27 de agosto de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: 30 milhões de aposentados e pensionistas começam a receber parte do 13º salário. Médicos voluntários começaram mutirão de atendimento em abrigos de Roraima. E você já levou seu filho pra vacinar? Estamos na reta final da campanha de vacinação contra a polio e o sarampo. Além da carteira de motorista, o documento do carro também estará disponível na forma digital. A gente vai explicar direitinho como você pode baixar o aplicativo e acessar tudo pelo celular.

audio/mpeg VOZ270818.mp3 — 46948 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Segunda-feira, 27 de agosto de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Trinta milhões de aposentados e pensionistas começam a receber hoje parte do décimo salário. Eduardo Biagini.

 

Repórter Eduardo Biagini: Mais de R$ 20,7 bilhões vão ser injetados na economia.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Médicos voluntários começaram hoje mutirão de atendimento em abrigos de Roraima. Luana Karen.

 

Repórter Luana Karen: Durante uma semana, 36 voluntários, de 24 hospitais universitários federais, de 17 estados, vão entender migrantes venezuelanos em Boa Vista e Pacaraima.

 

Nasi: E você já levou o seu filho para vacinar?

 

Gabriela: Estamos na reta final da campanha de vacinação contra a pólio e o sarampo. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: Todas as crianças que tenham entre um e cinco anos de idade, mesmo as que já foram vacinadas, precisam ser levadas ao posto de vacinação para tomar uma dose extra.

 

Nasi: Além da carteira de motorista, o documento do carro também estará disponível na forma digital.

 

Gabriela: A gente vai explicar direitinho como você pode baixar o aplicativo e acessar tudo pelo celular.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E, para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: Mais de 29,7 milhões aposentados e pensionistas começaram a receber a primeira parcela do décimo terceiro salário.

 

Gabriela: Os valores de até metade do valor da aposentadoria ou da pensão representam mais de R$ 20,7 bilhões circulando na economia.

 

Nasi: Dinheiro para pagar uma dívida ou comprar um eletrodoméstico, um eletrônico e até uma roupa.

 

Repórter Eduardo Biagini: Todos os anos, Teresinha de Jesus aguarda a antecipação da primeira parcela do décimo terceiro salário da sua pensão. Para a moradora de Rio Branco, no Acre, que vive com uma neta, a primeira parte do décimo terceiro é usada para diferentes objetivos.

 

Moradora de Rio Branco - Teresinha de Jesus: Tem ano que eu compro alguma coisa que eu quero ter em casa, né, por exemplo, uma televisão, às vezes, um celular, aí já ajuda, né? Tem ano que é para pagar mesmo alguma dívida, me ajuda a pagar. Assim é melhor, né, porque é uma ajuda que o governo dá, né, antecipada, para quem precisa, muito mais, vai servindo para muita coisa, né? Melhor do que esperar até o fim do ano. Se dá metade agora e outra metade no fim do ano ajuda bastante.

 

Repórter Eduardo Biagini: Assim como Teresinha, 29,7 milhões aposentados e pensionistas começaram a receber nessa segunda-feira a primeira parcela do décimo terceiro salário de forma antecipada. Os pagamentos de até metade do valor da aposentadoria ou da pensão seguem até o dia 10 de setembro, de acordo com o número final do benefício. No total, vão ser pagos mais de R$ 20,7 bilhões. O pesquisador do Ipea, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Leonardo Carvalho, fala sobre os impactos desses valores para a economia do país.

 

Pesquisador do Ipea - Leonardo Carvalho: O impacto, ele é positivo para a economia por dois motivos, né? O primeiro motivo, em geral, esse tipo de recurso, ele também pode ser usado para abatimento, para você quitar algumas dívidas anteriores. Então, isso faz com que as pessoas consigam, muitas vezes, tirar seu nome do SPC, aliviar um pouco o orçamento em relação ao pagamento de juros. E outro motivo é mais direto, né, porque ele dá um aumento de consumo, digamos assim, né? Então, teria esses dois efeitos positivos para a economia a liberação dos recursos.

 

Repórter Eduardo Biagini: Tem direito à primeira parcela do décimo terceiro aposentados, pensionistas e quem recebeu durante o ano auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão ou salário-maternidade. No caso do auxílio-doença e do salário-maternidade, o valor vai ser proporcional ao período recebido. É o que explica Alberto Alegre, coordenador-geral de Gerenciamento do Pagamento de Benefícios do INSS.

