06 DE ABRIL DE 2018

Destaques da Voz do Brasil: Governo continua ação para abrigar venezuelanos que chegam ao país. Hoje mais de 160 imigrantes foram deslocados para Cuiabá e São Paulo. Estados e municípios contam com novo programa de financiamento para o turismo. Programa que garante a merenda escolar completa 63 anos e alimenta 42 milhões de estudantes de escolas públicas do país. Vamos falar da regulamentação da profissão de esteticista. O que muda e quais as vantagens pra quem trabalha na área.

audio/mpeg Voz_do_Brasil_06_04_18.mp3 — 23549 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Alessandra Bastos: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Sexta-feira, 6 de abril de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Alessandra: Governo continua ação para abrigar venezuelanos que chegam ao país.

 

Nasi: Hoje mais de 160 imigrantes foram deslocados para Cuiabá e São Paulo.

 

Alessandra: Eles são acolhidos e recebem apoio para entrar no mercado de trabalho.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Alessandra: Estados e municípios continuam com novo programa de financiamento para o turismo. Cleide Lopes.

 

Repórter Cleide Lopes: De imediato, o programa disponibiliza R$5 bilhões para investimentos na reestruturação do turismo local.

 

Nasi: Programa que garante merenda escolar completa 63 anos.

 

Alessandra: E alimenta 42 milhões de estudantes de escolas públicas do país.

 

Nasi: E vamos falar da regulamentação da profissão de esteticista.

 

Alessandra: O que muda e quais as vantagens para quem trabalha na área. Beatriz Albuquerque.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Hoje no Brasil são quase 11 mil trabalhadores na área da estética.

 

Nasi: Hoje a apresentação da Voz do Brasil: Alessandra Bastos e Nasi Brum.

 

Alessandra: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar: www.voz.gov.br.

 

Nasi: Cento e sessenta e um venezuelanos que estavam em Roraima embarcaram hoje resumo a Cuiabá e São Paulo.

 

Alessandra: É, a continuação do processo de interiorização coordenado pelo governo. Desde ontem a Voz do Brasil acompanha de perto esse deslocamento.

 

Nasi: O objetivo é desafogar o estado de Roraima, que nos últimos meses, já recebeu quase 40 mil imigrantes.

 

Alessandra: A repórter Luana Karen estava em Boa Vista e hoje embarcou com eles num voo da Força Aérea Brasileira. Ela vai conversar, ao vivo, agora com a gente, por telefone. Boa noite, Luana. Conta para a gente como é que foi essa viagem.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Olá, Alessandra, boa noite. Boa noite, Nasi, e a todos os ouvintes da Voz do Brasil. Olha, ainda em Boa Vista a nossa equipe madrugada para acompanhar o embarque de mais 161 imigrantes venezuelanos. No mesmo voo do Força Aérea Brasileira nós embarcamos em Boa Vista resumo a Cuiabá. Esse voo seguiu depois São Paulo, e junto os venezuelanos, no voo, eu pude ouvir muitas histórias. De um lado, famílias inteiras em busca de vida nova, de outro, pessoas que deixaram muita coisa para trás. Vieram buscar ajuda para depois para ver familiares, ou, quem sabe, quando a situação melhorar, voltar para casa. Conheci pessoas como o designer Juan Velasques, de 34 anos, que estava com o filho Junior, de dez, e iria desembarcar em São Paulo. Ele conta que até tinha emprego na Venezuela, mas com o salário de um mês de trabalho não conseguia comprar sequer um frango.

 

Designer - Juan Velasques: Para comprar um frango tinha que praticamente trabalhar dois meses, para comprar só um frango. Impossível. No mês inteiro só um arroz.

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Já Francisco Javier, de 46 anos, ficou desempregado. Com a comida cada vez mais cara, chegou um momento em que ele, a esposa e os dois filhos só tinham mandioca para comer nas três refeições do dia. E quando nem mais enviar os filhos à escola ele conseguiu, porque os meninos estavam fracos demais, Francisco tomou a decisão, de carona chegou ao Brasil no final de fevereiro.

