23 de agosto de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: 30 milhões de aposentados e pensionistas já podem consultar quanto devem receber na 1ª parcela do 13º salário. Agentes da Força Nacional vão ser treinados para identificar imigrantes e acelerar interiorização. Eles também vão atuar no policiamento nas ruas de Pacaraima, cidade de fronteira com a Venezuela. E professores da rede pública de todo o país começam a escolher os livros para o ano que vem. Vamos explicar a nova orientação da Anvisa para a vacina contra a dengue. A imunização é contraindicada para quem nunca teve a doença.

audio/mpeg VOZ230818.mp3 — 46914 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 23 de agosto de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Trinta milhões de aposentados e pensionistas já podem consultar quanto devem receber na primeira parcela do décimo terceiro.

 

Nasi: O pagamento começa na próxima segunda-feira. Rosamélia de Abreu.

 

Repórter Rosamélia de Abreu: A antecipação deve injetar proximamente R$ 20,6 bilhões na econômica durante os meses de agosto e setembro.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Agentes da Força Nacional vão ser treinados para identificar imigrantes e acelerar interiorização.

 

Gabriela: Eles também vão atuar no policiamento nas ruas de Pacaraima, cidade de fronteira com a Venezuela.

 

Nasi: E professores da rede pública de todo o país começam a escolher os livros para o ano que vem. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: A decisão é indicada pelos diretores, mas a ajuda dos professores na escolha do material didático é fundamental.

 

Gabriela: E vamos explicar a nova orientação da Anvisa para a vacina contra a Dengue.

 

Nasi: A imunização é contraindicada para quem nunca teve a doença.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação, da voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Aposentados e pensionistas já podem conferir quanto irão receber na primeira parcela do décimo terceiro salário.

 

Nasi: A consulta ao valor foi liberada hoje pelo INSS.

 

Gabriela: O pagamento de até 50% do benefício começa a ser pago na próxima segunda-feira, dia 27 de agosto.

 

Nasi: Mais de R$ 20 bilhões devem injetados na economia.

 

Repórter Rosamélia de Abreu: Trinta milhões de aposentados e pensionistas em todo o país começam a receber, a partir de 27 de agosto, a antecipação da primeira parcela do abono anual, conhecido como décimo terceiro. Nesta fase, o pagamento é de 50% do valor do abono. O depósito da gratificação será realização na folha mensal de pagamentos do INSS e será pago até 10 de setembro. A antecipação deve injetar aproximadamente R$ 20,6 bilhões na economia, durante os meses de agosto e setembro. Não haverá desconto de imposto de renda nessa parcela. O imposto será cobrado em novembro e dezembro, quando for paga a segunda parcela. Para quem passou a receber o benefício depois de janeiro de 2018 o valor do abono será calculado proporcionalmente. Reportagem, Rosamélia de Abreu.

 

Gabriela: A consulta ao valor do décimo terceiro pode ser feita pelo site Meu INSS, no endereço meu.inss.gov.br.

 

Nasi: Ou pelo aplicativo Meu INSS, que está disponível para baixar nos sistemas Android e iOS.

 

Gabriela: A partir de hoje os professores da rede pública de ensino já podem começar a selecionar os livros didáticos que vão ser usados no ano que vem.

 

Nasi: As obras para 2019 serão as primeiras que estarão alinhadas à nova Base Nacional Comum Curricular.

 

Gabriela: Outra novidade é um guia que vai ajudar professores de educação física e do ensino infantil no dia a dia da sala da aula. A repórter Márcia Fernandes explica.

 

Repórter Márcia Fernandes: Daiane Soares é professora do ensino infantil de uma escola pública em Ceilândia, há 30 minutos de Brasília, ela dá aulas para crianças de quatro anos. A professora conta que toda semana desenvolve um plano de aulas e que é preciso aproveitar todos os recursos pedagógicos para o desenvolvimento dos alunos.

 

Professora - Daiane Soares: Eu acho importante todo o material que auxilia o professor na elaboração do seu plano de aula, seja um livro, sejam jogos, sejam brinquedos.

