27 de abril de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Governo muda regras para reduzir juros do cartão de crédito. Ideia é proteger o consumidor, evitando o superendividamento. Acordos de cooperação vão aumentar investimentos entre Brasil e Chile. Presidente Michel Temer recebe presidente chileno e afirma que relações econômicas entre os dois países vão ficar mais fortalecidas. Intervenção federal no Rio de Janeiro melhora 20 indicadores de segurança.

audio/mpeg VOZ270418.mp3 — 46918 KB




Transcrição

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 27 de abril de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia. Governo muda regras para reduzir juros do cartão de crédito.

 

Gabriela: Ideia é proteger o consumidor, evitando superendividamento. Raíssa Lopes.

 

Repórter Raíssa Lopes: As novas regras passam a valer a partir de 1º de junho.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Acordos de cooperação vão aumentar investimentos entre Brasil e Chile.

 

Nasi: Presidente Michel Temer recebe presidente chileno e afirma que relações econômicas entre os dois países vão ficar mais fortalecidas.

 

Presidente Michel Temer: O que estamos fazendo é estimular que o comércio e os investimentos entre nossos países cresçam ainda mais. Agora, o nosso objetivo é superar barreiras regulatórias às trocas entre o Brasil e o Chile.

 

Gabriela: Intervenção federal no Rio de Janeiro melhora 20 indicadores de segurança.

 

Nasi: Hoje, na apresentação da Voz de Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir, a gente ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: O prazo para entregar a declaração do imposto de renda está terminando.

 

Gabriela: E o fim de semana deve ser de bastante trabalho para milhões de brasileiros, que têm até segunda-feira para prestar conta com o Leão.

 

Nasi: Segundo dados da Receita Federal, das 28,8 milhões declarações esperadas, 22,5 milhões haviam sido entregues até a tarde de hoje.

 

Nasi: E para quem ainda tem dúvidas, a gente conversa, ao vivo, com o repórter Pablo Mundim, que tem outras informações. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. Boa noite, ouvintes da Voz do Brasil. Pois é, faltam três dias para terminar o prazo de entrega da declaração do imposto de renda e as dúvidas durante o preenchimento são um dos motivos para o atraso do envio. Eu estou ao lado do coordenador do Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal do UDF, Deypson Carvalho, que vai responder algumas dessas dúvidas levantadas por ouvintes da Voz do Brasil. Boa noite, professor Deypson. Vamos ouvir a primeira pergunta, que é da geógrafa Ianaê Cataro, de Brasília.

 

Geógrafa - Ianaê Cataro: Quando eu tenho um imóvel e faço uma reforma nele, eu tenho que declarar isso como uma valorização do imóvel?

 

Coordenador do Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal - Deypson Carvalho: Boa noite, Pablo. Boa noite, Ianaê. Essa sua pergunta é muito interessante e propícia. Os imóveis, eles devem ser lançados na declaração pelo custo de aquisição. Logo, se houver uma reforma, ou seja, qualquer incremento no valor do imóvel, deve ser adicionado ao valor que está lançado na declaração, de forma que o valor registrado acompanhe a evolução do incremento, que, no caso, é uma reforma.

 

Repórter Pablo Mundim: Ok. Agora a pergunta é do vendedor Lucivaldo Alves de Oliveira.

 

Vendedor - Lucivaldo Alves de Oliveira Meu nome é Lucivaldo Alves de Oliveira, sou vendedor. Eu tenho R$ 100 mil na caderneta de poupança, isso me gera imposto de renda a pagar?

 

Coordenador do Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal - Deypson Carvalho: Lucivaldo, essa pergunta, ela tem como consequência a abordagem do rendimento isento na declaração do imposto de renda, ou seja, rendimentos decorrentes da poupança, eles são isentos. Isso significa dizer que eles devem ser lançados no quadro específico, e, neste caso, não há o envolvimento com os rendimentos tributáveis.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Deypson, obrigado por esclarecer algumas dúvidas sobre a declaração. E, mais cedo, eu entrevistei o supervisor nacional do imposto de renda, Joaquim Adir. Vamos ver o que ele sugeriu para aquele contribuinte que ainda não entregou a declaração.

