28 de fevereiro de 2018

Destaques da Voz do Brasil: R$ 1 bilhão vão ser investidos na formação de 190 mil professores. Presidente Michel Temer destaca esforço do governo para melhorar qualidade do ensino no país. 1 mil novos policiais federais vão ser contratados. Anúncio foi feito pelo novo ministro da Segurança Pública. E também vamos falar do aumento de jovens aprendizes em empresas brasileiras. No ano passado, 400 mil estudantes foram contratados.

audio/mpeg VOZ280218.mp3 — 45013 KB




Transcrição


Apresentador Luciano Seixas: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Luciano: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018.

 

Luciano: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: R$ 1 bilhão vão ser investidos na formação 190 mil professores.

 

Luciano: E as primeiras vagas saem amanhã. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Vão ter vagas para residência pedagógica, para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência e para a Universidade Aberta do Brasil.

 

Gabriela: Presidente Michel Temer destaca esforço do Governo para melhorar qualidade do ensino no país.

 

Presidente Michel Temer: A formação de crianças e jovens é, na verdade, o grande alicerce para uma economia próspera, para uma democracia vibrante e para uma cidadania plena.

 

Luciano: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Mil novos policiais federais vão ser contratados.

 

Luciano: O anúncio foi feito hoje, pelo novo ministro da Segurança Pública. Paulo La Salvia.

 

Repórter Paulo La Salvia: Raul Jungmann diz que os concursos públicos para contratação dos policiais vão ser feitos ainda neste ano.

 

Gabriela: E também vamos falar do aumento de jovens aprendizes em empresas brasileiras.

 

Luciano: No ano passado, 400 mil estudantes foram contratados.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Luciano Seixas.

 

Luciano: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Cursos de formação para 190 mil professores em todo o país.

 

Luciano: O anúncio foi feito hoje e vai contar com investimentos de R$ 1 bilhão.

 

Gabriela: E atenção, professores, os editais para as bolsas de formação já saem amanhã.

 

Repórter Pablo Mundim: Ser médico sempre foi o sonho da Lígia Buena Louzada. Ela concluiu há pouco tempo uma importante etapa no curso de medicina, a residência. No caso dela, não foi apenas uma, mas sim duas residências: clínica médica e nefrologia. Para Lígia, a teoria somada à prática foi fundamental na sua formação profissional.

 

Médica - Lígia Buena Louzada: Tem situações que a gente acha que são coisas raras nos livros e que a gente vê muito na nossa prática, isso é muito comum, e por isso a importância da residência, porque tem coisas que você só vê na prática.

 

Repórter Pablo Mundim: Assim como é feito no curso de medicina, agora os professores da educação básica também vão passar por uma residência pedagógica. A novidade faz parte da Política Nacional de Formação de Professores do Ministério da Educação. E, a partir dessa quinta-feira, os editais para concorrer às vagas vão ser publicados no Diário Oficial da União. Para residência pedagógica, vão ser oferecidas 45 mil bolsas. Outras 45 mil vagas vão estar disponíveis dentro do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. E outras cem mil bolsas para a Universidade Aberta do Brasil. O ministro da Educação, Mendonça Filho, acredita que a residência pedagógica vai melhorar o desempenho dos alunos.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: Serão atendidos, acolhidos num ambiente escolar de melhor qualidade, com educação de melhor qualidade, protegidos diante até de um quadro de flagelo que vive parte da juventude brasileira, no mar de violência que toma conta das médias e grandes cidades do Brasil.

 

Repórter Pablo Mundim: O investimento anunciado nesta quarta-feira pelo presidente da República Michel Temer é de R$ 1 bilhão. O presidente destacou que a educação é o caminho para uma economia próspera e para uma cidadania plena.

 

Presidente Michel Temer: A formação de crianças e jovens é, na verdade, o grande alicerce para uma economia próspera, para uma democracia vibrante e para uma cidadania plena. Daí, naturalmente, o empenho que todos temos em modernizar a educação no nosso país.

 

Repórter Pablo Mundim: Para concorrer a uma das bolsas, que variam de R$ 650 a R$ 1,5 mil, o professor em formação precisa apresentar um projeto. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Luciano: O Governo deve abrir, ainda este ano, concursos públicos para contratação de novos policiais federais e rodoviários federais.

 

Gabriela: Essa é uma das medidas do novo Ministério da Segurança Pública.

 

Luciano: O ministro Raul Jungmann apresentou outras medidas para o combate à criminalidade e à corrupção.

