23 DE MAIO DE 2018 - PODER EXECUTIVO

Destaques de hoje na Voz do Brasil: Governo busca soluções para reduzir preços dos combustíveis e por fim a greve. Para o presidente Michel Temer, paralisação não pode prejudicar os brasileiros; Lançado portal de serviços do governo para simplificar a vida do cidadão; Para facilitar a geração de empregos empregador vai ofertar vagas em aplicativo do Ministério do Trabalho; 25 milhões de pessoas ainda não se vacinaram contra a gripe. Crianças e gestantes são maioria e Ministério da Saúde faz um alerta para que procurem os postos.

audio/mpeg Voz_do_Brasil_23_05_18.mp3 — 22580 KB




Transcrição


Apresentador Nasi Brum: Em Brasília, 19h.

 

"Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

 

Apresentadora Gabriela Mendes: Olá. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gabriela: Quarta-feira, 23 de maio de 2018.

 

Nasi: E vamos ao destaque do dia.

 

Gabriela: Governo busca soluções para reduzir preços dos combustíveis e pôr fim à greve.

 

Nasi: Para o Presidente Michel Temer, paralização não pode prejudicar os brasileiros.

 

Presidente Michel Temer: Nós estamos trabalhando nesse tema para dar tranquilidade não só ao brasileiro, que não quer ver paralisado o abastecimento, mas também tentando encontrar uma solução que facilite a vida dos caminhoneiros.

 

Gabriela: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nasi: Lançado o portal de serviços do governo para simplificar a vida do cidadão. João Pedro Neto.

 

Repórter João Pedro Neto: A reestruturação do portal vai permitir o acesso a mais de 1,6 mil serviços do governo brasileiro de forma online.

 

Gabriela: E facilitar a geração de empregos está entre as novidades dos novos serviços.

 

Nasi: Agora, o empregador vai ofertar vagas em aplicativo do Ministério do Trabalho, Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: O Sine Empregador permite, entre outras funções, cadastrar vagas, selecionar candidatos, realizar entrevistas.

 

Gabriela: Vinte e cinco milhões de pessoas ainda não se vacinaram contra a gripe.

 

Nasi: Crianças e gestantes são maioria e o Ministério da Saúde faz o alerta.

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações - Ana Gorete Maranhão: A gente faz um apelo às mães, a essas gestantes, a essas pessoas que fazem parte do grupo de risque, se vacinem. A vacina está disponível nos mais de 36 mil postos de vacinação.

 

Gabriela: Hoje, na apresentação do Voz do Brasil, Gabriela Mendes e Nasi Brum.

 

Nasi: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gabriela: Resolver tudo pela internet, essa é uma tendência do mundo moderno.

 

Nasi: E pensando nisso, o governo lançou hoje uma plataforma digital com serviços para cidadãos e empresas.

 

Gabriela: A site já disponibiliza 500 serviços totalmente digitais, como alistamento militar dos jovens.

 

Nasi: Tem ainda o Sine Fácil, onde é possível procurar emprego, e o Meu INSS para agendar atendimento nas unidades da Previdência, por exemplo.

 

Gabriela: As novidades fazem parte do Programa Brasil Eficiente, que tem o objetivo de modernizar o governo e economizar recursos públicos.

 

Repórter João Pedro Neto: São várias ações para tornar o governo mais digital. A plataforma que reúne serviços do Governo Federal na internet, www.servicos.gov.br, foi reformulada para facilitar o acesso do cidadão. A reestruturação do portal vai permitir o acesso a mais de 1,6 mil serviços do governo brasileiro de forma online, em um único espaço. Lá será possível obter informações e acessar serviços do INSS, eSocial, Enem, e também sobre documentação, benefícios sociais e programas como o Fies e Prouni. Segundo o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, já são mais de 500 serviços 100% digitais.

 

Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - Esteves Colnago: São informações que facilitam a vida do brasileiro, benefícios sociais, documentos e obrigações no seu dia a dia. Além disso, o usuário poderá nos encaminhar pelo portal uma avaliação dos serviços entregues, bem como sugestões de melhoria. O portal também inclui o login único do cidadão brasileiro. Essa ferramenta de acesso elimina a necessidade de senhas diferentes para uma única pessoa em cada um dos serviços públicos.

