26 de junho de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: R$ 31 bilhões vão financiar safra da agricultura familiar. Eles também terão crédito com juros baixos e mais facilidade para vender a produção. Anúncio foi feito pelo presidente Michel Temer, que reforça importância do setor para a economia. Temer recebe vice-presidente norte-americano. Com economia aquecida, arrecadação cresce mais uma vez em maio. E estão abertas as inscrições para o Prouni. Para o segundo semestre são mais de 170 mil bolsas.

audio/mpeg VOZ260618.mp3 — 46892 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Alessandra Bastos: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Alessandra: Terça-feira, 26 de junho de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Alessandra: Trinta e um bilhões de reais vão financiar safra da agricultura familiar.

 

Nasi: Eles também terão crédito com juros baixos e mais facilidade para vender a produção.

 

Alessandra: Anúncio foi feito pelo presidente Michel Temer, que reforça a importância do setor para a economia.

 

Presidente da República - Michel Temer: Ela é fonte de empregos, e, naturalmente, dignidade. Tem peso decisivo no abastecimento do mercado interno, põe comida na mesa de todos e é dos nossos maiores aliados no combate à inflação.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Alessandra: Presidente Michel Temer recebe vice-presidente norte-americano. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: Os dois países falaram em ampliar o comércio e discutiram a situação das crianças brasileiras que foram separadas dos pais que tentaram entrar ilegalmente nos Estados Unidos.

 

Nasi: Com economia aquecida, a arrecadação cresce mais uma vez em maio.

 

Alessandra: E estão abertas as inscrições para o Prouni.

 

Nasi: Para o segundo semestre são mais de 170 mil vagas.

 

Alessandra: Na apresentação de hoje da Voz do Brasil: Alessandra Bastos e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir, a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Alessandra: Já estamos no inverno, e, com ele, chegam também as doenças respiratórias e a gripe.

 

Nasi: Durante dois meses, o governo fez a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe para imunizar a população mais sensível à doença.

 

Alessandra: E mesmo prorrogando a campanha, a meta de vacinar 90% do público-alvo não foi atingida.

 

Nasi: Para falar sobre os resultados da campanha, vamos conversar, ao vivo, com a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues. Boa noite, coordenadora.

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde - Carla Domingues (ao vivo): Boa noite.

 

Nasi: Coordenadora, em números gerais, quantas pessoas se vacinaram nessa campanha?

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde - Carla Domingues (ao vivo): Nós estamos com a vacinação em torno de 44 milhões de brasileiros.

 

Alessandra: E, secretária, o pior resultado foi a vacinação em crianças e gestantes, isso preocupa?

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde - Carla Domingues (ao vivo): Isso mesmo, né? Todos os grupos atingiram a meta estabelecida pelo governo, que é de 90%, no entanto, crianças e gestantes ficaram com uma média de 73%, um índice muito baixo, né? Porque nós precisávamos atingir, no mínimo, 80%. E, portanto, nós temos que pensar que a vacinação, tanto gestante, quanto da criança e do idoso são os grupos mais vulneráveis, que precisam ter a cobertura adequada porque a vacina vai proteger contra as formas graves da Influenza, que podem ter complicações, levar à internação e principalmente ao óbito.

 

Nasi: Dra. Carla, e a partir de agora qual é a orientação para os postos de saúde que têm sobras de vacina? Pessoas do grupo prioritário ainda podem se vacinar?

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde - Carla Domingues (ao vivo): Podem, sim, né? Mas, nesse momento que a campanha foi terminada, ela também foi aberta para os grupos de 5 a 9 anos e de 50 a 59 anos. Portanto, nesses locais que há sobra de vacina poderão ser vacinados outras pessoas, o que vai cada vez mais diminuir a possibilidade do grupo recomendado pelo Ministério da Saúde ser vacinado.

 

Alessandra: E só para reforçar, a vacina é segura e é a melhor forma de prevenção contra a gripe, não é isso?

