01/07/2011 - A Voz do Brasil

Uma nova campanha do Ministério das Cidades e do Denatran convida os motoristas à reflexão para reduzir acidentes nas estradas durante as férias de julho. Os brasileiros estão viajando mais de avião! O número de desembarques nacionais é 20% maior nos 5 primeiros meses do ano que em 2010. A movimentação nos aeroportos foi de 31 milhões de passageiros, superando os 26 milhões registrados no mesmo período do ano passado. A balança comercial brasileira registrou superávit de quase US$ 13 bilhões no primeiro semestre deste ano. O saldo comercial, segundo os dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, foi 63% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado. Tudo isso você ouviu hoje na Voz do Brasil.

audio/mpeg 01-07-11-voz-do-brasil.mp3 — 11947 KB




Transcrição

Apresentadora Edla Lula: Nova campanha no Departamento Nacional de Trânsito quer reduzir acidentes nas estradas, durante as férias de julho.

Apresentador Luciano Seixas: Brasileiros estão viajando mais de avião. O número de desembarques nacionais é 20% maior nos cinco primeiros meses do ano que em 2010.

Edla: Balança comercial brasileira tem saldo positivo de quase US$ 13 bilhões.

Luciano: Sexta-feira, 1° de julho de 2011.

Edla: Está no ar a sua voz.

Luciano: A nossa voz.

Edla: A Voz do Brasil.

Luciano: Boa noite! Aqui, nos estúdios da EBC Serviços, eu, Luciano Seixas, e Edla Lula.

- Você que está dirigindo o carro agora, que tal parar um pouco? Parar com a violência no trânsito; parar com as mortes de nossos jovens e crianças, vítimas de acidentes nas ruas e estradas; parar de dirigir em alta velocidade; parar de dirigir depois de beber. Pare e pense: o respeito à vida depende de cada um de nós. Denatran, Ministério das Cidades, governo federal.

Edla: A campanha do Ministério das Cidades e do Departamento Nacional de Trânsito, Denatran, faz um convite à reflexão.

Luciano: Isso porque, Edla, a maior parte de nós, motoristas, temos a tendência de culpar o outro e não de analisar o próprio comportamento ao volante.

Edla: E agora, durante as férias, o perigo aumenta, Luciano. Nós temos que ficar atentos para não transformar esse período de alegria e descanso em tragédia.

Luciano: Quem faz o alerto é o diretor do Denatran, Orlando Moreira da Silva. Ele conversou com a nossa editora, Adriana Franzin. Vamos ouvir.

Editora Adriana Franzin: Diretor, essa campanha traz o pedido: “Pare, pense e mude”. O que se espera com isso?

Diretor do Denatran - Orlando Moreira da Silva: Visa exatamente conscientizar o motorista sobre a necessidade de observar a legislação de trânsito, não é, com o objetivo único de evitar acidentes. Em razão disso, foi firmado aquele Pacto Nacional pela Redução de Acidentes de Trânsito, e esse pacto, ele segue aquele programa que a Organização das Nações Unidas estabeleceu, né? Uma quantidade enorme de países aderiram a esse programa, que visa reduzir em 50% o número de acidentes e de mortes no trânsito, no mundo.

Editora Adriana Franzin: E uma pesquisa do Ministério das Cidades mostra que as pessoas têm a tendência de culpar os outros pelos problemas no trânsito. De acordo com a pesquisa, duas mil entrevistas foram feitas, e três em cada quatro brasileiros se veem como uma solução e não como um problema no trânsito, e por isso não acham que é necessário mudar a própria atitude.

Diretor do Denatran - Orlando Moreira da Silva: Exatamente. E nós sabemos que a maioria dos acidentes, mais de 60% dos acidentes, acontecem exatamente... Ou são, não é, creditados ao motorista, né? Ou seja, o motorista é, de fato, o responsável por mais de 60% dos acidentes que acontecem no Brasil. Lógico que a rodovia tem uma parcela, também, de responsabilidade, as rodovias, sinalização. O veículo também é responsável, mas é uma quantidade pequena. O condutor é, de fato, o grande responsável. E é sobre ele que nós precisamos concentrar toda essa campanha de publicidade, como está sendo feito agora.

