16 DE MAIO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques de hoje na Voz do Brasil: Solicitar aposentadoria ou salário maternidade sem precisar sair de casa. A facilidade começa a funcionar a partir da próxima segunda-feira e os pedidos ao INSS devem ser feitos exclusivamente pela internet ou por telefone; Banco Central mantém a taxa de juros; Você que tem mais de 60 anos, já sacou seu PIS/Pasep? É bom verificar, muita gente que tem direito ainda não retirou o dinheiro; Policiamento nas ruas: intervenção no Rio de Janeiro entra numa nova fase; E vamos falar do novo pacto reforçar o combate ao preconceito de gênero.

audio/mpeg Voz_do_Brasil_16_05_18.mp3 — 22581 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 16 de maio de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Solicitar aposentadoria ou salário-maternidade sem precisar sair de casa.

 

Nasi: A facilidade começa a funcionar a partir da próxima segunda-feira.

 

Gabriela: Os pedidos ao INSS devem ser feitos exclusivamente pela internet ou por telefone.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Banco Central mantém a taxa de juros.

 

Nasi: Você que tem mais de 60 anos, já sacou o PIS/Pasep?

 

Gabriela: É bom verificar, muita gente que tem direito ainda não retirou o dinheiro. Pablo Mundim.

 

Repórter Pablo Mundim: Quase 8 milhões de brasileiros podem fazer o saque, mas ainda não foram pegar o dinheiro.

 

Nasi: Policiamento nas ruas, intervenção no Rio de Janeiro entra numa nova fase.

 

Gabriela: E vamos falar do pacto assinado hoje para reforçar o combate à homofobia. Raíssa Lopes.

 

Repórter Raíssa Lopes: O Ministério dos Direitos Humanos e 12 estados assinaram pacto nacional de enfrentamento à LGBTfobia.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: O Comitê de Política Monetária do Banco Central anunciou agora há pouco a decisão sobre a taxa básica de juros, a Selic.

 

Gabriela: E quem tem, ao vivo, as informações para a gente é o repórter João Pedro Neto. Boa noite, João Pedro.

 

Repórter João Pedro Neto (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. Boa noite aos ouvintes da Voz do Brasil. Pois é, o Banco Central informou que vai manter a taxa Selic, que é a taxa básica de juros do país, no mesmo nível de 6,5% ao ano. A taxa segue, portanto, no menor patamar da história e essa manutenção acontece depois de 12 cortes consecutivos nos juros. Em comunicado, o Comitê de Política Monetária esclarece que os últimos indicadores da atividade econômica mostram redução do ritmo de crescimento da economia num contexto de recuperação consistente e gradual e acrescenta que o cenário externo se apresenta mais instável. A taxa Selic é definida nas reuniões do Comitê de Política Monetária do Banco Central e é uma referência para toda a economia brasileira e para as demais taxas de juros praticadas pelo país. Ao vivo, João Pedro Neto.

 

Nasi: A partir da próxima segunda-feira tem novidade para quem precisar pedir a aposentadoria ou salário-maternidade no INSS.

 

Gabriela: É que vai ser possível solicitar os dois benefícios sem sair da casa, pelo telefone ou pela internet.

 

Nasi: Se todos os dados necessários para receber o direito já estiverem no sistema, o benefício é concedido automaticamente.

 

Gabriela: Isso significa que o tempo de espera para se aposentar ou receber o salário-maternidade deve diminuir, é o que espera o governo.

 

Nasi: Para explicar melhor como tudo isso vai funcionar, o jornalista Helen Bernardes conversou com o chefe da divisão de atendimento do instituto, vamos ouvir.

 

Repórter Helen Bernardes: Eu converso, então, com José Francisco da Silva Neto, que é chefe de divisão da área de atendimento do INSS. Boa noite, Francisco.

 

Chefe de divisão da área de atendimento do INSS - José Francisco da Silva Neto: Boa noite, Helen. É um prazer estar aqui de vocês na Voz do Brasil.

 

Repórter Helen Bernardes: Então, Francisco, conta para a gente, a partir da segunda-feira o INSS pretende encurtar distâncias aí entre o segurado e o próprio instituto, não é isso? Como é isso que vai acontecer?

