04/07/2011 - A Voz do Brasil

O corpo do ex-presidente da República e senador Itamar Franco foi cremado, em Contagem, na região Metropolitana de Belo Horizonte. A presidenta Dilma Rousseff e alguns ministros acompanharam o velório na capital mineira. As novas regras do Código de Processo Penal que trazem mudanças na prisão preventiva entraram em vigor. Agora, outras medidas podem ser tomadas, antes de o juiz pedir a prisão de pessoas acusadas por crimes de menor potencial ofensivo. Todos os estádios que vão sediar os jogos da Copa do Mundo 2014 vão passar por vistorias de segurança contra bombas. Os trabalhos começaram pelo Estádio Nacional em Brasília, onde foi realizada a primeira vistoria pelos ministérios da Justiça e do Esporte. Tudo isso aconteceu hoje e você ouviu na Voz do Brasil.

audio/mpeg 04-07-11-voz-do-brasil.mp3 — 11954 KB




Transcrição

Apresentadora Edla Lula: Corpo do ex-presidente senador Itamar Franco é cremado, em Minas Gerais.

Apresentador Luciano Seixas: Mudanças nos pedidos de prisão preventiva passam a valer a partir de hoje.

Edla: Estádios que se preparam para os jogos da Copa de 2014 vão passar por vistorias contra bombas.

Luciano: Segunda-feira, 4 de julho de 2011.

Edla: Está no ar a sua voz.

Luciano: A nossa voz.

Edla: A Voz do Brasil.

Luciano: Boa noite. Aqui, nos estúdios da EBC Serviços, eu, Luciano Seixas, e Edla Lula.

Edla: O corpo do ex-presidente da República e senador Itamar Franco foi cremado na tarde de hoje, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Luciano: Itamar Franco morreu na manhã do último sábado, aos 81 anos de idade, de acidente vascular cerebral, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Edla: O senador estava internado desde maio para tratar de uma leucemia, e, na semana passada, o estado de saúde piorou por causa da pneumonia.

Luciano: A presidenta Dilma Rousseff e os ministros Antonio Patriota, de Relações Exteriores, Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ideli Salvatti, de Relações Institucionais, e Helena Chagas, da Secretaria de Comunicação Social, acompanharam o velório na capital mineira, na tarde de hoje. A repórter Ana Gabriella Sales tem mais informações.

Repórter Ana Gabriella Sales (Belo Horizonte-MG): O corpo de Itamar Franco chegou pela manhã no aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, com honras militares. O caixão coberto pelas bandeiras de Minas Gerais e do Brasil passou em carro aberto pelas principais avenidas da cidade. Por volta das 11h da manhã, o cortejo fúnebre chegou ao Palácio da Liberdade, sede do governo mineiro. Autoridades também vieram fazer as últimas homenagens ao senador e ex-presidente da República. A presidenta Dilma Rousseff, acompanhada de ministros, ficou no velório cerca de uma hora. O ministro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, destacou a importância da trajetória política de Itamar Franco para o país.

Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - Fernando Pimentel: Um homem público que deixa um exemplo, uma trajetória de honradez, de integridade, de coerência e, acima de tudo, de compromisso com o Brasil.

Repórter Ana Gabriella Sales (Belo Horizonte-MG): O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, ressaltou a importância de Itamar para o estado.

Governador de Minas Gerais - Antonio Anastasia: E aprendemos muito com ele, com a sua sensibilidade social, com sua dedicação, com seu coração, e, especialmente, com a sua preocupação com as pessoas mais pobres. Minas Gerais está de luto e é de fato uma perda irreparável que estamos enfrentando.

Repórter Ana Gabriella Sales (Belo Horizonte-MG): No domingo, o corpo de Itamar Franco foi velado durante todo o dia na Câmara Municipal de Juiz de Fora, cidade onde o ex-presidente foi criado e ingressou na vida política. Mais de 30 mil pessoas foram prestar homenagem. O ex-presidente Lula, José Sarney e Fernando Collor também compareceram. O vice-presidente Michel Temer destacou a recuperação da estabilidade econômica do país com a criação do Plano Real, durante o mandato de Itamar.

Vice-presidente Michel Temer: A estabilidade em relação à inflação foi capaz e teve a coragem de lançar o Plano Real, que manteve o Brasil nos trilhos de uma boa economia.

