22 DE MAIO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques de hoje na Voz do Brasil: Municípios vão poder ampliar rede de atendimento a saúde. Presidente Michel Temer autoriza transformar prédios que nunca foram usados em postos de saúde; Temer também anuncia em encontro de prefeitos, liberação de R$ 600 milhões para educação; R$11 bilhões devem ser injetados na economia com acordo dos planos econômicos. Plataforma para adesão dos poupadores foi lançada hoje; Consignado mais barato já ampliou em R$16 bilhões o crédito na economia; E economia aquecida significa aumento na arrecadação. Com mais recursos, governo libera DOIS bilhões para obras e área social.

audio/mpeg Voz_do_Brasil_22_05_18.mp3 — 23560 KB




Transcrição


 

Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá, boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você, que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Terça-feira, 22 de maio de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Municípios vão poder ampliar rede de atendimento à Saúde.

 

Nasi: Presidente Michel Temer autoriza transformar prédios que nunca foram usados em postos de saúde.

 

Gabriela: E a prefeitos, Temer também anuncia liberação de R$ 600 milhões para educação.

 

Presidente Michel Temer: Temos um terço do nosso Governo ainda pela frente. Eu quero que pelo menos metade deste um terço seja direcionado aos interesses dos municípios brasileiros.

 

Nasi: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Gabriela: R$ 11 bilhões devem ser injetados na economia com o acordo dos planos econômicos.

 

Nasi: Plataforma para adesão dos poupadores foi lançada hoje. Luana Karen.

 

Repórter Luana Karen: Cerca de 3 milhões de poupadores têm a chance de dar um fim a uma disputa que se arrasta há décadas.

 

Gabriela: Consignado mais barato já ampliou em R$ 23 bilhões o crédito na economia. Raíssa Lopes.

 

Repórter Raíssa Lopes: O volume que crescia cerca de 0,2% ao mês passou a crescer mais de 0,6%, o que injetou mais dinheiro na economia.

 

Nasi: E economia aquecida significa aumento na arrecadação.

 

Gabriela: Com mais recursos, Governo libera R$ 2 bilhões para obras e área social.

 

Nasi: Na apresentação da Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Gabriela: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Nasi: Ampliar o atendimento de Saúde nos municípios.

 

Gabriela: Para isso, o presidente Michel Temer anunciou hoje uma readequação da rede física do Sistema Único de Saúde.

 

Nasi: Com a medida, estados e municípios vão poder utilizar a estrutura de Unidades de Pronto Atendimento, as UPAs, que estão prontas, mas não funcionam para outra finalidade na área de Saúde.

 

Gabriela: Hoje, quase 150 UPAs construídas estão paradas, sem oferecer atendimento à população.

 

Nasi: Temer também destacou o repasse de mais recursos para Educação, além de novas linhas de crédito em bancos públicos, para que os prefeitos possam aumentar investimentos nas cidades brasileiras.

 

Repórter Cleide Lopes: Quase 8 mil prefeitos e representantes municipais estão reunidos em Brasília para trazer as demandas de suas cidades na Marcha dos Prefeitos. O presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski, falou de ações do Governo Federal que têm contribuído na recuperação dos municípios brasileiros.

 

Presidente da Confederação Nacional dos Municípios - Paulo Ziulkoski: Pedimos um aumento na merenda, era R$ 0,30, passou um aumento de 20% no seu governo. Na questão do transporte escolar, 20% também. Não é muito, mas são alguns bilhões a mais. A solução do problema das creches, conseguimos a liberação dos R$ 400 milhões, o ano passado, aqui nesse local, o senhor assinou a Medida Provisória do Reparcelamento das Dívidas Previdenciárias.

 

Repórter Cleide Lopes: Na abertura da Marcha dos Prefeitos, o Presidente Michel Temer anunciou que as prefeituras vão poder transformar prédios feitos para Unidades de Pronto Atendimento em novos postos ou unidades de saúde. A ideia é aumentar a rede de atendimento de saúde pública nos municípios. Temer lembrou que tem atendido a demanda dos prefeitos com a liberação de R$ 2 bilhões para os municípios, sendo R$ 1 bilhão para a Saúde, R$ 400 milhões para o Desenvolvimento Social e agora R$ 600 milhões para a Educação.

