21 DE MAIO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques de hoje na Voz do Brasil: A partir de hoje, solicitar aposentadoria por idade e salário-maternidade vai ficar mais fácil. Pedidos devem ser feitos pela internet ou por telefone; Governo faz balanço de ações para acolher venezuelanos que entram no Brasil; Empresas contratam mais Jovens Aprendizes: 3 primeiros meses do ano registram metade das contratações de todo ano passado; Vamos falar ainda do recorde de turistas estrangeiros por aqui. E um novo acordo assinado hoje para tornar o Brasil um destino turístico LGBT.

audio/mpeg Voz_do_Brasil_21_05_18.mp3 — 23550 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Segunda-feira, 21 de maio de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: A partir de hoje, solicitar aposentadoria por idade e salário-maternidade vai ficar mais fácil.

 

Nasi: Pedidos devem ser feitos pela internet ou por telefone.

 

Gabriela: Atendimento promete acelerar a concessão dos benefícios. Márcia Fernandes.

 

Repórter Márcia Fernandes: O segurado só será chamado a uma agência se houver necessidade, por causa da falta de algum documento, por exemplo. Se tudo estiver certo, o benefício será concedido automaticamente.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: Governo faz balanço de ações para acolher venezuelanos que entram no Brasil.

 

Nasi: Empresas contratam mais jovens aprendizes.

 

Gabriela: Três primeiros meses do ano registram metade das contratações de todo o ano passado. Raíssa Lopes.

 

Repórter Raíssa Lopes: No primeiro trimestre deste ano, mais de 124 mil jovens foram contratados pelo programa.

 

Nasi: Vamos falar ainda do recorde de turistas estrangeiros por aqui.

 

Gabriela: E um novo acordo assinado hoje para tornar o Brasil um destino turístico LGBT.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: A partir de hoje, solicitar aposentadoria por idade ou salário-maternidade vai ficar mais fácil.

 

Gabriela: Os pedidos devem ser feitos pela internet ou por telefone, na Central 135.

 

Nasi: Se a documentação estiver toda em ordem, o benefício é concedido automaticamente. A repórter Márcia Fernandes tem os detalhes.

 

Repórter Márcia Fernandes: Quem precisa de serviços do INSS geralmente se prepara para enfrentar filas. Mas essa situação deve mudar. Agora, os segurados que quiserem pedir a aposentadoria urbana por idade ou o salário-maternidade não precisam mais ir a uma agência da Previdência. Eles devem fazer a solicitação pela internet ou pelo telefone. O diretor de Benefícios do INSS, Alessandro Ribeiro, conta que nesses canais em vez de agendar o atendimento presencial a pessoa já faz direto o pedido do benefício.

 

Diretor de Benefícios do INSS - Alessandro Ribeiro: Em algumas localidades, demorava até cem dias entre o agendamento e o comparecimento dela na agência. Logo, esses cem dias não vão mais existir. Às vezes, ela tinha que esperar duas, três horas para ser atendida na agência, para daí gerar a concessão do benefício, que era feita em quinze minutos, vinte minutos, meia hora, o benefício dela, porque não tinha nenhuma pendência. No modelo que a gente está colocando no ar, a partir da hora que não tem pendência, esse benefício vai poder ser concedido em alguns minutos ou até alguns dias.

 

Repórter Márcia Fernandes: Depois de fazer o pedido, é preciso acompanhar o andamento. O segurado só será chamado a uma agência se houver necessidade, por causa da falta de algum documento, por exemplo. Mas se tudo estiver certo, o benefício será concedido automaticamente. Para a servidora pública Maria Benta Moraes, isso deve facilitar o dia a dia dos segurados.

 

Servidora pública - Maria Benta Moraes: Eu acho que vai adiantar um pouco mais para as pessoas, que sempre que agenda, tem que vir aqui do mesmo jeito.

 

Repórter Márcia Fernandes: Por enquanto, a medida vale apenas para o salário-maternidade e aposentadoria por idade, mas a ideia é expandir para outros benefícios. O funcionário público Sânzio Ulhoa defende o uso da tecnologia para deixar o processo mais rápido e prático.

 

Funcionário Público - Sânzio Ulhoa: É um serviço muito útil. Tem que cada vez mais usar a tecnologia, não é?

