29 de dezembro de 2017

Destaques da Voz do Brasil: Mais recursos para estados e municípios. Governo libera R$ 3 bilhões de reais para obras de saneamento básico, educação e saúde. Conta de luz mais barata. Em janeiro bandeira tarifária volta a ser verde. 2 mil militares das Forças Armadas vão reforçar segurança no Rio Grande do Norte. Véspera de Ano Novo! E para quem vai viajar de carro, a Polícia Rodoviária Federal está com uma operação para garantir uma viagem mais tranquila.

audio/mpeg VOZ291217.mp3 — 46735 KB




Transcrição


Apresentadora Alessandra Bastos: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Apresentadora Alessandra: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 29 de dezembro de 2017.

 

Alessandra: E vamos ao destaque do dia. Mais recursos para estados e municípios. Governo libera mais de R$ 3 bilhões para obras de saneamento básico, educação e saúde.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil do hoje.

 

Alessandra: Conta de luz mais barata. Em janeiro, bandeira tarifária volta a ser verde. Eduardo Biagini.

 

Repórter Eduardo Biagini: Isso significa que não vai haver cobrança extra na conta.

 

Gabriela: Dois mil militares das Forças Armadas vão reforçar segurança no Rio Grande do Norte. Nathália Koslyk.

 

Repórter Nathália Koslyk: Eles devem atuar no patrulhamento das ruas por 15 dias, com prazo podendo ser renovado.

 

Alessandra: Véspera de ano novo. E para quem vai viajar de carro a Polícia Rodoviária Federal está com uma operação para garantir uma viagem mais tranquila.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil: Gabriela Mendes e Alessandra Bastos.

 

Alessandra: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Mais investimentos para obras de coleta e tratamento de esgoto e abastecimento de água para a população.

 

Alessandra: Cerca de 20 cidades de quatro estados vão receber os recursos de quase R$ 1 bilhão previstos no Programa Agora É Avançar.

 

Repórter João Pedro Neto: Os contratos assinados liberam cerca de R$ 950 milhões em financiamentos para obras de saneamento ambiental em mais de 20 municípios de quatro estados: Espírito Santo, Goiás, Pernambuco e Rio Grande no Sul. Os recursos são do FGTS e vão ser usados em obras de esgotamento sanitário e abastecimento de água, é o que explica o ministro das Cidades, Alexandre Baldy.

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: Concluímos, em 2017, todos os investimentos realizados na área de saneamento, são mais de R$ 4,1 bilhões em vários estados do Brasil e no último dia do ano demonstramos aqui o nosso esforço, o nosso empenho, que é realmente o momento do avançar, de entregar investimentos, realizações, obras que beneficiarão, neste caso, saúde pública, que é saneamento em todos as regiões que hoje estão sendo atendidas.

 

Repórter João Pedro Neto: O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, destacou a importância do investimento para que o Brasil possa melhorar os índices de saneamento básico no país.

 

Presidente da Caixa Econômica Federal - Gilberto Occhi: Que nós tenhamos um pensamento avançado cada vez mais nessa questão do saneamento no Brasil, para que a gente possa sair dos índices ainda muito baixos em diversas regiões brasileiras, para que nós passamos, ou através das próprias companhias de saneamento, ou através de parcerias e concessões, que nós possamos cada vez mais investir.

 

Repórter João Pedro Neto: O ministro-chefe na Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, destacou a retomada forte dos investimentos do Governo Federal nesse setor em 2017.

 

Ministro-chefe na Secretaria-Geral da Presidência - Moreira Franco: Todos nós sabemos que um dos maiores problemas na qualidade de vida, sobretudo, dos mais pobres, é o saneamento. Por isso, essa retomada significa mais um passo muito forte. É um avanço significativo na melhoria da qualidade de vida da população brasileira.

 

Repórter João Pedro Neto: Com os contratos assinados hoje, a Caixa soma recursos da ordem de R$ 8,5 bilhões alocados no setor de infraestrutura em 2017. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Gabriela: E o governo vai repassar R$ 2 bilhões a todas as prefeituras do país.

 

Alessandra: A verba vai ser repartida conforme a proporção que cada prefeitura recebe no Fundo de Participação dos Municípios.

 

Gabriela: O dinheiro deve ser usado de forma preferencial nas áreas de saúde e educação.

 

Alessandra: O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou que o repasse vai auxiliar os municípios que passam por dificuldades financeiras.

 

Ministro-chefe da Secretaria de Governo - Carlos Marun: O governo, no início de 2018, promoverá um apoio financeiro aos municípios no valor do R$ 2 bilhões com o objetivo de auxiliar os municípios brasileiros que, desde 2015, vêm atravessando sucessivas situações de penúria. Isso é um reconhecimento de que os cidadãos brasileiros vivem nos municípios e é uma iniciativa do governo Temer com o objetivo de melhorar a qualidade de vida de todos os brasileiros e brasileiras.

 

Gabriela: Entre os meses de setembro e novembro o Brasil atingiu a menor taxa de desemprego do ano.

 

Alessandra: A taxa de desocupação, de 12%, é 0,6% menor em relação ao trimestre anterior, de junho a agosto.

 

Gabriela: Isso significa mais pessoas no mercado de trabalho e que voltaram a ter renda, mostrando a recuperação da economia do país.

 

Repórter Raissa Lopes: Após um ano desempregado, o carioca Kevin Souza conseguiu, no mês passado, emprego com carteira assinada na construção civil. Ele conta que passou necessidade e que começar trabalhar foi um alívio.

 

Entrevistado - Kevin Souza: Ah, é muito bom, né, para estar ajudando em casa, na despesa, estar podendo estar comprando o que a gente quer. O trabalho edifica o homem, né?

 

Repórter Raissa Lopes: Kevin é dos 887 mil brasileiros que começaram a trabalhar nos últimos três meses. Os dados são da Pnad, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Segundo o IBGE, 12% da população não estavam trabalhando no trimestre avaliado. Esse é a menor taxa de desemprego do ano, como explica o coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

 

Coordenador de trabalho e rendimento do IBGE - Cimar Azeredo: Essa redução ela se deu principalmente em função do aumento de trabalhadores, ou seja, aumentou a população ocupada em relação ao trimestre passado, em relação também ao ano passado.

 

Repórter Raissa Lopes: O trabalho informal contribuiu para manter a tendência de alta do emprego registrado nos últimos meses. No trimestre de setembro a novembro 411 mil pessoas trabalhavam sem carteira assinada, número 3,8% maior do que o trimestre anterior. Segundo Cimar Azeredo, o crescimento do trabalho informal é sempre percebido quando o país está se recuperando de uma crise econômica.

 

Coordenador de trabalho e rendimento do IBGE - Cimar Azeredo: O processo de uma recuperação tem aquele primeiro momento onde você vai ter uma entrada de trabalho informal bastante expressiva e depois isso tende a se reverter, isso se olhando para crises passadas, ou seja, você tem a entrada do trabalho for conta própria, você tem a entrada sem carteira e depois você tem um processo de geração de vagas com carteira, a indústria volta a crescer, a construção também.

 

Repórter Raissa Lopes: A pesquisa mostrou ainda que no período 33,2 milhões de pessoas trabalhavam com carteira assinada e 23 milhões por conta própria. A renda média do trabalhador no trimestre também aumentou e fechou novembro com R$ 2.142. Reportagem Raissa Lopes.

 

Alessandra: E a partir de segunda-feira começa a valer do novo salário mínimo, R$ 954,00.

 

Gabriela: O aumento é de R$ 17 em relação ao valor em vigor, de R$ 937.

 

Alessandra: O decreto com o novo valor foi assinado hoje pelo Presidente Michel Temer.

 

Gabriela: Pela fórmula que corrige o mínimo, o reajuste é resultado da soma da inflação do ano anterior e do crescimento da economia de dois anos antes.

 

Alessandra: Janeiro começa com bandeira tarifária verde, ou seja, sem custo adicional para os consumidores nas contas de luz.

 

Gabriela: A cor verde indica condições favoráveis de geração de energia, e, por isso, ela fica mais barata.

 

Alessandra: A Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica, lembra, que, mesmo com a bandeira verde, é importante combater o desperdício de energia elétrica.

 

Repórter Eduardo Biagini: Dois mil e dezoito começa com bandeira verde para os brasileiros, isso quer dizer que o consumidor não vai ter que pagar por nenhum acréscimo na conta de luz. O anúncio feito nessa sexta-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, quer dizer que as condições de geração de energia estão favoráveis. Nos últimos meses a bandeira seguia vermelha por conta da volta de chuvas e do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas. Apesar do resultado positivo, a Aneel lembra que é importante manter as ações de combate ao desperdício de energia elétrica. As bandeiras tarifárias verde, amarela e vermelha são uma forma de dividir com o consumidor os bons e maus momentos. Quando chove bastante e os níveis de águas das hidrelétricas estão altos, a conta de luz fica mais barata. Quando não há água e o custo para se produzir aumenta, a conta fica mais cara. Eduardo Biagini para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: Dois mil militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica vão reforçar a segurança do Rio Grande do Norte.

 

Alessandra: Eles começarem a atuar hoje no policiamento das ruas e na recuperação da ordem pública.

 

Gabriela: Eles foram convocados em função da greve de bombeiros, policiais militares e civis, que já dura dez dias, provocando uma onda de assaltos e arrombamentos.

 

Repórter Nathália Koslyk: Os dois mil militares das Forças Armadas vão se deslocar para o Rio Grande do Norte nos próximos dois dias para reforçar a segurança do estado. Eles devem atuar no patrulhamento das ruas por 15 dias, com prazo podendo ser renovado. Os primeiros 500 militares chegam no estado ainda nessa sexta-feira, e o restante em até 48 horas. As Forças Armadas vão trabalhar ao lado dos cerca de 200 profissionais da Força Nacional de Segurança, que já se encontram no local. O reforço vai ser utilizado na região de Natal, capital do estado, e de Mossoró. Desde o dia 19 de dezembro, bombeiros, policiais militares e civis estão em greve, o que causou uma onda de assaltos, arrastões e arrombamentos. Para o ministro da Defesa, Raul Jungmann, a situação precisava de uma atuação do governo.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Nós chegamos à conclusão que dada a permanência do impasse e a recusa dos policiais militares e até aqui, até o presente momento, os policiais civis, de voltarem às suas atividades normais, e considerando que embora até aqui não tenhamos uma explosão, um descontrole em termos de violência, mas que ela vinha gradualmente crescendo, nós levamos ao presidente da República o nosso entendimento, a nossa avaliação de que se faz necessário uma ação de GLO, Garantia da Lei e da Ordem, deslocando tropas para a Rio Grande do Norte.

 

Repórter Nathália Koslyk: O ministro da Defesa tranquilizou a população potiguar e os turistas que viajam para lá.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Nós chegamos para garantir a vida, a tranquilidade, a propriedade e a observância da lei. Nós só deixaremos o Rio Grande do Norte em clima de tranquilidade, de segurança e de paz, que são devidas ao povo potiguar. Nós estaremos assegurando, inclusive, aos turistas que fiquem tranquilos, que tenham um ano novo tranquilo, porque as Forças Armadas estarão garantindo a tranquilidade e a paz de todos aqueles que querem celebrar.

 

Repórter Nathália Koslyk: O ministro Raul Jungmann segue para a Rio Grande do Norte na manhã deste sábado para participar das atividades de planejamento e coordenação, e permanece no local durante o Réveillon em solidariedade aos militares que estão estarão atuando. Reportagem, Nathália Koslyk.

 

Gabriela: 19h12 no horário brasileiro de verão.

 

Alessandra: Véspera de ano novo, e para vem vai viajar de carro a Polícia Rodoviária Federal está com uma operação nas estradas do país.

 

Gabriela: Daqui a pouco a gente traz as dicas para quem vai pegar a estrada ter uma viagem tranquila.

 

Alessandra: Prevenir é sempre o melhor remédio, não é mesmo, Gabriela? Principalmente contra doenças como a febre amarela.

 

Gabriela: É assim, Alessandra, e a população de São Paulo sabe disso. Saiu de casa para se vacinar.

 

Alessandra: Isso porque 26 parques da Grande São Paulo estão fechados devido a um surto da doença em animais silvestres, como macacos.

 

Gabriela: E o Governo Federal liberou R$ 16 milhões para o combate à febre amarela no estado.

 

Alessandra: Mas é sempre bom lembrar, a febre amarela é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti e toda a população tem que evitar a propagação do mosquito.

 

Repórter Ana Paula Marra: A espera em postos de saúde é por proteção. Nos últimos dois meses têm sido assim em unidades de saúde das zonas norte, sul e oeste da capital paulista, desde que a doença causou a morte de macacos em parques e áreas de proteção ambiental da cidade. Milhares de pessoas enfrentam fila para receber a vacina contra a febre amarela. É o caso da aposentada Hortência Tartarini.

 

Aposentada - Hortência Tartarini: Ah, eu venho porque a gente tem que se prevenir, né? Eu nunca tomei a vacina e revolvi participar e tomar a vacina.

 

Repórter Ana Paula Marra: Mais de 500 animais já morreram por causa da doença no Estado de São Paulo. Apesar de não transmitirem a febre amarela, a contaminação de macacos mostra a presença do vírus em uma região. Por isso, a além de imunizar a população, outra medida vem sendo tomada, o fechamento de parques e áreas verdes em locais de risco, como explica a enfermeira da Coordenadoria de Vigilância em Saúde, Luciana Ursini.

 

Enfermeira da Coordenadoria de Vigilância em Saúde - Luciana Ursini: A importância é evitar uma possível contaminação de pessoas, né, porque se você tem vírus circulando é porque tem insetos transmitindo a doença, né? Se você tem macacos adoecendo e morrendo, tem vírus ali. Se uma pessoa entrar ali, que não estiver vacinada, pode adoecer, né?

 

Repórter Ana Paula Marra: E para reforçar a prevenção da doença, o Ministério da Saúde repassou paro o Estado de São Paulo quase R$ 16 milhões. Segundo o ministro Ricardo Barros, o plano de combate à doença debatido com estados e municípios vai ser apresentado nos próximos dias.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: A nossa política está sendo articulada com estados e municípios, tivemos uma videoconferência essa semana, e anunciaremos dia 9 de janeiro a política de enfrentamento da febre amarela para o ano de 2018.

 

Repórter Ana Paula Marra: Uma dose é suficiente, mas a pessoa só fica protegida depois de dez dias. A vacina contra a febre amarela é segura, mas gestantes mulheres que amamentam bebês com menos de seis meses, crianças menores de nove meses de vida e pessoas com problemas de imunidade não devem tomá-la. Reportagem, Ana Paula Marra.

 

Gabriela: Dois mil e dezessete termina com mais de 179 mil crianças e gestantes de todo o país sendo atendidas pelo Criança Feliz.

 

Alessandra: Com o programa, crianças que participam do Bolsa Família recebem, em casa, a visita de profissionais e são estimuladas a se desenvolverem.

 

Gabriela: Os pais são orientados sobre estímulos para o desenvolvimento físico e afetivo das crianças.

 

Repórter Pâmela Santos: Na casa de Regiane Souza, de 27 anos, todo dia agora tem o momento para brincadeira. A família se reúne ao menos uma hora por brincar com os filhos. Mas nem sempre foi assim. A nova rotina veio graças à filha mais nova, Giovana, de dois anos, que está sendo acompanhada pelo programa Criança Feliz. Regiane já percebe que após a participação do programa a pequena está se desenvolvendo melhor que os dois filhos mais velhos, que não tiveram essa atenção.

 

Entrevistada - Regiane Souza: O Criança Feliz hoje está sendo um projeto maravilhoso porque incentiva a gente a saber também o que é brincar com a criança, que eu mesma não sabia o que era brincar com uma criança. A importância do desenvolvimento dela, quando for para a escola ela já sabe as cores, já sabe contar.

 

Repórter Pâmela Santos: A filha de Regiane é uma das mais de 179 mil pessoas que já estão acompanhadas pelo Criança Feliz em 1.730 municípios de todas as regiões de país. São 158 mil crianças e 21 mil gestantes. O programa, que é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social, promove o desenvolvimento infantil por meio de visitas domiciliares com orientações e atividades de estímulo passadas pelos profissionais. Ao todo, já são mais de 10 mil visitadores e 2.444 supervisores contratados. Segundo o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, o governo espera que todas as crianças tenham acompanhamento regular e semanal em casa. As orientações dos visitadores, e, principalmente, que estejam recebendo o estímulo para desenvolver sua inteligência, competências e habilidades.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: O ano que vem a gente quer chegar à maioria dessas crianças, mais de 2 milhões de crianças sendo atendidas em casa, para em 2019 chegar nos 4 milhões. E realmente é um programa que veio para ficar, tem uma força enorme e uma aceitação extraordinária da comunidade.

 

Repórter Pâmela Santos: O programa atende os beneficiários do Bolsa Família, da gestação aos três anos, e as crianças de até seis anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada, o BPC. Reportagem, Pâmela Santos.

 

Alessandra: O Réveillon está logo aí e junto com ele vem a vontade de sair de casa, pegar uma praia. No Brasil o que não faltam são destinos interessantes, as serras do Sul, a natureza na Amazônia, as chapadas do Centro-Oeste.

 

Gabriela: Pois é, Alessandra, e muita gente vai aproveitar essas paisagens. Até o mês de fevereiro os brasileiros vão fazer mais de 70 milhões de viagens pelo país.

 

Alessandra: E grande parte destas viagens são ser feitas de carro, por isso a Polícia Rodoviária Federal está com uma operação nas estradas, para garantir uma viagem mais tranquila.

 

Repórter Paulo La Salvia: Chegou o fim do ano e as pessoas querem viajar. No Aeroporto de Brasília, a expectativa é grande em relação a 2018. Segundo o Ministério do Turismo, o verão vai movimentar mais de 74 milhões de viagens pelo país entre o Natal, Carnaval e Ano Novo. Os três principais destinos são Rio de Janeiro, Florianópolis e São Paulo. A estudante de Brasília, Carolina Pontes, vai, mais uma vez, passar a virada na capital paulista, onde tem família e está animada.

 

Estudante - Carolina Pontes: Lá na paulista vendo os shows, né? Vamos ver o que tem de bom lá.

 

Repórter Paulo La Salvia: Já o pernambucano que trabalha em Brasília como arqueólogo, João Lima, escolheu Belo Horizonte como destino de Réveillon e depois vai dar uma esticada em Minas Gerais.

 

Arqueólogo - João Lima: Depois eu vou para Ouro Preto, São João Del Rey, Tiradentes e Mariana, que é ali do lado de Ouro Preto, né? Fazer um tour pelas cidades históricas.

 

Repórter Paulo La Salvia: Além dos aeroportos e terminais interestaduais de ônibus as estradas registram um movimento intenso durante as festas de Natal e Ano Novo. São nas rodovias que as pessoas se concentram para as viagens, é por isso que o trabalho da Polícia Rodoviária Federal se intensifica neste período. Desde o dia 22 deste mês, está em curso a Operação Rodovida. São mais de 10 mil agentes espalhados pelo país e o primeiro resultado já foi positivo. Redução de 30% nas mortes no Natal deste ano em relação ao do ano passado. E como prevenção é a palavra-chave ao volante, o inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Anderson Poddis dá dicas do que o motorista deve fazer antes e durante a viagem.

 

Inspetor da Polícia Rodoviária Federal - Anderson Poddis: Em primeiro lugar, não beber antes de dirigir, e, se beber, né, não dirigir, passar o volante para outra pessoa ou utilizar algum outro meio para se transportar. É muito importante que a viagem comece antes de pegar a estrada, ou seja, planejamento da viagem, a manutenção do veículo e a verificação dos equipamentos obrigatórios. Toda a atenção, ela tem que estar ligada no ato de dirigir, respeitar os limites de velocidade, respeitar a sinalização, entendendo que, ao fazer isso, muito mais do que se livrar, né, ou evitar uma multa, você vai estar contribuindo para a segurança sua, dos seus familiares e das outras pessoas que pegaram a estrada.

 

Repórter Paulo La Salvia: A Operação Rodovida está em sua sétima edição e se estende até 18 de fevereiro do ano que vem, depois do Carnaval. Reportagem, Paulo La Salvia.

 

Gabriela: E com muita gente viajando, a virada do ano também é um momento para o turismo nacional comemorar.

