Brasil pode perder ceritificado de eliminação do sarampo caso não consiga reverter os surtos da doença

O alerta foi feito pela assessora regional de Imunizações da OPAS, Lúcia Helena de Oliveira, durante a 20ª Jornada Nacional de Imunizações, no Rio de Janeiro.

audio/mpeg 01-10-18 - ROSAMELIA DE ABREU - SARAMPO - VAL - 05-10.mp3 — 2417 KB

Duração: 1M43S




Transcrição

O Brasil tem até fevereiro de 2019 para reverter os surtos de sarampo registrados em diversas áreas do país – sob pena de perder o certificado de eliminação da doença, concedido pela Opas, Organização Pan-Americana da Saúde, em 2016.



O alerta foi feito pela assessora regional de Imunizações da entidade, Lúcia Helena de Oliveira, durante a 20ª Jornada Nacional de Imunizações, no Rio de Janeiro.



Dados do Ministério da Saúde mostram que, até 24 de setembro, foram confirmados 1.766 casos de sarampo. No Amazonas, foram 1.367 e em Roraima, 325.

Quase 8 mil casos ainda estão em investigação em ambos os estados.

Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Pernambuco, Pará e Sergipe também registraram casos isolados.


A Venezuela, de onde veio a cepa de sarampo identificada no Brasil, perdeu seu certificado de eliminação em junho deste ano.


O critério adotado pela Opas para conferir transmissão sustentada é que o surto se mantenha por um período superior a 12 meses. As autoridades sanitárias brasileiras, portanto, correm contra o tempo, já que os primeiros casos da doença no Norte do país foram identificados no início do ano.