 

Presidente Michel Temer: Já estão depositados os últimos R$ 600 milhões da Educação. Tudo isso é comemorável hoje, de fora parte esse decreto que eu assinei, referente às UPAs poderem atender como Unidades Básicas de Saúde, facilita muito a vida de vocês, não é? Nós garantimos o aumento do valor da compensação paga aos municípios que têm áreas alagadas pela construção de barragens, não é? Me disseram aqui que serão mais de 700 municípios alcançados, portanto alcançando uma população de 42 milhões de brasileiros.

 

Repórter Cleide Lopes: Os prefeitos vão contar ainda com mais linhas de crédito do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. O diretor de Governo e Infraestrutura do BNDES, Marco Ferrari, lembrou que a instituição tem R$ 20 bilhões em caixa para estados e municípios.

 

Diretor de Governo e Infraestrutura do BNDES - Marco Ferrari: O banco tem várias linhas para serem ofertadas aos municípios. Tem a linha tradicional do banco, que é o Finem, que ele pode pegar financiamento para, por exemplo, investir em obra pública, os estados podem pegar para investir em presídio. Nós estamos aceitando as propostas. Então, é importante que os municípios procurem o banco nesse momento, em que é importante para os municípios terem esse empréstimo.

 

Repórter Cleide Lopes: Em redes sociais, o Presidente Temer autorizou também a prorrogação, até o final do ano, do prazo dos restos a pagar de 2016. Com isso, novas obras poderão ser finalizadas. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Gabriela: Foram mais de 30 anos de espera e uma grande batalha na Justiça.

 

Nasi: Três milhões de poupadores que brigavam pelos rendimentos perdidos em planos econômicos dos anos 80 e 90 finalmente vão poder receber o dinheiro.

 

Gabriela: Um acordo foi firmado entre bancos e correntistas, com ajuda da Advocacia-Geral da União.

 

Nasi: Para começar a valer, é preciso a adesão dos poupadores numa plataforma que foi lançada hoje.

 

Gabriela: Com os recursos que devem ser depositados, R$ 11 bilhões vão ser injetados na economia.

 

Repórter Luana Karen: As lembranças do dia em que ficou sem o dinheiro que poupou durante 40 anos de trabalho ainda estão frescas na memória do Dirceu Gardelin, de 80 anos.

 

Entrevistado - Dirceu Gardelin: Fomos dormir poupadores e amanhecemos sem nada, e sem possibilidade de mexer, e necessitando, para a saúde.

 

Repórter Luana Karen: Vinte e sete anos se passaram até o dia de hoje. Dirceu agora comemora e faz planos.

 

Entrevistado - Dirceu Gardelin: Acho que melhor coisa é viajar.

 

Repórter Luana Karen: Além dele, cerca de 3 milhões de poupadores têm a chance de dar um fim a uma disputa que se arrasta há décadas. Eles ingressaram na Justiça em mais de um milhão de ações individuais e coletivas, para reaver a correção da poupança durante os planos Bresser, Verão e Collor, das décadas de 1980 e 1990. Agora, podem aderir a um acordo intermediado pela Advocacia-Geral da União. A adesão é opcional. Caso o titular da poupança tenha morrido, os herdeiros poderão receber o recurso. A advogada-geral da União, Grace Mendonça, destaca que a adesão ao plano será feita de acordo com a idade do poupador.

 

Advogada-geral da União - Grace Mendonça: Os mais idosos terão precedência nos lotes de adesão desse acordo, que será, na verdade, todo ele tratado através de uma plataforma eletrônica.

 

Repórter Luana Karen: O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou que o acordo acaba com incertezas que colocavam em risco a estabilidade do sistema bancário do país.

 

Presidente do Banco Central - Ilan Goldfajn: Finalmente, vencemos um desafio histórico, que favorece a estabilidade do sistema financeiro, o desenvolvimento econômico sustentável e o avanço do bem-estar social.

 

Repórter Luana Karen: O presidente Michel Temer listou os impactos de natureza social, econômica e institucional da medida, e afirmou que o acordo tem o potencial de injetar dinheiro na economia.

 

Presidente Michel Temer: Entre R$ 11 bilhões a R$ 12 bilhões, ou seja, quem vai receber essas verbas, naturalmente, vai aplicá-las da mais variada forma, como foi feito, aliás, quero apenas relembrar, no caso da liberação das contas inativas do Fundo de Garantia e como está sendo realizado agora, com a liberação do PIS/Pasep.

