Governo federal vai repassar R$ 2,4 milhões a famílias capixabas

Mil famílias residentes no meio rural em situação de pobreza ou extrema pobreza vão ser beneficiadas com o acordo de cooperação técnica firmado entre o governo federal e o Estado do Espírito Santo

audio/mpeg 11-06-19 - REPASSE RECURSOS PARA FAMÍLIAS DO ESPÍRITO SANTO.mp3 — 3495 KB

Duração: 2m29s




Transcrição

Mil famílias residentes no meio rural em situação de pobreza ou extrema pobreza vão ser beneficiadas com o acordo de cooperação técnica firmado entre o governo federal e o Estado do Espirito Santo. O contrato, assinado nesta segunda-feira, em Vitória, pelo secretário de Desenvolvimento Social, Lelo Coimbra, e o governador Renato Casagrande, prevê o acompanhamento técnico e a transferência de renda para projetos de estruturação produtiva agrícola ou não, como artesanato e produção de polpas. O valor total investido pelo Ministério da Cidadania será de 2,4 milhões de reais por meio do programa Fomento Rural.

 

Em contrapartida, o governo estadual vai oferecer, por meio do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, o Incaper, capacitação e assistência técnica para os produtores por um período de dois anos.

 

Segundo o secretário Lelo Coimbra, um dos objetivos do acordo é garantir empregos e a gerar renda no campo.

 

SONORA LELO ES

 

O Fomento Rural repassa recursos no valor de até 2,4 mil reais para famílias em situação de extrema pobreza com renda per capita mensal de até 85 reais. Também são beneficiadas com até 3 mil reais as famílias em situação de pobreza ou de extrema pobreza do Semiárido que tenham cisterna e renda per capita de até 170 reais. No Espírito Santo, mais de 25 mil famílias estão elegíveis para o programa. Segundo o presidente do Incaper, Antônio Carlos Machado, o fomento pode transformar famílias em empreendedores rurais.//

 

SONORA ANTONIO MACHADO ES

 

O acordo de cooperação foi assinado durante cerimônia no Palácio Anchieta e contou também com a presença do secretário estadual de agricultura, Paulo Foletto.//