 

Repórter João Pedro Neto: Para o governo, a substituição de serviços presenciais gera economia de tempo e dinheiro. A estimativa é que o custo para um cidadão que precisa de um serviço caia em até 90% com o portal, e para o governo pode chegar a 97%. A digitalização do alistamento militar, por exemplo, economiza quase R$ 300 milhões por ano aos cofres públicos. O Presidente Michel Temer afirmou que o governo trabalha para simplificar a vida do cidadão.

 

Presidente Michel Temer: Nós queremos que o brasileiro sinta no seu dia a dia que o Estado está cada vez mais ágil e mais eficiente. O contato do brasileiro com o órgão público não pode ser, convenhamos, motivo de desgaste e de frustação. Se precisa de uma informação, de um documento, de uma providência, é obrigação do governo facilitar ao máximo.

 

Repórter João Pedro Neto: O Presidente Michel Temer destacou ainda que o governo vem trabalhando modernizar o país também em outras áreas.

 

Presidente Michel Temer: Eu quero apenas relembrar, senhoras e senhores, que em apenas dois anos de governo nós devolvemos rumo ao país. Convenhamos, restituímos credibilidade às contas públicas, restauramos a estabilidade econômica, não preciso falar dos juros e da inflação, que eram elevadíssimos e agora são baixíssimos, né? Resgatamos a confiança, retomamos o crescimento, salvamos e revitalizamos os programas sociais.

 

Repórter João Pedro Neto: Também foram lançadas novas versões dos portais do governo do Brasil, do Palácio do Planalto e do site do Ministério dos Direitos Humanos com uma nova identidade digital do Poder Executivo Federal. A ideia é padronizar a navegação e a forma de disponibilizar informações para que o cidadão encontre o que precisa de forma fácil. Reportagem, João Pedro Neto.

 

Nasi: É, e a geração de emprego e capacitação de trabalhadores é outro foco nessa ideia do governo digital.

 

Gabriela: Hoje, um trabalhador que procura emprego pode ter acesso a vagas disponíveis sem cair da casa.

 

Nasi: É o Sine Fácil, um aplicativo no celular onde estão vagas ofertadas pela rede Sine.

 

Gabriela: Agora, o Ministério do Trabalho lançou a mesma ferramenta, só que para os empregadores.

 

Nasi: É uma forma do facilitar da vida dos empresários na hora de buscar um profissional para preencher uma vaga.

 

Repórter Gabriela Noronha: O governo quer usar a tecnologia para facilitar as contratações. O Sine Empregador, ferramenta lançada nesta quarta-feira, pelo Ministério do Trabalho, permite, entre outras funções, cadastrar vagas, selecionar candidatos, realizar entrevistas e até pesquisar currículos cadastrados, e informar sobre processos seletivos, tudo isso pelo celular. A gerente de recursos humanos, Regina Reis, trabalha para uma rede de lojas de produtos naturais. Ela cuida da contratação de funcionários para 21 lojas próprias em Brasília e faz consultoria para 17 franquias em outros estados. Segundo Regina, só no mês passado, foram 60 contratações, por isso ela precisa de agilidade. Para buscar novos funcionários no mercado, ela conta com a ajuda de aplicativos de mensagens no celular e aprovou a ideia do Sine empregador.

 

Gerente de recursos humanos - Regina Reis: Meu celular hoje ele é 95% a minha ferramenta de trabalho. Com o aplicativo hoje no nosso celular, ele é a ferramenta mais efetiva e eficaz.

 

Repórter Gabriela Noronha: Além disso, o aplicativo Sine 2.0 foi reformulado para melhor atender aos usuários. Segundo o governo, em um ano de funcionamento mais de um 1 milhão de trabalhadores já fizeram buscas por vagas pelo Sine fácil e cerca de 500 mil pessoas foram encaminhadas para entrevistas. De acordo com o ministro do Trabalho, Helton Yomura, a ideia é facilitar o contato do empregador com quem busca novas oportunidades de trabalho.