 

Chefe de divisão da área de atendimento do INSS - José Francisco da Silva Neto: Bom, a partir do dia 21 o segurado que solicitar atendimento no INSS para os serviços de salário-maternidade e aposentadoria por idade, eles vão ter o seu requerimento realizado na hora, certo? E é não necessário mais comparecer a uma agência da Previdência Social, uma agência do INSS. Apenas caso tenha alguma necessidade complementação de documentos, caso ele seja chamado pelo INSS, ele vai precisar comparecer a uma agência.

 

Repórter Helen Bernardes: Entendi. Então, é um novo modelo que o INSS vem adotando para que o segurado possa ser atendido pela internet ou pelo telefone.

 

Chefe de divisão da área de atendimento do INSS - José Francisco da Silva Neto: Isso, a gente está implantando um novo modelo de atendimento. Anteriormente, nós tínhamos o modelo tradicional, o modelo convencional, onde ele tinha que agendar e comparecer até uma agência para levar a documentação e agora ele faz essa solicitação pela internet ou pela central 135. Os sistemas do INSS vão verificar se ele já possui as condições necessárias para o benefício, e, em caso positivo, foi ser concedido automaticamente. Caso fique alguma pendência, o sistema verifique que tem alguma pendência, isso vai ser direcionado para servidor do INSS analisar o pedido, e, caso necessário, o INSS vai chamar esse segurado para comparecer a uma agência. Ou seja, gera muito mais comodidade para o cidadão, ele só vai comparecer se realmente for necessário ir a uma agência.

 

Repórter Helen Bernardes: Francisco, e esse novo modelo vai encurtar o tempo que a pessoa espera para receber o benefício? Para começar a receber esse benefício?

Chefe de divisão da área de atendimento do INSS - José Francisco da Silva Neto: Sim, parte dessas solicitações, desses requerimentos desse serviço serão processados automaticamente. O INSS prevê que 15% a 20% dessas solicitações serão concedidas automaticamente, ou seja, o segurado vai ligar na nossa central 135 ou mesmo pela internet, em questão de minutos, vai ter o seu benefício concedido automaticamente. E mesmo as solicitações que não foram concedidas automaticamente, como o volume de análises do nosso servidor será menor, o volume de pedidos será reduzido, a tendência, né, o que a gente espera é que a tendência que o tempo de espera para ter essa resposta do benefício, ela não seja tão longa como é hoje.

 

Repórter Helen Bernardes: Francisco, outra dúvida, a partir do dia 24 de maio também vai ter uma mudança para outros de atendimento, não é isso?

 

Chefe de divisão da área de atendimento do INSS - José Francisco da Silva Neto: Perfeito. Geralmente são serviços que a gente chama de manutenção, ou seja, o segurado já possui um benefício e precisa, por exemplo, alterar o meio de pagamento, alterar a agência de relacionamento do INSS. Então, esses serviços passarão a ser agendáveis para dar comodidade para o cidadão, né, e melhorar a nossa gestão, a organização dentro das agências do INSS.

 

Repórter Helen Bernardes: Ou seja, antes de sair de casa para ir para um posto da Previdência ou do INSS é importante que ele ligue antes no 135 para obter as informações que ele precisa?

 

Chefe de divisão da área de atendimento do INSS - José Francisco da Silva Neto: Exatamente. Ele pode ligar na central 135 ou no portal do Meu INSS, certo? O nosso site também: inss.gov.br, fazer a solicitação, agendar uma data e hora e comparecer na agência do INSS.

 

Repórter Helen Bernardes: Perfeito. Então, eu conversei com José Francisco da Silva Neto, que é chefe de divisão da área de atendimento do INSS. Francisco, muito obrigada pela sua participação aqui com a gente na Voz do Brasil.

 

Chefe de divisão da área de atendimento do INSS - José Francisco da Silva Neto: Eu que agradeço. Muito obrigado.

 

Gabriela: Você que tem mais de 60 anos, já procurou saber se tem dinheiro indisponível nas contas do PIS ou Pasep?

 

Nasi: Pois é, desde que o governo antecipou a idade de saque, mais de 3,4 milhões pessoas sacaram o dinheiro.

 

Gabriela: Por outro lado, Nasi, quase 8 milhões de pessoas que têm direito não sabem ou não fizeram o saque. Quer saber se você pode ser uma dessas pessoas? Então, ouça agora a nossa reportagem.