 

Repórter Márcia Fernandes: Outros serviços, que antes eram feitos somente no INSS, agora devem ser agendados, como a transferência do benefício para outra agência ou a atualização de dados do Imposto de Renda. Para agendar esses serviços, pedir a aposentadoria urbana por idade ou salário-maternidade, é preciso acessar o site inss.gov.br e clicar no ícone Meu INSS, ou ligar no número 135. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Gabriela: A última edição da Voz do Brasil destacou a geração de mais 115 mil empregos com carteira assinada em abril.

 

Nasi: E o melhor mês de abril desde 2013 mostra que as contratações entram em um novo ritmo.

 

Gabriela: Pois é, Nasi, ritmo que só aumenta para quem é Jovem Aprendiz.

 

Nasi: Mais de 124 mil jovens entraram no mercado de trabalho este ano, por meio da Lei da Aprendizagem.

 

Gabriela: Uma oportunidade de conhecimento e experiência para quem aprende e benefícios para quem ensina.

 

Repórter Raíssa Lopes: Protocolo, arquivo e controle de estoque fazem parte da rotina de Renan Soares, de 16 anos. Todos os dias, ele sai da escola e vai para os Correios, onde trabalha como Jovem Aprendiz na área administrativa. O adolescente sabe que, no futuro, ter no currículo que foi Jovem Aprendiz em uma empresa de grande porte vai ajudar a conseguir um bom emprego.

 

Jovem Aprendiz - Renan Soares: Quando eu for arrumar outro emprego, eu ter mais oportunidade.

 

Repórter Raíssa Lopes: Fernando Gutemberg, de 18 anos, também é Jovem Aprendiz dos Correios. Ele conta que mudou muito desde que começou a trabalhar.

 

Jovem Aprendiz - Fernando Gutemberg: O tíquete alimentação, na verdade, ajuda em casa e ajuda nessa parte, e o dinheiro eu aplico mais na parte do estudo.

 

Repórter Raíssa Lopes: Para o presidente dos Correios, Carlos Fortner, o Jovem Aprendiz traz vantagens para todos.

 

Presidente dos Correios - Carlos Fortner: Ganha o país, porque leva para essas pessoas conceitos de ética, conceitos de trabalho e, principalmente, a inserção social.

 

Repórter Raíssa Lopes: No Brasil, todas as empresas de médio e grande porte devem ter em seus quadros de funcionários entre 5% e 15% de jovens aprendizes, adolescentes e jovens entre 14 e 24 anos. Lançado em 2005, o programa prevê contrato de até dois anos, com jornada de trabalho de até seis horas e benefícios. No primeiro trimestre deste ano, mais de 124 mil jovens foram contratados pelo programa. No total, são mais de 400 mil jovens aprendizes no país, mas, de acordo com o secretário executivo do Ministério do Trabalho, Leonardo Arantes, esse número poderia ser bem maior.

 

Secretário Executivo do Ministério do Trabalho - Leonardo Arantes: O nosso estoque poderia chegar a mais de 900 mil jovens, mas nós estamos trabalhando muito forte, o Ministério do Trabalho está trabalhando muito forte, junto com a Inspeção do Trabalho, nossos auditores, que sempre estão fiscalizando e orientando as empresas que contratem aprendizagem no país.

 

Repórter Raíssa Lopes: Neste ano, São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais são os estados que mais contrataram jovens aprendizes. E os setores que mais admitiram foram a indústria da transformação e o comércio. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Nasi: E atenção, jovens que têm interesse em participar do programa.

 

Gabriela: Os Correios estão com inscrições abertas para preencher 5 mil vagas para aprendiz em todo o país.

 

Nasi: Os candidatos devem ter entre 14 a 22 anos e estarem cursando no mínimo o nono ano do Ensino Fundamental.

 

Gabriela: Informações no site dos Correios, em correios.com.br.

 

Nasi: Recorde de turistas estrangeiros no Brasil.

 

Gabriela: Números que batem, inclusive, o período da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos por aqui.

 

Nasi: E são nossas belezas naturais, hospitalidade e boa comida que mais atraem esses turistas.

 

Gabriela: Os dados são de um levantamento do Ministério do Turismo.

 

Repórter Gabriela Noronha: Quando o assunto é férias, o destino preferido da fotógrafa Sol Peres é o Brasil. Ela é argentina e já veio tantas vezes ao país que até arrisca o português. Para ela, o difícil é escolher qual cidade ou região gosta mais.