 

Coordenador-geral de Gerenciamento do Pagamento de Benefícios do INSS - Alberto Alegre: Uma das dificuldades, às vezes, é: Ah, eu não recebi a metade. Ela vai ser proporcionar aos meses em que a pessoa vai estar em benefício. Isso acontece muito no caso do salário-maternidade, que são quatro meses, né? Então, são aí quatro doze voos que ela vai ter direito ao maternidade, ao décimo terceiro do maternidade, e aos auxílios-doença. Se ele está há um ano em benefício, obviamente ele vai ter o tempo proporcional aos meses. Esse é um comprometimento que com o governo tem há vários anos e vem se mantendo. Acho que o aposentado, que já está há mais tempo vivendo desse benefício, já se habituou a nessa época do ano ter o seu percentual do décimo terceiro na conta, né?

 

Repórter Eduardo Biagini: A segunda parcela do décimo terceiro salário começa a ter paga no final do novembro, é sobre essa parcela que incide o imposto de renda. O calendário de pagamentos está disponível na página do INSS na internet, em: inss.gov.br. Reportagem, Eduardo Biagini.

 

Gabriela: Reta final da campanha da vacinação.

 

Nasi: Os pais e responsáveis têm até a próxima sexta-feira, dia 31, para levarem as crianças de um a menores de cinco anos para se vacinarem contra a pólio e o sarampo.

 

Gabriela: O cuidado é especialmente importante este ano porque o Brasil já enfrenta dois surtos de sarampo, em Roraima e Amazonas, e a vacina garante que a doença não se espalhe mais pelo país.

 

Nasi: De acordo com o Ministério da Saúde, pelo menos 66% das crianças já foram imunizadas, mas a meta é garantir a vacinação de pelo menos 95% desse público.

 

Repórter Márcia Fernandes: A servidora pública Patrícia Timo, de Brasília, espera na fila para vacinar a que ela Helena, de dois anos. Depois da recomendação do pediatra, ela quer garantir que a filha seja imunizada contra a poliomielite e o sarampo.

 

Servidora pública - Patrícia Timo: Eu trouxe porque a vacina dela está toda em dia, o cartão completo, e eu acho importante manter minha filha livre de qualquer doença e protegida.

 

Repórter Márcia Fernandes: O mesmo vale para o servidor público Marcelo Elias, que levou a filha Rafaela para vacinar. Para ele, a saúde dela é prioridade.

 

Servidor público - Marcelo Elias: Nós ouvimos o noticiário e a gente fica preocupado, e a principal preocupação é que ela não pegue a doença, não tenha nenhum problema com o sarampo, nem poliomielite.

 

Repórter Márcia Fernandes: Todas as crianças que tenham entre um e cinco anos de idade, mesmo as que já foram vacinadas, precisam ser levadas ao posto de vacinação para tomar uma dose extra. A ideia é criar uma barreira e proteger as 11 milhões de crianças do público-alvo, como aponta a coordenadora-geral do Programa de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

 

Coordenadora-geral do Programa de Imunizações - Carla Domingues: O sarampo é uma doença altamente infecciosa. Entra uma pessoa doente numa sala de aula, por exemplo, se tiver uma única criança sem imunidade para aquela doença, ele vai conseguir achar essa criança.

 

Repórter Márcia Fernandes: E quem já recebeu uma ou mais doses toma a gotinha da vacina oral poliomielite. Todas recebem uma dose da tríplice viral contra o sarampo. E o cuidado tem motivo, atualmente o país enfrenta dois surtos de sarampo, em Roraima e Amazonas. Mais de mil casos da doença foram confirmados. Tanto o sarampo, quanto a poliomielite são doenças altamente infecciosas e podem causar sequelas graves, como destaca Carla Domingues do Ministério da Saúde.

 

Coordenadora-geral do Programa de Imunizações - Carla Domingues: A poliomielite, ela é muito conhecida como paralisia infantil. Infelizmente a criança vai dormir sadia e ela pode amanhecer no outro dia com os membros inferiores paralisados, essa criança, se ela tiver poliomielite, ela não vai voltar a andar e ela pode ter, inclusive, problemas respiratórios e levar ao óbito. Da mesma forma o sarampo, né? Ela pode ter uma alta replicação no organismo e vai fazer com que essa criança pode ter pneumonia e levar ao óbito, ela pode ter problemas neurológicos e ter problemas de aprendizagem para o resto da vida, pode ter otite, né, que é infecção no ouvido, e que pode ter problemas de comprometimento da surdez.