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde - Carla Domingues (ao vivo): Com certeza, né? Essa vacina é feita de um vírus inativado, um vírus morto. Não há problema de ter risco recebendo a vacina, e, mais importante, é uma vacina que vai proteger contra as formas graves da gripe e proteger a população recomendada pelo Ministério da Saúde. E lembrando que se nós vacinarmos todas as pessoas do grupo alvo de vacinação, aquelas pessoas que não tiveram chance de ser vacinadas estarão protegidas indiretamente, por isso a necessidade de termos elevadas coberturas vacinais, e, dessa forma, estarmos também diminuindo a circulação do vírus da Influenza nesse momento, que estaremos iniciando o inverno, aonde as temperaturas diminuem e há chance de maior risco de ter a doença.

 

Nasi: Conversamos então com Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. Obrigado pela participação, Carla, aqui na Voz do Brasil.

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde - Carla Domingues (ao vivo): Eu que agradeço a oportunidade de estar conversando com vocês e esperamos que aquelas pessoas que ainda não foram vacinadas, que compareçam aos postos de saúde.

 

Alessandra: A agricultura familiar alimenta o mundo, e aqui no Brasil 70% do que eles produzem estão na nossa mesa.

 

Nasi: Isso mesmo, Alessandra, e não só com os produtos que saem da roça que eles ajudam o país.

 

Alessandra: É o setor que gera empregos, que faz o manejo sustentável do campo, que divulga e valoriza os produtos regionais.

 

Nasi: E é por tudo isso que o governo anunciou hoje mais medidas para o fortalecimento da agricultura familiar.

 

Alessandra: O governo anunciou R$ 31 bilhões para garantir a safra desses pequenos produtores.

 

Repórter Paulo La Salvia: O dia a dia na roça não é fácil, é um trabalho de sol a sol, mas as recompensas valem à pena, segundo o agricultor familiar de Brasília, William Lopes.

 

Agricultor familiar de Brasília - William Lopes: Hoje o meu sustento e da minha família todo sai daqui de dentro.

 

Repórter Paulo La Salvia: E ela é vasta, sem agrotóxicos. São alface, cenoura, mamão, banana, diretamente da pequena propriedade de William Lopes para a mesa de 50 famílias no Distrito Federal.

 

Agricultor familiar de Brasília - William Lopes: É 100% melhoras, né? Tanto faz para mim, como por essas famílias, que estão aqui investindo, né? Porque hoje elas não me pagam, elas fazem um investimento na saúde delas, né? Entendeu? Eu não tenho, vamos supor, um cliente, um freguês, eu tenho um amigo, entendeu?

 

Repórter Paulo La Salvia: Essa proximidade com a comunidade é uma marca da agricultura familiar. Setenta por cento dos alimentos que chegam na mesa dos brasileiros vêm desses pequenos arranjos produtivos. E é como uma joia rara que o governo trata a agricultura familiar, prova disso está no Plano Safra do setor para 2018/2019. A colheita, que começa a ser plantada agora em julho, vai contar com R$ 31 bilhões em financiamentos com juros de 0,5%, 2,5% e 4,6% ao ano. O dinheiro é para custeio e investimentos, como compra de sementes e máquinas para dinamizar a produção. As motocicletas estão entre esses equipamentos, o que vai facilitar da vida do produtor, de acordo com o secretário Especial de Agricultura Família e do Desenvolvimento Agrário Jefferson Coriteac.

 

Secretário Especial de Agricultura Família e do Desenvolvimento Agrário - Jefferson Coriteac: A possibilidade do agricultor familiar poder adquirir as motocicletas irá ajudá-lo no transporte de cargas e distribuição de seus produtos, possibilitando assim que os agricultores deixem de utilizar os animais, além de aumentar sua capacidade de deslocamento e a velocidade nos percursos.

 

Repórter Paulo La Salvia: O plano ainda envolve a regularização fundiária. A meta é entregar 25 mil títulos de propriedade no campo neste ano. Para o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, o produtor ganha com a segurança jurídica no setor.

 

Ministro-chefe da Casa Civil - Eliseu Padilha: Para produzir não basta apenas o crédito. Por essa razão, o nosso Plano Safra, que agora é plurianual, também possui ações para conferir segurança jurídica ao produtor, com sua titulação e regularização fundiária.