 

Entrevistado - Francisco Javier: Desemprego. Meus filhos me pediam: "Comida. Comida" e eu não tinha um espaguete, um arroz. E tomou a decisão de vir para cá, para o trabalho e vamos fazer curso de português.

 

Nasi: Luana, e são várias histórias por aí. Durante a viagem o que é que eles contaram sobre esse acolhimento aqui no Brasil?

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Olha, Nasi, eles se sentiam todos muito gratos pela oportunidade que estavam tendo no Brasil e alimentavam um desejo muito grande de fazer essa chance dar certo. Muitos pediam desculpas por estarem, eventualmente, incomodando os brasileiros, mas justificavam que só saíram da Venezuela porque não havia mais saída. Uma das pessoas com que quem conversei, a Jules Garcia, disse que ao chegar ao abrigo em Boa Vista, recebeu numa refeição, além da comida, uma maçã de sobremesa. Ela disse que não comia maçã há um ano ou mais, que preço de uma única maçã na Venezuela tornava o fruto sonho distante. A Jules também se emocionou no voo de Boa Vista até Cuiabá, quando se deu conta que estava ficando mais longe do país de origem, mas ela estava decidida a encontrar uma solução para ela e para a mãe, que deixou com diabetes na Venezuela. Foram três horas de viagem. Aqui em Cuiabá desceram 69 imigrantes. O avião seguiu então para São Paulo levando mais 95 venezuelanos.

 

Alessandra: Luana, você que acompanhou toda a viagem, conta para a gente, como é que foi ao descer aí? Como é que esses imigrantes foram acolhidos?

 

Repórter Luana Karen (ao vivo): Olha, Alessandra, aqui no desembarque em Cuiabá os imigrantes foram recebidos pelo arcebispo da capital mato-grossense Dom Milton Santos, e seguiram para a abrigo Centro de Pastoral para Migrantes, mantido por uma congregação ligada à Igreja Católica. Logo na chegada, eles foram recebidos com almoço. Comida no prato, né? Hora de saciar a necessidade mais imediata e aquela que fez com que eles procurassem desesperadamente ajuda aqui no nosso país. Aqui em Cuiabá eles vão ter aula de português, cursos de qualificação técnica e serão encaminhados para vagas de trabalho. Já as crianças, serão matriculadas nas escolas públicas. Lembrando, Alessandra e Nasi, toda essa ação que acompanhamentos ontem e hoje está sendo coordenada pela Casa Civil da Presidência da República em parceria com as Forças Armadas. Eu vou ficando por aqui. Ao vivo, de Cuiabá, no Mato Grosso, Luana Karen.

 

Nasi: Muito obrigado, Luana, e vamos torcer para que eles consigam trabalhar e se adaptar aqui no Brasil.

 

Alessandra: E a gente ouviu aí o relato dessa viagem onde mais 95 venezuelanos desembarcaram hoje em São Paulo.

 

Nasi: A repórter Márcia Fernandes também estava lá acompanhando esse acolhimento.

 

Alessandra: Logo que eles chegam à cidade são encaminhados a abrigos. Nós fomos ver de perto como os imigrantes são recebidos e como vão ser encaminhados ao mercado de trabalho, o grande desejo de quem veio buscar uma vida melhor.

 

Repórter Márcia Fernandes: Noventa e cinco venezuelanos desembarcaram do fim da tarde em São Paulo e foram levados, em ônibus, do Exército para os abrigos. Um deles é o abrigo Missão Paz, onde, no pátio, crianças haitianas e angolanas brincam com os novos colegas venezuelanos. No local, vivem imigrantes de vários países, como Moçambique, Etiópia, Cuba e Bolívia. São 110 leitos, 39 reservados para os venezuelanos. O padre Paolo Parise é um dos coordenadores, e explica que o objetivo é ajudar o imigrante a se adaptar ao Brasil.

 

Padre - Paolo Parise: Temos uma área de serviços, documentação, atendimento jurídico, psicológico, médico, pediátrico, muito bom para as crianças, e também a parte de cursos, aprendizagem do idioma, palestras interculturais para conhecer um pouco São Paulo e o Brasil, e encaminhamento para o trabalho. Tudo isso facilita a entrada e a inserção no Brasil.

