30 de agosto de 2018 - poder executivo

Destaques da Voz do Brasil: Ministro da Saúde convoca pais e responsáveis. É que a campanha de vacinação contra a polio e o sarampo termina amanhã. E 2,5 milhões de crianças precisam ser vacinadas. 97 imigrantes deixaram Roraima para recomeçar a vida em outros estados. Processo de interiorização vai deslocar mais de 1 mil imigrantes até o fim de setembro. E vamos fazer um balanço das ações de intervenção federal na segurança do estado do Rio de Janeiro. 3 distribuidoras de energia foram leiloadas. Expectativa com as concessões é melhorar qualidade dos serviços e reduzir preços ao consumidor.

audio/mpeg VOZ300818.mp3 — 46895 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quinta-feira, 30 de agosto de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Ministro da Saúde convoca pais e responsáveis.

 

Ministro da Saúde - Gilberto Occhi: Nós fazemos em nome do Governo Federal, em nome da segurança, nome de todos um apelo à população para que leve essas crianças a serem vacinadas.

 

Nasi: É que a campanha de vacinação contra a pólio e o sarampo termina amanhã.

 

Gabriela: E 2,5 milhões de crianças precisam ser vacinadas.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil.

 

Gabriela: Hoje, 97 imigrantes deixaram Roraima para recomeçar a vida em outros estados.

 

Gabriela: Processo de interiorização vai deslocar mais de mil imigrantes até o fim de setembro.

 

Gabriela: E vamos fazer um balanço das ações de intervenção federal na segurança do estado do Rio de Janeiro, Leandro Alarcon.

 

Repórter - Leandro Alarcon: A estimativa é que pelo menos 6 milhões de cariocas tenham sido beneficiados no patrulhamento, ações em comunidades e vistoria em presídios.

 

Nasi: Três distribuidoras de energia foram leiloadas hoje.

 

Gabriela: Expectativa com as concessões é melhorar qualidade dos serviços e reduzir preços ao consumidor.

 

Nasi: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: A gente abre essa edição da Voz do Brasil fazendo uma última convocação aos pais para que levem seus filhos para vacinar contra a pólio e o sarampo.

 

Gabriela: A campanha de vacinação termina amanhã e os postos de saúde abrem cedinho, normalmente às 7h da manhã e fecham às 5h da tarde.

 

Nasi: Segundo o Ministério da Saúde, até o momento, 11 estados estão abaixo da média nacional de cobertura.

 

Gabriela: Dois milhões e meio de crianças de um a menores de cinco anos ainda precisam ser vacinadas.

 

Nasi: O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, faz o apelo para que pais e responsáveis não deixem de proteger seus filhos.

 

Ministro da Saúde - Gilberto Occhi: Boa noite a todos os brasileiros. Quem fala é o Gilberto Occhi, ministro da Saúde, e faço aqui um alerta e um apelo à nossa população. Nós estamos chegando ao fim da campanha de vacinação contra o sarampo e contra a poliomielite. É importante que todos nós, pais, responsáveis, levemos as nossas crianças aos postos de vacinação. Amanhã é o último dia da campanha, dia 31 de agosto. O dia em que nós fazemos, em nome do Governo Federal, em nome da segurança, em nome de todos um apelo à população para que leve essas crianças a serem vacinadas. Hoje nós já temos, só para alertar a todos, nós já temos aí, 15 estados brasileiros que já têm casos de sarampo, e se nós não protegermos as nossas crianças, nós teremos, claro, consequências com relação à saúde delas, algumas com algumas sequelas, podendo chegar até a morte. Então, faço esse apelo, esse alerta, dizendo que nós não queremos essas doenças mais atacando as nossas famílias, os nossos amigos, os nossos parentes, os nossos vizinhos. E espero que amanhã tenhamos todos uma grande oportunidade de proteger aqueles que mais amamos, que são os nossos filhos, que são os pequenininhos, desse país, que no amanhã poderão estar saudáveis. Muito obrigado a todos. Uma boa noite a todos.

 

Gabriela: O Ministério da Saúde orienta estados e municípios que não atingiram a meta a abrir os postos de vacinação em mais um Dia D no próximo sábado, 1º de setembro.

 

Nasi: O processo de transferência de venezuelanos de Roraima para outros estados teve, hoje, mais uma etapa.