 

Ministro do Trabalho - Helton Yomura: Essa versão do Sine Fácil, ela tem como conceito trazer mais as empresas para o oferecimento das vagas de empregos, as oportunidades para aqueles que já estavam cadastrados, que desejam se cadastrar procurando uma oportunidade ou melhorar a posição que hoje ocupam, galgando um novo salário, um novo emprego.

 

Repórter Gabriela Noronha: As medidas fazem parte de um pacote de políticas públicas de emprego que o governo vai implantar em 2018. Além do Sine Empregador, o Ministério também anunciou mais vagas na Escola do Trabalhador, plataforma digital de ensino à distância. A escola vai oferecer dez novos cursos a partir de junho, e 50 até o fim de 2018. As aulas serão gratuitas e poderão ser acessadas de qualquer computador. Reportagem, Gabriela Noronha.

 

Gabriela: Para ter acesso aos cursos gratuitos do Ministério do Trabalho, acesse: escoladotrabalhador.gov.br.

 

Nasi: E o Ministério do Trabalho também está aperfeiçoamento o sistema antifraude no seguro-desemprego.

 

Gabriela: A ferramenta faz a integração entre bases de dados do ministério, Receita Federal e Caixa Econômica, e já gerou uma econômica de R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

 

Nasi: Leonardo Arantes, secretário-executivo do Ministério do Trabalho, anunciou também uma nova parceria com o Dataprev.

 

Secretário-executivo do Ministério do Trabalho - Leonardo Arantes: Técnicos do Dataprev em conjunto com os nossos técnicos do Ministério do Trabalho, já vêm detectando mais fraudes e continuando com o bom andamento dessa ferramenta. E estamos trabalhando muito forte junto com a Polícia Federal para coibir essas fraudes e assim deixar de perder esse recurso para as quadrilhas organizadas.

 

Gabriela: Desde a criação do sistema antifraude, o Ministério do Trabalho já realizou, em conjunto com a Polícia Federal, cinco operações de combate a fraudes no seguro-desemprego, que resultaram em 31 prisões.

 

Nasi: Representantes dos caminhoneiros que paralisam atividades em vários estados, se reuniram agora pouco com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e com ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

 

Gabriela: No encontro foram discutidas alternativas para tentar reduzir o preço do óleo diesel, principal reclamação dos caminhoneiros.

 

Nasi: O repórter Bruna Saniele está, ao vivo, aqui com a gente, e tem mais informações. Boa noite, Bruna.

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): Boa noite, Nasi. Boa noite, Gabriela. Boa noite, ouvintes da Voz do Brasil. O Presidente Michel Temer afirmou hoje que o governo está atento à questão do preço dos combustíveis. Desde domingo representantes dos Ministérios da Fazenda, de Minas e Energia, da Casa Civil e do próprio presidente têm discutido alternativas com diferentes setores para encontrar uma solução para esse aumento do preço do diesel, que está afetando os caminhoneiros do país. Representantes da categoria se reuniram hoje com os ministros de Minas e Energia, Moreira Franco, e da Casa Civil, Eliseu Padilha. O presidente Temer solicitou uma trégua na paralisação dos caminhoneiros para que a solução desse impasse ocorra em até três dias.

 

Presidente Michel Temer: Desde domingo nós estamos trabalhando nesse tema para dar tranquilidade não só ao brasileiro, que não quer ver paralisado o abastecimento, mas também tentando encontrar uma solução que facilite a vida, especialmente, dos caminhoneiros. Eu até estou solicitando, e pedi que nesta reunião se solicitasse uma espécie de trégua, não é, para que em dois, três dias, no máximo, nós possamos encontrar uma solução satisfatória para os caminhoneiros e para a povo brasileiro.

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): E ontem, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, fez um acordo com o Congresso para eliminar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômicos, a Cide, do preço do diesel, que é esse combustível que é utilizado pelos caminhoneiros. Para compensar a perda de arrecadação causada pela eliminação desse imposto, o governo propôs que o Congresso aprove a reoneração da folha de pagamentos. Atualmente algumas categorias de empresas não pagam o imposto para a Previdência Social, que corresponde a 20% da folha salarial dos funcionários. Essas empresas pagam um percentual menor de tributos. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, explicou porque a compensação é necessária.

