luana Karen: A vendedora Larissa Morgana admite, já tomou remédio e sem receita e o resultado não foi bom.

 

Vendedora - Larissa Morgana: Tomei remédios, inclusive, que me deram reação alérgica. Por preguiça de ir no hospital e enfrentar filas, enfim, se medicar e tentar se curar rápido.

 

Repórter Luana Karen: Mas o uso indiscriminado de antimicrobianos, como os antibióticos, tem criado bactérias mais resistentes. Segundo a Organização Mundial de Saúde, elas cresceram de 7 em 2014, para 12 em 2017. Fernando Araújo, chefe do setor de gestão da Pesquisa e Inovação Tecnológica, do Hospital Universitário de Brasília, fala do risco representado pelas superbactérias.

 

Chefe do setor de gestão da Pesquisa e Inovação Tecnológica - Fernando Araújo: Infelizmente a gente não consegue evoluir mais rápido que elas. Então, o uso indiscriminado, o uso irracional do antimicrobiano condiciona a situação de aquisição de resistência por essas bactérias.

 

Repórter Luana Karen: Para que evitar que o problema se grave, outro caminho é o investimento em pesquisa. Por isso, o Ministério da Saúde lançou dois editais para apoiar estudos sobre a resistência aos antimicrobianos. O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Marco Fireman, fala que o tratamento de doenças, como a gonorreia, já tem encontrado dificuldades por conta da resistência das bactérias.

 

Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde - Marco Fireman: Hoje, no mundo, 700 mil pessoas morrem por resistência a antimicrobiana. A projeção é que 2050 esse número venha a atingir a 50 milhões de pessoas. As bactérias, elas conseguem sofrer mutações. Uma doença simples, secular, que é a gonorreia, atinge um milhão de pessoas/dia no mundo.

 

Repórter Luana Karen: Um meio importante de controlar a evolução das superbactérias é o uso correto dos medicamentos. O paciente deve seguir o tratamento indicado pelo médico até o final e nunca repassar a medicação para um conhecido ou decidir tomar um remédio por conta própria. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: Mais 44 cidades do Estado de São Paulo vão ter o sinal analógico de televisão totalmente desligado a partir da meia-noite de hoje.

 

Nasi: De acordo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, cerca de 1,2 milhão pessoas vão receber sinal totalmente digital em casa.

 

Gabriela: São 23 municípios da região de Presidente Prudente e 21 de Rio Preto. Nestas cidades ainda está sendo feita a distribuição de kits com antena UHF e um conversor para a população de baixa renda atendida por programas sociais do Governo Federal.

 

Nasi: Mais recursos para implementar o novo Ensino Médio em todo o país.

 

Gabriela: Foi autorizado pelo Congresso um empréstimo de US$ 250 milhões junto ao Banco Mundial para apoiar a execução da reforma proposta pelo Ministério da Educação.

 

Nasi: O pedido de autorização para o crédito foi feito pela Presidência da República ao Senado em janeiro, o montante foi estimado para cobrir ações a serem realizadas nos próximos cinco anos.

 

Gabriela: Parte do empréstimo será destinada à assistência técnica, ao Ministério da Educação e a Secretarias Estaduais e Distritais de Educação.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU e em seguida as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".