24 de outubro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: Novo sistema vai monitorar distribuição, estoques e acesso aos medicamentos do SUS em todo o país. Isso significa mais planejamento, economia e garantia de remédios a quem mais precisa! Mais de 1 milhão e 400 mil microempreendedores individuais precisam regularizar situação junto à Receita. Força Aérea vai apoiar combate a incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. E se você recebe o Bolsa Família, fique atento: foi prorrogado o prazo para inscrições em cursos de capacitação do Programa Progredir!

audio/mpeg VOZ241017.mp3 — 46937 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19 horas.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite pra você que nos ouve aí em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 24 de outubro de 2017.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Novo sistema vai monitorar distribuição, estoques e acesso aos medicamentos do SUS em todo o país.

 

Nasi: Isso significa mais planejamento, economia e garantia de remédios a quem mais precisa.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Mais de 1,4 milhão de microempreendedores individuais precisam regularizar a situação junto à Receita. Eduardo Biagini.

 

Jornalista Eduardo Biagini: CNPJs estão suspensos e microempreendedores podem parcelar os débitos em até 60 meses. Daqui a pouco eu volto com mais detalhes.

 

Gabriela: Força Aérea vai apoiar combate a incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.

 

Nasi: E se você recebe o Bolsa Família, fique atento.

 

Gabriela: Foi prorrogado o prazo para inscrições em cursos de capacitação do Programa Progredir.

 

Nasi: Hoje na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E pra assistir a gente ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: Maior controle dos medicamentos no Sistema Único de Saúde.

 

Gabriela: É o que promete uma nova ferramenta que vai permitir programar as compras, remanejar estoques e gerar economia.

 

Nasi: E estados e município têm agora um prazo para enviar todas as informações à base nacional de dados da Assistência Farmacêutica.

 

Repórter Gabriela Noronha: Com o novo sistema, vai ser possível saber qual é o consumo em cada estado e município e quais medicamentos estão próximos à data de vencimento. As informações vão ser integradas na base nacional de dados da Assistência Farmacêutica. Com o lançamento da ferramenta, 100% dos medicamentos do Sistema Único de Saúde terão monitoramento online. A base nacional entra em funcionamento imediatamente e, de acordo com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, vai gerar economia para os cofres públicos.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Evitar que medicamentos vençam na prateleira, evitar que medicamentos sejam desperdiçados e fazer o remanejamento dos medicamentos que, eventualmente, estejam sobrando em um determinado estado ou município, para outro, de modo que haja melhor aproveitamento.

 

Repórter Gabriela Noronha: Com a base nacional, todas as Secretarias de Saúde do país vão poder transmitir online as informações, incluindo os medicamentos de alto custo. A medida vai beneficiar gente como o paraibano João Eleutério, que tem 62 anos e precisa de insulina para controlar a diabetes há mais de dez anos. Sem condições de comprar o medicamento, ele recorre todo mês à farmácia do Hospital Universitário de Brasília.

 

Entrevistado - João Eleutério: E essa medicação que está me deixando, hoje, com a disposição que eu tenho. Eu tenho disposição de jovem.

 

Repórter Gabriela Noronha: O produtor rural Wilson Antônio Pereira também sofre com a diabetes. Ele, que é de Formosa, em Goiás, conta que precisa da saúde em dia para trabalhar e sustentar a família.

 

Produtor rural - Wilson Antônio Pereira: A gente amanhece mais animado e, tendo certeza que esse remédio não vai faltar, uma vida longa.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os estados e municípios têm 90 dias para enviar as informações. Vencido esse prazo, poderão ter os recursos da Assistência suspensos temporariamente. Reportagem. Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E hoje é o Dia Mundial de Combate à Poliomielite.

 

Nasi: Uma doença que está erradicada no país, mas que nunca deve ser esquecida.

 

Gabriela: Os postos de vacinação têm estoques da vacina e cabe aos pais manter a carteira de vacinação das crianças sempre em dia.

 

Nasi: Isso porque a doença ainda está presente em outros países.