Repórter Ana Gabriella Sales (Belo Horizonte-MG): O corpo de Itamar Franco partiu de Belo Horizonte para Contagem, na região metropolitana da capital mineira, para ser cremado em uma cerimônia reservada à família. No sábado, a presidenta Dilma Rousseff decretou luto oficial de sete dias. De Belo Horizonte, em Minas Gerais, Ana Gabriella Sales.

Edla: A carreira política do ex-presidente Itamar Franco foi marcada pela luta a favor da democracia, como na campanha pelas eleições diretas, nos anos 80.

Luciano: Na Presidência da República, o governo de Itamar Franco vai ser lembrado pela implantação do Plano Real, que estabilizou a economia brasileira.

Repórter Sirlei Batista (Brasília-DF): Itamar Franco nasceu em 28 de junho de 1930, a bordo de um navio que fazia a rota Salvador-Rio de Janeiro. Órfão de pai, ele viveu uma infância pobre, se formou engenheiro civil, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Começou na política em 1958 pelo PTB. Dois anos depois, já no MDB, Movimento Democrático Brasileiro, foi eleito prefeito da cidade de Juiz de Fora por dois mandatos. Mais tarde, reeleito senador, na chapa de Tancredo Neves, Itamar Franco foi um defensor das Diretas Já. Em 1989, foi vice-presidente da República no governo de Fernando Collor de Mello, mas assumiu a Presidência depois do ‘impeachment’ de Collor, em 29 de dezembro 1992. O Brasil vivia momentos difíceis, recessão prolongada, inflação de mais de mil porcento em desemprego. No governo dele foi elaborado o Plano de Controle Inflacionário da Nova República, o Plano Real, em 1º de março de 1994. O objetivo principal era reduzir e controlar a inflação. O governo de Itamar Franco deu continuidade ao processo de privatizações da era Collor, abrangendo a Companhia Siderúrgica Nacional, a Açominas, a Cosipa e subsidiárias da Petrobras. Com alto índice de popularidade, Itamar Franco deixou o governo em 1º de janeiro de 1995, e passou a faixa presidencial para Fernando Henrique Cardoso. Itamar foi embaixador do Brasil em Portugal e na Organização dos Estados Americanos, em Washington. Em 1998, foi eleito governador de Minas Gerais e, logo no primeiro dia, tomou decisões polêmicas, como a moratória do estado. Este ano, assumiu pela terceira vez o mandato de senador. Em maio, durante exames, foi diagnosticado com leucemia e internado para tratamento da doença. O senador Itamar Franco estava tolerando bem o tratamento de quimioterapia. Nas últimas semanas, desenvolveu grave pneumonia e foi transferido para a UTI do Hospital Albert Einstein. De Brasília, Sirlei Batista.

Edla: O Plano Safra da Agricultura Familiar 2011/2012 vai colocar R$ 16 bilhões à disposição dos agricultores familiares.

Luciano: No programa semanal de rádio “Café com a Presidenta”, Dilma Rousseff destacou que a diminuição dos juros é uma das medidas do governo para beneficiar os produtores.

Presidenta Dilma Rousseff: A taxa de juros de investimento, que antes era de 4%, caiu pela metade. O máximo de juros agora está em 2% ao ano. Aumentamos também o valor máximo a ser emprestado por agricultor em quase todas as linhas de crédito. Tenho certeza de que a melhoria das condições vai permitir ao produtor pegar o empréstimo para aumentar sua área de produção, comprar máquinas, sementes, e assim ele vai vender mais produtos e aumentar a sua própria renda.

Edla: Presidenta Dilma Rousseff também lembrou que se o produtor perder a colheita por problemas climáticos vai receber ajuda

Presidenta Dilma Rousseff: Se o agricultor perder a colheita, quando há seca ou há enchentes, ele vai agora poder pegar até R$ 4.000,00 para se sustentar, e a dívida do banco vai ser zerada.

Luciano: A presidenta Dilma também anunciou que as famílias de agricultores vão enfrentar menos burocracia para vender produtos, como queijo, geleia e mel.

Edla: Isso porque o governo vai melhorar a fiscalização por meio do Sistema Único de Atenção à Sanidade Animal, o Suasa.