 

Fotógrafa - Sol Peres: No começo, acho que eu gostava muito da praia, mas eu conheci esses lugares mais pelo dentro, até sertão, e eu acho maravilhoso tudo, pela cultura do Brasil.

 

Repórter Gabriela Noronha: No ano passado, para 88% dos turistas estrangeiros que escolheram o Brasil como destino, a experiência superou ou atendeu plenamente as expectativas. De acordo com levantamento do Ministério do Turismo, é o maior índice desde 2013. E não é só isso, não; 95% dos entrevistados disseram que têm a intenção de retornar ao país. Para o ministro do Turismo, Vinícius Lummertz, os bons resultados são reflexos dos investimentos em infraestrutura e qualificação turística.

 

Ministro do Turismo - Vinícius Lummertz: Nós conseguimos, recentemente, grandes avanços no Turismo, com os vistos eletrônicos para vários países, fizeram crescer muito a vinda de turistas para o Brasil. Estamos preparando espalhar pelo Brasil uma linha de crédito importante, R$ 5 bilhões, para emprestar para o público e para o privado, nos lugares onde tem turismo.

 

Repórter Gabriela Noronha: E por satisfazer tão bem o turista estrangeiro, o Brasil bateu outro recorde: recebeu, em 2017, mais de 6,5 milhões de turistas estrangeiros. O número é maior inclusive aos obtidos durante a Copa do Mundo e aos Jogos Olímpicos. A argentina Sol, que desembarcou hoje no Aeroporto de Brasília, conta o segredo dos brasileiros: hospitalidade e boa comida.

 

Fotógrafa - Sol Peres: Vocês são muito simpáticos, eu acho que isso é muito bem para um turista, sempre se encontrar com um sorriso, um jeito bom de falar, de indicar onde você tem que ir, onde tem que sair. Eu acho que isso é muito bom. E olha, a comida daqui é muito gostosa. Então é como tudo perfeito, não é?

 

Repórter Gabriela Noronha: E os vizinhos da América do Sul são os que mais têm aproveitado o Brasil. Segundo o estudo, os argentinos foram os que mais nos visitaram, com mais de 2,6 milhões de turistas, crescimento de 14% em relação a 2016. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Nasi: E esse número de turistas pode ser ainda maior.

 

Gabriela: É que um acordo firmado hoje pode tornar o Brasil um destino LGBT.

 

Nasi: Além de combater o preconceito, o público LGBT representa uma parcela importante para a economia no Turismo.

 

Repórter Márcia Fernandes: Você sabe o que é um espaço 'gay-friendly'? São locais que procuram oferecer um ambiente confortável e inclusivo para o público LGBT. Para transformar o Brasil em um destino 'gay-friendly', o Ministério do Turismo, a Embratur e a Câmara do Comércio e Turismo LGBT assinaram um acordo. O objetivo é promover e divulgar atrações voltadas para este público, dentro do Brasil e também em outros países. O ministro do Turismo, Vinícius Lummertz, defendeu que o turismo pode ser um ponto de partida para combater o preconceito.

 

Ministro do Turismo - Vinícius Lummertz: A diversidade, tolerância do Brasil, dão sinais para o mundo de um país moderno, de um país que aceita culturas, aceita pontos de vistas diferentes e a quer acolher.

 

Repórter Márcia Fernandes: Dados da Organização Mundial do Turismo apontam que, a cada dez turistas no mundo, um é do segmento LGBT. Esse grupo é responsável por cerca de 15% da movimentação financeira no setor. A presidente da Embratur, Teté Bezerra, destacou que o acordo, além de ser uma importante ação social, é também um investimento econômico.

 

Presidente da Embratur - Teté Bezerra: Há um público importante, que viaja muito e que sabe-se do impacto econômico deste público, que é um público exigente, que demanda produtos de qualidade e excelência na prestação de serviços. E, desta forma, impulsiona o desenvolvimento do nosso setor.

 

Repórter Márcia Fernandes: Várias ações estão previstas no acordo, como pesquisas sobre os hábitos de consumo e apoio à venda de serviços e destinos ligados ao público LGBT. A qualificação profissional de prestadores de serviços, para que eles evitem o preconceito também está na lista de ações. O blogueiro Rafael Leick tem uma página na internet com dicas de destinos e eventos voltados para o público LGBT. Para ele, esse acordo é importante para atender um público que está acostumado a viajar.

 

Blogueiro - Rafael Leick: Porque o público LGBT costuma viajar mais do que o público heterossexual, então, além de ser socialmente importante, tem um retorno econômico.