 

Repórter Nei Pereira: No Dia Mundial de Combate à Poliomielite, a servidora pública Larissa Januci levou a filha até um posto de saúde do Distrito Federal, para tomar a terceira dose da vacina contra a doença. A pequena Maya, que está com seis meses, já havia sido imunizada aos dois e aos quatro meses. Manter o calendário de vacinação em dia é uma preocupação da mãe.

 

Servidora Pública - Larissa Januci: Eu acho importante mesmo essas doenças que já foram erradicadas, né, pra não correr o risco de voltar a circulação. São doenças muito sérias, né?

 

Repórter Nei Pereira: A poliomielite é uma doença altamente infecciosa e afeta, principalmente, crianças menores de cinco anos. O vírus da polio ataca o sistema nervoso e pode levar à paralisia. Por isso, é conhecida também como paralisia infantil. A médica pediatra Natália Sarquis explica como ocorre o contágio.

 

Médica Pediatra - Natália Sarquis: Essa doença, ela é normalmente de transmissão fecal-oral. Então água, alimentos contaminados e também acontece por meio de gotículas, né, de secreções.

 

Repórter Nei Pereira: O último caso de poliomielite registrado no Brasil foi em 1989, na Paraíba. A eliminação do vírus só foi possível com a vacinação em massa das crianças. Mesmo com a erradicação da doença, a vacina continua obrigatória. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, ressalta a importância dos pais levarem os filhos até um posto de saúde para receber a dose da vacina.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Pra justamente evitar que crianças tenham sequelas permanentes por poliomielite. Essas questões precisam de muita vigilância, porque muitas doenças erradicadas já voltaram em alguns países. E o Brasil quer cuidar pra que isso não aconteça.

 

Repórter Nei Pereira: A vacina contra poliomielite está disponível de graça em qualquer unidade de saúde do país. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gabriela: Mais de 1,4 milhão de microempreendedores individuais estão com o CNPJ suspenso.

 

Nasi: A medida vale por 30 dias e pode ser revertida.

 

Gabriela: Para trazer mais detalhes sobre esse assunto, a gente conversa aqui no estúdio da Voz do Brasil com o jornalista Eduardo Biagini. Boa noite, Eduardo, por que esses CNPJs foram suspensos?

 

Jornalista Eduardo Biagini: Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. A medida atinge os microempreendedores individuais que não pagaram nenhuma guia mensal nos anos de 2015, 2016 e 2017, e também não entregaram nenhuma declaração anual referentes aos anos de 2015 e 2016.

 

Nasi: Bom, Eduardo, e como o microempreendedor que está nos ouvindo neste momento pode saber se o CNPJ dele está suspenso?

 

Jornalista Eduardo Biagini: Ele pode fazer essa consulta pelo Portal do Empreendedor. Eu vou dar o endereço agora, é portaldoempreendedor.gov.br. Lá na página inicial já tem todos os comandos pra ele saber como está a situação. Além do CNPJ, é necessário informar o CPF.

 

Gabriela: E essa medida, Eduardo, ela pode ser revertida, não é? Como é que o microempreendedor deve fazer?

 

Jornalista Eduardo Biagini: É verdade, Gabriela. O microempreendedor pode solicitar no próprio portal o parcelamento dos débitos em até 60 meses. E se, até o dia 22 de novembro, ele realizar algum dos pagamentos pendentes ou entregar algumas das declarações atrasadas, ele evita o cancelamento do CNPJ. Lembrando que, caso ocorra o cancelamento do CNPJ, ele é definitivo e os débitos são automaticamente repassados para o CPF do microempreendedor. Nasi.

 

Nasi: Obrigado, Eduardo Biagini, pelas informações, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Gabriela: CDs e DVDs piratas, cigarros, relógios, brinquedos, bolsas e óculos falsificados.

 

Nasi: Pois é, a lista de produtos que são vendidos no Brasil de forma ilegal é gigantesca.

 

Gabriela: E neste ano, a atuação da Receita Federal para combater o contrabando e a sonegação de impostos vem batendo recorde.

 

Nasi: Um trabalho que impede o financiamento de diversos crimes, além de evitar mais prejuízos à economia brasileira.

 

Repórter Carolina Rocha: Até setembro deste ano, a apreensão de mercadorias suspeitas de contrabando e fraude nas aduanas em portos, aeroportos e unidades da fronteira terrestre chegou a R$ 1,7 bilhão, aumento de cerca de 15% na comparação com o mesmo período do ano passado. Além disso, as apreensões de drogas ilícitas também bateram recorde. Foram mais de 28 toneladas de maconha e mais de 14 toneladas de cocaína. O subsecretário substituto de Aduana e Relações Internacionais da Receita Federal, Luís Felipe de Barros Reche, explica os motivos para o aumento das apreensões.

 

Subsecretário substituto de Aduana e Relações Internacionais - Luís Felipe de Barros Reche: A gente passou a trabalhar com troca de informações com, por exemplo, com outras administrações aduaneiras no exterior, em parceria com outros órgãos, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Forças Armadas, passamos a utilizar ferramentas, por exemplo, scanners, os sistemas informatizados, que eu posso tratar essas informações, uso de cães de faro... Por exemplo, ontem, a gente teve uma apreensão recorde de cocaína, foi a maior apreensão de cocaína no Porto de Santos esse ano, e a base foi uma troca de informações que a gente fez com a aduana francesa.

 

Repórter Carolina Rocha: Para Luís Felipe de Barros Reche, da Receita Federal, as mercadorias que entram de forma ilegal no país estimulam o crime organizado, além de prejudicar a própria economia.

 

Subsecretário substituto de Aduana e Relações Internacionais - Luís Felipe de Barros Reche: Esses produtos que entram de maneira irregular, sem a proteção dos impostos, né, eles acabam trazendo um mal muito grande pra própria indústria, porque eles entram num nível de concorrência que a indústria do país, ela não consegue competir.

 

Repórter Carolina Rocha: O cigarro é o produto mais apreendido no ano, assim como ocorreu em 2016. Neste ano, mais de 160 milhões de maços ficaram retidos antes da entrada no país. Especialista em atividades de fronteira, Luciano Barros explica que o contrabando de cigarro não prejudica só a saúde do consumidor, mas também estimula outras práticas criminosas, que levam à violência.

 

Especialista em atividades de fronteira - Luciano Barros: Combater o contrabando, combater também o tráfico de drogas, o tráfico de armas e o tráfico de pessoas, seguem exatamente as mesmas rotas.

 

Repórter Carolina Rocha: Desde 2011, uma lei estipula o preço mínimo para venda de cigarros. A ideia é garantir os impostos necessários para custear o tratamento pelo SUS de doenças causadas pelo fumo. Reportagem, Carolina Rocha.

 

Gabriela: 19h10, pelo horário brasileiro de verão.

 

Nasi: Prorrogadas as inscrições para cursos gratuitos de qualificação profissional do Progredir.

 

Gabriela: Daqui a pouquinho, vamos dar todos os detalhes das mais de 800 mil vagas disponíveis pra quem recebe o Bolsa Família.

 

Nasi: A Força Aérea Brasileira vai apoiar o trabalho de combate ao incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás.

 

Gabriela: O fogo já dura mais de dez dias e consome uma grande área do parque.

 

Nasi: Segundo o ICMBio, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, uma área equivalente a 35 mil campos de futebol foi queimada, ou seja, quase 15% da área total do parque.

 

Gabriela: O ministro da Defesa, Raul Jungmann, explica como vai ser essa ajuda da Força Aérea.

 

Nasi: A partir de uma solicitação do ministro do Meio Ambiente, nós disponibilizamos uma aeronave Hércules C-130, que tem a capacidade de levar 12 mil litros, e que eles são lançados sobre aquela região. Para quarta-feira, há uma previsão de pelo menos cinco missões serem realizadas e é, sem sombra de dúvida, o melhor e o maior instrumento que nós temos hoje disponível para combater incêndios.

 

Nasi: O parque continua fechado para visitação de turistas.

 

"Defesa do Brasil! Defesa do Brasil! Defesa do Brasil!".

 

Gabriela: A missão de proteger um país tão grande como o Brasil exige um planejamento minucioso.