Editora Adriana Franzin: Essa campanha é voltada especificamente para esse período das férias. Nessa época, o número de acidentes aumenta?

Diretor do Denatran - Orlando Moreira da Silva: Aumenta e muito, né? Porque aumenta o deslocamento, as viagens, o número de veículos, principalmente nas rodovias, e isso, de fato, aumenta o número de acidentes. Sempre após um feriado prolongado, uma data, por exemplo, como o Carnaval, o Natal e final de ano, né, é comum aumentar o número de acidentes. Pelo menos as estatísticas mostram isso.

Editora Adriana Franzin: E como vai ser feita essa campanha?

Diretor do Denatran - Orlando Moreira da Silva: Todos os meios que possam chegar ao cidadão. Porque, na realidade, nós só vamos conseguir resolver esse problema de acidente e de mortes no trânsito envolvendo toda a sociedade, toda a população. Será a única forma de resolver isso. Sem isso, nós não vamos chegar a lugar nenhum.

Editora Adriana Franzin: Eu conversei com o diretor do Denatran, Orlando Moreira da Silva. Muito obrigada pela participação aqui, na Voz do Brasil.

Diretor do Denatran - Orlando Moreira da Silva: Por nada. Disponha sempre.

Edla: E a gente tem que tomar todo o cuidado mesmo, não é, Luciano? Porque... Nada melhor do que viajar nas férias, né?

Luciano: É verdade, Edla. E o brasileiro está viajando mais, principalmente de avião, e aproveitando o nosso país. O número de voos domésticos cresceu mais de 20%, nos cinco primeiros meses do ano.

Edla: A movimentação nos aeroportos foi de 31 milhões de passageiros, superando os 26 milhões, registrados no mesmo período do ano passado.

Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): Na fila de embarque, no aeroporto de Brasília, a comerciante Betânia Esteves e a filha, Andressa, esperam o momento de viajar para assistir um show em outra cidade. Não fosse a promoção de passagens, elas não poderiam aproveitar tanto.

Comerciante - Betânia Esteves: No Carnaval, a gente foi para... Eu fui para Recife, por exemplo. Eu comprei a passagem... Acho que foi menos de R$ 300,00, ida e volta. Na época, estava mais de R$ 1.000,00 só a ida.
Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): Mas viajar de avião também tem suas dificuldades. É do que reclama o museólogo Sérgio Santos.

Museólogo - Sérgio Santos: Para vir para cá, a gente tinha um voo às 10 horas, acabamos embarcando 2 horas da tarde. Íamos sair do Santos Dumont e acabamos saindo do Galeão. Eu acho que essa demanda, essa baixada de preço e esse monte de gente, complicou um pouquinho o serviço.

Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): A quantidade de passageiros que desembarcaram em voos nacionais, nos cinco primeiros meses deste ano, cresceu 20,3%, na comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados são da Infraero, Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária, e servem, também, para avaliar a situação do turismo no país. No ano passado, foram quase 69 milhões de viagens de avião. Para este ano, a previsão é de 74 milhões, e isso graças a um grupo especial de novos viajantes. José Francisco Lopes, diretor de pesquisas do Ministério do Turismo, explica quem são esses turistas.

Diretor de pesquisas do Ministério do Turismo - José Francisco Lopes: O brasileiro tem conseguido aumentar a sua renda e também há uma mobilidade social, a classe C vai crescendo. E depois que ele, na estrutura de consumo, consegue comprar os bens que quer, ele passa a fazer turismo. Então, o turismo também passa se inserir na estrutura de consumo de um maior número de brasileiros.

Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): É o caso da vendedora Tereza da Silva, que fez a primeira viagem de avião há poucos dias e, agora, retorna para Belo Horizonte. Depois de descobrir que pagaria quase o mesmo que em uma viagem de ônibus, Tereza decidiu arriscar.

Vendedora - Tereza da Silva: De ônibus, eu gasto o quê? Umas dez horas. De avião, eu gastei 57 minutos. Bem mais em conta.

Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): E, agora, pretende viajar outras vezes de avião?

Vendedora - Tereza da Silva: Com certeza.

Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): De janeiro a maio, os desembarques domésticos superaram a casa dos 31 milhões de passageiros. No mesmo período do ano passado, foram cerca de 26 milhões. Só no mês de maio, chegaram a 6,37 milhões - o melhor mês de maio da série histórica, iniciada na década de 90. De Brasília, Angélica Coronel.

Luciano: A balança comercial brasileira registrou superávit de quase US$13 bilhões, no primeiro semestre deste ano.

Edla: O saldo comercial, ou seja, a diferença entre o que o país vendeu e comprou do exterior, é 63% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado.

Luciano: De acordo com os dados divulgados hoje pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, só no mês de junho, o saldo positivo da balança comercial foi superior a US$ 4 bilhões.

Edla: Quem explica o aumento das exportações é Alessandro Teixeira, secretário-executivo do Ministério.

Secretário-executivo do Ministério - Alessandro Teixeira: O que explica é um crescimento proporcional e forte dos três níveis de exportação brasileira: commodities, obviamente, muito mais forte, semimanufaturados, aí, na casa de 29%, e manufaturados quase 20%... É 19%. Então, o que explica é o seguinte: o desempenho geral do comércio exterior brasileiro, nos três níveis, ele é muito bom e acima... Se tu pegar ele por segmento, bem acima da média mundial.

Luciano: Para melhorar o atendimento aos cidadãos que precisam pedir aposentadoria e outros benefícios, a Previdência Social está construindo mais agências em todo o país.

Edla: O Plano de Expansão de Rede de Atendimento da Previdência Social prevê 620 novas agências... 720 novas agências, Luciano.

Luciano: Isso aí, Edla. Nesta semana, foi inaugurada uma agência em Valparaíso, cidade goiana, a cerca de 40 quilômetros de Brasília. Cleide Lopes.

Repórter Cleide Lopes (Brasília-DF): A unidade da Previdência em Valparaíso faz parte do Plano de Expansão da Rede de Atendimento da Previdência Social. Só no estado de Goiás, foram inauguradas três agências, dentro deste plano. O posto vai fazer em média 1.500 atendimentos e mais de 600 perícias médicas por mês. Adirson Ferreira, morador da cidade, acaba de se aposentar e já comemora.

Adirson Ferreira: Evita de a gente sair daqui para ir para outra agência mais distante, né?

Repórter Cleide Lopes (Brasília-DF): As novas unidades do Plano de Expansão da Rede de Atendimento da Previdência Social estão sendo inauguradas em municípios com mais de 20 mil habitantes e que não possuem agências fixas do INSS. São quase R$ 617 milhões em investimentos, como explica o ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho.

Ministro da Previdência - Garibaldi Alves Filho: São 720 agências e serão construídas nos próximos três anos, e que irão atender, de uma forma excepcional, a milhares de brasileiros.

Repórter Cleide Lopes (Brasília-DF): Para agendar um atendimento, com dia e hora marcada, em qualquer agência da Previdência Social, basta ligar para o número 135. É possível dar entrada no pedido de aposentadoria e também de outros auxílios. De Brasília, Cleide Lopes.

Edla: Sete e onze.

Luciano: O novo modelo de gestão do Sistema Único de Saúde, anunciado esta semana pelo Ministério da Saúde, vai punir quem não cumprir metas e premiar municípios e estados com bom desempenho.

Edla: A expectativa é melhorar o atendimento ao cidadão. A repórter Carla Wathier tem mais detalhes.

Repórter Carla Wathier (Brasília-DF): O pai do estudante Raul Wagner está internado há um mês no hospital público de Brasília porque trincou a coluna, ao cair do telhado. Ele precisa fazer logo a cirurgia, mas o hospital diz que, por enquanto, não há vaga.

Estudante - Raul Wagner: A cirurgia decorrerá de um prazo de dois meses a três meses.