 

Repórter Paulo La Salvia: O presidente Michel Temer defendeu que o setor foi um dos responsáveis pela retomada econômica do país.

 

Presidente da República - Michel Temer: A agricultura familiar e a agricultura também não familiar foram garantidores do PIB destes dois, três anos. Se nós saímos de um PIB de -3.6(F), logo no ano de 2016 nós acrescentamos um 1.1 e assim fomos crescendo com o PIB. E o fundamento básico dessa atividade foi precisamente a agricultura, e, no particular, a agricultura familiar.

 

Repórter Paulo La Salvia: O presidente Michel Temer também assinou um decreto permitindo que o Incra, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, possa retomar a construção de habitações rurais no campo. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Nasi: E o presidente Michel Temer anunciou também um convênio com a Associação Brasileira de Supermercados para aumentar o alcance dos produtos da agricultura familiar.

 

Alessandra: A meta é criar gôndolas, aquelas prateleiras nos supermercados, para colocar exclusivamente esses alimentos.

 

Nasi: Assim o consumidor vai encontrar lado a lado aquele produto que vem direto do pequeno produtor.

 

Alessandra: E hoje foram entregues mais de 10 mil cisternas para matar a sede de pequenos agricultores no estado do Recife.

 

Nasi: Além disso, mais recursos foram liberados para a construção de novas cisternas que devem ser utilizadas só para a produção.

 

Alessandra: Ações que ajudam o hoje do campo a produzir mais e gerar renda em regiões castigadas pela seca.

 

Repórter Pâmela Santos: A agricultora familiar Gilvanete Barbosa de Lima, do município pernambucano de Gravatá, afirma que a cisterna transformou a vida de toda a família que vive no sertão. A produção de verduras em casa é para o próprio consumo, mas a venda de arruda no comércio local é que mantém a renda familiar.

 

Agricultora familiar - Gilvanete Barbosa de Lima: Era muito difícil no verão conseguir água para abastecer os animais, e com essa cisterna foi muito importante porque a gente guarda da chuva para o verão.

 

Repórter Pâmela Santos: O ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, participou da cerimônia de entrega de 10.500 cisternas para o consumo humano em Recife. Mais de 47 mil pessoas serão beneficiadas em Pernambuco. No ato foram liberados ainda mais de R$ 8,7 milhões para a construção de mil cisternas de produção de alimentos no estado. Os investimentos se somam às ações do Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA, é o que destaca o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.

 

Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: O investimento na agricultura familiar é algo extremamente relevante não só para as famílias, mas para quem recebe os alimentos. E é gerador de um grande ciclo de desenvolvimento sustentável para todos.

 

Repórter Pâmela Santos: Durante o evento, o ministério também fez o repasse de R$ 4,1 milhões para o Programa de Aquisição de Alimentos. Os recursos destinam-se para a compra de leite de vaca ou cabra produzidos pela agricultura família, que são doados para pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional. Mais de 90 mil pessoas de todo o estado serão beneficiadas. Reportagem, Pâmela Santos.

 

Nasi: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Alessandra: Brasil e Estados Unidos ampliam parcerias em visita do vice-presidente norte-americano ao presidente Michel Temer.

 

Nasi: Daqui a pouco vamos detalhar esse encontro, que também tratou das crianças brasileiras que foram separadas dos pais que tentavam entrar ilegalmente no país.

 

Alessandra: Carinho, proteção, amor, cuidado, estímulos, muitos estímulos.

 

Nasi: Crianças de 0 a 6 anos precisam brincar, engatinhar, andar, correr, pular e alguém que as ajude a olhar mais longe.

 

Alessandra: Muitas vezes as famílias não sabem como fazer isso e é aí que entra o Programa Criança Feliz, para ajudar os pais no desenvolvimento integral dos pequenos.

 

Nasi: E na segunda reportagem especial sobre ações sociais na Ilha do Marajó, no Pará, vamos saber como o programa está ajudando as crianças por lá. Quem conta para a gente é o repórter Diego queijo.

 

Mãe - Liliane Evangelista: Cadê a bolinha, Ricaele? Achou!

 

Repórter Diego Queijo: É com muita interação e carinho que a pequena Ricaele, de 1 ano e 8 meses, brinca com a mãe, Liliane Evangelista, mas nem sempre foi assim, esse tempo dedicado à menina é resultado das orientações que a família recebe do Criança Feliz. O programa auxilia os pais a estimular o desenvolvimento infantil na comunidade quilombola Sítio Bosque, às margens no Rio Moju, no Pará, sempre respeitando as características e a cultura local. Liliane mora com o marido e os quatro filhos, segundo ela, as orientações da visitadora Rosana Lobato sobre o papel da família no cuidado, na proteção e na educação das crianças a fizeram perceber a importância de dedicar-se mais à pequena Ricaele.

 

Mãe - Liliane Evangelista: A gente que mora aqui, a gente só quer saber de trabalhar e dar o alimento para os filhos. Então, para mim é uma felicidade de ensinar meus filhos a brincar. Era uma coisa que a gente não se dedicava muito, mas as meninas começaram a falar que a gente tem que se dedicar às crianças. Então, ela está indo bem.

 

Repórter Diego Queijo: Nas visitas, Rosana orienta sobre a maneira adequada de promover o desenvolvimento das crianças. A visitadora mostra aos pais que brincar, ler, dar atenção e carinho para os filhos são atitudes essenciais e que terão impactos positivos no futuro. Ela afirma que é gratificante ver a revolução que o Criança Feliz está promovendo na vida das famílias.

 

Visitadora - Rosana Lobato: Isso está fazendo com que não só cresça o conhecimento dessas crianças, mas também fortaleça o vínculo familiar, que isso é muito importante.

 

Repórter Diego Queijo: O trabalho do Criança Feliz em comunidades isoladas e para os povos tradicionais promove também elos entre a população e as políticas públicas, como explica a coordenadora-geral de Atendimento Familiar da Secretaria Nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano, Tatiane Roda.

 

Coordenadora-geral de Atendimento Familiar da Secretaria Nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano - Tatiane Roda: Além de ter todo o propósito do programa que é fortalecimento de vínculos, desenvolvimento integral da criança, tem essa questão de fortalecimento da família mesmo, como um todo, da família se sentir empoderada para procurar ajuda, para procurar seus direitos, procurar os serviços do Cras, o serviço da saúde e o serviço de educação.

 

Repórter Diego Queijo: A ciência mostra que crianças bem estimuladas desde a gestação até os 3 anos de idade desenvolvem melhor a inteligência e a capacidade de aprendizado, se tornam menos violentas e têm melhores chances de vencer a pobreza. Ver a pequena Ricaele brincando e aprendendo já faz a mãe sonhar com um futuro melhor.

 

Mãe - Liliane Evangelista: Que eles sejam umas crianças felizes. Então, uma criança que venha a ser alguma coisa na sociedade, uma... ter um futuro melhor.

 

Repórter Diego Queijo: O Criança Feliz tem foco nas visitações domiciliares e integra ações nas áreas de saúde, assistência social, cultura, educação e garantia de direitos. Beneficiários do Bolsa Família são acompanhados desde a gestação até os 3 anos, já para quem recebe o Benefício de Prestação Continuada, o BPC, o atendimento ocorre até os 6 anos. Reportagem: Diego Queijo.

 

Alessandra: A arrecadação de impostos e contribuições em maio passou dos R$ 106 bilhões.

 

Nasi: O número representa um aumento de mais de 5,5% em relação ao mesmo mês do ano passado.

 

Alessandra: E nos cinco primeiros meses do ano, a arrecadação passou R$ 600 bilhões, aumento de 7,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

 

Nasi: O chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias, explicou quais foram os fatores que levaram ao aumento da arrecadação.

 

Chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal - Claudemir Malaquias: Para o mês de maio, a arrecadação veio em linha com as nossas projeções e foi resultado da recuperação de atividade econômica e também do esforço de arrecadação com as ações de cobrança implementadas pela Receita Federal desde o final do ano anterior e que se prolongaram até o mês de maio.

