Secretários de Saúde podem acompanhar recursos federais por aplicativo

A ferramenta do Ministério da Saúde é pioneira no setor público e dá maior agilidade e transparência para o planejamento e gestão da saúde; Goiânia, a capital de Goiás, é sede do Décimo Nono seminário itinerante do Investe Turismo; Acordo vai permitir a destinação de dois bilhões e 600 milhões de reais para educação e combate à queimadas na Amazônia.

audio/mpeg 06-09-19 - E NOTICIA EM 2 MINUTOS - TARDE - MARIA.mp3 — 1918 KB

Duração: 2m02s




Transcrição

Secretários de Saúde podem acompanhar recursos federais por aplicativo.

A ferramenta do Ministério da Saúde é pioneira no setor público e dá maior agilidade e transparência para o planejamento e gestão da saúde.

Com o InvestSUS, secretários de saúde de todo o país têm à disposição todas as informações, em tempo real, sobre o andamento de propostas relacionadas a obras ou custeio de serviços de saúde em seus municípios, que são financiados pelo Governo Federal.

O aplicativo, que é gratuito, pode ser acessado em qualquer lugar por meio de smartphones. A iniciativa do Ministério da Saúde confere mais facilidade e transparência na visualização dos repasses de recursos.

Saiba mais em saude.gov.br

--------------------------------------------------------------------------------

Goiânia, a capital de Goiás, é sede do Décimo Nono seminário itinerante do Investe Turismo. 

Além dos investimentos do programa, o estado comemora a destinação de recursos  para  estruturação  da  rota  Cora Coralina.

O programa, que já passou por 17 estados e pelo Distrito Federal, tem o objetivo de aumentar a qualidade em rotas turísticas, focado principalmente na geração de empregos e renda à população. 

----------------------------------------------------------------------------

Acordo vai permitir a destinação de dois bilhões e 600 milhões de reais para educação e combate à queimadas na Amazônia.

Pelos termos do documento assinado, vão para a educação um bilhão e 600 milhões de reais e um bilhão para o combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia.

O uso da verba será fiscalizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela Controladoria-Geral da União (CGU).

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Maria Vilhena.