 

Repórter Márcia Fernandes: A campanha de vacinação termina na próxima sexta-feira, dia 31 de agosto. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Gabriela: Trinta e seis médicos voluntários já estão em Roraima para dar atendimento aos imigrantes venezuelanos que cruzam a fronteira em busca de uma vida melhor do Brasil.

 

Nasi: Os médicos são de hospitais universitários federais de diversas especialidades e vão cuidar dos alojados nos abrigos de Boa Vista e Pacaraima.

 

Gabriela: No último sábado, antes de embarcarem param Roraima, os voluntários participaram do lançamento da ação, e, numa cerimônia, foram apresentados ao presidente Michel Temer.

 

Repórter Luana Karen: Durante uma semana, 36 voluntários, de 24 hospitais universitários federais, de 17 estados, vão atender imigrantes venezuelanos em Boa Vista e Pacaraima, são ginecologistas, obstetras, pediatras, infectologistas, oftalmologistas, enfermeiros e técnicos de laboratório, que vão realizar exames, vacinas, consultas e dar orientações aos venezuelanos para a prevenção do doenças. O ministro da Educação, Rossieli Soares, afirmou que a várias especialidades vão permitir um atendimento diferenciado.

 

Ministro da Educação - Rossieli Soares: Você vai ter profissionais de todas as áreas dando um atendimento a pessoas que estão nos abrigos, desde oftalmologia, a ginecologistas, enfim, com atendimentos específicos. Isso é muito importante para este momento.

 

Repórter Luana Karen: A cerimônia de apresentação dos voluntários contou com a presença do presidente Michel Temer, que reiterou os compromissos do Brasil com o atendimento humanitário dos imigrantes e com a manutenção da fronteira aberta.

 

Presidente Michel Temer: Vez ou outra há uma outra sugestão, sugestão até pleiteada judicialmente, no sentido de fechar as nossas fronteiras. E, eu, desde o primeiro momento, disse que era incogitável e inegociável esta matéria. Nós não temos como fechar as fronteiras do nosso país, sob pena de praticarmos um ato desumano em relação àqueles que vêm procurar abrigo no nosso país. Então, o primeiro ponto que eu quero registrar é exatamente este, as nossas fronteiras estão abertas, é claro, que disciplinadamente.

 

Repórter Luana Karen: Além dos atendimentos médicos, acontece no final deste mês a sexta transferência de imigrantes para outros estados do país, o chamado processo de interiorização. Quem explica é a subchefe substituta da Casa Civil, Viviane Esse.

 

Subchefe substituta da Casa Civil - Viviane Esse: Já tivemos 820 pessoas que foram para sete estados e a intenção é que a gente semana que vem faremos mais 250 pessoas, aproximadamente, e ideia é que a gente possa interiorizar mais de mil pessoas.

 

Repórter Luana Karen: Desde o início da crise no país vizinho estima-se que 127 mil venezuelanos vieram para o Brasil e 60% deles já deixaram o país. O Governo Federal aplicou mais de R$ 200 milhões nas ações de acolhida. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: E nós acompanhamos o embarque dos voluntários para Roraima ontem, aqui na Base Aérea de Brasília.

 

Gabriela: Serão realizados mutirões de serviços de saúde e ações sociais de hoje até sábado em dez abrigos distribuídos entre Boa Vista e Pacaraima.

 

Nasi: A repórter Luana Karen volta com a gente e conta a expectativa desses médicos para dar o melhor atendimento possível aos imigrantes venezuelanos.

 

Repórter Luana Karen: O dia mal tinha começado quando os voluntários que vão atender imigrantes venezuelanos em Roraima chegaram a Base Aérea de Brasília. Na bagagem da farmacêutica bioquímica Tatiana Alves Toledo, a vontade de fazer a diferença.

 

Farmacêutica bioquímica - Tatiana Alves Toledo: É um amor à pátria, um amor às pessoas, é fazer com que nosso serviço seja realmente útil.

 

Repórter Luana Karen: Os profissionais de saúde vinculados a hospitais universitários federais vão atender os imigrantes em Boa Vista e Pacaraima. Quem explica como vai ser é o vice-presidente-executivo da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Arnaldo Medeiros.