 

Supervisor nacional do imposto de renda - Joaquim Adir: É importante que ele já comece agora, porque essa dificuldade de fazer a declaração, tirar dúvidas, encontrar documentos é na hora que ele começa, que ele sente essa dificuldade. Então, não deixar para última hora porque poderá ter um problema no seu equipamento, no seu provedor de internet. Essas coisas de última hora são imprevisíveis.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Lembrando que o prazo para entregar é até segunda-feira, dia 30. Ao vivo, Pablo Mundim.

 

Nasi: A partir do dia 1º de junho, começam a valor no país novas regras para pagamento de cartão de crédito.

 

Gabriela: Uma delas vai criar limites para os juros cobrados de quem não consegue pagar a fatura mínima do cartão.

 

Nasi: As medidas foram aprovadas pelo Conselho Monetário Nacional nesta quinta-feira, e o objetivo é diminuir os juros dessa modalidade de compra.

 

Repórter Raíssa Lopes: Cartão de crédito, uma mão não roda para quem não está com dinheiro em mãos ou precisa dividir o valor de um produto, mas um problema para os que não conseguem pagar toda a fatura. O advogado Eloá Teixeira sabe disso e sempre tenta pagar 100% do valor de sua conta.

 

Advogado - Eloá Teixeira: Esse negócio de dividir o saldo não funciona. O juro é a mesma coisa do juro do vencimento, né? Então, tem que pagar mesmo.

 

Repórter Raíssa Lopes: Já a funcionária pública Marlúcia Ferreira nem sempre consegue pagar toda a fatura do cartão, mas sabe que isso não é o melhor a fazer.

 

Funcionária pública - Marlúcia Ferreira: Juros maiores, uma bola de neve, você tenta pagar, não consegue e aí só vai crescendo, né, a situação.

 

Repórter Raíssa Lopes: E para proteger consumidores como o Eloá e a Marlúcia, o Conselho Monetário Nacional publicou resolução que proíbe que instituições financeiras cobrem juros mais altos do cartão de crédito de quem não pagou a fatura mínima e ficou inadimplente, como explica a chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central, Silvia Marques.

 

Chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central - Silvia Marques: O cliente que está no rotativo, vamos supor que ele tenha uma taxa de 10% ao menos. Então, se houver atraso no pagamento da fatura ou de algum outro tipo de parcela, o banco teria que cobrar o mesmo valor praticado nas situações de inadimplência. O único valor adicional que pode ser cobrado é a multa de 2% e o juros de mora de 1% ao mês.

 

Repórter Raíssa Lopes: Outra mudança é em relação ao pagamento da fatura mínima do cartão de crédito, que hoje é de 15%. Segundo Silvia Marques, do Banco Central, com a resolução essa porcentagem poderá ser negociada entre a instituição financeira e o consumidor.

 

Chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central - Silvia Marques: Você pode ter, por exemplo, cartões de crédito que podem continuar com 15%, mas poderia ficar de livre negociação. Então, você poderia ter produtos com pagamento de 50%, 10%. Então, houve uma flexibilização da regra de pagamento mínimo.

 

Repórter Raíssa Lopes: As duas novas regras passam a valer a partir de 1º de junho, e mesmo com as resoluções que diminuem os juros do cartão, o consultor financeiro, Rogério Olegário do Carmo, lembra que o importante mesmo é se educar financeiramente.

 

Consultor financeiro - Rogério Olegário do Carmo: As pessoas constroem uma estrutura financeira naturalmente superior à sua realidade. Então, elas vivem fora da sua realidade financeira. Outra questão também que pode melhorar muito é aquela história de parar de olhar para atrás. As pessoas anotam gastos para saber quanto gastou, de que adianta isso? Absolutamente nada, já gastei e não tenho ação sobre aquilo que eu gastei. Então, eu preciso aprender a fazer um plano financeiro para que você olhe para frente.

 

Repórter Raíssa Lopes: No ano passado o governo já havia publicado medida para diminuir os juros do cartão de crédito. Desde abril de 2017 o cliente só pode pagar o valor mínimo do cartão uma vez, na fatura seguinte o banco não pode mais rolar a dívida com juros altos do cartão. O cliente só pode deixar de pagar tudo uma única vez. Depois a dívida tem que obrigatoriamente paga totalmente ou parcelada com outra linha de crédito de juros mais baixos. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Gabriela: Uma pesquisa divulgada hoje, pelo portal Governo do Brasil, mostra que 20 indicadores de segurança melhoraram no estado do Rio de Janeiro no período da intervenção federal.