 

Alessandra: O vice-presidente dos Estados Unidos chegou ao Brasil e se reuniu hoje com o presidente Michel Temer.

 

Nasi: No encontro foram assinados acordos em áreas como previdência, que vai beneficiar tantos brasileiros que moram por lá quanto americanos que estão aqui no nosso país.

 

Alessandra: Os dois também assinaram parcerias no setor de segurança pública e no transporte aéreo, que pode ampliar voos entre os dois países.

 

Nasi: Temer e o vice-presidente norte-americano falaram ainda sobre os menores brasileiros separados dos pais na fronteira dos Estados Unidos.

 

Repórter Márcia Fernandes: O vice-presidente norte-americano, Mike Pence, assinou uma série de acordos bilaterais com o governo brasileiro, um deles garante que a partir do dia 1º de outubro brasileiros residentes nos Estados Unidos e norte-americanos que moram aqui vão poder somar os períodos de contribuição nos dois países para pedir aposentadoria. Também foi lançado o Fórum Permanente de Segurança Brasil-Estados Unidos, com atividades que envolvem as agências de segurança dos dois países. Foi assinado ainda um acordo sobre transporte aéreo, que vai permitir maior competição entre as empresas brasileiras e americanas e maior número de voos entre os dois países. O presidente Michel Temer disse que pretende aproximar a Agência Espacial Brasileira e a Nasa, a Agência Espacial Americana. Segundo ele, as negociações sobre proteção de direitos tecnológicos vão continuar, o que pode viabilizar o uso comercial da Base de Alcântara. Temer destacou ainda a boa relação entre o Brasil e os Estados Unidos.

 

Presidente da República - Michel Temer: Nossos empresários e investidores se conhecem bem e gostam de atuar em parceria. Aliás, os números das relações Brasil/Estados Unidos são eloquentes, nosso comércio chegou no ano passado a mais de US$ 51 bilhões, e os Estados Unidos são o principal destino dos produtos industrializados brasileiros.

 

Repórter Márcia Fernandes: O caso das crianças brasileiras que foram afastadas dos pais quando eles tentaram entrar ilegalmente nos Estados Unidos também foi tratado no encontro. O presidente Michel Temer disse que pediu ao vice-presidente americano atenção especial para assegurar a rápida reunião das famílias e informou que o Governo Federal se dispôs a oferecer transporte para o retorno das crianças ao Brasil.

 

Presidente da República - Michel Temer: Eu agradeço ao vice-presidente Pence à disposição que me indicou para trabalharmos juntos em busca de uma solução. Eu assinalei até que nosso governo está pronto a colaborar no transporte dos menores brasileiros de volta ao Brasil se esse, naturalmente, for o desejo das famílias. As autoridades dos dois países continuarão em contato sobre esse tema.

 

Repórter Márcia Fernandes: Michel Temer e Mike Pence também discutiram sobre o aumento de fluxo migratório dos venezuelanos e sobre o esforço do governo brasileiro em receber bem esses imigrantes. Amanhã o vice-presidente norte-americano segue para Manaus, onde vai conhecer um dos abrigos que têm acolhido os venezuelanos. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Alessandra: E hoje o governo brasileiro também lembrou um outro país que tem grande importância para o Brasil, Nasi.

 

Nasi: É, Alessandra, apesar do imenso oceano que os separa, os laços que unem China e Brasil vêm de muitos, muitos anos.

 

Alessandra: E para celebrar essa velha amizade, o Brasil instituiu o Dia Nacional da Imigração Chinesa, que será lembrado sempre em 15 de agosto.

 

Nasi: A lei foi sancionada hoje pelo presidente Michel Temer com a presença do mais antigo imigrante chinês em Brasília.

 

Repórter João Pedro Neto: O Dr. Moo Shong Woo é um especialista em medicina tradicional oriental. De origem chinesa, o mestre Woo, como é conhecido, chegou ao Brasil no começo da década de 60, ele diz que na época o Brasil se apresentava como um bom lugar para viver.

 

Especialista em medicina tradicional oriental - Moo Shong Woo: O Brasil está país abençoado por Deus. Comida boa, de tudo poder planta(F). Brasil é um país que não tem guerra, é muito bom. Desde pequeno eu ouvi isso.

