24 de abril de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Liberada a fabricação de genéricos de mais 4 remédios. Medida traz mais economia para a população. Transparência na gestão do dinheiro público. Governo lança nova plataforma para fiscalizar obras federais por todo o país. Recuperação da economia faz governo arrecadar mais com impostos e contribuições em março, o melhor resultado para o mês em 3 anos. Para diminuir superpopulação carcerária, mutirão vai analisar situação dos detentos do país.

audio/mpeg VOZ240418.mp3 — 46898 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 24 de abril de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Liberada a fabricação de genéricos de mais quatro remédios.

 

Gabriela: Medida traz mais economia para a população. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Além de chegar com custo mais acessível ao mercado, alguns desses medicamentos são oferecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, o SUS.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Transparência na gestão do dinheiro público. Governo lança nova plataforma para fiscalizar obras federais por todo o país. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: Quer saber como anda a construção daquele hospital perto da sua rua? Ou como está a reforma daquela rodovia? A partir de agora você pode consultar todas essas informações pelo computador ou pela a tela do celular.

 

Nasi: Recuperação da economia faz governo arrecadar mais com impostos e contribuições em março, o melhor resultado para o mês em três anos.

 

Gabriela: Para diminuir superpopulação carcerária, mutirão vai analisar situação dos detentos do país. Cleide Lopes.

 

Repórter Cleide Lopes: A ideia é atender e resolver a situação de 50 mil presos até o final do ano para desafogar os presídios.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: Quem nunca chegou à farmácia e ficou em dúvida sobre qual tipo de medicamento comprar?

 

Gabriela: As opções são muitas, tem aquele com nome conhecido, esse é o medicamento de referência, que é vendido exclusivamente por alguns anos.

 

Nasi: Depois de um tempo a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, permite que outros concorrentes entrem no mercado, esses são os genéricos, vendidos com o nome do princípio ativo, e os similares e também têm uma marca.

 

Gabriela: Os três tipos têm os mesmos efeitos, a única diferença é o preço.

 

Nasi: Por lei, os genéricos devem ter preços mais atrativos, economia para quem vai na farmácia e para também para o governo.

 

Gabriela: E é por isso que a Anvisa incluiu mais quatro medicamentos nessa lista, como conta o repórter Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Dona Benedita de Souza Rocha, moradora de Brasília, tem 74 anos e sofre de pressão e colesterol altos. Todos os meses a aposentada tem que comprar medicamentos, e, para economizar, ela sempre escolhe o remédio genérico.

 

Entrevistada - Benedita de Souza Rocha: Onde que é mais barato, né? Não mexe muito com o bolso. O outro, não, o outro é muito caro e eu não estou podendo comprar. Genérico é ótimo.

Repórter Pablo Mundim: Assim como a dona Benedita, muitos brasileiros procuram os medicamentos mais baratos. Dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, mostram que, em 2016, foram comercializadas 1,046 bilhão de embalagens de genéricos no Brasil. Essa quantidade representou cerca de 32% de todas as vendas de medicamentos. E a partir de agora, a Anvisa aumentou a lista de remédios genéricos, com quatro novos medicamentos. Um deles é usado no tratamento de pessoas que vivem com HIV, outro indicado para pessoas que tem pressão alta, outro genérico será utilizado no tratamento da rinoconjutivite alérgica e também da urticária, e, completando a lista está um remédio para reposição hormonal em homens. Em uma Farmácia Popular de Brasília o remédio genérico representa 27% de toda a venda. O farmacêutico Douglas Fernandes explica que esse tipo de remédio passa por um rigoroso processo de análise e tem o mesmo efeito para o organismo que um medicamento de referência.

 

Farmacêutico - Douglas Fernandes: Todos os medicamentos, antes de chegar na prateleira, para ser comercializado, ele passa por um processo rigoroso lá na Anvisa, né? Você está levando o mesmo medicamento, né, por um preço mais acessível. Pode pegar medicamento aí que custa R$ 100, R$ 120, o genérico sai a metade do valor.