Presidenta Dilma Rousseff: Vamos publicar um decreto que vai descentralizar a fiscalização com aumento da participação dos estados nesse processo. Aí o agricultor familiar vai poder comercializar seus produtos em todo o país. Agora uma coisa é importante destacar, nós vamos fazer esse processo sem diminuir as cautelas necessárias, a garantia da qualidade sanitária dos produtos agrícolas brasileiros porque isso significa também proteger a saúde da população.

Luciano: Vamos confirmando aqui que Suasa significa Sistema Único de Atenção à Sanidade Agropecuária.

Edla: A assessoria de imprensa da Presidência da República informou hoje que o governo manifesta confiança do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento.

Luciano: De acordo com a Secretaria de Imprensa, cabe ao ministro a apuração de denúncias publicadas no final de semana contra dirigentes do Ministério dos Transportes.

Edla: No último sábado, o Ministério dos Transportes divulgou uma nota em que o ministro Alfredo Nascimento anunciou a decisão de instaurar uma sindicância interna para apurar de forma rápida e rigorosa o suposto envolvimento de dirigentes, na Pasta, em corrupção.

Luciano: De acordo com a nota, além de mobilizar os órgãos de assessoramento jurídico e controle interno do Ministério dos Transportes, o ministro decidiu pedir a participação da Controladoria-Geral da União nas investigações.

Edla: Ainda, para garantir a apuração e a comprovação dos fatos, o ministro Alfredo Nascimento decidiu pelo desligamento temporário dos servidores Mauro Barbosa Silva, chefe de gabinete do ministro, Luís Tito Bonvini, assessor do gabinete do ministro, Luiz Antônio Pagot, diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes, e José Francisco das Neves, diretor-presidente da Valec, empresa pública responsável pelas ferrovias.

Luciano: Sete e dez.

Edla: As novas regras para as medidas adotadas por juízes para impedir que acusados atrapalhem a investigação criminal para proteger testemunhas e vítimas e preservar a ordem pública entram em vigor hoje.

Luciano: O novo Código de Processo Penal traz mudanças na prisão preventiva.

Edla: Muitas pessoas que cometiam delitos, como roubar um sabonete, por exemplo, acabavam presas, contribuindo para a superlotação das prisões.

Luciano: Agora outras medidas podem ser tomadas antes do juiz pedir a prisão de pessoas acusadas por crimes de menor potencial ofensivo, como pequenos furtos.

Repórter Paulo La Salvia (Brasília-DF): O novo Código de Processo Penal brasileiro amplia as medidas cautelares. Elas são mecanismos que o juiz pode colocar em prática durante o processo criminal. Tem três funções básicas: garantir a segurança da sociedade, impedir que acusados atrapalhem a investigação ao destruir provas ou fugindo do país e proteger testemunhas e vítimas. Um instrumento clássico utilizado pela Justiça para impedir que a ordem pública fique em risco ou que a investigação seja prejudicada pelo acusado durante o processa é a prisão preventiva. Ela não deixa de existir com o novo Código de Processo Penal, sempre sendo aplicada quando a Justiça considerar que o acusado representa alto risco para a sociedade. Mas, a partir de agora, o juiz só poderá lançar mão da prisão preventiva quando as medidas cautelares não surtirem o efeito desejado ou não forem cumpridas pelo acusado. É o que esclarece o Secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira.

Secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça - Marivaldo Pereira: Essas medidas são voltadas para a garantia da segurança pública. Então caberá ao juiz avaliar no caso concreto se é possível substituir a medida de prisão preventiva por qualquer uma dessas outras medidas. Avaliando que elas são capazes de alcançar o mesmo efeito prático, ou seja, a segurança da sociedade, o juiz poderá convertê-la. Caso ele entenda que aquele acusado representa um risco muito grande, de alta periculosidade, o juiz pode mantê-lo afastado do convívio social.

Repórter Paulo La Salvia (Brasília-DF): No lugar da prisão preventiva, que é a reclusão do acusado pelo período que a Justiça considerar necessário durante o processo de investigação, o juiz pode decretar as seguintes medidas cautelares: monitoração eletrônica por meio de tornozeleiras; prisão domiciliar para pessoas com mais de 80 anos e gestantes, a partir do sétimo mês; recolhimento domiciliar noturno e nos dias de folga, quando o acusado tiver residência e trabalho fixos; proibição de frequentar determinados lugares, encontrar determinadas pessoas e de se ausentar do território do Tribunal onde corre o processo; suspensão do exercício de função pública e de atividade econômica; fiança limitada a 200 salários mínimos, podendo ser aumentada em até mil vezes, de acordo com a renda do acusado. O secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira, defende que as mudanças não vão trazer impunidade ao país.

Secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça - Marivaldo Pereira: Aqueles que cometeram crimes continuarão tendo que responder pelos seus crimes e, se condenados, terão que responder, seja cumprindo pena preso, seja por meio de medidas alternativas, de acordo com a decisão que constar na sentença condenatória.

Repórter Paulo La Salvia (Brasília-DF): Entre os crimes que podem sofrer medidas cautelares da justiça estão aqueles em que a pena prevista é de, no máximo, quatro anos de reclusão, como, por exemplo, o furto simples. De Brasília, Paulo La Salvia.

Edla: Todos os estádios que vão sediar os jogos da Copa do Mundo de 2014 vão passar por vistorias de segurança contra bombas.

Luciano: Hoje, em Brasília, foi realizada a primeira vistoria, pelos Ministérios da Justiça e do Esporte, no Estádio Nacional, que está em reforma. Daqui a pouquinho a gente tem as informações, com Gabi Mendes, aqui, na Voz do Brasil.

Edla: Estudo realizado pela Fundação Nacional do Índio, Funai, mostra que os municípios brasileiros não conseguem adotar um modelo de ensino que atenda às necessidades de mais de 200 etnias indígenas.

Luciano: Hoje, a responsabilidade pela educação indígena está dividida entre o governo federal, estados e municípios.

Edla: Mas, de acordo com a Funai, essa estrutura precisa ser mudada para garantir a qualidade do ensino para os indígenas. Priscila Machado.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): No Brasil são 220 etnias, com 180 línguas diferentes. Segundo o Plano Nacional de Educação, toda a aldeia deve ter uma escola, com um professor bilíngue que fale também português. O material didático deve ser específico para cada comunidade. Mas, segundo o Relatório de Avaliação da Educação Indígena, não é essa a realidade, e muitos saem das aldeias para estudar nas cidades. É o que confirma Rosane Kaingang, do Instituto dos Povos Indígenas do Brasil.

Instituto dos Povos Indígenas do Brasil - Rosane Kaingang: Essa competição é desigual com os povos indígenas, porque nós não estudamos em colégios particulares, não temos esse grande conhecimento, esse conteúdo que os não indígenas têm, né? Então, isso acaba, muitas das vezes, fazendo com que o estudante indígena volte para trás, se sinta discriminado porque aquele não é o ambiente dele e que ele não tem igualdade de competição.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): Segundo a Funai, o relatório mostra que os municípios não conseguem desenvolver uma educação indígena diferenciada, com política pedagógica específica para os índios. É o que diz Aloysio Guapindaia, diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável da Funai.

Diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável da Funai - Aloysio Guapindaia: O volume de recursos que é repassado é um volume até satisfatório, mas as coisas não acontecem. Grande parte desse recurso ou são gastos de uma outra forma, não são gastos na escola indígena, ou são simplesmente devolvidos, tá certo? Então, isso já, à primeira vista, mostra um problema seriíssimo e que nós precisamos enfrentar.
Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): Ainda segundo a Funai, a solução é criar um sistema de educação indígena, dando diferentes responsabilidades para os governos federal, estadual e municipal.

Diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável da Funai - Aloysio Guapindaia: Essas responsabilizações precisam se dar de uma outra forma e é necessário, então, ter um sistema que se articule de uma forma diferente, no sentido de construir - tá certo? - uma política que tenha alcance no cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): Hoje existem mais de 93 mil estudantes indígenas no Brasil. De Brasília, Priscila Machado.

Luciano: E agora, sim, vamos ouvir a matéria de Gabriela Mendes sobre a primeira vistoria de segurança contra bombas, realizada hoje, no Estádio Nacional, aqui em Brasília.

Repórter Gabriela Mendes (Brasília-DF): O teste contou com homens das polícias Federal, Civil, Militar e do Corpo de Bombeiros. No projeto-piloto, foi feita a demonstração de uma vistoria de segurança antibomba. Na operação, foram utilizados cães farejadores e um robô que detecta e desativa explosivos. A Polícia Federal começou a fazer ainda o cadastramento de todos os 1900 funcionários da obra. A intenção é criar um banco de dados nacional de trabalhadores da Copa. De acordo com José Ricardo Botelho, secretário extraordinário de Segurança para Grandes Eventos, todos os 12 estádios-sede dos jogos da Copa do Mundo de 2014 vão passar por vistorias periódicas.

Secretário extraordinário de Segurança para Grandes Eventos - José Ricardo Botelho: Existe a concretagem, você tem a questão de tubulação... Tudo isso é checado. Onde um ser humano puder colocar um dispositivo que possa atingir a nossa sociedade, nos grandes eventos, essa área tem que ser checada. Esse aqui está sendo feito um planejamento operacional padrão, que é o que está se... O que está se testando é todo o dispositivo de segurança que vai ser utilizado, e já em... A previsão é que, em agosto ou setembro, nós ‘startemos’ com os estados, os demais estádios, inclusive o Maracanã.

Repórter Gabriela Mendes (Brasília-DF): O ministro do Esporte, Orlando Silva, acompanhou a operação. Segundo ele, as obras do Estádio Nacional de Brasília estão bem adiantadas, o que aumenta as chances da cidade sediar a abertura dos jogos.

Ministro do Esporte - Orlando Silva: São Paulo, Salvador e Belo Horizonte, além de Brasília, são quatro cidades que se colocaram para receber a abertura do Mundial. Eu creio que Brasília, na medida em que cumpre com o seu cronograma, se credencia fortemente para poder receber a abertura do Mundial, em 2014.

Repórter Gabriela Mendes (Brasília-DF): As obras do Estádio Nacional de Brasília começaram no dia 10 de agosto do ano passado. A previsão é que o estádio fique pronto até dezembro de 2012, a tempo de sediar os jogos da Copa das Confederações, em 2013. De Brasília, Gabriela Mendes.

Edla: O Ibama fechou e cassou as licenças de 12 madeireiras ilegais, instaladas em Nova Ipixuna, no sudoeste do Pará.

Luciano: As multas aplicadas a essas madeireiras, por crimes contra o meio ambiente, já somam mais de R$ 5 milhões.

Edla: E foi em Nova Ipixuna que os líderes extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva foram assassinados, no mês passado.

Luciano: A jornalista Raquel Mariano conversou com o chefe da Divisão de Fiscalização do Ibama, no Pará, Paulo Maués, sobre o fechamento dessas madeireiras.

Repórter Raquel Mariano: Como está acontecendo a operação em que o Ibama está apreendendo maquinário em Nova Ipixuna?

Chefe da Divisão de Fiscalização do Ibama no Pará - Paulo Maués: O Ibama já atua lá, ao longo dos últimos anos. Então, a gente já vem atuando na região, no comércio, no transporte ilegal de madeira. Então, a maioria das empresas que trabalha lá, a gente já vinha autuando e verificando que elas estavam trabalhando dentro da ilegalidade. Infelizmente, neste ano, a gente... Já tinha uma ação programada para lá. Houve o assassinato de algumas pessoas ligadas ao movimento social da região. Nós... Já estava na nossa programação, nós fizemos a ação lá, novamente autuou todas as serrarias da região de Nova Ipixuna e culminou no cancelamento das licenças delas, da licença ambiental delas, e com isso, nessa última semana, agora – nós estamos terminando hoje aí –, a gente retirou todo os equipamentos que funcionavam dessas empresas. Então, além de a gente multar, retirar a madeira, agora a gente retirou todo o equipamento, porque essas empresas vinham sendo embargadas, mas desrespeitavam o embargo do Ibama.

Repórter Raquel Mariano: Essa área tem um forte comércio com extração de madeira, mas nem sempre é possível manter esse comércio, por causa da ilegalidade. O Ibama tem algum programa para incentivar outras atividades nessa região?

Chefe da Divisão de Fiscalização do Ibama no Pará - Paulo Maués: Na verdade, a gente atua... O Ibama, aqui, no Pará, atua dentro da parte de fiscalização, mas existe o projeto do governo federal, que é o Arco-Verde, que tenta levar alternativas para esse município, essa localidade. E o setor madeireiro, não significa que ele não possa viver na legalidade; pelo contrário, é um setor que gera emprego, que gera renda, entretanto, ele tem que buscar se regularizar. O que a gente quer mostrar é que, realmente, não vale mais a pena aquela empresa que quer trabalhar na ilegalidade. O certo mesmo é ele trabalhar dentro do que rege a legislação ambiental brasileira.

Repórter Raquel Mariano: E o que vai ser feito com esse maquinário que foi apreendido?

Chefe da Divisão de Fiscalização do Ibama no Pará - Paulo Maués: Ele vai ser doado a instituições parceiras do Ibama, como ao Exército brasileiro, prefeituras que executam projetos sociais, sistema carcerário do governo do estado do Pará, para a construção de carteiras. Então, esse maquinário todo a gente vai doar, para que ele seja utilizado em obras sociais, que venham, também, fomentar a própria região de Nova Ipixuna.

Repórter Raquel Mariano: Eu conversei com o chefe da Divisão de Fiscalização do Ibama no Pará, Paulo Maués. Paulo, muito obrigada pela sua entrevista à Voz do Brasil.

Chefe da Divisão de Fiscalização do Ibama no Pará - Paulo Maués: Agradeço.

Edla: Foi renovado por mais um ano o compromisso entre empresários e trabalhadores que trabalham no corte da cana-de-açúcar.

Luciano: O acordo foi fechado em uma reunião que terminou agora, há pouco, no Palácio do Planalto. A repórter Angélica Coronel tem mais detalhes.

Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): Pelo acordo, firmado em junho de 2009, os empresários da cana-de-açúcar se comprometiam, entre outras coisas, a garantir alojamento, alimentação e transporte adequados para os trabalhadores do setor. Mas hoje, durante o encontro em que o acordo foi renovado, o presidente da Federação dos Empregados Rurais Assalariados de São Paulo diz que ainda faltam garantias, como a alimentação para todos os trabalhadores e não só para os que vivem nos alojamentos. Élio Neves afirma que o principal avanço do compromisso, até agora, foi a eliminação dos chamados gatos, que costumavam intermediar as contratações.

Presidente da Federação dos Empregados Rurais Assalariados de São Paulo - Élio Neves: Nós vencemos quase que a totalidade, nas regiões importantes da colheita da cana, a questão da terceirização. Nós fizemos um primeiro levantamento, e a grande maioria das empresas deixaram de terceirizar o trabalho manual do corte de cana, o que, para os trabalhadores, é um ganho significativo.

Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): Segundo a Secretaria-Geral da Presidência, ainda nesta semana, deve ficar pronto o edital para a contratação de empresas de auditoria, que vão verificar se as empresas do setor da cana estão cumprindo o que foi firmado. Para o secretário executivo da Comissão da Cana-de-Açúcar, da Secretaria-Geral da Presidência, José Feijóo, isso significa uma nova fase no acordo.

Secretário executivo da Comissão da Cana-de-Açúcar - José Feijóo: Nós estamos entrando agora no que eu poderia classificar de uma nova fase, que é a fase em que as empresas que aderiram ao compromisso nacional serão verificadas quanto a efetivamente o cumprimento desse compromisso.

Repórter Angélica Coronel (Brasília-DF): O acordo vale por um ano. Em março de 2012, ele deve passar por nova avaliação. De Brasília, Angélica Coronel.

Edla: Você ouviu hoje, na Voz do Brasil.

Luciano: Corpo do ex-presidente e senador Itamar Franco é cremado em Minas Gerais.

Edla: Mudanças nos pedidos de prisão preventiva passam a valer a partir de hoje.

Luciano: Estádios que se preparam para jogos da Copa de 2014 vão passar por vistorias contra bombas.

Edla: Esse foi o noticiário do Poder Executivo, uma produção da equipe de jornalismo da EBC Serviços.

Luciano: Siga a Voz do Brasil no Twitter: twitter.com/avozdobrasil. Voltamos amanhã. Boa noite!

Edla: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e até amanhã.