 

Vice-presidente-executivo da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - Arnaldo Medeiros: Essas equipes irão trabalhar nos alojamentos, onde irão fazer consultas, atendimentos médicos, né, e dar todo o suporte em saúde necessário para esses venezuelanos.

 

Repórter Luana Karen: Ao chegar em Boa Vista, os voluntários participaram de uma reunião na Universidade Federal de Roraima para definir a divisão das equipes que farão os atendimentos nos noves abrigos da capital e no abrigo de Pacaraima. Participaram do encontro representantes da Operação Acolhida, que atende os imigrantes, e da Agência das Nações Unidas para Refugiados. Especialista em saúde pública, o médico Antônio Carlos Franco da Rocha, destaca a importância de orientar os imigrantes sobre a prevenção de doenças.

 

Especialista em saúde pública e médico - Antônio Carlos Franco da Rocha: Essa ação, ela é basicamente preventiva em detectar esses eventos de uma maneira adequada e tratar.

 

Repórter Luana Karen: A pediatra Lídia Mairin, que já participou de cinco missões humanitárias, mas esta é a primeira em parceria do Governo Federal. Mais do que atendimento médico, ela quer levar conforto para as crianças e as famílias venezuelanas.

 

Pediatra - Lídia Mairin: Nós temos que acolher, nós temos que amparar, nós temos que confortar e nós temos que promover a saúde, que é o nosso objetivo principal.

 

Repórter Luana Karen: Sentimento compartilhado pela médica Sonália Medeiros, que participa na primeira missão de ajuda médica humanitária.

 

Médica - Sonália Medeiros: Para ter conforto, saúde, orientações. Essa é a nossa missão.

 

Repórter Luana Karen: O grupo que vai atender os imigrantes também conta com cinco pessoas para dar apoio administrativo. Estudantes de medicina da Universidade Federal de Roraima também vão se juntar às equipes de atendimento. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: Documento do carro na forma digital.

 

Nasi: Ainda nesta edição vamos explicar como ter acesso pelo celular.

 

Gabriela: Tem também a lei do pedágio para caminhoneiros, que foi sancionada pelo presidente Michel Temer.

 

Nasi: É daqui a pouquinho.

 

Gabriela: Garantir a acesso à terra, combater a pobreza e incentivar a permanência dos jovens no campo.

 

Nasi: Esses são alguns dos objetivos do Programa Nacional de Crédito Fundiário, que está com novas contratações abertas.

 

Gabriela: O programa oferece crédito para que o trabalhador possa financiar um imóvel rural.

 

Repórter Graziela Mendonça: Ter um pedaço de chão para criar animais e produzir leite, esse era o sonho do Alex Ruviaro, que vive no município de Caiçara no Rio Grande do Sul.

 

Entrevistado - Alex Ruviaro: Desde pequeno a gente tinha essa quase que vocação, sabe, de ficar na lavoura e não ir buscar na cidade a vida, né?

 

Repórter Graziela Mendonça: A família dele sempre trabalhou no campo, mas a propriedade era muito pequena. Foi então que ele conseguiu um financiamento do Programa Nacional de Crédito Fundiário e hoje tem seu imóvel rural. Ele conta que sem a ajuda do crédito, seria difícil permanecer no campo.

 

Entrevistado - Alex Ruviaro: Foi o que abriu as portas, né, que com recurso próprio não se conseguia, o valor de terra era muito alto e ficava muito distante da gente.

 

Repórter Graziela Mendonça: Para contemplar mais trabalhadores como Alex, estão sendo abertas novas contratações de crédito fundiário. Hoje, mais de 143 mil famílias possuem financiamentos de imóveis rurais pelo programa. A expectativa, com essa retomada das contratações é atender mais 1,5 mil famílias até março do ano que vem. A subsecretária de Reordenamento Agrário da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, Raquel Santori, explica quem pode adquirir terra por meio do programa.

 

Subsecretária de Reordenamento Agrário - Raquel Santori: Para trabalhadores e trabalhadoras rurais que nunca tiveram terra ou que têm pouca terra e desejam ampliar sua propriedade. O foco do programa é, principalmente, incentivar o acesso da juventude e possibilitar o acesso daquelas famílias que estão em situação de pobreza. Agora, é importante destacar que a pessoa que vai acessar ao programa, ele tem que comprovar cinco anos de experiência na agricultura familiar dentro dos 15 anos.