 

Repórter Pablo Mundim: Segundo a Anvisa, o medicamento genérico deve ter um preço pelo menos 35% menor que o medicamento de referência. Além de chegar com um custo mais acessível ao mercado, alguns destes medicamentos são oferecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, o SUS. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Nasi: Hospitais, escolas, creches, rodovias, pontes e obras de saneamento.

 

Gabriela: Quase 100 mil obras em todo o Brasil estão sendo construídas com recursos do Governo Federal.

 

Nasi: Acompanhar a aplicação correta dos recursos nessas obras exigia um grande trabalho, tanto dos órgãos de controle, quanto dos cidadãos interessados.

 

Gabriela: Mas uma ferramenta, lançada hoje, pelo Ministério do Planejamento, promete facilitar esse controle.

 

Repórter Márcia Fernandes: Quer saber como anda a construção daquele hospital perto da sua rua? Ou como está a reforma daquela rodovia? A partir de agora você pode consultar todas essas informações pelo computador ou pela tela do celular. O Ministério do Planejamento lançou a Plataforma Painel de Obras, com ela é possível conferir se a obra foi cancelada, se ainda está em execução ou se foi concluída e como está a prestação de contas. Também dá para saber a quantidade de obras em cada estado e município e qual é a previsão de entrega. Para o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, a ferramenta ajuda o governo a ter um acesso unificado às informações, já o cidadão, encontra uma forma mais fácil de controlar as obras do seu município.

 

Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Esteves Colnago: A transparência e a clareza trazida pelo Painel permitirão ao cidadão e aos meios de comunicação acompanhar, fiscalizar e reivindicar entrega de obras. O Painel fornecerá aos órgãos de controle uma base consolidada de informações, facilitando o monitoramento e a fiscalização. O resultado será uma gestão mais efetiva da aplicação dos recursos públicos.

 

Repórter Márcia Fernandes: O portal reúne informações de mais de 98 mil obras de todo o Brasil custeadas por recursos federais. Os dados correspondem a R$ 1,23 trilhão em investimentos. Para o ministro da Transparência e da Controladoria-Geral da República, Wagner Rosário, esse tipo de ferramenta facilita o controle dos gastos públicos.

 

Ministro da Transparência e da Controladoria-Geral da República - Wagner Rosário: São muitos recursos que estão envolvidos, isso tem que ser acompanhado pelo cidadão. A gente sabe que esse é o caminho. E eu tenho certeza que o caminho que hoje a administração segue de abertura de seus dados, de fornecimento de informações, ele é o caminho correto para que a gente consiga realmente utilizar a aplicação dos escassos recursos que nós temos para a grande gama de que atividades que o Estado tem.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Painel de Obras pode ser acessado no endereço: paineldeobras.planejamento.gov.br. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Nasi: Trezentos e cinquenta órgãos do Governo Federal vão fazer parte de um projeto para prevenir a corrupção e para uma maior ética no setor público.

 

Gabriela: São essas as metas do chamado Plano de Integridade, que vai ser regulamentado amanhã.

 

Nasi: O ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, participou hoje do programa Por Dentro do Governo, transmitido pela TV NBR e Rede Nacional de Rádio, e adiantou os principais pontos do plano.

 

Ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União - Wagner Rosário: Ele visa trazer uma... incorporar uma cultura mais ética dentro desses órgãos, evitando casos futuros de corrupção. É um trabalho de prevenção que nós temos que trabalhar de forma muito forte. Então, vão ser implementados canais de denúncia, códigos de ética e uma série de outras ferramentas, além de análise de risco e tratamento desse risco, que vão melhorar muito as condições e a segurança dos nossos órgãos num futuro próximo.

 

Gabriela: Wagner Rosário adiantou ainda, que no mês de junho vai ser lançada uma nova versão do Portal da Transparência, remodelado para que o contribuinte possa fiscalizar os gastos públicos de forma mais fácil.

 

Nasi: Arrecadação com impostos, contribuições e outras receitas cresceu quase 4% em março. É o melhor resultado para o mês em três anos.

