Ministra da Agricultura negocia com governo do Peru mercado para carne brasileira

De acordo com Teresa Cristina, não faz sentido o Peru comprar carne de países distantes, como Austrália e Estados Unidos; Ministro da Saúde anuncia recursos para 43 municípios de Santa Catarina; Auditores-fiscais do Trabalho interditaram alojamento em fazenda na Bahia.

audio/mpeg 25-02-19 - SUZETTE CALDERON - RADIODIFUSÃO FORUM - VAL 25-02.mp3 — 1542 KB

Duração: 2:00s




Transcrição

A ministra Tereza Cristina da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, informou na última sexta-feira, dia 22 de fevereiro, que está negociando junto ao governo do Peru a abertura do mercado daquele país para a carne brasileira, principalmente a produzida no Norte do país. Ela disse que não faz sentido o Peru comprar carne de países distantes, como Austrália e Estados Unidos, e estar com o mercado fechado para a produção de excelente qualidade do Brasil.

 

Em viagem ao Acre, onde foi acompanhar o início da primeira colheita de soja no estado, a ministra convidou o governador do Acre, Gladson Cameli, a acompanhá-la em viagem ao Peru, juntamente com uma comitiva de produtores acreanos, para negociar a abertura do mercado.

Xxxxxxxxxxxxxxxx

 

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, participa de cerimônia no Centro Integrado de Cultura (CIC), nesta segunda-feira dia 25 de fevereiro, em Florianópolis (SC). Na ocasião, o ministro anuncia recursos para 43 municípios do estado.

 

O reforço financeiro é destinado a serviços de hemodiálise, atenção domiciliar, novos leitos hospitalares, Rede Cegonha, UPAs, além da ampliação e renovação da frota do SAMU 192.

xxxxxxxxxxxxxxxx

 

Auditores-fiscais do Trabalho interditaram alojamento em fazenda na Bahia. A operação de fiscalização foi realizada entre os dias 12 e 22 de fevereiro na região oeste da Bahia e resultou na interdição do alojamento móvel de uma obra localizada em uma fazenda fiscalizada, em virtude da constatação de grave e iminente risco de incêndio no local utilizado por 23 trabalhadores.

 

Foram lavrados 31 autos de infração para a empresa terceirizada da construção civil. Já o proprietário da fazenda recebeu 29 autos de infração pelas irregularidades cometidas contra a saúde e a segurança dos trabalhadores.

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Suzette Calderon