 

Repórter Márcia Fernandes: Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Salvador e Florianópolis estão entre os destinos mais procurados. A meta é que outros locais também se tornem destinos 'gay-friendly'. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Gabriela: Como é a qualidade da internet na cidade onde você mora?

 

Nasi: Ainda nesta edição, a Voz do Brasil vai responder a dúvida de um ouvinte sobre o assunto.

 

Gabriela: O Governo prepara uma grande ação para levar internet rápida a todos os cantos do país.

 

Nasi: É a sua dúvida também? Então não sai daí.

 

Gabriela: Mais de 48 mil venezuelanos já pediram para se regularizar no Brasil entre o ano passado e este ano.

 

Nasi: Eles estão atravessando a fronteira com a intenção de conseguir melhores condições de vida no Brasil.

 

Gabriela: O assunto foi pauta de uma reunião feita hoje com a presença do presidente Michel Temer. O repórter Pablo Mundim tem os detalhes ao vivo para a gente. Boa noite, Pablo.

 

Repórter Pablo Mundim (ao vivo): Boa noite, Gabriela. Boa noite, Nasi. Boa noite ouvintes da Voz do Brasil. Pois é, o Comitê Federal de Assistência Emergencial apresentou, nesta segunda-feira, ao presidente Michel Temer, o balanço das atividades realizadas, com relação ao fluxo migratório de venezuelanos que entram no Brasil. De acordo com o Comitê, formado por dez ministérios e a Casa Civil, mais de 48 mil venezuelanos solicitaram pedido de regularização no país. No primeiro trimestre deste ano, foram construídos nove abrigos, que acolhem cerca de 4 mil venezuelanos, e estão previstas a construção de mais dois abrigos, com mais 2 mil vagas. Além de refeição e assistência social, os venezuelanos que atravessam a fronteira também recebem cuidados com a saúde. Mais de 9 mil passaram por atendimento hospitalar e receberam vacinas, como a de sarampo e caxumba. Uma força-tarefa também combate o trabalho escravo, confecciona carteiras de trabalho, além de ações de inserção no mercado, como orientação à língua portuguesa. Para os próximos meses, está previsto o transporte de cerca de 300 venezuelanos para Cuiabá, no Mato Grosso, Manaus, no Amazonas, e São Paulo. Lembrando que o estado de Roraima é a principal porta de entrada dos imigrantes venezuelanos. Nas contas do Governo, cerca de 10 mil venezuelanos estão em Boa Vista e os demais estão distribuídos nos demais estados brasileiros. Ao vivo, Pablo Mundim.

 

Nasi: E os governos de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia e outros nove países divulgaram nota conjunta, onde informam não reconhecer a legitimidade do processo eleitoral que ocorreu ontem, na Venezuela.

 

Gabriela: Os países destacam que as eleições não foram realizadas em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente.

 

Nasi: Em nota, os países afirmam ainda que devem reduzir o nível de relações diplomáticas com a Venezuela, e para isso devem chamar para consultas os embaixadores em Caracas.

 

Gabriela: O Governo Brasileiro também lamentou o processo eleitoral ocorrido na Venezuela.

 

Nasi: Disse, em nota, que continuará atuando em favor do restabelecimento da democracia e seguirá empenhado para acolher venezuelanos que entram no Brasil, fugindo da crise.

 

Gabriela: Aquele computador velho ou a impressora que não tem mais serventia.

 

Nasi: Equipamentos que não funcionam mais e a gente não sabe mais o que fazer com eles.

 

Gabriela: Pois é, Nasi, mas um projeto transforma tudo isso em matéria prima para treinamento de jovens e adultos.

 

Nasi: E depois de consertados, eles são doados e servem de ferramenta para alunos de centros de inclusão digital.

 

Gabriela: Um projeto que é apoiado pelo Governo Federal e agora ganhou uma nova forma de divulgação.

 

Nasi: É, um ônibus vai rodar pelas ruas de Brasília para conscientizar a população e ainda recolher material eletrônico em desuso.

 

Repórter João Pedro Neto: Computadores, celulares, acessórios, componentes eletrônicos usados, antigos ou que não funcionam mais. Esse material, doado por quem não precisa mais dele, se torna matéria prima para os alunos do CRC, o Centro de Recondicionamento de Computadores de Valparaíso de Goiás. Ali, jovens como o Davi Moreira, de 17 anos, consertam e atualizam os equipamentos eletrônicos, ao mesmo tempo em que recebem capacitação profissional, fazendo cursos de informática e montagem de equipamentos.

 

Aluno - Davi Moreira: A gente aprendeu a montar e desmontar máquina, e estou gostando bastante de estar mexendo com informática, e pretendo sim seguir a carreira com isso.

 

Repórter João Pedro Neto: Os computadores e materiais recuperados são encaminhados para escolas, bibliotecas e outras instituições com programas de inclusão digital. O que não pode ser reaproveitado, é encaminhado para reciclagem. E o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, que apoia o projeto, lançou, em parceria com o CRC de Valparaíso, uma iniciativa para facilitar o descarte de lixo eletrônico e aumentar o volume de material recolhido: um ônibus adaptado, que vai funcionar como centro móvel de recondicionamento. Vai circular nas próximas semanas na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, e em outros pontos do Distrito Federal, como explica Vilmar Simion Nascimento, coordenador do CRC de Valparaíso de Goiás.

 

Coordenador do CRC de Valparaíso de Goiás - Vilmar Simion Nascimento: Essa coleta, ela tem o caráter pedagógico, para conscientizar a população, ensinar a importância do descarte. Anualmente, nós temos capacidade de doar pelo menos mil computadores, capacitar pelo menos 600 alunos e tratar de 400 a 500 toneladas de lixo eletrônico.

 

Repórter João Pedro Neto: O projeto dos Centros de Recondicionamento de Computadores completou dez anos. E, para o secretário de Telecomunicações do Ministério, André Borges, um exemplo de política pública bem sucedida.

 

Secretário de Telecomunicações - André Borges: Ele é bom sob todos os aspectos, é uma consciência de meio ambiente, de disposição, de equipamentos eletrônicos, ao mesmo tempo é um reaproveitamento de equipamentos que ainda podem ser reutilizados por um outro público, é a capacitação do jovem...

 

Repórter João Pedro Neto: O Centro de Recondicionamento de Computadores tem dez unidades distribuídas por todas as regiões do país. Para saber mais, basta acessar a página do Ministério na internet. O endereço é www.mctic.gov.br. Reportagem, João Pedro Neto.

 

"Você na Voz do Brasil".

 

Gabriela: Uma internet rápida, que não sofre interrupções a toda hora e capaz de exibir vários conteúdos, como vídeos.

 

Nasi: Isso é o que espera todo usuário que acessa a rede mundial de computadores.

 

Gabriela: Mas nem sempre é assim que funciona. O ouvinte Paulo Campos, do distrito de Monte Verde, na cidade de Camanducaia, em Minas Gerais, quer saber se o Governo estuda melhorar a qualidade do serviço. Vamos ouvir.

 

Ouvinte - Paulo Campos: Meu nome é Paulo, falo de Camanducaia. A internet aqui na minha cidade é muito ruim e muito cara. Eu gostaria de saber se o Governo tem algum projeto para oferecer um serviço com uma qualidade melhor e mais barata.

 

Nasi: Paulo, a nossa produção foi buscar a resposta para você e quem tem as informações é a repórter Raquel Mariano.

 

Repórter Raquel Mariano: Olá, Paulo. Para responder a sua pergunta, entramos em contato com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e quem respondeu foi o diretor de Inclusão Digital, Américo Bernardes.

 

Diretor de Inclusão Digital - Américo Bernardes: Então, Paulo, o que nós estamos trabalhando é no sentido de que a gente possa levar o serviço de acesso à internet para todos os municípios e para todas as localidades desses municípios. Se você pensar aí em Camanducaia, que tem vários distritos, várias localidades, assim como outros tantos municípios brasileiros, eles ainda carecem de uma oferta adequada de serviço, como você está reclamando, não é? Então, o Ministério, ele criou, no final de 2017, o programa Internet Para Todos. A ideia do Internet Para Todos é que, com o apoio do Ministério e apoio das prefeituras, que as empresas possam levar o serviço a essas localidades, como você está colocando, aí em Monte Verde, onde você ainda não tem uma cobertura adequada.