 

Repórter Márcia Fernandes: Cento e quatro venezuelanos já haviam chegado aqui em São Paulo ontem. Para eles, esse primeiro dia foi de adaptação. A imigrante Sarai Belandra aproveitou o dia para lavar as roupas e cuidar da filha de três meses. Com o marino, o taxista Robert Díaz, deixou a Venezuela há um mês, depois que o carro foi roubado e a fome apertou. Com a chegada em São Paulo, Robert planeja o futuro, quer voltar a ser taxista e ver a filha estudar.

 

Taxista - Robert Díaz: É meu desejo, que minha filha estude aqui, tenha um melhor futuro e estou aqui para poder procurar um trabalho. Tenho a intenção de tirar a licença para conduzir, para dirigir.

 

Repórter Márcia Fernandes: E o dia foi também de solidariedade, um grupo de venezuelanos, que mora há alguns anos no Brasil, foi ao abrigado para levar doações e receber os conterrâneos. Odales Kuribi, vive aqui há três anos, professora de espanhol, ela diz que o Brasil é um país acolhedor e representa um novo lar.

 

Professora de espanhol - Odales Kuribi: Muito brasileiros ajudaram, todos querem ajudar. Então, já é parte de mim. Acho que eu sou parte do Brasil e o Brasil já forma parte de meu coração.

 

Repórter Márcia Fernandes: Manaus e Campinas devem ser as duas próximas cidades a também receber os imigrantes venezuelanos. De São Paulo, Márcia Fernandes.

 

Nasi: Quem estudou em escola pública sempre tem lembranças do lanche preferido que comia no recreio.

 

Alessandra: Eu me lembro, Nasi, era sopa achocolatado, arroz, carne moída.

 

Nasi: Pois é o programa do governo que oferece alimentação escolar já tem mais de 60 anos.

 

Alessandra: E ele foi crescendo e hoje chega todos os 42 milhões de estudantes das escolas públicas.

 

Nasi: No ano passado, depois de seis anos sem reajuste, o Ministério da Educação aumentou o valor do repasse para a merenda e neste ano o dinheiro também está garantido.

 

Repórter Paulo La Salvia: Crianças saudáveis, felizes e bem alimentadas, realidade na escola Jardim de Infância II da rede pública de Brasília, ela oferece o ensino público para os pequenos. Junto com atividades em sala de aula e brincadeiras a garotada se alimenta com a merenda oferecida de graça, que faz parte do Programa Nacional de Alimentação Escolar o Pnae. Com apenas quatro anos Eduardo Bezerra tem, na ponta da língua, o que mais gosta.

 

Entrevistado - Eduardo Bezerra: Eu gosto mais de sopa.

 

Repórter Paulo La Salvia: Para preparar a comida diária, a merendeira Neusa Guedes segue uma receita.

 

Merendeira - Neusa Guedes: Primeiro tem o tempero correto e segundo também não é só cozinhar, que tudo o que faz com amor, tudo vale a pena, principalmente quando se cuida dessas crianças aqui que são umas pessoas maravilhosas, são umas crianças doces, amáveis, eu amo de coração. E amo o que faço.

 

Repórter Paulo La Salvia: O Programa Nacional de Alimentação Escolar, que completa 63 anos em 2018, é dedicado a todos os alunos da educação básica do país ensino Infantil, Fundamental, Médio e também de jovens e adultos. Mais de 160 mil escolas e 50 milhões de refeições por dia. O coordenadora-geral do Pnae, Karine Santos, defende que o programa é um marco no Brasil.

 

Coordenadora-geral do Pnae - Karine Santos: Ao longo dos anos ele avançou e se expandiu, não só em termos de território, nacionalmente falando, né, mas também em termos de qualidade do que é ofertado nas escolas do Brasil. Então, hoje nós trabalhamos com a alimentação saudável, de qualidade, que precisa atender necessariamente os aspectos nutricionais, as necessidades nutricionais do estudante durante seu período de permanência na escola.

 

Repórter Paulo La Salvia: Neste ano o Programa Nacional de Alimentação Escolar vai destinar mais de R$4 bilhões para estados e municípios investirem na merenda escolar. Pelo menos, 30% dos produtos devem comprados de agricultores familiares. Reportagem Paulo La Salvia.

 

Alessandra: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Nasi: Vamos falar da regulamentação da profissão de esteticista.

 

Alessandra: O que muda e quais as vantagens para quem trabalha na área. É daqui a pouquinho.

 

"As rádios de todo país já podem transmitir a Voz do Brasil em horário flexível. As emissoras de radiodifusão são obrigadas a retransmitir diariamente entre as 19h e às 22h, exceto aos sábados, domingos e feriados. A duração continua a mesma, 60 minutos de forma ininterrupta, são 25 minutos do Poder Judiciário, cinco minutos do Judiciário, dez minutos do Senado Federal e 20 minutos da câmara dos deputados. As emissoras devem informar aos ouvintes, às 19h, o horário em que vão transmitir o programa. As rádios educativas continuam obrigadas a transmitir a Voz do Brasil no antigo horário. As emissoras educativas vinculadas aos poderes legislativos federal, estadual ou municipal, nos dias em que houver sessão deliberativa no Plenário da respectiva casa legislativa, podem fazer a transmissão entre 19h e 22h. A Rede Nacional de Rádio mantém a transmissão às 19h pelo satélite, e, ao vivo, pela internet no site: redenacionalderadio.com.br.

 

Nasi: Melhorar a infraestrutura dos destinos turísticos para atrair mais visitantes.

 

Alessandra: Esse é o objetivo de um programa do Ministério do Turismo, que vai apoiar estados e municípios num acesso a linhas de financiamento, com prazos maiores e juros mais baixos.

 

Nasi: Cinco bilhões de reais estão disponíveis para investimentos no setor.

 

Repórter Cleide Lopes: A aula de história de 73 estudantes do Ensino Fundamental de uma escola pública no interior de Goiás foi a céu aberto nesta sexta-feira, eles viajaram cerca de 400 quilômetros de Aparecida de Goiás até Brasília para conhecer a história e as paisagens da capital do Brasil. Para o professor de história da turma, Charles Rocha, é importante que os alunos conheçam primeiro o seu país.

 

Professor de história da turma - Charles Rocha: A escola tem que sair de dentro dos muros para mostrar o Brasil, e isso através dos passeios, né, do turismo. E o turismo fazendo isso melhora tudo, até a educação.

 

Repórter Cleide Lopes: Para estimular o turismo interno e promover uma melhor infraestrutura no atendimento ao turista nos principais destinos do país, o Ministério do Turismo lançou o Prodetur Mais Turismo. O programa vai apoiar estados e municípios no acesso a linhas de financiamento de instituições parceiras, com prazos e juros diferenciados. A ideia é aumentar os investimentos em turismo nos atuais R$800 milhões por ano, para R$5 bilhões, e, com isso, elevar o número de turistas nos atuais 6,5 milhões ao ano, para 12 milhões nos próximos cinco anos, como explica o secretário nacional de Estruturação do Turismo, Totó Parente.

 

Secretário nacional de Estruturação do Turismo - Totó Parente: O objetivo principal dos recursos é dotar os municípios, os estados, de uma infraestrutura turística necessária para atender bem tanto o turista nacional quanto o turista estrangeiro. E esses recursos poderão servir para construções de centros de convenções, pontes, viadutos, praças, escolas, marinas.

 

Repórter Cleide Lopes: De imediato, o programa disponibiliza R$5 bilhões para investimentos na reestruturação do turismo local, para todos os estados e municípios do Mapa do Turismo, ou seja, com potencial turístico e que apresentem projetos. O secretário municipal de Turismo de Maceió, Jair Galvão, vê o Prodetur Mais Turismo como uma ferramenta importante de investimento no setor de captação de novos turistas.

 

Secretário municipal de Turismo de Maceió - Jair Galvão: Maceió é um destino que precisa de investimentos, principalmente na área de infraestrutura. O Prodetur Mais Turismo vem ao encontro dessa grande necessidade de que os municípios têm de dar passos mais largos na resolução de problemas, na qualificação dos seus destinos no aumento da competitividade.