 

Alessandra: A estimativa do Ministério do Turismo é que apenas nas quatro das principais peças de Réveillon do país: Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza e Florianópolis, quase R$ 5 bilhões sejam movimentados nas economias locais.

 

Alessandra: 19h21 no horário brasileiro de verão.

 

Gabriela: E tem muita gente sonhando com os R$ 280 milhões de reais da Mega-Sena da Virada.

 

Alessandra: O que pouca gente sabe é que tão grande quanto os sonhos são os investimentos na área social feitos com o dinheiro dos apostadores.

 

Gabriela: Quase metade do valor das apostas vai para a educação, cultura, saúde e até mesmo para os clubes de futebol.

 

Repórter Cleide Lopes: A Mega da Virada deve pagar o maior prêmio da história das loterias, nada menos que R$ 280 milhões no dia 31 de dezembro. Sonho de milhares de brasileiros. Se aplicado na Poupança, renderia R$ 1,2 milhão por mês, o suficiente para comprar um apartamento de luxo ou uma frota com 40 carros populares todo mês. Marcos Sampaio, dono de duas lotéricas em Brasília, também sonha com o prêmio e garante que o seu estabelecimento é pé-quente.

 

Dono de lotéricas - Marcos Sampaio: Na minha lotérica já saíram vários prêmios, da Quina, da Mega-Sena, da Loto Fácil.

 

Repórter Cleide Lopes: Você também joga?

 

Dono de duas lotéricas em Brasília - Marcos Sampaio: Bastante. Eu jogo bastante. Também quero ganhar. Pé-quente.

 

Repórter Cleide Lopes: Além de alimentar os sonhos de milhões de apostadores, as Loterias Caixa constituem uma importante fonte de recursos para o desenvolvimento social. Quase metade do total arrecadado com os jogos é repassado para investimentos em ações sociais nas áreas de seguridade social, educação, esporte, segurança, cultura e saúde, como explica a vice-presidente dos Fundos do Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal, Deusdina dos Reis Pereira.

 

Vice-presidente dos Fundos do Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal - Deusdina dos Reis Pereira: Vamos destacar aqui a Seguridade Social, o Fundo Penitenciário, o Fundo Nacional da Cultura, também o Fies, que recebe um bom montante desse valor, e também para o Ministério dos Esportes, fazemos repasses, incluindo aí o COB, que é o Comitê Olímpico Brasileiro, e o Comitê Paraolímpico Brasileiro, além dos clubes de futebol, que também recebem uma boa parcela.

 

Repórter Cleide Lopes: De janeiro a novembro deste ano, as Loterias da Caixa registraram uma arrecadação de R$ 12 bilhões, um crescimento de quase 9% em relação a 2016. Para Deusdina, o aumento na arrecadação é sinal positivo, de que a economia está em ritmo de crescimento.

 

Vice-presidente dos Fundos do Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal - Deusdina dos Reis Pereira: Isso já demonstra um certo reaquecimento na economia, as pessoas com mais condições de apostar.

 

Repórter Cleide Lopes: O Ministério da Cultura elabora Projeto de Lei para também destinar recursos das loterias federais para projetos culturais. Segundo o ministro da Pasta, Sérgio Sá Leitão, isso renderia à cultura cerca de R$ 350 milhões. O maior investimento já feito na história do país. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Alessandra: O prazo para que produtores e agricultores façam a inscrição no Cadastro Ambiental Rural, foi prorrogado.

 

Gabriela: A inscrição, que poderia ser feita até dia 31 de dezembro, foi prorrogada para o dia 31 de maio do ano que vem.

 

Alessandra: O Cadastro Ambiental Rural é o registro que produtores e agricultores devem fazer pela internet para informar o tamanho da propriedade e áreas de preservação.

 

Gabriela: A inscrição é obrigatória para todos os imóveis rurais do país.

 

Alessandra: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Alessandra: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite. Um bom fim de semana e um feliz ano novo.

 

Alessandra: E segunda-feira, 1º janeiro, não tem Voz do Brasil. A gente volta na terça. Boa noite para você e um ótimo 2018 a todos nós.

 

"Brasil, ordem e progresso".