 

Gabriela: O objetivo é desafogar o estado de Roraima, porta de entrada desses imigrantes, dando a eles a oportunidade de um emprego e de recomeçarem a vida.

Nasi: Noventa e sete imigrantes deixaram Boa Vista em direção à Brasília, Goioerê, no Paraná, e Rio de Janeiro.

 

Gabriela: É no Rio de Janeiro que está a repórter Luana Karen, que tem, ao vivo, outras informações sobre a chegada na cidade de 27 venezuelanos prevista para daqui a pouco. Boa noite, Luana.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Boa noite, Gabriela e Nasi. Boa noite a todos os ouvintes da Voz do Brasil. O voo da Força Aérea Brasileira saiu de Boa Vista, em Roraima, por volta do meio-dia, fez uma parada em Brasília, onde desceram quatro venezuelanos, depois seguiu para Curitiba, onde desembarcaram outros 70 imigrantes que seguiram de ônibus para Goioerê, cidade do interior do Paraná, a oito horas da capital. De Curitiba, o voo da FAB vem aqui para o Rio de Janeiro, onde deve chegar logo mais, às 9h da noite. Aqui no Rio vão ficar 27 venezuelanos. Eles serão encaminhados para um abrigo da igreja Assembleia de Deus. Este é o sexto processo de transferência de imigrantes venezuelanos de Roraima para outros estados, chamado de interiorização. Até aqui, já contando com a transferência desta quinta-feira, participaram do processo 1.098 migrantes venezuelanos. Ao vivo, do Rio de Janeiro, Luana Karen.

 

Nasi: E aqui em Brasília a nossa repórter Gabriela Noronha acompanhou a chegada de uma família de imigrantes venezuelanos.

 

Gabriela: São os pais e duas crianças de cinco e oito anos, que vieram em busca de casa, comida, trabalho e educação.

 

Nasi: E quem veio antes mostrou que aqui é possível encontrar uma vida melhor.

 

Repórter Gabriela Noronha: A venezuelana Estefani Espinosa e o marido Reides Infante são só sorriso em frente à nova casa. O casal chegou em Brasília com os dois filhos nesta quinta-feira no abrigo Aldeias Infantis, lugar onde esperam construir uma nova vida. Eles chegaram no Brasil este ano, Reides veio em março, e só depois que conseguiu um emprego em Boa Vista, capital de Roraima, trouxe a mulher e os filhos. Agora, ele que era pedreiro na Venezuela, quer conseguir um emprego e dar um futuro melhor para a família em Brasília.

 

Entrevistado - Reides Infante: Qualidade de vida para os meus filhos, trabalhar para ajudar minha família.

 

Repórter Gabriela Noronha: Estefani diz que está muito feliz de ter de novo uma casa e uma cozinha.

 

Entrevistada - Estefani Espinosa: Cama, casa, cozinha que para cozinhar. Estou muito contente agora.

 

Repórter Gabriela Noronha: A chegada de Reides e Estefani em Brasília faz parte da sexta etapa de interiorização de venezuelanos, promovida pelo Governo Federal. O programa é voluntário e os imigrantes são vacinados e têm os documentos regularizados antes de seguir viagem. E Yssyssay Rodrigues, coordenadora do Escritório de Campo da Organização Internacional para Migrações, explica que esse processo começou em abril e foi intensificado nessa semana.

 

Coordenadora do Escritório de Campo da Organização Internacional para Migrações - Yssyssay Rodrigues: No momento a gente está vivendo uma priorização e um impulsionamento da estratégia de interiorização. O critério é de acordo com o perfil que cada abrigo na cidade de receptoras está apto a acolher. Então, existem abrigos que acolhem famílias com crianças pequenas, por exemplo, outros abrigos que acolhem homens solteiros. A partir desse perfil que cada abrigo pode receber, nós identificamos dentro da nossa base de dados os imigrantes que estão nos abrigos no estado de Roraima quais se adequam a cada um dos destinos.

 

Repórter Gabriela Noronha: Segundo Patrícia Mello, gestora do projeto no abrigo Aldeias Infantis, o trabalho de acolhimento vai encaminhar os venezuelanos para o mercado de trabalho.

 

Gestora do projeto no abrigo Aldeias Infantis - Patrícia Mello: Já tem mapeado as unidades de ensino que atendem as crianças de cinco a oito anos, e eles inseridos na escola, fica mais fácil da inserção no mercado de trabalho, para os gestores já tem algumas ofertas em vistas. A gente faz todo o mapeamento dessa vaga, condições de contratação, jornada de trabalho, salário, né? Para a gente conseguir garantir os direitos trabalhistas dessas pessoas.

 

Repórter Gabriela Noronha: E foi graças ao trabalho no abrigo que o marido da Glades Ribas conseguiu um emprego e uma empresa de telecomunicações. Glades conta que a vida dela e da família mudou desde que chegou na capital brasileira.

 

Entrevistada - Glades Ribas: Meu esposo tem trabalho e minha filha está estudando. Estou muito agradecida.

 

Repórter Gabriela Noronha: Os quatro venezuelanos vieram num voo da Força Aérea Brasileira e se juntam a outros 50 imigrantes que chegaram em julho deste ano. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: E o Presidente Michel Temer voltou a afirmar que o governo não vai fechar a fronteira do Brasil com a Venezuela.

 

Nasi: Temer também explicou que estuda a possibilidade de distribuir senhas aos imigrantes venezuelanos que entrarem no país por Roraima, como uma forma de organização administrativa.

 

Presidente Michel Temer: Como há o ingresso muito grande de venezuelanos dia a dia, 700, 800, talvez haja a possibilidade de entrega de senhas para dois efeitos, um primeiro, é que há venezuelanos que vêm ao Brasil, a Roraima, apenas para comprar alimentos, remédios e voltam, né? Então, esta seria uma espécie, digamos, de senha. A outra senha é organizadora de modo a permitir que a vacinação seja competente e correta, que os outros elementos de natureza humanitária sejam devidamente aplicados, até porque nós estamos começando mais abundantemente uma interiorização dos venezuelanos.

 

Gabriela: A declaração do presidente Michel Temer foi dada no Rio de Janeiro, onde ele acompanhou as operações realizadas pela intervenção federal na área de segurança pública.

 

Nasi: A intervenção já completou mais de seis meses e entre os resultados estão a diminuição no roubo de veículo de cargas, além de prisões e apreensões.

 

Repórter Leandro Alarcon: Em pouco mais de seis meses de intervenção federal na área de segurança pública no Rio de Janeiro, a população já sente os resultados do combate à criminalidade. Entre os moradores não é difícil achar quem apoie a ação dos militares.

 

Entrevistado: Claro, com certeza. Está ajudando bastante a população.

 

Entrevistado: Apesar de ser uma medida excepcional, né, pela Constituição, ela é uma medida necessária no contexto que nós temos hoje, né?

 

Entrevistado: Eu acho excelente, sim. Tem que continuar a prevenção com esses problemas que nesse momento estão acontecendo aí, essa violência, né? Eu acho interessante, sim, tem que continuar.

 

Repórter Leandro Alarcon: E alguns números da intervenção colaboraram para essa percepção dos moradores. Segundo os dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro, o roubo de veículos caiu 29% em julho na comparação do mesmo mês de 2017. O roubo de cargas também caiu 19%. No roubo de rua, queda de 12% na comparação de julho desse ano com julho do por ano passado. O gabinete de intervenção federal também apresentou alguns números nesta quinta-feira. Já foram mais de 500 pessoas presas ou apreendidas e quase 200 mil revistas em veículos e pessoas. A estimativa é que pelo menos 6 milhões de cariocas tenham sido beneficiados no patrulhamento, ações em comunidades e vistoria em presídios. O comandante do Comando Conjunto da Intervenção Federal, Antônio Manoel de Barros, explica que as ações com militares aumentaram depois da intervenção.

 

Comandante do Comando Conjunto da Intervenção Federal - Antônio Manoel de Barros: Da intervenção para cá realizamos mais cem operações. Para termos uma ideia, da decretação da garantia da lei e da ordem do ano passado até fevereiro foram 20, diversos tipos de atuação e sempre integrado com os órgãos de segurança pública aqui do estado do Rio de Janeiro.

 

Repórter Leandro Alarcon: Pelo menos até 31 dezembro a segurança pública do estado, que reúne as Polícia Civil e Militar, o Corpo de Bombeiros e o sistema penitenciário, está sob intervenção federal. O Presidente Michel Temer esteve no Rio de Janeiro nesta quinta-feira para conhecer as operações em andamento. Para o presidente, a integração entre as forças policiais está trazendo mais segurança à população.

 

Presidente Michel Temer: A exposição que aqui foi feita revela a integração das forças militares com comando dos bombeiros, Polícia Militar, Polícia Civil, com... enfim, Polícia Federal, Rodoviária Federal, não é? Hipotecados à questão da segurança pública. E nos últimos dias o número de prisões cresceu substancialmente, portanto, daqueles que praticam ilícitos. Em segundo lugar, o número de apreensão de cocaína, maconha, também cresceu substancialmente, portanto, dando o resultado dessa intervenção. E ressaltando, mais uma vez, esta cooperação extraordinária que existe entre o Governo Federal, em, portanto, o senhor interventor, o governo estadual, o governo municipal e mesmo a sociedade do Rio de Janeiro.

 

Repórter Leandro Alarcon: A intervenção federal já treinou mais de 1,3 mil policiais para o policiamento nas ruas. A meta é ainda treinar outros 2,5 mil agentes de segurança até o fim do ano. Do Rio de Janeiro, Leandro Alarcon.

 

Gabriela: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Nasi: Mais três distribuidoras de energia foram a leilão hoje.

 

Gabriela: E a expectativa com as concessões é melhorar qualidade dos serviços e reduzir preços ao consumidor.

 

Nasi: O sistema de tráfego aéreo deve passar por mudanças no país.

 

Gabriela: O governo divulgou, hoje, uma resolução que prevê a realização de uma parceria público-privada para a gestão da rede usada pelo comando da Aeronáutica para a defesa e controle do tráfego aéreo.

 

Repórter Pablo Mundim: Nos últimos anos cresceu o número de brasileiros que utilizam o transporte aéreo dentro do país. Somente em 2017, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil, a Anac, mais de 90 milhões de passageiros foram transportados em voos domésticos. E o controle do sistema aéreo brasileiro é feito pelo comando da Aeronáutica. E para atrair mais investimentos para o setor o Governo Federal vai lançar uma licitação de R$ 4,6 bilhões para criar um novo sistema de comunicação para o controle de tráfego aéreo. O contrato será por meio do parceria público-privada, modelo em que a empresa vencedora será responsável pelo aporte de investimentos. Segundo o ministro da Secretaria-Geral, Ronaldo Fonseca, o contrato vai trazer benefícios para o passageiros e economia para o governo.

 

Ministro da Secretaria-Geral - Ronaldo Fonseca: O governo está contratando gestão, contratando serviços. Hoje o comando da Aeronáutica já opera com 68 empresas. Esta PPP vai resumir apenas numa empresa, e nós teremos, já de entrada, uma vantagem para o governo que é um custo menor em cerca de 35%.

 

Repórter Pablo Mundim: O chefe da Divisão Técnica da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo, coronel engenheiro André Eduardo Jansen, avalia que a parceria vai gerar mais eficiência ao sistema aéreo brasileiro.

 

Chefe da Divisão Técnica da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo - André Eduardo Jansen: À medida que a gente ganha flexibilidade na gestão das nossas redes, a gente consegue estar adaptado às novas demandas operacionais e com a aplicação dessas novas tecnologias em termos de controle do espaço aéreo, a gente vai permitir voos mais diretos, mais efetivos.

 

Repórter Pablo Mundim: De acordo com o edital de licitação, a empresa vencedora terá que fazer investimentos imediatos de R$ 1,4 bilhão e mais de R$ 2 bilhões ao lanço na vigência do contrato, que terá duração de 25 anos, podendo ser prorrogado. A Força Aérea Brasileira, a FAB, será responsável pela fiscalização e supervisão das atividades exercidas pela parceira privada. A previsão é que o edital seja lançado em setembro e o leilão realizado no mês de novembro. Reportagem, Pablo Mundim.

 

Nasi: O governo leiloou, hoje, três distribuidoras de energia da Eletrobras.

 

Gabriela: Foram concedidas à iniciativa privada a Companhia de Eletricidade do Acre, Eletroacre, Centrais Elétricas de Rondônia, Ceron, e Boa Vista Energia de Roraima.

 

Nasi: As três fazem parte do conjunto de seis distribuidoras que o governo pretende privatizar até o fim do ano.

 

Gabriela: Para o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, que acompanhou o leilão, o objetivo das concessões é garantir a qualidade do serviço com um preço final mais justo para os consumidores.

 

Ministro de Minas e Energia - Moreira Franco: E com isso nós estamos cumprindo o nosso objetivo, que é perseguir a garantia de energia limpa, de qualidade, com eficiência, com robustez e a preços justos.

 

Nasi: O Brasil tem duas usinas nucleares em funcionamento e uma em construção.

 

Gabriela: Usinas que podem reforçar o abastecimento de energia elétrica no país.

 

Nasi: O combustível dessas usinas é o urânio, que precisa passar por um processo chamado de enriquecimento antes de alimentar as centrais.

 

Gabriela: E o Brasil colocou oficialmente em operação, nesta quinta-feira, equipamentos que vão aumentar a capacidade do país de enriquecer urânio.

 

Repórter Luana Karen: Urânio, um mineral que se transforma em combustível, que vira alimento para usinas nucleares produzirem energia. Um ciclo que ganhou reforço da instauração da sétima cascata de ultracentrífugas da Indústrias Nucleares do Brasil, em Resende, no interior do Rio de Janeiro. A nova estrutura se soma a outras seis já em funcionamento e vai permitir que o Brasil aumente em 25% a produção de urânio enriquecido e forneça o equivalente a 50% do necessário para uma recarga anual da usina de Angra I. O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, destacou que a nova estrutura deixa o Brasil mais próximo da independência em matéria de combustível nuclear.

 

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Gilberto Kassab: Num momento tão difícil, aonde mais do que nunca os recursos são limitados, nós caminhamos para a nossa independência no domínio nuclear. Isso fará com que tenhamos uma redução muito significativa dos custos vinculados às políticas públicas e aos investimentos necessários para esse domínio para a geração de energia nuclear.

 

Repórter Luana Karen: O processo de enriquecimento do urânio é o semelhante a processo de peneirar areia. O objetivo é chegar no material mais puro e concentrado possível, um trabalho que requer uma estrutura complexa. O Brasil tem a sexta maior reserva de urânio do mundo e faz parte de um seleto grupo de 12 países detentores de instalações para o enriquecimento do mineral. O presidente da Indústrias Nucleares do Brasil, Reinaldo Gonzaga, explica que a inauguração da sétima cascata de ultracentrífugas faz parte de um projeto tocado em conjunto com a Marinha, que tem como objetivo tornar o país capaz de atender plenamente as usinas de Angra I, II e III.

 

Presidente da Indústrias Nucleares do Brasil - Reinaldo Gonzaga: Mais 33 cascatas previstas para 2033. E, ao final desse processo, nós seremos autossuficientes na etapa de enriquecimento de urânio. Atualmente, no mundo, nós entramos para o grupo seleto daqueles que têm a capacidade de enriquecer urânio.

 

Repórter Luana Karen: Desde 2000 já foram investidos R$ 560 milhões no projeto e a previsão é de que até 2033 o investimento chegue a R$ 3 bilhões. De Resende, no Rio de Janeiro, Luana Karen.

 

Nasi: O Ministério da Educação divulgou hoje o resultado do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica, o Saeb.

 

Gabriela: No ano passado, 5 milhões de estudantes de escolas de todo o país passaram por uma avaliação com testes de conhecimentos e questionários.

 

Nasi: A ideia é trazer a realidade dos níveis de aprendizagem dos estudantes dentro da sala de aula.

 

Gabriela: Os dados mostram, por exemplo, que o ensino médio parou no tempo e precisa de uma reformulação.

 

Nasi: Já o ensino básico apresentou melhoras em todo os estados brasileiros.

 

Repórter Márcia Fernandes: Os dados do Saeb apontou que no Ensino médio sete em cada dez alunos não aprenderam o suficiente de português e matemática durante os 12 anos de estudo. A avaliação mostra que apenas 1,62% dos estudantes da terceira série do Ensino médio alcançaram níveis de aprendizagem adequados em português. O ministro da Educação, Rossieli Soares, defende que haja uma reforma no ensino médio para que esses problemas possam ser solucionados.