 

Nasi: Os dados são do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro e mostram, por exemplo, que o número de roubos a bancos caiu mais de 30%, comparando março do ano passado com março deste ano.

 

Repórter Raquel Mariano: O número de roubo seguido de morte, o latrocínio, caiu mais de 35% na comparação de março e o mesmo mês do ano passado, no Rio de Janeiro. De acordo com o levantamento feito pelo Portal Governo do Brasil, outros 19 indicadores de segurança também tiveram índices melhores desde a implantação na intervenção federal no estado. Outro destaque foi o número de homicídios decorrentes de conflitos com a polícia, que reduziu 11%. Segundo o ministro extraordinário de Segurança Pública, Raul Jungmann, esses dados mostram que a intervenção federal está dando resultado, mas deve melhorar ainda mais nos próximos meses.

 

Ministro extraordinário de Segurança Pública - Raul Jungmann: Eu quero lembrar duas coisas, em primeiro lugar, que intervenções como essa, mudanças como essa levaram tempo. No caso de Bogotá e Medellín, na Colômbia, oito e nove anos, no caso de Ciudad Juárez, a cidade mais violenta do mundo, levou cinco anos. E lembrar também que quando você faz essa ruptura entre o sistema anterior e o novo, que é no caso a intervenção, há uma reação. E nesses casos que eu citei, no primeiro momento houve até um aumento, um recrudescimento da insegurança, mas que isso vai sendo, passo a passo e gradualmente, sendo resolvido. E eu tenho certeza absoluta de que a intervenção está no rumo certo e ela vai apresentar resultados positivos.

 

Repórter Raquel Mariano: O levantamento também destaca o indicador da letalidade violenta, esse número soma assassinatos com intenção de matar, morte em conflito com a polícia e lesões corporações e roubo seguido de morte. Na comparação entre março de 2017 e março de 2018 esse índice apresentou uma queda de quase 3%. A intervenção federal no estado do Rio de Janeiro começou no dia 16 de fevereiro e será mantida até o dia 31 de dezembro deste ano. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gabriela: A pesquisa que mostra a melhora nos indicadores de segurança pode ser acessada no Portal Governo do Brasil, no endereço: www.brasil.gov.br.

 

Nasi: E o combate ao crime organizado nas fronteiras foi discutido hoje, por secretários de segurança dos estados e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública.

 

Gabriela: Para reforçar as ações, o Centro de Comando e Controle, em Brasília, vai ter informações em tempo real do que ocorre nos 17 mil quilômetros das nossas fronteiras com outros países do continente.

 

Repórter Nei Pereira: A ideia é que as Polícias Civis e Militares trabalhem em conjunto com as Polícias Federal e Rodoviária Federal. A Secretaria Nacional de Segurança Pública é quem coordena essa integração. Cada estado vai ter um representante no Centro de Comando e Controle, que fica em Brasília, e todas as estratégias serão compartilhadas. O secretário nacional de Segurança Pública, Carlos Alberto dos Santos Cruz, afirma que o plano leva em conta as necessidades de cada estado.

 

Secretário nacional de Segurança Pública - Carlos Alberto dos Santos Cruz: Com o secretário nós estamos fazendo, pegando todas as cidades de fronteira, otimizando recursos e fazendo um planejamento aonde leve em consideração a realidade de cada um.

 

Repórter Nei Pereira: O Brasil tem quase 17 mil quilômetros de fronteira de terras e rios com dez países da América do Sul. Impedir a entrada de armas, drogas e mercadorias contrabandeadas é o principal desafio das autoridades brasileiras. Em Foz do Iguaçu, cidade com tríplice fronteira, a Força Nacional vem ajudando a Polícia Federal nas fiscalizações. Mas, nos últimos anos, a Amazônia também tem causado preocupação, principalmente em Tabatinga, cidade que faz fronteira com a Colômbia e Peru. Ali, os traficantes usam o Rio Solimões para transporte de drogas. Rondônia é outro estado que tem um rio como fronteira, são mais mil quilômetros, o que dificulta a fiscalização, é o que afirma o secretário de Segurança Pública do estado, Ronimar Jobim.