 

Repórter Cleide Lopes: Outras informações sobre o acesso aos recursos do Prodetur Mais Turismo podem ser acessadas na página do ministério na internet, no: www.turismo.gov.br. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Alessandra: O Brasil tem quase 30 milhões de idosos, 6 milhões deles estão inscritos no Cadastro Único do Governo Federal, ou seja, pertencem a uma população de baixa renda.

 

Nasi: E o Ministério do Desenvolvimento Social iniciou uma nova ação para garantir qualidade de vida a essas pessoas.

 

Alessandra: Estratégia que precisa contar com o compromisso de estados e municípios.

 

Repórter Pâmela Santos: Levar qualidade de vida às pessoas idosas e promover o envelhecimento saudável e ativo da população, esse é o objetivo da estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa. A ação, coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento Social, foi lança nesta semana em Brasília. A estratégia tem foco nos idosos inscritos no Cadastro Único para programas sociais do Governo Federal. Segundo o secretário nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano do Ministério do Desenvolvimento Social, Halim Girade, a estratégia é um reconhecimento para os municípios que têm atividades voltadas para as pessoas com mais de 60 anos.

 

Secretário nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano do Ministério do Desenvolvimento Social - Halim Girade: Significa que as ações voltadas aos idosos serão acompanhadas de perto pelos conselhos municipais e pela sociedade. Para chegar até isso nós temos, nos municípios, a elaboração de diagnóstico sobre os idosos, de planos para os idosos, aprovação desse plano como lei na Câmara de Vereadores, a sanção do prefeito, e, a partir daí, o desencadeamento de ações.

 

Repórter Pâmela Santos: Ponte Nova, em Minas Gerais, foi o primeiro município a assinar a adesão à estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa no evento de lançamento. A cidade desenvolveu o projeto piloto da estratégia nacional em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social e a Universidade Federal de Viçosa. Segundo o prefeito, Wagner Mol Guimarães, a experiência foi uma oportunidade de ver a importância do investimento na pessoa idosa e de reativar o Conselho do Idoso.

 

Prefeito - Wagner Mol Guimarães: O Conselho do Idoso, ele precisa ter voz de verdade. Reformulamos todos, criamos um espaço de cidadania, um espaço de fortalecimento de empoderamento dos conselhos para que esse conselho possa ajudar a administração a efetivar essas políticas públicas do idoso.

 

Repórter Pâmela Santos: Ao aderir a estratégia, estados e municípios, assumem o compromisso de garantir a direito dos idosos e desenvolver ações voltadas a essa população. Reportagem, Pâmela Santos.

 

Nasi: Eles foram esquecidos e para muita gente são considerados peças de museu.

 

Alessandra: Estamos falando dos orelhões.

 

Nasi: Em muitos locais do país esses equipamentos continuam nas ruas e ainda são considerados essenciais para a população.

 

Alessandra: Por isso, se não estiverem funcionando, as operadoras de telefonia podem ser punidas pela Anatel.

 

Nasi: Foi o caso de uma operadora que foi obrigada a liberar qualquer tipo de ligação nos orelhões em 12 estados do país.

 

Repórter Raquel Mariano: Desde a chegada da telefonia móvel, fazer ligação no meio da rua ficou bem mais fácil. Agora é só pegar o celular e ligar, mas quando acaba a bateria do telefone ou os créditos das linhas pré-pagas, a opção que resta é procurar um bom e velho orelhão, mas nem sempre os esquecidos telefones públicos estão em bom estado de uso. Olha o professor Carlos Renato Rocha, lá de Serra do Ramalho, interior da Bahia.

 

Professor - Carlos Renato Rocha: O orelhão está praticamente em desuso. Ainda a gente vê o orelhão, ainda tem alguns orelhões, no entanto, não funcionam, e, além disso, não se encontra mais cartões para fazer ligação, né?

 

Repórter Raquel Mariano: Segundo dados da Anatel, nos últimos dez anos, os telefones públicos espalhados por todo o país caíram de 1 milhão 140 mil para 770 mil aparelhos, mas a agência exige em que cada região 90% deles estejam em funcionamento, uma obrigação das operadoras de telefonia. E a operadora Oi não cumpriu essa regulamentação. Agora, em 12 estados das regiões Norte e Nordeste, atendidos pela empresa, os orelhões devem oferecer ligações gratuitas para telefone fixo, interurbano ou ligações para celular, como explica o coordenador Sérgio Bastos Blanco, da Anatel.

 

Coordenador - Sérgio Bastos Blanco: A cada seis meses a gente faz uma verificação dessa disponibilidade da planta de orelhões da empresa para ver se está melhorando. Se tiver acima de 90%, que é o valor que a gente considera razoável, não precisa dar a gratuidade, se estiver abaixo, precisa dessa gratuidade.

 

Repórter Raquel Mariano: A medida atinge os estados de Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Roraima. As ligações estão liberadas até o dia 30 de setembro. A próxima verificação da Anatel acontece no dia 31 de agosto. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Alessandra: Quando você procura uma clínica de estética, um salão de beleza, quer ter a garantia de bons profissionais.

 

Nasi: E quem está do lado de lá do balcão pode estar essa garantia da profissão regulamentada.

 

Alessandra: É, Nasi, tudo certinho no papel ajuda a exigir cursos e experiência.

 

Nasi: E é o que vai acontecer agora com os profissionais da área de estética, que ganharam esse reconhecimento. A gente explica o que isso significa e o que muda na profissão.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Quem não gosta de cuidar da beleza? Massagem, limpeza de pele, tratamentos, estéticos. Mas quando se procura um profissional dessa área, é preciso ter segurança na escolha. Camila Cunha Ribeiro é técnica em massoterapia, ou seja, ela faz um tratamento terapêutico à base de massagens e explica a importância da escolha do profissional.

 

Técnica em massoterapia - Camila Cunha Ribeiro: As esteticistas já têm uma importância maior, que é uma profissional que sabe fazer e dá uma segurança a mais para o cliente.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: A Camila se preparou para exercer a profissão, fez um curso técnico em massoterapia e hoje está no segundo semestre da graduação em estética e cosmetologia. Com regulamentação da profissão pelo Ministério do Trabalho, ela está se sentindo mais valorizada e respeitada.

 

Técnica em massoterapia - Camila Cunha Ribeiro: Está havendo um reconhecimento. Para nós, esteticistas, deu uma importância maior, que não é qualquer um que pode fazer.

 

Repórter Beatriz Albuquerque: Hoje, no Brasil, são quase 11 mil trabalhadores na área de estética. Esses profissionais recebem em média R$1.500,00 por mês. Com a nova regulamentação da profissão será exigido curso técnico ou superior desse trabalhador. O técnico vai poder realizar procedimentos estéticos faciais, corporais e capilares com produtos cosméticos registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Anvisa. Já o profissional de nível superior vai ser o responsável técnico pelos centros de estética e por pesquisas de mercado, por exemplo. Para Igor Recelly, secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho, a medida vai trazer benefícios para profissionais e pacientes.

 

Secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho - Igor Recelly: Hoje nós temos vários salões, várias clínicas aí de beleza que ofertam esse tipo de serviço e precisam dar uma segurança maior, tanto para quem busca o serviço, como também para os profissionais que atuam nessa área. Eles terão mais dignidade, mais respeite terão a sua autoestima totalmente restaurada.

 

Repórter Beatriz Albuquerque:  O profissional que comprovar que já exerce atividade na área estética há pelo menos três anos poderá pedir a certificação de técnico. Reportagem, Beatriz Albuquerque.

 

Alessandra: Mais de um 1 milhão de pessoas já fizeram pedido de isenção para o pagamento da taxa de inscrição do Enem deste ano.

 

Nasi: E o Inep, órgão do Ministério da Educação responsável pela prova, prorrogou hoje o prazo para solicitar essa gratuidade.

 

Alessandra: Agora, os estudantes têm até o dia 15 de abril para fazer a inscrição.

 

Nasi: Tem direito à isenção da taxa pessoas inscritas no Cadastro Único do Governo Federal e estudantes do terceiro ano do Ensino Médio de escolas públicas.

 

Alessandra: O pedido da gratuidade deve ser feito pela internet no endereço: enem.inep.gov.br.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Alessandra: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nasi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Alessandra: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite e um bom fim de semana.

 

Nasi: Boa noite para você e até segunda.

 

"Brasil, ordem e progresso".