 

Ministro-chefe da Casa Civil - Eliseu Padilha: A Lei de Responsabilidade Fiscal diz que se for renunciar algum tipo de receita, no caso, a Cide, deveria, de imediato, mostrar como vai compensar. E a compensação viria através da receita que vai advir da reoneração da folha, no caso.

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): Na proposta do governo as empresas de transporte vão continuar livres do pagamento dessa taxa de 20% do imposto para a Previdência, ainda que por um período. Quem explicou foi o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

 

Ministro-chefe da Secretaria de Governo - Carlos Marun: E ficar bem claro para os que estão nas estradas, aqueles que estão preocupados com essa questão, que a reoneração vai atingir alguns setores, mas não atinge, nesse momento, o setor de transporte.

 

Repórter Bruna Saniele (ao vivo): O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse ainda que o governo está em reunião permanente com os caminhoneiros e que não há nenhum risco de desabastecimento da população. A próxima reunião com as associações da categoria está marcada para amanhã. Nasi e Gabriela.

 

Gabriela: Obrigada, Bruna, pela participação, ao vivo, aqui na Voz do Brasil.

 

Nasi: A paralisação dos caminhoneiros afeta serviços nos aeroportos.

 

Gabriela: Com a falta de abastecimento de querosene de avião, a Agência Nacional de Aviação Civil, a Anac, recomenda aos passageiros com voos marcados para os próximos dias que consultem as empresas áreas antes de se deslocarem para os aeroportos até que a situação se normalize.

 

Nasi: Até o momento, a Advocacia-Geral da União obteve nove decisões liminares que proíbem obstrução de rodovias federais nos estados do Paraná, Minas Gerais, Goiás, Santa Catarina, Pernambuco, Paraíba, Rondônia, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

 

Gabriela: Outras 15 ações foram ajuizadas pelas Procuradorias e aguardam decisões nos estados do Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás, Sergipe, Pará e São Paulo.

 

Nasi: E você vai ouvir ainda nesta edição.

 

Gabriela: Número de suicídios aumenta no país.

 

Nasi: E Ministério da Saúde investe em capitais onde os índices são maiores.

 

Gabriela: Vamos falar ainda de outra preocupação da saúde.

 

Nasi: A menos de dez dias do fim da vacinação contra a gripe, pouco mais da metade se vacinou.

 

Gabriela: É daqui a pouco, não saia daí.

 

Nasi: Amanhã o Brasil será declarado país livre de febre aftosa com vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal.

 

Gabriela: Para o governo brasileiro esse reconhecimento significa a abertura de novos mercados e aumento das exportações.

 

Repórter Raquel Mariano: Nessa quinta-feira, a Organização Mundial de Saúde Animal, a OIE, que tem 181 países integrantes, vai declarar o Brasil como um país oficialmente livre da febre aftosa por vacinação. Segundo o ministro da Agricultura, Blairo Maggi que já está em Paris, participando da sessão plenária da OIE, esse certificado vai trazer novas oportunidades de negócios para o Brasil.

 

Ministro da Agricultura - Blairo Maggi: Nós vamos conseguir conquistar algumas coisas no mercado que nós não conseguimos, por exemplo, trazer carne de osso a gente não podia vender, miúdos a gente não vender. E são produtos que têm bastante valor agregado, e isso vai dar um preço maior e uma competitividade maior para a pecuária do Brasil.

 

Repórter Raquel Mariano: De acordo com o ministro, o certificado é reconhecimento de 50 anos de trabalho do serviço veterinário e dos produtores rurais brasileiros. Durante a presença do Brasil na OIE, Blairo Maggi também falou sobre a participação do Brasil no agronegócio mundial.

 

Ministro da Agricultura - Blairo Maggi: Hoje nós somos fornecedores de alimento para mais de 150 países, temos um consumo interno muito grande, de 200 milhões de habitantes. E há 40 anos atrás o Brasil era um grande importador de alimentos. Isso deve ser registrado. O agronegócio no Brasil é responsável por mais de um terço do nosso PIB.