 

Repórter Luana Karen: A partir do momento em que receber o pedido de adesão ao acordo, por parte do poupador, os bancos têm 60 dias para analisar a documentação. Finalizada essa etapa, em 15 dias, devem fazer o pagamento. As adesões devem ser feitas pelo site pagamentodapoupanca.com.br. Reportagem, Luana Karen.

 

Nasi: Ninguém gosta de fazer dívidas, mas às vezes não tem como escapar. E nessa hora, o aconselhável é pesquisar qual modalidade é mais barata.

 

Gabriela: Muitos brasileiros têm optado pelo crédito consignado, aquele tipo de empréstimo em que as parcelas já vem cobradas direto no salário.

 

Nasi: E com a queda na taxa de juros e do limite máximo que pode ser cobrado pelo banco, a liberação desse crédito aumentou.

 

Gabriela: Em um ano, foram mais de R$ 23 bilhões em operações do consignado, dinheiro que ajuda a população a pagar dívidas e também investir em bens.

 

Repórter Raíssa Lopes: Maria de Lurdes da Silva Severino é aposentada e presidente da Associação dos Idosos de Taguatinga, no Distrito Federal. No início deste ano, precisou pegar empréstimo para ajudar a filha a pagar as prestações atrasadas da casa própria. Por indicação do banco, escolheu o crédito consignado, aquele que é descontado diretamente na folha de pagamento.

 

Aposentada - Maria de Lurdes da Silva Severino: Devido o valor ser menor, dos juros, é menor. Eu consegui e ajudei a minha filha.

 

Repórter Raíssa Lopes: Assim como Maria de Lurdes, mais gente tem se interessado no empréstimo consignado. Em abril do ano passado, o Governo reduziu o percentual máximo que os bancos podem cobrar de juros para servidores públicos, aposentados e pensionistas do INSS. Segundo o Ministério do Planejamento, a medida gerou um crescimento significativo nos empréstimos dessa modalidade, o que injetou mais dinheiro na economia, como explica Júlio Alexandre, secretário de Planejamento e Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento.

 

Secretário de Planejamento e Assuntos Econômicos - Júlio Alexandre: Em março de 2017, o saldo total das operações de crédito consignado era da ordem de R$ 294 bilhões. Agora, a última informação que nós temos, em março de 2018, o saldo total atingiu R$ 317 bilhões, ou seja, houve um aumento de R$ 23 bilhões.

 

Repórter Raíssa Lopes: A parcela de servidores do setor privado que pega empréstimo consignado ainda é pequena, apenas 6%, mas o Governo estuda alternativas para aumentar esse número, é o que conta Júlio Alexandre, do Ministério do Planejamento.

 

Secretário de Planejamento e Assuntos Econômicos - Júlio Alexandre: O que a gente está estudando, junto com a Caixa, que é a agente operadora do FGTS, é uma forma de fazer com que o FGTS seja uma garantia nessas operações de crédito para os trabalhadores do setor privado.

 

Repórter Raíssa Lopes: O economista José Luiz Pagnussat explica que, apesar das vantagens, como ter juros menores do que as outras linhas de crédito disponíveis no mercado, é bom tomar alguns cuidados antes de pegar um crédito consignado.

 

Economista - José Luz Pagnussat: É verificar se cabe no orçamento, não comprometer uma parcela significativa do seu orçamento. No máximo 30%, o ideal seria até menos. E, de outro lado, não fazer empréstimos com período tão longo.

 

Repórter Raíssa Lopes: Desde setembro, quando ocorreu a última redução, o teto dos juros consignados é de 2,05% ao mês para servidores públicos, e de 2,08% ao mês para aposentados e pensionistas do INSS. Reportagem, Raíssa Lopes.

 

Nasi: R$ 100 milhões já estão garantidos para recuperação e reinserção de dependentes químicos neste ano.

 

Gabriela: A informação é do secretário nacional de Políticas sobre Drogas, Humberto Viana.

 

Nasi: Em entrevista à Voz do Brasil e TV NBR, Humberto Viana destacou a prioridade para o trabalho das comunidades terapêuticas e a capacitação de profissionais.