 

Ministro da Educação - Rossieli Soares: Nós temos uma série de dificuldades que precisam ser melhoradas, desde a infraestrutura das escolas à formação que a gente consegue dar para os nossos professores. Demos um passo importante no início da reforma do Ensino Médio, precisamos avançar com a Base Nacional do Ensino Médio agora para dar um norte para o país para o que a gente precisa para o ensino médio brasileiro.

 

Repórter Márcia Fernandes: Já no Ensino Fundamental, em todas as unidades da Federação, foi registrada uma melhora do aprendizado do português e da matemática. Estados como Acre, Piauí e Goiás se destacaram pelos estudantes terem aprendido mais que nas edições anteriores do Saeb. Ceará foi o estado onde os alunos de escolas de índice socioeconômico mais alto tiveram rendimento parecido com os alunos de escolas das regiões mais pobres, como destacou o ministro da Educação.

 

Ministro da Educação - Rossieli Soares: Todas as unidades da Federação apresentaram uma melhora no desempenho, tanto em português, quanto em matemática. No estado do Ceará as escolas que estão entre os 20% do índice socioeconômico mais baixo estão tendo um desempenho muito semelhante àquelas que estão em um índice socioeconômico mais alto.

 

Repórter Márcia Fernandes: Segundo o Governo Federal, no ano que vem o Saeb será ampliado. Invés de provas como a Avaliação Nacional da Alfabetização, ANA, ou o Prova Brasil, o Saeb vai concentrar todas essas avaliações. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Gabriela: E estamos na Semana do Voluntariado.

 

Nasi: E advogados da União de vários estados deixaram os gabinetes e entraram em sala de aula.

 

Gabriela: O objetivo? Explicar a importância das leis para garantir cidadania e dignidade aos pequenos cidadãos. A gente acompanhou. Vamos ouvir.

 

Repórter Bruna Saniele: O jogo futebol conta com bola, jogadores, juiz, gol, e, ultimamente, até com o famoso VAR, o árbitro de vídeo. E para tudo funcionar é preciso que todos sigam as regras.

 

Ministra da Advocacia-Geral da União - Grace Mendonça: Além do uniforme, além de tudo isso, o que é que a gente? A gente tem uma coisa chamada regra, não é assim?

 

Repórter Bruna Saniele: Foi com essa metáfora que compara o direito e uma partida esportiva que a ministra Grace Mendonça, que comanda Advocacia- Geral da União, a AGU, deu uma aula especial para cerca de 200 crianças de escolas públicas de Brasília. A ministra destacou que as crianças precisam conhecer os seus direitos e também seus deveres para garantir um futuro melhor.

 

Ministra da Advocacia-Geral da União - Grace Mendonça: O futuro do Brasil está na mão exatamente da criança. Então, é nesse sentido que nós nos dedicamos de um modo diferenciado para transmitir um pouco às crianças daquilo que a Constituição da República traz em termos de direitos das crianças, dos adolescentes e também os seus deveres para com a sociedade, porque sabemos que a criança consciente dos seus direitos, ela tem condição de construir um Brasil melhor.

 

Repórter Bruna Saniele: A ação promovida pela AGU ocorreu simultaneamente em 40 instituições de ensino de 21 estados do país. Segundo a ministra Grace Mendonça, a AGU estimula os servidores a dedicaram uma parte do seu tempo a essas atividades, e ela garante que o exemplo traz mais pessoas para o voluntariado.

 

Ministra da Advocacia-Geral da União - Grace Mendonça: Esse tipo de atuação concreta acaba chamando e convocando muitos outros, né? Outras pessoas de bem também para fazer o bem.

 

Repórter Bruna Saniele: E a estudante Giovana, de 11 anos, estava ligada no tema. Ela aprendeu mais sobre seus direitos e aproveitou para cobrar os adultos.

 

Estudante - Giovana: Para mim o direito tem que estar sendo respeitado, o direito de ir à escola, porque tem muitos pais que não deixam as crianças ir à escola.

 

Repórter Bruna Saniele: Servidores da Advocacia-Geral da União que quiserem ser voluntários devem entrar em contato com a equipe do programa AGU Mais Vida. O projeto faz parte do Programa Nacional de Voluntariado do Governo Federal. Reportagem, Bruna Saniele.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você e até amanhã.

 

"A Voz do Brasil, Governo Federal".