 

Repórter Pablo Mundim: Mais de R$ 16 bilhões estão disponíveis para saque do PIS/Pasep, mas quem realmente tem direito a sacar o benefício e como saber esse dinheiro está disponível? A professora aposentada de Brasília, dona Bernadete Aragão, por exemplo, nunca procurou saber se tem direito ao saque.

 

Aposentada de Brasília - Bernadete Aragão: Não. Porque eu acho que quando eu me aposentei eu tirei PIS/Pasep, tirei Fundo de Garantia e eu acho que não tenho mais direito. Bem que eu gostaria de ter.

 

Repórter Pablo Mundim: A mesma dúvida o seu Hélio Teixeira, também de Brasília.

 

Entrevistado - Hélio Teixeira: Eu vi algumas informações na televisão, mas não fui pessoalmente ao banco verificar, não.

 

Repórter Pablo Mundim: Assim como a dona Bernadete e o seu Hélio, muita gente não sabe se pode ou não receber o benefício. Quase 8 milhões de brasileiros podem fazer o saque, mas ainda não foram pegar o dinheiro. Tem direito ao PIS/Pasep o trabalhador cadastrado no fundo entre 1971 até outubro de 1988. Homens e mulheres a partir de 60 anos, pessoas com doenças graves, deficiência, militares da reserva, aposentados e herdeiros de beneficiários falecidos também têm direito ao saque. Para o diretor do Departamento de Assuntos Financeiros do Ministério do Planejamento, Sérgio Calderini, direito garantido ao trabalhador e dinheiro que representa um estímulo a mais para aquecer a economia.

 

Diretor do Departamento de Assuntos Financeiros do Ministério do Planejamento - Sérgio Calderini: Desde de outubro de 2017, quando a gente iniciou esse processo de flexibilização, a gente já permitiu o saque de R$ 4,9 bilhões e atendendo 3,5 milhões de pessoas. Além disso, o potencial da medida é muito maior e aí a gente possuí lá hoje R$ 16,5 bilhões à disposição para os outros cotistas da PIS/Pasep irem realizar sua retirada de recursos.

 

Repórter Pablo Mundim: Para o trabalhador da iniciativa privada o benefício do PIS pode ser consultado através do site: caixa.gov.br/cotaspis. Já o empregado do setor público a consulta deve ser feita no: bb.com.br/pasep. Reportagem Pablo Mundim.

 

Nasi: A intervenção federal no Rio de Janeiro completa hoje três meses e entra numa nova fase.

 

Gabriela: De acordo com o porta-voz do Gabinete de Intervenção Federal, o coronel Roberto Itamar, nos primeiros meses o trabalho ficou concentrado em realizar um diagnóstico da situação e levantar as demandas dos órgãos de segurança no estado.

 

Nasi: Agora, segundo Roberto Itamar, o objetivo é realizar mais ações nas ruas.

 

Porta-voz do Gabinete de Intervenção Federal - Roberto Itamar: Pode-se agora iniciar uma fase de resolução dos problemas apresentados de aporte de novas tecnologias, de novos equipamentos, de reajustes dos efetivos necessários ao policiamento ostensivo. Então, todas as ações necessárias levantadas naquela fase do diagnóstico podem agora ser executadas graças a todo esse esforço que foi feito.

 

Gabriela: O coronel disse que vão ser mais 1,3 mil policiais nas ruas. Novas viaturas também vão chegar no estado, totalizando 580 veículos.

 

Nasi: Para o porta-voz da intervenção, a ação integrada das forças de segurança no Rio já deram resultado.

 

Porta-voz do Gabinete de Intervenção Federal - Roberto Itamar: No que diz respeito às ações emergenciais que visavam reduzir... que visam reduzir os índices de criminalidade, o secretário de Segurança já anunciou a redução de 13% nos índices de roubo de veículos na nossa cidade e também deve ser anunciado muito em breve pelo Instituto de Segurança Pública a redução de vários índices de criminalidade que traduzem a própria sensação de segurança da população. Aí estão os roubos de rua e outros tipos de roubos comuns. Isso é muito importante para o cidadão.