 

Secretário de Segurança Pública de Rondônia - Ronimar Jobim: É de difícil acesso, difícil patrulhamento, difícil fiscalização pela segurança pública do estado. É muito bem-vinda a forma com que o Governo Federal está tratando, porque foi um dos pontos que o secretário tocou.

 

Repórter Nei Pereira: Com a integração dos trabalhos de segurança, as ocorrências nos estados fronteiriços vão ser recebidas em tempo real na Sala de Comando e Controle, em Brasília, o que pode facilitar e agilizar a tomada de medidas. Reportagem, Nei Pereira.

 

Nasi: Para aumentar as relações comerciais entre Brasil e Chile, o Presidente Michel Temer recebeu, hoje, o presidente chileno Sebastián Piñera.

 

Gabriela: Durante a visita oficial foram assinados um convênio sobre serviços financeiros e outro sobre compras envolvendo o governo dos dois países.

 

Repórter Gabriela Noronha: O presidente chileno Sebastián Piñera e o presidente Michel Temer anunciaram o início das negociações de um novo acordo bilateral de livre comércio. De acordo com Temer, a ideia é ampliar os acordos comerciais já existentes e reforçar o relacionamento entre os dois países.

 

Presidente Michel Temer: O que estamos fazendo é estimular que o comércio e os investimentos entre nossos países cresçam ainda mais. Com isso, acolhemos a proposta do presidente Piñera de negociar um novo e ambicioso acordo de livre comércio. Não se trata mais de eliminar barreiras tarifárias, já estamos em outro patamar. Agora, nosso objetivo é superar barreiras regulatórias às trocas entre o Brasil e o Chile.

 

Repórter Gabriela Noronha: Segundo o presidente chileno, as negociações para o novo acordo de livre comércio vão ocorrer em sentido de urgência.

 

Presidente do Chile - Sebastián Piñera: Vamos iniciar e com um sentido de urgência a conversação para um acordo de livre comércio entre Brasil e Chile.

 

Repórter Gabriela Noronha: Michel Temer informou que ele e Piñera conversaram sobre temas referentes à defesa, ciência e tecnologia, integração física e colaboração na Antártica. O presidente do Brasil agradeceu o auxílio do Chile durante o incêndio da Estação Antártica Comandante Ferraz, em 2012. Temer destacou ainda que o Brasil é principal destino dos investimentos chilenos no exterior e o principal parceiro comercial no Chile na América do Sul e defendeu uma maior aproximação.

 

Presidente Michel Temer: O Brasil já é o país com maior estoque de investimento chilenos, mais de US$ 31 bilhões. Os investimentos brasileiros no Chile também são expressivos, estão hoje na casa de US$ 4 bilhões. Mais certa e seguramente, essa sua visita e os contatos que o senhor mantém e manterá aqui no Brasil vão aumentar ainda mais o desejo dos nossos empresários de investirem no Chile. E, aliás, neste plano comercial, a situação é total liberalização tarifária entre o Brasil e o Chile.

 

Repórter Gabriela Noronha: O intercâmbio comercial entre os países superou os US$ 8 bilhões no ano passado, alta de 22% em relação a 2016. Além do acordo de livre comércio, ministros brasileiros e chilenos assinaram mais convênios, um sobre serviços financeiros e outro sobre compras governamentais que autorizam empresas brasileiras a participarem de processos licitatórios no Chile em igualdade de condições como as companhias locais, e dar o mesmo direito aqui às empresas chilenas. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Nasi: Vai viajar neste feriado?

 

Gabriela: Para garantir a segurança de quem for pegar a estrada, a Polícia Rodoviária Federal vai reforçar a fiscalização. Os detalhes daqui a pouco.

 

"As rádios de todo o país já podem transmitir a Voz do Brasil em horário flexível. As emissoras de radiodifusão são obrigadas a retransmitir diariamente entre às 7h da noite e às 10h da noite, exceto aos sábados, domingos e feriados. A duração continua a mesma, 60 minutos, de forma ininterrupta. As emissoras devem informar aos ouvintes, às 7h da noite, o horário em que vão transmitir o programa. A Rede Nacional de Rádio mantém a transmissão às 7h da noite, pelo satélite e ao vivo, pela internet, no site redenacionalderadio.com.br".

