19 de março de 2018

Destaques da Voz do Brasil: Proteção de nascentes e integração do Rio São Francisco. Presidente Michel Temer abre Fórum Mundial e destaca ações para preservar e distribuir água aos brasileiros. E diz ainda que governo trabalha para levar saneamento a toda população. No Fórum, ministro do Meio Ambiente anuncia queda no desmatamento na Amazônia. Governo vai liberar mais recursos para a segurança em todo o país. E vamos falar das 70 obras já concluídas pelo PPI. E mais 31 novos projetos foram incluídos.

audio/mpeg VOZ190318.mp3 — 46928 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Segunda-feira, 19 de março de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Proteção de nascentes e integração do Rio São Francisco.

 

Nasi: Presidente Michel Temer abre Fórum Mundial e destaca ações para preservar e distribuir água aos brasileiros.

 

Gabriela: E diz ainda que o Governo trabalha para levar saneamento a toda a população.

 

Presidente Michel Temer: O que nos move, naturalmente, é a busca da universalização desse serviço básico, assegurar água é assegurar dignidade.

 

Nasi: No Fórum, ministro do Meio Ambiente anuncia queda no desmatamento na Amazônia. Raíssa Lopes.

 

Repórter Raíssa Lopes: O desmatamento da Amazônia teve queda de 20% entre agosto do ano passado e janeiro deste ano, se comparado ao mesmo período entre 2016 e 2017.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Governo vai liberar mais recursos para a segurança em todo o país. Luana Karen.

 

Repórter Luana Karen: Os recursos vão para as forças federais que atuam na intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro. O Ministério Extraordinário da Segurança Pública também vai receber verba.

 

Gabriela: E vamos falar das 70 obras já concluídas pelo PPI.

 

Nasi: E mais 31 novos projetos foram incluídos hoje. Paulo La Salvia.

 

Repórter Paulo La Salvia: O Governo vai leiloar linhas de transmissão de energia e mais sete terminais portuários.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

"Fórum Mundial da Água - Compartilhando ideias e soluções".

 

Gabriela: Preservação da água: uma preocupação mundial e que trouxe a Brasília chefes de Estado, especialistas e cientistas internacionais.

 

Nasi: É o 8º Fórum Mundial da Água, que, durante toda essa semana, vai discutir propostas e soluções para que esse bem tão precioso seja conservado.

 

Gabriela: O presidente Michel Temer participou da abertura, recebendo chefes de delegações de países no Palácio do Itamaraty.

 

Repórter João Pedro Neto: O Fórum Mundial da Água é o maior evento sobre recursos hídricos do planeta. Milhares de pessoas, como autoridades, sociedade civil, empresários, pesquisadores e especialistas, de cerca de 170 países, participam de quase 300 painéis de debates. A ideia é conscientizar, construir compromissos políticos e ações para favorecer a conservação e proteção e uso eficiente da água por todo mundo. No discurso inaugural, o presidente Michel Temer destacou a importância de os países trabalharem coletivamente para garantir água para todos.

 

Presidente Michel Temer: No Brasil, aliando responsabilidade fiscal e responsabilidade social, deixamos para trás uma das piores recessões de nossa história. Mas, em momento algum, admitimos a hipótese de um crescimento a qualquer custo. Retomamos o crescimento, voltamos a gerar emprego e renda, sempre com os olhos postos na sustentabilidade.

 

Repórter João Pedro Neto: O presidente lembrou ainda de avanços que vêm sendo alcançados na área ambiental e também para garantir o acesso à água, como o Projeto de Integração do Rio São Francisco.

 

Presidente Michel Temer: Estimamos que sejam beneficiados no total, quando as obras estiverem completas, cerca de 12 milhões de brasileiros no Nordeste do país. E, ao realizar essa, que é a maior obra da infraestrutura hídrica do Brasil, lançamos o programa Novo Chico, porque é claro que essa água, que vai indo para a transposição, sai do Rio São Francisco, então nós precisamos revitalizá-lo.

 

Repórter João Pedro Neto: O presidente afirmou também que o Governo tem trabalhado para promover a sustentabilidade ambiental de várias formas. Michel Temer disse que o Governo está finalizando um projeto de lei para modernizar o marco legal do saneamento no país e incentivar investimentos no setor.

