Ministério da Agricultura e EUA treinam especialistas para emergência contra influenza aviária

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Serviço de Inspeção e Sanidade Animal e Vegetal dos Estados Unidos realizam desta quarta-feira até a sexta-feira o treinamento “Primeira linha de resposta a um foco de influenza aviária de alta patogenicidade”, em Brasília. O curso internacional, que também vai repassar medidas a serem adotadas para enfrentar a doença de Newcastle, reúne representantes de países da Américas do Sul. Segundo o diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, Guilherme Marques, o Brasil tem intensificado as ações nas fronteiras e nos sítios de aves migratórias transmissoras da doença para as aves comerciais. Além disso, acrescentou, tem um laboratório de referência mundial, o Lanagro de Campinas, capaz de diagnosticar a influenza em um curtíssimo espaço de tempo. De acordo com Marques, o Brasil precisa ampliar o número de profissionais para atuar em campo e fazer a manutenção permanente dos equipamentos necessários às ações emergenciais nos estados, a fim de se preparar melhor para enfrentar a doença. O diretor de área do APHIS, Conrad Estrada, disse que o desafio do Brasil para evitar a entrada da gripe aviária é garantir a biosseguridade e unir os esforços entre o serviço sanitário oficial e as indústrias de carne de aves. A resposta de emergência (24 horas), assinalou, é fundamental quando se detecta um foco de influenza, em razão da rapidez da disseminação da doença.

audio/mpeg Influenza.mp3 — 2622 KB