 

Nasi: E a partir de terça-feira da semana que vem, o consumidor vai ter que ficar mais atento com o gasto de energia elétrica.

 

Gabriela: É que a Aneel, a Agência Nacional de Energia Elétrica, anunciou, hoje, que a nova bandeira tarifária para maio passa de verde para amarela.

 

Nasi: Com a mudança os consumidores vão pagar uma taxa extra de R$ 1 para cada 100 quilowatts/hora de energia consumidos.

 

Gabriela: A mudança na bandeira tarifária foi acionada em função da menor incidência de chuvas.

 

Nasi: Com isso, os reservatórios das hidrelétricas nas regiões Sudoeste, Centro-Oeste e Nordeste ficaram com volumes mais baixos, aumentando o custo da produção da energia.

 

Gabriela: As bandeiras tarifárias avisam para os consumidores quanto custa a energia gerada. Isso é uma forma de educar a população para economizar na conta de luz.

 

Nasi: Quase 8 milhões de brasileiros têm dinheiro para receber do PIS/Pasep e simplesmente não fazem o saque.

 

Gabriela: E você pode ser uma dessas pessoas.

 

Nasi: Então, fique por dentro e saiba quem pode receber o benefício.

 

Repórter Pablo Mundim: Quitar as contas, fazer a viagem dos sonhos ou até mesmo comprar aquele presidente para o Dia das Mães. Afinal, o que você faria se descobrisse que tem direito a sacar um dinheiro que você não estava contando?

 

Entrevistado: Eu ia investir naquilo que eu estou precisando, entendeu? Na minha área profissional, e, com certeza, ia tentar deixar uma parte guardada para alguma necessidade futura, né?

 

Entrevistada: Eu ia comprar umas coisinhas para mim, umas roupas, alguma coisa assim.

 

Entrevistado: Eu ia pagar um pouco das dívidas, dependendo do valor.

 

Repórter Pablo Mundim: Pois é, quase 8 milhões de brasileiros não sabem, mas tem dinheiro para receber do PIS/Pasep. Pode sacar o benefício o trabalhador cadastro no fundo entre 1971 até outubro de 1988. Com a alteração nas regras no ano passado, agora homens e mulheres a partir de 60 anos têm direito ao saque. Reservistas, pessoas com doenças, que apresentam invalidez, aposentados e herdeiros também têm direito ao benefício. Dos 11 milhões de cotistas com direito a sacar o dinheiro, um pouco mais de 3 milhões de pessoas já retiraram, mas ainda tem R$ 16 bilhões disponíveis para saque do PIS/Pasep. Para o governo, dinheiro que representa um estímulo a mais para aquecer a economia, como explica o secretário adjunto do Ministro do Planejamento, Júlio Alexandre.

 

Secretário adjunto do Ministro do Planejamento - Júlio Alexandre: Esse recurso vai para as famílias, as famílias vão usar da melhor forma que entenderem, ou para pagar dívidas ou para consumir. Isso vai dar mais sustentabilidade ao crescimento econômico.

 

Repórter Pablo Mundim: Para o trabalhador da iniciativa privada, o benefício do PIS deve ser sacado da Caixa Econômica Federal. Já o empregado do setor público, o saque das cotas da Pasep deve ser feito no Banco do Brasil. O gerente-executivo do Banco do Brasil, Enio Mathias, ressalta o quanto é importante sacar o benefício.

 

Gerente-executivo do Banco do Brasil - Enio Mathias: É um recurso muito importante, certamente todos gostariam, né, de ter uma renda, um recurso extra, ter acesso a esse recurso para utilizar no dia a dia, que beneficia tanto a pessoa, a família, como a economia como um todo.

 

Repórter Pablo Mundim: Se você é ou foi empregado do setor privado e quer saber se tem direito ao benefício, basta acessar o site: caixa.gov.br/cotaspis. Já o servidor público precisa acessar o: bb.com.br/pasep. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Gabriela: Muita gente que está nos ouvindo agora ou já está na estrada ou se preparando para viajar e curtir o feriado prolongado.

 

Nasi: E sempre é bom lembrar de prestar atenção às leis de trânsito.

 

Gabriela: Nos cinco dias do feriado prolongado, a Polícia Rodoviária Federal vai reforçar a fiscalização nas estradas.