 

Presidente Michel Temer: Nós estamos ultimando o projeto de lei com vistas a modernizar nosso marco regulatório em saneamento e incentivar novos investimentos. O que nos move, naturalmente, à busca da universalização desse serviço básico. Assegurar água é assegurar dignidade.

 

Repórter João Pedro Neto: Chefes de Estado também destacaram a necessidade de investimentos e a importância da cooperação entre os países no setor hídrico, e disseram que é preciso buscar o acesso universal à água potável e segura para todos, um dos objetivos de desenvolvimento sustentável, a Agenda das Nações Unidas, até 2030. O presidente do Conselho Mundial da Água, Benedito Braga, disse que a água é o fio que une todos os aspectos do desenvolvimento humano e afirmou que os países precisam trabalhar juntos na gestão hídrica. Esta é a oitava edição do fórum, e a primeira vez que o evento acontece no Hemisfério Sul. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, a escolha de Brasília para sediar o evento reconhece as políticas adotadas pelo Brasil e a liderança internacional do país na área do desenvolvimento sustentável. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Nasi: E durante os debates no Fórum Mundial da Água, foi anunciada uma redução de 20% no desmatamento da Amazônia.

 

Gabriela: Uma floresta preservada é fundamental para evitar a erosão em rios e lagos, mantendo os níveis de água.

 

Nasi: Além disso, o Governo criou duas áreas de conservação nos oceanos.

 

Repórter Raíssa Lopes: O desmatamento da Amazônia teve queda de 20% entre agosto do ano passado e janeiro deste ano, se comparado ao mesmo período entre 2016 e 2017. O levantamento do Inpe, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, foi destacado pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. Essa é a segunda queda seguida do desmatamento da Floresta Amazônica. Para o ministro, a floresta preservada significa mais água.

 

Ministro do Meio Ambiente - Sarney Filho: Todos aqui sabem a importância da floresta amazônica para o regime de chuvas do sul do continente. São os rios voadores, a floresta mantém e amplia a umidade que vem do mar, quando batem os ventos nos Andes, espalham a umidade para o resto do continente. Portanto, a nossa Amazônia vai continuar prestando seus serviços ambientais ao Brasil e ao mundo.

 

Repórter Raíssa Lopes: E para proteger as águas brasileiras, o presidente Michel Temer assinou a criação de duas áreas de conservação nos oceanos, as áreas de proteção ambiental nos arquipélagos de São Pedro e São Paulo, no estado de Pernambuco, e de Trindade e Martim Vaz, no Espírito Santo, vão aumentar para 25% a preservação da biodiversidade marinha. O ministro do Meio Ambiente afirmou que a criação das áreas é essencial para preservar os mares brasileiros.

 

Ministro do Meio Ambiente - Sarney Filho: Está sendo publicado um ato que amplia nossas áreas de preservação marinhas, passando de 1,5% de áreas protegidas para 25%. E é um ganho fantástico, na medida em que a gente tem cada vez mais preocupações com os nossos mares, que estão sendo duramente atingidos pelo processo dito civilizatório.

 

Repórter Raíssa Lopes: Os anúncios do ministro Sarney Filho foram feitos durante uma conferência ministerial, no Fórum. Nela, representantes de 15 países, como Nigéria, Espanha e Guiana, falaram e trocaram experiências sobre os desafios e êxitos de seus países na gestão da água. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: E uma das ações destacadas pelo presidente Michel Temer na abertura do Fórum é o Projeto de Integração do Rio São Francisco.

 

Nasi: A ideia é levar água às populações mais castigadas com a seca. São 12 milhões de pessoas em 390 municípios de quatro estados.

 

Gabriela: O maior projeto hídrico do Brasil ganhou um stand especial no Fórum Mundial da Água, com direito a teatro que conta a história do dragão da seca, vencido com a chegada da água ao Nordeste brasileiro.

 

"Olha! Lá vem Maria Laurinete, com sua lata e oração, caminhando como se fosse domingo de procissão."

 

Repórter Nei Pereira: Na peça de teatro sobre a história da obra de integração do Rio São Francisco, Maria Laurinete é uma das muitas mulheres nordestinas que, ao longo de quase cinco séculos, teve que caminhar quilômetros, com uma lata na cabeça em busca de água. Desde a época do Império, a seca sempre foi uma ameaça à sobrevivência no Nordeste brasileiro. Dom Pedro II até tentou encontrar uma saída para resolver o problema, mas a ideia não avançou.

 

"Assim, Dom Pedro foi, sem saber que o inimigo tinha a força de mil bois, lutar contra o dragão. Será que ele volta campeão?".

 

Repórter Nei Pereira: Cansada de tanto rezar para todo tipo de santo, foi só há pouco mais de dez anos que essa população sofrida começou a ter esperança de que a água passaria a correr pelo sertão. O milagre veio do Velho Chico, rio que nasce em Minas Gerais e corta mais quatro estados do Nordeste, numa extensão de 2,7 mil quilômetros. Em 2007, foi iniciada a obra de integração do Rio São Francisco.

 

"O Velho Chico era o salvador, mas faltava um ajudante, deixando o dragão inferior".

 

Repórter Nei Pereira: E, nessa semana, quem for ao stand do Ministério da Integração, no 8º Fórum Mundial da Água, pode assistir a peça de teatro que conta a historia da obra. Uma maquete de cerca de 100 metros quadrados representa os 477 quilômetros de integração dos eixos norte e leste. E a seca do Nordeste está bem perto de ser derrotada. Hoje, cerca de um milhão de pessoas, de 34 cidades, já recebem água do eixo leste. A conclusão do eixo norte está prevista para este ano, é o que afirma o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho.

 

Ministro da Integração Nacional - Helder Barbalho: Nós já estamos com o eixo leste entregue, funcional, atendendo mais de um milhão de pessoas, desde março de 2017 e, claro, com uma expectativa de que nós já estaremos entregando água para o estado do Ceará ainda neste semestre e, até o final do ano de 2018, beneficiando também o estado de Pernambuco e, a partir daí, o Rio Grande do Norte.

 

"Celebremos com emoção, pois o trabalho foi bem-sucedido. Está aí a rica integração".

 

Repórter Nei Pereira: Assim como na peça de teatro, a morte do dragão da seca vai ser marcada com muita dança e festa. Reportagem, Nei Pereira.

 

Nasi: E ainda nesta edição, vamos voltar a falar sobre os debates no Fórum Mundial da Água.

 

Gabriela: O Governo vai liberar R$ 1 bilhão para reforçar a segurança pública.

 

Nasi: O dinheiro vai apoiar ações da intervenção federal no Rio de Janeiro e para o Ministério da Segurança Pública.

 

Repórter Luana Karen: Os recursos vão para as forças federais que atuam na intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, e também para reforçar o caixa do estado. Segundo o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Diogo Oliveira, até o fim desta semana, será definido o valor, que deve girar em torno de R$ 1 bilhão, e editada a medida provisória sobre o assunto. O Ministério Extraordinário da Segurança Pública, criado há quase um mês para coordenar as ações em todo o país, também vai receber verba.

 

Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Diogo Oliveira: Nós teremos, para o Rio de Janeiro, um crédito extraordinário, cujos valores ainda estão sendo levantados pelo Ministério da Segurança Pública e pelo interventor. Além disso, teremos recursos para o Ministério da Segurança Pública, nas suas atividades e para implementar sua política, junto aos estados e ao sistema de segurança pública, que será feito através de um projeto de Lei, de crédito especial.

 

Repórter Luana Karen: O repasse de recursos foi decidido após reunião do presidente Michel Temer com seis ministros de estado, na noite deste domingo, no Palácio da Alvorada. No início do mês, o Governo já havia anunciado a liberação de crédito de R$ 42 bilhões por meio do BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, para a compra de máquinas, equipamentos e tecnologia, que vão reequipar as polícias estaduais. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: 19h12 em Brasília.

 

Nasi: E ainda nesta edição da Voz do Brasil.

 

Gabriela: Vamos falar das 70 obras já concluídas pelo Programa de Parcerias de Investimentos, o PPI.

 

Nasi: E mais 31 novos projetos que foram incluídos hoje.

 

Gabriela: Mais de 3,8 milhões contribuintes já enviaram a Declaração do Imposto de Renda - Pessoa Física.

 

Nasi: E a Receita Federal espera receber 28 milhões de declarações até 30 de abril.

 

Gabriela: No nosso quadro "Pra você, Cidadão" de hoje, a gente dá as dicas para evitar que você caia na malha fina.

 

"Pra você, Cidadão".

 

Repórter Daniel Costa: Uma das maiores preocupações que o contribuinte deve ter ao iniciar o processo de declaração do imposto de renda é não cair na malha fina. Para evitar esse tipo de dor de cabeça, é importante realizar todo o processo com antecedência e garantir que as informações são consistentes e verdadeiras. Com as despesas de saúde, por exemplo, os valores declarados devem estar comprovados em recibos e esses recibos precisam estar no nome da pessoa ou de seus dependentes. No caso de patrimônios, o aumento que não confere com os rendimentos declarados indica possibilidade de fraude ou omissão de receita. Sobre aluguel, o contribuinte deve informar os valores pagos ao proprietário do imóvel, quaisquer que sejam eles, no campo Pagamentos Efetuados, na linha 70. O cidadão cai na malha fina sempre que se verifica algum tipo de erro, após uma revisão feita pela Receita Federal de todas as declarações dos contribuintes. Daniel Costa, para a Voz do Brasil.

 

"Fórum Mundial da Água - Compartilhando ideias e soluções".

 

Nasi: E voltamos a falar dos debates no Fórum Mundial da Água.

 

Gabriela: As discussões já começaram. Um dos painéis abordou o direito à água. O repórter Pablo Mundim acompanhou.

 

Repórter Pablo Mundim: No Brasil, 82,5% das pessoas tem acesso à água tratada, mas 35 milhões de brasileiros ainda não têm água potável em casa. Para discutir como fazer uma legislação capaz de garantir o direito à água para todos os habitantes do mundo, juízes, promotores e especialistas participaram de um painel, nesta segunda-feira, no evento. Para a diretora-presidente da Agência Nacional de Águas, Cristiane Dias Guimarães, o Poder Judiciário tem papel fundamental neste debate.

 

Diretora-presidente da Agência Nacional de Águas - Cristiane Dias Guimarães: Pela primeira vez em um Fórum Mundial, nós estamos tendo aqui um processo de juristas. Foi até uma sugestão da Agência Nacional de Águas. É importante que o Poder Judiciário atue mediando conflitos, atue oferecendo interpretações, para que minimize esses impactos da escassez de recursos hídricos para toda a sociedade.

 

Repórter Pablo Mundim: O 8º Fórum Mundial da Água é um espaço para trocar experiências, analisar problemas e buscar soluções relacionadas ao uso consciente da água em todo o planeta. Mais de 40 mil pessoas, de mais de cem países, devem participar do maior evento do mundo sobre recursos hídricos. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Nasi: E o Fórum também conta com stands e uma feira aberta para adultos e crianças.

 

Gabriela: A ideia é falar sobre o tema das mais variadas maneiras.

 

Nasi: São esperados mais de 40 mil visitantes nos locais até o encerramento do Fórum, no dia 23 de março.

 

Repórter Alessandra Bastos: Espaços abertos ao público e que oferecem uma série de atividades, como exposições interativas, mostra de filmes, debates sobre água e oferta de produtos e serviços. Na Vila Cidadã, por exemplo, é possível viver experiências práticas, viajar pelo fundo do mar e até saber como a água chega aí no seu chuveiro. Nas instalações da Green Nation, uma organização não governamental, o visitante também pode fazer um passeio inusitado de asa-delta, usando um óculos de realidade virtual. Uma experiência nova para Evelin de Souza, de apenas oito anos.

 

Entrevistada - Evelin de Souza: Foi muito legal a experiência, mas eu fiquei com medo.

 

Repórter Alessandra Bastos: A mãe da Evelin, Eulete Magalhães, não resistiu e também experimentou.

 

Entrevistada - Eulete Magalhães: Ver tanta coisa bonita, assim, do alto, mesmo sendo virtual, muito bom.

 

Repórter Alessandra Bastos: E para quem quer conhecer o fundo do mar, um óculos com realidade virtual mostra uma floresta debaixo d'água. A Marcele de Souza, de dez anos, ficou impressionada com o que viu.

 

Entrevistada - Marcele de Souza: É preciso reciclar, porque alguns... A garrafa pet, isopor, demoram muito tempo e prejudicam alguns animais marinhos.

 

Repórter Alessandra Bastos: E a mensagem, aos poucos, vai conscientizando. E é justamente esse o objetivo, como explica a coordenadora sensorial do Green Nation, Verônica Marques.

 

Coordenadora sensorial - Verônica Marques: Elas entendem que a sustentabilidade é muito importante e que mudar de atitudes também, porque é a mudança de atitudes que vai garantir um novo planeta.

 

Repórter Alessandra Bastos: Além da Vila Cidadã, o Fórum também conta com uma feira. No local, estão instituições interessadas em divulgar seus produtos, serviços e soluções, para que as empresas, consumidores, governos e universidades realizem o uso sustentável da água. O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, inaugurou pessoalmente o espaço do Ministério.

 

Ministro do Meio Ambiente - Sarney Filho: Hoje, a gente sabe que plantar árvores é plantar água, praticamente. E nós temos um programa muito bem estruturado no Ministério sobre isso, sobre a adoção de nascentes, sistematização das nascentes para proteção e para adoção. Então, a gente está no caminho certo, tem muita coisa para mostrar.

 

Repórter Alessandra Bastos: E você, ficou interessado em também participar? Os espaços estão abertos gratuitamente no estacionamento do Estádio Mané Garrincha, em Brasília, até o dia 23 de março. Com reportagem de Jackson Segundo, locução de Alessandra Bastos.

 

Gabriela: Na tarde de hoje, o presidente Michel Temer se encontrou com seis presidentes, chefes de Estado e Governo, que vieram ao Brasil participar do Fórum.

 

Nasi: Temer se encontrou com presidentes de três países africanos: São Tomé e Príncipe, Marrocos e Cabo Verde. Foram discutidas parcerias nas áreas de Defesa, no setor aéreo e cooperação agropecuária.

 

Gabriela: Temer se reuniu ainda com o presidente da Hungria e agradeceu o apoio do país ao acordo comercial entre Mercosul e União Europeia.

 

Nasi: O presidente também se reuniu com o primeiro-ministro da Coreia do Sul e pediu o apoio do país para a inclusão do Brasil na Organização para Cooperação e o Desenvolvimento Econômico.

 

Gabriela: E Temer também recebeu o príncipe herdeiro do Japão, Naruhito. O príncipe agradeceu o convite para participar do Fórum e contou que a cooperação entre os dois países avançou muito na agronomia.

 

Nasi: O Governo resolveu hoje aumentar o número de projetos a serem concedidos à iniciativa privada.

 

Gabriela: Em reunião, o conselho do Programa de Parcerias e Investimentos decidiu leiloar linhas de transmissão de energia e terminais portuários. Ao todo, são 31 novos projetos.

 

Nasi: O repórter Paulo La Salvia traz os detalhes, ao vivo, para a gente. Uma boa noite, Paulo.

 

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Boa noite, Nasi. Boa noite, Gabriela e a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Dos novos projetos, 24 são linhas de transmissão de energia, passando por 19 estados do país. O leilão está marcado para junho deste ano e as concessões valem por 30 anos. Segundo o ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, com as obras prontas, vão ser mais de 4 mil quilômetros de linhas de transmissão em todas as regiões.

 

Ministro de Minas e Energia - Fernando Bezerra Coelho Filho: Se todos os lotes forem bidados, nós estamos prevendo novos investimentos de aproximadamente R$ 9 bilhões e aproximadamente também 19 mil empregos diretos, nas cinco regiões do país.

 

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Na área de transportes são outros sete terminais portuários: dois de combustíveis, no Porto de Cabedelo, na Paraíba, três de granéis líquidos no Porto de Santos, em São Paulo, e dois no Porto de Suape, em Pernambuco, um para contêineres e outro para veículos. O secretário de Fomento e Parcerias do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Dino Antunes Dias, fez uma previsão dos investimentos.

 

Secretário de Fomento e Parcerias - Dino Antunes Dias: Cinco deles, a gente já tem uma previsão de R$ 400 milhões. Os outros dois, a gente ainda não fechou os estudos, então a gente não tem o número ainda. Então, os dois de Suape, a gente ainda não tem essa previsão de investimento. A nossa expectativa é ainda esse ano serem leiloados.

 

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Até agora, já foi executado quase 50% do cronograma do Programa de Parcerias de Investimentos. Isso equivale a 70 projetos concluídos, que vão gerar aproximadamente R$ 142 milhões em investimentos nos próximos anos. Ao vivo, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: Cidades da região serrana do Rio de Janeiro vão receber novos investimentos do Governo.

 

Nasi: O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, anunciou a liberação de recursos nas áreas de habitação, saneamento e desenvolvimento urbano, para atender comunidades carentes e vítimas de calamidades, como chuvas e deslizamentos.

 

Gabriela: Os investimentos têm como foco as cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, castigadas com as chuvas em janeiro de 2011.

 

Nasi: Nova Friburgo, por exemplo, até hoje tem trechos interditados por causa dos deslizamentos.

 

Gabriela: Segundo o ministro Alexandre Baldy, com os recursos, será possível entregar mais de 4,3 mil novas casas, que vão atender 17 mil pessoas na região.

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: O Governo Federal cumpre um compromisso, resgata um compromisso que era expectativa: a espera, por milhares de famílias, há muitos anos, na região serrana, na capital do Rio de Janeiro, e que agora poderão, sim, ter a alegria de terem as suas moradias em construção, o que gerará empregos, promoverá renda e o sonho da casa para aqueles que perderam, tristemente, perderam seus familiares, perderam a sua moradia, e agora poderão reconstruir este sonho.

 

Gabriela: 19h22 em Brasília.

 

Nasi: Um currículo único, onde o aluno lá do Norte aprende na escola o mesmo conteúdo de quem estuda no Sul do país.

 

Gabriela: Para isso existe a Base Nacional Comum Curricular, para o ensino infantil e fundamental, que ficou anos em discussão, mas foi aprovada no ano passado.

 

Nasi: E para que esse novo documento saia do papel, as escolas precisam preparar o novo currículo, que deve ser implantado no ano que vem.

 

Gabriela: Para ajudar, o Ministério da Educação está promovendo discussões em todo o país.

 

Repórter Raíssa Lopes: Finalizada em dezembro do ano passado e construída com a sociedade, a Base traz com obrigatoriedade, de forma detalhada, o que o aluno deve saber ao concluir cada ano da educação básica. O diretor de Currículos e Ensino Integral do Ministério da Educação, Raph Gomes, explica que o principal objetivo da Base Curricular é reduzir a desigualdade do ensino no país.

 

Diretor de Currículos e Ensino Integral - Raph Gomes: Antes da existência da Base, nós não tínhamos um documento que dizia o que é que cada criança, no quarto ano do ensino fundamental, teria direito de aprender. Então, aquele aluno, que ele tinha sorte de estar numa escola, que ela tem um nível de exigência alto, ele, com certeza, ele teria uma facilidade de seguir adiante mais do que aquele outro, que estava numa escola que não tinha uma expectativa tão alta para ele.

 

Repórter Raíssa Lopes: O Ministério da Educação espera que os currículos estejam prontos até novembro deste ano e sejam ensinados em sala de aula já no início de 2019. E há mudanças. A alfabetização, por exemplo, deverá ocorrer nos dois primeiros anos do ensino fundamental. Atualmente, as crianças devem saber ler e escrever até o fim do terceiro ano. A elaboração dos novos currículos do Estado de São Paulo, por exemplo, já começou. A coordenadora estadual da Base Nacional Curricular fala como esse novo modelo de educação pode ajudar no desenvolvimento da criança.

 

Coordenadora estadual da Base Nacional Curricular: É isso que faz com que nós tenhamos garantias de aprendizagens muito mais significativas, para todos os nossos alunos.

 

Repórter Raíssa Lopes: E o Ministério da Educação criou um site com material de apoio e espaço para consulta. O endereço é basenacionalcomum.mec.gov.br. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Nasi: E estas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".