 

Nasi: Isso porque, além da dimensão do nosso território, é preciso levar em consideração a realidade de cada local, economia e o orçamento disponível.

 

Gabriela: E pra estabelecer o que é prioridade na Defesa Nacional e as metas que deverão ser atingidas nos próximos anos, existem três documentos que, periodicamente, precisam ser aprovados pelo Congresso Nacional.

 

Nasi: Vamos saber agora como essa tramitação funciona, na reportagem de Marina Melo.

 

Repórter Marina Melo: Política Nacional de Defesa, Estratégia Nacional de Defesa e Livro Branco, são esses os três documentos que reúnem os principais objetivos da Defesa Nacional para os próximos anos. Na Política Nacional fica estipulado o que fazer, ou seja, quais são as prioridades do Estado Brasileiro em termos de defesa. A Estratégia Nacional determina o como fazer, ou quais caminhos deverão ser percorridos para que esses objetivos sejam atingidos. E o Livro Branco sintetiza o pensamento de defesa do Estado Brasileiro. Por tratarem de temas cruciais para toda a sociedade brasileira, de quatro em quatro anos esses documentos precisam ser atualizados e submetidos à aprovação do Congresso Nacional. Recentemente, a Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência do Congresso deu parecer favorável a todos eles. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, destacou a importância dessa aprovação.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Representa um passo importante para que esses documentos, que são a referência, que são o norte para a defesa nacional, tenham a legitimidade do aprovo do Congresso Nacional.

 

Repórter Marina Melo: O debate em torno desses documentos de defesa contou com a participação de toda a sociedade, tendo sido aberto à consulta pública e recebido contribuições. O chefe da Assessoria de Planejamento do Ministério da Defesa, General Fernando Cunha Mattos, explica que, nesse processo, o grande desafio é aliar o que é prioritário para a defesa do país com a realidade orçamentária, além de outras questões.

 

Chefe da Assessoria de Planejamento do - General Fernando Cunha Mattos: Tem que haver um equilíbrio entre a necessidade e a disponibilidade, né? E quando você tem um descompasso entre o que é necessário e aquilo que é possível, você tem que priorizar. Então, esse estudo também leva quais são as ações, ao final desse processo, quais são as ações prioritárias pra defesa, para o atendimento daqueles objetivos. Ou seja, se eu não consigo atingir 100%, o que é mais importante de ser atingido, onde eu devo concentrar esforços. Esse é um estudo também que é considerado ao longo de todo esse processo.

 

Repórter Marina Melo: O próximo passo no processo de aprovação da revisão dos documentos será a apreciação do Plenário da Câmara e do Senado. Reportagem, Marina Melo.

 

Gabriela: A Agência Nacional de Energia Elétrica, Aneel, anunciou hoje um novo cálculo para os valores adicionais nas contas de luz.

 

Nasi: A taxa da bandeira amarela, no primeiro nível, ficou mais barata para o consumidor. E isso quando o tempo ajuda e as chuvas conseguem encher os reservatórios.

 

Gabriela: Por outro lado, no período da seca, a taxa da bandeira vermelha, patamar 2, ficou mais cara.

 

Nasi: E os novos valores entram em vigor no próximo mês.

 

Repórter Alessandra Bastos: A falta de chuva em boa parte do país continua impossibilitando de fabricar energia elétrica mais barata. A situação obrigou a Agência Nacional de Energia Elétrica, Aneel, a anunciar, nesta terça-feira, um novo cálculo para os valores adicionais. Os novos valores começam a vigorar já, a partir de novembro. Com eles, a bandeira amarela teve valor reduzido para R$ 1. A bandeira vermelha, no patamar 1, não teve alteração e permanece a R$ 3. Nesse momento de falta de chuvas, o país faz uso da bandeira vermelha no patamar 2, que passa de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 kW consumidos. Segundo o diretor geral da Aneel, Romeu Rufino, não há risco de faltar luz no país, mas medidas são necessárias para garantir a geração de energia.

 

Diretor geral da Aneel - Romeu Rufino: A situação hídrica é, de fato, crítica, tá certo? Quer dizer, eu acho que nós já estamos indo para o quarto ano consecutivo de um volume de chuva abaixo da média, em alguns meses, em algum submercado, a pior do histórico, né? Como foi o caso de setembro, por exemplo, no Nordeste. Então o nível de armazenamento, especialmente no Sudeste, no Centro Oeste e no Nordeste, que é onde estão os maiores reservatórios, é realmente bastante crítico. Então, isso eu repito, que não traz nenhum risco de abastecimento. Hoje nós temos recursos outros, outras fontes de geração, que conseguem suprir essa deficiência da geração hidráulica, então o risco de abastecimento não tem, mas cada vez mais temos que acionar recursos termelétricos, que custa muito caro.

 

Repórter Alessandra Bastos: As bandeiras tarifárias, verde, amarela e vermelha, são uma forma de dividir com o consumidor os bons e maus momentos. Quando chove bastante, os níveis de água das hidrelétricas estão altos, a conta de luz fica mais barata. Quando não há água e o custo para se produzir energia aumenta, a conta fica mais cara. Em nota, a Aneel pede a todos que combatam o desperdício de energia elétrica. Alessandra Bastos para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: 19h17, pelo horário brasileiro de verão.

 

Nasi: Quem recebe o Bolsa Família ou participa de outros programas sociais do governo ganhou mais prazo para se qualificar de graça.

 

Gabriela: As inscrições dos cursos do Plano Progredir foram prorrogadas até o dia 3 de novembro.

 

Nasi: São mais de 50 cursos, como assistente administrativo, recepcionista e representante comercial, uma oportunidade para abrir portas no mercado de trabalho.

 

Repórter André Luís Gomes: São 870 mil vagas em mais de 50 cursos online disponibilizados pelo Pronatec Oferta Voluntária. A qualificação profissional é um dos pilares do Plano Progredir, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social. Além dos cursos, a estratégia contará com assistência técnica para autônomos, ações de inclusão digital e capacitações nas áreas de educação financeira. Também serão ofertados até R$ 3 bilhões por ano em microcrédito, para fortalecer pequenos negócios. O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, ressalta que há oportunidades nas mais diversas áreas e que as capacitações abrem portas para a inclusão no mercado de trabalho.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: Os mais procurados, por exemplo, são os de assistente administrativo, representante comercial, recepcionista. Mas existem muitas outras opções pra formação em várias áreas. Tem que ver o que tem mercado de trabalho. Estamos realizando essas ações do Plano Progredir para garantir que as famílias de baixa renda tenham mais oportunidade de melhorar de vida, além de promover autonomia dos beneficiários e facilitar o acesso ao mercado de trabalho.

 

Repórter André Luís Gomes: Para participar é preciso estar inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e ter mais de 15 anos de idade. Os interessados devem se cadastrar no Portal do Ministério do Desenvolvimento Social, no endereço www.mds.gov.br/progredir. Ao final do cadastro já é possível fazer a pré-matrícula no curso escolhido. A confirmação da inscrição será enviada por e-mail ao candidato. Reportagem, André Luís Gomes.

 

Gabriela: Debates, exposições, feiras. mais de mil cidades brasileiras estão com a programação pronta para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.

 

Nasi: A semana vai até domingo em todo o país e as atividades são organizadas pelo Governo Federal, governos locais e pela sociedade civil.

 

Gabriela: Em Brasília, dentro da programação, foi aberta uma grande feira de ciências. O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, foi até lá e anunciou novidades.

 

Repórter João Pedro Neto: São 70 mil metros quadrados de ciência, aplicada nas mais diversas áreas do conhecimento. Na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, em Brasília, o que não falta é inovação. Os visitantes podem ver e vivenciar as tecnologias mais modernas das Forças Armadas, como um protótipo do avião de combate Gripen NG, o futuro caça da Força Aérea Brasileira, e uma mão mecânica que reproduz Libras, a Língua Brasileira de Sinais. O estudante Murilo Henrique, de 16 anos, gostou de tudo que viu.