 

Repórter Graziela Mendonça: Os agricultores que quiserem aproveitar essa nova leva de contratações, vão contar com a melhoria aprovadas em fevereiro deste ano. O valor máximo a ser financiado passou de R$ 80 mil, para R$ 140 mil e o prazo para pagar a terra agora é de 25 anos. Jonas Ruviaro, que é irmão do Alex, vai aproveitar a nova leva de contratações para também conquistar seu imóvel rural.

 

Entrevistado - Jonas Ruviaro: Hoje a gente casou recentemente, já tem um filho. Então, isso é interessante, justamente pela sucessão que a gente vem sucedendo o pai e a mãe, hoje a gente que administra a propriedade, e a nossa esperança é que nossos filhos também continuem.

 

Repórter Graziela Mendonça: As taxas de juros do crédito fundiário variam de 0,5% a 2,5% ao ano. Para mais informações, os trabalhadores rurais podem procurar os sindicatos e entidades rurais em seus municípios ou consultar o site: www.mda.gov.br. Reportagem, Graziela Mendonça.

 

"Trânsito. Atenção, Motorista".

 

Nasi: Ter o documento do carro em mãos funciona como um comprovante de que as obrigações do veículo estão em dia.

 

Gabriela: E, por isso, na hora de sair de casa, além da carteira de motorista o certificado de registro e licenciamento de veículo é item obrigatório.

 

Nasi: E para quem esquece carteira, mas dão esquece o celular, aí vai uma boa notícia.

 

Gabriela: Vai ser possível acessar esse documento por um aplicativo no smartphone. A repórter Cleide Lopes explica.

 

Repórter Cleide Lopes: O contador baiano, Bruno Menezes, tem um carro com placa de Brasília, essa semana ele saiu de Barreiras, na Bahia, e percorreu cerca de 600 quilômetros até o Distrito Federal apenas para retirar no Detran o documento de 2018 do veículo. Com uma novidade lançada nesta segunda-feira, o Bruno não vai mais precisar fazer a viagem a partir do ano que vem. O Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo, que é o documento do carro, poderá ser acessado por aplicativo, no celular, substituindo, assim, o documento impresso.

 

Contador - Bruno Menezes: Eu achei uma novidade muita boa porque eu mesmo me desloquei quase 600 quilômetros só para vir buscar o documento.

 

Repórter Cleide Lopes: Se você tivesse ele não precisaria, né?

 

Contador - Bruno Menezes: Não precisaria porque eu baixaria no celular, e, caso precisasse, mostraria esse documento.

 

Repórter Cleide Lopes: Para ter o documento do carro digitalizado no celular, basta baixar o aplicativo Carteira Digital de Trânsito. O motorista deve preencher um cadastro no próprio aplicativo e informar o número do Renavam e o código de segurança impresso no certificado de registro do veículo, o antigo DUT. Glória Guimarães, diretora-presidente do Serpro, que desenvolveu o aplicativo, explica que o motorista não precisa se preocupar se na hora de mostrar o documento ficar sem acesso à internet.

 

Diretora-presidente do Serpro - Glória Guimarães: Você baixa apenas uma vez, que ele funciona sem você ter a internet.

 

Repórter Cleide Lopes: A carteira de motorista, a CNH, que já está disponível em versão digital, vai poder ser baixada no mesmo aplicativo Carteira Digital de Trânsito, mas neste caso o serviço está disponível apenas para os motoristas que têm carteiras emitidas a partir de maio de 2017, que já vêm com um código QR. O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, disse que o aplicativo Carteira Digital de Trânsito vai proporcionar maior comodidade e praticidade ao motorista, reunindo uma só plataforma todos os documentos de porte obrigatório no trânsito.

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: A CNH Digital, como o CLV eletrônico digital, funcionam e são mesma forma que os documentos físicos, podendo ser apresentado às autoridades, sejam do trânsito, sejam policiais em todo o país. Aqui a gente dá uma demonstração de inovação de utilizar a tecnologia para simplificar a vida dos brasileiros.

 

Repórter Cleide Lopes: A partir de hoje, o novo aplicativo estará disponível para 1,750 milhão condutores do Distrito Federal. A ideia é que até 31 de dezembro mais de 97 milhões de proprietários de veículos em todo o país tenham acesso ao aplicativo. Para oferecer o documento digital aos motoristas, os Detrans estaduais precisam aderir ao serviço. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: E caminhões vazios costumam rodar com eixos levantados, ou seja, as rodas ficam suspensas para evitar desgaste dos pneus.

 

Gabriela: Mas o eixo suspenso também ajuda os caminhoneiros a economizar.

 

Nasi: Desde 2015 a cobrança de pedágio para esses caminhões é proibida nas rodovias federais.

 

Gabriela: Mas uma lei, publicada hoje, no Diário Oficial da União, proíbe a cobrança em todas as estradas do país.

 

Repórter Bruna Saniele: A medida faz parte de uma das reivindicações dos caminhoneiros durante a greve em maio. A mudança foi feita por meio de uma medida provisória, foi aprovada pelo Congresso e agora sancionada pelo presidente Michel Temer. Agora é lei, caminhoneiros que rodarem em estradas federais, estaduais, municipais ou distritais, inclusive, as que estão cedidas a concessionárias, não vão ter mais que pagar pelo pedágio do eixo dos caminhões que estiver suspenso. Marco Antônio Fardin, de 51 anos é caminhoneiro há mais de 30 anos, ele percorre diariamente cem quilômetros que separaram a capital paulista da cidade de Porto Feliz, no anterior do estado, e gastava R$ 540 com os pedágios, quando saía com o veículo cheio de areia e voltava com o caminhão vazio, com os eixos suspensos. Agora, com a isenção da cobrança passou a gastar R$ 400.

 

Caminhoneiro - Marco Antônio Fardin: Nós fazemos todo dia uma viagem para São Paulo, você entendeu? Então, todo dia a gente tem R$ 140 de desconto, que é uma coisa que a gente não tinha. Então, para nós facilitou muito, ajudou demais. Eu vou te falar uma verdade para você, dá pagar você uma prestação de um novo caminhão, viu?

 

Repórter Bruna Saniele: A caminhoneiro Rogério Bruque há nove anos sai de Afonso Cláudio, no Espírito Santo, com chapas e tubos de aço na caçamba, a ideia é sempre retornar com o caminhão cheio de grãos, mas quando isso não é possível o veículo volta para casa com os eixos suspensos. O caminhoneiro calcula que em um ano a economia com a isenção de pedágio vai chegar a R$ 6 mil.

 

Caminhoneiro - Rogério Bruque: Na rota que eu faço no final do ano já é uma somatória para comprar praticamente três pneus aí. É uma economia boa.

 

Repórter Bruna Saniele: Mas caminhoneiros, atenção, de acordo da nova lei, circular com o caminhão com eixos indevidamente suspensos é uma infração considerada grave e o motorista vai receber cinco pontos na carteira e terá que pagar multa no valor de R$ 195,23. Reportagem, Bruna Saniele.

 

Nasi: A partir de hoje, os trabalhadores podem visualizar o valor da distribuição dos rendimentos do FGTS em sua conta vinculada.

 

Gabriela: É que a Caixa Econômica Federal antecipou o crédito que estava previsto para o dia 31 de agosto.

 

Nasi: Isso significa que todos os 90 milhões de trabalhadores que tinham conta no FGTS com saldo positivo até dezembro do ano passado tiveram crédito depositado na conta.

 

Gabriela: O curso é referente ao lucro do fundo no ano passado. Agora, 50% desse lucro é dividido entre todos os trabalhadores que têm conta no FGTS.

 

Nasi: Mais de R$ 6 bilhões foram distribuídos.

 

Gabriela: E de janeiro a junho deste ano as fiscalizações dos auditores fiscais do trabalho contra a sonegação do FGTS e da contribuição social resultaram em mais de R$ 2,4 bilhões em recolhimentos.

 

Nasi: O resultado 4% maior que o mesmo no período do ano passado.

 

Gabriela: De acordo com o Ministério, as fiscalizações foram realizadas em mais de 20 mil estabelecimentos de todo os estados brasileiros.

 

Nasi: Os fiscais realizaram 9,4 mil notificações de dívidas do FGTS e contribuição social que beneficiaram mais de 1 milhão de trabalhadores.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Boa noite para você e até amanhã.

 

"A Voz do Brasil, Governo Federal".