 

Repórter Raquel Mariano: A primeira vez que o Brasil teve o reconhecimento de área livre de febre aftosa foi em 1998, pelos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O último caso da doença registrada no país em foi em 2006. O Ministério da Agricultura vai desenvolver, durante os próximos dez anos, o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa, que inclui a vacinação em todos os rebanhos de bovinos e de bubalinos. A meta é atingir o status de país livre da febre aftosa e ampliar áreas livres sem vacinação. Reportagem, Raquel Mariano.

 

Nasi: A construção civil brasileira foi tema de uma reunião realizada hoje em Brasília.

 

Gabriela: Foram discutidas formas de estimular o setor, e, com isso, gerar empregos no país.

 

Nasi: O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, destacou o programa Minha Casa, Minha Vida como uma ação importante para o setor.

 

Ministro das Cidades - Alexandre Baldy: Nós percebemos que o maior ritmo de crescimento, o que impulsiona o crescimento, hoje, dentro da construção civil, é o programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal, com mais ou menos 80% de todo este crescimento. Então, neste sentido nós reunimos com as entidades de classe, com os membros das instituições financeiras e os ministérios que hoje participam do programa Minha Casa, Minha Vida para que nós consigamos estimular ainda mais fortemente a construção civil e a geração de empregos.

 

Gabriela: O governo também ouviu as associações para saber como contar com as empresas da construção civil para estimular a economia.

 

Nasi: O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, José Carlos Martins, acredita que pequenos ajustes podem ajudar a garantir o sucesso no setor.

 

Presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção - José Carlos Martins: O grande motor da construção civil do Brasil é um Minha Casa, Minha Vida, mas ele precisa de alguns ajustes pequenos, mas algumas coisas a gente levou para ele como quais as dificuldades que as empresas estão tendo para poder acessar crédito, para poder acessar as seleções que estão sendo propostas no faixa um.

 

Gabriela: Serão realizadas reuniões a cada 15 dias para discutir novas ações.

 

Nasi: R$ 1,4 milhão estão sendo investidos para a prevenção ao suicídio em seis capitais.

 

Gabriela: Manaus, Campo Grande, Boa Vista, Teresina, Porto Alegre e Florianópolis têm o maior número de suicídios do país.

 

Nasi: Os recursos fazem parte de uma campanha de prevenção do Ministério da Saúde.

 

Gabriela: A preocupação vem do número de mortes, que aumentou 12% em quatro anos.

 

Nasi: Chama a atenção o alto índice homens, indígenas e idosos com mais de 70 anos.

 

Repórter Nei Pereira: Em mais uma medida para prevenir o suicídio o Ministério da Saúde vai liberar quase R$ 1,5 milhão para as capitais dos estados que concentram os maiores índices: Amazonas, Mato Grosso do Sul, Roraima, Piauí, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Preocupa o crescimento de suicídios entre a população indígena, é o caso do Mato Grosso do Sul. A gerente técnica da Rede de Atenção Psicossocial da Secretaria de Saúde do estado Michele Scarpin, explica como o recurso será usado.

 

Gerente técnica de Rede de Atenção Psicossocial - Michele Scarpin: Temos a atenção básica, né, que são as unidades básicas de saúde, com o apoio dos núcleos de saúde da família ou os serviços especializados, que, no caso, são os Caps, que são Centros de Referência Psicossocial. Nesse Caps geralmente são as pessoas que têm um sofrimento maior. Cada paciente vai ser um projeto terapêutico específico, né, elaborado pelos profissionais junto com o paciente, um acompanhamento mais intensivo.

 

Repórter Nei Pereira: Segundo o Ministério da Saúde, mais de 11 mil pessoas se suicidam por ano no Brasil, e esse número vem crescendo. A alta taxa entre idosos com mais de 70 anos chega a quase ao dobro da média nacional. Também chama a atenção o alto índice entre jovens, principalmente homens e indígenas. Por isso o governo vem investimento para reduzir esse índice, é o que afirma Quirino Cordeiro, coordenador de Saúde Mental do Ministério da Saúde.

 

Coordenador de Saúde Mental do Ministério da Saúde - Quirino Cordeiro: O Ministério da Saúde mantém ações voltadas à prevenção do suicídio no país todo como, por exemplo, o fortalecimento da rede de atenção psicossocial, que nós estamos expandindo o número de serviços e em qualidade dos serviços que também tem como objetivo a redução do suicídio no país.

 

Repórter Nei Pereira: As pessoas que precisam de ajuda podem telefone ar para o número 188 e contar com o apoio emocional do Centro de Valorização à Vida, o CVV, que funciona 24 horas por dia para quem quer e precisa conversar.

 

"CVV, boa tarde. Como vai você?".

 

Repórter Nei Pereira: O atendimento é anônimo e de graça. Só no ano passado o serviço recebeu 2 milhões de ligações. Segundo a coordenadora do CVV de Brasília, Leila Herédia, muitas pessoas que ligam estão pensando em tirar a própria vida.

 

Coordenadora do CVV de Brasília - Leila Herédia: Às vezes a pessoa está ali passando por um momento que ela conversar com outra, sem julgamento, de uma forma sigilosa, acolhedora, com respeito, com aceitação. Então, nesse momento ela costuma ligar para o CVV.

 

Repórter Nei Pereira: O CVV recebe ligações pelo número 188 em 22 estados e no Distrito Federal. A partir de 1º de julho o serviço também será estendido para Pará, Paraná, Bahia e Maranhão. Segundo a Organização Mundial da Saúde, 90% dos casos suicídio poderiam ser evitados com apoio psicológico. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gabriela: Lembrando que o atendimento pelo CVV no número 188 é gratuito em 23 estados, e até o final de junho todo o país vai contar com o serviço de graça.

 

Nasi: Faltam oito dias para o encerramento da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe.

 

Gabriela: Do público-alvo de quase 54 milhões de pessoas, pouco mais da metade se vacinou, apenas 29 milhões.

 

Nasi: Por isso o Ministério da Saúde faz o apelo para que procurem os postos de vacinação.

 

Gabriela: Entre a população de risco, as crianças e gestantes são os que menos se vacinaram.

 

Repórter Cleide Lopes: A paraibana Luiza Batista dos Santos tem 64 anos, é diabética e há 16 anos é a primeira da fila para receber a vacina contra a gripe. Ela sabe muito bem a importância de vacinar.

 

Entrevistada - Luiza Batista dos Santos: Eu sou mais primeira, né? Para não gripar e evitar morte, né? Morrer de gripe não dá, né?

 

Repórter Cleide Lopes: A aposentado Líbio José de Mesquita, de 65 anos, também é do grupo de risco e toma a vacina contra a gripe todos os anos. Ele garante que deste mal está livre.

 

Aposentado - Líbio José de Mesquita: Desde que eu comecei a vacinar nunca mais eu tive. Nunca mais eu gripei.

 

Repórter Cleide Lopes: Crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, mães de recém-nascidos, trabalhadores da saúde, presos e funcionários do sistema prisional e pessoas com doenças crônicas têm até o próximo dia 1º de junho para tomar a dose da vacina contra a gripe em um dos postos de saúde de todo o país. A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Ana Gorete Maranhão, faz um apelo à população para buscar os postos de saúde.

 

Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações - Ana Gorete Maranhão: É preocupante quando a gente olha e vê que, por exemplo, as crianças entre seis meses a cinco anos de idade, nós temos aí uma cobertura só em torno de 40%. A gente faz um apelo às mães, às gestantes, a essas pessoas que fazem parte do grupo de risco, se vacinem. Nós já enviamos a todos os estados da Federação 100% das doses de vacina para esse grupo. A vacina está disponível nos mais de 36 mil postos de vacinação.

 

Repórter Cleide Lopes: De acordo com o Ministério da Saúde, a campanha não será prorrogada. O estado de Goiás até agora é o que mais conseguiu cobertura vacinal, cerca de 95% da população-alvo já foi imunizada. Reportagem, Cleide Lopes.

 

Nasi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gabriela: Fique agora com o Minuto do TCU e em seguida as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nasi: Boa noite e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso".