Febre aftosa: zona de proteção para a doença é criada na fronteira entre Brasil e Venezuela

Na América do Sul, dois países da região Andina, Venezuela e Colômbia, ainda enfrentam problemas no combate à febre aftosa

audio/mpeg 16-10-18 - ROSAMELIA DE ABREU -AREA DE PROTECAO AFTOSA FRONTEIRA - VAL 19-10.mp3 — 1750 KB

Duração: 1m51s




Transcrição

Criada uma zona de proteção para febre aftosa, ao longo da região de fronteira ao sul da Venezuela no município de Pacaraima, em Roraima , dentro de zona brasileira livre de febre aftosa com vacinação. A informação é do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Em maio deste ano, a Organização Mundial de Saúde Animal reconheceu todos os estados brasileiros e o Distrito Federal livres de febre aftosa com vacinação. A exceção é Santa Catarina, que já é livre sem vacinação desde 2007.

Na América do Sul, dois países da região Andina, Venezuela e Colômbia, ainda enfrentam problemas no combate à febre aftosa. A

Venezuela é considerada pela Organização Mundial de Saúde Animal zona não livre em toda a sua extensão territorial. O status de zona livre da Colômbia foi alterado no último 17 de setembro, após as confirmações oficiais de focos no interior do país e ao longo da fronteira leste com a Venezuela.

Em setembro do ano passado, quando o Ministério da Agricultura encaminhou o pleito de reconhecimento do Brasil de livre da febre aftosa com vacinação apresentou também a proposta da criação da zona de proteção em Pacaraima.

Nesta área foram estabelecidas medidas de controle mais severas. As ações são mais fortes, mais incisivas do que no restante do estado de Roraima.

 

,