 

Repórter Márcia Fernandes: A partir do ano que vem, os professores de ensino infantil de escolas públicas não vão mais precisar desenvolver os planos de aula sozinhos, eles vão ter à disposição um manual voltado exclusivamente para o ensino infantil, com orientações sobre o que, quando e como ensinar. O mesmo vale para os professores de educação física, que, pela primeira vez, também vão ter acesso a um guia do professor. A novidade faz parte do novo plano para a escolha de livros didáticos para 2019. Os professores também vão poder conferir para pela internet todo o conteúdo do livro, antes eles só tinham acesso às resenhas e referência da obra. Para a professora de artes, Renata Oliveira, ter acesso a essas obras completas ajuda no planejamento do ensino.

 

Professora de artes - Renata Oliveira: Aumentar o conhecimento dele, né? Ele entender como é que funciona aquele professor de organização, e aí fica mais fácil também passar o conteúdo, a gente se planeja antes, de antemão, não deixa só para se planejar na semana, no dia.

 

Repórter Márcia Fernandes: Uma outra novidade é que os estudantes das primeiras séries do Ensino Fundamental não precisam mais devolver os livros no fim do ano, assim eles têm mais liberdade de vale dizer anotações. Os diretores das escolas receberam uma senha, e pela internet vão enviar um formulário com o nome das obras escolhidas, a decisão é indicada pelos diretores, mas a ajuda dos professores na escolha do material didático é fundamental, como destaca a coordenadora-geral de Livros Didáticos do Ministério da Educação, Ana Paula Rodrigues.

 

Coordenadora-geral de Livros Didáticos - Ana Paula Rodrigues: Que ele seja protagonista também nesse momento de escolha, até porque o material vai ser dirigido durante todo o ano letivo por ano, né? Ele é a pessoa mais indicada para fazer essa escolha.

 

Repórter Márcia Fernandes: O prazo paro a escolha dos livros e materiais didáticos começa nesta quinta-feira e termina do dia 10 de setembro. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Nasi: A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Anvisa, anunciou hoje que vai contraindicar a vacina da dengue para pessoas que nunca tiveram a doença.

 

Gabriela: A decisão foi tomada depois de um estudo feito pelo laboratório que fabrica a vacina que é usada no Brasil.

 

Nasi: Ficou comprovado que a vacina pode aumentar o risco de que a doença apresente sintomas mais graves se for usada por pessoas que nunca tiveram contato com o vírus da dengue.

 

Gabriela: A jornalista Graziela Mendonça conversou com a assessora da Anvisa, Daniela Marreco, que dá mais detalhes da medida para a gente.

 

Repórter Graziela Mendonça: Eu converso agora com Daniela Marreco, que é assessora da Diretoria de Autorização e Registros Sanitário da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Boa noite, Daniela.

 

Assessora da Diretoria de Autorização e Registro Sanitários da Anvisa - Daniela Marreco: Boa noite. Boa noite aos ouvintes.

 

Repórter Graziela Mendonça: A Anvisa avisou que vai atualizar a bula da vacina da dengue. Qual vai ser a principal mudança?

 

Assessora da Diretoria de Autorização e Registro Sanitários da Anvisa - Daniela Marreco: A principal mudança na bula da vacina da dengue é que a indicação terapêutica da vacina vai ser restrita ao uso para indivíduos soropositivos e habitantes de áreas endêmicas, ou seja, aqueles indivíduos que já tive exposição prévia ao vírus de dengue são os indivíduos que serão contemplados na indicação da vacina. E, além disso, a vacina será contraindicada para o uso em indivíduo soronegativo.

 

Repórter Graziela Mendonça: Então, a recomendação é que pessoas que nunca tiveram dengue não se vacinem?

 

Assessora da Diretoria de Autorização e Registro Sanitários da Anvisa - Daniela Marreco: Isso. Como os novos dados de segurança que foram apresentados pela empresa mostraram que a vacina tem um perfil de segurança diferente em indivíduos soropositivos e indivíduos soronegativos, a recomendação é que a vacina não seja utilizada por pessoas que nunca tiveram dengue, e, sim, por pessoas que já foram expostas previamente ao vírus da dengue.

 

Repórter Graziela Mendonça: Assessora, como se chegou a essa conclusão? Foi feito algum estudo?

 

Assessora da Diretoria de Autorização e Registro Sanitários da Anvisa - Daniela Marreco: Isso. A empresa continuou o acompanhamento dos estudos clínicos que foram apresentados no registro da vacina, um acompanhamento de longo prazo, e durante esse acompanhamento adicional, que é realizado normalmente para todos os medicamentos que são submetidos ao registro, a empresa verificou o surgimento de um risco aumentado em indivíduos soronegativos e trouxe esses dados da Anvisa para que a gente agência avaliasse e tomasse as medidas necessárias.

 

Repórter Graziela Mendonça: Então, a pessoa que ela nunca teve dengue e tomava a vacina, ela tinha um risco maior de desenvolver uma forma mais grave quando ela tivesse a doença?

 

Assessora da Diretoria de Autorização e Registro Sanitários da Anvisa - Daniela Marreco: Isso, o uso da vacina é bem semelhante a uma infecção... uma primeira infecção pela dengue. Então, a pessoa que toma a vacina e nunca teve dengue, se ela for exposta novamente ao vírus da dengue, ela pode ter uma forma... ela corre um risco maior de hospitalização ou de dengue grave. Lembrando que a vacina não causa dengue, para isso a pessoa precisa ser novamente exposta ao vírus da dengue.

 

Repórter Graziela Mendonça: E qual será o prazo para a empresa que fabrica a vacina se adequar e passar as orientações?

 

Assessora da Diretoria de Autorização e Registro Sanitários da Anvisa - Daniela Marreco: A empresa já foi comunicada das adequações que são necessárias no texto de bula e já está adotando as medidas necessárias para corrigir esse texto de bula, e o prazo máximo para a disponibilização do novo texto é de 30 dias.

 

Repórter Graziela Mendonça: Nós conversamos com a assessora da Diretoria de Autorização e Registro Sanitários da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Daniela Marreco. Muito obrigada pela sua entrevista e boa noite.

 

Assessora da Diretoria de Autorização e Registro Sanitários da Anvisa - Daniela Marreco: Eu que agradeço. Boa noite.

 

Nasi: Eles fazem atendimento médico de alta complexidade totalmente gratuito pelo Sistema Único de Saúde, o SUS.

 

Gabriela: E também formam os médicos e as enfermeiras que prestam um melhor serviço para a população.

 

Nasi: São os hospitais universitários, referência de serviço médico de qualidade no país, que receberam hoje mais de R$ 200 milhões.

 

Repórter Bruna Saniele: Um complexo hospitalar que atende a todos os 217 municípios do estado do estado Maranhão, no Nordeste do país, e faz mais de 15 internações de alta complexidade ao ano e quase 40 mil consultas ao mês. Esse é o Hospital Universitário do Maranhão, que vai receber mais de R$ 11 milhões do governo. O valor será repassado por meio do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais, o Rehuf. De acordo com a superintendente do hospital da Universidade Federal do Maranhão, Joyce Santos Lages, a função do local vai além de cuidar da população do estado.

 

Superintendente do hospital da Universidade Federal do Maranhão - Joyce Santos Lages: Nós somos hospital de referência em alta complexidade para todo o estado do Maranhão. O Maranhão, ele tem 217 municípios, do qual nós recebemos usuários do sistema público de todas essas regiões, só que nós não fazemos só assistência, a nossa missão é formar pessoas assistindo pessoas. E as pessoas que nós assistimos são aquelas que necessitam do sistema público brasileiro.

 

Repórter Bruna Saniele: Os hospitais beneficiados vão receber cerca de R$ 130 milhões para custeio como, por exemplo, para pagamento de despesas com profissionais e compra de material de uso hospitalar. Outros R$ 75 milhões podem utilizados para investimentos em equipamentos, infraestrutura e outras demandas, como explica o presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, a Ebserh, Kleber de Melo Morais.

 

Presidente da Ebserh - Kleber de Melo Morais: O recurso para os hospitais é de vital importância, porque nós podemos usá-lo para custeio e para a capital, onde nós termos a oportunidade de adquirir novos equipamentos, construir, reformar alguns departamentos dentro do hospital que estejam tendo necessidade de uma reforma física e para os nossos insumos do dia a dia do hospital. Então, é um recurso que hoje em dia é indispensável para a sobrevivência dos hospitais da Rede Ebserh.

 

Repórter Bruna Saniele: No ano passado os 40 hospitais que compõem a Rede Ebserh foram responsáveis por mais de 300 mil internações e 400 mil cirurgias, e cerca de 23 milhões de consultas. A previsão é esses hospitais recebem mais R$ 100 milhões do governo em 2018. Reportagem, Bruna Saniele.

 

Gabriela: E você vai ouvir ainda nesta edição as últimas informações sobre as ações do Governo Federal para acolhimento dos imigrantes em Roraima.

 

Nasi: Agentes da Força Nacional vão ser treinados para identificar venezuelanos e acelerar a interiorização.

 

Gabriela: Eles também vão atuar no policiamento nas ruas de Pacaraima, cidade de fronteira com a Venezuela.

 

Nasi: Em 2020 o IBGE vai fazer um novo Censo no Brasil.

 

Gabriela: Mas já tem gente recebendo a visita de recenseadores, são os testes de campo para garantir que tudo ocorra sem problemas quando o Censo coro para valer.

 

Nasi: A próxima pesquisa será 100% informatizada e as informações coletadas vão chegar ao instituto em tempo real.

 

Agente do IBGE - Talita: Oi, meu nome é Talita e eu trabalho no IBGE. Nós estamos fazendo simulação do Censo Demográfico 2020. Nós podemos conversar com vocês agora?

 

Repórter Gabriela Noronha: O trabalho dos agentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, é assim, de porta em porta abordam moradores para conhecerem detalhes como são e como vivem. E os brasileiros sabem porque a cada dez anos têm que responder a essa pesquisa? O músico Guilherme de Godoi garante que sim.

 

Músico - Guilherme de Godoi: São para o governo saber o que ele precisa melhorar para a população, né, para ter uma base das coisas todas que estão ocorrendo e como é que anda a renda per capita.

 

Repórter Gabriela Noronha: Já a aposentada Maria Inês Santos não tem muita certeza, mas arrisca uma resposta.

 

Aposentada - Maria Inês Santos: Porque o Brasil tem que saber a população que tem, o que ganha e como vivem, né?

 

Repórter Gabriela Noronha: Guilherme e Maria Inês estão certos. Michella Paula Reis, supervisora de Disseminação de Informações do IBGE, explica que o censo demográfico é a maior operação de recenseamento do país.

 

Supervisora de Disseminação de Informações do IBGE - Michella Paula Reis: É a principal pesquisa, a mais importante do nosso país, é quando a gente conta toda a população. Então, esses dados são fundamentais para vocês fazer qualquer planejamento, você alocar recursos orçamentários. É fundamental para a gente conhecer quem somos, onde vivemos, onde fazemos.

 

Repórter Gabriela Noronha: E visitar todos os cantos do Brasil vencendo os desafios que surgem ao percorrer um país de dimensões continentais, é tarefa trabalhosa e exige planejamento. Essa semana começaram os primeiros testes-piloto com o objetivo do avaliar aspectos do questionário e o funcionamento do aplicativo em 12 cidades mais o Distrito Federal. Segundo Michella Paula Reis, desde 2017 o IBGE vem trabalhando na preparação Censo 2020.

 

Supervisora de Disseminação de Informações do IBGE - Michella Paula Reis: A Operação Censo é gigantesca no país inteiro, para você contar toda a população. Então, para você não tenha nenhuma intercorrência durante o processo de coleta, propriamente dito, o que é a gente faz? A testa isso em pequenas quantidades antes. A gente contratar mais de 200 mil pessoas, você imagina com 200 mil pessoas em campo a você estar testando o aplicativo? Isso não pode acontecer.

 

Repórter Gabriela Noronha: O Censo 2020 será 100% informatizado, e, pela primeira vez, vai trazer perguntas específicas para quilombolas e outros povos e comunidades tradicionais. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: Agentes da Força Nacional vão ser treinados para apoiar a Polícia Federal no processo de registro de imigrantes venezuelanos em Roraima.

 

Nasi: Com isso, o envio de imigrantes para outros estados, no chamado processo de interiorização, deve ser agilizado.

 

Gabriela: O anúncio foi feito pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, que esteve hoje em Roraima.

 

Nasi: Além do treinamento, vão ser enviados mais equipamentos e verbas para esse processo. Para Jungmann, das três ações que o governo tem feito em Roraima, a de interiorização é a que precisava de reforço.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: Nós aqui temos três objetivos, primeiro é ordenar a fronteira, a fronteira está ordenada. Segundo, é abrigar aqueles migrantes que aqui chegam e atendê-los, isso está sendo feito. Nós temos hoje nove abrigos em Boa Vista, temos um aqui que é transitório, de transição, de passagem, e estamos inaugurando,, nos próximos dias um décimo abrigo lá em Boa Vista. Isso vai possibilitar o atendimento de aproximadamente 5 mil migrantes. E, além disso, também já foi tomada a decisão de criar um grande abrigo que ficará entre Pacaraima e Boa Vista, de sorte, que esses dois aspectos, eles estão indo bem. O que nós precisamos melhorar e precisamos acelerar é o processo de interiorização. E para isso nós estamos tomando as seguintes medidas, aproximadamente 40 homens da Força Nacional estão sendo treinados e preparados para ampliar os quadros da Polícia Federal. E então, esse homens e mulheres da Força Nacional serão treinados para fazer exatamente o registro daquelas pessoas que aqui chegam. Em segundo lugar, nos foi solicitado 45 estações de trabalho, computadores, etc., impressoras, e tal. Foi solicitado pela Polícia Federal também um adicional em termos de orçamento de R$ 2 milhões, estamos cuidando também de que isso aconteça.

 

Gabriela: O ministro afirmou que o governo continua preocupado com a segurança, tanto da população local, quanto dos venezuelanos que vêm ao país fugindo da crise econômica e política no país vizinho.

 

Nasi: Para isso, estão atuando em Roraima 146 agentes da Polícia Federal, 86 da Polícia Rodoviária Federal, 94 da Força Nacional e 3 mil militares do Exército.

 

Gabriela: Outros 60 homens da Força Nacional devem chegar a Roraima nos próximos dias para fazer o policiamento ostensivo em Pacaraima após solicitação do Governo do Estado.

 

Nasi: Segundo Jungmann, os investimentos do governo nas ações em Roraima já passam de R$ 200 milhões.

 

Gabriela: O ministro voltou a afirmar o país não vai fechar as fronteiras.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: Uma criança com fome é uma criança com o fome, seja brasileira, seja venezuelana. Uma mulher que não tem emprego, que não tem como sustentar, um pai de família que não tem, não dá para você fechar a porta com relação a isso. Claro que essa é situação extraordinária, difícil. Eu faço um apelo ao povo de Roraima, o povo de Pacaraima, ao povo de Boa Vista para que tenha a compreensão de que isso é um momento, mas que isso vai passar, tá certo? E vai ficar, sobretudo, a certeza de que nós nos comportamos como uma nação solidária, generosa, como uma democracia, e, que, ao contrário de outros países por aí a afora, a Europa e outro lugares que fecham as portas totalmente ou que colocam cerca de arame farpado, nós estamos dando aqui um exemplo.

 

Nasi: Você já ouviu durante essa semana aqui na Voz do Brasil o que são os Creas, que atendem pessoas que sofrem situações de violência e violação de direitos.

 

Gabriela: E também falamos sobre os Centros POP, voltados para o atendimento de pessoas em situação de rua.

 

Nasi: Hoje vamos mostrar o que as são Centros de Referência de Assistência Social.

 

Gabriela: Presentes em todo o país, eles são a porta de entrada para quem precisa de ajuda e apoio de programas sociais.

 

Repórter Cleide Lopes: Carla Ferreira Valdez, de 25 anos, moradora do Varjão, cidade há acerca de 15 quilômetros do centro de Brasília, é mãe solteira de três filhas, uma de oito anos, outra do sete e a pequena Lara, de um ano. Hoje ela chegou cedo ao Cras, Centro de Referência de Assistência Social do Varjão, para atualizar os dados do Cadastro Único. Só com isso em dia ela pode receber os R$ 372 do Bolsa Família para sobreviver com as filhas.

 

Moradora do Varjão - Carla Ferreira Valdez: Sem ele eu não tenho como sustentar minhas filhas. É com ele que eu compro a comida, é com ele eu compro o material escolar.

 

Repórter Cleide Lopes: O Centro de Referência de Assistência Social, popularmente conhecido como Cras, é uma das principais unidades do Sistema Único de Assistência Social. Através dele a população tem acesso a benefícios como, por exemplo, o Bolsa Família e também o Benefício de Prestação Continuada o BPC. A diretora de Proteção Social Básica do Ministério do Desenvolvimento Social, Renata Ferreira, explica que, além do Cadastro Único, as unidades oferecem ainda serviços de prestação e atendimento integral à família, como visitas domiciliares, orientações e encaminhamento a outros serviços do Governo Federal.

 

Diretora de Proteção Social Básica - Renata Ferreira: O Cras, ele atua nessa articulação para chegar mais próximo e tornar visível para a população brasileira de que ela tem os seus direitos garantidos através dessas ofertas em nível do estado, do município, do Governo Federal.

 

Repórter Cleide Lopes: Atualmente, em todo o país, existem 8,4 mil unidades do Cras. As equipes dessas unidades também atuam na prevenção junto à comunidade para enfrentar problemas como a violência, a exploração do trabalho infantil e o acesso ao mercado de trabalho. E, além da assistência social, os Cras também oferecem oficinas de capacitação de música e artes. A doméstica Roseli Fortunado de Souza, moradora de Patrocínio, no interior do Minas Gerais, conta que o filho Kerlon Fortunado, de dez anos já está no Centro de Vivência desde o sete. No horário contrário à escola o menino tem aulas de violão, violino e flauta.

 

Doméstica - Roseli Fortunado de Souza: Ele adora demais lá. Ele já está tocando até na igreja lá do meu bairro, a igreja do bairro Santo Antônio lá. Precisa de ver, é uma benção, todo mundo fica impressionado de ver.

 

Repórter Cleide Lopes: Qualquer família de baixa renda que queira acessar os programas sociais oferecidos pelo Governo Federal é só procurar de forma espontânea uma unidade do Cras perto de sua casa. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: A arrecadação total das Receitas Federais aumentou mais de 12% em julho.

 

Gabriela: O governo arrecadou mais de R$ 129,5 bilhões.

 

Nasi: E uma das razões para o crescimento é a retomada da economia, como comenta ao chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros, Claudemir Malaquias.

 

Chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros - Claudemir Malaquias: A arrecadação do mês do julho, e contribuiu bastante aí a recuperação da atividade econômica. E nós tivemos um destaque aí na arrecadação do imposto de renda e da contribuição social, que foram fortemente impactadas por ações de cobrança que foram realizadas e também por modificação legislativa, que impediu a compensação das estimativas. Esses fatores aí, contribuíram para a arrecadação excepcional esse mês do imposto de renda e da contribuição social.

 

Gabriela: E a queda no preço de alguns alimentos foi uma das razões paro o IPCA 15, a Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15, que é uma prévia da inflação oficial do país, diminuísse.

 

Nasi: A taxa registrou uma queda de 0,64% em julho para 0,13% em agosto.

 

Gabriela: Cebola, tomate, batata-inglesa, carnes e frutas apresentaram preços menores e puxaram o índice para baixo.

 

Nasi: Destaque também para a queda de mais de 26% no preço das passagens aéreas.

 

Gabriela: No acumulado do ano, a inflação chega a 3,14%. O acumulado dos últimos 12 meses ficou em 4,30%.

 

Nasi: A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior vai financiar bolsas de estudo para o Programa o Antártico Brasileiro.

 

Gabriela: Para isso, lançou hoje uma chamada pública para projetos na área.

 

Nasi: A Capes vai investir R$ 5,7 milhões em 75 bolsas, sendo 30 de mestrado, outras 30 de doutorado e mais 15 de pós-doutorado.

 

Gabriela: De acordo com o Priscila Lelis, coordenadora de Programas de Indução e Inovação da Capes, a intenção é estimular a formação de novos pesquisadores em ciência na Antártica.

 

Coordenadora de Programas de Indução e Inovação da Capes - Priscila Lelis: A participação da Capes nessa chamada visa estimular a formação de nova geração de pesquisadores para compor as equipes nos próximos anos. A duração dos projetos é de quatro anos. As propostas podem ser submetidas nas plataformas Chagas do CNPQ até o dia 8 de outubro, e a previsão de divulgação do resultado final é no dia 30 de novembro.

 

Nasi: O endereço da plataforma para enviar as propostas é: carloschagas.cnpq.br. Eu vou repetir: carloschagas.cnpq.br.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"A Voz do Brasil, Governo Federal".