 

Gabriela: Um dos mistos é a recuperação da economia.

 

Repórter João Pedro Neto: A arrecadação total das receitas federais em março foi de mais de R$ 105,65 bilhões, uma alta de quase 4% em relação ao mesmo mês do ano passado. É o melhor resultado para o mês desde 2015. Já no acumulado dos três primeiros meses do ano, a arrecadação federal registrou um crescimento real, ou seja, acima da inflação, de cerca de 8,4%. Segundo o Claudemir Malaquias, chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, a recuperação da economia foi um dos fatores que contribuíram para o resultado.

 

Chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros - Claudemir Malaquias: Os números estão demonstrando que a retomada da atividade econômica está se dando em diversos setores, e esses setores da economia estão se recuperando em ritmos diferentes. À medida que os setores apresentem uma recuperação, um ritmo de recuperação, esses recursos apresentam... são representados na arrecadação tributária.

 

Repórter João Pedro Neto: Para a Receita Federal, outros fatores como ações de cobranças junto a devedores, o aumento das alíquotas do PIS/Cofins sobre combustíveis e programas de regularização tributária e parcelamentos da dívida ativa também foram importantes para o aumento da arrecadação. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Nasi: Governo Federal e defensores públicos anunciaram uma série de ações para diminuir o número de presos no Brasil.

 

Gabriela: A avaliação é que existe uma superpopulação carcerária, o que aumenta o risco de conflitos e tragédias. Além disso, muitos presos já cumpriram as penas e poderiam estar soltos.

 

Nasi: O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que para desenvolver essas ações é preciso que os governos estaduais atualizem as informações dos sistemas penitenciários locais.

 

Repórter Cleide Lopes: A população carcerária brasileira passa de 720 mil presos, a terceira maior do mundo. Deste total, 40% estão em condição provisória, ou seja, que aguardam julgamento ou que não possuem condenação definitiva. Para melhorar essa situação, o Governo Federal, em conjunto com o Colégio de Defensores Públicos Gerais, vão realizar um mutirão para examinar a situação dos detentos no país. A ideia é atender e resolver a situação de 50 mil presos até o final do ano para desafogar os presídios, como explica o vice-presidente do Colégio de Defensores Públicos, André Castro.

 

Vice-presidente do Colégio de Defensores Públicos - André Castro: Nós apresentamos hoje, aqui, ao ministro da Segurança Pública, um cronograma até setembro atendendo a três estados: Ceará, Goiás e Pará. E nesses três estados nós faremos um esforço muito grande para contribuir para a melhora do sistema prisional. Esse calendário, ele será estendido para outros estados conforme uma avaliação técnica feita pela Defensoria Pública em parceria com o Depen.

 

Repórter Cleide Lopes: Mas para que isso aconteça é preciso que os estados cumpram a lei e enviem periodicamente informações ao Sistema Nacional de Segurança Pública, que reúne dados sobre a segurança pública, sistema prisional, execução penal e drogas. O ministro extraordinário da Segurança, Pública Raul Jungmann, disse que sem essas informações não é possível planejar ações e até repassar os recursos.

 

Ministro extraordinário da Segurança Pública - Raul Jungmann: Nós precisamos ter informação de quem é, de quem está lá dentro, qual é o nível de educação, o que é que faz, se tem trabalho, se não tem trabalho, qual é o crime que ele cometeu, se é provisório, se é aberto, se é semiaberto, para você exatamente, os recursos, você aplicar bem. E para o fim que é necessário.

 

Repórter Cleide Lopes: Todos os estados têm até o dia 23 de maio para enviar os dados. O estado do Rio de Janeiro é o único a ter tratamento diferenciado por estar sob intervenção federal na segurança pública, como explica o ministro Raul Jungmann.

 

Ministro extraordinário da Segurança Pública - Raul Jungmann: Nós não podemos bloquear os recursos do Rio de Janeiro porque ele se encontra em intervenção federal e os recursos são extraordinários, portanto, eles não podem ser contingenciados. Agora, eu vou procurar o interventor, que é o general Braga Netto, e, com ele, vou manter um diálogo, e tenho certeza de que ele vai nos enviar, porque essa é a predisposição hoje da intervenção.

 

Repórter Cleide Lopes: Uma das medidas previstas pelo grupo de defensores públicos é pedir habeas corpus para aqueles presos provisórios que respondem por crime comum e que estejam na cadeia por mais de seis meses. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Gabriela: Mais emprego e renda gerados pelo turismo.

 

Nasi: Daqui a pouco a gente traz as ações do governo para alavancar o setor e fazer com que mais turistas visitem o país.

 

"As rádios de todo o país já podem transmitir a Voz do Brasil em horário flexível. As emissoras de radiodifusão são obrigadas a retransmitir diariamente entre às 7h da noite e às 10h da noite, exceto aos sábados, domingos e feriados. A duração continua a mesma, 60 minutos, de forma ininterrupta. As emissoras devem informar aos ouvintes, às 7h da noite, o horário em que vão transmitir o programa. A Rede Nacional de Rádio mantém a transmissão às 7h da noite, pelo satélite e ao vivo, pela internet, no site redenacionalderadio.com.br".

 

"Defesa do Brasil! Defesa do Brasil! Defesa do Brasil!".

 

Gabriela: O Brasil recebe, nesta semana, chefes das Forças Armadas de países de língua portuguesa.

 

Nasi: A ideia é incentivar a cooperação na formação de militares e trocar experiências na defesa dos países.

 

Repórter Marina Melo: A integração entre países que falam a mesma língua é considerada estratégica no contexto de defesa, por isso o Brasil busca realizar encontros para estabelecer mecanismos de cooperação permanentes com essas rações. Um desses encontros acontece nesta semana em Salvador, na Bahia, com a 20ª Reunião dos Chefes de Estado Maior das Forças Armadas da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. O chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, almirante Ademir Sobrinho, explica a importância do encontro.

 

Chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas - Ademir Sobrinho: É um modo do Brasil formatar a amizade e a confiança mútua com esses países, quando ele coopera na formação dos seus militares, na formação dos seus Estados Maiores, na realização de exercícios conjuntos e em todas as cooperações possíveis na área militar.

 

Repórter Marina Melo: O chefe do Estado Maior das Forças Armadas de Portugal, almirante Antônio Manuel da Silva Ribeiro, explica que no mundo globalizado muitas vezes os problemas que atingem um país podem ser as mesmas preocupações de uma outra nação amiga.

 

Chefe do Estado Maior das Forças Armadas de Portugal - Antônio Manuel da Silva Ribeiro: Os nossos países têm laços de profunda amizade e que tem que exprimir também no campo da defesa, na medida em que os problemas que nos afetam neste mundo global em que vivemos são iguais, são muito semelhantes, e, por isso, este fórum é essencial para, na sequência daquele que são as outras iniciativas que ligam os países de língua portuguesa, também em âmbito militar, o chefe de Estado Maior, general das Forças Armadas, refletirmos sobre as questões de defesa, trocarmos visões.

 

Repórter Marina Melo: Além de Brasil e Portugal, países como Cabo Verde, Angola, Guiné Bissau e Moçambique, também participam do encontro. A 20ª Reunião dos Chefes de Estados Maior das Forças Armadas da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa também realizará uma análise da situação político-militar e das questões internacionais de defesa e segurança. Reportagem, Marina Melo.

 

Gabriela: A maior parte das grandes empresas de tecnologia e inovação do mundo estão nos Estados Unidos.

 

Nasi: E o Brasil pode fortalecer a parceria com os norte-americanos nestas áreas, aprendendo e trazendo mais investimentos para cá.

 

Gabriela: Por isso, representantes dos dois países se reuniram hoje em Washington, na capital dos Estados Unidos.

 

Nasi: A nossa correspondente, Paola de Orte, acompanhou o encontro e tem as informações.