 

Estudante - Murilo Henrique: Eu gostei muito dessa feira, inclusive o projeto aqui do biodiesel, mostrando o desenvolvimento que o Brasil pode ter futuramente.

 

Repórter João Pedro Neto: Na capital federal, participam mais de 70 instituições e quase 100 escolas públicas. Um dos stands do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações mostra o processo de produção do biodiesel, que é mais sustentável, feito não a partir do petróleo, mas com óleos extraídos de grãos, como a soja. O coordenador geral de Bioeconomia do Ministério, Bruno Nunes, explica que o desafio agora é diversificar as matérias primas usadas nos biocombustíveis e destaca que os avanços na área surgiram a partir do desenvolvimento científico.

 

Coordenador geral de Bioeconomia - Bruno Nunes: Hoje o Brasil é um dos líderes mundiais na área de biocombustíveis. Durante muitos anos foi o principal produtor de etanol, hoje somos o segundo colocado, estamos apenas atrás dos Estados Unidos, que produz um etanol de menos eficiência, que é um etanol a partir de milho.

 

Repórter João Pedro Neto: Nesta terça-feira, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações conheceu as instalações em Brasília da maior estrutura já montada pra Semana Nacional. Gilberto Kassab abriu oficialmente as atividades. Disse que é preciso recuperar a capacidade de investimentos no setor e anunciou a retomada do Prêmio Jovem Cientista.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: Tivemos a celebração do convênio, do Ministério, do CNPQ, com a Fundação Roberto Marinho, com o Banco do Brasil, com a Fundação Boticário, que nos permitirão não apenas retomar esse prêmio, porque não é um simples prêmio. É um instrumento ou um dos instrumentos que temos para despertar o jovem à sua vocação para a ciência, para a pesquisa, para a inovação.

 

Repórter João Pedro Neto: A expectativa é que mais de 100 mil pessoas passem pela Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Brasília. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Nasi: O Ministério da Justiça determinou a abertura de processo administrativo contra a Associação Brasileira de Empresas Aéreas e as companhias Avianca, Azul, Gol e Latam.

 

Gabriela: O motivo é o valor das passagens aéreas após a regra de cobrança pelo despacho de bagagem.

 

Repórter Pablo Mundim: De acordo com o Ministério da Justiça, a decisão se baseou em investigação preliminar, que concluiu ter indícios de infração contra o Código de Defesa do Consumidor. Em setembro, a Associação Brasileira de Empresas Aéreas divulgou que os valores das passagens aéreas tiveram queda de 7% a 30% a partir do início da cobrança da bagagem do passageiro. No entanto, dados da Fundação Getúlio Vargas indicam que o valor das passagens aumentou em quase 36% apenas entre junho e setembro deste ano. Já o IBGE apontou alta de mais de 16%. Com a diferença dos números, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor anunciou uma averiguação preliminar para apurar as informações de que os preços das passagens tinham caído. A associação e as empresas vão ser intimadas a apresentarem defesa. Pablo Mundim para a Voz do Brasil.

 

Nasi: Com a recuperação da economia e do mercado de trabalho, o brasileiro está mais otimista e disposto a comprar.

 

Gabriela: Isso foi o que mostrou uma pesquisa divulgada hoje pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, a CNC.

 

Nasi: A intenção de consumo das famílias cresceu 1,4% de setembro para outubro. É a maior variação mensal desse índice desde março deste ano.

 

Gabriela: A pesquisa também revela melhora em questões como a confiança em relação ao emprego e renda atual.

 

Nasi: O Ministério da Saúde está avaliando os serviços de mamografia em todo o país, para garantir a qualidade sanitária dos exames.

 

Gabriela: A análise vai seguir até 2019. E até agora já foram analisados mais de três mil relatórios pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

 

Nasi: A Anvisa aconselha que as mulheres verifiquem se o lugar em que pretendem fazer a mamografia já foi inspecionado pela Vigilância Sanitária e possui alvará ou licença sanitária válida.

 

Gabriela: A mamografia avalia o tecido mamário e verifica nódulos ainda não visíveis, o que permite diagnóstico precoce do câncer de mama.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite

 

Nasi: Boa noite pra você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".