Repórter Carla Wathier (Brasília-DF): Para melhorar o acesso à saúde em todo o país, o governo decidiu adotar um novo modelo de gestão para o SUS, o Sistema Único de Saúde. A principal mudança é a criação de contratos, com a definição de atribuições e responsabilidades dos municípios, estados e governo federal. Haverá metas específicas de atendimento a serem cumpridas, como número de cirurgias, tempo de espera ou consultas de pré-natal. As obrigações serão estabelecidas pelo Ministério da Saúde, a partir de um mapeamento sobre a realidade e a estrutura disponível nos municípios. Quem for bem-sucedida e tiver bom desempenho vai receber mais recursos, mas também há punições para quem não andar na linha, como explica o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Ministro da Saúde - Alexandre Padilha: Nós temos um sistema na internet, onde cada região vai ter que apresentar um relatório de gestão mostrando sobre as metas, e nós apostamos muito na ideia de premiar quem cumpre bem, inclusive com recursos financeiros a mais, novos programas, acelerar investimentos a quem está cumprindo bem as suas ações, e tem punições variadas para quem possa não cumprir, inclusive dentro do contrato vai se estabelecer quais são essas punições. Tem vários tipos de punições: você mudar o recurso de um município e passar para o outro, o serviço ser realizado em outro município, você tirar o recurso do município e passar para o estado, para que o estado contrate o serviço ali, naquela região.

Repórter Carla Wathier (Brasília-DF): Outra novidade é que o usuário vai saber quais os serviços disponíveis nos hospitais e postos de saúde da cidade onde mora e onde poderá buscar os medicamentos que fazem parte da lista oferecida pelo poder público. A expectativa do Ministro da Saúde é começar a fechar parte dos contratos com municípios e estados ainda este ano.

Ministro da Saúde - Alexandre Padilha: A nossa previsão é que este ano, pelo menos, 20% das regiões já tenhamos contratos assinados. Nós queremos, até o final de 2014, ter todas as regiões de saúde do país funcionando nesse novo modelo de gestão.

Repórter Carla Wathier (Brasília-DF): O decreto assinado essa semana pela presidenta Dilma Rousseff regulamenta a Lei Orgânica da Saúde, que está em vigor há 21 anos. De Brasília, Carla Wathier.

Luciano: Muitos brasileiros, Edla, vão ao exterior para estudar medicina e quando voltam ao país, já formados, têm dificuldade para validar o diploma e exercer a profissão.

Edla: É verdade, Luciano. Por isso, os Ministérios da Saúde e da Educação criaram o Revalida, o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos expedidos por instituições de educação de Ensino Superior estrangeiras.

Luciano: O nosso editor Leandro Alarcon conversou com a diretora do Programa da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação da Saúde, do Ministério da Saúde, Ana Estela Haddad, sobre as provas deste ano.

Editor Leandro Alarcon: Diretora, como funciona o Revalida?

Diretora de Programa da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde - Ana Estela Haddad: A inscrição é feita no portal do Inep. O endereço eletrônico para fazer a inscrição é revalida.inep.gov.br/inscricao. Ao fazer a sua inscrição, os candidatos vão escolher no portal entre uma da relação de 37 universidades que são parceiras do projeto pela qual ele terá o seu diploma revalidado, uma vez aprovado na avaliação. A primeira etapa da avaliação vai acontecer no dia 28 de agosto, é uma prova teórica, objetiva e discursiva, ela vai acontecer em Manaus, Fortaleza, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Campo Grande e Brasília. E aqueles candidatos que forem aprovados, vão passar por uma segunda etapa de avaliação, que é a prova prática. A prova prática vai acontecer em Brasília, nos dias 1º e 2 de outubro. A inscrição para o Revalida, na primeira etapa, ela está em R$ 100,00, e para aqueles aprovados na segunda etapa, o valor da taxa será de R$ 300,00.

Editor Leandro Alarcon: Houve um programa piloto do Revalida no ano passado. Quem fez esse programa piloto está isento da primeira taxa.

Diretora de Programa da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde - Ana Estela Haddad: Exatamente. Aqueles candidatos que participaram do projeto piloto no ano passado, eles vão ter a isenção dos R$ 100,00 correspondentes a primeira etapa da avaliação.

Editor Leandro Alarcon: Diretora, a senhora tem a estatística de quais países vem o maior número de diplomas para revalidação?

Diretora de Programa da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde - Ana Estela Haddad: No ano passado, nós tivemos diplomas oriundos de 32 países diferentes de todo o mundo, embora tenha um número de diplomas maiores dos países mais próximos da América Latina: Bolívia, Argentina, Chile, Cuba.

Editor Leandro Alarcon: Eu conversei com a diretora de Programa da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde, Ana Estela Haddad. Muito obrigado, diretora, pela participação aqui, na Voz do Brasil.

Diretora de Programa da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde - Ana Estela Haddad: Muito obrigada, Leandro.

Edla: As inscrições para o Revalida vão até o dia 10 de julho.

Luciano: E nesta sexta-feira, a presidenta Dilma Rousseff oficializou o deputado federal Mendes Ribeiro (PMDB-RS) como o novo líder do governo no Congresso Nacional.

Edla: O convite para assumir o posto foi feito pela presidenta Dilma durante um encontro com o deputado na tarde de hoje, aqui, em Brasília.

Luciano: Mendes Ribeiro tem quatro mandatos como deputado federal.

Edla: Durante essa semana, anunciamos, aqui, na Voz do Brasil, que a presidenta Dilma Rousseff lançaria o Plano Safra da Agricultura Familiar 2011/2012 hoje, em Francisco Beltrão, no Paraná.

Luciano: Mas, de acordo com informação divulgada pela Presidência da República, a viagem foi cancelada por causa da chuva forte na região, e o lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar foi adiado para o dia 12 de julho.

Edla: Termina amanhã, em todo o país, a 3ª Semana do Empreendedor Individual.

Luciano: A meta é formalizar as pessoas que trabalham por conta própria e faturam, no máximo, R$ 36 mil por ano, além de tirar dúvidas e oferecer cursos para os empreendedores já registrados. Priscila Machado.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): Patrícia Mesquita trabalha em Brasília vendendo sapatos de casa em casa. Ela se cadastrou como empreendedora individual e recebeu um número de CNPJ, o cadastro de Pessoa Jurídica. Para ela, a perspectiva é de mais vendas.

Vendedora - Patrícia Mesquita: Eu não vou perder tanta venda com relação a cartão de crédito, por exemplo, uma máquina de cartão de crédito que vou estar conseguindo, crédito bancário para um capital de giro, onde eu posso estar ampliando, melhorando meu negócio.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): Qualquer trabalhador autônomo que ganha até R$ 3.000,00 por mês pode se inscrever como empreendedor individual. O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae, montou feiras em todas as capitais do país para tirar dúvidas e formalizar os autônomos. Basta levar o CPF, carteira de identidade e comprovante de residência. Sair da informalidade pode significar o crescimento profissional para muita gente, como explica o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto.

Presidente do Sebrae Nacional - Luiz Barretto: Com isso, ele pode adquirir um empréstimo bancário, pode vender para o governo, pode vender para as grandes empresas e pode desenvolver empresarialmente.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): João Elias Cardoso, diretor do Departamento Nacional de Registro do Comércio, explica que quem sai da informalidade ganha benefícios como Previdência Social e isenção de tributos federais.

Diretor do Departamento Nacional de Registro do Comércio - João Elias Cardoso: Ele deixa de estar no limbo da Previdência Social e tem isenção dos tributos federais: Imposto de Renda, PIS, Cofins etc.; todos os tributos.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): A vendedora de roupas Risomar do Nascimento se cadastrou no programa. Ela disse que a partir de agora não vai mais se preocupar com a aposentadoria no futuro.

Vendedora de roupas - Risomar do Nascimento: Eu me preocupei com isso agora, né? Até então eu não tinha pensado nisso, mas agora eu comecei a pensar. Aí por isso eu vim até aqui para formalizar.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): Desde que a Lei do Empreendedor Individual entrou em vigor em 2009, mais de 1,25 milhão de pessoas já se formalizaram. Com os atendimentos da Semana do Empreendedorismo Individual, o Sebrae espera que mais 40 mil pessoas saiam da informalidade. Quem não conseguir ir a uma das feiras do Sebrae, pode se formalizar na página eletrônica: portaldoempreendedor.gov.br. De Brasília, Priscila Machado.

Edla: E para inventores, instituições de ciência e tecnologia e empresas brasileiras que investem em inovação estão abertas as inscrições para o Prêmio Finep de Inovação.

Luciano: Na etapa regional podem participar micro, pequenas e médias empresas, instituições de ciência e tecnologia, projetos de tecnologia social e inventores independentes.

Edla: Os vencedores da etapa regional concorrem com grandes empresas na etapa nacional.

Luciano: Carlos Ganem, coordenador nacional do Prêmio Finep de Inovação, explica como os interessados devem fazer as inscrições.

Coordenador nacional do Prêmio Finep de Inovação - Carlos Ganem: O prêmio está aberto no site próprio dele, que é o www.finep.gov.br/premio, e ele vai estar até meados de outubro de 2011. Em segundo lugar, fazê-lo da forma mais direta, usando informática e usando os meios pelos quais o grupo avaliador do prêmio possa ter um contato com essa empresa em todas as fases.

Edla: As inscrições podem ser feitas até o dia 14 de outubro.

Luciano: A produção industrial brasileira aumentou 1,3% em maio na comparação com abril deste passado.

Edla: Se comparado a maio do ano passado, a alta foi de 2,7%.

Luciano: Os dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, também indica um aumento de 4,5% na produção industrial nos últimos 12 meses.

Edla: E o Seminário Internacional de Mídias Públicas para tratar desafios e oportunidades para o século 21 terminou hoje, aqui, em Brasília.

Luciano: O evento realizado em parceria pela Unesco e pela Empresa Brasil de Comunicação, EBC, contou com a participação de especialistas internacionais em radiodifusão pública, além de representantes de organizações e dirigentes de empresas de comunicação da América Latina, dos Estados Unidos e da Europa.

Repórter Paulo La Salvia (Brasília-DF): Foi dando a palavra para quem geralmente não tem voz que o jornalista dinamarquês Soren Johannsen coordena um programa da BBC, a empresa pública de comunicação inglesa, em Angola e Moçambique. São as necessidades da população humilde destes países que pautam o conteúdo do programa, é o que Johannsen chama do serviço público servindo a comunidade, modelo de mídia pública que o Brasil poderia adaptar à realidade nacional.

Jornalista - Soren Johannsen: Eu acho que vale a pena mesmo olhar dentro do país e garantir que EBC está atingindo todas as províncias e as comunidades, porque o objetivo principal da EBC é garantir esta diversidade, e garantir que os... lá fora, que nunca entraram na televisão, agora vão entrar. Então, através... O primeiro passo é começar dentro do país.

Repórter Paulo La Salvia (Brasília-DF): O conteúdo das mídias públicas foi um dos assuntos do encerramento de um encontro internacional sobre o tema em Brasília. Os especialistas também discutiram a quem a mídia pública deve dar voz na sociedade e qual o enfoque deve ser construído sobre determinado assunto. Outra discussão é como uma mídia pública pode ser independente quando financiada por um governo. A resposta, de acordo com os participantes do encontro, está na postura do governo que financia a mídia pública. Quanto mais responsável for na gestão, mais independência vai ter a mídia para realizar a sua cobertura e colocar em prática a sua programação. É o que defende o jornalista Carlos Eduardo Lins e Silva.

Jornalista - Carlos Eduardo Lins e Silva: A mídia verdadeiramente pública não deve ter relação com o governo a não ser a relação de fonte e a relação de objeto do jornalismo.

Repórter Paulo La Salvia (Brasília-DF): Os resultados do encontro em Brasília vão servir de base para a elaboração de um manual de jornalismo da Empresa Brasil de Comunicação. De Brasília, Paulo La Salvia.

Edla: Você ouviu hoje, na Voz do Brasil.

Luciano: Nova campanha do Departamento Nacional de Trânsito quer reduzir acidentes nas estradas, durante as férias de julho.

Edla: Brasileiros estão viajando mais de avião. O número de desembarques nacionais é 20% maior nos cinco primeiros meses do ano que em 2010.

Luciano: Balança comercial brasileira tem saldo positivo de quase US$ 13 bilhões.

Edla: Esse foi o noticiário do Poder Executivo, uma produção da equipe de jornalismo da EBC Serviços.

Luciano: Siga a Voz do Brasil no Twitter: twitter.com/avozdobrasil. Voltamos segunda-feira, boa noite.

Edla: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite, bom fim de semana e até segunda.