 

Secretário nacional de Políticas sobre Drogas - Humberto Viana: Nós temos já assegurados R$ 100 milhões para atender a comunidades terapêuticas. São recursos oriundos do Ministério da Justiça, do Ministério do Desenvolvimento Social e do Ministério da Saúde. Esses R$ 100 milhões, têm R$ 13 milhões também separados para contratos já realizados, e que a gente dá continuidade no decorrer desse ano. Outras atividades se referem à capacitação de professores. Nós estamos com o portal aberto, que assegurará 7 mil professores, que estarão engajados na capacitação, para que a gente possa multiplicar e, através da educação, a gente conseguir sensibilizar famílias, professores, as comunidades, para que a gente possa enfrentar a questão da droga no país de uma forma muito consciente, muito madura, mas, sobretudo, que traga resultados.

 

Gabriela: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Nasi: Com a economia aquecida, aumenta a arrecadação.

 

Gabriela: E Governo anuncia a liberação de mais R$ 2 bilhões para obras de infraestrutura e área social.

 

"Defesa do Brasil! Defesa do Brasil! Defesa do Brasil!"

 

Nasi: Por causa do aumento nos índices de criminalidade, o Governo Federal decidiu decretar intervenção no Rio de Janeiro.

 

Gabriela: O objetivo é recuperar a capacidade operacional das polícias do estado e reduzir a violência.

 

Nasi: Uma ação que conta com o apoio de militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica e entra no terceiro mês de operação.

 

Repórter Marina Melo: Neste período, as ações coordenadas pelo interventor, General Walter Braga Netto, tiveram como foco o apoio às forças de segurança estaduais e municipais, os patrulhamentos com ações de segurança ostensiva, além da capacitação de policiais e da recuperação de armas e equipamentos, como explica o porta-voz do Comando Conjunto das Operações, Coronel Carlos Frederico Cinelli.

 

Porta-voz do Comando Conjunto das Operações - Coronel Carlos Frederico Cinelli: Nós temos feito operações sistemáticas de estabilização de área e cumprimento, para que a Polícia Civil possa cumprir os seus mandados, e também patrulhamento de vias e determinados bairros da cidade do Rio de Janeiro, em apoio à Polícia Militar. São as chamadas ações de segurança ostensiva. Nessas ações, tanto a Marinha como o Exército e a Aeronáutica entram indistintamente, sempre coordenados com esses órgãos de segurança pública.

 

Repórter Marina Melo: O coronel explica que outro foco das operações está nas regiões mais afetadas pelo crime organizado, como era o caso da Vila Kennedy, que foi ocupada por forças federais e recentemente devolvida ao controle da polícia local.

 

Porta-voz do Comando Conjunto das Operações - Coronel Carlos Frederico Cinelli: O exemplo da Vila Kennedy é muito emblemático nesse sentido, porque foi a primeira operação nesses moldes que nós realizamos, e os resultados foram muito compensadores. Passamos a responsabilidade, na semana passada, para a Polícia Militar, especificamente para o 14º Batalhão, que é o batalhão da área, após ele ter sido reciclado no seu treinamento, ter sido contemplado com novas viaturas, novos armamentos, ou seja, medidas estruturantes em paralelo às operações.

 

Repórter Marina Melo: O Coronel Cinelli explica quais serão os próximos passos da operação.

 

Porta-voz do Comando Conjunto das Operações - Coronel Carlos Frederico Cinelli: E, na semana passada, já inauguramos uma nova fase, que foi num outro grupo de comunidades, ali na Praça Seca, também uma operação muito bem planejada e excepcionalmente bem executada e integrada, Forças Armadas e os órgãos de segurança pública. Logramos êxito em retirar de circulação dois importantes criminosos que estavam ali, aterrorizando a população daquelas comunidades.

 

Repórter Marina Melo: Para se ter uma ideia, o período de atuação na Vila Kennedy resultou em mais de 20 prisões em flagrante, recuperação de mais de mil veículos roubados, apreensão de quase uma tonelada de drogas, além do atendimento a mais de 13 mil pessoas da comunidade em ações cívico-sociais. Reportagem, Marina Melo.

 

Gabriela: E está autorizado o uso das Forças Armadas para a garantia da votação e da apuração nas eleições deste ano.

 

Nasi: Foi publicado hoje o decreto do Presidente Michel Temer que autoriza o emprego dos militares, mediante solicitação do local e período, pelo Tribunal Superior Eleitoral.

 

Gabriela: As eleições estão marcadas para 7 de outubro, quando os brasileiros votam para eleger deputado estadual e distrital, deputado federal, senador, governador e presidente da República.

 

Nasi: Caso haja segundo turno, os eleitores votam novamente em 28 de outubro.

 

Gabriela: O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, aprovou, hoje, a criação de um programa de apoio para investimentos em segurança pública.

 

Nasi: A jornalista Alessandra Bastos está aqui no estúdio e traz mais informações. Boa noite, Alessandra.

 

Jornalista Alessandra Bastos: Boa noite, Nasi. Boa noite, Gabriela. Boa noite, ouvintes da Voz do Brasil. Inicialmente, serão R$ 4 bilhões para compra de equipamentos para as polícias, como viaturas, coletes, miras e armas de choque. Outros R$ 1 bilhão vão ser investidos em projetos estruturantes. Esse volume se refere aos recursos previstos para esse ano de 2018. Os estados, municípios e o Distrito Federal vão ter um prazo para pagamento de até 84 meses, com período de carência de até dois anos. Em fevereiro desse ano, o Governo Federal já havia anunciado o Programa Nacional de Segurança Pública, que, entre outros objetivos, Nasi e Gabriela, busca viabilizar justamente novos investimentos em segurança. No total, os projetos de segurança vão contar com R$ 42 bilhões do BNDES até 2022.

 

Gabriela: Obrigada, Alessandra.

 

Nasi: Estados Unidos e Brasil querem se reunir para combater o crime.

 

Gabriela: E para isso, os dois países lançaram hoje o Foro Permanente de Segurança Brasil - Estados Unidos.

 

Nasi: O fórum vai abordar crimes transnacionais, como cibernéticos, cometidos pela internet, por exemplo.

 

Gabriela: De acordo com o secretário-geral das Relações Exteriores brasileiro, o embaixador Marcos Galvão, o fórum fortalece a capacidade de resposta aos desafios da segurança pública.

 

Nasi: Segundo o embaixador, essa cooperação foi iniciada durante os Jogos Olímpicos de 2016.

 

Secretário-geral das Relações Exteriores - Marcos Galvão: Será um instrumento importante à disposição de nossas agências de segurança e inteligência, para enfrentarem, de maneira mais efetiva, os crimes transnacionais. Ele se insere em um conjunto de iniciativas para fortalecer nossa capacidade de resposta aos desafios da segurança pública no Brasil. Ao darmos um tratamento mais sistemático às nossas ações, vamos conseguir canalizar, de maneira mais eficiente e efetiva, os nossos recursos humanos e materiais.

 

Gabriela: O Governo vai liberar mais R$ 2 bilhões que estavam bloqueados no orçamento deste ano.

 

Nasi: Dinheiro que vai ser usado para finalizar obras e também na área de Educação e Assistência Social.

 

Gabriela: A medida foi anunciada, hoje, pelo Ministério do Planejamento.

 

Repórter Márcia Fernandes: R$ 2 bilhões, um alívio para os ministérios e órgãos públicos. A liberação ocorre depois de um aumento na arrecadação, por causa das concessões da exploração de recursos naturais e também dos leilões de petróleo. A maior parte deste recurso vai ser destinada para as obras e também para os ministérios da Educação e do Desenvolvimento Social, como detalha o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Esteves Colnago.

 

Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão - Esteves Colnago: Os R$ 2 bilhões, grosso modo, nós vamos distribuir R$ 550 milhões para o PAC, R$ 400 milhões para o MEC, R$ 180 para o MDS. São coisas que estão bloqueadas e que a gente vai desbloquear, para que os ministérios conduzam o seu dia a dia.

 

Repórter Márcia Fernandes: O Governo Federal reduziu a previsão de crescimento da economia neste ano, de 2,9% para 2,5%. A inflação também deve ser menor. A expectativa é que, em vez de 3,6%, o índice feche o ano em 3,1%. Reportagem, Márcia Fernandes.

 

Nasi: A partir de julho, vai ter mudança nas regras para transferir o saldo da conta salário para outros bancos.

 

Gabriela: Hoje, quem recebe numa conta salário só pode pedir a transferência ao banco contratado pela empresa.

 

Nasi: Ouça agora o que muda no quadro "Pra você, Cidadão".

 

"Pra você, Cidadão".

 

Repórter Daniel Costa: Quem tem uma conta no banco só para receber o salário e faz transferência dessa renda para um outro banco agora terá o processo simplificado. É que o Banco Central definiu novos procedimentos para portabilidade salarial. Com as mudanças, a transferência vai poder ser realizada pela instituição que vai receber o recurso a pedido do trabalhador, assim como funciona o modelo de portabilidade telefônica. Antes, a transferência de recursos da conta salário só poderia ser solicitada ao banco contratado pelo empregador para depósito do salário. A instituição financeira que for receber o recurso precisa apresentar uma manifestação da vontade do cliente e outros documentos, como a identidade. A conta salário é uma conta aberta a pedido do empregador em nome do empregado, para efetuar o pagamento de salários, aposentadorias e similares. A medida entra em vigor em julho. Daniel Costa, para a Voz do Brasil.

 

Gabriela: Vivenciar, na prática, o que se aprende em sala de aula.

 

Nasi: É assim que muitos professores estão ensinando seus alunos sobre sustentabilidade, conservação do meio ambiente e combate ao bullying.

 

Gabriela: Iniciativas que são reconhecidas com o Prêmio Professores do Brasil. As inscrições terminam na próxima segunda-feira.

 

Repórter Nei Pereira: Em uma escola pública do Distrito Federal, os mais de 500 alunos dos ensinos fundamental e médio aprendem as teorias na prática, em uma metodologia que une sustentabilidade e ensino. São mais de 20 projetos ligados à preservação da água e do meio ambiente, entre eles o tanque de criação de peixes, que vão para a alimentação dos estudantes. A água usada no reservatório é captada da chuva, por meio de calhas, e serve também para a criação de peixes ornamentais. Segundo o professor Leonardo Ratano, a ideia é levar as iniciativas para fora do ambiente escolar.

 

Professor - Leonardo Ratano: Já levamos para fora da escola, em algumas chácaras aqui perto. A ideia dos nossos projetos é expandir.

 

Repórter Nei Pereira: E os próprios alunos ajudam a disseminar as ações de sustentabilidade adotadas na escola, como a estudante Luana de Jesus Silva, de 14 anos.

 

Estudante - Luana de Jesus Silva: Eu levei para casa, incentivei minha mãe à gente fazer um minicanteiro, para que a gente possa ter alface, tomate, tudo orgânico, sem agrotóxico. A gente também... eu incentivei minha mãe à gente reaproveitar a água da máquina de lavar para molhar o quintal.

 

Repórter Nei Pereira: A escola já recebeu dez reconhecimentos, entre eles o Prêmio Professores do Brasil, do Ministério da Educação, que está com as inscrições abertas. O prêmio, que está na decima primeira edição, é direcionado a professores de escolas públicas da educação básica. Raphael Callou, diretor da Organização de Estados Ibero-americanos, instituição parceira do prêmio, dá exemplos de projetos que podem ser inscritos.

 

Diretor da Organização dos Estados Ibero-americanos - Raphael Callou: A gente tem a questão da sustentabilidade, a gente tem a questão de combate ao bullying, a gente tem uma questão de combate à evasão escolar.

 

Repórter Nei Pereira: Para Joselino Goulart Junior, coordenador-geral de Apoio a Certames e Programas Especiais do MEC, o prêmio é um reconhecimento do trabalho do professor.

 

Coordenador-geral de Apoio a Certames e Programas Especiais - Joselino Goulart Junior: É reconhecer o trabalho que é feito nas salas de aulas e estimular que eles divulguem seu trabalho, com o intuito de estimular outros professores a realizar trabalhos parecidos em realidades próximas.

 

Repórter Nei Pereira: As inscrições para o Prêmio Professores do Brasil podem ser feitas até o dia 28 de maio pela internet, no endereço premioprofessoresdobrasil.mec.gov.br. Reportagem, Nei Pereira.

 

Nasi: Mais de 10 mil kits de ajuda humanitária e 117 mil litros de água potável foram entregues à população atingida por fortes chuvas em Laranjal do Jari, no Amapá.

 

Gabriela: O ministro da Integração Nacional, Pádua Andrade, esteve no estado para acompanhar as entregas. Todo o material está sendo distribuído por equipes da Defesa Civil local.

 

Nasi: O auxílio do Governo Federal, no valor de R$ 1,5 milhão, vai atender emergencialmente famílias em regiões do município onde as cheias do Rio Jari provocaram danos.

 

Gabriela: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Nasi: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gabriela: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Nasi: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Uma boa noite.

 

Gabriela: Uma boa noite e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".