 

Repórter Raquel Mariano: Então, Paulo, como o Américo Bernardes nos explicou, existe o programa Internet Para Todos, que tem como meta garantir a cobertura de internet em todo o território brasileiro. Mas, para participar, as prefeituras precisam aderir ao programa. E temos uma boa notícia, Paulo. Entramos em contato com a prefeitura aí de Camanducaia, e a sua cidade é uma das 3,7 mil que já se inscreveram no programa. Isso quer dizer que a prefeitura vai garantir a energia elétrica e o espaço para a implantação da antena e a empresa de telecomunicações garante a internet. Ainda no primeiro semestre desse ano, os municípios já vão começar a implantação das primeiras antenas. O diretor Américo Bernardes também nos contou como a prefeitura interessada em aderir ao programa deve fazer.

 

Diretor de Inclusão Digital - Américo Bernardes: O prefeito tem que assinar um instrumento conosco, um termo de adesão ao programa, onde ele se compromete a apoiar a colocação de equipamentos nessas localidades onde você não tem a prestação adequada do serviço. Esse é o papel da prefeitura. Tão logo o município se inscreva, nós encaminhamos a adesão do município para empresas credenciadas, que vão procurar o prefeito.

 

Repórter Raquel Mariano: Paulo, esperamos que Monte Verde, esse destino turístico em que você mora, na Serra da Mantiqueira, tenha, em breve, além das suas belezas naturais, internet boa para os moradores e para os turistas. É com vocês aí no estúdio.

 

Gabriela: Obrigada, Raquel. E se você também tem dúvidas sobre algum programa do Governo Federal, mande a sua pergunta para a gente.

 

Nasi: Basta gravar uma mensagem e mandar para o nosso e-mail: voz@ebc.com.br, ou no nosso Whatsapp: 61 99862-7345. Eu vou repetir: 61 99862-7345.

 

Gabriela: A produção da Voz do Brasil vai buscar a resposta para você. Participe.

 

Nasi: O Brasil é um país grande, com uma produção de alimentos de todos os tipos.

 

Gabriela: E para ajudar as produções regionais a crescer, o Governo usa de algumas ações. Uma delas é a criação das chamadas rotas.

 

Nasi: Já existe a rota do cacau, do açaí, do leite, da mandioca, e a mais recente é a rota do mel, na pequena cidade de Jandaíra, no Rio Grande do Norte.

 

Gabriela: O Governo investe, com equipamentos e capacitação, dando mais condições para gerar emprego e renda na cidade.

 

Repórter Cleide Lopes: As qualidades do mel são abundantes, mas, além disso, é também um negócio rentável. Para se ter uma ideia, o quilo do mel da abelha Jandaíra, sem ferrão, produzido no agreste do Rio Grande do Norte, pode valer até oito vezes mais do que outras espécies encontradas no Brasil. Esse mel, que é saboroso e raro, por ser produzido de forma natural, tem sido uma das principais fontes econômicas da região. E para estimular ainda mais a produção local, ampliando as oportunidades de emprego e renda, o Ministério da Integração Nacional implantou o primeiro polo de mel de Jandaíra do estado. Francisco Melo Medeiros conta que a criação do polo vem impulsionar ainda mais a economia local.

 

Entrevistado - Francisco Melo Medeiros: A partir das metodologias do Ministério da Integração, juntar-se, agregar-se vários parceiros importantes, para impulsionar essa atividade. No que concerne à capacitação, no que concerne à elaboração de projetos para ser investido na cadeia produtiva local.

 

Repórter Cleide Lopes: As atividades estão sendo desenvolvidas em nove municípios, onde a maioria das cooperativas de produtores é formada por jovens, uma forma de gerar emprego e renda, como explica o secretário de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração, Marlon Cambraia.

 

Secretário de Desenvolvimento Regional - Marlon Cambraia: Nós estamos investindo R$ 5 milhões na cadeia produtiva do mel, comprando kits de apicultura, que são aquelas caixas onde as colmeias são armazenadas, roupas especiais para o lidar com a atividade, para que eles desenvolvam a atividade e possam, inclusive, agregar valor, como é o caso de Jandaíra.

 

Repórter Cleide Lopes: O primeiro polo do mel de Jandaíra conta com mais de 700 colônias e atende cerca de 1,2 mil famílias de baixa renda. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: As inscrições para o Enem 2018 terminaram na última sexta-feira.

 

Gabriela: E o número de inscritos só vai ser divulgado após a confirmação dos pagamentos da taxa de inscrição.

 

Nasi: E atenção, os candidatos têm até quarta-feira, dia 23, para realizar o pagamento em instituições bancárias, agências dos Correios e casas lotéricas.

 

Gabriela: E estas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite para você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".