 

Repórter Paulo La Salvia: O Governo vai abrir concurso público para contratar 500 policiais federais e 500 policiais rodoviários federais. O anúncio foi feito pelo ministro da Segurança Pública Raul Jungmann, ao apresentar as primeiras medidas da nova pasta. Os concursos devem ser feitos ainda neste ano. Para realizar todas as ações, o Ministério não vai ter bloqueio de recursos. Para Raul Jungmann, o Ministério tem duas metas.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: O combate à corrupção e o combate à criminalidade não são excludentes, são ambos prioritários e que, obviamente, nós alocaremos recursos de acordo com as necessidades, de acordo com a demanda. Ambos são essenciais para a garantia e a manutenção da ordem que nós queremos sempre republicana.

 

Repórter Paulo La Salvia: Entre as novas medidas na área, o ministro informou que 20 delegados da Polícia Federal vão ser deslocados para o combate à corrupção. A Força Nacional de Segurança Pública deve se tornar permanente. Presídios federais vão ser incluídos no Programa de Parcerias de Investimentos, para agilizar as construções. Vão ser ampliados de 30 para 300 os postos de videomonitoramento em rodovias federais e vai ser aumento de 150 para 300 o número de agentes federais nas fronteiras. O Ministério vai ter um orçamento de R$ 2,7 bilhões. Raul Jungmann adiantou que novos recursos devem ser anunciados nesta quinta-feira pelo presidente Michel Temer, durante a reunião com os governadores de todo o país.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: Amanhã, o Sr. Presidente da República estará recebendo os senhores governadores de todos os estados brasileiros, e que, portanto, os números dos recursos adicionais, de recursos que venham a ser inicialmente aplicados na área, eles estarão, evidentemente, sob a responsabilidade e o anúncio do Sr. Presidente da República.

 

Repórter Paulo La Salvia: Raul Jungmann afirmou que pretende se encontrar em março com ministros de Segurança Pública de países da América do Sul, para discutir a situação das fronteiras. O ministro defendeu, ainda, que a Operação Lava Jato, que apura desvios na Petrobras, continua sendo uma prioridade do Governo. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: E o ministro Raul Jungmann conheceu hoje um sistema que vai tornar mais transparente todas as informações sobre presos do país.

 

Luciano: O cadastro está sendo feito pela Justiça e vai ser mais uma ferramenta de combate à criminalidade.

 

Repórter João Pedro Neto: O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, acompanhou a apresentação da presidente do Conselho Nacional de Justiça e do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmen Lúcia, sobre o Banco Nacional de Monitoramento de Prisões. O sistema vai reunir num único local informações sobre a situação de cada pessoa que entra e sai do sistema prisional ou é procurada pela Justiça, como explicou a ministra Carmen Lúcia.

 

Ministra - Carmen Lúcia: Esse cadastro vai comprovar detidamente, taxativamente, quem é o cidadão preso, onde ele está, a que título está, por quanto tempo ele lá está. Então, é a necessidade desses dados precisos que nós vamos ter com o cadastro.

 

Repórter João Pedro Neto: O sistema está em fase de implantação e a expectativa é que esteja pronto em maio, quando todos os estados devem ter terminado de incluir as informações. Esse banco de dados vai ser atualizado em tempo real, permitindo o acompanhamento online por autoridades, servidores e pelo cidadão, dando maior controle sobre o cumprimento das ordens de prisão e possibilitando um diagnóstico preciso do sistema prisional do país. O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que a ferramenta é importante para combater a criminalidade. Segundo ele, existem condições para enfrentar e vencer o crime e, para isso, é necessário aplicar as leis e respeitar os direitos dos presos.

 

Ministro da Segurança Pública - Raul Jungmann: A humanização do sistema carcerário representa uma afirmação da civilização contra a barbárie. Não é porque alguém cometeu delitos, seja da gravidade que for, que a integridade da pessoa humana pode ser diminuída ou desdenhada. Porque se assim permitirmos, presidente, nós nos igualamos aos criminosos, nós abrimos a porta para a barbárie.

 

Repórter João Pedro Neto: Dados do levantamento nacional de informações penitenciários, divulgados no último mês de dezembro, mostram que o Brasil tem a terceira maior população carcerária do mundo, com mais de 720 mil pessoas presas. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gabriela: 19h09 em Brasília.

 

Luciano: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Gabriela: Quatrocentos mil jovens aprendizes foram contratados no ano passado.

 

Luciano: Desenvolver e compartilhar tecnologias, esse é o objetivo de um protocolo de intenções assinado hoje entre Brasil e Israel, para fortalecer a cooperação entre os dois países na área de ciência e inovação.

 

Gabriela: Israel deve repassar ao Brasil conhecimento sobre o processo que permite retirar o sal da água do mar, o que pode amenizar a crise hídrica no nosso país. É o que explica o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: Vai nos ajudar, em especial no Nordeste, a, em pouco tempo, ter condições de ter um abastecimento de água mais regularizado, maior e, com isso, contribuindo para fazer com que as secas sejam um problema menor no Nordeste.

 

"Fórum Mundial da Água - Compartilhando ideias e soluções".

 

Luciano: Com o crescimento da tecnologia nas últimas décadas, é possível utilizar água na agricultura com racionalidade e sem desperdício.

 

Gabriela: E é para debater soluções que agricultores de todo o país também vão ter espaço no Fórum Mundial da Água, que será realizado em março, aqui em Brasília.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Brasil é um país com muitos recursos hídricos, mas cerca de 70% dessa água é usada na agricultura. Para o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, João Martins, a garantia de que o país continue sendo uma potência na produção de alimentos passa pelo uso sustentável da água.

 

Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil - João Martins: A água vai ser essencial para nós darmos o grande salto. O Brasil tem a quarta maior potencialidade possível irrigável de terra, então, só vai ser possível se nós partirmos para a irrigação.

 

Repórter Márcia Fernandes: E foi justamente para não desperdiçar nenhuma gotinha de água que, há dez anos, a irrigação por gotejamento foi o método escolhido na chácara do produtor Sérgio Reis, em Brazlândia, região administrativa do Distrito Federal. A tecnologia é simples: A água passa por canos e é levada diretamente para a raiz das plantas. Assim, não há desperdício, como conta o produtor.

 

Produtor - Sérgio Reis: Você joga o adubo por baixo, já vai direto na raiz da planta. Economiza água, energia e já é um ponto bom para a gente, porque quanto menos a gente perder, quanto menos a gente gastar, a gente tem de lucro para a gente.

 

Repórter Márcia Fernandes: A irrigação por gotejamento usada pelo Sérgio Reis é apenas uma das formas de usar a água. Os produtores podem também construir miniaçudes, para captar a água das chuvas, investir na rotação de culturas e na conservação do solo. Essas práticas, além de economizar água, diminuem a emissão de gases causadores do efeito estufa. O desafio é mostrar para todos, pequenos e grandes agricultores, a importância desse tipo de tecnologia, como explica o pesquisador da Embrapa, Lineu Rodrigues.

 

Pesquisador - Lineu Rodrigues: Uma parte dos produtores já faz isso, mas nosso desafio hoje é fazer com que grande parte dos produtores se apropriem dessas tecnologias.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Fórum Mundial da Água vai ser realizado em Brasília, de 18 a 23 de março. Trinta mil pessoas de mais de cem países são esperadas. É a primeira vez que o Fórum ocorre num país da América do Sul. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Luciano: De um lado a economia em recuperação, queda dos juros e da inflação.

 

Gabriela: Mas ainda há desafios. Hoje, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico divulgou relatório que mostra o caminho percorrido pelo Brasil e indica medidas que podem melhorar as condições do país.

 

Luciano: Informações importantes que podem nortear ações e políticas para que o Brasil continue no ritmo de crescimento.

 

Gabriela: E esse crescimento sustentável faz com que o país seja o mais próximo, entre seis candidatos, a ingressar na organização, como disse hoje o secretário-geral da OCDE.

 

Repórter Luana Karen: O relatório da OCDE estima que uma maior eficiência dos gastos públicos pode resultar numa economia de até 7,9% do PIB. Para tornar a gestão pública mais eficiente, a organização recomenda o ajuste fiscal por meio de cortes permanentes de gastos, é o que afirma Ángel Gurría, secretário-geral da OCDE.

 

Secretário-geral da OCDE - Ángel Gurría: Uma questão aqui muito importante é a sustentabilidade das finanças públicas, no médio e longo prazo.

 

Repórter Luana Karen: O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, destacou que muitas das sugestões apontadas no relatório já estão sendo postas em prática no Brasil.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: O relatório, ele basicamente confirma tudo aquilo pelo qual temos trabalho e tudo aquilo que estamos propondo e que já foi realizado. Toda essa série de medidas, que definem um novo caminho, um novo parâmetro fiscal para o país.

 

Repórter Luana Karen: A organização também traz recomendações para melhorar o ambiente de negócios, como a redução das tarifas de importação, a unificação de impostos estaduais e federais sobre o consumo e a destinação dos empréstimos do BNDES para áreas onde o setor privado tem dificuldade de operar. A medida tem o potencial de gerar mais investimentos, gargalo também identificado pelo ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Diogo Oliveira.

 

Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Diogo Oliveira: Precisamos adotar um conjunto amplo de ações, para simplificar o processo de investimento, facilitar o desenvolvimento dos mercados de capitais em apoio aos setores privados, dinamizar o mercado de longo prazo de crédito, facilitar o acesso dos investidores a esse mercado.

 

Repórter Luana Karen: O Brasil aguarda avaliação sobre o pedido de ingresso como membro pleno da OCDE, feito em maio do ano passado. O presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, fala da importância do ingresso do Brasil no grupo.

 

Presidente do Banco Central - Ilan Goldfajn: Tende a aumentar a confiança no país e assim atrair mais negócios, repercutindo positivamente não só no crescimento, mas, sobretudo, no ambiente macroeconômico e, em especial, no custo de financiamento da dívida soberana, beneficiando a economia brasileira.

 

Repórter Luana Karen: A organização reúne 35 países para troca de experiências em políticas públicas e medidas para o desenvolvimento econômico. Reportagem, Luana Karen.

 

Luciano: Mais de 600 mil estudantes tiveram a oportunidade de entrar no mercado de trabalho no ano passado, pelo programa Aprendizagem Profissional.

 

Gabriela: Nele, médias e grandes empresas contratam esses jovens, que fazem cursos e têm uma experiência prática no mercado, no contraturno escolar.

 

Luciano: Uma forma de preparar os estudantes e também de combater o trabalho infantil.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Juliana Pereira tem 15 anos e sonha em ser médica. Faz oito meses que ela é jovem aprendiz em um hospital de Brasília. Juliana afirma que a experiência profissional fez com que tivesse mais certeza da carreira que quer seguir.

 

Jovem aprendiz - Juliana Pereira: Me dei muito bem, eu estou gostando muito e isso fez com que eu mudasse de ideia. Estou gostando mesmo e eu quero até fazer medicina.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A Juliana faz parte dos quase 400 mil jovens aprendizes que foram contratados no ano passado no país. Para Lucas Motta, coordenador-geral de Aprendizagem e Estágio do Ministério do Trabalho, mesmo com os números de contratações serem praticamente os mesmos em relação a 2016, o saldo é positivo.

 

Coordenador-geral de Aprendizagem e Estágio - Lucas Motta: O Ministério do Trabalho, cerca de 110 mil inserções desses jovens nesse ano de 2017 se deram justamente através da fiscalização. Então foi o Ministério, na ponta, obrigando essas empresas a contratarem.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: As médias e grandes empresas precisam cumprir uma cota e ter no seu quadro de funcionários entre 5% e 15% de jovens aprendizes. E para quem pensa que ser jovem aprendiz é só mais uma experiência profissional, a história do Pedro Henrique, de 19 anos, prova o contrário. Depois de dois anos trabalhando como aprendiz, ele foi contratado, teve o salário dobrado e afirma que o programa mudou a sua trajetória profissional.

 

Entrevistado - Pedro Henrique: Quando a gente entra aqui na empresa, a gente tem essa visão de querer crescer, de querer se tornar um profissional, porque a gente entra como estagiário, um cargo bem simples. E quando a gente vê o reconhecimento na empresa, em cima da gente, efetivando a gente como profissional da empresa mesmo, é muito gratificante.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: E as empresas que cumprem a sua parte também têm benefícios, como explica Ana Paula Nogueira, gerente regional de Recursos Humanos de um hospital de Brasília.

 

Gerente de Recursos Humanos - Ana Paula Nogueira: Então a gente faz todo o desenvolvimento, ele aprende, ele conhece, já sabe a cultura da empresa, então, sempre que tem oportunidade, nós priorizamos esses aprendizes.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Podem participar do programa Aprendizagem Profissional jovens de 14 a 24 anos. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Gabriela: 19h18 em Brasília.

 

Luciano: Imagine não ter mais que fazer as tarefas domésticas, como lavar louça, limpar a casa.

 

Gabriela: É possível que esse equipamento seja criado no futuro por um aluno aqui do Distrito Federal.

 

Luciano: Isso tudo por causa de um programa do Ministério da Educação que vai levar o ensino da robótica para cerca de 5 mil escolas do país.

 

Gabriela: O repórter João Pedro Neto conheceu esse pequeno grande inventor e conta a história para a gente.

 

Repórter João Pedro Neto: Componentes eletrônicos, sistemas, circuitos e conexões, tudo junto. Jovens que constroem robôs. O Davi Moreira, com dez anos, já sabe que tipo de máquina quer criar.

 

Estudante - Davi Moreira: Eu queria fazer um robô que faça a ajuda para os idosos, de só ficarem sentados e os robôs fazerem tudo, limpar a casa, lavar a louça, fazer comida.

 

Repórter João Pedro Neto: O ensino de robótica, no Centro de Ensino Fundamental 8, de Sobradinho, no Distrito Federal, onde estuda o Davi, começou há menos de dez anos e, desde então, vem sendo aperfeiçoado. Até que, no ano passado, um grupo de alunos da escola alcançou o terceiro lugar na categoria nacional da Olimpíada Brasileira de Robótica, com o projeto de um carrinho automatizado para resgate, como conta um dos integrantes, o Rodrigo Pereira, de 17 anos.

 

Estudante - Rodrigo Pereira: O robô teria que passar por diversos obstáculos e, no final, resgatar uma vítima, que seria no caso a bolinha, porque é um protótipo. E nós conseguimos ficar em terceiro lugar na nacional de robótica.

 

Repórter João Pedro Neto: E o Governo Federal está investindo para ampliar o ensino de robótica na rede pública. Estão previstos R$ 100 milhões para compra de kits que vão ser usados nas aulas e também para formação de professores. Segundo o secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Rossieli Soares, o investimento está em linha com o que prevê a Base Nacional Comum Curricular.

 

Secretário de Educação Básica - Rossieli Soares: O trabalho de fazer, de desenvolver, de pensar através da robótica, tem sido um sucesso em muitos casos. Na Base Nacional Comum Curricular, que foi recentemente aprovada, um dos grandes debates é: como a gente traz mais o trabalho de codificação, programação, dentro da educação básica. E a robótica traz todos esses ingredientes.

 

Repórter João Pedro Neto: As aulas na escola de Sobradinho começam desde cedo, com conteúdo mais básico para os alunos menores, e seguem até os anos finais do Ensino Médio. O professor Alexandre Zeitune diz que os estudantes colocam em prática o que aprendem na teoria. E para ele, a robótica ajuda no desenvolvimento de várias formas.

 

Professor - Alexandre Zeitune: A robótica é a prática do que eles estão vendo no dia a dia, nas aulas teóricas em física, ciências, matemática. Nós precisamos preparar os nossos alunos, que são do século XXI, para o século XXI. A gente precisa preparar esses alunos para esse profissional do futuro.

 

Repórter João Pedro Neto: O investimento para a ampliação do ensino de robótica está incluído na política de inovação Educação Conectada, que, entre outras ações, pretende universalizar o acesso à internet de alta velocidade nas escolas e promover o uso de conteúdos educacionais digitais em sala de aula. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Luciano: Duzentas e setenta toneladas de leite em pó foram doadas para as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais, as APAEs, do Rio Grande do Sul.

 

Gabriela: Os produtos vão atender 18 mil crianças e pessoas com deficiência em 205 APAEs do estado.

 

Repórter André Luís Gomes: Em Canoas, no Rio Grande do Sul, foram entregues 80 toneladas de leite para 31 unidades da região metropolitana de Porto Alegre. O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, destacou que a doação fecha um ciclo que beneficia tanto as pessoas atendidas pelas APAEs como os agricultores familiares que enfrentavam uma crise e tiveram a produção de leite adquirida por um preço justo.

 

Ministro do Desenvolvimento Social - Osmar Terra: Então, isso vai dar um alento ao pequeno produtor e, ao mesmo tempo, esse leite, nós vamos transformar, vamos levar para a área social, para quem mais precisa, né? No caso aqui nós estamos fazendo uma entrega para as APAEs.

 

Repórter André Luís Gomes: As prefeituras ficarão encarregadas do transporte do leite dos armazéns da Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab, até as associações. O presidente da Federação das APAEs do Rio Grande do Sul, Afonso Tochetto, reforçou que o leite em pó será suficiente para atender a alimentação das crianças até dezembro.

 

Presidente da Federação das APAEs do Rio Grande do Sul - Afonso Tochetto: E isso veio ajudar, e muito, porque é um investimento a menos que a APAE vai fazer. Então, esse leite veio na hora certa e de suma importância.

 

Repórter André Luís Gomes: O leite também vai ser distribuído para pessoas atendidas pela rede socioassistencial e de ensino, além de restaurantes populares e bancos de alimentos. O produto também vai compor as cestas de alimentos destinadas a indígenas e quilombolas. Reportagem, André Luís Gomes.

 

Luciano: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Luciano: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU e, em seguida, as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Luciano: Boa noite e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".