 

Repórter Paola de Orte: Conectividade, inovação, modelos de negócios na economia digital e futuro da internet das coisas. Esses foram alguns dos temas discutidos no encontro promovido pela parceria entre Brasil e Estados Unidos na área tecnológica. Para o vice-secretário do departamento de estado norte-americano, Michael Fitzpatrick, os dois países são líderes na transformação digital e têm colaborado para promover inovação e combater ataques cibernéticos. O secretário de Transformação Digital do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Thiago Camargo, disse que a ideia do encontro é trocar conhecimento na área de regulação e de incentivo aos empreendedores.

 

Secretário de Transformação Digital - Thiago Camargo: A ideia é que a gente possa colaborar para aprender com as experiências e saber como criar, no Brasil, as condições necessárias para o fortalecimento, para a que gente tenha uma economia digital cada vez mais vibrante. Além disso, essa agenda, esse debate, ela vai ter um foco muito forte em como criar um ambiente de empreendedorismo para que os empreendedores, os investidores consigam surgir com novos modelos de negócio, surgir com nossos modelos de interação.

 

Repórter Paola de Orte: O diretor do Departamento de Ciência, Tecnologia e Inovação do Itamaraty, o embaixador Benedito Fonseca Filho, destaca a importância do diálogo entre os dois países para levar para o Brasil mais investimentos e parceria na área de tecnologia.

 

Diretor do Departamento de Ciência Tecnologia e Inovação do Itamaraty - Benedito Fonseca Filho: A infraestrutura e os investimentos vão ter que ser feitos para reforçar a segurança. São todas áreas muito propícias à cooperação, inclusive, de possíveis investimentos, de uma possível cooperação econômica entre os dois países, entre, tanto de perspectiva de governo, mas também entre as empresas, entre as instituições que atuam nessas áreas.

 

Repórter Paola de Orte: O evento faz parte da Estratégia Brasileira Para a Transformação Digital lançada pelo Presidente Michel Temer em março deste ano. A ideia é estimular novos modelos de negócios em uma economia brasileira mais conectada. Serão cem ações em nove eixos, que devem trazer mais investimentos em educação, infraestrutura de acesso e melhoria das habilidades digitais no Brasil. De Washington, nos Estados Unidos, Paola de Orte.

 

Gabriela: O Brasil apresentou hoje para a ONU os resultados da melhor gestão dos recursos públicos na área de assistência social, em especial, na revisão do auxílio-doença.

 

Nasi: Com a economia alcançada foi possível investir mais em programas sociais.

 

Repórter Diego Queijo: O Brasil avança no combate à pobreza e já alcança bons resultados com a melhor gestão dos recursos públicos. Esta foi a mensagem levada pelo ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, aos membros do Comitê de Peritos em Administração Pública do Conselho Econômico Social da ONU, em Nova Iorque, nesta terça-feira. Beltrame destacou os números da economia alcançada com a revisão do auxílio-doença. Em 2016 havia mais de 550 mil pessoas recebendo o benefício há mais de dois anos sem terem passado por perícias no período. Entre agosto de 2016 e dezembro de 2017, 270 mil pessoas foram reavaliadas por médicos peritos nas agências do INSS. A constatação foi de que 80% delas estavam aptas para o trabalho e recebiam o auxílio de forma irregular. Com a continuidade da revisão, a expectativa é economizar mais de R$ 20 bilhões até 2019, como explica o ministro Alberto Beltrame.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Desde o início da ação, em 2016, até o presente, já economizamos R$ 7,6 bilhões e deveremos chegar à casa dos R$ 20 bilhões de economia até o ano de 2019.

 

Repórter Diego Queijo: A gestão responsável dos recursos públicos fortaleceu ainda o programa Bolsa Família e impulsionou a implementação do Criança Feliz e do Progredir, criado para estimular a geração de emprego e renda às famílias mais pobres. Reportagem, Diego Queijo.

 

Gabriela: Você sabia que um em cada dez empregos em todo o mundo é gerado pelo turismo?

 

Nasi: Só aqui no Brasil o setor movimenta mais de R$ 500 bilhões por ano e gera 7 milhões de empregos.

 

Gabriela: E o governo trabalha para aumentar esse valor e o número de turistas, sejam estrangeiros ou aqui do Brasil.

 

Nasi: Além dos bilhões de reais em renda, o setor tem potencial para criar mais empregos.

 

Repórter Nei Pereira: Cataratas do Iguaçu, Pantanal, Amazônia, esses são os principais pontos turísticos naturais do Brasil. Já cidades como Brasília, com sua arquitetura moderna e planejada, e Rio de Janeiro, com o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor, também atraem visitantes de todo o mundo. E foi esse é o roteiro escolhido por um grupo de alemães que está passando duas semanas no Brasil. Utah Urban veio pela primeira vez ao país, ela diz que gostou muito daqui e que escolheu o roteiro porque mostra a diversidade do Brasil. Só em janeiro deste ano quase US$ 800 milhões entraram no Brasil por meio do turismo, o maior gasto de visitantes estrangeiros para o mês dos últimos 28 anos. O governo brasileiro trabalha para que o país receba cerca de 12 milhões de turistas internacionais por ano até 2022. E uma das medidas é a liberação do visto eletrônico para visitantes dos Estados Unidos, Canadá e Japão. A iniciativa faz com que todo o processo, desde a solicitação até a liberação do documento, ocorra em 72 horas. O ministro do Turismo, Vinícius Lummertz, elencou outras ações para impulsionar o setor.

 

Ministro do Turismo - Vinícius Lummertz: Temos uma nova regulamentação que facilita os voos charters no Brasil, esperamos elevar em 10 milhões de viajantes internos. A abertura do capital das campanhas áreas para que haja mais competição e voos mais baratos, e 118 mudanças na Lei Geral do Turismo com o objetivo de desburocratizar e facilitar a vida do investidor.

 

Repórter Nei Pereira: O setor movimenta também o mercado de trabalho. Um em cada dez empregos no mundo é gerado pelo turismo. No Brasil, a área injeta R$ 520 bilhões por ano na economia e é responsável pelo emprego de 7 milhões de brasileiros, é o caso de Roberto Torres, que há 33 anos trabalha como guia turístico em Brasília.

 

Guia turístico em Brasília - Roberto Torres: O primeiro ganha-pão do turismo eu comecei a trabalhar como guia bastante jovem, ainda com 13 anos de idade, para praticar o inglês que eu estudava. Depois eu aprendi alemão, e também espanhol, e passei de me dedicar exclusivamente a essa atividade.

 

Repórter Nei Pereira: O Ministério do Turismo quer incentivar também as viagens internas e acrescentar em 40 milhões o número de brasileiros viajando pelo país, que hoje é de 60 milhões. A medida deve gerar mais 2 milhões de empregos no setor. Uma pesquisa feita pela Pasta mostra que nove em cada dez brasileiros pretendem fazer turismo interno neste ano. Foi o que fez Cristiane Alvarenga, moradora de São Paulo.

 

Entrevistada - Cristiane Alvarenga: Viemos eu e o meu filho, que é meu aniversário amanhã, e eu queria me dar de presente uma viagem. E como eu sempre tive o sonho de conhecer Brasília, eu falei: "Agora é a hora".

 

Repórter Nei Pereira: Em 2017 mais de 6,5 milhões de estrangeiros estiveram no Brasil. A Argentina é o país que mais envia visitantes, em seguida vem os Estados Unidos. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gabriela: Continuam abertas as inscrições para o Encceja, o Examine Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos.

 

Nasi: O prazo termina nesta sexta-feira, dia 27 de abril.

 

Gabriela: O Encceja permite que jovens e adultos que não concluíram os estudos possam realizar a prova para retirar o certificado dos ensinos Fundamental e Médio.

 

Nasi: A aplicação do exame em todas as unidades da federação está marcada para o dia 5 de agosto.

 

Gabriela: Para se inscrever, acesse o endereço na internet: enccejanacional.inep.gov.br.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".