 

Repórter João Pedro Neto: Expectativa que foi confirmada. Primeiro imigrante chinês a se estabelecer em Brasília, mestre Woo nunca mais deixou a capital. Ao longo de décadas, ensinou o idioma do país asiático e introduziu a medicina tradicional chinesa e artes marciais, como o tai chi chuan. Para ele, Brasil e China e os povos dos dois países têm muito o que trocar entre si.

 

Especialista em medicina tradicional oriental - Moo Shong Woo: É cultura milenar, medicina milenar. O Brasil, se comparar, é país novo. Brasil e China vão juntos, um coração. Fica um exemplo, construir paraíso nesta terra.

 

Repórter João Pedro Neto: E a partir de agora, com a sanção do presidente Michel Temer, foi instituído no calendário brasileiro o Dia Nacional da Imigração Chinesa, que será celebrado sempre no dia 15 de agosto. É uma referência à data do primeiro registro oficial da chegada de imigrantes do país asiático, um grupo de 107 pessoas no ano de 1900. Hoje, a estimativa é que a comunidade chinesa no Brasil some aproximadamente 300 mil pessoas. Os dois países também têm relações cada vez maiores, a China é a principal parceira comercial do Brasil e tem feito muitos investimentos por aqui. Ao sancionar a lei que cria a data, o presidente Michel Temer destacou a parceria e lembrou que o Brasil convive bem com a diversidade.

 

Presidente da República - Michel Temer: Nós estamos naturalmente trabalhando já há bastante tempo para multiplicar iniciativas de educação, cinema, esportes, turismo. O Brasil é precisamente isso, um país multicultural, multiétnico, que tem na diversidade a sua maior riqueza, e é um país que sempre soube, e, naturalmente, sempre saberá acolher aqueles que buscam em nossas terras construir ou reconstruir suas vidas.

 

Repórter João Pedro Neto: Brasil e China também atuam juntos em grupos como os Brics, que reúnem as principais economias em desenvolvimento do mundo. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Alessandra: Estão abertas as inscrições para o Programa Universidade Para Todos, o Prouni.

 

Nasi: Para o segundo semestre, são mais de 170 mil vagas.

 

Alessandra: Dependendo da renda familiar, o candidato pode conseguir bolsa integral ou parcial em uma das 460 instituições de ensino... desculpa, em uma das 1.460 instituições de Ensino Superior cadastradas.

 

Repórter Cleide Lopes: Tatiane Menezes está cursando o quarto ano de Administração numa universidade do Distrito Federal. Ela é bolsista do Prouni e paga 50% da mensalidade. Tatiane diz que o programa foi a porta de entrada para a realização do sonho do curso superior.

 

Bolsista do Prouni - Tatiane Menezes: O Prouni foi um programa muito importante para mim, porque até então eu não tinha condições financeiras de arcar com a mensalidade integral.

 

Repórter Cleide Lopes: Para se candidatar a uma das vagas é necessário que o aluno tenha feito o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, de 2017 com um mínimo de 450 pontos e nota superior a zero na redação, como explica o diretor de Políticas e Programas de Educação Superior do Ministério da Educação, Vicente de Paula Almeida Junior.

 

Diretor de Políticas e Programas de Educação Superior do Ministério da Educação - Vicente de Paula Almeida Junior: É um importante ele atentar a um dos critérios também exigidos pelo programa como, por exemplo, ser professor de escola pública em efetivo exercício, ter frequentado integralmente o Ensino Médio na escola pública ou escola privada na condição de bolsista integral ou ser pessoa com deficiência.

 

Repórter Cleide Lopes: Para ter direito a uma bolsa integral o candidato precisa comprovar uma renda familiar por pessoa de até um salário mínimo e meio, já para as bolsas parciais de 50% a comprovação da renda familiar é de até três salários mínimos per capita. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: Então, anote aí o endereço na internet para fazer a sua inscrição: siteprouni.mec.gov.br. O prazo vai até o dia 29 de junho, na próxima sexta-feira.

 

Alessandra: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Alessandra: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Alessandra: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".