 

Nasi: O inspetor Diego Brandão falou para a Voz do Brasil sobre as condutas que vão ser exigidas dos motoristas durante essa operação. Vamos ouvir.

 

Inspetor - Diego Brandão: Temos o reforço de fiscalização naqueles pontos sensíveis, onde a gente registrou um maior número de acidentes durante os últimos feriados. Vamos fiscalizar aquelas condutas que são mais perigosas no trânsito: excesso de velocidade, ultrapassagem indevida, falta de uso de cinto de segurança, itens de segurança como cadeirinha, capacete, e também o uso de álcool, a influência de álcool ao dirigir. Então, são essas condutas perigosas que nós temos um foco maior, né, durante esse tipo de operação.

 

Gabriela: Essas operações têm um resultado positivo na redução do número de acidentes.

 

Nasi: No último feriado da Semana Santa, foram 850 acidentes, 23% a menos que no ano passado.

 

Gabriela: E, fique atento, é importante fazer revisões periódicas do veículo e conferir o funcionamento dos equipamentos obrigatórios antes de sair para curtir a folga do Dia do Trabalho.

 

Nasi: A cultura popular está entre as prioridades do Ministério da Cultura.

 

Gabriela: E este ano a Sexta Edição do Prêmio Culturas Populares vai reconhecer 500 projetos em todo o país.

 

Nasi: Para isso são ser destinados R$ 10 milhões.

 

Repórter Gabriela Noronha: Na roda de meninas concentração, aos poucos elas vão dando vida aos retalhos, de onde nascem bonecas. Mas não é qualquer uma, as bonecas são símbolos de resistência que ficaram conhecidas como abayomi, e eram feitas por escravas, como explica a estudante Gislene Lisboa.

 

Estudante - Gislene Lisboa: Eles estavam vindo para cá num navio como escravos, aí as mães das crianças iam para a porão do navio, tirava tira das roupas e fazia essas bonecas para as crianças.

 

Repórter Gabriela Noronha: O brasiliense Gustavo Pereira tem 13 anos e adora uma brincadeira de roda, mas ele conta que foi o significado de uma palavra africana que chamou a atenção.

 

Estudante - Gustavo Pereira: Nem sabia que esse nome existia, que o 'ubuntu' significa 'eu sou porque nós somos'. Eu achei essa frase muito interessante, eu levei para casa e comecei a refletir sobre essa frase.

 

Repórter Gabriela Noronha: Gislene e o Gustavo frequentam a Ludocriarte, um projeto social em São Sebastião, região administrativa de Brasília. Desde 2005, o projeto recebe crianças da comunidade para desenvolver atividades lúdicas e recreativas. Professor de artes do projeto, Isaac Mendes explica que tudo na Ludocriarte remete à cultura tradicional e popular.

 

Professor de artes do projeto - Isaac Mendes: Elas vêm para esse espaço para poder brincar, né, porque a gente tem um repertório muito vasto de brincadeiras e transformamos essas brincadeiras em histórias.

 

Repórter Gabriela Noronha: A Ludocriarte foi uma das iniciativas que, no passado, recebeu o Prêmio Culturas Populares do Ministério da Cultura, que já recompensou mais de 1,5 mil iniciativas pelo país. Segundo Sérgio Sá Leitão, Ministro da Cultura, este ano será destinado ao maior valor da história para o prêmio, R$ 10 milhões, para 500 projetos que incluam atividades como dança, música, literatura e jogos.

 

Ministro da Cultura - Sérgio Sá Leitão: Teremos cem projetos contemplados em cada região e também permitir, com o apoio financeiro que esses trabalhos, que essas expressões, que essas manifestações possam não apenas continuar, mas também crescer.

 

Repórter Gabriela Noronha: A sexta edição do prêmio homenageia a cantora e compositora Selma do Coco. Reconhecida como patrimônio vivo de Pernambuco, a vendedora de tapioca ficou conhecida por organizar, em seu quintal, rodas de coco, um ritmo típico da região. As inscrições para a prêmio podem ser feitas de 30 abril até 13 de junho, pela internet ou via Correios. Quem quiser mais detalhes pode acessar a página: culturaspopulares.cultura.gov.br. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e bom fim de semana.

 

Gabriela: Uma boa noite e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso".