Estudantes selecionados no Sisu já podem fazer matrícula

O prazo vai até o dia 17. Cabe aos candidatos verificar os dias, horários e locais de atendimento definidos por instituição em edital próprio; Mais de 21 mil denúncias de trabalho infantil foram registradas pelo Ministério Público (MPT) de 2014 a 2018 .; Anvisa aprova consultas públicas sobre regulamentação do cultivo controlado de Cannabis .

audio/mpeg 12-06-19 - E NOTICIA 2 MINUTOS - SUZETTE - MANHA.mp3 — 3935 KB

Duração: 2:05




Transcrição

Os estudantes selecionados na chamada regular do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) podem, a partir desta quarta-feira, dia 12, fazer matrícula nas instituições de ensino para as quais foram selecionados.

O prazo vai até o dia 17. Cabe aos candidatos verificar os dias, horários e locais de atendimento definidos por instituição em edital próprio.

 

O resultado da chamada única do Sisu foi divulgado na última segunda-feira, dia 10 e está disponível no site sisu.mec.gov.br .

 

XXXXXXXXXXXXXXXXX

 

Mais de 21 mil denúncias de trabalho infantil foram registradas pelo Ministério Público (MPT) de 2014 a 2018 . Ações ajuizadas foram 968 e firmados 5 mil 990 termos de ajustamento de conduta, um instrumento administrativo para impedir condutas irregulares. Para reforçar a luta contra esse tipo de trabalho, o MPT lança nesta quarta-feira dia 12, a campanha nacional Toda Criança é Nossa Criança. Diga Não ao Trabalho Infantil.

 

O MPT reforça que só a partir dos 14 anos os jovens podem exercer atividades de formação profissional, apenas em programas de aprendizagem, e com todas as proteções garantidas.

XXXXXXXXXXXXXXXXX

 

A Diretoria Colegiada (Dicol) da Anvisa aprovou, nesta terça-feira (11/6), a realização de duas consultas públicas relacionadas à regulamentação do cultivo controlado de Cannabis sativa para uso medicinal e científico e do registro de medicamentos produzidos com princípios ativos da planta.


O objetivo da iniciativa é abrir espaço para que toda a sociedade opine sobre as normas brasileiras, a fim de que a futura regulação seja clara, transparente e feita com ampla participação social.

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Suzette Calderon