 

Gabriela: Nos próximos dias, uma nova comunidade vai ser ocupada pelos militares, de acordo do coronel Roberto Itamar.

 

Nasi: A ação vai ser no mesmo padrão de que ocorreu na Vila Kennedy, zona oeste da capital.

 

Gabriela: Pacto contra a homofobia.

 

Nasi: Daqui a pouquinho vamos falar como a união entre o governo e estados pode reforçar o combate à violência e o preconceito de gênero.

 

Gabriela: A reforma do Ensino Médio, 500 mil novas vagas em escolas de também integral, financiamento estudantil com juros zero para alunos mais pobres.

 

Nasi: Vários foram os avanços na educação nos últimos dois anos.

 

Gabriela: E na saúde não foi diferente. Transporte aéreo para órgãos e equipamentos para a tratamento de câncer.

 

Nasi: Hoje, na terceira matéria da série sobre os dois anos do governo Temer, vamos conferir o progresso do país nas áreas de educação e saúde.

 

Repórter Luana Karen: Lucas Brito combina o ensino médio regular com o curso técnico de design de móveis no Instituto Federal de Brasília. Ele também foi escolhido para estagiar no mesmo lugar, restaurando móveis de instituições públicas, como a Presidência da República. Lucas ainda não decidiu o que vai fazer quando terminar o colégio, mas trabalhando com móveis ampliou o campo de possibilidades.

 

Entrevistado - Lucas Brito: Toda a experiência que eu for adquirindo aqui pode ser útil no futuro, claro, né? Me formar em algum curso para melhorar isso que eu estou aprendendo aqui, né? E é isso, eu quero seguir esse ramo.

 

Repórter Luana Karen: A oportunidade de estudo e estágio que está mudando a vida do Lucas é fruto das melhorias na educação criadas nos últimos dois anos. Uma delas foi a reforma do ensino médio, que dá novo peso ao ensino técnico e abriu 500 mil novas vagas para o tempo integral. Outro objetivo é tornar a escola mais atrativa para os estudantes. O ministro da Educação, Rossielli Soares, explica que 3,5 milhões de alunos entram no ensino médio, porém, pouco mais da metade conclui os estudos.

 

Ministro da Educação - Rossielli Soares: Trazer a flexibilidade, ou seja, que cada escola, cada sistema estadual possa pensar lá no seu local qual é a prioridade da comunidade, quais são as prioridades do setor industrial, do comércio e lá trabalhar em conjunto com eles construindo um currículo que torne atrativo e permaneça com o jovem, e que ele saia já do Ensino Médio com uma preparação melhor para o seu futuro.

 

Repórter Luana Karen: Novidades também no financiamento estudantil, o Fies. Serão 100 mil vagas com juros zero para quem tem renda familiar de até três salários mínimos por pessoa. Além disso, o programa vai oferecer 210 mil vagas a juros baixos para quem tem renda familiar de até cinco salários mínimos por pessoa. E as mudanças também chegaram para a saúde pública. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, Samu, recebeu 862 novas ambulâncias. Até o final do ano, 65% de toda a frota será renovada. Em Nova Granada, no interior de São Paulo, as novas ambulâncias eram muito esperadas. É o que conta a prefeita do município, Tânia Yugar.

 

Prefeita do município - Tânia Yugar: Só de saber que a gente vai ser uma condução segura para criancinha, para o velho, para o acidentado, para o baleado, para o paciente de risco, já é um alívio muito grande. Você não tem ideia de como a população está feliz por isso.

 

Repórter Luana Karen: Ainda em 2016, o presidente da República, Michel Temer, assinou o decreto que autoriza o uso de aviões da Força Aérea Brasileira para o transporte de órgãos destinados a transplantes. De lá para cá, foram transportados 460 órgãos. O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, destaca também o repasse de verbas para estados e municípios, além do fornecimento de remédios de graça pelo SUS.

 

Ministro da Saúde - Gilberto Occhi: Procuraremos aumentar o rol de medicamentos que serão doados à população brasileira. Nós estamos fortalecendo as UPAs e as Unidades Básicas de Saúde para que possa chegar cada vez mais próximo o atendimento da saúde pública à população brasileira.

 

Repórter Luana Karen: Pensando em melhor atender os pacientes com câncer, o Ministério da Saúde entregou seis aceleradores lineares para a radioterapia em diferentes cidades. Ainda este ano, serão mais 25 equipamentos. Reportagem, Luana Karen.

 

Gabriela: Mais de 19,8 mil empresas foram atuadas pelo Ministério do Trabalho por descumprirem normas de proteção à saúde do trabalhador no ano passado.

 

Nasi: No total foram mais 72 mil infrações cometidas.

 

Gabriela: Segundo o Ministério do Trabalho, a análise detalhada de acidentes graves e fatais têm demonstrado que, na maioria das vezes, os acidentes ocorrem devido à forma de organização do trabalho, ao ritmo de produção, à conivência da empresa e à falta de treinamento.

 

Nasi: Caso a fiscalização verifique problemas, as empresas estão sujeitas a multa e até interdições das atividades, dependendo da gravidade e risco no local de trabalho.

 

Gabriela: O trânsito brasileiro matou mais de 250 mil pessoas entre 2010 e 2015.

 

Nasi: O Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito quer reduzir este número pela metade num período de dez anos.

 

Gabriela: Para isso, a Polícia Rodoviária Federal está realizando audiência públicas em todo o país para ouvir governos e sociedade. Hoje foi a vez de Brasília.

 

Nasi: Nessas reuniões a PRF as estratégias para redução do número de mortos e feridos no trânsito.

 

Gabriela: E uma das ações para diminuir o número mortes e feridos, segundo o porta-voz da Polícia Rodoviária Federal, Diego Brandão, é a educação no trânsito.

 

Porta-voz da Polícia Rodoviária Federal - Diego Brandão: Em cada eixo a gente tem uma série de propostas. No eixo de educação para o trânsito nós temos a inserção do tema com mais força nas escolas públicas, nós temos ações operacionais de educação para o trânsito, a conscientização é muito importante. Então, propomos campanhas publicitárias em torno de temas relevantes para a educação para o trânsito em conjunto com outros órgãos. A cada ano a gente registra algumas reduções no número de mortes e de lesões no trânsito, mas sem a colaboração da própria conscientização da população, porque parte dos acidentes são causados, sim, pela falta de conscientização da população, onde ela ainda mantém aquelas condutas que são lesivas a trânsito, por exemplo, excesso de velocidade, ultrapassagem, indevida, uso de álcool, né? Então, é preciso uma conscientização maior para que a gente consiga atingir as metas.

 

Nasi: Também é possível apresentar sugestões ao plano por meio de uma consulta pública, onde qualquer pessoa pode participar. A consulta está indisponível no endereço www.prf.gov.br.

 

Gabriela: Você já ouviu falar em startups?

 

Nasi: São empreendimentos que surgem de boas ideias e que podem render bons lucros.

Gabriela: E um programa do governo quer internacionalizar essas startups brasileiras.

 

Nasi: Nesta semana, 15 delas estão Alemanha conhecendo o mercado, e, quem sabe, fechando parcerias.

 

Repórter Raquel Mariano: Uma ideia inovadora, um modelo de negócio inusitado e uma empresa com baixo custo, assim nasce uma startup. Só no Brasil existem 4,8 mil negócios como esses, segundo a Associação Brasileira de Startups. E uma dessa empresas é a Pluricell Biotech, de Marcos Valadares, que trabalha com biotecnologia.

 

Empresário - Marcos Valadares: O objetivo é que no futuro a gente consiga ajudar pessoas com problemas cardíacos a terem um restabelecimento da sua condição, da sua situação, da sua saúde, através da injeção de células cardíacas, derivadas de células-tronco no seu coração.

 

Repórter Raquel Mariano: Quinze ideias inovadoras como a Marcos foram selecionadas pelo Governo Federal para serem apresentadas em Berlim, na Alemanha, nessa semana. É o Programa Startout Brasil. O Governo Federal oferece cursos e capacita as empresas para enfrentar o mercado internacional, como explica, Juarez Leal, coordenador de internacionalização da Apex Brasil.

 

Coordenador de internacionalização da Apex Brasil - Juarez Leal: Uma das dificuldades que as startups têm para acessar o mercado internacional é saber como abrir uma empresa, como negociar internacionalmente, e o programa oferece isso. A gente teve uma série de palestras com economistas, com especialistas de marketing, advogados, contadores, agências de investimento aqui da Alemanha. Então, toda a empresa que participa de startout aumenta muitas vezes a chance de ter sucesso na sua internacionalização.

 

Repórter Raquel Mariano: Outra startup que também está conhecendo o mundo dos negócios alemão é a do Ronald Souza, que trabalha com soluções de cidades digitais. A empresa oferece monitoramento de serviços básicos da cidade, como energia e transporte. E o Ronald está otimista com os possíveis frutos dessa viagem.

 

Empresário - Ronald Souza: Nós temos agendado para a próxima quinta-feira uma reunião com a empresa que administra toda a linha férrea de trens e metrôs aqui da Alemanha e também já estamos com a uma reunião agendada com uma empresa finlandesa que trabalha na produção de motores para os maiores navios da face da Terra.

 

Repórter Raquel Mariano: Essa é a segunda vez que o programa leva startups para outros países e ainda neste ano serão realizadas mais duas viagens, em Miami e em Lisboa. Startups interessadas em participar podem se informar o site: startoutbrasil.com.br. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Gabriela: Preconceito, desrespeito, crimes de ódio.

 

Nasi: Governo Federal e estados assumiram hoje com a sociedade um compromisso de trabalhar pelo fim da violência contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros.

 

Gabriela: É o Pacto Nacional de Enfrentamento à LGBTfobia.

 

Repórter Raíssa Lopes: O designer gráfico Adriano Doro é homossexual e já sofreu diversas agressões por sua orientação sexual. Na época da escola chegou a apanhar dos colegas e, recentemente, foi retirado de um restaurante em que jantava com seu companheiro.

 

Designer gráfico - Adriano Doro: As pessoas precisam crescer, precisam ter a formação que abordem a diversidade, o respeito de uma forma mais incisiva, porque na época que eu estudava era passado, assim, muito superficialmente. Isso era uma coisa que as pessoas diziam: "Ah, já está subentendido", mas não está subentendido.

 

Repórter Raíssa Lopes: Para fazer com que casos como o de Adriano sejam cada vez mais raros e articulando ações de enfrentamento à violência contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros, o Ministério dos Direitos Humanos e 12 estados assinaram Pacto Nacional de Enfrentamento à LGBTfobia. O secretário nacional de Cidadania do Ministério, Herbert Barros, explica que o pacto será concretizado por meio de planos de ações estaduais.

 

Secretário nacional de Cidadania do Ministério - Herbert Barros: Um pacto para que os estados fortaleçam as estruturas estaduais para a realização e implementação de políticas públicas que façam o enfrentamento da violência LGBTfóbica no nosso país, de modo especial, os homicídios, que tanto nos preocupam.

 

Repórter Raíssa Lopes: Com o pacto, os estados signatários se comprometem a criar estruturas nos governos estaduais para promover políticas LGBT, cooperar a sociedade civil e estimular o funcionamento dos conselhos estaduais de combate à discriminação. Em contrapartida, o Governo Federal vai dar apoio técnico e capacitação a gestores. A sociedade civil foi parte importante na construção do documento. E para o presidente do Conselho Nacional LGBT Washington Dias, a assinatura é um momento de comemoração e conquista.

 

Presidente do Conselho Nacional LGBT - Washington Dias: Levantando em consideração o número de assassinatos, né, e de violações e violências de direitos humanos que a população LGBT sofre no Brasil, está aqui hoje o momento de celebrar essa conquista, e, para além de celebrar essa conquista, fazer com que a sociedade tenha também esse olhar.

 

Repórter Raíssa Lopes: Só no ano passo o Disque 100 de direitos humanos recebeu mais de 1,7 mil denúncias de violação LGBT. A violência física esteve presente em 31% dos casos. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Nasi: O estado de Roraima está recebendo uma série de investimentos do Ministério da Saúde para ações e serviços de saúde.

 

Gabriela: Os recursos vão reforçar o atendimento do SUS com entrada de milhares de imigrantes venezuelanos pelo estado.

 

Nasi: São R$ 187 milhões que serão destinados a obras em unidades de saúde, reforço e ampliação no atendimento hospitalar e na atenção básica, além da aquisição de vacinas para a imunização da população contra doenças.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com o Minuto do TCU e em seguida as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".